O CRAQUE QUE O FERROVIÁRIO MANDOU PARA O ATLÉTICO MINEIRO

Amilton Melo no Galo

Amilton Melo foi um dos maiores craques que o futebol cearense já produziu. Entre alguns poucos jogadores em comum que tiveram a honra de vestir as camisas do Ferroviário e do Atlético/MG em suas carreiras, talvez seja ele a maior conexão entre as duas equipes que se enfrentam hoje pela quarta fase da Copa do Brasil. Foram 126 partidas com a camisa coral e 47 gols marcados entre 1970 e 1973. Sua história no futebol começou em 1968 quando o saudoso Telê Santana o viu atuar numa preliminar com a camisa do América/CE e levou Amilton Melo para jogar no Fluminense/RJ. Depois de dois anos na base do tricolor carioca, voltou ao futebol cearense e conseguiu o status de ídolo coral, com grandes apresentações e principalmente por conta do título estadual de 1970. Dois anos depois, novamente Telê Santana o chamou para o Atlético/MG, onde atuou em seis partidas no segundo semestre de 1972. Certa vez, voltou à cidade de Fortaleza para enfrentar o Ceará com a camisa do galo mineiro. Depois da partida, saiu pra se divertir com Romeu e Cláudio, companheiros de equipe, e sofreu um acidente de carro, quebrando a mão direita e sendo obrigado a submeter-se a uma operação plástica no rosto. Devolvido ao Ferroviário no final do empréstimo, ainda disputou a temporada de 1973 pelo Tubarão da Barra até ser negociado com o Fortaleza, onde também brilhou.

O livro escrito por Amilton Melo

Cria do futebol de salão, Amilton Melo tinha dribles curtos e rápidos. Era o antigo ponta de lança que sabia fazer gols. Foi igualmente ídolo no Ceará na segunda metade da década de 70, onde também conquistou títulos. Poucos foram os jogadores que conseguiram a idolatria nos três maiores times do futebol cearense em todos os tempos. O craque Amilton Melo foi um deles. Em 1987, lançou um livro contando suas memórias no futebol e relatou detalhes sobre sua passagem no Atlético Mineiro. Intitulado como “Amilton Melo: o craque e o futebol cearense“, seu livro era vendido nas principais bancas de revistas da famosa Praça do Ferreira, no centro da capital cearense. Hoje, trata-se de item raro em sua versão física, apesar de poder ser achado em versão digital no Mercado Livre ao preço de 50 Reais. Depois que pendurou as chuteiras, Amilton Melo militou na radiofonia cearense como comentarista, formando ao lado de Júlio Sales, Chico Rocha e Vilar Marques um quarteto que deixou muitas saudades na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza. Depois, aos 41 anos de idade, ainda tentou uma volta aos gramados com a camisa do Calouros do Ar em 1990. Amilton Melo queria se divertir jogando mais um campeonato cearense e chegou a enfrentar o Ferrão no dia 30 de setembro, um domingo com cheiro de saudade para um já quarentão barrigudo. Na noite de 6 de julho de 1997, Amilton Melo foi assassinado com vários tiros de revólver na Rua Padre Antônio Vieira, no bairro do Couto Fernandes em Fortaleza.

FAMÍLIA FINALMENTE CONSEGUE FALAR COM EX-ATLETA NO EQUADOR

Ex-artilheiro Paulo César e seu genro em foto tirada recentemente em Guayaquil no Equador

Trinta dias depois da nossa matéria sobre as três décadas que separaram um dos maiores artilheiros corais de sua família, uma excelente notícia chegou no apagar das luzes de 2017. No último dia 30 de dezembro, por intermédio do aplicativo Whatsapp, os familiares do ex-atacante Paulo César, diretamente de Recife, finalmente conseguiram contato com ele em Guayaquil, no Equador. Paulo César conversou através de vídeo com suas irmãs que, até antes da matéria produzida aqui no blog, achavam que ele já havia falecido. A família do ex-jogador do Ferroviário relatou que foi impossível conter as lágrimas e o encontro virtual foi regado de muita emoção e grandes recordações. Desde o dia em que teve sua carteira extraviada com todos os seus documentos, contendo inclusive o número do telefone da vizinha de sua mãe em Recife, Paulo César nunca mais havia conseguido conversar com seus irmãos. Na semana passada, ele agradeceu a Deus o excelente presente de fim de ano.

Paulo César com um de seus netos

Através do bate-papo virtual, os familiares de Paulo César tomaram conhecimento que ele casou novamente no Equador nos anos 1980, quando deixou o Brasil para jogar no futebol equatoriano. Hoje, Paulo César tem três filhos, sendo uma brasileira fruto de seu primeiro casamento e um casal de equatorianos, além de doze netos. Ele mora com uma das filhas e seu passatempo favorito é brincar com seus netos. Nas horas vagas, ainda gosta de jogar futebol. O jornalista equatoriano Diego Arcos foi fundamental para esse reencontro de Paulo César com sua família no Brasil. Foi ele quem localizou uma das filhas do ex-jogador e passou o contato dos parentes brasileiros que buscavam notícias do ente querido. Na conversa, Paulo César mostrou-se bastante lúcido e lembrava de detalhes da sua infância em Recife, de todos os irmãos e até do nome da rua em quem moravam. Seus filhos equatorianos também se emocionaram bastante com a satisfação do pai.

Com a camisa do Barcelona de Guayaquil

Perguntado sobre o Ferroviário Atlético Clube, Paulo César comentou com bastante carinho sobre seu ex-clube para a família. O Tubarão da Barra foi o time em que o ex-atleta obteve mais destaque atuando no futebol brasileiro, onde vestiu também as camisas do Moto Clube/MA e do Santa Cruz/PE. Na Barra do Ceará, foram 137 partidas e 88 gols marcados com o uniforme do Ferroviário, o que o coloca como o quarto maior goleador da história do clube, atrás apenas de Macaco, Fernando e Zé de Melo. Quando se despediu do Ferrão em 1981, passou a defender a Liga de Quito no Equador, foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e conduziu sua equipe à Copa Libertadores. Diante do sucesso de sua primeira temporada em terras equatorianas, foi contratado pelo famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas três temporadas seguintes e se transformou numa verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional entre 1982 a 1984. O Almanaque do Ferrão encerra sua primeira matéria em 2018 com um vídeo mostrando um golaço de Paulo César vestindo a camisa do Barcelona de Guayaquil em jogo da Libertadores de 1982. E que agora Paulo César e sua família celebrem o dom do grande reencontro!

MAZINHO LOYOLA SURGIA NO FERRÃO EM NOVEMBRO DE 1987

Há exatos 30 anos, a imprensa cearense dedicou pela primeira vez uma reportagem especial ao atacante Mazinho Loyola. Cria das categorias de base do Ferroviário, ele começava a surgir na equipe profissional durante as disputas do campeonato brasileiro de 1987. Em jogo realizado no Estádio Presidente Vargas, o Tubarão da Barra bateu o América/RN por 1×0, exatamente com um gol do jovem atleta coral, que teve oportunidade no time titular através do técnico Erandy Pereira Montenegro. Confira no vídeo acima a matéria da TV Verdes Mares dando o devido destaque a Mazinho Loyola, a primeira matéria de uma série de muitas que o atleta acumulou na carreira. Naquele domingo de novembro, o Ferrão venceu com Wálter, Laércio, Arimatéia, Kléber e Edson; Zé Alberto, Mardoni (Osmar) e Wiltinho; Mardônio, Mazinho Loyola e Marcos Duque. O time potiguar, sob o comando do treinador Caiçara, perdeu com Hélio Show, Alípio (Joel), Edson, Medeiros e Baeca; Baltazar, Valério e Baíca; Henrique, Silva e Cacauzinho (Sérgio Cabral).

ANIVERSÁRIO DE 60 ANOS DO NASCIMENTO DE UM ARTILHEIRO

Imagem em alusão aos 60 anos de Luizinho das Arábias retirada da página do atleta no Facebook

Se vivo fosse, o artilheiro Luizinho das Arábias estaria completando hoje 60 anos de idade. Com 75 jogos disputados com a camisa coral e 54 gols marcados, ele foi verdadeiramente um ídolo para uma geração inteira de torcedores do Ferrão que acompanhou o Tubarão da Barra em meados dos anos 80. O grande goleador morreu jovem, em maio de 1989, quando atuava no futebol do Pará. No futebol cearense, marcou o gol da vitória do Ferrão contra o Tiradentes em jogo do campeonato cearense de 1985, exatamente no dia de seu aniversário. Luizinho já foi tema de diversas postagens aqui no blog e vale a pena clicar na hashtag com seu nome embaixo dessa postagem para recuperar todas as matérias antigas, inclusive com áudios e imagens de seus gols e entrevistas durante o período que esteve no Ferrão, como o vídeo abaixo, gravado no dia que retornou para mais uma temporada em 1988.

FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE SE DESPEDE DE MAIS UM EX-PRESIDENTE

Edilson Sampaio na comemoração do título de 1988 ao lado da família na Barra do Ceará

Faleceu no último sábado, dia 14 de outubro, o ex-presidente do Ferroviário Atlético Clube, Edilson Sampaio, conhecido no meio futebolístico e familiar como Chumbinho. Ele presidiu o Tubarão da Barra entre janeiro de 1992 e fevereiro de 1993. Muito antes de ser presidente do clube, Chumbinho colaborou com várias diretorias na condição de conselheiro coral na década de 1980. Ao se tornar presidente do Ferrão, Edilson Sampaio repetiu o feito de seu pai, Porfírio Sampaio, que durante muitos anos presidiu o Ferroviário, sendo inclusive campeão cearense nas temporadas de 1945, 1950 e 1952. Edilson Sampaio travava uma luta contra o câncer e com a notícia de seu falecimento, o Ferroviário anunciou luto oficial. No dia de seu falecimento, o presidente da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, decretou um minuto de silêncio em homenagem a Chumbinho antes do jogo Fortaleza x CSA pelo campeonato brasileiro de futebol. No baú do blog, Chumbinho aparece na foto acima em entrevista ao repórter Edvaldo Pereira, da TV Verdes Mares, durante a comemoração do título estadual do Ferroviário de 1988 ocorrida no Clube de Regatas da Barra do Ceará.

POR ONDE ANDA UM DOS MAIORES ARTILHEIROS DA HISTÓRIA CORAL?

Paulo César – o papagaio – no Barcelona

Ele já foi tema de postagem aqui no blog com direito a resgate de um vídeo raro mostrando 2 gols marcados pelo Ferrão em 1978 e de um áudio com narração de um gol em 1980. A partir de 1981, quando deixou a Barra do Ceará, o futebol cearense em geral nunca mais ouviu falar de um dos maiores artilheiros da história coral, simplesmente o quarto maior goleador do Tubarão da Barra em todos os tempos. O pernambucano Paulo César, também conhecido como ´papagaio`, atuou em 137 partidas e marcou 88 gols com a camisa coral. No ano que se despediu do Ferrão, foi atuar no Equador pela Liga de Quito, foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e levou sua equipe à Copa Libertadores. Foi logo contratado por uma equipe maior, o famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas 3 temporadas seguintes, uma verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional de 1982 a 1984. Seus gols e o espírito guerreiro o fizeram ídolo do Barcelona, porém nunca foi campeão equatoriano. De fisionomia peculiar, ganhou logo o apelido de ´La Bruja´. Era a bruxa que assustava as defesas adversárias. Atuou profissionalmente até os 40 anos de idade e defendeu ainda o Filanbanco e o Deportivo Quevedo. Foi um ídolo coral que conquistou o Equador!

Matéria do Jornal O Povo, de agosto de 1978, destacando 5 gols de Paulo César na mesma partida

Apesar de brasileiro, Paulo César considera-se equatoriano. Foi o futebol equatoriano que o abraçou como ídolo, embora nesses anos todos nunca tenha sido esquecido pela torcida do Ferroviário, onde foi um gigante na conquista do título estadual de 1979. Curiosamente, seu nome não é Paulo César, mas até seus filhos o chamam assim. No documento de identidade, seu nome verdadeiro é João Evangelista Santiago Dino. Hoje, aos 64 anos de idade, continua sua vida no Equador, curte os netos, acompanha os jogos de futebol na televisão e, vez por outra, vai ao estádio conferir os jogos do Barcelona de Guayaquil. Como um dos maiores ídolos do clube, é sempre reverenciado pelos torcedores e homenageado pela direção da equipe. No final do ano passado, foi ovacionado pelo estádio em mais uma homenagem. O Almanaque do Ferrão achou o vídeo desse momento histórico para o Barcelona de Guayaquil e para o ex-goleador do Ferroviário Atlético Clube. Confira as imagens abaixo até o final e você verá o grande artilheiro Paulo César em sua fase ´vovô garoto`, super querido e eternamente lembrando pelos equatorianos, segurando a sua eterna camisa 9.

MORREU PERIVALDO, EX-LATERAL DO FERRÃO E DA SELEÇÃO BRASILEIRA

Ex-lateral direito Perivaldo, em foto de 2013, após regressar ao Brasil vindo das ruas de Lisboa

Em fevereiro passado, o Almanaque do Ferrão destacou a passagem do famoso ex-lateral direito Perivaldo pelo Tubarão da Barra nos anos 70. Oriundo da Bahia, o jogador foi um dos destaques do time coral no campeonato cearense de 1974. Pouco mais de seis anos depois, atuando pelo Botafogo/RJ, passou a ser permanentemente convocado para a Seleção Brasileira treinada pelo lendário Telê Santana, disputando sempre a posição de titular com os laterais Leandro (Flamengo), Getúlio (São Paulo) e Edevaldo (Fluminense). Foi seguramente um dos quatro melhores laterais direitos do futebol brasileiro até o início dos anos 80 e por muito pouco não esteve entre os relacionados para a Copa do Mundo na Espanha, em 1982, quando o Brasil encantou o mundo. Ontem, depois de tempos difíceis vividos no Brasil e na Europa, Perivaldo faleceu no Hospital Gafree e Guinle, na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Perivaldo na Seleção com o goleiro Valdir Peres, que coincidentemente faleceu na mesma semana

Além do Ferroviário, quando atuou aos 21 anos de idade emprestado pelo Bahia/BA, Perivaldo jogou ainda no Palmeiras/SP, São Paulo/SP, Bangu/RJ e no Yukong Elephants, da Coréia do Sul. Apenas dois anos depois de deixar a Barra do Ceará, Perivaldo conquistou a Bola de Prata como melhor lateral direito do campeonato brasileiro defendendo o Bahia, fato repetido em 1981 com a gloriosa camisa do Botafogo/RJ, quando o ex-lateral coral viveu sua melhor fase no futebol nacional. Há cerca de quatro anos, Perivaldo estava morando nas ruas de Lisboa, em Portugal. Após matéria do programa Fantástico da Rede Globo de Televisão, o Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro se mobilizou e ajudou a trazer o ex-jogador de volta para o Brasil. Posteriormente, reconhecendo a relação do ex-lateral com o Ferroviário, o Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado do Ceará levou o jogador de volta a Fortaleza para uma visita ao time que defendeu em 1974. Na ocasião, Perivaldo foi recepcionado oficialmente pelo Ferrão através de Chateaubriand Arrais Filho, que na ocasião respondia pelo Conselho Deliberativo coral.