UM LATERAL E UM ATACANTE EM FOTO QUE A HISTÓRIA NÃO APAGA

Atacante Mazinho Loyola e lateral esquerdo Marcelo Veiga: juntos no Ferrão em 1988 e 2004

Os dois foram campeões pelo Ferroviário em 1988. O da esquerda fez 11 gols e o da direita balançou a rede adversária 7 vezes no campeonato cearense daquele ano, sendo o último simplesmente o gol do título. Mazinho Loyola e Marcelo Veiga em retrato na época da pochete, como se vê. O primeiro saiu do Ferrão para o São Paulo/SP. O segundo foi para o Santos/SP. Mazinho jogou 55 partidas pelo time coral. Marcelo Veiga atuou em 79 jogos. Em 2004, estiveram novamente juntos na Barra do Ceará. Marcelo Veiga foi técnico de Mazinho Loyola que logo depois pendurou as chuteiras. Aquela Série C do Brasileiro de 2004 reuniu os dois novamente no Ferrão depois de longos 16 anos. Além da imagem acima, vale a pena ver as entrevistas no final do vídeo abaixo. Mazinho e Marcelo, então jovens. Hoje com histórias pra contar.

DOCUMENTÁRIO DA TV ASSEMBLEIA EM TRECHOS SOBRE O FERROVIÁRIO

Que tal iniciar a temporada de 2019 com um pouco mais de história sobre o Ferroviário Atlético Clube? Há alguns anos atrás, a TV Assembléia do Estado do Ceará produziu um excelente documentário sobre a história do futebol cearense. Acima, você pode conferir uma compilação das partes do material que tratam exclusivamente sobre o Ferrão, trazendo inclusive uma das últimas gravações em vídeo com Valdemar Caracas, registrada pouco tempo antes de seu falecimento em janeiro de 2013. Além do fundador coral, o material conta a participação de historiadores e nomes importantes que contribuíram para o progresso do futebol cearense e principalmente para a evolução do Ferroviário ao longo do tempo, como o supervisor Chicão, falecido em fevereiro de 2014, os ex-atacantes Pacoti e Mazinho Loyola, o ex-zagueiro Celso Gavião e o ex-dirigente Hamilton Pereira. Conteúdo de grande qualidade! Deleite-se!

MAZINHO LOYOLA SURGIA NO FERRÃO EM NOVEMBRO DE 1987

Há exatos 30 anos, a imprensa cearense dedicou pela primeira vez uma reportagem especial ao atacante Mazinho Loyola. Cria das categorias de base do Ferroviário, ele começava a surgir na equipe profissional durante as disputas do campeonato brasileiro de 1987. Em jogo realizado no Estádio Presidente Vargas, o Tubarão da Barra bateu o América/RN por 1×0, exatamente com um gol do jovem atleta coral, que teve oportunidade no time titular através do técnico Erandy Pereira Montenegro. Confira no vídeo acima a matéria da TV Verdes Mares dando o devido destaque a Mazinho Loyola, a primeira matéria de uma série de muitas que o atleta acumulou na carreira. Naquele domingo de novembro, o Ferrão venceu com Wálter, Laércio, Arimatéia, Kléber e Edson; Zé Alberto, Mardoni (Osmar) e Wiltinho; Mardônio, Mazinho Loyola e Marcos Duque. O time potiguar, sob o comando do treinador Caiçara, perdeu com Hélio Show, Alípio (Joel), Edson, Medeiros e Baeca; Baltazar, Valério e Baíca; Henrique, Silva e Cacauzinho (Sérgio Cabral).

ESTREIA DO FERRÃO CONTRA O MARANHÃO NO BRASILEIRO DE 1987

O Almanaque do Ferrão volta trinta anos no tempo e recorda em vídeo a estreia do Ferroviário no polêmico campeonato brasileiro de 1987, que foi estruturado pela CBF em quatro módulos com as cores da bandeira brasileira. O time coral esteve no Módulo Branco, numa chave formada com Maranhão/MA, Sampaio Correa/MA e Serrano/BA. O primeiro jogo do Ferrão na competição ocorreu exatamente num 18 de outubro como hoje, no PV, numa bela tarde de domingo. O adversário foi o Maranhão e o Tubarão da Barra venceu pelo placar de 2×0, gols de Narcélio e Zé Alberto. Valdir Elias Coelho foi o árbitro do jogo, que contou com um público pequeno de 659 pagantes.

Zé Alberto: gol

Treinado por Erandy Montenegro, o Ferrão formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Renato e Kléber; Zé Alberto, Wiltinho (Ronaldinho) e Mardoni (Adalberto); Mardônio, Narcélio e Edson. O time maranhense, comandado por Garrinchinha, perdeu com Juca Baleia, Serginho, Uberaba, Eduardo e Neto; Batista, Tica e Daniel; Válter (Davi), Bacabau e Chiquinho (Vander). O Ferroviário se classificou bem em sua chave, mas caiu na segunda fase da competição ao ser desclassificado pelo América/RN após 3 confrontos decisivos. Narcélio, autor do primeiro gol do Ferrão no Brasileiro de 1987, já faleceu há alguns anos. No banco daquela equipe, um jovem atacante aguardava oportunidade para figurar entre os titulares. Seu nome: Mazinho Loyola, que acabou sendo aproveitado com destaque nas rodadas seguintes.

MAZINHO LOYOLA E SEU PRIMEIRO GOL NO COMEÇO DE NOVEMBRO

Mazinho Loyola em 1987

Já faz quase 30 anos que Mazinho Loyola marcou seu primeiro gol pelo time profissional do Ferroviário. Depois de se destacar na formação coral campeã cearense de juniores em 1987, ele começou a ser utilizado em partidas amistosas da equipe profissional comandada pelo treinador Erandy Pereira Montenegro. Exatamente na primeira vez que  foi lançado em uma partida oficial, Mazinho marcou seu primeiro gol pelo Ferrão. Pouca gente viu, pois o gol aconteceu longe da torcida coral, em São Luís, capital do Maranhão. Era o dia 1º de novembro, um domingo que consagrou, já em sua madrugada, o piloto Nelson Piquet como tricampeão mundial de Fórmula Um. Apenas 393 pagantes prestigiaram a vitória do Maranhão Atlético Clube por 3×1 em cima do Tubarão da Barra, jogo válido pela primeira fase do campeonato brasileiro de 1987, um dos mais controversos em todos os tempos com seus quadro módulos nas cores da bandeira brasileira. Era o jogo 2.201 da nossa história e Mazinho Loyola marcou o primeiro de seus 16 gols em 55 partidas.

Observe a escalação do Ferroviário naquele domingo: Wálter, Laércio, Arimatéia, Kléber e Edson; Zé Alberto, Mardoni (Osmar) e Wiltinho; Mardônio, Mazinho Loyola e Marcos Duque. O Maranhão, do técnico Garrinchinha, venceu com Juca Baleia, Serginho (Davi), João Luís, Eduardo e Neto; Batista, Tica e Daniel; Válter, Bacabau e Chiquinho (Vander). O jogo foi disputado no Nhozinho Santos, tradicional estádio da capital maranhense, e teve a arbitragem de Fernando de Castro. Três semanas depois, Mazinho Loyola voltou a marcar, dessa vez no PV, em jogo importante contra o América de Natal pela mesma competição. Um ano depois, após o título de campeão cearense de 1988, já estava jogando no São Paulo/SP. Mazinho Loyola rodou o mundo, defendeu clubes como o Internacional/RS, Corinthians/SP, Paraná/PR, Santa Cruz/PE, Avaí/SC e terminou sua carreira no próprio Ferroviário na temporada de 2004, quando disputou mais um campeonato brasileiro. Em 2013, Mazinho prestigiou o lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense. Há dois anos, ele participou de uma matéria produzida para a Internet falando sobre sua trajetória no futebol. Assista esse material abaixo e recorde um dos maiores ídolos da história do Ferroviário Atlético Clube.

ENTREVISTA NA TV SOBRE O LANÇAMENTO DO ALMANAQUE

Evento de lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense em 2013

Foi no dia 25 de Junho de 2013. A versão impressa do Almanaque do Ferrão foi lançada no salão nobre do Náutico Atlético Cearense diante de um bom número de torcedores, desportistas, jornalistas e ex-jogadores corais, como Mazinho Loyola, Pacoti e Facó. Passado esse período, alguns poucos exemplares ainda existem disponíveis da tiragem única de 2.000 exemplares. Em alusão ao aniversário do livro, recorde nos vídeos abaixo a reprise da participação de Evandro Ferreira Gomes, autor da obra, no programa de televisão ´Trem Bala`, veiculado pela TV O Povo poucas horas antes do evento, explicando o processo de pesquisa e falando sobre várias curiosidades da história coral.

A NOITE QUE O FERROVIÁRIO LIMPOU O NOME DO FUTEBOL CEARENSE

vergonha

O seu time de coração já entregou uma partida?

Sempre que um time é estranhamente derrotado e o seu revés acarreta em prejuízo para um tradicional rival, as más línguas tratam logo de eternizar na história uma pretensa ´abertura`, ´marmelada` ou ´jogo de compadres`. Os exemplos são inúmeros e ninguém jamais esquece. A atitude abominável quase sempre passa como normal em nome da rivalidade. O torcedor do rival lembrará para sempre pois os maus exemplos são eternos. Por outro lado, o oposto é facilmente descartado. O Almanaque do Ferrão recorda hoje um momento único na história do futebol cearense, uma verdadeira lição para os times que mancham suas marcas com combinação de resultados e acordos espúrios. A noite que o Ferroviáiro limpou o nome do nosso futebol!

presidentevargasfortal

O velho PV aos poucos foi ficando lotado

Vamos a 1988. Ferroviário e Guarany de Sobral deveriam se enfrentar no início de abril, numa quarta-feira à noite, no PV. Uma chuva torrencial impediu a realização da partida, prontamente remarcada para a data livre mais imediata dos preliantes, dia 20 do mesmo mês. Por capricho do destino, terminou como o último jogo que faltava na légua tirana do 1º turno, onde todos os clubes se enfrentaram na base dos pontos corridos. O Guarany precisava da vitória para conquistar o turno e carimbar o passaporte para a final do campeonato, que teria ainda mais dois turnos. O Ferrão, sem chances, se vencesse daria o título daquele turno, de mão beijada, ao Fortaleza. A cidade inteira espalhou a notícia que o time coral facilitaria a vida do time sobralense em nome da rivalidade histórica com o tricolor. O público de 12.100 pagantes naquela noite comprovou a repercussão do fato. A torcida do Fortaleza compareceu em peso para apoiar o Ferroviário. Torcedores do Ceará foram ao jogo para torcer pelo Guarany. Na torcida coral, tinha gente que queria a derrota, entre tantos outros que não aceitavam a propalada abertura, cantada em prosa e verso na mídia cearense.

Deno2

Denô em foto momentos antes do jogo

Treinados por Ramon Ramos, os jogadores corais se encheram de brio e partiram pra cima do Guarany. Venceram por 3×1 e calaram a boca dos inescrupulosos. Da Silva, Denô e Mazinho Loyola marcaram para o Tubarão da Barra, enquanto Cacau descontou para o time sobralense. Foi o jogo 2.221 na história coral, infelizmente esquecido na poeira do tempo e na memória coletiva que só lembra dos maus exemplos. O bom exemplo em questão é uma verdadeira raridade, é verdade. E faz parte da história coral, invariavelmente escrita com muito sofrimento, esforço, mas acima de tudo, honradez. O Ferrão formou com Serginho, Silmar, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Alves, Denô (Carlos Antônio) e Arnaldo; Roberto Carlos (Mazinho Loyola), Da Silva e Beto Andrade. O Guarany, do técnico Teco-Teco, jogou com Silva, Jaime, Valdecy, Ulisses e Marcelino; Alfinete, Quarenta (Jorge) e Cacau; Ivanzinho, Ivan Buiú (Macedo) e Magno.

mazinho

Mazinho Loyola em 1988

Cinco meses depois, o Ferrão sagrava-se campeão cearense, depois de nove anos, decidindo o título no último jogo justamente contra o mesmo Fortaleza. Ao vencer por 1×0, gol de Marcelo Veiga, o time coral conquistou o campeonato de forma brilhante. Perguntado se tinha valido a pena correr riscos colocando o tradicional adversário na final, o diretor de futebol Vicente Monteiro não titubeou: “não teria a menor graça se fosse o Guarany de Sobral. Em cima do Fortaleza é muito mais gostoso“. Depois de muito trabalho, conseguimos recuperar o áudio de dois gols daquela noite. Escute abaixo os tentos de Denô, o segundo, e de Mazinho Loyola, o terceiro, na narração de Gomes Farias, pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. São momentos únicos do Ferrão escrevendo de forma limpa as páginas do futebol cearense.