O VÔO CORAL DO CARAVELLE QUE INICIOU HÁ 50 ANOS ATRÁS

Ferroviário em 1970 com Caravelle no gol – Em pé: Esteves, Hamilton Ayres, Aloísio Linhares, Gomes, Eldo e Coca Cola; Agachados: Simplício, Paulo Velozo, Amilton Melo, Edmar e Alísio

Ele foi um dos goleiros mais renomados da história do futebol cearense. Fez história no Ceará no início dos anos 1960 e depois foi jogar no futebol pernambucano. Quando o Ferroviário perdeu o titular Marcelino no terço final do campeonato cearense de 1970, o dirigente Célio Pamplona foi buscá-lo em Recife para substituir o goleiro carioca. Estamos falando de Aloísio Linhares, o famoso Caravelle, que há exatos cinquenta anos, estreava com a camisa coral. O apelido veio da verve do comentarista Paulino Rocha e foi herdado em razão de um famoso avião comercial francês, que chegava a atingir 800 km/hora. Os vôos sensacionais do arqueiro em sua meta serviram de inspiração para a alcunha nos gramados cearenses. No Ferrão, o experiente goleiro atuou em 22 jogos, entre compromissos pelo campeonato estadual, amistosos e Nordestão daquela temporada. Em seu primeiro jogo, o Tubarão da Barra venceu o ex-time de Aloísio por 3×1, gols de Amilton Melo, Alísio e Paulo Velozo. Naquele final de junho de 1970, o Ferrão formou com Aloísio Linhares, Louro, Hamilton Ayres, Gomes e Eldo; Coca Cola e Edmar; Zezinho, Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio (Wilson). O Ceará jogou com Ita, Daniel, Cícero, Laudenir e Carlindo (Antonino); Artur, Gojoba (Osmar) e Magela; Marco Aurélio, Gildo e Zezinho Fumaça. O goleador Gildo marcou o gol alvinegro. A partida teve o árbitro Aírton Vieira de Moraes, o Sansão, que foi uma atração especial na partida, visto que acabara de regressar da Copa do Mundo no México onde representou a arbitragem brasileira. Apesar de ter conquistado o título de campeão cearense no Ferrão, Aloísio Linhares não permaneceu no Ferroviário para a temporada de 1971 e acabou indo jogar no Fortaleza. O grande goleiro abandonou os gramados depois de contrair hepatite. Faleceu em 2008, aos 72 anos.

RARIDADE EM VÍDEO E FOTOGRAFIA NA RETOMADA DO ESTADUAL DE 1991

Pouca gente lembra, mas o 1º turno do campeonato cearense de 1991 foi disputado entre agosto e dezembro de 1990. Quando o ano novo começou, o calendário da CBF inverteu o campeonato brasileiro para o primeiro semestre e, somente em junho, o campeonato estadual foi retomado em seu 2º turno, Acima, resgatamos o vídeo que mostra os preparativos do Ferroviário para essa retomada. O time coral tinha alguns reforços, entre eles, o goleiro Banana, o lateral esquerdo Valdemir, o ponta Paulinho Piauí e o centroavante Frank, ex-seleção brasileira Sub-20 e que tinha defendido o Fortaleza entre 1987 e 1988. No vídeo recuperado, é possível ver as entrevistas com o treinador Djalma Linhares e também com os jogadores Valdecy, Evilásio, Valdemir e o próprio Frank, que marcou o gol contra o Ceará, no reinício da competição em junho. Uma semana antes, o Ferrão fez uma excursão pelo interior do estado, passando por Juazeiro do Norte e Brejo Santo, de onde foi tirada a fotografia abaixo, com a formação base daquele período, exatamente o mesmo time que entrou em campo contra o Ceará. O campeonato teve quatro turnos no total e o Ferrão terminou em terceiro lugar.

Ferroviário em 1991 atuando em Brejo Santo – Em pé: Jaime, Toninho Barrote, Valdecy, Valdemir, Guará e Evilásio; Agachados: Paulinho Piauí, Júnior Piripiri, Frank, Basílio e Cantareli

O ESCUDO DE 1940 QUE DESPERTA CURIOSIDADES, DÚVIDAS E PAIXÕES

Uniforme e escudo diferentes do Ferroviário Atlético Clube no campeonato cearense de 1940

Essa foto circulou as redes sociais nos últimos dias por conta da notícia de que o Ferroviário registrou oficialmente sua marca, além do atual escudo e também esse antigo brasão. Apesar de algumas publicações trazerem no passado essa mesma imagem se referindo ao elenco de 1941, o registro se trata verdadeiramente dos jogadores que defenderam o Ferroviário no campeonato cearense de 1940. Portanto, foi no Estadual daquele ano que o clube utilizou o escudo com uma roda de ferro e barras de trilho, simbolizando uma asa. Referido escudo foi utilizado de forma semelhante por outros times de origem ferroviária naquela década, não representando nenhum tipo de criação exclusiva do Ferroviário para aquela temporada. Ele é, inclusive, muito parecido com o símbolo interno presente no escudo do Moto Clube/MA, fundado três anos antes. A imagem da camisa com esse símbolo é nítida e, entre os jogadores, é fácil perceber o craque Zuza, ex-Great Western/PE, que ficou no Ferroviário até o encerramento do campeonato cearense de 1940, que se deu somente no início de 1941. Especificamente em 1941, ele disputou o certame local pelo Ceará. O artilheiro Jombrega é outro que não ficou no time coral para o Estadual daquele ano. Aliás, 1941 é exatamente o ano em que Valdemar Caracas mandou buscar os uniformes do São Paulo/SP diretamente da capital paulista e inaugurou a identidade visual que o Ferroviário mantém até hoje nas cores, no escudo e também muitas vezes no uniforme ao longo dos anos. Essa referência completará 80 anos em 2021 e desperta até hoje curiosidades, dúvidas e paixões. Há quem defenda radicalizar e criar um estilo próprio. Tem que ter muita coragem pra romper com a tradição de oito décadas de uma homenagem proposital promovida pelo principal fundador do clube.

REGISTRO DA PRIMEIRA FORMAÇÃO QUE SE DESTACOU NA SÉRIE C DE 2006

Ferroviário em 2006 – Em pé: Jéfferson, Nemézio, Tales, Tiago Gasparetto, Marcelo Mendes e Marcelo Sá. Agachados: Marcos Pimentel, Glaydstone, Ernandes, Fernandinho e Cristiano

Esse é o Ferrão de 2006 no retrato! Naquela temporada, o time coral quase conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro. Foi por um triz. Depois de um período de três meses de inatividade, acontecida entre o fim do campeonato cearense e o início da Série C nacional, o Ferroviário voltava aos gramados com essa formação no primeiro amistoso preparatório para a nova competição. Era a estreia de nomes como o zagueiro Tiago Gasparetto, do famoso atacante Fernandinho e dos meias Tales e Marcelo Sá. A base dessa equipe seguiu firme no campeonato nacional e por muito pouco não subiu de divisão. O registro fotográfico foi feito antes de um amistoso contra o Ceará no estádio Presidente Vargas. O alvinegro venceu por 2×1 com gols de Luís Fernando e Léo Gago. Tales marcou para o Ferrão. A maioria desses atletas já pendurou as chuteiras. O eficiente volante Marcelo Mendes trabalha atualmente no Sampaio Corrêa. Tiago Gasparetto é instrutor de escolinhas no interior de São Paulo e o goleiro Jéfferson trabalha com esportes na prefeitura de Fortaleza. Grande time!

GOLS DE UMA GRANDE VITÓRIA DO FERROVIÁRIO EM CIMA DO CEARÁ

Artilheiro Paulo César marca o primeiro gol do jogo contra o Ceará aos 7 minutos do 1º tempo

A imagem acima é mais um gol de Paulo César no campeonato cearense de 1979. Foi marcado na goleada de 4×2 em cima do Ceará, no dia 10 de junho daquele ano. Os 19.414 pagantes testemunharam, no Castelão, uma atuação de gala do Ferrão contra o time que era o tetracampeão estadual. O treinador Urubatão Calvo Nunes promovia a estreia oficial do goleiro Cícero Capacete, do lateral Jorge Luís e do atacante Raulino, que marcou logo dois gols em seu primeiro jogo. O baixinho Babá anotou o outro tento coral no jogo. Coube a Aloísio Guerreiro e Geraldino Saravá marcarem para o alvinegro, que era treinado por Moésio Gomes. Repare na bela escalação coral naquele domingo: Cícero, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Jeová, Jacinto (Dedé) e Nilsinho (Terto); Raulino, Paulo César e Babá. O Ceará perdeu com Sérgio Gomes, Tércio, Pedro Basílio, Artur e Bezerra; Serginho e Erasmo (Jangada); Ivanir, Aloísio Guerreiro, Geraldino e Tiquinho. Aquele 4×2 deu muita moral ao Ferrão, que conquistou o 2º turno duas semanas depois. Raulino, estreante e autor de dois gols no jogo, foi também peça fundamental no título estadual daquele ano. Mês passado, completou dez anos de sua morte, na cidade de Manaus, em decorrência de problemas cardíacos. Com a narração de Gomes Farias, além da participação do ex-árbitro Gilberto Ferreira e dos setoristas Luiz Antônio e Itamar Monteiro, você confere abaixo o resgate histórico em sete minutos de áudio com os seis gols daquela memorável partida transmitida pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

O DIA QUE O FERROVIÁRIO BATEU O CEARÁ COM 2 GOLS DE ARNALDO

Arnaldo

O meio campista Arnaldo foi um jogador muito importante na história do Ferroviário. A maioria das pessoas lembra do ex-atleta, cria do Santo André/SP, pelo inesquecível título estadual de 1988 ou até mesmo pelo seu retorno na temporada de 1991, porém o que pouca gente recorda é que ele já havia vestido a camisa coral em 1985, quando o presidente Caetano Bayma montou um grande time. Abaixo, recuperamos o áudio da narração de uma vitória do Tubarão da Barra naquele ano, em cima do Ceará por 2×0, com dois gols do baixinho Arnaldo. A narração é de Gomes Farias e o setorista no gramado foi Bosco Farias pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Naquele domingo, o Ferrão formou com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nélson, Denô e Arnaldo; Cardosinho (Doca), Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). O técnico era o carioca Zé Mário. O alvinegro, do treinador Caiçara, formou com Sérgio Neri, Everaldo, Djalma, Argeu e Bezerra; Caçapava, Lira e Assis Paraíba (Amauri); Josué, Wolney e Lupercínio. Joaquim Gregório foi o árbitro da partida. Vale a pena escutar a raridade abaixo.

DEFESA MILAGROSA DE CLEMER E GOL DE PÊNALTI NO ÚLTIMO MINUTO

O vídeo acima é um primor. Mostra o apronto coral para enfrentar o Ceará no campeonato cearense de 1993 sob o comando de Lula Pereira e, depois, os melhores momentos da vitória do Ferrão por 1×0, gol de Basílio, cobrando pênalti no último minuto da partida. Nunca é demais lembrar que, meses antes, o adversário bateu o time coral por 9×1 e o Tubarão da Barra teve que ser totalmente reconstruído dentro da competição com a chegada de Clóvis Dias como novo presidente. Destaque para uma defesa milagrosa do goleiro Clemer após arremate forte de Sérgio Alves, lance em que a torcida do Ceará gritou gol na hora do chute e foi obrigada a ver a bola nas mãos do arqueiro coral. Depois, o craque Acássio fez boa jogada pelo lado direito e sofreu o pênalti marcado pelo árbitro Dacildo Mourão. Basílio, ex-jogador do próprio Ceará, cobrou e fez o gol da vitória coral. Naquele domingo, o Ferrão jogou com Clemer, Itamar, Róbson, Batista e Branco; Reginaldo Souza (Paulo Adriano), Ronaldo Salviano, Acássio e Basílio; Batistinha e Márcio (Lima). O alvinegro, do falecido técnico Mário Juliato, perdeu com Ferreira, Jaime, Vitor Hugo, Biluca e Júnior Guimarães; Aírton (Júnior Piripiri), Mastrillo e Osmar; Ney (Mirandinha), Ronaldo e Sérgio Alves. A vitória foi ainda mais valorizada porque o Ferroviário estava com apenas dez jogadores após a expulsão do lateral Branco. Sete dos jogadores em campo nesse jogo estiveram no elenco histórico do bicampeonato estadual 1994/1995: Batista, Branco, Paulo Adriano, Acássio, Basílio, Lima e Batistinha. O goleiro Clemer foi o que alçou vôos mais altos, defendendo Remo/PA, Goiás/GO, Portuguesa/SP, Flamengo/RJ e Internacional/RS na sequência de sua vitoriosa carreira. As imagens são da TV Verdes Mares com reportagem de Victor Hannover e narração de Ivan Bezerra.

O FERRÃO BAILARINO QUE PERDEU UM TÍTULO EM TRÊS MINUTOS

Ferroviário na final do Estadual de 1963 – Em pé: Nélson, Ribamar, Pedrinho, Zezinho, Gavillan e Clóvis. Agachados: Macrino, Wellington, Milton Bailarino, Oliveira Bodega e Edílson Araújo

A foto acima com PV lotado foi tirado no dia 1º de dezembro de 1963. Foi na final do campeonato cearense daquele ano contra o Ceará. O Ferroviário tinha o craque Milton Bailarino e o veloz Macrino, contratados junto ao Santa Cruz/PE, além de uma série de outros bons jogadores. O goleiro Ribamar, por exemplo, chegara com grande destaque oriundo do ABC de Natal. Edílson Araújo era bom de bola e vinha a ser o irmão mais velho de Edmar, campeão invicto pelo Ferrão cinco anos depois. Esse time fez uma bela campanha no Estadual daquele ano e chegou à finalíssima contra o Ceará, que ainda não tinha perdido nenhum jogo na competição. O time coral vencia por 2×1 até os 42 minutos do segundo tempo, gols de Edílson Araújo e Milton Bailarino. A torcida erreveceana estava na expectativa do título depois de 11 anos, quando em três minutos, o Ceará fez dois gols e virou o jogo em cima do time comandado pelo técnico Dengoso. Registro histórico de um grande time que acabou não sendo campeão.

GOLEADA EM CIMA DO CEARÁ COM UM JOGADOR A MENOS EM CAMPO

Zagueiro Menezes e Misael

Hoje é dia de recordar uma grande vitória do Ferrão contra o Ceará pelo campeonato cearense de 2009. Foi no dia 15 de março daquele ano no Castelão. Belíssima goleada como pode ser percebido pela foto ao lado do zagueiro Menezes acalentando o atacante Misael. O centroavante Wescley marcou 2 gols na partida. Ernandes e Guto completaram o placar a favor do Tubarão da Barra. Michel descontou para o alvinegro. O time coral ainda se deu ao luxo de ter Léo Jaime e Jardel no banco de reservas, justamente eles que tinham marcado os dois gols na vitória no jogo anterior contra o Quixadá numa noite histórica que marcou o retorno do ex-artilheiro da Europa ao futebol cearense. Treinado por Arnaldo Lira, o Ferrão venceu com Jéfferson, Rodrigo, Paulo Paraíba, Menezes e Cleiton Cearense (Guto); Válter, Róbson Simplício (Dino), Diego (Wilson) e Ernandes; João Neto e Wescley. O alvinegro jogou com Adilson, Boiadeiro, Márcio Martins, Erivélton e Fábio Fidélis (Cadu); Michel, Heleno (Luís Maranhão), Alex Gaibú e Geraldo (Misael); Sérgio Alves e Edu Sales. O técnico era justamente Zé Teodoro, que treinou o Ferroviário na atual temporada. O árbitro do jogo foi Marco Antônio Sampaio e um público de 8.615 pessoas estiveram no estádio. Aos 8 minutos do primeiro tempo, quando o jogo ainda estava 0x0, o Ceará perdeu uma penalidade máxima. Aos 8 minutos finais, Paulo Paraíba foi expulso e o Ferroviário construiu a goleada mesmo com um jogador a menos em campo. Vitória histórica pra ser sempre recordada no vídeo abaixo com imagens da TV Diário e narração de Kaio Cezar.

UM CLÁSSICO MEMORÁVEL CONTRA O CEARÁ NO CAMPEONATO DE 1980

O vídeo acima é uma autêntica raridade. São os gols, sem áudio, da vitória do Ferroviário contra o Ceará por 3×2 no campeonato cearense de 1980. O time coral abriu o marcador com o experiente ponta esquerda Marco Antônio, sofreu o empate com Gilson, passou novamente à frente no marcador com um gol contra da zaga alvinegra e, depois, o lateral direito João Carlos empatou para o Ceará. Tudo isso no primeiro tempo. Quando o jogo parecia que ia ficar no 2×2, o craque Jacinto, em grande fase, estufou as redes amarelas do Castelão e desempatou para o Ferrão na etapa final numa vitória muito comemorada naquele domingo, dia 26 de outubro. Treinado pelo experiente Lanzoninho, o Ferrão venceu com Salvino, Ramirez, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Jorge Henrique; Zé Maria (Jeová), Jacinto e Bibi; Osni (Sousa), Paulo César e Marco Antônio. O Ceará, do treinador Caiçara, perdeu com Dalmir, João Carlos, Pedro Basílio, Antônio Carlos e Bezerra; Nicássio (Nei), Ademir e Sidney; Getúlio, Gilson e Jorge Luís Cocota. A partida válida pela 1ª volta do 3º turno foi apitada por Joaquim Gregório e teve 4.843 pagantes. Até o final do ano, as duas equipes se enfrentaram outras vezes, sempre com grande emoção. Em novembro, o Ferrão derrotou novamente o alvinegro na partida que ficou conhecida como o ´jogo do terremoto` e, em dezembro, após um empate no tempo normal, o Ceará bateu o Ferrão com um gol na prorrogação e sagrou-se campeão. O Tubarão da Barra foi o vice.