FOTO RARA DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1980

Ferrão 1980

Ferroviário no Campeonato Cearense de 1980 – Em pé: Salvino, Jorge Luís, Zé Maria, Celso Gavião, Nilo e Jorge Henrique; Agachados: Osni, Sousa, Paulo César, Nilsinho e Marco Antônio

Publicamos hoje uma foto rara do Ferroviário tirada em 28 de setembro de 1980. Eis o time coral perfilado antes de mais uma vitória pelo campeonato cearense, contra o Calouros do Ar, no PV, pelo placar de 4×0, com gols do ponta direita Osni (duas vezes), Nilsinho e do artilheiro Paulo César. No banco de reservas, o Ferrão contava com curitibano Lanzoninho como técnico. Destaque para o volante Zé Maria, ex-jogador do Guarani de Campinas e do Santa Cruz/PE, poucas vezes lembrado com ex-atleta coral. O goleiro Salvino não nada nada bem de saúde, Sousa mora no interior de São Paulo e Marco Antônio morreu assassinado em 2/10/1994. Nunca se soube quem o matou.

LEVANTE A MÃO SE VOCÊ LEMBRA DO ZAGUEIRO RANIERI NO FERRÃO

sac_ranieri

Ranieri do Salgueiro: jogou no Ferrão em 2004

Há jogadores que, nem com muito esforço, você consegue lembrar que vestiu a camisa do Ferroviário. O zagueiro titular do Salgueiro/PE, que enfrentou o Fortaleza ontem em jogo transmitido pelo Esporte Interativo, é um deles. Seu nome: Ranieri da Silva Rodrigues, atualmente com 34 anos de idade. Ele vestiu a camisa coral em 10 partidas na temporada de 2004. Lembra? Ranieri começou como titular na zaga coral nas duas primeiras partidas da Série C daquele ano, porém terminou na reserva em razão da presença de jogadores mais experientes no elenco comandado na ocasião pelo treinador Marcelo Veiga. Oriundo do Nacional/PB, Ranieri vestiu depois a camisa de vários times do futebol paraibano e pernambucano, até chegar no Salgueiro em 2013. Após a desclassificação coral ainda na primeira fase da Série C de 2004, Ranieri voltou para o interior da Paraíba ao não renovar contrato para a temporada seguinte. Seja sincero. Lembrava dele no Ferrão?

ENTREVISTA NA TV SOBRE O LANÇAMENTO DO ALMANAQUE

Evento de lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense em 2013

Foi no dia 25 de Junho de 2013. A versão impressa do Almanaque do Ferrão foi lançada no salão nobre do Náutico Atlético Cearense diante de um bom número de torcedores, desportistas, jornalistas e ex-jogadores corais, como Mazinho Loyola, Pacoti e Facó. Passado esse período, alguns poucos exemplares ainda existem disponíveis da tiragem única de 2.000 exemplares. Em alusão ao aniversário do livro, recorde nos vídeos abaixo a reprise da participação de Evandro Ferreira Gomes, autor da obra, no programa de televisão ´Trem Bala`, veiculado pela TV O Povo poucas horas antes do evento, explicando o processo de pesquisa e falando sobre várias curiosidades da história coral.

DE ONDE VIERAM AS COBRAS QUE PICARAM O FERROVIÁRIO?

cobra coral - dreyfus_ib_usp_br

Talvez nem o torcedor de memória mais pródiga lembre de onde surgiram as cobras que acabaram de picar o Ferroviário na segunda divisão do campeonato cearense e que, pelo visto, continuam agindo nos bastidores da briga jurídica que virou a competição. Estamos falando de Horizonte e Alto Santo, duas equipes que foram diretamente beneficiadas pelo festival de WO´s ocorrido no certame, cujas pontuações terminaram minimamente superiores aos 43 pontos do Ferrão, conquistados com vitórias e empates verdadeiramente dentro de campo. Não reclame da sua falta de lembrança, mas as referidas cobras foram criadas dentro da própria Vila Olímpica Elzir Cabral. Lembra?

Destaque Léo Jaime no Horizonte

Voltemos a 29 de junho de 2004. Fundado apenas 3 meses antes, o Horizonte Futebol Clube se preparava para disputar pela primeira vez a terceira divisão do futebol cearense e tomava de 6×0 em um jogo amistoso contra o Ferroviário, que por sua vez iria disputar a Série C do campeonato brasileiro. No comando técnico do Horizonte estava Jorge Pinheiro, ex-goleiro coral, que havia sido treinador do próprio Ferrão no início daquela temporada. Sob as bençãos do então presidente Paulo Wágner, o Horizonte tomou emprestado vários jogadores da base coral, inclusive alguns profissionais após a desclassificação do clube no certame nacional, entre eles o zagueiro Cícero César, o atacante Stênio e o meia Júnior Cearense, pra citar apenas os mais famosos. Todo ano, o fato voltava a se repetir com uma leva de jogadores corais emprestados ao Horizonte. Foi assim que a equipe galgou o acesso da terceira para a segunda divisão já em 2005 e fez sua estreia na divisão de elite em janeiro de 2008. Foram menos de quatro anos de um progresso invejável, que contou com injeção financeira preponderante por parte da prefeitura da cidade e tecnicamente baseou-se no empréstimo de jogadores, em sua maioria do elenco do Ferroviário. Foi assim que nomes como o goleiro Jéfferson, o atacante Léo Jaime, o zagueiro Carlinhos, entre outros, subiram a equipe horizontina. No segundo semestre de 2009, com um ano de mandato ainda a cumprir, porém em rota de colisão política que ocasionou a saída coletiva de 8 diretores, o presidente Paulo Wágner renuncia ao cargo e assume a presidência de outra equipe local: o próprio Horizonte, onde permanece até hoje.

Valdemar Caracas entre o Terra e Mar coral

Lembremos também que no segundo semestre de 2007, todo elenco do Ferroviário foi emprestado para que o Terra e Mar, tradicional equipe amadora do futebol alencarino, disputasse a terceira divisão cearense. Seria uma maneira inteligente de movimentar o elenco coral, diziam na época. Até o estádio Elzir Cabral foi cedido para os treinos e jogos oficiais do Terra e Mar. Da equipe do belo bairro do Mucuripe, só as camisas. Foi na época que o Ferroviário virou Terra e Mar que aconteceu um dos fatos mais surreais da história coral. Nos festejos do centenário do fundador Valdemar Caracas, comemorados em vida e com a inauguração de um busto na sede, os jogadores do Ferrão posaram pra fotos vestidos com  a gloriosa camisa coral, entre eles o volante Guto, o meia Jack Chan e os laterais Wescley Lagoa e Teles. Em seguida, desceram as escadas e colocaram o uniforme do Terra e Mar para mais um compromisso pela terceira divisão daquele ano. Visivelmente incomodado com a situação, o ex-diretor Ruy do Ceará, um dos maiores nomes da nossa história, bradou ao microfone: “Dizem que recordar é viver duas vezes. Não é. No nosso caso, recordar é morrer de saudade“. E foi aplaudido de pé pelos presentes. Felizmente – repare na vergonha dessa afirmação – o Terra e Mar não se transformou numa cobra a nos picar. Mostrando a habilidade gerencial do comando coral, o time sucumbiu na competição com derrotas seguidas e foi precocemente eliminado em um campeonato de nível técnico que simplesmente beirou ao ridículo.

Polozzi: técnico do Ferrão/Alto Santo

O modelo de 2007 era a grande solução e foi replicado no ano seguinte, porém com uma novidade que causou frisson internamente: o acordo para apoio econômico vindo da prefeitura de uma cidade que acabara de criar uma nova equipe. Sem calendário e rebaixado para a Série D do campeonato brasileiro, fruto de um desastroso primeiro turno no Estadual de 2008, a solução veio rapidamente com a promessa financeira para todo elenco coral representar o Alto Santo Esporte Clube, uma ideia pactuada entre o então prefeito Adelmo Aquino e o presidente Paulo Wágner, que acabara de reassumir a presidência, após menos de um ano de gestão de seu sucessor Francisco Neto, que renunciara alegando problemas médicos. O treinador? Ninguém menos que Fernando Polozzi, ex-zagueiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1978 na Argentina, com o retrospecto da boa campanha no comando do Ferrão durante o segundo turno do Estadual. Mais uma vez, toda estrutura coral foi cedida como barriga de aluguel: funcionários, instalações, comissão técnica e todos os jogadores emprestados. O time do Alto Santo mandava seus jogos longe de casa, dentro do próprio estádio Elzir Cabral. Em ação pela nova equipe, o goleiro Jéfferson, o volante Alberto, o atacante Danúbio, o zagueiro Nemézio, os meias Guto e Leonardo, e uma jovem promessa coral que depois jogou em grandes clubes do país: Siloé. Oito anos depois, talvez ninguém lembre da incompetência coral, travestida de Alto Santo, que fez com que a equipe não conseguisse o acesso para a segunda divisão em mais uma edição de nível técnico horroroso, porém estava criada mais uma cobra dentro da própria Barra do Ceará.

download

… a cobra que picou o criador.

Em linhas gerais, foi assim uma parte dos fatos que fizeram com que o Ferroviário se apequenasse no cenário nordestino na última década, e que hoje seja vergonhosamente picado pelas próprias cobras que ajudou a criar. A marca ´Ferroviário´ foi esquecida repetidas vezes para dar lugar a projetos e parcerias descabidas com nomes menores como Horizonte, Terra e Mar e Alto Santo. Perdeu-se calendário e esqueceu-se de brigar por ele. Uma coisa é certa, nunca se viu um torcedor do Ferroviário no estádio torcendo pelo próprio clube travestido pelo uniforme destas equipes, porque no futebol quem ama não muda de time, simples assim.  A temporada de 2016 será decidida nos tribunais, como o blog já destacou. Ironicamente, criador e criaturas entram em conflito num jogo de interesses que, em nenhum momento da segunda divisão, foi limpo. O futuro é incerto e o destino do Ferroviário e das cobras que ajudou a criar está, lamentavelmente, nas mãos do Tribunal de Justiça Desportiva. Dele, espera-se uma única coisa: justiça. E que a Federação Cearense de Futebol se manifeste em favor da lisura da sua própria competição, porque tá feio pra todo mundo.

GOLAÇO DO MEIA MARDONI CONTRA O CEARÁ NO ESTADUAL DE 1987

Mardoni foi um meia experiente que jogou 68 partidas pelo Ferroviário entre 1986 e 1987. Oriundo do Central de Caruaru, ele havia vestido a camisa do Palmeiras/SP, entre outras equipes do futebol paulista. Exatamente num 21 de junho como hoje, ele marcou um golaço com a camisa coral no Castelão, um dos mais bonitos do campeonato cearense de 87. Era o jogo 2.183 da nossa história, clássico contra o Ceará naquele domingo à tarde. O alvinegro abriu o placar no início da partida com o centroavante Mauro Portaluppi, mais famoso por ser irmão do ponta direita Renato Gaúcho, estrela do Flamengo/RJ na ocasião, do que propriamente por suas qualidades dentro da área. Mardoni empatou com um verdadeiro golaço, denominado de puxeta pelo narrador Aderbal Bezerra, embora o lance esteja plasticamente mais para um belo voleio. O Almanaque do Ferrão mexeu nos arquivos e recuperou aquele lance brilhante. Assista!

Veterano Mardoni em 1987

O jogo teve Dacildo Mourão como árbitro e Erandy Montenegro no comando técnico do Ferrão, enquanto que o folclórico e viril ex-zagueiro Moisés Matias como treinador do Ceará. Recorde a escalação coral: Walter, Laércio, Arimateia, Léo e Kléber (Narcélio); Zé Alberto, Edson e Carioca; Mardônio, Ilo (Mardoni) e Carlos Antônio. O adversário formou com o futebol de Washington, Reidene, Gilmar Furtado, Argeu e Bezerra; Oliveira Canindé, Índio e Erasmo; Rudinei, Mauro Portaluppi (Victor) e Bebeto (Wanks). O público teve 14.119 pagantes. Dois meses depois, o campeonato estadual chegava a seu final com o Fortaleza campeão em cima do Ceará. O Ferroviário terminou na terceira colocação apesar de campanha instável durante a competição.

REENCONTRO DE PERSONALIDADES NO CASAMENTO DE EX-PRESIDENTE

Ruy do Ceará e Chateaubriand Arrais na sexta

O Almanaque do Ferrão ataca hoje de coluna social, mas é por um motivo justo. Dois dos principais dirigentes da história coral estiveram reunidos na última sexta-feira, dia 17 de junho. Estamos falando de Ruy do Ceará e Chateaubriand Arrais. Os dois se encontraram na cerimônia de casamento de Edilson Sampaio, o Chumbinho, ex-presidente do Ferrão no início da década de 1990. Como não poderia deixar de ser, outros corais marcaram presença no evento, como o ex-presidente Moacir Pereira  Lima e o ex-diretor das categorias de base Arimateia Gondim. Momentos de descontração e de reencontro de personalidades que ajudaram a construir a identidade do Ferroviário em diferentes períodos de sua existência.

POR ONDE ANDA O LATERAL DIREITO CAMPEÃO CEARENSE DE 1979?

jorge luis no castelão

Registro em 1979: Jorge Luís cobra o lateral observado à distância pelo goleiro Edmundo

Foram 106 partidas com a camisa do Ferroviário. Além do título de campeão cearense em 1979, ele estava também na conquista da Taça Imprensa de Rondônia, no final da mesma temporada, em excursão coral à região norte do país. Estamos falando do pernambucano Jorge Luis, lateral direito, oriundo do homônimo Ferroviário de Recife, tradicional agremiação nordestina, já extinta, que um dia denominou-se Great Western e mandou Zuza, Chinês e Popó, na década de 1930, para o time coral. Ele estreou oficialmente na lateral direita numa tarde gloriosa para o Tubarão da Barra, em 10/6/1979. Foi uma vitória por 4×2 em cima do Ceará, em jogo válido pelo quadrangular decisivo do 2º turno do campeonato cearense, turno este conquistado pelo Ferrão, duas semanas depois, após uma goleada espetacular de 5×0 contra o Fortaleza.

Jorge Luís na temporada de 1979

Jorge Luis ficou no Ferroviário até a temporada de 1981. Com a camisa coral, viveu os embates mais emblemáticos daquele período em partidas válidas pelo campeonato brasileiro contra o Flamengo/RJ no Maracanã, o Sport/PE na Ilha do Retiro e o São Paulo/SP no Morumbi. Atuava também como lateral esquerdo e, por vezes, foi improvisado como zagueiro. Foi nessa posição, aliás, que talvez tenha feito a apresentação mais memorável em sua passagem pelo Ferrão, no jogo do terremoto, quando o time coral bateu o Ceará por 1×0, numa noite inesquecível do campeonato cearense de 1980. Ao deixar a Barra do Ceará, Jorge Luis defendeu outros clubes no futebol nordestino como o ABC/RN, Central/PE, Ceará e Treze/PB, onde encerrou sua carreira como atleta. Depois que deixou o Ferroviário em 1981, Jorge Luis só voltou a visitar o clube em janeiro de 2014 e, recentemente, em abril desse ano, esteve lá novamente com sua família para apresentá-los ao local onde viveu dias de luta e de glórias inesquecíveis.

Jorge Luis recentemente com a netinha

Atualmente Jorge Luis mora em Recife. É funcionário da METROREC, a companhia urbana que gerencia as linhas férreas da capital pernambucana. Está com 62 anos de idade, é casado, tem duas filhas e uma linda netinha. O respeito e a saudade do Ferroviário Atlético Clube permanecem no coração e na mente do ex-lateral direito coral. A paixão pela profissão e pelo clube que tão bem o acolheu em 1979 foi passada também para sua família, que através de uma de suas filhas procurou o Almanaque do Ferrão com o intuito de colher mais detalhes e curiosidades sobre a passagem vitoriosa do pai pelo futebol cearense. É certo que o sentimento de gratidão da família pelas recordações vividas no Ferroviário e, em particular, preservadas aqui no blog, serão sempre inferiores em importância ao que o clube eternamente deve aos campeões cearenses de 1979 e, claro, especialmente ao ex-lateral Jorge Luis, que figura ainda como o 89º jogador que mais vezes vestiu a gloriosa camisa do Ferrão. É sempre muito bom destacar que, depois de tantos anos, este ex-atleta nunca perdeu a essência das verdadeiras raízes corais.