ENTREVISTA HISTÓRICA COM O CAPITÃO CORAL NO TÍTULO DE 1988

Final de 1988 com Silmar, Robinson, Barrote, Alves, Arimatéia, Marcelo Veiga e Juarez na foto

A torcida coral comemora hoje os 30 anos do inesquecível título estadual de 1988. As disputas daquela edição do campeonato cearense foram uma das mais acirradas em todos os tempos já que Ceará, Fortaleza, Tiradentes e Guarany de Sobral montaram grandes times. A competição durou pouco mais de seis meses e, ao final, premiou a equipe mais regular e vibrante desde o início com um título mais que merecido, conquistado exatamente no feriado de 7 de setembro quando o Ferrão jogava pelo empate, mas mesmo assim bateu o Fortaleza por 1×0 com um gol histórico do lateral esquerdo Marcelo Veiga em cobrança de pênalti. Na ocasião, Marcelo Veiga era um jovem de muita personalidade, de apenas 23 anos de idade, que assumiu a braçadeira de capitão quando o técnico Lucídio Pontes assumiu a equipe já no 3º turno da competição num time que tinha nomes experientes como Juarez, Silmar e Djalma.

Marcelo Veiga fuzila o gol defendido pelo arqueiro Cláudio e marca o gol do título de 1988

Quando voltou a Vila Olímpica Elzir Cabral para treinar o Ferroviário na temporada de 2004, Marcelo Veiga gravou uma entrevista em áudio relatando detalhes daquela memorável conquista. Esse material ficou guardando por quase quinze anos e agora, em publicação extraordinária e histórica no aniversário de 30 anos do título de 1988, o Almanaque do Ferrão divulga na íntegra a conversa com o eterno ídolo coral. Nela, Marcelo Veiga recorda momentos importantes nos bastidores daquela temporada, faz um balanço de sua vitoriosa passagem pelo Tubarão da Barra, afirma ter marcado o gol mais bonito de sua carreira justamente com a camisa coral, comenta sobre a alegria de ser considerado um dos maiores nomes da nossa história, exalta a participação decisiva para aquela conquista de nomes como Chicão, Martins Monteiro e Vicente Monteiro, compara Lucídio Pontes ao famoso treinador Pepe, além de revelar um drama familiar que viveu poucas horas depois de ter marcado o gol do título. A gravação tem uma hora de duração e vale a pena ouvir com atenção. Trata-se de um testemunho sobre um dos momentos mais gloriosos da história do Ferroviário Atlético Clube, agora eternizado aqui no blog, na própria voz de um ex-jogador que é simplesmente a cara daquela conquista para sempre marcada no coração da torcida.

TORCEDORES LEVAM POSTER DE TIME INESQUECÍVEL TRÊS DÉCADAS DEPOIS

Torcedores em 2018 vão ao estádio do Ferrão com o poster da equipe campeã cearense de 1988

Na semana em que o Ferroviário Atlético Clube comemora os 30 anos da grande conquista do campeonato cearense de 1988, o Almanaque do Ferrão eterniza agora uma foto bastante curiosa que viralizou nas redes sociais no mês passado. Por ocasião do jogo de entrega de faixas dos campeões brasileiros de 2018, um grupo de torcedores corais foi à comemoração do título nacional na Vila Olímpica Elzir Cabral levando o poster da vitoriosa equipe de três décadas atrás. Sem dúvida alguma, quem viu o time de 1988 em ação, afirma categoricamente que foi uma das maiores equipes já formadas em mais de um século de edições do campeonato cearense. Você pode sentir um pouco do clima daquela inesquecível temporada conferindo os áudios resgatados diretamente de fitas cassetes gravadas na época e que foram publicadas anos atrás aqui no blog, basta verificar o aúdio 1, áudio 2 , áudio 3 e voltar no tempo!

O TIME DE BASE QUE CONQUISTOU O CAMPEONATO CEARENSE DE 1979

Campeonato Cearense de Juniores de 1979 – Em pé: Laércio, Gilvan, Bira, Dedé, Samuel, Ivanildo, Ariosto e o massagista Taty. Agachados: Narcélio, Haroldo, Carlos Brasília, Eduardo e Nena

Não estranhe a camisa coral na foto acima. Apesar de bastante parecida com a do rival Fortaleza, as cores são as nossas: vermelho, preto e branco. Esse modelo foi utilizado pelo time de juniores, o equivalente a atual categoria Sub-20, na conquista do campeonato cearense de 1979. Na imagem, a presença de alguns jogadores que chegaram a atuar pelo time profissional nas temporadas seguintes, como o histórico lateral direito Laércio (244 jogos), o goleiro Bira (2 jogos), o zagueiro Dedé (18 jogos), o ponta direita Haroldo (22 jogos) e o atacante Carlos Brasília (30 jogos), todos de importante contribuição à história coral. Vale o destaque para deixar registrado o modelo pouco comum no nosso uniforme e os atletas campeões pela nossa base, consagrada no futebol brasileiro como a que mais revela valores no futebol cearense.

BICAMPEÕES ESTADUAIS NA FESTA DOS CAMPEÕES BRASILEIROS

Duas gerações corais na foto – Em pé: Johnny, Túlio, André Lima, Edson Cariús, Alex, Janeudo, Mazinho, Paulo Adriano, Afonso, Miguel, Gleibson e Acássio; Agachados: Marcelo Bispo, Robério, Esquerdinha, Esquerdinha, Ricardo Lima, Lucas Mendes, Reginaldo, Valdeci, Nasa e Leanderson

Ontem o Ferroviário Atlético Clube viveu um domingo mágico: duas gerações vitoriosas se encontraram no Estádio Elzir Cabral para comemorar o título de campeão brasileiro do Tubarão da Barra. A geração bicampeã cearense em 1994 e 1995 foi convidada para o jogo de entrega de faixa dos campeões nacionais. Grandes nomes como Ricardo Lima, Paulo Adriano, Nasa, Batistinha, Alex, Esquerdinha, Robério, Borges, Jorge Luiz, Miguel, Cícero Ramalho, Reginaldo e Acássio, representantes do vitorioso grupo dos anos 1990, entraram novamente em campo para atuarem contra a geração vitoriosa de Edson Cariús, Janeudo e companhia. Nos discursos dos próprios ex-atletas, a palavra ´gratidão` era a mais pronunciada. Curiosamente, inclusive lado a lado na foto, dois Esquerdinhas, o de 2018 e o de 1995. Abaixo, você confere um vídeo produzido pelo torcedor Wladimir Lenine, que desenvolve um ótimo trabalho como documentarista dos fatos corais em seu canal no YouTube. Nele, o internauta bate um papo na festa com alguns dos principais nomes da história do Ferroviário. Aproveite!

IMAGENS DO TÍTULO BRASILEIRO EM CAMPINA GRANDE E EM FORTALEZA

Vale a pena conferir no vídeo acima o ótimo trabalho da TV Artilheiro com imagens gravadas antes e depois do jogo que deu ao Ferroviário o inédito título de campeão brasileiro da Série D. O material começa com a chegada de torcedores corais ao estádio Amigão em Campina Grande. Estima-se que cerca de 1200 corais saíram de Fortaleza para conferir a final nacional na Paraíba, seja de avião, ônibus de linha interestadual, carros particulares e mais de quinze ônibus alugados por torcedores. No placar agregado, o Ferroviário bateu o Treze/PB por 3×1 nos dois jogos decisivos e conquistou um campeonato inédito para a capital cearense. Nem Fortaleza, nem Ceará, possuem um título de envergadura nacional. Na sequência, no vídeo abaixo, não deixe de conferir também a homenagem montada pela torcedora Isabel Muniz. Ela registra a carreata que levou o vitorioso elenco coral em carro do corpo de bombeiros do Castelão à Vila Olímpica Elzir Cabral no dia seguinte, num trajeto festivo que durou pouco mais de uma hora e que cativou a atenção de vários fortalezenses pelo caminho num inesquecível domingo ensolarado na capital cearense. Ai é Ferrão, meu filho!

ACABOU O JEJUM DE 23 ANOS E O FERRÃO É CAMPEÃO BRASILEIRO

O Ferroviário Atlético Clube faz história e sagra-se campeão brasileiro da Série D de 2018

Ontem vimos a história ser feita, mais uma vez. Foi o fim do maior jejum de títulos da vida do Ferroviário Atlético Clube: vinte e três longos anos encerrados em grande estilo com um título de abrangência nacional. Talvez nem o mais otimista torcedor coral pudesse imaginar a quebra do jejum com tamanha grandeza! Hoje, o dia é de comemorações na volta da comitiva coral que viajou até Campina Grande para conquistar esse feito mais que merecido e sofrido, como tudo na vida desse time  que recentemente completou 85 anos de existência. Que nunca saia da memória de nenhum fiel torcedor as imagens abaixo. Que esse título seja apenas um recomeço!

BODAS DE OURO DO ÚLTIMO CAMPEÃO CEARENSE INVICTO

Matéria na imprensa cearense no dia 28/07/1968 prognosticando o fim do jejum de 16 anos

O último campeão invicto! Assim é conhecido até hoje o elenco do Ferroviário de 1968, que conquistou o campeonato estadual daquele ano com ampla supremacia e entrou para história eterna do futebol alencarino. Nesse sábado, dia 28 de julho, celebra-se o 50° aniversário daquela brilhante conquista. Naquele período, a diretoria coral passara por uma renovação e a chegada de jovens engenheiros da RFFSA para comandar os destinos do clube enchera de esperança a torcida coral, que não comemorava um título há 16 anos, o que era até então o maior jejum do clube em termos de conquistas. Capitaneados pelo presidente Elzir Cabral, dirigentes como José Rêgo Filho, Ruy do Ceará, Cândido Pamplona e um grupo de abnegados corais quebravam o jejum e começavam a escrever uma nova história para o clube. O jogo decisivo foi contra o Fortaleza, que também brigava pelo título naquele domingo de 1968. João Carlos marcou para o Ferrão e Croinha anotou o seu para o Fortaleza. O empate de 1×1 garantiu a conquista coral. O treinador Ivonísio Mosca de Carvalho mandou à campo naquela tarde a seguinte formação: Cavalheiro, Wellington, Flodoaldo (Luiz Paes), Gomes e Barbosa; Edmar e Coca Cola; Mano, João Carlos, Paraíba e Raimundinho (Lucinho). Nas bodas de ouro daquela conquista, é bom não esquecermos de eternizar esses nomes na memória coral. Além dos que atuaram na partida decisiva, vale destacar a participação dos que atuaram em pelo menos uma partida na competição: Roberto Barra-Limpa, Jurandir, Douglas, Facó, Ademir, Sanêga e Edilson José.

Página esportiva do Correio do Ceará destacando o grande feito coral no campeonato de 1968

Desde que foram campeões, alguns atletas do grupo coral nunca mais se encontraram.  A vida deu rumo diferente para muitos na carreira futebolística, outros simplesmente abandonaram a profissão, porém sem nunca esquecer a união daquele grupo e a importância daquele momento. Em 2014, alguns remanescentes do elenco do Ferrão de 1968 se encontraram numa churrascaria em Fortaleza e a noite foi de recordações e muita emoção. O goleiro gaúcho Cavalheiro, por exemplo, não voltava a Fortaleza há quase quatro décadas e nunca mais havia tido qualquer tipo de contato com seus antigos companheiros. O volante Edmar, titular absoluto em toda a campanha coral, comentou sobre mais um aniversário daquela conquista na última vez que teve o privilégio de estar reunido com parte daquele grupo: “Foi uma festa memorável após a partida. Nunca vi nada igual. Era um grande time. Não perdemos pra ninguém. Nós jogávamos por música e tínhamos o suporte de uma diretoria cheia de gente jovem e de palavra. Tenho orgulho de fazer parte daquela geração“, disse. Do interior do Rio Grande do Sul, o goleiro Cavalheiro também mandou uma mensagem de aniversário referente à conquista: “1968 foi um ano emblemático em todo país pela conjuntura social e política que vivíamos no país. Conquistar um título naquele ano pelo Ferroviário, time de origem humilde e proletária, e ainda de forma invicta, foi um dos maiores feitos da carreira daqueles jogadores. O Ferrão está eternizado no meu coração“, comentou. Feliz bodas de ouro, torcedor coral! 1968 para sempre!

Campeões 1968 em 2014: Mano, Luiz Paes, Edmar, Barbosa, Cavalheiro e Raimundinho