RECORDE UM AMISTOSO HISTÓRICO CONTRA O SANTA CRUZ DE RECIFE

Luizinho marcou um gol no amistoso

Já que Ferroviário e Santa Cruz/PE se enfrentam nesse domingo, vamos brincar com a curiosidade e recordar um amistoso histórico entre as duas equipes, realizado no dia 27 de maio de 1972. Com a fama de tetracampeão pernambucano, o Santa Cruz viajou até Fortaleza para enfrentar o Tubarão da Barra. Perdeu a peleja por 3×2, no PV, com Amilton Melo, Zé Maria Paiva e Luizinho, o Peito de Aço, marcando para o Ferrão. Betinho e Luciano marcaram para a cobra coral de Recife. O potiguar Nacor Arouche apitou o jogo. Repare na sólida escala cearense do treinador Alexandre Nepomuceno: Jurandir, Daniel, Valdez, Gomes e Carlos Alberto; Simplício e Luciano Amorim; Luizinho, Amilton Melo, Jorge Mendes (Oliveira) e Zé Maria Paiva. O Santa Cruz perdeu com uma formação de grandes e famosos jogadores nordestinos: Detinho, Zinho, Sapatão, Rivaldo e Cabral; Erb e Luciano; Betinho, Bita (Zito), Ramon e Zé Maria (Beto). Dessa formação, o meia Luciano era irmão do nosso ex-goleador Paulo Velozo, conhecido à época como a maravilha negra da Barra do Ceará. Luciano chegou a ser campeão paulista pelo Corinthians cinco anos depois. Betinho e Ramon brilharam com a camisa do Ferrão na década seguinte. Os dois também atuaram na função de treinador posteriormente. Luizinho veio do Sport de Belém do Pará. Zé Maria Paiva também foi preparador físico e técnico do Ferrão em várias oportunidades nos anos 1980 e 1990. Nomes históricos do Tubarão da Barra!

VITÓRIA CORAL NA ESTREIA DE DÓIA, CARLOS ROBERTO E ROBINSON

Que o Ferrão foi campeão cearense em 1988, todo mundo sabe. Mas você recorda do jogo acima? Resgatamos o vídeo dele pra você. Foi uma vitória magra, exatamente num 26 de junho como hoje, quando o time coral estreou no 3º turno do Estadual, apenas uma semana depois de perder a decisão do turno anterior para o Tiradentes/CE. De ressaca com a derrota oito dias antes, o Tubarão da Barra voltou a campo com três caras novas, o goleiro Robinson, o experiente meia Carlos Roberto e o atacante Dóia, vindos do Novo Horizontino/SP, Santa Cruz/PE e CSA/AL, respectivamente. Coube justamente a Carlos Roberto marcar o gol da vitória. O técnico interino Zé Maria Paiva, utilizou a seguinte formação: Robinson, Laércio, Arimatéia, Juarez e Marcelo Veiga; Alves, Carlos Roberto (Edson) e Carlos Antônio; Mazinho Loyola, Guina e Beto Andrade (Dóia). Já o treinador Zé Preguinho lançou o América com Dênis ,César (Junior), Nonato Ayres, Martônio e Leonardo; Totonho, Marquinhos e Larry; Humberto, Robério e Zezé. Do time adversário, o goleiro Dênis e o atacante Robério viriam a fazer parte do grupo bicampeão cearense em 1994 e 1995. Hilton Alcântara foi o árbitro do jogo perante 1.501 pagantes. Dos estreantes, o goleiro Robinson teve participação decisiva na conquista do título cearense ao final da competição, sendo eleito, em 2013, o maior goleiro da história do Ferroviário.

O TELE-FERRÃO NA FOTO TIRADA NA REINAUGURAÇÃO DO JUNCO

Anderson e Poté no Junco em Sobral

Repare nessa escalação: Miguel, Miro, Carlos Antônio (Poté), Tico e Júnior; Assis, Luciano, Paulo Rubens (Márcio Valério) e Guedinho; Luiz Carlos e Daniel (Zé Roberto). Esse foi o time do Ferroviário, em 11 de setembro de 1999, que enfrentou o Ceará num amistoso que marcou a reinauguração do Estádio do Junco em Sobral. Comandado por Zé Maria Paiva, o time coral perdeu por 2×0, no que seria o prenúncio de uma péssima campanha na temporada seguinte, uma das mais vexatórias de toda a história coral. Repare na camisa do ex-zagueiro Poté. Na foto, ela mostra a gloriosa camisa do Ferroviário estampando dois números de telefones. Era o Tele-Ferrão, uma campanha em parceria com a Teleceará, antiga companhia telefônica do estado, que disponibilizava números para o torcedor colaborar com doações voluntárias a partir de módicos 3 Reais por cada ligação. O zagueiro Poté, que teve uma passagem meteórica pela Barra do Ceará, guardou esta relíquia em seu acervo pessoal. Ele aparece ao lado do meia Anderson, cria da base alvinegra, que depois vestiu a camisa do Ferrão entre as temporadas de 2003 e 2004. Você ligou pro Tele-Ferrão?

A ÚLTIMA VEZ QUE FERROVIÁRIO E MAGUARI LOTARAM O ESTÁDIO

fac x maguari

Ferroviário x Maguari: clássico nos anos 70

Hoje é o Dia do Trabalho e o Almanaque do Ferrão faz uma viagem no tempo até o dia 1º de maio de 1972. Há 44 anos, no PV, Ferroviário e Maguari, tradicionais adversários no futebol cearense, levaram pela última vez na história um grande público ao estádio. A disputa pela Taça 1º de Maio foi uma promoção gratuita para o trabalhador e 35.000 pessoas prestigiaram a vitória coral por 2×0 naquele feriado, gols de Zé Maria Paiva e Simplício. Nas cadeiras do estádio, a presença do Governador César Cals e do Prefeito Vicente Fialho. Foi o jogo 1.298 da trajetória coral, que teve Aldo Batista como árbitro. Treinado por Lucídio Pontes, o Ferrão atuou com Jurandir (Marcelino), Daniel, Hamilton Ayres, Gomes (Assis) e Vila Nova; Coca Cola e Zé Maria Paiva (Lucélio); Ilídio, Simplício (Luciano Amorim), Luizinho (Edilson Lopes) e Oliveira. O Maguari perdeu com Holanda, Wellington, Ivan Limeira, Gilson e Alexandre; Iris (Nilsinho) e Rubens Salim (Didi); Tony (Nei), Lucinho, Carlinhos (Chicletes) e Lalá (Miruca). Será que um dia voltaremos a ter esse antigo clássico revivido na primeira divisão? Atualmente, o Maguary encontra-se na terceira divisão cearense e o Ferroviário segue com boas chances de retornar à primeira divisão em 2017. Façam suas apostas.

VÍDEO RARO DA MELHOR DE TRÊS DOS CAMPEÕES JUNIORES DE 1987

10398026_933483606662287_3997069196047396075_n

Juventude coral levanta o troféu de campeão cearense de juniores no Presidente Vargas

O Almanaque do Ferrão revirou o seu baú de vídeos e resgatou os detalhes da decisão do campeonato cearense de juniores de 1987, quando o Ferroviário enfrentou o Tiradentes numa ´melhor de três` e ficou com o título da competição com uma geração de bons jogadores, cujo expoente maior era um garoto franzino que viria a vestir a camisa de grandes clubes do futebol brasileiro na década de 90. Autor do gol do título na terceira partida decisiva contra o Tigre, o atacante Mazinho Loyola era o grande nome de um grupo que tinha jogadores como Júnior Lemos, Nílton, Eudes, Osmar e Lane, todos utilizados algumas vezes pela equipe profissional nas temporadas seguintes.

facjuvenil1987torneioinicio3333

Alegria nos juniores começou no Torneio Início

Na verdade, o sucesso dos juniores em 1987 começou ainda no mês de fevereiro, no dia 22, quando o time coral conquistou o Torneio Início da categoria em jogos de portões abertos disputados no Estádio Carlos de Alencar Pinto. Depois de passar por Palmeiras (1×0), Fortaleza (3×0) e Tiradentes (4×0), o Ferroviário enfrentou o Santa Cruz na final e venceu por 3×0, na disputa de pênaltis, com Sérgio, Roberto Santos e Mazinho Loyola convertendo suas cobranças. Porém, a alegria maior para aquela geração viria 7 meses depois, em setembro, quando o time comandado por José Maria Paiva, ex-jogador do próprio Ferroviário na década de 70, conquistou o direito de disputar o título máximo contra o Tiradentes numa série de 3 partidas que despertou o interesse dos desportistas.

mazinhocampeao

Mazinho Loyola: gol do título

No primeiro jogo das finais, no PV, Ferrão e Tiradentes empataram em 1×1. O Tigre saiu na frente e o ponta esquerda Joãozinho empatou para o time coral. Na segunda partida, uma semana depois, vitória coral por 3×0, com gols de Sérgio, Lane e Joãozinho, em jogo disputado no Elzir Cabral. No dia 27/9/87, no PV, na preliminar de Ceará x Rio Branco/ES pelo campeonato brasileiro, as duas equipes se enfrentaram na última partida decisiva. O Tubarão da Barra jogava pelo empate. O Tigre pressionou e parou nas boas defesas de Júnior Lemos. Aos 32 minutos do segundo tempo, a bola sobrou para Mazinho Loyola, que contou com a estrela que o acompanharia durante toda a carreira, e ele só empurrou para marcar o gol do título do Ferroviário, campeão cearense de juniores naquele domingo ensolarado.

O árbitro da finalíssima foi Gilson Albuquerque e o Ferrão venceu com Júnior Lemos, Roberto Santos, Ivonildo, Eudes e Nílton; Kico (Cícero Júnior), Osmar e Lane; Mazinho Loyola, Sérgio e Joãozinho (Jair). Além destes que jogaram o último jogo, o goleiro Edílson, os zagueiros Roberto Pereira e Célio Ricardo, o atacante Delei, entre outros, participaram daquela brilhante campanha. Treinado por José Cândido, o Tiradentes foi derrotado com Ari, Wellington, Aldemir, Júnior e Herbínio (Andrade); Simão, Carlos (Rodrigues) e Gildo; Branquinho, Marquinhos e Helton. Confira no vídeo abaixo uma raríssima compilação da ´melhor de três´ entre Ferroviário e Tiradentes em 1987. Vale a pena rever em ação jogadores que estavam apenas começando a carreira no Ferrão e que certamente nunca esqueceram aquela memorável conquista dos juniores corais.