PRIMEIRA FOTO DE MARCELO VEIGA LOGO QUE CHEGOU NO AEROPORTO

Marcelo Veiga no Pinto Martins

A foto ao lado permaneceu guardada nos arquivos do Almanaque do Ferrão por mais de trinta anos. Chegou a hora de divulgá-la! Trata-se do primeiro registro fotográfico do nosso atual treinador, logo que ele chegou para defender o Ferroviário como jogador no início da temporada de 1988. Estamos falando da segunda quinzena de janeiro daquele ano, quando Marcelo Veiga e o meia Arnaldo desembarcaram no antigo aeroporto Pinto Martins, provenientes de São Paulo. Ambos vinham da equipe do Santo André/SP e o lateral esquerdo, que teve sua rota desviada do Avaí/SC, acabou chegando por empréstimo em substituição a Agnaldo, também lateral da equipe paulista e ex-jogador do Fortaleza, que havia sido anunciado previamente pelo diretor de futebol Vicente Monteiro, mas que não pôde vir em razão de um acidente de motocicleta. O destino mudou a rota de Marcelo Veiga e ele fez história no Ferrão. Na ocasião, o jornal O Povo mandou uma equipe ao aeroporto para cobrir a chegada dos novos reforços do time coral. Essa é justamente a foto registrada no desembarque de Marcelo Veiga, que tinha 23 anos, e chegava em Fortaleza pela segunda vez na vida. Na primeira, em 1986, ele era o lateral direito do Comercial/MS que bateu o Fortaleza por 1×0, no Castelão, pelo Brasileirão. Ironicamente foi no Fortaleza que Marcelo Veiga marcou o gol do título.

MAIOR ARTILHEIRO EM ESTADUAIS ENTRA NA COLEÇÃO LEGENDÁRIOS

Arte promocional do quinto exemplar da série Legendários com o ex-centroavante Paulo César

O ex-atacante Paulo César, campeão cearense pelo Ferroviário em 1979, estampa o quinto exemplar da série ´Legendários` de copos colecionáveis do clube, que são disponibilizados nos estádios por ocasião dos jogos do Tubarão da Barra pela Série C desse ano em Fortaleza. O pernambucano é até hoje o jogador que mais gols marcou  pelo Ferrão numa mesma edição de campeonato estadual. Foram 29 tentos assinalados no certame de 1979, sendo dois deles no jogo decisivo contra o Fortaleza, cujo vídeo raríssimo foi publicado aqui no blog no início desse ano. Paulo César já foi tema de algumas matérias do Almanaque do Ferrão, seja pelo motivo da descoberta de outro vídeo raro com gols que marcou logo no primeiro ano de sua passagem pelo Ferrão, em 1978, ou pelo fato dramático de sua própria família não ter notícias do ex-atleta coral por cerca de trinta anos. Na ocasião, graças ao blog, seus familiares e Paulo César, que fixou residência no Equador desde os anos 1980, mantiveram um contato emocionante pela Internet depois de longos anos. Entre 1978 e 1981, foram 137 partidas e 88 gols com a camisa coral. Quando estava no Ferrão, Paulo César foi negociado com o Santa Cruz/PE por cifras astronômicas para o padrão do futebol cearense na época. Passou pouco tempo em Recife e depois voltou ao Tubarão da Barra. No ano que se despediu definitivamente do Ferrão, foi atuar no Equador pela Liga de Quito (LDU), onde foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e levou sua equipe à Copa Libertadores. Depois, foi contratado pelo famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas três temporadas seguintes, uma verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional de 1982 a 1984. Paulo César é mais um Legendário coral.

VINTE ANOS DO FALECIMENTO DE UM DOS MAIORES ÍDOLOS DO FERRÃO

Eterno Coca Cola: ídolo e craque do Ferroviário

Semana passada completou vinte anos do falecimento de um dos maiores ídolos da história do Ferroviário Atlético Clube. No dia 7 de junho de 1999, partia para o plano celestial o senhor Abelardo Cesário da Silva, que tinha um apelido um tanto quanto curioso na década de 1960: Coca Cola. Obviamente, o apelido era decorrente do famoso refrigerante. Coca Cola era baixinho, robusto e negro, lembrando à distância a tradicional garrafa do refrigerante. Podemos dizer jocosamente que foi o primeiro caso de naming rights do futebol cearense, por que não? O pequeno Coca Cola tinha um futebol grande demais e encantou os estádios alencarinos. Foram 324 jogos com a camisa coral e 71 gols marcados entre 1965 e 1973. Foi campeão cearense em 1968 e 1970. Na entrega de faixas do seu primeiro campeonato estadual pelo Ferrão, o Santos/SP foi o convidado e Coca Cola meteu um chapéu no Rei Pelé, fato até hoje lembrado nos estádios pelos torcedores mais antigos. No vídeo abaixo, gravado dois dias após a morte de Coca Cola, Ferroviário e Fortaleza se enfrentaram pelo campeonato cearense daquele ano e os atletas corais entraram em campo segurando uma faixa homenageando o eterno ídolo coral. O jogo foi 3×2 para o adversário, que carimbou a estreia do vitorioso César Moraes como técnico do Ferroviário Atlético Clube no certame de 1999.

HOMENAGEM CORAL AO MAIOR CRAQUE DO FERRÃO NOS ANOS 1990

Terceiro copo da coleção Legendários será vendido no jogo contra o Treze/PB na Arena Castelão

Que o ex-jogador Acássio teve uma passagem magistral pelo Ferroviário Atlético Clube na década de 1990, todo o futebol cearense sabe. O que ninguém sabia é motivo, agora, de reconhecimento por parte do clube e coloca o ex-craque na condição de ´Legendário` na série de copos colecionáveis lançados pela direção de marketing durante a atual temporada. O baiano bom de bola é simplesmente o ex-atleta coral que mais gols marcou na dupla Ceará e Fortaleza, contabilizados todos os clássicos estaduais da história. Foram 26 gols anotados na rede dos dois tradicionais rivais, superando a marca de grandes artilheiros e nomes históricos do Ferrão como Amilton Melo (7 gols), Pacoti (9 gols), Luizinho das Arábias (10 gols), Batistinha (9 gols), Macaco (21 gols), Fernando (22 gols), Zé de Melo (19 gols), Paulo César (12 gols), Jorge Veras (14 gols), Betinho (14 gols), Pipi (20 gols), entre outros. Ninguém fez mais gols que Acássio em clássicos estaduais vestindo a camisa coral, numa passagem que durou de 1993 a 1998, sendo 132 jogos e 74 gols marcados no total. Estamos falando simplesmente do maior craque do futebol cearense na década de 1990.

Imagem de divulgação do novo copo do Ferrão

Para fins de comparação, peguemos os dois maiores jogadores dos rivais, mais ou menos, no mesmo período: Sérgio Alves e Clodoaldo. Sérgio Alves foi cantado em prosa e verso como o “carrasco” do Fortaleza vestindo a camisa do Ceará. Ele marcou 30 gols em clássicos estaduais, sendo 22 contra o Leão e 8 contra o Ferrão. Já Clodoaldo, ídolo do Fortaleza, marcou 32 gols em clássicos, sendo 14 contra o Ferrão e 18 contra o Ceará. Dos 26 gols de Acássio em clássicos, 6 foram contra o Ceará e, simplesmente, 20 foram contra o Fortaleza. Acássio é igualmente carrasco do Fortaleza, segundo os números. Leve-se ainda em consideração que Acássio, entre os três, é o que tem menos jogos pelo seu clube, pois no período de cinco anos que esteve no Ferrão, sempre despertou o interesse de equipes de outros estados, acumulando saídas por empréstimo para o Sport de Recife, Vasco da Gama e até para o futebol da Tunísia. Sérgio Alves também teve destaque em outros times do futebol brasileiro onde foi ídolo, jogou na Europa e também no Ferrão, numa memorável equipe na temporada de 2006. Já o Fortaleza foi o único time brasileiro onde Clodoaldo obteve destaque, onde será tratado eternamente como ídolo. Vale lembrar que ele jogou no Ferrão no final da carreira.

Acássio dando entrevista no PV

Por fim, os números descobertos sobre a excelente performance do craque Acássio contra Ceará e Fortaleza o qualificam para a coleção ´Legendários` da primeira edição de copos colecionáveis do Ferrão na história. Todo mundo sabia que o meia atacante baiano teve uma passagem simplesmente genial, ele já até mereceu postagem aqui no blog, só não se sabia o peso dos números incontestáveis que o qualificam para estampar o terceiro número dos copos do Ferrão à venda, no próximo dia 10, contra o Treze/PB, em jogo válido pela Série C do campeonato brasileiro desse ano. Quer matar a saudade de Acássio e seus gols? Vale a pena reprisar o vídeo abaixo. É cada golaço que raramente se vê hoje no futebol brasileiro. Acássio foi craque e é legendário! Quem duvidar disso não entende nada de futebol.

FERRÃO PEGA O BOTAFOGO/PB E REEDITA JOGO DA SÉRIE A NACIONAL

Almir em foto de 1980 durante a Série A

Depois de treze anos, o Ferrão volta a disputar a Série C do campeonato brasileiro e reencontra logo na estreia um antigo adversário do tempo da Série A nacional. O próximo jogo coral, domingo que vem, em João Pessoa, será o décimo confronto contra o Botafogo da Paraíba na história. O primeiro ocorreu em 1955 em Fortaleza durante uma temporada de jogos do time paraibano na capital cearense. Já o último aconteceu há quase 33 anos atrás na capital da Paraíba. No meio do caminho, em 1980, as duas equipes jogaram em Fortaleza pela primeira divisão do campeonato brasileiro. Olhando em retrospectiva, foi sem dúvida o confronto mais emblemático entre ambos em todos os tempos. Na ocasião, no Presidente Vargas, houve o empate em 1×1 com tentos marcados pelo goleador Almir, para o Ferrão, e Dão para o time paraibano. Esse empate garantiu a classificação coral para a segunda fase da Série A nacional. Nas duas últimas vezes que se enfrentaram, em 1986, as duas equipes participavam do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição nordestina cujo nome homenageava o então presidente da Confederação Brasileira de Futebol. Abaixo, confira a lista de todos os confrontos entre Ferrão e Botafogo/PB na história.

Jogo 01: 15/11/1955 – Ferroviário 1×5 Botafogo/PB – Amistoso – Fortaleza
Jogo 02: 19/11/1955 – Ferroviário 5×1 Botafogo/PB – Amistoso – Fortaleza
Jogo 03: 21/08/1968 – Ferroviário 0x2 Botafogo/PB – Taça Laudo Natel – Fortaleza
Jogo 04: 02/10/1968 – Botafogo/PB 2×1 Ferroviário – Nordestão – João Pessoa
Jogo 05: 27/11/1968 – Ferroviário 0x0 Botafogo/PB – Nordestão – Fortaleza
Jogo 06: 15/02/1974 – Botafogo/PB 2×2 Ferroviário – Amistoso – João Pessoa
Jogo 07: 30/03/1980 – Ferroviário 1×1 Botafogo/PB – Brasileiro Série A – Fortaleza
Jogo 08: 08/11/1986 – Ferroviário 0x0 Botafogo/PB – O.P. Guimarães – Fortaleza
Jogo 09: 27/11/1986 – Botafogo/PB 3×0 Ferroviário – O.P. Guimarães – João Pessoa

MAIS UM ESTADUAL E O FERROVIÁRIO DE 1968 SEGUE O ÚLTIMO INVICTO

Expresso Coral sobre o título de 1968

Hoje, o Fortaleza fez 2×0 no Ceará no primeiro jogo da final do campeonato cearense de 2019. O alvinegro seguia invicto na competição e havia sério risco de finalmente vermos quebrada a hegemonia do Ferroviário campeão cearense de 1968, reconhecido há 51 anos no futebol alencarino como o ´último invicto`. Nesse quesito, as chances do Ceará nesse ano aumentaram ainda mais porque ele, e o Fortaleza, só entraram na disputa do Estadual após os jogos de oito clubes pelo primeiro turno, fruto de um calendário nacional mais desorganizado do que nunca e que acaba desnivelando o princípio da equidade entre as equipes que disputam a mesma competição, algo tão básico e extremamente necessário para a justiça nos resultados esportivos. Onze anos atrás, a então revista oficial do clube, a Expresso Coral, trazia em suas páginas uma ampla revisão sobre o último título invicto do futebol cearense. Pelo visto, a já rara edição da publicação continua mais atual do que nunca. Além disso, Ruy do Ceará e José Rego Filho, lendários dirigentes corais naquela memorável façanha, vão poder continuar tomando banho de piscina tranquilamente. Merecidamente.

Ruy e José Rego: a tranquilidade de quem só observa os adversários tentarem, tentarem, tentarem

MOMENTO DE CRISE QUE ORIGINOU A CONQUISTA DE UM TÍTULO ESTADUAL

Jornal O Povo destacava saída de Célio Pamplona da presidência do Ferroviário em 1979

O Jornal O Povo recordou na semana passada uma matéria de 1979 destacando uma crise interna no Ferroviário que culminou com a saída do presidente Célio Pamplona. O clube vinha de uma boa campanha na temporada anterior, quando quase chegou a vencer um turno, perdendo-o apenas numa memorável disputa de pênaltis com o Fortaleza. Ressalta-se ainda que 1978 é até hoje a temporada que registra a maior média de público nos 85 anos de história do Ferrão. A média foi de 3.974 pagantes por jogo. Por motivos diversos, o presidente Célio Pamplona não permaneceu para 1979 e José Rego Filho assumiu a presidência numa diretoria formada por Ruy do Ceará, Chateaubriand Arrais, entre outros. O resto da história todo mundo sabe. Em setembro daquele ano, o Ferroviário sagrou-se campeão estadual depois de nove anos.