PROGRAMA OFICIAL DE RÁDIO DO FERRÃO COMPLETA 150 EDIÇÕES

radio ferrão 2015

Equipe atual da Rádio Ferrão em meio aos gestores da parceira Buy Soccer e novos jogadores

O programa radiofônico de maior longevidade na história do Ferroviário chegou a 150 edições nessa semana. Denominado de Rádio Ferrão, o semanário coral atualmente vai ao ar às segundas-feiras, de 21h às 22h30, pela Ceará Rádio Clube 1200 AM de Fortaleza, e tem contado com a sempre competente apresentação do radialista Saulo Tavares, desde a primeira edição do programa em outubro de 2007. Sua fase de maior longevidade durou até fevereiro de 2010, retornando ao ar no final de 2013 e indo até meados do ano seguinte. Voltou à programação da emissora em outubro de 2015 para deleite dos torcedores corais. Na semana passada, os gestores da empresa paulista Buy Soccer participaram ao vivo e anunciaram novidades para o setor de futebol do Ferrão, uma delas o retorno do goleiro Camilo para as disputas da segunda divisão cearense.

Rádio Ferrão_Zé Rego_2

Ex-presidente José Rego Filho ao vivo no programa apresentado em 19 de outubro de 2008

Ao longo do tempo, várias personalidades importantes passaram pela Rádio Ferrão como dirigentes, ex-presidentes, ex-diretores, ex-atletas e novos jogadores recém contratados para o Ferroviário Atlético Clube. Nomes como José Rego Filho, Ruy do Ceará, Ribamar Soares, Carlos Mesquita, Facó, Marcelino, Gilmar Silva, Fernando Polozzi, Joel Cornelli, Marcelo Silva, Oliveira Canindé, Armando Desessards, Edmar, Robério, Mirandinha, CavalheiroWilson, Clébson, Jéfferson, Tiago Gasparetto, Aldemir, Renato Rocha, Evaldo Lima, Valdemar Caracas, entre outros, abrilhantaram o programa coral com informações e novidades importantes acerca do cotidiano do clube.

Radio Ferrao_37_1

Rádio Ferrão com o ex-jogador Mirandinha no antigo estúdio da emissora em julho de 2008

Tradicionalmente, a Rádio Ferrão tem mantido as principais seções que consolidaram a estrutura original do programa, tais como a realização de perguntas que valem prêmios para os ouvintes, sorteios, recordação de jogos antigos através da vinheta ´Túnel do Tempo´, entre outras atrações. Chegando agora ao expressivo número de 150 edições levadas ao ar, o que mais o torcedor do Ferroviário deseja é que outras 150 se sucedam no futuro sempre com a mesma qualidade e interação. Vida longa à Rádio Ferrão!

radio Ferrão_Joel Cornelli 006

Treinador Joel Cornelli numa das últimas edições da primeira fase em fevereiro de 2010

PERSONAGENS DA GRANDE FINAL E SUAS MEMÓRIAS DO BICAMPEONATO

Ainda na comemoração dos 20 anos do bicampeonato 94/95, a TVDN divulgou ontem uma matéria envolvendo personagens corais presentes no dia da grande final contra o Icasa. Confira acima o brilhante trabalho dos jornalistas Irailton Menezes e Ivan Bezerra, que ousaram em sincronizar passado e presente de uma forma muito emocionante. Entre os participantes estão o veloz atacante Reginaldo, o artilheiro Robério e o lateral esquerdo João Marcelo, que retornaram ao Estádio Presidente Vargas para recordar suas lembranças da memorável tarde de 10 de dezembro de 1995, um dia que a cidade de Fortaleza parou para admirar a alegria contagiante dos torcedores corais pelas ruas.

Ferrão 1995 Bi

Em pé: Nasa, Jorge Luis, Batista, João Marcelo, Santos, Alencar, Ricardo Lima e Roberval; Agachados: Hilton, Piti, Robério, Biriba, Acássio, Paulo Adriano, Branco e Reginaldo.

Além dos três jogadores homenageados no vídeo, o Almanaque do Ferrão reforça também a importância de todo o elenco. Foram 32 jogadores que vestiram pelo menos uma vez a camisa coral naquela brilhante campanha. Para sempre lembrados e reverenciados na história coral: os goleiros Jorge Luiz, Roberval e Miguel; os laterais Biriba, Nasa, Alex, Branco e Márcio Sales; os zagueiros Batista, Santos, Aldo e Alencar; os volantes Paulo Adriano, Ricardo Lima, Vágner e Neném; os meias Acássio, Borges, Basílio, Esquerdinha, Hilton e Melo; e os atacantes Piti, Toninho, Chico Pita, Somar, Wilson, Magno e Sandro. E Dá-lhe Peixe, como costumava-se gritar naquela época.

IMAGENS DO BICAMPEONATO CORAL DA EXTINTA TV MANCHETE

As imagens acima são raras e perfeitas. Dizem muito mais que palavras e evidenciam a total plenitude do bicampeonato do Ferroviário conquistado há exatos 20 anos. Retiradas dos arquivos da sucursal cearense da extinta TV Manchete, elas são capazes de emocionar e resgatar figuras importantíssimas da história coral. Assista e mate a saudade de jogadores como Acássio, Esquerdinha e Robério, do vitorioso técnico Ramon Ramos, do também vitorioso diretor de futebol Douglas Albuquerque – campeão pelo Ferrão em sua época de atleta e também como dirigente – de figuras carismáticas e imortais como Valdemar Caracas e Zé Limeira, e do inesquecível presidente Clóvis Dias, um paranaense que deu ao clube algo que nenhum cearense conseguiu: o título inédito de bicampeão estadual, fazendo-o grande, como sempre foi, em seus quase cinco anos de mandato, naquele que foi o período mais alvissareiro da gloriosa história coral.

EX-ARTILHEIROS CORAIS ESTÃO DE VOLTA AO DIA A DIA DO FERROVIÁRIO

fac-winsports

Mazinho Loyola, de branco, e Robério, de vermelho, voltam ao Ferrão no comando da base

A boa nova chegou na semana passada. O Ferroviário tem nova diretoria e trouxe antigos ídolos e artilheiros para o início de um novo ciclo. Com o vereador Carlos Mesquita na presidência, cargo exercido por ele próprio no biênio 98-99, a nova direção aposta na identificação que nomes como Rômulo, Robério e Mazinho Loyola têm com o clube. Os três foram exímios goleadores vestindo a camisa coral. Em comum, tiveram a primeira chance no futebol profissional jogando com o uniforme do Ferrão. Ganharam o mundo e retornaram para o ninho quando penduraram as chuteiras. Agora, os três personificam a esperança de dias melhores para o Tubarão da Barra.

mazinhocampeao

Mazinho Loyola no Ferrão em 1988

Mazinho Loyola é cria do próprio Ferroviário. Conquistou títulos nas categorias de base nos anos 80 e surgiu como um meteoro brilhante na campanha inesquecível do título estadual de 1988. Foi negociado no final da temporada para o São Paulo e, depois, vestiu as camisas de times consagrados como Corinthians/SP e Internacional/RS. Parou de jogar futebol no próprio Ferroviário, em 2004, na Série C do campeonato brasileiro. Por sua vez, Robério foi bicampeão coral em 1995, ano em que também foi o artilheiro do campeonato. Foi negociado no ano seguinte com o Goiás/GO. Posteriormente, atuou na Malásia, onde é ídolo. A dupla Robério e Mazinho são os principais nomes da Win Sports, empresa que assumiu as categorias de base do Ferrão. Espera-se que na mão de dois excelentes ex-jogadores, o clube possa voltar a revelar grandes artilheiros.

ferrao-176-2502

Rômulo no Ferrão em 2011

Já o ex-atacante Rômulo, artilheiro do campeonato cearense de 1998 pelo Ferroviário, está de volta ao clube, dessa vez na função de técnico do time profissional que disputará a Taça Fares Lopes, competição estadual de segundo semestre que dá ao time campeão uma vaga na Copa do Brasil do ano seguinte. Foi o Tubarão da Barra que ofereceu a primeira grande oportunidade a Rômulo como atleta. Sem vez no elenco do Ceará em 98, clube que o formou, o atleta foi convidado pelo próprio presidente Carlos Mesquita a defender as cores corais. Deu certo, Rômulo foi artilheiro e depois jogou no exterior e em times importantes do futebol brasileiro. Em 2011, voltou a defender a camisa coral no campeonato cearense antes de largar a vida de jogador. Agora, 17 anos depois, o mesmo presidente coloca nas mãos de Rômulo uma nova oportunidade, a de treinador do Ferroviário. Que os velhos nomes corais, agora de volta a Barra do Ceará, resgatem a alegria e o sucesso de suas épocas. A torcida coral certamente agradecerá.

CARIMBO DOS ANOS 90 EM CIMA DO FORTALEZA COM SHOW DE ACÁSSIO

Não há um torcedor do Ferroviário que não recorde com saudade do período do inédito bicampeonato estadual 1994/1995, época que o Tubarão da Barra levava vantagem nos confrontos contra seus principais adversários, principalmente quando enfrentava o Fortaleza, alvo quase sempre de goleadas e derrotas acachapantes. Placares como 3×0, 4×0 e 5×0 se repetiram algumas vezes no período e serviam de gozação junto à torcida adversária. O Almanaque do Ferrão volta exatamente 20 anos no tempo, em junho de 1995, e recupera os melhores momentos de uma vitória coral por 3×0 no Presidente Vargas, na partida de número 2.577 da história coral, válida pelo 2º turno do campeonato cearense, que contou com 2 gols do ídolo Acássio e um gol do atacante Robério, o ´Artilheiro de Deus` do futebol alencarino.

1 003_1222

Acássio: ídolo dos anos 90

O Ferrão era comandado pelo técnico Ramon Ramos, ex-jogador do Vasco/RJ, Santa Cruz/PE e do próprio Ferroviário, em 1984, que mandou a campo a onzena coral com Roberval, Biriba, Batista, Santos e João Marcelo; Paulo Adriano, Borges, Melo e Acássio; Piti e Robério. Já o Fortaleza, do técnico César Moraes, jogou com Aderson, Valnir (Expedito)(Gilmar), Rau, Eduardo e Erandy; Eduardo Galo, Júnior das Arábias e Mardônio; Vivinho, Washington e Serrinha. O Ferroviário tinha um grande elenco, entrosado e excelente tecnicamente, um time quase letal, a prova disso é que voltou a enfrentar o Fortaleza um mês depois e aplicou uma nova goleada por 4×0. O baiano Acássio era o grande diferencial da equipe, o craque na verdadeira acepção da palavra, aquele que conquistou a torcida e virou ídolo rapidamente, talvez o último grande nome dos últimos 20 anos. Em 5 anos de clube, ele atuou em 132 partidas e marcou 74 gols, o que o coloca na condição de sétimo maior artilheiro da história coral. Acássio sempre brilhava nos clássicos e marcava gols contra Ceará e Fortaleza na mesma proporção que balançava as redes de Calouros e América. Reveja acima os lances do jogo contra o Fortaleza e recorde Acássio e grande elenco.

RELEMBRE UM JOGO NOTURNO NA BARRA CONTRA TIME JÁ EXTINTO

barra

Foto panorâmica do estádio particular do Ferroviário Atlético Clube em dia de jogo noturno

Brevemente o Ferroviário deverá mandar novamente seus jogos oficiais no Estádio Elzir Cabral. A última vez que isso ocorreu foi em 28/8/2012, contra o Icasa, pela Taça Fares Lopes. Desde que utilizou seu estádio particular pela primeira vez para disputa de amistosos, no longínquo ano de 1967, o Ferrão somente conseguiu aprontá-lo para competições importantes mais de duas décadas depois, exatamente no campeonato cearense de 1989, o que fez com que a década de 90 fosse recheada de bons confrontos oficiais naquela praça esportiva pelo estadual, campeonato brasileiro e até copa do nordeste. Em jogos disputados num gramado equiparado na época ao do Castelão, foram vários os que sofreram com o time coral dentro de seus domínios, especialmente naquela década de ouro onde Acássio, Robério, Reginaldo, etc, levavam a galera ao delírio.

Para ilustrar um jogo do Ferroviário nos anos 90, o Almanaque do Ferrão volta até o dia 21/5/98, numa partida válida pelo campeonato cearense daquele ano contra o extinto Esporte Limoeiro. O Tubarão venceu por 2×1 de virada e 1.640 pagantes vibraram com o resultado que classificava o time coral para o mata-mata decisivo do turno contra o Icasa. Naquela noite, o técnico Argeu dos Santos lançou Jorge Luiz, Chiquinho, Aldemir, Santos e Bertoldo; Solimar, Paulo Adriano, Acássio (Dino) e Marcelo; Marquinhos Pernambuco (Cantareli) e Rômulo. Acássio, Bertoldo e Guilherme anotaram os gols. Ao final do vídeo, confira o comentário do lendário jornalista cearense Alan Neto, que trabalhava no Sistema Jangadeiro de Televisão. E que os bons fluidos do Elzir Cabral dos anos 90 possam iluminar o Ferrão em sua volta pra casa para disputa de jogos oficiais.

MAZINHO LOYOLA E ROBÉRIO FORAM DESTAQUE NA TELEVISÃO

10377086_10152780941464870_4968415504469517680_n

Ex-corais recepcionados pelo ex-atleta e hoje comentarista Bechara no Debate Bola

É sempre uma grande satisfação para a torcida coral reencontrar ex-atletas vitoriosos na história do clube. Quem assistiu o ´Debate Bola` na TV Diário, no último dia 9, conseguiu rever dois deles: Mazinho Loyola e Robério. Ambos compareceram ao programa para divulgar um projeto do Goiás/GO pelo qual trabalham em Fortaleza.

De acordo com dados do Almanaque do Ferrão, Mazinho Loyola disputou 55 partidas pelo time profissional e marcou 16 gols. Por sua vez, Robério fez 43 gols em 72 jogos. O primeiro foi titular no título estadual de 1988 e o segundo era o centroavante do histórico bicampeonato em 1995. “Nós dois conseguimos algo muito difícil que é ser campeão pelo Ferroviário“, disse Robério durante o programa, que também vestiu a camisa do Goiás/GO enquanto atleta.

Mazinho Loyola esteve presente no lançamento do Almanaque do Ferrão no ano passado e distribuiu simpatia tirando fotos com todos os torcedores presentes. Ele encerrou a carreira há exatos 10 anos vestindo a camisa do próprio Ferroviário, na época comandado pelo treinador Marcelo Veiga, seu ex-companheiro de equipe em 1988. Além de muitos gols do ex-atacante Robério, o arquivo do Almanaque do Ferrão tem vários lances de Mazinho Loyola com a camisa coral. Em breve, por aqui.