FERROVIÁRIO PARA 2022 ATUOU AMISTOSAMENTE EM REDENÇÃO

Ferrão na cidade de Redenção – Em pé: Jonathan, Madson, André Baumer, Diney, Emerson Souza e Edson Cariús. Agachados: Mauri, Valderrama, Gabriel Silva, Marquinho Carioca e Clisman

Eis o Ferroviário Atlético Clube que se prepara para a Temporada 2022. Essa onzena coral entrou em campo durante a semana para inaugurar o novo estádio de Redenção, que estranhamente mudou de nome para Vereador Juvenal do Vale. O adversário foi a equipe Sub-20 do Fortaleza. Redenção é conhecida na história como a primeira cidade que libertou os escravos no Brasil, quatro anos anos da assinatura da Lei Áurea por parte da Princesa Isabel. Essa foi apenas a segunda vez que o Tubarão da Barra se apresentou na histórica cidade. A primeira, em junho de 2000, quando aquela mesma praça esportiva levava o nome de Estádio Otacílio de Azevedo, o Ferrão empatou em 0x0 com o selecionado local, exatamente o mesmo placar do amistoso dessa semana. Esperamos e desejamos uma grande temporada em 2022. De preferência, com um número de gols muito superior ao retrospecto histórico já apresentado em Redenção, onde definitivamente o time coral infelizmente nunca marcou gols.

DANIEL MARCOU O GOL MAIS RÁPIDO DA HISTÓRIA CORAL

Atacante cearense Daniel ao lado do Tutuba: ele marcou o gol mais rápido da história do Ferroviário

Alguma vez você já se perguntou quem marcou o gol mais rápido da história coral? A resposta está na foto acima. Foi o atacante Daniel, um jogador formado nas categorias de base do Ceará e que defendeu o Tubarão da Barra na temporada de 2016, quando o Ferrão amargava a segunda divisão cearense. Ele marcou aos 8 segundos de jogo contra o Maracanã/CE no Estádio Antônio Cruz, localizado no bairro da Lagoa Redonda, em Fortaleza. Antes dele, as melhores marcas apontavam os gols de Ednardo (56 segundos em 1981), Jacinto (50 segundos em 1979), Macaco (40 segundos em 1954) e Paulista (14 segundos em 2016), este último marcado exatamente cinco rodadas antes do feito de Daniel. O autor do gol mais rápido da história coral permaneceu apenas uma temporada na Barra do Ceará, totalizando 20 jogos e 7 gols marcados. No ano seguinte, ele atuou no Tiradentes/CE e encerrou precocemente a carreira de jogador profissional. Abaixo, você confere o vídeo com os dois gols do jogo em que aconteceu o recorde histórico do gol mais rápido na trajetória de quase 90 anos do Ferrão. Curiosamente, o gol histórico de Daniel foi marcado com a indefectível camisa laranja, utilizada somente naquela temporada. Por quanto tempo esse recorde durará? Quem se habilita a quebrar o recorde de Daniel?

PUBLICAÇÃO RARA DE 1962 HOMENAGEANDO O ÍDOLO PACOTI

A raridade acima foi enviada pelo internauta Leandro Paulo, diretamente de Pernambuco. Leandro é um dos maiores entusiastas do Almanaque do Ferrão e contribuiu com uma peça de grande valia histórica. Trata-se de uma página retirada de alguma revista esportiva, destacando o atacante Pacoti em 1962, quando ele defendia o Sporting de Lisboa. Na semana que o ídolo coral Pacoti nos deixou e foi morar no céu, a publicação dessa raridade vem em boa hora. Nela, mesmo atuando em terras lusitanas e vivendo o auge de sua carreira, Pacoti destacava toda a sua simpatia e gratidão ao Ferroviário Atlético Clube, sentimentos que ele levou até o fim da vida.

LUIZINHO DAS ARÁBIAS VOLTA A TER A MELHOR MÉDIA DE GOLS

O ídolo coral Luizinho das Arábias continua brilhando na trajetória do Ferrão. Dois anos atrás, a sua marca de melhor média de gols na história coral havia sido derrubada pelo artilheiro Edson Cariús, destaque nas temporadas de 2018 e 2019. De regresso ao clube em meados de 2021, o artilheiro no título brasileiro de 2018 marcou menos gols que o esperado e sua média acabou diminuindo no parâmetro histórico, apontando atualmente um total de 78 jogos com a camisa coral e 51 gols, o que define uma média de 0,65 gols por jogo, inferior ao patamar de 0,75 alcançado em 2019. Falecido em 1989, Luizinho das Arábias fez 75 jogos e assinalou 54 gols, o que garantiu ao artilheiro carioca a marca de 0,72 gols por partida. Sim, a melhor da história. De volta ao topo. O futuro é incerto e obviamente Edson Cariús tem condições de reverter novamente o quadro caso continue no clube ou retorne em algum outro período. Até lá Luizinho das Arábias continuará reinando na história.

JUAZEIRENSE FOI O NONO ADVERSÁRIO DO FUTEBOL BAIANO

No click acima do fotógrafo Lenilson Santos, o atacante Gabriel Silva passa entre os jogadores do time da Juazeirense/BA. O jogo foi válido pela fase preliminar da Copa do Nordeste de 2022 e o Ferroviário venceu por 4×0, ontem na Arena das Dunas. Graças à incompreensão dos gestores públicos do Estado do Ceará, a Arena Castelão foi vergonhosamente vetada para o importante jogo coral e ele teve que ser realizado em Natal. A Juazeirense enfrentou o Ferroviário pela primeira vez na história, sendo o nono representante do futebol baiano a jogar contra o Tubarão da Barra. Antes, o Ferroviário teve treze jogos contra o Bahia, oito contra o Vitória, quatro contra a Jacuipense, três contra o Ipiranga, dois contra o Serrano, duas partidas contra o Fluminense e uma partida contra Galícia e Leônico, respectivamente. Até o momento, foram realizados 35 jogos contra equipes baianas, sendo 11 vitórias, 10 empates e 14 derrotas para os representantes da terra do acarajé. O piauiense Pepê, famoso atacante entre as temporadas de 1939 e 1942, é o maior goleador entre os corais contra equipes baianas. Ele marcou 5 gols em jogos contra Bahia e Ipiranga no período.

FERRÃO VOLTA AO VELHO ESTÁDIO DA COLINA 50 ANOS DEPOIS

Ferrão jogou no velho Estádio da Colina em seis oportunidades entre os anos de 1967 e 1971

Quando o Ferroviário entrar em campo no Estádio da Colina no próximo domingo, em Manaus, voltará a pisar no velho palco do futebol amazonense depois de 50 anos! Entre 1967 e 1971, o time coral realizou seis jogos contra equipes como o Rio Negro/AM, São Raimundo/AM, Nacional/AM e a extinta Rodoviária/AM exatamente naquela praça esportiva. Antes desse período, os ocasionais jogos do Ferrão em Manaus aconteceram no bucólico Parque Amazonense e, a partir de 1979, passaram a ocorrer no demolido Vivaldo Lima, que deu lugar à moderna Arena da Amazônia para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Quando o Tubarão da Barra atuou no Estádio da Colina pela última vez, em janeiro de 1971, contra o tradicional Naça Machão, em partida válida pelo Torneio Amazonense, a denominação oficial do estádio chamava-se Gilberto Mestrinho, passando a ser conhecido com seu nome atual, Estádio Ismael Benigno, somente a partir de 1977, em homenagem ao ex-presidente do São Raimundo/AM, falecido três anos antes. No gramado do velho Estádio da Colina já pisaram nomes como Garricha e Pelé. Os corais Coca Cola, Simplício, Facó, Zé Maria Paiva, entre outros, também desfilaram sua categoria por lá. Agora, cinco décadas depois, chegou a vez de Edson Cariús, Vitão, Wesley Dias, Diego Viana e companhia mostrarem serviço num dos estádios mais tradicionais do futebol brasileiro, dessa vez contra o Manaus/AM em mais um jogo da Série C nacional.

A RÁPIDA INCURSÃO DO CRAQUE AMILTON MELO PELA MÚSICA

Que ele foi um grande craque de bola, todo mundo sabe! Mas você tinha conhecimento ou lembrava que Amilton Melo teve uma rápida incursão pelo mundo da música? Foi no ano de 1990 que ele lançou o disco ´Forregue´, aproveitando um período da indústria musical que abria cada vez mais espaço global para ritmos como o forró e a lambada. Acima, eis a prova dessa raridade! Nesse mesmo ano, Amilton Melo decidiu voltar ao futebol profissional, depois de um hiato de mais de dez anos, defendendo o Calouros do Ar, já aos 40 anos de idade. No início da sua carreira, depois de retornar do Fluminense/RJ de Telê Santana, o craque fez história no Ferroviário, conquistando o título estadual de 1970 e formando uma dupla implacável com o pernambucano Paulo Velozo. O sucesso do atleta na Barra do Ceará foi tamanho, que Amilton Melo teve certa vez seu contrato renovado em plena Praça da Estação, defronte à sede da RFFSA, em meio a uma multidão de torcedores corais e com ampla cobertura radiofônica dos principais programas esportivos no fim de tarde. Depois, jogou ainda no Atlético/MG, novamente com Telê Santana, brilhando também no Fortaleza e no Ceará, onde encerrou a carreira precocemente, aos 29 anos de idade, por desejo próprio. Amilton Melo faleceu em 1997, porém deixou muitas lembranças no futebol, além de uma autobiografia e, como se vê, um disco de música popular.

TÉCNICO CAMPEÃO OLÍMPICO FOI SONDADO PARA TREINAR O FERRÃO

André Jardine foi convidado para ser treinador do Ferroviário Atlético Clube no final de 2013

André Jardine, treinador da Seleção Brasileira Sub-23, comemorou a medalha de ouro nas Olímpiadas de Tóquio no último final de semana, quando a Canarinho bateu a Espanha por 2×1 na final. Você sabia que ele quase foi treinador do Ferroviário no início da carreira? Depois de ter os gaúchos Gilson Maciel e Julinho Camargo no comando técnico durante a temporada de 2013, a direção coral procurava um novo comandante para a continuidade do projeto no ano seguinte. Dentro de uma lista inicial que continha nomes emergentes como Play Freitas e Tarcísio Pugliese, além do experiente Luiz Carlos Cruz, o nome de André Jardine foi o primeiro a ser contatado pois pressupunha aderência ao perfil técnico dos antecessores no cargo. Ele era treinador das categorias de base do Internacional/RS e demonstrou interesse no projeto coral, mas as negociações não evoluíram em razão de questões particulares do treinador que o impediam de mudar para Fortaleza naquele momento. Os outros três nomes sequer foram ouvidos já que rapidamente fechou-se questão por uma solução caseira com a contratação do também emergente Washington Luiz, então campeão da Taça Fares Lopes pelo Barbalha. Quando a bola rolou, Washington foi demitido na segunda semana da competição. Para seu lugar chegou Arnaldo Lira e o Ferroviário acelerou seu caminho para o rebaixamento estadual pela primeira vez em sua história. Na contramão da involução vivida pelo Ferroviário naquele instante, André Jardine firmou-se numa trilha evolutiva que envolveu passagens pelo Grêmio/RS e pelo São Paulo/SP, até chegar à Seleção Brasileira Sub-23 nas três últimas temporadas.

OS 20 HERÓIS DO FERROVIÁRIO NO TÍTULO INVICTO DE 1968

Matéria do Correio do Ceará fazendo um balanço dos atletas e número de partidas no título de 1968

Ontem completou mais um aniversário do título invicto de 1968, conquistado após um empate em 1×1 contra o Fortaleza, no PV, com o atacante João Carlos assinalando o tento que ficou marcado na história como o ´gol do título`. Abrimos o nosso baú e você pode conferir acima um recorte do Jornal Correio do Ceará, trazendo um balanço dos vinte jogadores que participaram daquela memorável campanha. Alguns nomes precisam de pequenos esclarecimentos: O Luís no texto é o zagueiro Luiz Paes, o goleiro Cavalheiro foi identificado como ´Cavaleiro` e o Aberlado em questão é o nome do craque Coca Cola. Cada jogador ganhou uma premiação de 150 Cruzeiros Novos pelo empate com o Fortaleza, além de uma outra premiação pelo título estadual. Naquele ano, o Ferrão jogou 14 partidas para conquistar o título e todos os jogos tiveram o sagaz Ivonísio Mosca de Carvalho como comandante técnico. Além de tradicionais adversários domésticos como Ceará, Fortaleza, Calouros do Ar, Quixadá, Guarany de Sobral e América, o Tubarão da Barra enfrentou o extinto Messejana na competição, em dois jogos realizados no PV. Cada equipe fez 14 jogos no certame em jogos de ida e volta. Após o empate com o Fortaleza, a torcida coral ainda teve que esperar o resultado final de Quixadá x Guarany para comemorar, pois o Cacique do Vale nutria chances de ficar com o título. Após o anúncio de um eletrizante 4×4 no placar, o campo do PV virou um mar de torcedores corais eufóricos na comemoração da brilhante conquista invicta e vinte jogadores foram eternizados como heróis.

MANAUS É A SÉTIMA VÍTIMA NO CARLOS DE ALENCAR PINTO

Carlos de Alencar Pinto: estádio do Ceará onde o Ferroviário mandou vários jogos ao longo da história

Responda rápido: o que o Nacional/CE, Gentilândia, Ceará, Fortaleza, América/CE, Usina Ceará e Manaus/AM têm em comum? A resposta é interessante: essas sete equipes perderam para o Ferroviário em jogos oficiais realizados no Estádio Carlos de Alencar Pinto, cujo a propriedade pertence ao rival Ceará Sporting Clube. Domingo passado, o Tubarão da Barra ganhou de 1×0 do Manaus e selou a primeira vitória naquela praça esportiva em um jogo de Campeonato Brasileiro. Entretanto, notadamente na década de 1950, alguns jogos do Ferrão, válidos pelo Campeonato Cearense, foram realizados no próprio estádio alvinegro em razão de diferentes circunstâncias. Antes da vitória contra a equipe manauara no último dia 18, o time coral já havia se apresentado no velho estádio de Porangabussu em 35 oportunidades, desde o primeiro confronto, contra o próprio Ceará, um amistoso realizado no dia 4/6/1950, que terminou empatado em 2×2. Com o PV interditado e com o gramado do Castelão em péssimas condições, aliado ao fato do Estádio Elzir Cabral não poder receber jogos noturnos atualmente, sobrou para o calendário futebolístico exatamente o tradicional espaço que um dia foi chamado de Ilha das Cobras. O primeiro jogo por lá trouxe sorte e resgatou a lembrança de tradicionais adversários locais que um dia sucumbiram para o Ferrão no Carlos de Alencar Pinto.