UM QUARTO DE SÉCULO DO BICAMPEONATO ESTADUAL 94/95

Foto do Jornal Diário do Nordeste registrando a saudação da onzena coral na grande final

Hoje completa um quarto de século que o Ferroviário conquistou de forma brilhante o bicampeonato 1994/1995. O time que ficou conhecido como a “Máquina Coral” precisou de 37 jogos no primeiro ano e 47 partidas no segundo para escrever seu nome nos anais do futebol cearense. Há cinco anos, a TV Verdes Mares produziu uma excelente matéria reunindo alguns dos principais nomes daquela conquista. Ricardo Lima, volante e capitão do bicampeonato, participou, em julho desse ano, de uma Live no Instagram do Almanaque do Ferrão, compartilhando algumas de suas lembranças, sem falar das imagens históricas veiculadas na época e recuperadas da extinta TV Manchete, com a ampla cobertura da conquista coral. Em meio a nomes como Batistinha, Reginaldo, Robério, entre outros, o craque Acássio é sempre o mais lembrado e celebrado como o grande ícone daquela geração. Ele também participou de uma Live recentemente comentando suas memórias. Em 2018, os bicampeões estaduais se reuniram com o elenco campeão brasileiro em um domingo muito emocionante. Já foram várias as menções no blog à partidas e momentos marcantes daquele período áureo do time coral, que se encerrou com a deposição do presidente Clóvis Dias, apenas dois anos depois. O torcedor coral pode celebrar a memória dos 25 anos do nosso bicampeonato, recordando as matérias já apresentadas e se deleitando com memórias ainda hoje vivas na mente de quem acompanhou a época, como as imagens abaixo, veiculadas na TV Verdes Mares na ocasião, a partir da cobertura do gol do lateral esquerdo Branco, que deu o título ao Ferrão do 3º turno do Estadual de 1995 contra o Fortaleza, credenciando a equipe coral a jogar apenas pelo empate contra o Icasa, no domingo seguinte, para garantir o inédito bicampeonato.

PELA QUARTA VEZ NA HISTÓRIA, FERRÃO FAZ 7 GOLS NA SÉRIE C

Bela foto de Camila Lima, do Sistema Verdes Mares: Willian Lira no centro da comemoração

Responda rápido: o que Corisabbá/PI, Tocantins/MA, Bahia/BA e Imperatriz/MA têm em comum? Além do fato de serem equipes nordestinas, os quatro times levaram goleadas de 7 gols em jogos da Série C do campeonato Brasileiro contra o Ferrão! O Imperatriz é o mais recente frequentador dessa seleta lista, já que na noite de hoje, a equipe maranhense perdeu de 7×0 para o Tubarão da Barra, no Castelão, com quatro gols de Willian Lira e os outros gols de Lucas Hulk, Caíque e Vitor Xavier. Recordando fatos do passado, a primeira vez que o time coral marcou 7 gols num mesmo jogo da Série C foi em 28/09/1998, contra o Corisabbá, no Elzir Cabral, gols Bertoldo (2), Junior Pipoca (2), Fabinho Vassalo, Rutênio e Acássio. Em 2002, no dia 09 de outubro, no PV, outra vitória por 7×0, dessa vez contra o Tocantins do Maranhão, com gols de Danilo (2), Reginaldo França (2), Ricardo Baiano, Arildo e Guedinho. Já em 2006, no feriado de 15 de novembro, quem não lembra da famosa goleada de 7×2 em cima do Bahia? Sérgio Alves marcou 3 gols e Junior Cearense, Everton, Fernandinho e Marcos Pimentel completaram o placar. Quem será o próximo a entrar na lista?

RARIDADE: VERSÃO ORIGINAL DO HINO OFICIAL DO FERROVIÁRIO

Hoje seria mais um aniversário de José Cecílio do Vale, conhecido no meio artístico como Zezé do Vale. Autor do hino oficial do Ferroviário, ele nasceu na cidade de Ipu, em 22 de novembro de 1900, e faleceu em 29 de março de 1996, depois de conferir o bicampeonato estadual do Ferrão, conquistado apenas três meses antes. A versão acima é de uma contribuição histórica grandiosa. Trata-se da primeira gravação do hino coral, gravado na segunda metade dos anos 1960, na voz de Wilson Lopes, em duas versões originais, respectivamente distribuídas no lado A e no lado B, ambas como participação do próprio Zezé do Vale e seu conjunto nos instrumentos. Vale a pena a audição com muita atenção. Você vai perceber algumas mudanças nos acordes e na própria letra em relação à versão mais conhecida, gravada no início dos anos 1980, e tida muitas vezes, erroneamente, como a versão original de tão difundida. A buzina do trem e o som das rodas da locomotiva dão um charme especial à versão do hino em questão. Sem dúvida, um resgate portentoso da indústria fonográfica cearense.

JOGO ENTRE HOMÔNIMOS NOS 100 ANOS DAS ESTRADAS DE FERRO

Facó: gol na Ilha do Retiro em 1970

Há exatos 50 anos, no dia 17 de novembro de 1970, o Ferroviário foi até Recife enfrentar o seu homônimo pernambucano pela primeira vez na história. Era um amistoso comemorativo alusivo ao centenário de fixação das “estradas de ferro” no território brasileiro. O jogo foi organizado pela RFFSA e aconteceu na Ilha do Retiro, estádio de propriedade do Sport/PE. Abelardo Machado apitou a partida, que terminou empatada em 2×2. Alísio e Facó marcaram para o Ferrão, enquanto Fernando Camutanga fez os dois gols da equipe de Pernambuco. Dirigido pelo treinador Alexandre Nepomuceno, o Tubarão da Barra formou nesse jogo festivo com o futebol de Aloísio Linhares, Esteves, Luiz Paes, Gomes e Eldo; Coca Cola, Edmar e Simplício (Dema); Amilton Melo, Paulo Velozo (Facó) e Alísio. O Ferroviário/PE jogou com Holanda, Paulo Alves, Luís, Clóvis e Dito; Zé Carlos e Mário; Agapito, Tico, Fernando Camutanga e Vavá. Depois desse amistoso, as duas equipes se enfrentaram mais três vezes na década de 1970, sendo dois jogos oficiais pelo campeonato brasileiro e outro amistoso. Além do Ferroviário pernambucano, o Ferrão enfrentou as seguintes equipes de origem ferroviária ao longo da história: o Ferroviário de Sobral, Ferroviário/PI, Ferroviário/MA, Ferroviário/RN e Ferroviário/RO.

PRIMEIRO JOGO NO CASTELÃO NESSE SÉCULO CONTRA O MARANGUAPE

Ferroviário Atlético Clube em 2002. Em pé: Clytts Jones, Adriano Cearense, Dino, Kélson, Lopes e Zezinho. Agachados: Junior Cearense, Arildo, Guedinho, Édio, João Marcelo e Danilo

Esse foi o time que entrou em campo no Castelão, no dia 6 de julho de 2002, para enfrentar o Maranguape pelo 3º turno do campeonato cearense daquele ano. O jogo terminou 4×3 para o Tubarão da Barra e marcou o retorno do time coral ao principal estádio da capital cearense, depois de dois anos em completa reforma. Mais que isso, aquela partida foi a primeira do Ferroviário Atlético Clube no Castelão no Século XXI. O time era treinado pelo emergente Flávio Araújo e formou naquele dia com Zezinho, Arildo, Dino, Lopes e João Marcelo; Édio, Adriano Cearense, Junior Cearense e Danilo; Kélson (Marcos Roberto) e Guedinho. O Maranguape, do técnico Argeu dos Santos, perdeu com Samuel, Isaac, Robson, Leilson e Sérgio; Claudeci, Pantera, Maradona e Reginaldo França; Nozinho e Anderson (Wislei). Almeida Filho foi o árbitro do jogo. No ano seguinte, a base dessa equipe sagrou-se vice campeã estadual. João Marcelo, lateral esquerdo da formação bicampeã cearense em 1995, retornou para o time coral nessa temporada e fez boas partidas. O rápido Guedinho era o xodó da torcida e, no alto de seus 68 gols marcados com a camisa do Ferrão, é até hoje o nono maior artilheiro da nossa história. Já o atacante Kélson, ainda no início de carreira, era filho do ex-zagueiro Israel, que jogou no Ferroviário entre 1983 e 1984. Quando jogava no Brasil de Pelotas, já em 2009, Kélson estava no ônibus que sofreu um grave acidente no interior gaúcho e vitimou três membros da delegação, entre eles dois jogadores que enfrentaram o próprio Ferrão em jogos válidos pelo campeonato brasileiro de 2006. 

PRIMEIRO JOGO DO FERRÃO NO CASTELÃO FOI CONTRA O AMÉRICA

Marcos marcou no Castelão

No dia de hoje comemora-se o centenário do América, tradicional equipe cearense que há anos encontra-se largada na 3ª divisão do futebol cearense. Comemora-se também mais um aniversário do estádio Castelão, inaugurado no final de 1973. Curiosamente, a primeira partida do Ferroviário Atlético Clube naquela praça esportiva ocorreu contra o Diabo Rubro, que possuía uma bela sede social na Av. Dom Manuel. Esse jogo ocorreu no dia 13 de janeiro de 1974 e foi válido pela Taça Cidade de Fortaleza. Foi a preliminar de Ceará 0x2 Tiradentes/PI pelo campeonato brasileiro. Luís Vieira Vila Nova apitou o jogo do Ferrão, que tinha Becão como treinador. Ele que foi bastante identificado com o próprio América durante sua carreira de técnico. Naquela estreia no Castelão, o time coral formou com Marcelino, Assis, Lúcio Sabiá, Danilo Baratinha e Eldo; Simplício e Edilson Lopes; Sousa, Dudé, Oliveira e Marcos. Já o América jogou com Edilson José, Luiz, Lauro, Zem e Genilson; Alírio e Lúcio; Otávio, Italo, Ivo e Heitor (Cláudio). O jogo terminou empatado em 1×1. O atacante Marcos, cria da base coral, marcou o primeiro gol do Ferrão no Gigante da Boa Vista. Depois, Cláudio empatou para o América, que teve um jogador expulso e jogou com apenas 10 peças em campo desde os 5 minutos do 1º tempo. O Tiradentes foi o campeão da Taça Cidade de Fortaleza. O Ferrão estava prestes a viver um dos momentos mais difíceis de sua história com crises financeiras, penhoras e renúncia de dirigentes. Infelizmente, “fechar as portas” era assunto comum naquele difícil período.

INAUGURAÇÃO DA PRAÇA EM FRENTE AO ELZIR CABRAL EM 1991

As imagens acima recuperadas em vídeo são de grande raridade. Elas mostram a noite de inauguração da praça pública localizada em frente ao Estádio Elzir Cabral, no bairro da Barra do Ceará. O novo espaço foi uma obra da gestão do então prefeito Juraci Magalhães e a cerimônia teve a cobertura da TV Verdes Mares de Fortaleza. O evento aconteceu no final do mês de outubro de 1991, antes de um jogo do Ferroviário contra o Quixadá pelo campeonato cearense. O novo logradouro foi batizado de Praça Marcelo Queiroz, em homenagem ao filho do ex-presidente José Lima de Queiroz, que aparece concedendo entrevista na matéria acima. Marcelo Queiroz foi um árduo torcedor coral. Ele teve destaque como integrante da diretoria mirim campeã estadual em 1979, que correspondia a um projeto de formação e renovação de futuros dirigentes, organizado e levado à prática na gestão do ex-presidente José Rego Filho. Infelizmente, Marcelo Queiroz faleceu muito jovem e não conseguiu realizar o sonho de ser presidente do Ferroviário. Entretanto, sua presença no cotidiano coral foi eternizada com a existência de uma estátua na praça em frente ao Estádio Elzir Cabral.

NO 80 ANOS DE PELÉ, A HISTÓRIA DA CAMISA QUE A FREIRINHA LEVOU

Foto histórica do Rei Pelé, em 1968, tentando furar a defensiva do time campeão cearense invicto

O Rei do futebol mundial completa hoje 80 anos de vida. Em todos os lugares do mundo, Pelé é celebrado e ovacionado por mais um aniversário. A matéria de hoje aqui no blog poderia ser só sobre ele, ou ainda sobre Coca Cola ou Luiz Paes, dois dos melhores jogadores em campo, no dia que o Ferroviário Atlético Clube encarou o Santos de Pelé, de igual pra igual, em 1968. Poderíamos lembrar o belo chapéu que Coca Cola aplicou no melhor jogador do mundo, aplaudido por todo o estádio, ou a forte marcação do zagueiro Luiz Paes, que impediu que Pelé marcasse contra o time coral. Os dois fatos são de domínio público no futebol cearense e, há mais de cinquenta anos, são repetidos nas arquibancadas cearenses pelos torcedores mais antigos. Os dois craques corais receberam os parabéns do próprio Pelé, ainda dentro do gramado do PV, em razão de seus lances fortuitos. Porém, quem ganhou o dia foi uma anônima freirinha cearense, para desespero do ex-zagueiro Luiz Paes. Talvez esta seja a maior curiosidade da passagem do Rei Pelé contra o Tubarão da Barra.

Matéria do Correio do Ceará sobre o dia que a defensiva do Ferroviário parou o Rei Pelé

Estamos falando do jogo de entrega de faixas pelo título estadual de 1968. O campeão cearense recebeu o campeão paulista. É verdade que, um ano antes, o Santos massacrou o Ferrão por 5×0 e Pelé deixou sua marca nas redes do goleiro Miltão. Porém, contra o timaço que foi campeão invicto era diferente: 0x0 no placar. A zaga Gomes e Luiz Paes parou o Rei Pelé por completo e o catedrático beque pernambucano recebeu vários elogios do maior nome do futebol mundial. Em meio aos lances disputados, Luiz Paes lembrava de pedir a camisa do craque nacional como recordação. Pelé prometeu, ainda no calor do amistoso. Ao final do apito do árbitro, o paulista Manuel Joaquim Ramos, Pelé foi ovacionado, mas lembrou de reservar a camisa para o zagueiro coral. Depois das entrevistas e do assédio dos torcedores, Luiz Paes foi ao túnel do Santos para encontrar o Rei do futebol e pegar seu regalo. Recebeu um abraço e, novamente, os parabéns pela atuação. Mas ficou sem a camisa, pois ao chegar no vestiário, Pelé recebeu a visita inesperada de uma simpática freirinha, que pediu a camisa 10 do ídolo para realizar um leilão de caridade. Pelé aquiesceu com prazer. Luiz Paes perdeu a oportunidade de guardar aquela relíquia, mas ganhou uma história pra contar pelo resto da vida. Foi por uma boa causa.

FAMOSO GOLEIRO ADO FAZIA SUA ESTREIA HÁ EXATOS 40 ANOS

Experiente goleiro Ado ajeita a barreira coral no histórico “Jogo do Terremoto” contra o Ceará

Foi num 9 de outubro como hoje. Faz 40 anos que o tricampeão mundial Ado vestiu a camisa do Ferroviário pela primeira vez, num total de apenas cinco oportunidades. Reserva de Félix na Copa do Mundo de 1970, ele entrou no segundo tempo de um jogo contra o Tiradentes, no PV, aos 34 anos de idade, no posto do titular Salvino. A partida era válida pelo campeonato cearense de 1980. O time coral formou naquela oportunidade com Salvino (Ado), Jorge Henrique, Jorge Luís, Celso Gavião e Luís Augusto; Zé Maria, Nilsinho e Jacinto; Osni, Sousa (Serginho) e Marco Antônio. Treinado por João Batista, o Tigre foi goleado por 4×0 com Gilmar, Milton, Totô, Júlio e Adão; Jodecir, Vanderley (Maciel) e Aucélio; Eci, Da Silva e William. Os gols foram de Jacinto, Celso Gavião, Osni e Serginho. Depois de repetir a substituição em alguns jogos na reta final da competição, contra Quixadá e Guarani de Juazeiro, o treinador Lanzoninho optou por utilizar o experiente Ado na reta final do Estadual nos jogos decisivos contra o Ceará, inclusive no famoso “Jogo do Terremoto“, em que o arqueiro coral foi um dos melhores em campo e o Ferrão bateu o Ceará por 1×0, com um gol de placa de Bibi. Ado foi vice-campeão cearense com o Ferrão naquela temporada.

BODAS DE OURO DA CONQUISTA DO CAMPEONATO CEARENSE DE 1970

Uma das formações na reta final de 1970 – Em pé: Louro, Hamilton Ayres, Gomes, Aloísio Linhares, Eldo e Coca Cola; Agachados: Mano, Paulo Velozo, Amilton Melo, Edmar e Alísio

O ano de 1970 começou cheio de expectativas para o Ferrão. Pela primeira vez, logo em janeiro, o time coral recebia um time de outro estado para uma partida no Elzir Cabral, ainda em fase de construção. O amistoso contra o Alecrim/RN terminou em grande confusão, com brigas dentro de campo, assim que uma legião de torcedores corais invadiram o campo para agredir o árbitro Roberto Kaúla. Antes do fim do mês, o Ferroviário conquistou o título da II Copa Estado do Ceará, iniciada ainda em 1969, numa disputa de pênaltis contra o Ceará que envolveu o duelo Simplício x Gojoba nas cobranças. Além desse amistoso histórico e do primeiro troféu no ano, a direção coral não abria mão do título estadual e realizou contrações importantes para reforçar o time, como o lateral Esteves, os atacantes Zé Luís e Paulo Velozo, além da chegada do craque Amilton Melo, seguramente o maior jogador do futebol cearense da história, que se consagrou a partir daquele momento e durante toda a década de 1970. 

Jornal O Povo há exatos 50 anos

O campeonato cearense começou para o time coral no dia 8 de março e terminou num 7 de outubro como hoje. Foram sete meses de disputas. O Guarany de Sobral talvez tenha montado o seu melhor time em todos os tempos e venceu o 1º turno. No returno, o Ferrão bateu o Fortaleza por 1×0, golaço de peixinho de Paulo Velozo, e ficou com o título. O Ceará levou o 3º turno, ganhando por 3×1 do próprio Ferroviário, e os três vencedores foram realizar o chamado “Super Turno” em três jogos no PV. Na primeira partida do triangular simples, o Tubarão da Barra envolveu o Ceará por completo, com grande atuação do volante Edmar, mas o placar ficou no 0x0. Três dias depois, o próprio Ceará empatou com o Guarany, também em 0x0, o que facilitou a vida dos adversários, já que a decisão do título ficou justamente para o jogo do Ferroviário contra o excelente time sobralense. Com uma foto dos principais jogadores de cada time, o Jornal O Povo amanhecia nas bancas com os dizeres: “Pode surgir hoje o Super-Campeão” e “O grande duelo da peleja decisiva”.

Carnaval da torcida coral no PV

Diante de 13.028 pagantes, os dois times fizeram um jogo polêmico e difícil, em que o primeiro tempo terminou 2×1 para o time coral, gols de Amilton Melo, aproveitando uma rebatida do goleiro Ademir, e Alísio, numa virada com a perna esquerda. Edmilson diminuiu o placar com um gol para o Guarany antes do fim da etapa inicial. No intervalo, a primeira confusão: o reserva Jaldemir foi expulso do banco sobralense ao tentar subornar, com 1000 Cruzeiros, o árbitro Lourálber Monteiro, para que ele marcasse um pênalti para o Guarany. Na etapa final, o juiz ainda expulsou o atacante Wilson do Ferroviário, além de Teco Teco e Valdir pelo lado do adversário. O terceiro gol coral, marcado por Alísio novamente, já saiu no apagar das luzes e causou a invasão dos jogadores reservas na comemoração e, posteriormente, a invasão da torcida coral para comemorar junto com os atletas, num autêntico carnaval em pleno mês de outubro, a partir das 22h30 daquela quarta-feira.

Paulo Velozo: artilheiro

Treinado por Alexandre Nepomuceno, o Ferroviário jogou a finalíssima e foi campeão com Aloísio Linhares, Esteves, Hamilton Ayres, Gomes e Louro (Eldo); Edmar, Simplício e Coca Cola; Amilton Melo (Wilson), Paulo Velozo e Alísio. O Guarany de Sobral, treinado pelo experiente Ivonísio Mosca de Carvalho, perdeu com Ademir, Wellington, Ivan Limeira, Valdir e Barbosa; Teco Teco e Marivaldo; Dedeu (Gilvan)(Zezinho), Carrete, Edmilson e Paraíba. Além do técnico, o Guarany reunia três jogadores campeões invictos pelo próprio Ferroviário apenas dois anos antes: Wellington, Barbosa e Paraíba. O Ferrão, chamado na ocasião pela crônica esportiva e desportistas em geral como “Timão”, teve a defesa menos vazada e o ataque mais positivo do campeonato, consolidando o pernambucano Paulo Velozo como o artilheiro da equipe com 12 gols, seguido de Amilton Melo com 10 tentos. O artilheiro maior do certame foi justamente o ex-coral Paraíba, do Guarany, com 15 gols assinalados. Nas bodas de ouro daquela brilhante conquista, a nossa homenagem aos heróis de 1970!