RETROSPECTIVA DE TODOS OS JOGOS NA HISTÓRIA CONTRA O BAHIA

Em 1941, o Ferrão bateu o Bahia por 4×2 na melhor partida da temporada segundo o jornal

Ferroviário e Bahia voltam a se enfrentar nesse final de semana depois de quase duas décadas. O jogo faz parte da segunda rodada da Copa do Nordeste. A última vez que as duas equipes estiveram frente a frente foi no histórico 7×2, no PV, em partida do Campeonato Brasileiro de 2006. Curiosamente, no primeiro confronto entre ambos, o placar foi parecido: 7×3 para o Bahia, também em Fortaleza, em amistoso que marcou historicamente o primeiro grande embate na história coral contra um grande time do nordeste, isso na já distante temporada de 1939. As nove primeiras partidas entre Ferrão e o Tricolor de Salvador aconteceram em prestigiadas excursões que os baianos tradicionalmente faziam a Fortaleza até meados da década de 1960. Em 2006, os confrontos oficiais ocorreram na 3ª fase e no Octogonal Final do Campeonato Brasileiro da Série C. Por muito pouco, o Ferrão não conseguiu o acesso para a Série B no ano seguinte, ficando na 5ª colocação no Octogonal Final disputado com jogos de ida e volta. Confira abaixo a sequência de jogos históricos entre Ferroviário e Bahia:

Jogo 01: 13/08/1939 – Ferroviário 3×7 Bahia – Amistoso – Campo do Prado
Jogo 02: 21/07/1940 – Ferroviário 4×2 Bahia – Amistoso – Campo do Prado
Jogo 03: 07/08/1941 – Ferroviário 4×2 Bahia – Amistoso – Campo do Prado
Jogo 04: 17/11/1946 – Ferroviário 3×6 Bahia – Amistoso – PV
Jogo 05: 14/08/1949 – Ferroviário 0x3 Bahia – Amistoso – PV
Jogo 06: 02/10/1955 – Ferroviário 1×0 Bahia – Amistoso – PV
Jogo 07: 09/06/1959 – Ferroviário 0x0 Bahia – Amistoso – PV
Jogo 08: 18/09/1963 – Ferroviário 1×1 Bahia – Amistoso – PV
Jogo 09: 07/11/1964 – Ferroviário 1×3 Bahia – Torneio do América – PV
Jogo 10: 13/09/2006 – Bahia 2×1 Ferroviário – Brasileiro Série C – Fonte Nova
Jogo 11: 27/09/2006 – Ferroviário 1×1 Bahia – Brasileiro Série C – PV
Jogo 12: 22/10/2006 – Bahia 4×1 Ferroviário – Brasileiro Série C – Fonte Nova
Jogo 13: 15/11/2006 – Ferroviário 7×2 Bahia – Brasileiro Série C – PV

PRIMEIRO JOGO EM PACAJUS FOI NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1999

Primeira partida do Ferrão em Pacajus foi oficial e teve adversário atípico no cotidiano da cidade

Nos últimos cinco anos, o Ferroviário tem atuado frequentemente como visitante na cidade de Pacajus, graças ao acesso do time de mesmo nome à primeira divisão cearense. Além disso, o Caucaia manda seus jogos naquela localidade vez por outra. Porém, a primeira vez que o Tubarão da Barra atuou em Pacajus foi no final do século passado em partida oficial válida pelo Campeonato Cearense. Foi no dia 28 de março de 1999 e o adversário foi o Uniclinic. O estádio ainda era chamado de Assís Benício e Mário Leonardo dirigiu o jogo diante de 463 pagantes. O Uniclinic venceu por 3×1, com gols de Warison (2x) e Tosca, com o meio campista Vado descontando para o Ferrão. A derrota custou o emprego do treinador Marcelo Vilar, demitido após o jogo. O time coral foi derrotado com o futebol de Jorge Pinheiro, Chiquinho (Odair), Alencar, Dino e Ivan; Paulo Adriano (Cristovão), Vado (Marquinhos), Rutênio e Inha; Bira e Sílvio. Treinado por Arnaldo Lira, o extinto Uniclinic jogou com Leandro, Luizinho, Tácio, Leandro Cardoso e Romero; Bartô, Adriano Gaúcho, Wendel (Warison) e Esquerdinha (Eridon); Zé Carlos (Gomes) e Tosca. Aquele primeiro jogo do Ferroviário em Pacajus marcou também a primeira vitória oficial do Uniclinic em cima do time coral, algo que voltou a se repetir oficialmente sete vezes na história do futebol cearense até 2018, último ano em que a Águia da Precabura disputou o Estadual como Uniclinic, antes de ser negociado e ter seu nome mudado para Atlético Cearense que, por sinal, derrotou o Tubarão da Barra há apenas dois dias no Campeonato Cearense de 2023.

CLÁSSICO DOS CLÁSSICOS NA COPA DO NORDESTE DEPOIS DE 24 ANOS

O Ferroviário passou a utilizar a nomenclatura “Clássico dos Clássicos” a partir da final de 2017

Ferroviário e Ceará jogam novamente pela Copa do Nordeste em 2023. À exemplo da edição de 1999, as duas equipes são adversárias na competição na atual temporada. Há 24 anos, tivemos uma vitória coral por 2×1, gols de Bira e Rutênio para o Ferrão, além de um empate em 0x0, ambos no PV. Na ocasião, já praticamente nos últimos momentos do Século XX, o clássico entre as duas equipes, que se sucede no calendário cearense desde 1937, ainda não era proclamado como ´Clássico da Paz`. Essa nomenclatura só foi difundida no início dos anos 2000, quando começamos a ter uma onda muito grande de violência nos jogos entre Ceará e Fortaleza, o principal clássico do Estado, o que forçou uma forte campanha na mídia, por parte das autoridades, para balancear e propagar a “paz nos estádios” a partir de um jogo emblemático do futebol local, envolvendo Ceará e Ferroviário, que chegou a ser chamado de “Clássico das Multidões” nas primeiras décadas do confronto. No marco inicial do termo de objetivo claramente pacífico, os atletas alvinegros e corais chegaram a entrar em campo com bandeiras brancas, embora muitas vezes a presumida paz tenha passado muito longe das arquibancadas das duas torcidas nos anos seguintes pelos mais diversos motivos, dentro e nos arredores dos estádios.

Nas primeiras décadas do Ferrão, o jogo contra o Ceará era chamado de “Clássico das Multidões”

Embora compreenda o caráter salutar e pacífico da iniciativa, o Ferroviário passou a questionar o termo ´Clássico da Paz` e instituiu desde 2017, em sua comunicação oficial, o título ´Clássico dos Clássicos` a partir de uma referenciação embasada em fatos históricos e na cronologia indelével do tempo. De forma emblemática, o próprio Ceará utilizou o novo termo em suas mídias oficiais quando as duas equipes se enfrentaram na final do Campeonato Cearense de 2017. Aquele momento, inclusive, mereceu uma postagem especial aqui no blog com inúmeros argumentos plausíveis em defesa da alcunha “Clássico dos Clássicos“, cujo texto pode ser recuperado aqui no histórico. Em síntese, o termo advoga que Ceará x Ferroviário foi, na prática, o clássico mais badalado do futebol cearense muito antes do nosso futebol conhecer outras nomenclaturas para grandes jogos, o que por sí só justifica a ideia por trás de ´Clássico dos Clássicos´. O Ferroviário Atlético Clube resolveu institucionalmente bancar essa ideia em sua comunicação oficial e acredita que o tempo se encarregará de incutí-la nas diversas mentes do futebol cearense, embora o vício e o costume da repetição de convenientes narrativas de praxe, sem questionamento da artificialidade dos fatos e da negligência do que é efetivamente histórico, seja uma constante no cotidiano brasileiro em vários setores. No futebol não seria diferente. Para o Ferrão é “Clássico dos Clássicos” e bola pra frente, porque novas ideias devem estar sempre no cardápio para serem propostas e são elas que movem a própria história adiante.

DINAMITE JOGOU 2 VEZES E NUNCA MARCOU GOL CONTRA O FERRÃO

Ídolo Dinamite enfrentou o Ferrão em duas partidas, mas não marcou gols em cima do Ferrão

O futebol brasileiro perdeu no início dessa semana um de seus maiores goleadores. Depois de uma árdua batalha contra o câncer, Roberto Dinamite, eterno ídolo do Vasco da Gama, partiu para o plano superior. Durante grande parte dos anos 1970 e 1980, Roberto dividiu com Zico, do Flamengo/RJ, o protagonismo entre os grandes craques do país. Diferente de seu amigo e antigo rival nos gramados, Dinamite enfrentou o Ferroviário Atlético Clube em apenas duas oportunidades, ambas na mesma temporada. O Vasco/RJ levou a melhor nos dois jogos, mas o camisa 10 vascaíno não marcou gols em cima do Ferrão. Referidas partidas já tiveram o vídeo de seus gols publicados aqui no blog. A primeira foi um jogo bastante polêmico, em janeiro de 1983, no Castelão e a segunda, exatamente no jogo da volta em São Januário, pouco mais de um mês depois, a equipe carioca venceu sem muita dificuldade. As fichas técnicas das duas partidas também foram devidamente publicadas nas respectivas postagens. Vale a pena revê-las. Que Roberto Dinamite descanse em paz!

FERRÃO BATE CONFIANÇA NOS PENAIS E VAI PRA COPA DO NORDESTE

No Campeonato Brasileiro de 1997, o Ferroviário passou do Confiança nos pênaltis em jogo memorável realizado, num domingo de manhã, no Elzir Cabral. Ontem, o fato se repetiu, dessa vez em Aracaju pela fase preliminar da Copa do Nordeste. Acima, você confere o vídeo dos penais que terminaram com o placar de 5×4. Ciel, Mattheus Silva, Matheus Lima, Fabão e Roni Lobo converteram suas cobranças para o Ferrão. O zagueiro Éder Lima desperdiçou a sua. Depois de passar por Asa de Arapiraca e Confiança/SE, o Tubarão da Barra volta a disputar a fase de grupos da Copa do Nordeste depois de 5 anos. O time coral vai enfrentar o Bahia, ABC, Campinense, Ceará, Náutico, Sergipe, CSA e Santa Cruz, além de faturar cerca de 2 milhões de Reais em cotas de TV. Considerando que na edição de 2022, o Ferroviário Atlético Clube foi eliminado logo na fase preliminar para o Floresta em novembro do ano anterior, a edição de 2023 será a sétima participação coral na principal competição que envolve equipes nordestinas. Muito antes da existência da Liga do Nordeste, o Ferroviário teve duas participações no antigo Nordestão (1968 e 1970) e quatro participações na Copa do Nordeste (1997, 1999, 2018 e 2022).

O DIA EM QUE O FERROVIÁRIO CHOROU A MORTE DE DONA FILÓ

A sede e o estádio do Ferroviário ficam localizados no bairro da Barra do Ceará, mais precisamente na Rua Dona Filó, número 650. O que muita gente tem curiosidade de saber é quem foi a senhora que cedeu seu nome para aquela rua situada na zona oeste da cidade. Não foi uma mera coincidência. Dona Filó foi uma baluarte na história coral entre as décadas de 1940 e 1960, período em que a participação feminina no futebol era algo raro e praticamente proibido. Ela teve uma morte súbita em 1963, após longos anos de ajuda e incentivo às várias formações de diretoria no clube. A matéria de jornal acima, publicada logo após seu falecimento, resume um pouco da importância de Dona Filó. Entre várias ajudas que prestou ao time coral, ela era proprietária de uma pensão que hospedava jogadores que chegavam para o Ferroviário. Por exemplo, foi lá que os irmãos Manoelzinho e Raimundinho foram acolhidos quando desembarcaram do Piauí em 1946. Quando a direção do clube definiu a Barra do Ceará para a construção da definitiva sede coral, já na segunda metade dos anos 1960, o nome da saudosa Filomena Cecília foi imediatamente lembrado. Entre a manifestação da ideia e o trâmite burocrático em nível municipal passaram-se alguns anos, até que definitivamente o nome oficial do logradouro passou a ser Rua Dona Filó, uma eterna homenagem a quem muito fez pelo Ferroviário.

O COREANO DA BARRA QUE JOGOU DUAS COPAS DO MUNDO

Lee Chun-soo: jogador da Coréia do Sul que esteve alojado no Ferroviário na temporada de 1996

O saudoso supervisor Chicão ficou todo orgulhoso quando viu o garoto na TV em pleno jogo de Copa do Mundo. O ano era 2002 e a Coréia do Sul fazia bonito na competição disputada em seu próprio território. No ataque do time vermelho, o garoto Lee Chun-soo merecia o olhar especial de Chicão. Seis anos antes, o coreano havia passado dois meses na Barra do Ceará, onde treinava com o elenco coral. Na ocasião, dois coreanos e três japoneses faziam estágio no Ferroviário, que era treinado por Mirandinha em seu primeiro trabalho como técnico. Os orientais tinham entre 15 e 17 anos de idade e pagaram 500 dólares, cada um, para utilizar as dependências corais durante o estágio. Inicialmente, referido programa de desenvolvimento seria no Palmeiras de São João da Boa Vista, porém a fama e importância do famoso Mirandinha acabou atraindo os garotos para a Barra do Ceará. No Ferrão, Lee Chun-soo era carinhosamente chamado de Tutia. Ele jogou as Copas de 2002 e 2006 pela Coréia do Sul. Na Alemanha, em 2006, de cabelo descolorido, marcou um gol contra Togo. Jogou ainda as Olímpiadas de 2000 e 2004. Lee se aposentou em 2015, defendendo o Incheon United de seu país, depois de atuar também em equipes da Holanda, Espanha e Arábia Saudita. Na Copa do Mundo de 2022, Brasil e Coréia do Sul são adversários nas oitavas de final e certamente o coração de Lee penderá para seu país, porém sem nunca esquecer os dias de aprendizado e gratidão no futebol brasileiro, mais especificamente na Barra do Ceará, no Ferroviário de Chicão e Mirandinha. Abaixo, confira o vídeo com o belo gol de Lee Chun-soo na Copa de 2006, de falta, o primeiro na vitória por 2×1 em cima da Seleção de Togo.

O CALDEIRÃO POLÍTICO DE VAIDADES E IRRESPONSABILIDADES

Imagem do fatídico jogo em Volta Redonda que mandou o Ferroviário de volta para a Série D

Há cerca de dois meses, um velho filme prometia entrar novamente em cartaz e isso foi prognosticado aqui no blog. Os conhecidos e tortuosos bastidores corais ferveram, como há tempos não se via, e o caldeirão político de vaidades e irresponsabilidades entrou em erupção como um vulcão. Essa semana, depois de quatro anos, o Ferroviário caiu para a Série D. É o primeiro rebaixamento brasileiro do clube na competição da CBF, apesar do descenso nacional sacramentado em 2008 via Estadual, conforme estabelecia o regulamento da época, que arremessou o time coral para jogar a Série D, pela primeira vez, a partir de 2009. Infelizmente, estaremos lá em 2023, novamente. De bate-pronto, é preciso diagnosticar que a gestão de futebol do clube cometeu equívocos durante as últimas temporadas que foram determinantes para a debacle coral em campo, notadamente desde que o presidente Newton Filho alegou ter sido obrigado a assumir as rédeas do setor, no início de 2021. Porém, essa questão é apenas o início da discussão.

Vitória contra o Aparecidense após uma falsa onda de renovação encheu de esperanças o torcedor

No final do ano anterior, um “racha” entre o presidente e seu vice Francisco Neto, coincidentemente o mandatário coral no descenso nacional de 2008, garantiu pelos dois anos subsequentes um festival de incômodos, instabilidade, perda de foco, divisões internas e quase as vias de fato. À frente da gestão de futebol, ladeado pelo investidor Artur Boim, Newton Filho assumiu o controle e foi responsável direto pelo bônus e pelo ônus a partir de suas ações. Escanteado, coube a Francisco Neto espernear e procurar acolhida junto ao presidente do Conselho Deliberativo do clube. Nesse contexto, a fórmula para o rebaixamento estava pronta e envolveu os sucessivos erros nas contratações, além de conspirações e episódios de traições e puxadas de tapete no âmbito político, que levaram à renúncia do primeiro e ao empoderamento do segundo nos últimos 40 dias. Figuras reconhecidamente essenciais no soerguimento do clube desde 2017, ambos saem politicamente desgastados da cisão gerada a partir de suas próprias convicções e atitudes no futebol. E assim o Ferroviário retorna novamente para o tão conhecido fundo do poço.

Jogadores trazidos por um dirigente terminaram a competição dirigidos por terceiros e aventureiros

No meio da competição mais importante da temporada, a forçada e trágica reorganização interna contou até com pessoas inexperientes em funções diretivas, em total contradição à profissionalização exigida pelo próprio Conselho Deliberativo. Ficamos com cara de time amador! Com 7 jogos pela frente e 21 pontos a disputar, o Ferrão mergulhou ladeira abaixo e a tentativa vergonhosamente antecipada de personalização do fracasso junto a um só nome, além da covardia do ato em si, denuncia o caminho da conspiração política verificada nos complicados bastidores corais. Engana-se quem acha que um rebaixamento é obra e arte de uma ou duas pessoas. Uma tragédia no futebol é fruto de um ambiente político apodrecido, composto de pessoas que, gestão após gestão, se perpetuam dentro do clube como autênticos donos de araque, e “remam” conforme os interesses de cada ocasião. Foram sete anos de convivência diária entre a maioria na direção do clube, onde muitos já se conheciam das arquibancadas. Nos últimos tempos, alguns contingencialmente mudaram de opinião e de lado, provando que o ambiente no futebol reúne desde pessoas vaidosas às volúveis e traiçoeiras. Ao apontarem o dedo para o ex-presidente, esquecem que estiveram juntos e amigados, na maior expressão de amor, até muito pouco tempo atrás. Nunca faltam também os tradicionais neófitos da bola, convidados a darem opinião de algo que nunca vivenciaram profissionalmente, e que acabam proliferando rusgas e acusações internas gratuitamente. Dentro de campo, um elenco dividido, de qualidade técnica duvidosa, preocupado com razão com a insegurança de seus salários e premiações após a ruptura política que culminou com a saída do investidor que, por sua vez, bancava financeiramente tudo, quase sempre sozinho, há muito tempo.

O volante Alemão foi um dos poucos que apresentaram eficiência na Série C apesar do rebaixamento

O Ferroviário Atlético Clube quebrou novamente. Quebrou financeiramente e esportivamente, mas também quebrou moralmente, como várias vezes já ocorreu em sua história. A poeira vai baixar em algum momento no futuro e muitos poderão refletir sobre os acontecimentos dos últimos tempos com mais clareza. É preciso enxergar muito além de tudo aquilo que apenas parece ser: o Conselho Deliberativo que toma partido explícito por um lado da cisão não parece ser muito habilidoso, o diretor que jura comprometimento e apunhala pelas costas não parece muito confiável, o levante quase psicopata que pede a cabeça de quem injeta alguns milhões não parece muito inteligente, o trambiqueiro que insiste em fazer jogo duplo não deveria ser bem vindo e o torcedor que se acha dirigente vai parecer sempre um aventureiro. Tudo errado! Faltou paz, luz e discernimento ao ambiente coral. Sobrou vaidade e prepotência, de todos os lados. A queda em campo dos jogadores foi apenas a cereja do bolo, preparado dia após dia pelos que conduzem politicamente o clube. Agora, os diletos irresponsáveis podem se servir do bolo à vontade. O Ferroviário seguirá.

Fotos: Lenilson Santos

COMPLETAMOS 10 ANOS SEM UMA FINAL NAS CATEGORIAS DE BASE

Sub-20 coral em 2012 – Em pé: Willian Mardoch, Samuel Guerra, Caíque, Everton, Marcelo, Fernando Abade e Léo. Agachados: Alcides Neto, Márcio, Romário, Foguinho, Luisinho, Maico Motta e Cléo

Entre agosto e novembro de 2012, o Ferroviário disputou o campeonato cearense da categoria Sub-20 daquele ano. Ninguém poderia prever que aquela seria a última vez que uma equipe coral chegaria às finais de uma competição de base em qualquer categoria. Afeito à conquistas nas divisões inferiores em décadas passadas e também a ser revelador de talentos, os últimos dez anos mostraram a total decadência coral em termos de gestão na base, muito embora tenha havido substancial evolução da equipe profissional a partir de 2017. A foto acima é um registro da formação que entrou em campo no PV, para um jogo contra o Eusébio, em setembro de 2012. Estes foram alguns jogadores que quase conquistaram o título de campeão Sub-20, conforme matéria bem detalhada de 2015 publicada aqui no blog, com direito a eliminar o Fortaleza na semifinal e a enfrentar o Ceará no jogo decisivo, tendo ainda o gol do título mal anulado pelo árbitro da partida. Dez anos depois, o Ferrão continua sem apresentar evolução em suas categorias de base, que padecem pela falta de recursos para investimento, pela negligência de seus gestores ou por toda sorte de turbulências políticas que costumeiramente assolam o clube. Da garotada do Sub-20 de 2012, a maioria desistiu da carreira nos primeiros anos de vida profissional. O mais bem sucedido foi o meia Foguinho, que hoje atua em alto nível no futebol japonês. Do corpo diretivo, praticamente toda comissão técnica trabalha nas categorias de base do Ceará e são responsáveis diretos pelas conquistas estaduais e nacionais recentes do tradicional adversário coral. Estes talentos estiveram todos a serviço do Ferroviário e se desligaram pouco a pouco por decisões equivocadas e até levianas dos corpos diretivos de plantão. Dez anos sem uma final na base é algo que deveria merecer a mais profunda reflexão dos verdadeiros corais.

GOLEIRO DO SÃO BERNARDO NÃO ULTRAPASSA MARCELINO

Marcelino continua com a quarta melhor marca entre todos os goleiros do futebol brasileiro

No último final de semana, o experiente goleiro Alex Alves, do São Bernardo/SP, foi vazado em sua meta após uma longa minutagem sem sofrer gols na Série D do Campeonato Brasileiro. O gol do lateral André Krobel do Paraná/PR, de falta, quebrou o sonho do goleiro da equipe paulista, aos 19 minutos do primeiro tempo. Assim, Alex Alves alcançou a marca de 1.195 minutos. Apesar do esquecimento da Revista Placar e de outros sites, que insistem em replicar notícias equivocadas, o ex-goleiro coral Marcelino não foi alcançado em sua marca de 1.295 minutos, de 1973, e continua como o quarto principal recorde do futebol brasileiro. Confira abaixo a atualização das marcas com a minutagem alcançada pelo goleiro Alex Alves:

1º Lugar – Mazaropi – 1.816 minutos – Vasco da Gama/RJ – 1978
2º Lugar – Neneca – 1.636 minutos – Náutico/PE – 1974
3º Lugar – Jorge Reis – 1.604 minutos – Rio Branco/ES – 1971
4º Lugar – Marcelino – 1.295 minutos – Ferroviário/CE – 1973
5º Lugar – Zetti – 1.238 minutos – Palmeiras/SP – 1987
6° Lugar – Alex Alves – 1.195 minutos – São Bernardo/SP – 2022
7º Lugar – Jairo – 1.132 minutos – Corinthians/SP – 1978
8º Lugar – Emerson – 1.108 minutos – Paysandu/PA – 2016
9º Lugar – Altevir – 1.066 minutos – Athletico/PR – 1977
10º Lugar – Eli – 1.060 minutos – São Bernardo/SP – 1982