MEIO CAMPISTA DOCA EM ENTREVISTA NO VESTIÁRIO CORAL

Meio campista Doca em entrevista no vestiário coral ladeado pelo ex-presidente Chateaubriand Arrais

O registro acima aconteceu após algum jogo do Ferroviário na temporada de 1979. O meio campista Doca, famoso jogador do elenco coral na ocasião, concedia entrevista para um repórter que vestia literalmente a camisa do próprio Ferroviário. Ao lado do jogador, vê-se o dirigente Chateaubriand Arrais, que havia sido presidente entre 1975 e 1977. Doca é o terceiro jogador que mais vezes defendeu a camisa coral, totalizando 338 partidas e 17 gols marcados. Seu nome de batismo é Pedro Assis de Souza, nascido em 10 de março de 1953. Doca chegou para o Ferrão na temporada de 1978 e permaneceu até 1985, atuando em todas as posições do meio campo, notadamente como volante na maior parte dos jogos. Oriundo do Quixadá/CE, o jogador fez sua primeira partida com a camisa do Tubarão da Barra no dia 06/04/1978 contra o América/CE, no Castelão, em jogo válido pelo 1º turno da Taça Waldemar Alcântara. Sua partida de despedida ocorreu no PV, no dia 20/12/1985, contra o Fortaleza, pelo Campeonato Cearense daquele ano. Doca conquistou um título estadual pelo Ferrão, em 1979, quando atuou em 42 jogos e marcou 2 gols.

CRAQUE BETINHO VIVE EM RECIFE E LUTA CONTRA O ALZHEIMER

Aos 74 anos de idade, o eterno craque Betinho posou para foto de Jota Júnior na semana passada

Houve um tempo em que todo time no Brasil tinha um craque no meio campo. No Ferroviário entre 1982 e 1984, quem distribuía as cartas no gramado era Betinho. Ele já foi tema de algumas postagens aqui no blog, inclusive com gols importantes contra Ceará e Fortaleza. Foram 83 jogos e 27 gols marcados no período, dos quais 14 deles foram assinalados em clássicos. Antes de fazer sua fama na Barra do Ceará, o capixaba Roberto Fontana Madeira acumulava boas passagens no Botafogo/RJ e nos três grandes clubes de Pernambuco, de onde chegou em agosto de 1982 para o Ferrão. Betinho fixou residência em Recife depois do futebol. Há cinco anos, começou a apresentar lapsos de memória e foi diagnosticado com Alzheimer em seu segundo estágio, num total de quatro níveis de evolução. Na semana passada, já vivenciando o último estágio da doença, Betinho foi homenageado por ocasião dos 50 anos do estádio do Santa Cruz/PE, onde brilhou nos anos 1970 e marcou o primeiro gol daquela praça esportiva. A foto acima foi um registro dessa singela homenagem. Betinho foi ídolo no Ferroviário. É doloroso saber que muito provavelmente a doença já tenha deletado isso de sua memória. Mas a torcida do Ferrão jamais esquecerá o quanto Betinho era craque, um nome eterno na nossa história.

LATERAL DIREITO LIONN PARTICIPA DE BATE-PAPO NO YOUTUBE

De volta ao futebol cearense depois de 15 anos atuando na Europa, o lateral direito Lionn participou ontem de um programa de bate-papo no Canal “Torcida Amiga” no YouTube. Durante pouco mais de uma hora, o jogador coral recordou boas passagens de sua carreira e, principalmente, compartilhou algumas de suas recordações do período em que surgiu na base do Ferrão na metade dos anos 2000. Entre vários assuntos, Lionn lembrou a breve passagem que teve no Benfica de Portugal e no São Paulo/SP, antes de vestir a camisa profissional do Tubarão da Barra pela primeira vez, no Campeonato Cearense de 2007. Logo em sua estreia no time de cima, Lionn marcou um gol contra o Ceará. Curiosamente no final da conversa, Lionn esqueceu do gol que marcou na Polar UTS Cup, em junho daquele ano, logo após o Estadual. Suas duas participações nessa competição no exterior serviram de passaporte para a ida de Lionn para o Torreense, que na época disputava a terceira divisão portuguesa, ao lado do meia Paulo Victor e do atacante Eli. Um outro ponto interessante da conversa foi a comparação que o lateral direito fez do Ferroviário de 2022 com o Ferroviário de 2007, em termos de estrutura e potencial esportivo como equipe de futebol no cenário nacional. Vale a pena conferir o papo com Lionn.

ÓTIMO DOCUMENTÁRIO SOBRE O ÍDOLO LUIZINHO DAS ARÁBIAS

Luizinho das Arábias conseguiu o feito de ser ídolo em duas equipes rivais no futebol cearense. Primeiro, jogando pelo Fortaleza, em 1983, quando foi peça-chave para o título estadual conquistado em cima do próprio Ferroviário. Dois anos depois, foi o camisa 9 de um dos maiores times formados pelo Tubarão da Barra na história e marcou gols em cima do ex-clube. Foi o artilheiro máximo do Campeonato Cearense com 24 gols. Na temporada de 1986, foi vice-artilheiro do certame com 18 gols, mesmo saindo e voltando de um empréstimo para o XV de Jaú no meio da competição. Após o Estadual, voltou a defender pela última vez a camisa do Fortaleza no Campeonato Brasileiro de 1986. Se despediu do Ferrão em definitivo com uma nova passagem em 1988, quando disputou somente o 1º turno e eternizou seu nome na galeria dos jogadores campeões pelo Ferrão. O documentário acima é uma jóia rara, pois apresenta imagens praticamente inéditas do ex-jogador, inclusive registros dramáticos da cobertura jornalística de sua morte em Belém, em maio de 1989. O canal Tricolistas está de parabéns pela produção do material e, rivalidades à parte, faz por merecer a postagem aqui no blog, afinal, Luizinho das Arábias não foi ídolo somente do Fortaleza ou do Ferroviário, e sim, do futebol cearense como um todo.

FALECEU O EX-GOLEIRO WENDELL QUE JOGOU NO FERRÃO EM 1986

Matéria do Jornal O Povo anunciando a contratação do famoso goleiro Wendell na temporada de 1986

O futebol brasileiro se despediu do ex-goleiro Wendell Lucena Ramalho. Aos 74 anos de idade, ele deixou o plano terrestre no dia de ontem. Depois de excelentes passagens por equipes como Fluminense/RJ. Botafogo/RJ, Santa Cruz/PE, Guarani de Campinas e Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1974, o já experiente arqueiro foi anunciado como reforço do Ferroviário para a temporada de 1986. Wendell fez sua estreia na equipe coral no dia 11 de maio daquele ano, numa vitória por 2×1 em cima do Quixadá pelo Campeonato Cearense. Em sua breve passagem pela Barra do Ceará, ele permaneceu a maior parte do tempo na reserva do ágil Serginho, que vivia grande fase. Quando o presidente Caetano Bayma resolveu demitir o treinador Moésio Gomes na reta final da competição, recorreu ao experiente Wendell para assumir interinamente a condição de técnico do Ferrão por duas partidas, o que resultou em um empate contra o Guarani de Juazeiro e uma improvável vitória contra o Ceará, que seria o campeão estadual. Descanse em paz, Wendell.

POR ONDE ANDA A CRIA CORAL NEGOCIADA COM O FC PORTO?

Ex-cria coral Josivan em foto recente no trabalho na cidade portuguesa de Mangualde em Portugal

No dia 5 de maio de 1999, o baixinho Josivan fez sua primeira partida pelo time profissional do Ferrão. Lançado pelo treinador Newton Albuquerque, ele atuou muito bem no empate de 3×3 contra o América/RN, em jogo válido pela Copa do Nordeste daquele ano. Dois dias depois, o atleta já era destaque nas páginas do jornal Diário do Nordeste. Foram apenas 15 jogos e 2 gols marcados nos três meses seguintes para Josivan ganhar a chance de atuar em Portugal. Observado pelo ex-zagueiro Celso Gavião, que trabalhava como olheiro da empresa “International Foot“, a jovem revelação coral foi emprestada ao famoso FC Porto, para jogar inicialmente na equipe B. Seu passe foi estipulado em 50 mil Reais em caso de opção de compra pelo time português, o que rapidamente aconteceu. Depois de duas boas temporadas na equipe aspirante do Porto, Josivan chegou a figurar na pré-temporada do elenco principal sob o comando do famoso treinador Fernando Santos. Mais de duas décadas depois, a cria coral continua morando no Velho Continente, mais precisamente na cidade de Mangualde, que fica situada na província de Beira Alta, no Distrito de Vizeu.

Matéria do Diário do Nordeste sobre Josivan apenas 2 dias depois de sua estreia no profissional

Josivan nunca se firmou no time principal do Porto, mas fez toda sua carreira em equipes menores do futebol lusitano, atuando nas mais diversas divisões nacionais. Entre 2006 e 2007, o atleta chegou a jogar no futebol do Vietnã. Em 2017, Josivan pendurou as chuteiras na equipe portuguesa do Aguiar da Beira, depois de sete temporadas consecutivas. Longe do futebol, ele se mudou para Vizeu e começou a trabalhar com pintura de veículos no centro de produção da Peugeot-Citroen, majoritariamente durante o período noturno, onde se orgulha de nunca ter faltado um dia de trabalho em mais de três anos de atividade laboral. No período da tarde, Josivan treina a equipe Sub-13 do Grupo Desportivo de Mangualde e observa novos talentos para empresários portugueses. Ele tem dois filhos que desejam seguir carreira no futebol e uma filha que está na faculdade. A família não deseja retornar nunca mais para Fortaleza em razão dos perigos relacionados à segurança pública. Ficarão sempre as memórias do início da carreira de Josivan, que ao deixar o Ferrão e chegar no Porto era visto como o “novo Rui Barros” e chegou a ganhar a alcunha de “Rato Atômico das Antas“, em alusão ao seu estilo driblador e envolvente.

LIONN VOLTA A JOGAR PELO FERROVIÁRIO DEPOIS DE 15 ANOS

Lionn, aos 18 anos, no jogo da quebra do tabu contra o Fortaleza em Abril de 2007 no Castelão

Depois de 15 anos atuando no futebol europeu, o lateral direito Lionn voltou a jogar oficialmente com a camisa coral. Cria da base na geração de atletas surgida em meados dos anos 2000, o jogador entrou ontem, no segundo tempo, na vitória de 1×0 em cima do Botafogo/PB, pela Série C do Campeonato Brasileiro. O primeiro jogo de Lionn com a camisa do Ferrão aconteceu no dia 4 de fevereiro de 2007, no PV, contra o Ceará, entrando em substituição ao lateral direito Michel. Na ocasião, foi ele quem marcou o gol do Ferroviário na derrota por 2×1 para o alvinegro. O atleta foi lançado naquela oportunidade pelo treinador José Dultra e depois teve boas participações em partidas contra Itapipoca e Quixadá. O ápice daquele início de carreira para Lionn aconteceu no clássico contra o Fortaleza, numa partida histórica vencida pelo Ferrão por 3×1, que sacramentou a quebra de um tabu de quase oito anos sem a equipe coral bater o tricolor do Pici. Lionn atuou os 90 minutos do Clássico das Cores e se apresentou muito bem no antigo Estádio Castelão.

Dois meses depois da quebra do tabu, o Ferroviário viajou para o Caribe e participou da Polar UTS Cup. Acima, podemos ver um vídeo com a meninada coral atuando contra o Barber, de Curaçau. O Ferrão venceu por 2×0 e Lionn marcou o primeiro gol da partida, que pode ser visto por volta dos 2 minutos da gravação. Na final da competição, o Tubarão da Barra perdeu por 1×0 para o famoso Utrecht, da Holanda. Depois de se destacar na Polar UTS Cup, Lionn foi negociado para o Toreense de Portugal, país onde fez toda sua carreira atuando também pelo Vitória de Guimarães, Rio Ave, Famalicão, Olhanense e Trofense. No Vitória de Guimarães, o lateral direito chegou a disputar a Champions League. Ainda na Europa, Lionn foi campeão romeno pela equipe do Cluj. De volta ao futebol brasileiro e à casa que o gerou para o futebol profissional, Lionn é mais uma cria coral que reencontra o Ferroviário na fase final de sua vitoriosa carreira. Boa sorte pra ele!

VANDERLEY, GIORDANO E VANDER EM FOTO DO ESTADUAL DE 1977

Vanderley em treino do Ferroviário na temporada de 1977 com os goleiros Giordano e Vander

O registro fotográfico acima traz três personagens da história coral dos anos 1970. Em primeiro plano, o habilidoso atacante Vanderley, cria das categorias de base do Ferrão que, entre 1974 e 1978, atuou em 142 partidas e marcou 33 gols com a camisa coral. Ele faleceu jovem, no início dos anos 2000, por volta de 50 anos de idade. Atrás de Vanderley na imagem vemos dois dos quatro goleiros que figuraram no elenco do Tubarão da Barra em 1977: Giordano e Vander. O primeiro havia chegado no ano anterior, oriundo do Quixadá. O segundo, mais experiente, havia atuado no futebol piauiense e já havia defendido a camisa do Ceará. Além da dupla, o Ferroviário contava ainda com o jovem arqueiro Paulinho e com Renato, que começou o Campeonato Cearense como titular na preferência do treinador Lucídio Pontes. Porém, Giordano e Vander acabaram predominantemente se revezando na disputa da titularidade durante o restante da competição. Vander ficou apenas uma temporada no clube e defendeu a camisa coral em apenas 13 partidas. Por sua vez, Giordano permaneceu mais tempo na Barra do Ceará. Foram 135 participações no arco coral entre 1976 e 1983. Quando pendurou as luvas, Giordano passou a ser treinador de goleiros do Ferrão e foi campeão cearense em 1988, justamente trabalhando na comissão técnica de Lucídio Pontes, seu ex-treinador em 1977.

ÍDOLO EDSON CARIÚS CRAVA MAIS UM MARCO NA HISTÓRIA

Foto de Samuel Andrade registra o carinho da torcida do Ferroviário pelo ídolo Edson Cariús

Todo mundo sabe que Edson Cariús foi brilhante na conquista do inédito título de Campeão Brasileiro em 2018. Além de artilheiro da Série D nacional com 11 gols naquele ano, o centroavante foi artilheiro do Campeonato Cearense, na temporada seguinte, com 10 gols. Naquele momento, ele entrava para a ilustre galeria de jogadores corais que conquistaram o feito de maiores goleadores na primeira divisão da referida competição, ao lado de Mário Negrin (8 gols em 1943), Manuel de Ferro (12 gols em 1947), Pacoti (24 gols em 1957), Zé de Melo (21 gols em 1958), Lula (8 gols em 1975), Paulo César (29 gols em 1979), Luizinho das Arábias (24 gols em 1985), Cacau (21 gols em 1989), Batistinha (20 gols em 1994), Robério (26 gols em 1995), Rômulo (15 gols em 1998), Maurício Pantera (12 gols em 2004) e Giancarlo (19 gols em 2013). No Campeonato Cearense de 2022, Edson Cariús sacramentou novamente o título de artilheiro máximo da competição, dessa vez com 9 gols. O feito o coloca como o primeiro jogador na história do Ferroviário a repetir tal façanha! Lembrando ainda que no título da Taça Fares Lopes, em 2018, Cariús também foi decisivo e artilheiro da competição com 5 tentos. A foto acima, registrada no Castelão no último sábado, após a derrota coral num Clássico das Cores, evidencia bem o respeito e carinho que a torcida coral tem por seu ídolo, que em termos de números está prestes a alcançar a marca de 100 jogos pelo Ferroviário e ainda pode buscar a hegemonia de maior média de gols da história de uma equipe de quase 90 anos de existência. O tempo dirá o que Edson Cariús ainda será capaz de fazer pelo clube e pela sua própria biografia no futebol. A torcida coral agradecerá e aplaudirá de pé.

FERROVIÁRIO SE DESPEDIU DO EX-PRESIDENTE CAETANO BAYMA

O Ferroviário Atlético Clube se despediu do ex-presidente Caetano de Paula Bayma na semana passada. Vítima de infarto, o mandatário coral entre as temporadas de 1984 e 1987 partiu para o plano superior. No exato momento em que o Ferroviário vencia o Icasa por 2×0, na Barra do Ceará, seu corpo era sepultado no Cemitério São João Batista em Fortaleza. Abaixo, o blog recorda uma matéria de jornal do ano de 1999 falando sobre o afastamento de Caetano Bayma do futebol, mais de dez anos depois de ter deixado a presidência coral. Como se pode perceber no texto, os problemas no coração que o vitimaram já se faziam presentes na ocasião. Caetano Bayma foi um ótimo dirigente na história coral. Apaixonado pelo Ferrão, montou um time excelente na temporada de 1985, um dos melhores da nossa história, mas acabou não sendo campeão cearense graças às arbitragens calamitosas que desviaram o desfecho do Estadual daquele ano. Em postagem de 2015, o blog chegou a recordar um áudio raro onde é possível escutar uma entrevista de Caetano Bayma falando sobre a intenção de compra do passe do goleiro Serginho, que acabou se concretizando na ocasião. Descanse em paz, Caetano Bayma. A torcida coral é grata por tudo.

Matéria de jornal no ano de 1999 sobre a aposentadoria de Caetano Bayma no futebol cearense