FERRÃO ENFRENTOU ATÉ HOJE APENAS QUATRO TIMES GAÚCHOS

Matéria do Jornal O Povo destacando o importante amistoso do Ferroviário contra o Renner/RS

O São José/RS é o novo adversário do Ferroviário na semifinal do campeonato brasileiro da Série D de 2018. Você sabia que a centenária equipe de Porto Alegre é apenas o quinto adversário oriundo do Rio Grande do Sul a cruzar a vida do Tubarão da Barra? Antes dele, o Ferrão apenas enfrentou o Renner/RS, o Internacional/RS, o São Paulo/RS e o Brasil de Pelotas. O confronto com o já extinto Renner, um dos times mais poderosos da história do futebol gaúcho, se deu num amistoso em 27/11/1953 e teve a vitória da equipe do então atacante Ênio Andrade, que depois se consagrou como um grande treinador do futebol brasileiro. O placar foi de 2×1 e Nirtô marcou o único gol do Ferrão, que ainda colocou várias bolas na trave e merecia melhor sorte no jogo realizado no Presidente Vargas, em Fortaleza. Depois disso, o time coral levou décadas para viajar pela primeira vez até os Pampas e enfrentar mais uma equipe gaúcha, dessa vez no dia 05/03/1980, contra o forte Internacional de Porto Alegre, que era justamente o campeão brasileiro da temporada anterior. Na ocasião, o Ferroviário vendeu caro a derrota por 3×2 em pleno estádio Beira Rio, em jogo válido pela Série A do campeonato brasileiro de 1980.

Matéria do O Povo criticando o ataque coral na partida contra o São Paulo do Rio Grande do Sul

Na semana seguinte, em 16/03/1980, o Ferrão recebeu no PV a equipe do São Paulo da cidade de Rio Grande. Foi a primeira vitória coral diante de um adversário gaúcho. O placar apontou 1×0 com gol do meio campista Nilsinho, jogador oriundo do Tiradentes/CE e justamente o mesmo que havia marcado os dois gols corais na semana anterior contra o Internacional/RS, em Porto Alegre. Depois dessa partida, um novo embate com uma equipe gaúcha só veio a acontecer na Série C de 2006 em dois confrontos contra o Brasil de Pelotas, sendo uma vitória para cada time: 3×0 para os gaúchos no estádio Bento Freitas e o troco, também por 3×0, no PV, nos dias 28/10/2006 e 08/11/2006 respectivamente. Cristiano, Glaydstone e Everton marcaram os gols do Ferrão no jogo disputado em Fortaleza. Doze anos depois, que venha então o São José/RS, que tem por coincidência exatamente o nome do padroeiro do Ferroviário e que entra para a história como o quinto adversário gaúcho na vida coral.

FOTO HISTÓRICA DO TIME QUE CONQUISTOU O ACESSO NACIONAL

A foto do time que conquistou dentro da Paraíba o Acesso para a Série C do Brasileiro em 2019

Essa é uma fotografia histórica dos jogadores do Ferroviário Atlético Clube relacionados para o jogo do acesso nacional contra o Campinense/PB na última segunda-feira. Que nunca saiam da memória coral, em pé, da esquerda para a direita: goleiro Léo, Rafael Guedes, Róbson Simplício, Afonso, Marcelo Bispo, Erandir, Gleidson, Edson Cariús, André Lima, Luis Fernando e Gleibson. Agachados: Lucas Mendes, Valdeci, Jean, Esquerdinha, Liniker, Janeudo, Gustavo, Leanderson, Mazinho, Sávio, Luis Soares e Vitinho. Aparecem ainda na foto alguns importantes membros da comissão técnica coral como o preparador físico Janderson Bessa, os preparadores de goleiros Válter Bahia e William Mardoch, além do massagista Alcides Neto.

UM ACESSO QUE EQUIVALE A UM TÍTULO DEPOIS DE 23 ANOS

Paixão de pai pra filho

Quando a Máquina Coral conquistou com sobras o bicampeonato cearense naquele domingo, 10 de Dezembro de 1995, ninguém em meio aquele período auspicioso poderia imaginar que o Ferroviário levasse tantos anos para voltar a comemorar um título. Na segunda-feira, 09 de Julho de 2018, o clube voltou a sorrir como naquele domingo de 1995. Não que o Ferrão tenha vencido outro campeonato, longe disso, porém, ao mesmo tempo, mais que isso. Vinte e três anos depois, o acesso coral para a Série C do Campeonato Brasileiro equivale exatamente à alegria de um título estadual, até então a maior façanha do Tubarão da Barra, repetida nove vezes em 85 anos de história. Pouco? Talvez. Entretanto, tanto para um clube humilde de origens operárias, que nunca foi o queridinho do mainstream esportivo, que nunca gozou de regalias e cuja paixão, apesar de todas as dificuldades,  se perpetua de pai pra filho como um bem de família que vale mais que qualquer patrimônio físico, pois se alicerça em memórias afetivas e lembranças de amor em nome de muita gente que já não se encontra mais no plano físico para acompanhar o curso da história. Qual o torcedor coral que nunca ouviu carinhosamente de um ente querido que o Ferroviário é a sua cara? É por essas e outras que esse time é eterno. Funciona exatamente assim.

Decisão por pênaltis em Campina Grande

Não, o Ferroviário não foi campeão novamente. Ainda não. Ou talvez nem precise ser em 2018. Não é de títulos que se alimenta um clube como o Ferrão. É de memórias afetivas, lembra? Ontem, veio o acesso, o primeiro da história de um time que já perambulou pelas quatro divisões do futebol brasileiro em meio a sucessos e insucessos naturais a qualquer time de futebol. A sorte e a competência sorriram para o Ferroviário numa noite inesquecível em Campina Grande, assistida em todo país por curiosos, torcedores, ex-jogadores, ex-treinadores e aficionados em geral que insistem em não desistir e manter esse time dentro do coração. Ontem, não foi um campeonato conquistado, foi um acesso que vale mais que um troféu de campeão, um acesso que equivale praticamente a um título depois de 23 anos, principalmente em se tratando do contexto injusto do futebol brasileiro que sufoca centenas de times tradicionais e afeta milhares de atletas e profissionais, os quais a imensa maioria sequer tem de onde tirar o sustento durante oito ou nove meses por ano. O acesso do Ferroviário para a Série C em 2019 é a conquista de um calendário mais duradouro dentro do contexto cruel e perigoso definido pela CBF. Vale por um título. Vale por dezenas de troféus. Ontem foi como se o Ferroviário fosse campeão de novo. E foi, pois no panorama atual, acesso é praticamente título.

Um grupo de atletas que já entrou na história

O sucesso premia um grupo de jogadores que já marcaram época na história do Ferroviário, notadamente pela brilhante campanha na Copa do Brasil em 2018 e agora por colocarem o Ferrão na Série C de 2019. Reforçado por bons jogadores, esse grupo cresceu e foi em busca de um sonho quase impossível, principalmente se levarmos em consideração que, até dezembro de 2016, o clube amargava a humilhante realidade da segunda divisão cearense. Que 2017 não seja nunca esquecido, afinal foi a participação coral no vice-campeonato estadual que nos garantiu a Série D desse ano, conquistada numa emocionante disputa de pênaltis contra o Horizonte. Que aquele gol do Mimi contra o Fortaleza, aos 48 minutos do segundo tempo, também nunca saia de nossas memórias. A Série C de 2018 também veio, por coincidência, numa disputa de pênaltis sofrida e é melhor não discutir com o destino. É assim o nosso livro dos tempos, marcado por contos de dor, angústia e sofrimento, que no final fazem valer a pena torcer por um time totalmente diferente dos que têm a preferência dos noticiários esportivos. É de pai pra filho, lembra? Por fim, é hora de tirar o chapéu para uma diretoria incansável, que acertou em profissionalizar recentemente o departamento de futebol e já colheu o primeiro fruto. A semente plantada por esta diretoria, em meio às críticas pesadas e habituais do ambiente do futebol, vitalizou o clube, o livrou de todas as pendências trabalhistas e judiciais, estruturou fisicamente seu ambiente interno e rejuvenesceu um gigante do futebol nordestino. O trabalho da direção coral lava a alma de todos os dirigentes passados que por lá estiveram nos últimos 23 anos e deram sua parcela de contribuição, um tijolo aqui, outro ali, em meio a erros e acertos, mas que sobretudo mantiveram esse time vivo para hoje poder gozar do primeiro acesso da nossa história. Que esta história eternize os grandes nomes do clube, como os da atual direção, e que o Ferrão possa aproveitar essa oportunidade única em 85 anos de existência porque não é todo time que conquista um acesso nacional. Que a decisão por pênaltis em Campina Grande seja eternamente lembrada em nossa memória afetiva e passada de pai pra filho como uma das coisas mais importantes nessa breve experiência de vida.

FERROVIÁRIO E CAMPINENSE: UMA RIVALIDADE HISTÓRICA PELO ACESSO

O Ferroviário partiu ontem na frente no mata-mata contra o Campinense/PB pela Série D do Campeonato Brasileiro de 2018. O vídeo acima com os melhores momentos do jogo reflete bem o clima vivido pelos torcedores corais que foram ao Castelão numa noite atípica de domingo, com direito a gol do artilheiro Edson Cariús e a dois golaços de Juninho Quixadá e Janeudo. A vitória apertada por 3×2 reflete fielmente o equilíbrio histórico entre dois velhos e tradicionais rivais do futebol nordestino, dois gigantes da região pra quem sabe reconhecer que torcida, títulos e tradição é algo para poucos no atual futebol brasileiro como um todo. Uma pena só um dos dois poder passar para a Série C do ano que vem. Ferrão e Campinense fizeram mais uma vez um grande jogo.

Coca Cola

O jogo de ontem foi o de número 3.624 da história coral, sendo o 15º confronto contra a tradicional equipe paraibana, que na década de 1960 mandou para o Ferrão simplesmente um dos nomes mais importantes do Tubarão da Barra em todos os tempos, o ídolo eterno Coca Cola, falecido em 1999. Ao todo, foram 7 vitórias corais, 2 empates e 6 derrotas para o Campinense. O primeiro confronto ocorreu em 1952, vitória coral por 5×0 num amistoso em Campina Grande. Depois, partidas importantes pelo Nordestão e pelo Campeonato Brasileiro nas décadas de 70 e 80, inclusive pela primeira divisão nacional, em 1981, numa partida que mostrou para a torcida coral a genialidade de um jovem chamado Roberto Cearense. Aliás, esta aí um confronto que já aconteceu pelas quatro divisões do campeonato brasileiro e isso é simplesmente emblemático. Como também não lembrar das duas vitórias do Ferrão por 2×0 em cima do Campinense pelo torneio regional Otávio Pinto Guimarães em 1986? Anos depois, a história coloca os dois gigantes nordestinos em combate novamente, agora pela primeira vez na Série D nacional. Só um pode e vai subir para a Série C. Que a felicidade sorria para o Ferrão porque os Deuses do futebol não podem falhar.

RECORDE DO GOLEIRO MARCELINO COMPLETA 45 ANOS NO DIA DE HOJE

Um dos arqueiros mais conhecidos da história do Ferroviário comemora 45 anos de seu recorde

10 de Junho de 1973. Foi nessa data, há exatos 45 anos, que um ex-juvenil do Ferroviário desferiu um chute defensável e o goleiro coral naquele domingo acabou traído pela trajetória da bola. O lance foi histórico, apesar de estranhamente a mídia cearense quase sempre fazer questão de não lembrar. O gol de Ibsen, pelo Maguary, derrubou uma marca de 1.295 minutos sem sofrer gols do goleiro Marcelino, um carioca que marcou época na Barra do Ceará entre 1969 e 1976. Até hoje nenhum outro goleiro chegou sequer a ameaçar o posto de recordista do ex-arqueiro coral, que merecia uma estátua pelo feito. Foram 170 partidas com a camisa do Ferrão, o terceiro arqueiro em número de jogos nas estatísticas corais, atrás apenas de Zé Dias e Jorge Luiz, os dois recordistas na posição. Marcelino viveu altos e baixos no clube, mas será sempre lembrado como um dos goleiros mais importantes da história coral, não apenas pelo recorde cearense, que dificilmente um dia será quebrado, mas também pelo longo período de tempo que atuou como titular do arco do Ferrão. Naquele dia, o Maguary venceu o jogo por 2×1, quebrando uma invencibilidade do Ferrão, que não perdia desde outubro do ano anterior, além de quebrar a hegemonia particular de Marcelino. Nascia ali um recorde histórico. Hoje, aos 71 anos de idade, Marcelino continua vivendo em sua residência na cidade de Fortaleza. Há cinco anos, a direção de marketing do Ferroviário promoveu um vídeo com o ex-goleiro coral e nós aproveitamos para resgatá-lo abaixo em homenagem ao aniversário do grande feito.

ANIVERSÁRIO DO FERRÃO MERECE MATÉRIA DA RÁDIO BANDEIRANTES

Rádio Bandeirantes de São Paulo abriu espaço em 2008 para uma conversa sobre a história coral

Hoje, o Ferroviário Atlético Clube completa 85 anos de existência e o aniversário coral já rendeu algumas homenagens aqui no blog em anos anteriores, entre eles um documentário sobre o nosso fundador Valdemar Caracas. Agora, o Almanaque do Ferrão resgata uma entrevista em áudio, de dez anos atrás, envolvendo a história do Ferrão. Ela aconteceu em 2008 e manteve-se desconhecida da imensa maioria dos torcedores corais por ter sido veiculada apenas na Rádio Bandeirantes de São Paulo. Na época, a tradicional emissora paulista mantinha um programa diário noturno, denominado “Fanáticos por Futebol“, no qual o apresentador Marcelo Duarte conversava com pessoas relacionadas ao futebol espalhadas por todo o território brasileiro. Há dez anos, foi a vez na programação do autor do Almanaque do Ferrão, que estava ainda em fase de pesquisa. Somente cinco anos depois da matéria na rádio é que a mais importante publicação da história coral foi lançada em evento realizado em Fortaleza. Escute a entrevista abaixo e deleite-se com a narrativa de alguns momentos importantes da gloriosa história do Ferroviário. Feliz aniversário, Ferrão!

FOTO HISTÓRICA DE UM TIME QUE HUMILHOU O CAMPEÃO DE 1957

Ferroviário Atlético Clube em 1957 – Em pé: Manoelzinho, Macaúba, Eudócio, Ferreira, Nozinho e Gilvan; Agachados: Zé de Melo, Macaco, Pacoti, Kitt, Fernando e o treinador Durval Cunha

O retrato de hoje é bem antigo e foi tirado antes do início de uma partida amistosa entre Ferroviário e Ceará, marcada como entrega de faixas de campeão cearense de 1957 para a equipe alvinegra. O time coral não entrou pra brincadeira e fez 4×0 no placar, com gols dos eternos ídolos Pacoti, Zé de Melo e Macaco. O atacante Pacoti, que depois jogaria no Vasco/RJ e no Sporting de Portugal, marcou duas vezes. O jogo teve o maranhense Sandoval Ramos no apito e foi realizado no PV. Apesar de mostrar nomes consagrados na história coral como Manoelzinho, Macaúba, Nozinho, Kitt, Fernando e os autores dos gols, essa foto traz uma raridade: na meta coral, o goleiro Gilvan, ex-Gentilândia e Ceará. Isso aconteceu em apenas quatro oportunidades na carreira do ex-goleiro, que depois foi técnico do próprio Ferroviário em 1974. José Gilvan Lemos Dias também foi cronista esportivo e, na década de 1980, comentava jogos do futebol cearense, sempre exibidos na TVE, aos domingos à noite. Em 10 de julho de 2007, Gilvan faleceu em Fortaleza vítima de problemas cardíacos.