MANAUS É A SÉTIMA VÍTIMA NO CARLOS DE ALENCAR PINTO

Carlos de Alencar Pinto: estádio do Ceará onde o Ferroviário mandou vários jogos ao longo da história

Responda rápido: o que o Nacional/CE, Gentilândia, Ceará, Fortaleza, América/CE, Usina Ceará e Manaus/AM têm em comum? A resposta é interessante: essas sete equipes perderam para o Ferroviário em jogos oficiais realizados no Estádio Carlos de Alencar Pinto, cujo a propriedade pertence ao rival Ceará Sporting Clube. Domingo passado, o Tubarão da Barra ganhou de 1×0 do Manaus e selou a primeira vitória naquela praça esportiva em um jogo de Campeonato Brasileiro. Entretanto, notadamente na década de 1950, alguns jogos do Ferrão, válidos pelo Campeonato Cearense, foram realizados no próprio estádio alvinegro em razão de diferentes circunstâncias. Antes da vitória contra a equipe manauara no último dia 18, o time coral já havia se apresentado no velho estádio de Porangabussu em 35 oportunidades, desde o primeiro confronto, contra o próprio Ceará, um amistoso realizado no dia 4/6/1950, que terminou empatado em 2×2. Com o PV interditado e com o gramado do Castelão em péssimas condições, aliado ao fato do Estádio Elzir Cabral não poder receber jogos noturnos atualmente, sobrou para o calendário futebolístico exatamente o tradicional espaço que um dia foi chamado de Ilha das Cobras. O primeiro jogo por lá trouxe sorte e resgatou a lembrança de tradicionais adversários locais que um dia sucumbiram para o Ferrão no Carlos de Alencar Pinto.

AS CONTRATAÇÕES CORAIS NO INTERVALO DO ESTADUAL DE 1992

Resgatamos acima imagens da TV Jangadeiro e TV Verdes Mares em julho de 1992. Pouca gente lembra, mas nesse período, o então dirigente da base coral Clóvis Dias acabara de assumir a direção de futebol e contratou vários jogadores para o restante do Campeonato Cearense. Crias do Corinthians/SP, chegaram Wágner, Agnaldo e Marcelo, que acabou não ficando no elenco. Clóvis investiu ainda em quatro nomes rodados do futebol brasileiro: o volante Dudu, ex-Vasco/RJ, o lateral esquerdo João Luís, ex-Fluminense/RJ, o atacante Rodinaldo, ex-Palmeiras/SP e o goleiro Jorge Carioca, ex-Campo Grande/RJ. O experiente zagueiro Edson Oliveira, vindo do São Caetano/SP, também chegou. Dois meses depois, o famoso atacante Helinho, ponta-direita com belíssima passagem pelo Botafogo/RJ, também se apresentou na Barra do Ceará, anunciado após a desistência do Fortaleza pela sua contratação. Mesmo tendo desembarcado no Pici, Helinho acabou não ficando em razão de um problema detectado no joelho durante o exame médico. Por um desses caprichos do futebol, o jogador estreou com a camisa coral justamente contra o Fortaleza, no PV, e marcou um gol. Sob o comando do treinador Celso Gavião, estes foram os primeiros nomes trazidos pelo dirigente Clóvis Dias para o Ferroviário Atlético Clube, durante sua curta passagem pela direção de futebol no Estadual de 1992. No final de fevereiro do ano seguinte, ele saiu novamente da base coral, dessa vez para a assumir a presidência do clube, transformando-se num dos dirigentes mais vitoriosos da nossa história. Clóvis Dias mereceu um capítulo em sua homenagem no livro ´Crônicas Corais`, lançado no final do ano passado.

AQUILO QUE VOCÊ NÃO SABIA SOBRE O EX-GOLEIRO MARQUINHOS

Bela homenagem recente do Rio Branco de Americana ao ídolo e ex-goleiro Marquinhos Sartori

O goleiro Marquinhos fez apenas um jogo com a camisa do Ferroviário. Chegou ao clube num momento financeiro muito difícil e tinha o Ceará como adversário em sua estreia. O ano era 1993 e a direção do Ferroviário havia montado um elenco com jogadores de qualidade duvidosa, alguns até experientes, mas em péssimo momento técnico. Marquinhos chegou com a fama de arqueiro rodado, que havia feito história no Rio Branco de Americana e recordista na posição em número de jogos. Em duas passagens, entre 1983 e 1985, e de 1990 a 1992, foram 127 jogos com a camisa do Rio Branco/SP. Na Barra do Ceará, Marquinhos deu azar. Sua única partida se deu exatamente no dia que o Ferroviário foi humilhado por 9×1 pelo Ceará, resultado desastroso que gerou a renúncia do presidente Edilson Sampaio, do diretor de futebol Walmir Araújo e do restante da diretoria ainda nos vestiários do Castelão. Marquinhos acabou não permanecendo no Tubarão da Barra em razão daquela debacle histórica, aliado ao fato de não ter feito uma atuação convincente que determinasse sua manutenção no elenco. Além dele, vários atletas foram dispensados pelo novo comando coral, capitaneado por Clóvis Dias. Marquinhos voltou para Americana e decidiu encerrar sua carreira. Posteriormente, virou treinador de goleiros do Rio Branco/SP e chegou a ser técnico da tradicional equipe paulista.

Familiares do ex-goleiro Marquinhos na cerimônia de inauguração do campo que leva seu nome

No dia 29 de novembro de 2012, aos 48 anos de idade, Marquinhos dirigia seu carro, à noite, pelo quilômetro 129 da Rodovia SP-304, em Americana, quando perdeu o controle do veículo e capotou. Foi socorrido ao Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, mas não resistiu aos ferimentos. Querido na cidade e bastante representativo na história do Rio Branco de Americana, o ex-goleiro Marcos Augusto Sartori foi homenageado, em julho de 2018, pela Secretaria de Esportes da cidade. O campo de futebol do Centro Cívico passou a levar o nome do goleiro que sempre honrou as cores do Rio Branco/SP. A viúva do ex-goleiro, sua mãe e uma irmã prestigiaram o evento. Há cerca de sete anos, o vídeo abaixo foi postado aqui no blog e recorda exatamente a véspera do jogo contra o Ceará em 1993. É possível ver o goleiro Marquinhos nas imagens do apronto para o Clássico. Após a derrota humilhante para o alvinegro, o Ferrão se recompôs, chegando a disputar uma final de turno ainda naquela competição. A base daquele trabalho de recomposição serviu para montar justamente a equipe que sagrou-se bicampeã estadual nos dois anos seguintes.

FERRÃO TEM CAMISA VERMELHA PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA

A novidade chegou com os dois primeiros jogos do Ferroviário no Campeonato Brasileiro desse ano. Acostumado nos últimos anos a lançar seu terceiro uniforme às vésperas da competição nacional, a direção coral optou por utilizar um uniforme completamente vermelho. O fato era inédito na história do clube. E o vermelho conseguiu bons resultados nas duas primeiras rodadas: um empate, fora de casa, contra o Botafogo/PB e uma vitória em cima do Altos/PI, em jogo que marcou o retorno do Elzir Cabral para jogos de Brasileiro depois de quase 12 anos. Nas últimas temporadas, o Tubarão da Barra tem ousado bastante em seus uniformes. Além do retorno da camisa branca com listras diagonais depois de quase quatro décadas, o clube investiu no redesign da camisa preta, anteriormente utilizada entre 2008 e 2013, e também na volta do vistoso modelo coral, muito utilizado no final dos anos 1960. Some-se às recentes iniciativas citadas, a utilização de modelos nas cores dourada e laranja, quando a equipe amargava jogos pela segunda divisão do Campeonato Cearense em 2015 e 2016. Qual a sua camisa favorita? Em tempo: na fotografia acima de Lenílson Santos, vemos o atacante Gabriel Silva comemorando o seu primeiro gol pelo Ferrão, que é também o primeiro com a camisa vermelha!

IMAGENS DA FESTA NA BARRA NO BICAMPEONATO EM 1995

Hoje é o aniversário de 88 anos do Ferroviário Atlético Clube. E para comemorar, o Almanaque do Ferrão publica acima as raras imagens, da extinta TV Manchete, filmadas na comemoração do Bicampeonato Cearense ocorrida no Estádio Elzir Cabral, exatamente uma semana depois da grande conquista no PV contra o Icasa. O material inédito esteve guardado durante um quarto de século no acervo pessoal do torcedor Davi Mapurunga, que gentilmente cedeu-as ao blog após digitalizar as imagens antigas gravadas originalmente em fita VHS. Além de trazer os gols do jogo de entrega de faixas contra o Guarany de Sobral, na Barra, o vídeo traz imagens e depoimentos de nomes importantes da nossa história como Zezé do Vale, Zé Limeira, Valdemar Caracas, o atacante Reginaldo e o presidente Clóvis Dias. Vale a pena recordar esse belo registro relativo à maior conquista coral em nível Estadual, que agora fica disponível para todos os torcedores e desportistas em geral. E como não poderia deixar de ser no dia de hoje: Feliz Aniversário, Ferrão!

O MAIOR ROUBO DA HISTÓRIA DO FUTEBOL EM TODOS OS TEMPOS

Adilson Bahia cobra o pênalti e o assistente há poucos metros do lance disse que a bola não entrou

O treinador Francisco Diá declarou: “Estou no futebol há 25 anos e nunca tinha visto um gol de pênalti anulado. A arbitragem de hoje deveria sair aqui do estádio de camburão“. A revolta do técnico coral realça a ira dos torcedores sentida ontem no jogo contra o América/MG pela Copa do Brasil. Após empatar em 1×1 no tempo normal, com um gol do atacante Augusto marcado nos acréscimos do 2º tempo, o Ferrão foi para a disputa de pênaltis com seu adversário. O Coelho mineiro começou convertendo sua primeira cobrança. O centroavante Adilson Bahia efetuou a primeira batida coral e, após se chocar com o travessão, a bola quicou dentro do gol de forma clara e cristalina. O assistente Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e o árbitro Vinícius Gonçalves Dias Araújo, ambos da Federação Paulista de Futebol, disseram que a bola não entrou. A sequência de penais prosseguiu e o time mineiro terminou vencendo por 3×2, quando o placar correto seria 3×3, o que obrigaria a batida de pênaltis alternados até se conhecer o vencedor do jogo. O erro custou ao caixa coral a entrada de, no mínimo, 1 milhão e 700 mil Reais. Quem vai arcar com o prejuízo do Ferrão? Lances semelhantes já aconteceram várias vezes no futebol, inclusive em jogos importantes de Copa do Mundo, porém acontecimento assim em cobrança de pênaltis é algo inédito no futebol brasileiro. É o caso de afirmar que testemunhamos simplesmente o maior roubo da história do futebol em todos os tempos.

AMÉRICA É O QUARTO ADVERSÁRIO DE MINAS GERAIS NA VIDA CORAL

Ferroviário joga pela segunda vez na história no Estádio Independência em Belo Horizonte

Em jogo válido pela segunda fase da Copa do Brasil 2021, o Ferroviário enfrenta o América Mineiro em Belo Horizonte. O Coelho é o quarto adversário mineiro na história coral. Antes do atual confronto, o Tubarão da Barra enfrentou o Cruzeiro/MG em partidas realizadas em 1970, 1978, 1981 e 1983, o Atlético/MG nos anos de 1981 e 2018, além do Ipatinga/MG no Campeonato Brasileiro de 2006. Outro detalhe sobre o confronto com o América é que esta é a quarta vez que o Ferroviário atua na cidade de Belo Horizonte, tendo anteriormente realizado dois jogos no Mineirão e um no Estádio Independência, local do confronto desse ano contra o Coelho mineiro. Até a data de hoje, somente dois jogadores deixaram sua marca atuando em Belo Horizonte: o volante Doca e o atacante Almir, ambos no Mineirão. O jogo contra o América/MG é decisivo e quem vencer passa para a terceira fase da Copa do Brasil desse ano. Em caso de empate, teremos uma disputa de pênaltis.

AUXILIAR TÉCNICO DE FRANCISCO DIÁ JOGOU NO FERROVIÁRIO EM 1990

Ferroviário no dia 28/07/1990 na Barra – Em pé: Romildo, Eleusis, Osvaldo, Naldo, Gilmar Furtado e Toninho Barrote; Agachados: Magno, Junior Piripiri, Rogério Martins, Mazinho Loyola e Evilásio

Lembra do zagueiro Romildo? Ele é atualmente o auxiliar técnico do treinador Francisco Diá, que realiza bom trabalho no comando coral. Na temporada de 1990, Romildo foi zagueiro do Ferroviário e formou dupla de zaga em muitos jogos com Gilmar Furtado. Os jovens Eraldo, Eudes e Ernani, além dos experientes Luís Oliveira e Valdecy, foram também seus companheiros de posição naquele período. Oriundo do Náutico/PE, de onde chegou com o retrospecto de um bicampeonato pernambucano em 1988 e 1989, o potiguar Romildo Freire de Lima atuou em 22 jogos pelo Ferroviário entre março e novembro daquele ano, que acabou abrangendo o Campeonato Cearense de 1990 e, também, a disputa do 1º turno do Estadual de 1991, iniciado a partir de agosto de 1990 em razão de uma atrapalhada adaptação do calendário promovido pela Federação Cearense de Futebol. Na imagem acima, Romildo aparece ao lado do treinador de goleiros Giordano e do lateral direito Eleusis. O registro foi feito antes de um amistoso preparatório para o Campeonato Cearense de 1991, no dia 28 de julho de 1990, contra o Tiradentes. O Tubarão da Barra venceu o Tigre por 1×0, gol de Magno, em partida que ficou marcada pela participação recreativa do ídolo Mazinho Loyola, jogador pertencente ao São Paulo/SP, mas que, emprestado, acabara de sagrar-se campeão pernambucano pelo Santa Cruz/PE. De folga em Fortaleza, Mazinho jogou um tempo daquele amistoso e depois foi substituído por Ademir Patrício. O zagueiro Romildo era titular da equipe coral naquele momento e o registro fotográfico não deixa mentir. Depois que deixou o Ferrão, Romildo foi campeão potiguar no ano seguinte pelo América/RN. Jogou ainda no ABC/RN, onde foi pentacampeão estadual. Que a experiência de ganhar títulos dentro de campo possam fazê-lo também vitorioso em sua passagem pelo Ferrão ao lado de Diá.

FERRÃO VOLTA A ENFRENTAR UM TIME DE RONDÔNIA APÓS 42 ANOS

Em 1979 o Ferroviário esteve em Rondônia

O Porto Velho, equipe de futebol do Estado de Rondônia, é o adversário do Ferrão na Copa do Brasil de 2021. O jogo estava marcado para a capital rondoniense, mas a CBF transferiu o mando de campo para Goiânia em razão da elevadíssima incidência de Covid-19 em Porto Velho. Este será o quarto adversário rondoniense na história coral. Em 1979, o Tubarão da Barra fez uma excursão pela região norte do país e enfrentou na sequência as seguintes equipes de Rondônia: Ypiranga/RO, Moto Clube/RO e o campeão estadual Ferroviário/RO, vencendo os três jogos por 5×1, 5×0 e 2×1, respectivamente. A jovem revelação coral Carlos Brasília, cria das categorias de base, foi o grande destaque daqueles jogos realizados no Estado vizinho à Bolívia, assinalando 6 gols nas três partidas, que renderam a Taça Imprensa para a galeria de troféus do Ferroviário. Infelizmente, na temporada de 2021, o Tubarão não viajará para Rondônia novamente. A torcida fica para que mesmo jogando em Goiás, o time coral possa fazer mais uma vítima rondoniense e passar para a segunda fase da Copa do Brasil, o que renderá uma boa premiação financeira nos cofres do clube.

Atualização: O jogo marcado para o dia 18/03/2021 acabou sendo adiado para data futura também em razão da grave situação relacionada à Covid-19 em Goiânia.

FERROVIÁRIO QUEBRA TABU DE 11 ANOS NO CAMPEONATO CEARENSE

Wendson: 2 gols e o fim do tabu

Hoje, o Ferrão quebrou um tabu de 11 anos em relação à disputa do Campeonato Cearense. Jogando no Estádio Franzé Moraes, o time coral bateu o Ceará por 2×1, com dois gols do atacante Wendson. A última vez que o Tubarão da Barra havia derrotado o alvinegro em jogo válido pelo Estadual tinha sido na temporada de 2010, mais precisamente no dia 24 de janeiro daquele ano, no Estádio Domingão, com um golaço do atacante Rafael. Durante esses onze anos, o Ferroviário ganhou jogos do Ceará pela Taça Fares Lopes de 2015 e 2018, além da triunfar na disputa da Taça dos Campeões, em 2019. De curiosidade em relação a esse intervalo de tempo, o treinador coral vitorioso em 2010 era o gaúcho Armando Desessards, que trabalhou no próprio Ceará nos últimos dois anos e recentemente deixou o alvinegro para ser o Executivo de Futebol do América/MG na Série A do Campeonato Brasileiro. Já o atacante Rafael, autor do gol único na partida de 2010, é atualmente vereador na cidade de Juazeiro do Norte e adotou o nome político de Rafael Nascimento. Trazendo para a atualidade, aos 23 anos de idade, o jovem Wendson, recém chegado do Sampaio Corrêa/RJ, marcou os seus dois primeiros gols pelo Ferrão e decretou o fim do tabu.