MAZINHO LOYOLA E SEU PRIMEIRO GOL NO COMEÇO DE NOVEMBRO

Mazinho Loyola em 1987

Já faz quase 30 anos que Mazinho Loyola marcou seu primeiro gol pelo time profissional do Ferroviário. Depois de se destacar na formação coral campeã cearense de juniores em 1987, ele começou a ser utilizado em partidas amistosas da equipe profissional comandada pelo treinador Erandy Pereira Montenegro. Exatamente na primeira vez que  foi lançado em uma partida oficial, Mazinho marcou seu primeiro gol pelo Ferrão. Pouca gente viu, pois o gol aconteceu longe da torcida coral, em São Luís, capital do Maranhão. Era o dia 1º de novembro, um domingo que consagrou, já em sua madrugada, o piloto Nelson Piquet como tricampeão mundial de Fórmula Um. Apenas 393 pagantes prestigiaram a vitória do Maranhão Atlético Clube por 3×1 em cima do Tubarão da Barra, jogo válido pela primeira fase do campeonato brasileiro de 1987, um dos mais controversos em todos os tempos com seus quadro módulos nas cores da bandeira brasileira. Era o jogo 2.201 da nossa história e Mazinho Loyola marcou o primeiro de seus 16 gols em 55 partidas.

Observe a escalação do Ferroviário naquele domingo: Wálter, Laércio, Arimatéia, Kléber e Edson; Zé Alberto, Mardoni (Osmar) e Wiltinho; Mardônio, Mazinho Loyola e Marcos Duque. O Maranhão, do técnico Garrinchinha, venceu com Juca Baleia, Serginho (Davi), João Luís, Eduardo e Neto; Batista, Tica e Daniel; Válter, Bacabau e Chiquinho (Vander). O jogo foi disputado no Nhozinho Santos, tradicional estádio da capital maranhense, e teve a arbitragem de Fernando de Castro. Três semanas depois, Mazinho Loyola voltou a marcar, dessa vez no PV, em jogo importante contra o América de Natal pela mesma competição. Um ano depois, após o título de campeão cearense de 1988, já estava jogando no São Paulo/SP. Mazinho Loyola rodou o mundo, defendeu clubes como o Internacional/RS, Corinthians/SP, Paraná/PR, Santa Cruz/PE, Avaí/SC e terminou sua carreira no próprio Ferroviário na temporada de 2004, quando disputou mais um campeonato brasileiro. Em 2013, Mazinho prestigiou o lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense. Há dois anos, ele participou de uma matéria produzida para a Internet falando sobre sua trajetória no futebol. Assista esse material abaixo e recorde um dos maiores ídolos da história do Ferroviário Atlético Clube.

ENTREVISTA NA TV SOBRE O LANÇAMENTO DO ALMANAQUE

Evento de lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense em 2013

Foi no dia 25 de Junho de 2013. A versão impressa do Almanaque do Ferrão foi lançada no salão nobre do Náutico Atlético Cearense diante de um bom número de torcedores, desportistas, jornalistas e ex-jogadores corais, como Mazinho Loyola, Pacoti e Facó. Passado esse período, alguns poucos exemplares ainda existem disponíveis da tiragem única de 2.000 exemplares. Em alusão ao aniversário do livro, recorde nos vídeos abaixo a reprise da participação de Evandro Ferreira Gomes, autor da obra, no programa de televisão ´Trem Bala`, veiculado pela TV O Povo poucas horas antes do evento, explicando o processo de pesquisa e falando sobre várias curiosidades da história coral.

A NOITE QUE O FERROVIÁRIO LIMPOU O NOME DO FUTEBOL CEARENSE

vergonha

O seu time de coração já entregou uma partida?

Sempre que um time é estranhamente derrotado e o seu revés acarreta em prejuízo para um tradicional rival, as más línguas tratam logo de eternizar na história uma pretensa ´abertura`, ´marmelada` ou ´jogo de compadres`. Os exemplos são inúmeros e ninguém jamais esquece. A atitude abominável quase sempre passa como normal em nome da rivalidade. O torcedor do rival lembrará para sempre pois os maus exemplos são eternos. Por outro lado, o oposto é facilmente descartado. O Almanaque do Ferrão recorda hoje um momento único na história do futebol cearense, uma verdadeira lição para os times que mancham suas marcas com combinação de resultados e acordos espúrios. A noite que o Ferroviáiro limpou o nome do nosso futebol!

presidentevargasfortal

O velho PV aos poucos foi ficando lotado

Vamos a 1988. Ferroviário e Guarany de Sobral deveriam se enfrentar no início de abril, numa quarta-feira à noite, no PV. Uma chuva torrencial impediu a realização da partida, prontamente remarcada para a data livre mais imediata dos preliantes, dia 20 do mesmo mês. Por capricho do destino, terminou como o último jogo que faltava na légua tirana do 1º turno, onde todos os clubes se enfrentaram na base dos pontos corridos. O Guarany precisava da vitória para conquistar o turno e carimbar o passaporte para a final do campeonato, que teria ainda mais dois turnos. O Ferrão, sem chances, se vencesse daria o título daquele turno, de mão beijada, ao Fortaleza. A cidade inteira espalhou a notícia que o time coral facilitaria a vida do time sobralense em nome da rivalidade histórica com o tricolor. O público de 12.100 pagantes naquela noite comprovou a repercussão do fato. A torcida do Fortaleza compareceu em peso para apoiar o Ferroviário. Torcedores do Ceará foram ao jogo para torcer pelo Guarany. Na torcida coral, tinha gente que queria a derrota, entre tantos outros que não aceitavam a propalada abertura, cantada em prosa e verso na mídia cearense.

Deno2

Denô em foto momentos antes do jogo

Treinados por Ramon Ramos, os jogadores corais se encheram de brio e partiram pra cima do Guarany. Venceram por 3×1 e calaram a boca dos inescrupulosos. Da Silva, Denô e Mazinho Loyola marcaram para o Tubarão da Barra, enquanto Cacau descontou para o time sobralense. Foi o jogo 2.221 na história coral, infelizmente esquecido na poeira do tempo e na memória coletiva que só lembra dos maus exemplos. O bom exemplo em questão é uma verdadeira raridade, é verdade. E faz parte da história coral, invariavelmente escrita com muito sofrimento, esforço, mas acima de tudo, honradez. O Ferrão formou com Serginho, Silmar, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Alves, Denô (Carlos Antônio) e Arnaldo; Roberto Carlos (Mazinho Loyola), Da Silva e Beto Andrade. O Guarany, do técnico Teco-Teco, jogou com Silva, Jaime, Valdecy, Ulisses e Marcelino; Alfinete, Quarenta (Jorge) e Cacau; Ivanzinho, Ivan Buiú (Macedo) e Magno.

mazinho

Mazinho Loyola em 1988

Cinco meses depois, o Ferrão sagrava-se campeão cearense, depois de nove anos, decidindo o título no último jogo justamente contra o mesmo Fortaleza. Ao vencer por 1×0, gol de Marcelo Veiga, o time coral conquistou o campeonato de forma brilhante. Perguntado se tinha valido a pena correr riscos colocando o tradicional adversário na final, o diretor de futebol Vicente Monteiro não titubeou: “não teria a menor graça se fosse o Guarany de Sobral. Em cima do Fortaleza é muito mais gostoso“. Depois de muito trabalho, conseguimos recuperar o áudio de dois gols daquela noite. Escute abaixo os tentos de Denô, o segundo, e de Mazinho Loyola, o terceiro, na narração de Gomes Farias, pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. São momentos únicos do Ferrão escrevendo de forma limpa as páginas do futebol cearense.

GOL DA VITÓRIA DO SANTA CRUZ/PE SAIU DA CABEÇA DE UM EX-CORAL

bruno1

Bruno Moraes sobe de cabeça para marcar o gol da vitória do Santa Cruz na noite de ontem

Ele foi destaque no Almanaque do Ferrão em postagem de maio desse ano quando sagrou-se campeão pela Ferroviária de Araraquara. Ontem, o ex-atacante coral Bruno Moraes marcou seu primeiro gol com a camisa do Santa Cruz/PE, aos 28 minutos do 2º tempo, que selou a vitória do tricolor pernambucano por 2×1 em cima do América/MG, em mais um jogo válido pela Série B do campeonato brasileiro. O atacante está atualmente com 26 anos e defendeu o Ferroviário na temporada de 2012, quando assinalou 3 gols em 8 jogos disputados. Bruno Moraes chegou para defender o Santa Cruz de Recife no mês de julho e já começa a honrar a camisa de número 9 do time de maior torcida em Pernambuco, à exemplo do que fizeram os jogadores Facó, em 1968, e Mazinho Loyola, em 1990, dois exemplos de ex-jogadores do Ferrão que tiveram o privilégio de vestir também a camisa coral do Santa Cruz em suas carreiras. Parabéns, Bruno!

IMAGENS RARAS NO GRAMADO DO CASTELÃO APÓS VITÓRIA HISTÓRICA

O título estadual de 1988 está prestes a comemorar seu 27º aniversário e o Almanaque do Ferrão tem várias raridades prontas em áudio e vídeo saídas do fundo do baú para soltar por aqui. Vale lembrar que para chegar à fase final do campeonato, o Tubarão da Barra teve que vencer o Ceará na decisão do 3º turno, numa partida memorável que muitas vezes é mais lembrada até que a própria finalíssima contra o Fortaleza, acontecida no feriado de 7 de setembro. As imagens do vídeo acima são praticamente inéditas e foram gravadas ainda dentro do gramado do Castelão, logo após uma virada histórica que entrou para a história do futebol cearense, quando o Ferroviário foi humilhado pelo Ceará por 5×1 no tempo normal, mas encontrou forças para reverter a situação e fazer 2×0 na prorrogação. Nas imagens, Guina, autor de um dos gols no tempo extra, o técnico Lucídio Pontes, o atacante Mazinho Loyola, que fez o gol coral nos noventa minutos, e o capitão Marcelo Veiga comentam emocionados sobre a grande reviravolta no clássico, talvez o maior jogo da história coral na opinião da torcida.

lucídio pontes

Lucídio Pontes: estratégia que matou o Ceará

O jogo em questão aconteceu no dia 21 de agosto de 1988. Depois de vencer a primeira partida decisiva por 3×0, o Ferrão só precisava do empate naquela tarde de domingo. A partida começou eletrizante com o Ceará fazendo 1×0 e o Ferrão empatando logo em seguida. Depois, o alvinegro deitou e rolou. Foi pra cima do time coral e ao fazer 3×1 no placar, acabou caindo na armadilha do estrategista Lucídio Pontes, que determinou que seus jogadores guardassem o fôlego para os 30 minutos de prorrogação. O Ceará se vingou da derrota anterior fazendo 5×1 com requintes de humilhação durante todo o 2º tempo. Na volta para a prorrogação, os jogadores do Ferroviário entraram de mãos dadas e foram pedir apoio à torcida coral que estava cabisbaixa. O baixinho Arnaldo aproveitou o rebote do goleiro Washington, após uma pancada numa falta cobrada por Marcelo Veiga da intermediária, e fez 1×0. Depois, o paulista Guina fez 2×0 num contra-ataque mortal puxado por Mazinho Loyola e despachou o Ceará do campeonato, carimbando o passaporte coral para as finais contra Tiradentes e Fortaleza. Virada histórica e muita comemoração dos torcedores nas arquibancadas. O título estadual começou ali.

EX-ARTILHEIROS CORAIS ESTÃO DE VOLTA AO DIA A DIA DO FERROVIÁRIO

fac-winsports

Mazinho Loyola, de branco, e Robério, de vermelho, voltam ao Ferrão no comando da base

A boa nova chegou na semana passada. O Ferroviário tem nova diretoria e trouxe antigos ídolos e artilheiros para o início de um novo ciclo. Com o vereador Carlos Mesquita na presidência, cargo exercido por ele próprio no biênio 98-99, a nova direção aposta na identificação que nomes como Rômulo, Robério e Mazinho Loyola têm com o clube. Os três foram exímios goleadores vestindo a camisa coral. Em comum, tiveram a primeira chance no futebol profissional jogando com o uniforme do Ferrão. Ganharam o mundo e retornaram para o ninho quando penduraram as chuteiras. Agora, os três personificam a esperança de dias melhores para o Tubarão da Barra.

mazinhocampeao

Mazinho Loyola no Ferrão em 1988

Mazinho Loyola é cria do próprio Ferroviário. Conquistou títulos nas categorias de base nos anos 80 e surgiu como um meteoro brilhante na campanha inesquecível do título estadual de 1988. Foi negociado no final da temporada para o São Paulo e, depois, vestiu as camisas de times consagrados como Corinthians/SP e Internacional/RS. Parou de jogar futebol no próprio Ferroviário, em 2004, na Série C do campeonato brasileiro. Por sua vez, Robério foi bicampeão coral em 1995, ano em que também foi o artilheiro do campeonato. Foi negociado no ano seguinte com o Goiás/GO. Posteriormente, atuou na Malásia, onde é ídolo. A dupla Robério e Mazinho são os principais nomes da Win Sports, empresa que assumiu as categorias de base do Ferrão. Espera-se que na mão de dois excelentes ex-jogadores, o clube possa voltar a revelar grandes artilheiros.

ferrao-176-2502

Rômulo no Ferrão em 2011

Já o ex-atacante Rômulo, artilheiro do campeonato cearense de 1998 pelo Ferroviário, está de volta ao clube, dessa vez na função de técnico do time profissional que disputará a Taça Fares Lopes, competição estadual de segundo semestre que dá ao time campeão uma vaga na Copa do Brasil do ano seguinte. Foi o Tubarão da Barra que ofereceu a primeira grande oportunidade a Rômulo como atleta. Sem vez no elenco do Ceará em 98, clube que o formou, o atleta foi convidado pelo próprio presidente Carlos Mesquita a defender as cores corais. Deu certo, Rômulo foi artilheiro e depois jogou no exterior e em times importantes do futebol brasileiro. Em 2011, voltou a defender a camisa coral no campeonato cearense antes de largar a vida de jogador. Agora, 17 anos depois, o mesmo presidente coloca nas mãos de Rômulo uma nova oportunidade, a de treinador do Ferroviário. Que os velhos nomes corais, agora de volta a Barra do Ceará, resgatem a alegria e o sucesso de suas épocas. A torcida coral certamente agradecerá.

ALMANAQUE DO FERRÃO COMEMORA HOJE SEU SEGUNDO ANIVERSÁRIO

DSC04083222222222222

Lançamento do Almanaque do Ferrão há dois anos foi precedido de debate sobre a história coral

O Ferroviário Atlético Clube passou a ser o primeiro e único time do futebol cearense a possuir oficialmente uma publicação trazendo toda a compilação de sua história com o Almanaque do Ferrão, lançado exatamente há dois anos, no dia 25 de junho de 2013, livro que traz a ficha técnica dos 3.449 jogos oficiais e amistosos disputados até então, além de informações dos 1.956 jogadores que vestiram a camisa coral, dezenas de fotos históricas, médias anuais de público, resumo das campanhas vitoriosas, dentre outras curiosidades relativas aos treinadores e presidentes, distribuídas no total de 596 páginas.

DSC03986mazinho

Mazinho Loyola e seu exemplar

O evento de lançamento do Almanaque do Ferrão foi prestigiado por ex-presidentes, cronistas esportivos, torcedores, desportistas locais, pesquisadores e atletas lendários do próprio Ferroviário, como Pacoti, Facó, Mazinho Loyola, dentre outros, que marcaram presença no salão nobre do Náutico Atlético Cearense. Antes da sessão de autógrafos, o público presente acompanhou um belo debate no palco sobre a história coral por cerca de uma hora. Coube ao famoso jornalista paulista Celso Unzelte, da ESPN Brasil, escrever o prefácio da obra. Precursor desse modelo de publicação no país, tendo editado anteriormente o “Almanaque do Corinthians” e o “Almanaque do Palmeiras”, Celso preparou um belo texto para introduzir a definitiva obra coral, que é motivo de orgulho para todos os desportistas do estado do Ceará e despertou o interesse dos torcedores do Ferroviário espalhados pelo Brasil afora.

DSC03984_andre

Pai e filho no evento de lançamento

Depois de uma tiragem impressa de 2.000 exemplares, o Almanaque do Ferrão aderiu a modernidade das mídias digitais em outubro do ano passado e ganhou uma versão eletrônica em formato de blog para postagens dinâmicas, que desde então têm destacado fatos, efemérides, estatísticas, ex-jogadores, fotos, vídeos raros e belas histórias que o tempo jamais será capaz de apagar, além de disponibilizar também para venda a versão física da publicação em suas últimas unidades, que não se encontra mais à venda nas livrarias e assim fica acessível também para os torcedores corais e amantes do futebol que têm o privilégio de acompanhar esse trabalho através da Internet.