ESTREIA DO FERRÃO CONTRA O MARANHÃO NO BRASILEIRO DE 1987

O Almanaque do Ferrão volta trinta anos no tempo e recorda em vídeo a estreia do Ferroviário no polêmico campeonato brasileiro de 1987, que foi estruturado pela CBF em quatro módulos com as cores da bandeira brasileira. O time coral esteve no Módulo Branco, numa chave formada com Maranhão/MA, Sampaio Correa/MA e Serrano/BA. O primeiro jogo do Ferrão na competição ocorreu exatamente num 18 de outubro como hoje, no PV, numa bela tarde de domingo. O adversário foi o Maranhão e o Tubarão da Barra venceu pelo placar de 2×0, gols de Narcélio e Zé Alberto. Valdir Elias Coelho foi o árbitro do jogo, que contou com um público pequeno de 659 pagantes.

Zé Alberto: gol

Treinado por Erandy Montenegro, o Ferrão formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Renato e Kléber; Zé Alberto, Wiltinho (Ronaldinho) e Mardoni (Adalberto); Mardônio, Narcélio e Edson. O time maranhense, comandado por Garrinchinha, perdeu com Juca Baleia, Serginho, Uberaba, Eduardo e Neto; Batista, Tica e Daniel; Válter (Davi), Bacabau e Chiquinho (Vander). O Ferroviário se classificou bem em sua chave, mas caiu na segunda fase da competição ao ser desclassificado pelo América/RN após 3 confrontos decisivos. Narcélio, autor do primeiro gol do Ferrão no Brasileiro de 1987, já faleceu há alguns anos. No banco daquela equipe, um jovem atacante aguardava oportunidade para figurar entre os titulares. Seu nome: Mazinho Loyola, que acabou sendo aproveitado com destaque nas rodadas seguintes.

FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE SE DESPEDE DE MAIS UM EX-PRESIDENTE

Edilson Sampaio na comemoração do título de 1988 ao lado da família na Barra do Ceará

Faleceu no último sábado, dia 14 de outubro, o ex-presidente do Ferroviário Atlético Clube, Edilson Sampaio, conhecido no meio futebolístico e familiar como Chumbinho. Ele presidiu o Tubarão da Barra entre janeiro de 1992 e fevereiro de 1993. Muito antes de ser presidente do clube, Chumbinho colaborou com várias diretorias na condição de conselheiro coral na década de 1980. Ao se tornar presidente do Ferrão, Edilson Sampaio repetiu o feito de seu pai, Porfírio Sampaio, que durante muitos anos presidiu o Ferroviário, sendo inclusive campeão cearense nas temporadas de 1945, 1950 e 1952. Edilson Sampaio travava uma luta contra o câncer e com a notícia de seu falecimento, o Ferroviário anunciou luto oficial. No dia de seu falecimento, o presidente da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, decretou um minuto de silêncio em homenagem a Chumbinho antes do jogo Fortaleza x CSA pelo campeonato brasileiro de futebol. No baú do blog, Chumbinho aparece na foto acima em entrevista ao repórter Edvaldo Pereira, da TV Verdes Mares, durante a comemoração do título estadual do Ferroviário de 1988 ocorrida no Clube de Regatas da Barra do Ceará.

DIA DE REGISTRAR UM ERRO HISTÓRICO DA REVISTA PLACAR

A foto do Ferroviário foi publicada pela Revista Placar com o nome dos jogadores do Fortaleza

Quem acompanhou o futebol brasileiro nos anos 70 e 80 certamente dependia muito das informações veiculadas pela Revista Placar. Numa época em que a Internet comercial não existia, a chegada da famosa revista nas bancas de revista em Fortaleza, toda quarta-feira, era um bálsamo para os apaixonados pelo esporte. A revista mantinha correspondentes em todas as capitais brasileiras e os campeonatos estaduais tinham o merecido destaque nas páginas semanais da publicação. Numa das edições do ano de 1975, a Placar publicou por engano uma fotografia do Ferroviário, só que com o nome e a escalação dos jogadores do Fortaleza Esporte Clube. Uma gafe histórica, sem dúvida nenhuma. A referida foto já apareceu aqui no blog numa postagem de 2015, na mesma época em que esteve exposta numa exposição do futebol cearense no Shopping RioMar. Muita gente viu, porém poucos notaram os ajustes em Photoshop, feitos por sabe Deus quem, para eliminar os dados do Fortaleza na histórica imagem. Eis que a publicação original da revista é enviada para o blog pelo internauta João Ricardo Oliveira e obviamente essa raridade merece uma nova postagem. Eis o dia em que vários brasileiros desavisados acompanharam a escalação do Fortaleza com uma imagem dos jogadores do Ferroviário Atlético Clube.

O TELE-FERRÃO NA FOTO TIRADA NA REINAUGURAÇÃO DO JUNCO

Anderson e Poté no Junco em Sobral

Repare nessa escalação: Miguel, Miro, Carlos Antônio (Poté), Tico e Júnior; Assis, Luciano, Paulo Rubens (Márcio Valério) e Guedinho; Luiz Carlos e Daniel (Zé Roberto). Esse foi o time do Ferroviário, em 11 de setembro de 1999, que enfrentou o Ceará num amistoso que marcou a reinauguração do Estádio do Junco em Sobral. Comandado por Zé Maria Paiva, o time coral perdeu por 2×0, no que seria o prenúncio de uma péssima campanha na temporada seguinte, uma das mais vexatórias de toda a história coral. Repare na camisa do ex-zagueiro Poté. Na foto, ela mostra a gloriosa camisa do Ferroviário estampando dois números de telefones. Era o Tele-Ferrão, uma campanha em parceria com a Teleceará, antiga companhia telefônica do estado, que disponibilizava números para o torcedor colaborar com doações voluntárias a partir de módicos 3 Reais por cada ligação. O zagueiro Poté, que teve uma passagem meteórica pela Barra do Ceará, guardou esta relíquia em seu acervo pessoal. Ele aparece ao lado do meia Anderson, cria da base alvinegra, que depois vestiu a camisa do Ferrão entre as temporadas de 2003 e 2004. Você ligou pro Tele-Ferrão?

EX-MEIA DO FERROVIÁRIO JOGOU NO CAMPEÃO BRASILEIRO DA SÉRIE D

Dione posou para foto oficial no Ferroviário

Pouca gente lembra da passagem desse jogador pela Barra do Ceará. Seu nome é Dione Bonato Pires de Almeida, ou simplesmente Dione. Favor não confundir com o volante Diones, ex-Bahia, e que recentemente esteve no Ceará. Estamos falando de um meia, atualmente com 32 anos de idade, que jogou até ano passado no campeão brasileiro da Série D desse ano, o Operário Ferroviário do Paraná. A passagem dele pelo Ferrão foi pífia. Fez apenas 4 jogos e deixou a desejar em todos eles. Estreou no dia 7 de janeiro de 2009 num jogo treino contra o Uniclinic, no PV. Depois, entrou de saída na estreia coral no campeonato cearense daquele ano, uma acachapante derrota por 3×0 para o Horizonte, em pleno Elzir Cabral. Jogou mais uma vez contra o Boa Viagem e entrou no 2º tempo de um amistoso internacional contra o ASA de Angola. 4 jogos, sendo 2 oficiais e 2 amistosos. Esse é o retrospecto do ex-jogador dos dois times ferroviários.

POR ONDE ANDA UM DOS MAIORES ARTILHEIROS DA HISTÓRIA CORAL?

Paulo César – o papagaio – no Barcelona

Ele já foi tema de postagem aqui no blog com direito a resgate de um vídeo raro mostrando 2 gols marcados pelo Ferrão em 1978 e de um áudio com narração de um gol em 1980. A partir de 1981, quando deixou a Barra do Ceará, o futebol cearense em geral nunca mais ouviu falar de um dos maiores artilheiros da história coral, simplesmente o quarto maior goleador do Tubarão da Barra em todos os tempos. O pernambucano Paulo César, também conhecido como ´papagaio`, atuou em 137 partidas e marcou 88 gols com a camisa coral. No ano que se despediu do Ferrão, foi atuar no Equador pela Liga de Quito, foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e levou sua equipe à Copa Libertadores. Foi logo contratado por uma equipe maior, o famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas 3 temporadas seguintes, uma verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional de 1982 a 1984. Seus gols e o espírito guerreiro o fizeram ídolo do Barcelona, porém nunca foi campeão equatoriano. De fisionomia peculiar, ganhou logo o apelido de ´La Bruja´. Era a bruxa que assustava as defesas adversárias. Atuou profissionalmente até os 40 anos de idade e defendeu ainda o Filanbanco e o Deportivo Quevedo. Foi um ídolo coral que conquistou o Equador!

Matéria do Jornal O Povo, de agosto de 1978, destacando 5 gols de Paulo César na mesma partida

Apesar de brasileiro, Paulo César considera-se equatoriano. Foi o futebol equatoriano que o abraçou como ídolo, embora nesses anos todos nunca tenha sido esquecido pela torcida do Ferroviário, onde foi um gigante na conquista do título estadual de 1979. Curiosamente, seu nome não é Paulo César, mas até seus filhos o chamam assim. No documento de identidade, seu nome verdadeiro é João Evangelista Santiago Dino. Hoje, aos 64 anos de idade, continua sua vida no Equador, curte os netos, acompanha os jogos de futebol na televisão e, vez por outra, vai ao estádio conferir os jogos do Barcelona de Guayaquil. Como um dos maiores ídolos do clube, é sempre reverenciado pelos torcedores e homenageado pela direção da equipe. No final do ano passado, foi ovacionado pelo estádio em mais uma homenagem. O Almanaque do Ferrão achou o vídeo desse momento histórico para o Barcelona de Guayaquil e para o ex-goleador do Ferroviário Atlético Clube. Confira as imagens abaixo até o final e você verá o grande artilheiro Paulo César em sua fase ´vovô garoto`, super querido e eternamente lembrando pelos equatorianos, segurando a sua eterna camisa 9.

NEM PELÉ FUROU A DEFENSIVA CORAL CAMPEÃ INVICTA DE 1968

Pelé tenta furar a defensiva coral no amistoso de entrega de faixas em 1968 no Presidente Vargas

Quando o Ferroviário foi campeão cearense invicto em 1968, a direção coral convidou o Santos de Pelé para o jogo comemorativo de entrega de faixas. A partida aconteceu no dia 4 de agosto daquele ano e terminou no 0x0. Pepe perdeu um pênalti no primeiro tempo do jogo. Pelé bem que tentou, mas não conseguiu furar a defensiva coral formada pela dupla Luiz Paes e Gomes. A famosa revista O Cruzeiro, de circulação nacional, publicou em suas páginas a foto acima, que merece o destaque de hoje na seção ´Retratos` do Almanaque do Ferrão. No ano que vem, o título invicto do Ferrão completa 50 anos e certamente a lembrança não deve passar em branco pela direção do clube. Muitos campeões de 1968 ainda estão vivos para serem homenageados, inclusive pela Federação Cearense de Futebol já que desde então, nenhuma outra equipe local conquistou o título estadual sem perder nenhuma partida na competição.