JUAREZ, O ZAGUEIRO SANTISTA QUE FOI CAMPEÃO NO FERROVIÁRIO

Ex-zagueiro Juarez vestindo a camisa de treinos do Ferroviário Atlético Clube em 1988 e 1989

Ele foi um dos principais nomes do título estadual de 1988. O zagueiro Juarez, conhecido na intimidade dos familiares e amigos como Guega, ganhou o apelido de “Senegal” em seus tempos de Ferroviário. Sucesso na época da banda Reflexus, a música “Canto para o Senegal” influenciou a alcunha do defensor coral. Tendo iniciado a carreira nas categorias de base do Santos/SP, Juarez vestiu a camisa profissional de equipes como Mixto/MT, Palmeiras/SP e Coritiba. Dois anos antes de vestir o uniforme coral, foi campeão paulista com a Inter de Limeira. Na Barra do Ceará, Juarez fez 41 jogos e marcou 2 gols. O registro acima mostra o ex-zagueiro coral utilizando a camisa de treinos do Ferroviário no final dos anos 1980, trazendo a estampa da famosa marca Pepsi, patrocinadora do time coral naqueles anos. Juarez vinha de uma família composta de jogadores de futebol. Seu irmão Adilson, atacante, jogou no Santos com Pelé, e o zagueiro Osmar, também seu irmão, atuou no Palmeiras e no Sport/PE. Juarez trabalhava em Santos como mecânico numa retífica de motores quando sofreu um acidente de moto e faleceu em 21 de maio de 1997. Para sempre na história!

HOMENAGEM DO GLOBO ESPORTE AO ÍDOLO MARCELO VEIGA

Registro histórico do fotógrafo Stênio Saraiva após Marcelo Veiga marcar o gol do título em 1988

Na última postagem de 2020, vale a pena eternizar o vídeo abaixo com o encerramento do Globo Esporte no último dia 15 de dezembro. Com muita sensibilidade, o programa homenageou o ex-lateral esquerdo Marcelo Veiga, falecido no dia anterior, depois de um mês internado, lutando pela vida contra a Covid-19. A matéria trouxe imagens de arquivo da TV Verdes Mares de Fortaleza, apresentando breves resgates memoráveis de 1988, 1989, 2004, 2009 e 2019. No primeiro ano de Marcelo Veiga como jogador do Ferrão, o programa resgatou um momento lúdico do ex-lateral brincando como goleiro num treino na Vila Olímpica Elzir Cabral. Na mesma temporada, as imagens registram aquele que Marcelo Veiga considerava o gol mais bonito de sua carreira, marcado em Sobral, contra o Guarany, aos 44 minutos do segundo tempo, numa cobrança magistral de falta. Aquele gol rendeu uma grande confusão no Estádio do Junco, até hoje comentada nas arquibancadas cearenses. Essa preciosidade aparece aos 42 segundos do vídeo e é reapresentado no final da matéria. Em um ano complexo como 2020, Marcelo Veiga se foi para o plano superior, porém recebeu sempre em vida todas as homenagens e carinho da torcida do Ferroviário, além do respeito dos desportistas cearenses. O registro abaixo é uma prova disso porque ídolos seguem sempre eternos.

ENTREVISTA DE VICENTE MONTEIRO NA TVE EM NOVEMBRO DE 1989

Mais uma raridade para você abrindo o nosso baú de fim de ano! O vídeo acima é uma entrevista raríssima do dirigente Vicente Monteiro, concedida no dia 9 de novembro de 1989, nos estúdios da TV Educativa de Fortaleza. Prestes a assumir a presidência coral, ele conversou com o apresentador Sebastião Belmino sobre seus planos para o Ferroviário. O material tem quase 9 minutos de duração. Nele, o mandatário coral comenta sobre a formação da nova diretoria, a chegada do novo reforço Júnior Piripiri, a negociação do artilheiro Cacau para a Ferroviária de Araraquara, entre outros assuntos. Ao final da entrevista, Vicente Monteiro convoca o eterno baluarte Valdemar Caracas para acompanhar um amistoso do Ferrão, no dia seguinte, na cidade de Santa Quitéria, contra o selecionado local. Naquela sexta-feira, no calor do sertão, o Ferrão ganhou o jogo por 4×0. Na sequência do mês, a direção coral inaugurou os refletores do estádio Elzir Cabral com a presença de Ricardo Teixeira, presidente da CBF. Trinta dias depois, Vicente Augusto Monteiro, que ficou consagrado como um dos maiores dirigentes da nossa história, foi empossado como presidente, cargo que ocupou somente durante seis meses, se licenciando e sendo substituído por Múcio Roberto.

CELSO GAVIÃO E SUAS MEMÓRIAS NO FERROVIÁRIO E NO PORTO

O vídeo acima foi editado a partir de uma entrevista concedida pelo ex-zagueiro Celso Gavião à jornalista Denise Santiago. Veiculado no programa Jogo Certo da TV Diário, em 2018, o ex-atleta coral falou de algumas recordações vitoriosas no futebol, entre elas, o título estadual no Tubarão da Barra, em 1979, e o título mundial no Porto, de Portugal, em 1987. Quando perguntado sobre ter marcado o gol do título pelo Ferrão em cima do Ceará, Celso não titubeou: “foi o gol do título“. Na prática, é verdade que não foi, visto que o título só foi confirmado após uma vitória por 3×0 em cima do Fortaleza, na rodada seguinte. Porém, o gol do Gavião foi de uma importância tamanha que é comumente referido como o ´gol do título`, dado o contexto de uma vitória maiúscula, histórica e totalmente improvável em termos de prognósticos naquele momento. Referida curiosidade é, inclusive, relatava no texto intitulado “Petardo do Gavião e Milagres do Capacete“, no recém-lançado livro `Crônicas Corais´, em alusão às atuações individuais do zagueiro Celso e do goleiro Cícero Capacete naquele memorável jogo contra o alvinegro, em setembro de 1979. Fica a dica de leitura.

FERROVIÁRIO SE DESPEDE DO ÍDOLO ETERNO MARCELO VEIGA

Existem dias que a gente espera que nunca cheguem. Hoje foi apenas mais um deles. O Ferroviário recebeu a notícia do falecimento de seu ex-lateral esquerdo Marcelo Veiga. Depois de quase um mês lutando contra a Covid-19, o eterno ídolo coral faleceu na tarde de hoje na Santa Casa de Bragança Paulista, cidade onde fixou residência há vários anos. O vídeo acima é simbólico e registra um breve momento de sua passagem no ano passado, como treinador, durante a Série C do campeonato brasileiro. Nessa função, com trabalhos em 2004 e 2019, foram 24 partidas à frente do Ferrão. Como jogador, em 1988 e 1989, Marcelo Veiga disputou 79 partidas e marcou 13 gols, entre eles o gol do título, em cima do Fortaleza, na grande final do campeonato de 1988. Consolidou-se naquele ano como um jogador de muita raça, espírito de luta e chute certeiro, rapidamente se tornando capitão da equipe e xodó da torcida coral, principalmente entre as crianças. Em janeiro de 1990, teve seu passe negociado com o Santos/SP, equipe tradicional do futebol brasileiro, onde também viveu grande fase. Em 1996, Marcelo quase retornou ao Ferrão, mas o clube estava bem servido de lateral esquerdo e a oportunidade acabou não vingando. Ao longo dos seis anos desse blog, muito conteúdo já foi postado e recordado em termos de áudios raros, entrevista exclusiva, vídeos e fotografias do maior lateral esquerdo da história do Ferroviário Atlético Clube. Basca clicar na marcação com o nome “Marcelo Veiga” abaixo e reviver alguns de seus grandes momentos no Tubarão da Barra. Vai com Deus, capitão.

VALDEMAR CARACAS E ZÉ LIMEIRA EM PROGRAMA DA TV DIÁRIO

O Almanaque do Ferrão resolveu abrir o baú nesse final de semana e recuperou esse vídeo maravilhoso reunindo Valdemar Caracas e Zé Limeira, respectivamente fundador e torcedor símbolo do time coral. A gravação ocorreu em programa da TV Diário, em novembro de 1998, quando Caracas estava prestes a completar 91 anos de idade. Na telinha, Zé Limeira apresenta sua coleção de chifres em matéria gravada em sua residência. Na sequência, os dois conversam brevemente no estúdio da emissora com o apresentador Tom Barros e com o repórter Edmilson Maciel. Foi, sem dúvida, um encontro histórico proporcionado pela televisão cearense. Zé Limeira faleceu em 2004. Caracas foi morar no céu em 2013. Recentemente, os dois foram homenageados em “O Velho Caracol” e “A Falta que um Zé me Faz“, duas crônicas históricas publicadas no recém-lançado livro “Crônicas Corais“, à venda na Ferrão Store. 

POR ONDE ANDA BIBI, O AUTOR DO GOL NO JOGO DO TERREMOTO?

Bibi marca um Gol de Placa contra o Ceará e decreta a vitória coral antes do terremoto

Há exatos 40 anos, na noite de 19 de novembro de 1980, a cidade de Fortaleza foi sacudida por duas notícias que se espalharam rapidamente pela capital cearense: o Ferroviário bateu o Ceará, com um verdadeiro golaço do estiloso Bibi e, logo em seguida, um raro terremoto fez tremer a terra de José de Alencar. No dia seguinte, os noticiários jornalísticos se resumiram a esses dois fatos, seja no jornal, no rádio ou na televisão. Bibi era filho do consagrado Didi e havia sido campeão brasileiro pelo Atlético/MG, com Telê Santana, em 1971. Jogou ainda no Fortaleza antes de desembarcar na Barra do Ceará. Jogador de toque diferenciado, Bibi marcou um gol de bela feitura contra o alvinegro, o chamado “Gol de Placa”, que acabou nunca sendo fixada no Estádio Castelão. Depois do início dos anos 1980, Bibi foi embora do futebol cearense com destino a Santa Catarina e nunca mais retornou. Depois de tantos anos, será que você saberia dizer por onde anda o bom e velho Bibi?

Bibi em foto recente no Rio

Após trabalhar durante doze anos como treinador de futebol no mundo árabe, passando por países como Arábia Saudita, Catar e Emirados Árabes, o ex-jogador Bibi retornou para o Brasil há quase uma década e durante alguns anos fixou residência em São Pedro da Aldeia, que fica na famosa Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, onde atuava como taxista. Em 2019, Bibi voltou a morar na capital fluminense. Quando garoto, o jovem Adilson Pereira ganhou o apelido de Bibi do próprio pai, o Príncipe Didi, da Seleção Brasileira, o grande inventor da “folha seca”. Bibi teve pouca convivência com o famoso pai durante sua infância, já que seus pais se separaram. Quando Bibi jogava no Nacional/AM chegou a enfrentar Didi como técnico do Fluminense/RJ em um jogo do campeonato brasileiro. No Tubarão da Barra, o refinado meio campista disputou 57 jogos e marcou 8 gols entre 1980 e 1981, tendo como contemporâneo jogadores como o uruguaio Ramirez, o goleiro Ado, o craque Jacinto e o artilheiro Paulo César, entre outros. Recentemente, o ex-jogador Bibi concedeu entrevista para o jornalista Milton Neves na Rádio Bandeirantes de São Paulo. Abaixo, apresentamos o conteúdo dessa conversa para que os corais recordem ou possam conhecer o ex-jogador do Ferroviário Atlético Clube.

NICOLAS SE CONSOLIDA COMO O MELHOR GOLEIRO DESDE JÉFFERSON

Com 1,92m de altura e 34 anos de idade, Nicolas tem se firmado como importante goleiro coral

Titular absoluto nas traves do Ferroviário Atlético Clube desde o Campeonato Brasileiro de 2019, o gaúcho Nicolas tem se consolidado como o melhor goleiro que vestiu a camisa coral desde a última passagem do arqueiro cearense Jéfferson, na já distante temporada de 2009. Portanto, dez anos depois, finalmente o clube conseguiu um titular que pudesse se firmar, disputando jogos importantes e apresentando boa performance. Em média, durante essa década de intervalo, foram praticamente dois goleiros por temporada que se revezaram na meta coral, alguns até de difícil lembrança por parte da torcida do Ferrão, a saber: Dionantan, Witalo, Tarciano, Célio, Ari, Handerson, Nilson, Caíque, Fernando Júnior, Rafael Muralha, Camilo, Alisson, Alex, Adson, Roger, Mauro, Oliveira, Léo, Bruno Colaço, Mailson, Gleibson e Remerson. Depois de defender equipes gaúchas como São Paulo/RS e Novo Hamburgo/RS, Nicolas veio para o futebol cearense em abril de 2019 e já conta com mais de 60 partidas, entre jogos oficiais e amistosos, com a camisa do Ferrão. No último sábado, contra o Manaus, na Arena da Amazônia, Nicolas foi decisivo para o Ferrão com, pelo menos, duas defesas muito difíceis, que garantiram o empate em 1×1 no placar. Mesmo com as bruscas mudanças no elenco coral de 2019 para 2020, o goleiro Nicolas foi um dos poucos jogadores que renovaram contrato e permaneceram na Barra do Ceará.

GOLEIRO AUGUSTO FAZIA SUA ESTREIA NO FERRÃO HÁ 60 ANOS

Estreia de Augusto em 1960

Ele veio do Náutico/PE para o Ferroviário, trazido de Recife pelo treinador Manuel dos Prazeres para a disputas do 3º turno do campeonato cearense de 1960. Estamos falando de Augusto. Há exatos 60 anos, no dia 29 de outubro, o novo arqueiro coral fazia sua estreia num amistoso contra o Ceará. O Ferrão venceu o jogo por 1×0, gol de Macaúba II. Durante o período de um ano que ficou no time da Estrada de Ferro, Augusto disputou posição com os conhecidos Dadá e Zé Alberto, chegando a ser titular durante um bom período, notadamente na temporada de 1961. Aos 30 anos de idade, Augusto Cabral de Carvalho defendeu o arco coral em 37 partidas. De olhos verdes e cabelo castanho, o arqueiro era paraibano, filho de José Justiniano Cabral de Carvalho e Eleonora Cabral de Carvalho. Tinha 1,78m de altura. Inicialmente, Augusto assinou um contrato em branco com o Ferroviário Atlético Clube, sem especificar sua remuneração mensal. Só depois que os dirigentes corais o viram em campo é que o valor acabou sendo definido a partir da qualidade demonstrada pelo goleiro no decorrer dos jogos. Em seu período no time coral, Augusto teve como companheiros nomes consagrados como Aldo, Garrincha, Damasceno e Edilson Araújo. 

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM JARDEL

Você confere acima mais uma Live do Almanaque do Ferrão realizada no Instagram, dessa vez com o nosso ex-atacante Jardel, revelado na Barra do Ceará no início dos anos 1990 e que retornou, em 2009, com a missão de encerrar sua carreira no próprio Ferroviário Atlético Clube. O ex-jogador coral compartilhou suas principais memórias de quando chegou ao clube, os primeiros jogos na equipe profissional, os primeiros companheiros de time, além da negociação que envolveu sua ida para o Vasco/RJ em 1991, além de suas ótimas passagens pelo Grêmio/RS e pelo futebol internacional, notadamente no Porto e no Sporting, ambos em Portugal, e no Galatasaray da Turquia. Foi mais um bate-papo para a posteridade da memória coral com aquele que é considerado o jogador cearense que mais sucesso obteve no futebol mundial em todos os tempos. A Live de ontem encerrou em grande estilo a temporada de bate-papos no Instagram com jogadores do passado, inicialmente programada para dez edições, com o objetivo de resgatar resenhas e boas lembranças da trajetória coral em cada época.