REVISTA PLACAR ESQUECE O RECORDE HISTÓRICO DE MARCELINO

Suplemento Especial da Revista Placar encartado na edição de número 170 de 15 de Junho de 1973

Semana passada, a revista Placar atualizou a planilha com os maiores recordes dos goleiros com mais minutos em campo sem sofrer gols em toda a história do futebol brasileiro. De imediato, a publicação pegou o blog de surpresa com a exclusão do recorde do ex-goleiro Marcelino, que detém até hoje a maior marca da história do futebol cearense, com 1.295 minutos alcançados no Campeonato Cearense de 1973. Na ocasião, Marcelino tentava quebrar o feito do goleiro Jorge Reis, que curiosamente foi mantido no ranking atualizado da Placar. A façanha do ex-goleiro do Ferroviário foi amplamente divulgada nos periódicos da época, inclusive na própria revista Placar, no encarte intitulado “Suplemento Especial“, em sua edição de número 170, de 15/06/1973, com texto do jornalista Marcos Nunes, que trabalhava como correspondente da revista em Fortaleza. A matéria, inclusive, afirma a minutagem de forma equivocada, citando 1.395 minutos, quando na verdade foram cem minutos a menos. O feito de Marcelino completará meio século de existência em 2023.

Matéria da revista Placar, com texto de Marcos Nunes, falando sobre a longa minutagem de Marcelino

Acima, a matéria sobre a derrota do Ferroviário no jogo contra o Maguari que eternizou a marca de 1.295 minutos de Marcelino. Caso o goleiro coral quebrasse a marca de Jorge Reis, ele receberia um carro Fusca como premiação da diretoria do Tubarão da Barra. Faltaram 309 minutos para tal. Esperamos que a revista Placar corrija seu lamentável equívoco e atualize seu ranking histórico com a inclusão do feito do ex-goleiro do Ferroviário. Por dever de justiça e exatidão histórica, a incrível façanha de Marcelino é até hoje a quarta maior marca da história do futebol brasileiro e não pode ser negligenciada por equívocos jornalísticos de qualquer espécie. Assim, as referidas marcas emblemáticas obedecem corretamente a sequência abaixo.

1º Lugar – Mazaropi – 1.816 minutos – Vasco da Gama/RJ – 1978
2º Lugar – Neneca – 1.636 minutos – Náutico/PE – 1974
3º Lugar – Jorge Reis – 1.604 minutos – Rio Branco/ES – 1971
4º Lugar – Marcelino – 1.295 minutos – Ferroviário/CE – 1973
5º Lugar – Zetti – 1.238 minutos – Palmeiras/SP – 1987
6º Lugar – Jairo – 1.132 minutos – Corinthians/SP – 1978
7º Lugar – Emerson – 1.108 minutos – Paysandu/PA – 2016
8° Lugar – Alex Alves – 1.079 minutos – São Bernardo/SP – 2022 (*)
9º Lugar – Altevir – 1.066 minutos – Athletico/PR – 1977
10º Lugar – Eli – 1.060 minutos – São Bernardo/SP – 1982

(*) Alex Alves continua jogando pelo São Bernardo/SP na Série D de 2022 e pode aumentar sua marca em busca das cinco melhores colocações. Eis um fato a ser amplamente observado. Esperamos que após a performance de Alex Alves, a revista Placar atualize novamente seu ranking e não esqueça de incluir a performance do ex-goleiro Marcelino.

A VIDA POLÍTICA EM CICLOS E A VAIDADE DOS MEDÍOCRES

Nosso time vinha de cinco temporadas em ascensão. Conquistas esportivas e patrimoniais no currículo de seus dirigentes, que driblaram uma crise que parecia sem fim, quando os pessimistas bradavam: “o Ferroviário vai se acabar”. Apesar da sensação de evolução, pairava algo de estranho nos bastidores corais. No rádio, pretensos candidatos à diretoria subornavam o espaço comercializado por figuras desprovidas de ética e destilavam ódio, disparando a artilharia na direção de um nome específico. Ressaltavam, porém, a importância do investidor – também conhecido como dinheiro – cuja presença era primordial para a sobrevivência do clube, ao mesmo tempo que cumpriam bem a missão de jogar lama na imagem do presidente, taxando-o de ditador, centralizador, arrogante, prepotente e uma série de outros adjetivos de fazer vergonha. Aí vieram reuniões e mais reuniões, sempre intermináveis. Encontros e desencontros. Por força estatutária, o presidente e sua diretoria gozavam do direito de mais um mandato. Uma divergência entre o mandatário maior e um mero dissidente, vaidoso por natureza, apimentou o processo político. Virou a luta do bem contra o mal. E o mal, fizeram crer, seria uma figura específica, o presidente vilão. Afinal, são sempre tantos os mocinhos irremediavelmente vaidosos.

Não, você não está lendo sobre 1997. E nem o presidente em questão é Clóvis Dias, muito menos o investidor chama-se Douglas Albuquerque. São 25 anos na frente do tempo e a história se repete em ciclos que vão e vêm. Dessa vez, tratou de trazer até um inédito título brasileiro no tal processo de ascensão. E é porque diziam que o Ferroviário ia se acabar. Os avanços patrimoniais foram evidentes, o regresso ao cenário nacional também, mas quem se importa? Pagar folha salarial em dia há vários anos é obrigação, dizem aqueles que nunca gerenciaram um time de subúrbio no futebol. Diferente do passado, hoje existem os boquirrotos raivosos das redes sociais e o ritual prevê a disseminação de notícias contraditórias, vazamento de documentos institucionais e interpretações nebulosas. A luta do bem contra o mal, lembra? Os fatos políticos do passado e do presente são rigorosamente – e vergonhosamente – semelhantes. E é possível ver o futuro repetir o passado, se for pra citar o poeta. E se for pra manter a leveza da sabedoria do campo artístico, vale lembrar o ex-goleiro Albert Camus, que você deve conhecer como escritor: “O que eu mais sei sobre a moral e as obrigações do homem, eu devo ao futebol”. Não, amigo. Essa bela lógica pode valer – e sabemos que vale mesmo – na irmandade dos jogadores que dão o sangue em campo em busca de objetivos comuns, mas ela não se sustenta na sordidez do meio político do futebol, onde o estrangeiro se traveste de mocinho e a vaidade é moeda de troca. É só voltar para 1997. Está tudo lá para ensinar.

Qual desfecho você aposta para 2022? A sensação de filme repetido é nauseante. E por ironia do destino, alguns atores – canastrões, por sinal – são exatamente os mesmos do roteiro plagiado do passado. Será que os agentes políticos que hoje fazem o clube não aprenderam nada com a própria história? Deixar a vaidade de lado seria um bom passo para que o Ferroviário siga seu ciclo democrático, seja em qualquer tempo, mas sem a exclusão deliberada e explícita de nomes que estatutariamente podem – e devem – não abrir mão de suas prerrogativas políticas. Quem apaga incêndio com gasolina deveria sair de cena e deixar os diplomatas corais – sim, eles existem – trabalharem no intuito de aparar as arestas. Aqueles que sabem muito bem bajular o investidor – também conhecido como dinheiro, lembra? – mas pedem a exclusão do presidente em específico, deveriam ter vergonha de seus próprios atos parciais. Em 1997, faltou isso em muitos dos mocinhos, que terminaram como vilões. Certa vez, pra finalizar o assunto, um ex-dirigente daquele remoto passado, testemunha ocular da história, taxou aquele nefasto episódio de “A Vaidade dos Medíocres”. Parece que resolveram finalmente investir na produção da continuidade desse filme em 2022. Em breve, nos melhores cinemas.

DANILO E VÁLBER: DOIS IRMÃOS QUE JOGARAM JUNTOS NO FERRÃO

Recorte da seção “Museu da Chuteira” enviada para publicação por um torcedor do Ferroviário

Vários irmãos chegaram ao time profissional do Ferroviário. Na lembrança do torcedor mais jovem, os gêmeos Dedé e Danúbio foram o caso mais recente. Na década de 1970, os irmãos Danilo e Válber vestiram a camisa coral. Nascido em 1956, o meio campista Válber fez sua primeira partida pelo time profissional em 1975. Seu irmão Danilo, nascido em 1953, chegou à equipe principal dois anos antes e teve uma carreira mais duradoura no futebol e no próprio Ferroviário. Fez 124 jogos com a camisa do Tubarão da Barra entre 1973 e 1977. Por sua vez, Válber figurou em apenas 6 partidas do profissional entre 1975 e 1976. Danilo virou “Danilo Baratinha” e chegou a jogar em vários outros clubes no decorrer de sua carreira, como Ceará, Fortaleza e Guarani de Campinas. Certa vez, mais precisamente no dia 1 de Novembro de 1975, Válber chegou a substituir Danilo no decorrer de um amistoso do Ferroviário contra a Seleção Sindical, no Elzir Cabral. Mais de duas décadas depois desse fato, já como treinador de futebol, Danilo por muito pouco não foi tricampeão estadual pelo Ferrão, em 1996. Acima, confira uma resenha sobre os dois irmãos, publicada num jornal cearense do passado. Em pleno 2022, Danilo é um colaborador efetivo das categorias de base do clube na região da Barra do Ceará.

2022 REPETE 1988 EM TERMOS DE LARGADA NO BRASILEIRO

Foto de Lenílson Santos com jogadores perfilados na estreia da Série C 2022: Dudu, Emerson Souza, Clisman, Emerson, Valderrama, Vitão, Maicon, Marquinho Carioca, Fredson, Jonathan e Edson Cariús

Não foi bem o que se esperava. Com duas derrotas na largada da Série C 2022, o Ferrão não começou bem o Campeonato Brasileiro desse ano. A equipe coral perdeu para o Mirassol/SP e ABC/RN nas duas primeiras partidas da competição. Sabe quando isso havia acontecido pela última vez? Foi na largada da Série C de 1988, exatamente no primeiro ano em que o Ferrão disputou a terceira divisão nacional. Vamos à lembrança dos fatos daquele período: após conquistar de forma brilhante o título estadual de 1988, o Tubarão da Barra perdeu alguns atletas. Mazinho Loyola foi negociado para o São Paulo/SP. Marcelo Veiga teve que ficar perto do pai enfermo na capital paulista. Robinson foi para o Vitória/BA, entre outros desfalques. Jogadores egressos do Sub-20 acabaram subindo para o profissional: o ponta Teninha e os meias Osmar e Lane, entre outros. Nesse contexto, o Ferrão perdeu os dois jogos na estréia da Série C de 1988: 0x1 para o Campinense/PB e 0x1 para o ABC/RN, ambos em casa, no PV. De reforços para a competição chegaram o goleiro Zé Luís, ex-Fortaleza, o lateral cearense Osmanir e o atacante Cícero Ramalho, que já havia passado pelo Ferroviário na temporada de 1986. O técnico coral era Zé Maria Paiva.

FERRÃO NO ROMEIRÃO EM MAIS UMA CIRCUNSTÂNCIA HISTÓRICA

Estádio Romeirão no ano da inauguração em foto do acervo de Renato Casimiro e Daniel Walker

Quando o velho Estádio Romeirão foi inaugurado em maio de 1970, o celebrado time do Cruzeiro/MG foi o convidado para duas partidas amistosas, uma contra o Fortaleza e outra contra o Ferroviário. Após vencer o Tricolor do Pici por 3×0 no primeiro embate, o famoso time mineiro repetiu o placar no dia seguinte contra o Tubarão da Barra. Com gols de Gilberto, duas vezes, e Rodrigues, a equipe comandada por Gerson Santos venceu o Ferrão com o futebol de Raul (Nêgo), Lauro (Pedro Paulo), Mário Tito, Darcy Menezes (Morais) e Vanderley (Neco); Toninho e Spencer; Natal (Gil), Gilberto, Evaldo (João Ribeiro) e Rodrigues (Ademir). O Ferroviário perdeu no jogo festivo de inauguração do Romeirão com Neném (Jairo), Esteves, Hamilton Ayres, Gomes e Louro; Simplício e Edmar (Simão); Zezinho (Wilson), Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio (Eldo). O técnico coral era o ex-jogador Fernando Cônsul. Em 2022, exatos 52 anos depois daquele episódio, o destino colocou novamente o time coral na história do velho estádio da terra de Padre Cícero que, após grande reforma, volta modernizado sob à denominação de Arena Romeirão.

Após um longo período de modernização, a cidade de Juazeiro do Norte agora tem a Arena Romeirão

Com a Arena Castelão irresponsavelmente “privatizada” para servir aos interesses exclusivos de Ceará e Fortaleza, sob às bençãos do Governo do Estado do Ceará e de seus gestores públicos, e ainda com o bucólico estádio municipal Presidente Vargas em fase final de reformas, o Ferrão teve que abrir mão, mais uma vez, de seu mando de campo e ir jogar longe de sua torcida. Com péssimos estádios disponíveis na região metropolitana e com o Elzir Cabral sem iluminação, a opção recaiu em atuar na nova Arena Romeirão. O jogo é contra o ABC de Natal, válido pela segunda rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Apesar da cerimônia de inauguração do novo estádio ter ocorrido recentemente com uma partida indigna de resgatar o mesmo simbolismo verificado em 1970, envolvendo uma seleção montada com jogadores que atuam nos times do Cariri a enfrentarem um combinado de jogadores das equipes Sub-20 e Sub-23 de Ceará e Fortaleza, coube ao destino colocar novamente o Ferroviário na vida de Juazeiro do Norte e do Romeirão. Assim, o time coral realizará contra o ABC o primeiro jogo oficial na nova e bela praça esportiva. Obrigado, Padre Cícero.

OS REFORÇOS DE ÚLTIMA HORA PARA A DIFÍCIL TEMPORADA DE 1984

Matéria de jornal anunciando a chegada do goleiro Carlinhos Baiano e do experiente lateral Olímpio

A temporada de 1984 foi bem complicada para o Ferroviário. Acima, vê-se o anúncio da chegada de dois novos reforços. Era agosto daquele ano, e o time coral já havia passado por maus momentos no Campeonato Cearense. O ex-jogador Serginho Redes começou o Estadual como técnico do Tubarão da Barra, sendo depois substituído pelo craque Betinho, que pendurou as chuteiras e assumiu o comando técnico por alguns jogos, até a chegada de Lucídio Pontes para as disputas do 2º turno. Os reforços acima foram treinados por Lucídio, mas os resultados não melhoraram dentro de campo. Nos bastidores, havia também uma crise política que culminou posteriormente com a renúncia do presidente José Lima de Queiroz. Apesar de bons valores no elenco como o experiente Ramon e o ótimo atacante potiguar Júnior Xavier, o Ferrão não se encontrou na temporada. O auxiliar técnico José Oliveira acabou a competição como técnico. Ao todo, o goleiro Carlinhos Baiano fez 14 jogos com a camisa coral e Olímpio atuou em 9 partidas. Ambos eram egressos do Central de Caruaru. Dos reforços solicitados por Lucídio Pontes, citados na matéria de jornal, apenas o lateral direito Gilmar foi contratado. Ele fez apenas 4 jogos pelo Ferrão.

O 11º ADVERSÁRIO DO FERRÃO NA HISTÓRIA DA COPA DO BRASIL

Ferroviário Atlético Clube enfrenta o novato Nova Venécia/ES na primeira fase da Copa do Brasil

Quando entrar em campo pela Copa do Brasil 2022, o Ferroviário estará enfrentando apenas o seu 11º adversário nessa rentável competição, que foi realizada pela primeira vez pela CBF no ano de 1989. Em retrospectiva, os adversários corais na competição nacional mais democrática do futebol brasileiro seguiram essa ordem cronológica: Goiás (1989 e 1996), Remo (1995), América de Natal (2004), Corinthians/SP (2004 e 2019), Confiança/SE (2018), Sport/PE (2018), Vila Nova/GO (2018), Atlético/MG (2018), Porto Velho/RO (2021) e América Mineiro (2021). Como se percebe, houve um longo hiato de participação do Ferrão na Copa do Brasil entre 2004 e 2018. Foram 14 anos de espera em razão de maus resultados nos gramados. Foi exatamente no retorno à competição em 2018 que o Tubarão da Barra obteve a melhor campanha de sua história, passando de fases e capitalizando recursos financeiros que foram decisivos no título de Campeão Brasileiro no mesmo ano. No âmbito geral, o Nova Venécia/ES, equipe que foi fundada em 2021, será a segunda equipe capixaba a enfrentar o Ferroviário ao longo de quase novas décadas de existência da equipe coral. Antes, o Ferrão havia enfrentado apenas a tradicional Desportiva/ES em 1980.

FERRÃO RESGATA JOVEM PROMESSA DA BASE PARA O PROFISSIONAL

Sub-20 do Ferroviário Atlético Clube em 26/04/2014 – Em pé: Rodrigo, Tiago Caucaia, Everton, Alasson, Lucas Mota, Douglas, Diego Viana, Felipe, Henrique, Túlio e Max Férrer; Agachados: Adilton, Márcio, Romário, Renê, Nael, Jardel, Bruno, Carlos Eduardo, Michel e Valdeci

Renê está de volta. O Ferroviário anunciou ontem a chegada do ex-meio campista do Floresta. Apesar de bastante identificado com o time da Vila Manoel Sátiro, o jogador teve boa parte de sua formação como atleta na Barra do Ceará e muita gente desconhece o fato. Durante dois anos, entre 2012 e 2014, Renê era destaque nas equipes Sub-17 e Sub-20 do Ferrão. Tudo começou em setembro de 2012, quando Ferroviário e Floresta se encontraram pelo Campeonato Cearense Sub-20, no CT que hoje pertence ao Ceará, em Itaitinga. O Floresta foi o único time que conseguiu derrotar o Ferrão naquela competição, numa tarde em que Renê, atuando pelo adversário, esbanjou talento e foi decisivo na inesperada derrota coral. A grande atuação do garoto de apenas 16 anos incompletos, chamou a atenção do treinador Gilson Maciel, que solicitou sua contratação. Dois dias depois, Renê se apresentou ao Ferroviário para ser integrado à categoria Sub-17 e continuar seu processo de formação no futebol, numa categoria de base bem gerida e recheada de bons valores como os laterais Everton e Lucas Mota, o meia Diego Viana, o zagueiro Cleylton, o meia Adilton, o volante Márcio, o atacante Damásio, o meia Valdeci, o zagueiro Túlio e o goleiro Eduardo, irmão do famoso goleiro Cássio, do Corinthians/SP.

Meio campista Renê, de chuteira laranja, após mais uma sessão de treinos na Barra do Ceará

Na Barra do Ceará, Renê viveu bons momentos, notadamente na temporada de 2013, quando mesmo com idade Sub-17, chegou a figurar em vários jogos do Estadual Sub-20. Com a permissão da legislação da época, investidores chegaram a aportar dinheiro no clube, tendo como contrapartida a garantia de um percentual dos direitos econômicos do atleta. Porém, o barco coral ficou à deriva a partir de 2014, quando aconteceu o rebaixamento da equipe profissional no Campeonato Cearense e uma grave crise política e financeira se estabeleceu no clube, acarretando em mais de quatro meses de salários atrasados, uma debandada geral dos principais atletas e prejuízo para os investidores. O Ferroviário acabou perdendo Renê exatamente para seu antigo clube. Desiludido com o ambiente na Barra, o atleta preferiu retornar para um novo Floresta, que passava por reestruturação e se preparava para integrar o futebol profissional. Atuando no time principal do Floresta entre 2017 e o começo desse ano, Renê fez quase 100 jogos e marcou 20 gols. Que 2022 possa ser um grande reencontro entre Renê e Ferroviário Atlético Clube.

CINCO ADVERSÁRIOS INÉDITOS NO NOVO FORMATO DA SÉRIE C

As vinte equipes que se enfrentam entre si no novo formato da Série C do Campeonato Brasileiro

A fórmula da Série C de 2022 mudou. Antes, os vinte clubes eram divididos em dois grupos com dez equipes, que se enfrentavam em jogos de ida e volta na primeira fase do Campeonato Brasileiro. A partir desse ano, as equipes se enfrentam em jogos só de ida, todos contra todos. O Ferrão vai viajar Brasil afora e reencontrar antigos adversários como o Brasil de Pelotas, São José de Porto Alegre, Vitória/BA, ABC de Natal e Campinense/PB. Entretanto, cinco adversários realizarão jogos inéditos contra o Tubarão da Barra. Assim, o Ferrão enfrentará pela primeira vez na história as seguintes equipes: Botafogo de Ribeirão Preto, Aparecidense/GO, Figueirense/SC, Ypiranga/RS e Mirassol/SP. Além disso, o Ferroviário Atlético Clube terá também confrontos domésticos contra os cearenses Floresta e Atlético/CE.

FERROVIÁRIO PARA 2022 ATUOU AMISTOSAMENTE EM REDENÇÃO

Ferrão na cidade de Redenção – Em pé: Jonathan, Madson, André Baumer, Diney, Emerson Souza e Edson Cariús. Agachados: Mauri, Valderrama, Gabriel Silva, Marquinho Carioca e Clisman

Eis o Ferroviário Atlético Clube que se prepara para a Temporada 2022. Essa onzena coral entrou em campo durante a semana para inaugurar o novo estádio de Redenção, que estranhamente mudou de nome para Vereador Juvenal do Vale. O adversário foi a equipe Sub-20 do Fortaleza. Redenção é conhecida na história como a primeira cidade que libertou os escravos no Brasil, quatro anos anos da assinatura da Lei Áurea por parte da Princesa Isabel. Essa foi apenas a segunda vez que o Tubarão da Barra se apresentou na histórica cidade. A primeira, em junho de 2000, quando aquela mesma praça esportiva levava o nome de Estádio Otacílio de Azevedo, o Ferrão empatou em 0x0 com o selecionado local, exatamente o mesmo placar do amistoso dessa semana. Esperamos e desejamos uma grande temporada em 2022. De preferência, com um número de gols muito superior ao retrospecto histórico já apresentado em Redenção, onde definitivamente o time coral infelizmente nunca marcou gols.