QUE VENHAM A COPA DO NORDESTE, A COPA DO BRASIL E O BRASILEIRO

Garantia de competições importantes em 2018

Aparentemente a temporada de 2017 acabou em pleno mês de maio para o Ferroviário. Exatamente como no ano passado. E como em vários outros anos também. A participação coral na Taça Fares Lopes desse ano é incerta e até desnecessária sob a ótica da busca por resultados esportivos que valham realmente a pena. A diferença é que antes o torcedor olhava pro futuro e não via perspectivas de um calendário diferente no ano seguinte. Agora, sabemos que além do campeonato cearense da 1ª divisão, em 2018, teremos Copa do Brasil, Série D do campeonato brasileiro e até a Copa do Nordeste, que o Ferrão não disputa desde 1999. É bom não esquecer que o Ferrão foi um dos articulares para o surgimento desta competição nos anos 90. Depois, em meio à perda de prestígio político e enfraquecimento esportivo ano após ano, nunca mais dela participou, nem quando eram distribuídos convites para as principais equipes da região.

Jogadores atuaram de forma heroica em 2017

O que mudou? É importante saber exatamente como tudo isso foi conquistado, principalmente quando não se pode afirmar que tudo isso foi fruto de um planejamento construído em bases sólidas. Não foi. Sabe-se que o Ferroviário sequer sabia que disputaria a 1ª divisão cearense em 2017. Cerca de 3 semanas antes do início dos jogos, entre os feriados do fim de ano, surgiu a boa nova e começou a correria para colocar um time em campo. A exiguidade de tempo nos deu um time que mais empatava do que ganhava, que marcava poucos gols, que a articulação ofensiva do meio campo era quase inexistente em vários jogos, etc. Tudo compreensível. Certamente foi a garra e a disposição dos jogadores dentro de campo, unidos de forma familiar até fora dele, além de uma arregimentação heroica de dirigentes e conselheiros que também fizeram a diferença. Nada como a união nos bastidores corais. Sabemos muito bem o que pode acontecer de catastrófico quando ela não existe. O fato é que o Ferroviário agora pode ter um futuro promissor se souber realmente conceber o tão sonhado planejamento construído em bases sólidas, desde a formatação do elenco, da manutenção dos principais jogadores da atual temporada, do uso correto e honesto dos recursos financeiros garantidos para o ano que vem, entre várias outras coisas. O futuro a Deus pertence. Mas como dizia o antigo slogan do primeiro projeto Sócio Torcedor do Ferrão há quase dez anos, o futuro não é mais como costumava ser. Agora parece que sim.

EM SUA SEGUNDA PASSAGEM NO FERRÃO, MIMI MARCA NA HISTÓRIA

Veja o vídeo acima. Ele foi extraído da cobertura do Esporte Interativo para mais um Clássico das Cores emocionante em 2017. O Ferrão perdia ontem por 1×0 e arrancou o empate com um gol de Mimi aos 48 minutos do 2º tempo. O herói do jogo se emociona na entrevista após a partida. Essa é a segunda passagem de Mimi pelo Ferrão. A primeira foi na Taça Fares Lopes de 2011. De volta ao clube, seis anos depois, o atleta vem fazendo um grande campeonato, tendo crescido de rendimento exatamente nos momentos decisivos. No clássico passado, já havia sido um dos melhores em campo. Ontem, de novo. A emoção de Mimi é o símbolo de um time que não se entrega e vai em busca de uma final de campeonato para o Ferrão quase 20 anos depois. Confira abaixo os melhores momentos do jogo de ontem. Veja o gol de Mimi aos 48 minutos finais quando ninguém mais acreditava. Veja também o pênalti escandaloso em cima de Mota que não foi marcado pela arbitragem. Será que dá pra confiar na arbitragem local nessa reta final?

FERRÃO DESBANCA O LEÃO E QUEBRA JEJUM DE 6 ANOS NO ESTADUAL

A vitória do Ferrão ontem em cima do Fortaleza foi simplesmente grandiosa. Teve olé, alta performance de todos os jogadores e muito empenho. Teve gol histórico – e que golaço – da cria da casa Mota, aos 36 anos de idade, o primeiro dele com a camisa do time que o lançou no futebol. “Mota: com ele não tem marmota“, gritava Anastácio de Castro, narrador da Rádio Cidade AM 860 de Fortaleza. Os melhores momentos no vídeo acima, extraídos da excelente cobertura do Esporte Interativo, mostra bem toda a emoção da vitória do Ferrão. Não vencíamos o Fortaleza em jogos pelo campeonato cearense desde 2011. A vitória merece ainda mais destaque se levarmos em consideração que foi apenas a quarta vitória coral em cima do Leão nos últimos 10 anos. Sem dúvida, um retrospecto que incomoda se puxarmos pela memória os massacres corais tão comuns nos anos 90. Tudo bem que houve uma vitória coral na Taça Fares Lopes de 2015, mas torcedor gosta mesmo é quando o jogo vale pelo campeonato cearense. É mais gostoso e em se tratando de jogo decisivo, melhor ainda, pois agora vale pela semifinal do Estadual.

Gigante atacante Mota marca contra o Fortaleza no Castelão: com ele não tem marmota

Aquele último triunfo em 2011 agora ficou definitivamente no passado. O gol da vitória do Juranílson não tem mais o peso que tinha. Agora, é de se lembrar os tentos de Tony Belém e do grande Mota. Mauro, Gustavo, Tony Belém, Erandir e Jeanderson; Jonathas, Glauber (Moisés Lucas), Mimi e Mota; Assisinho (Valdeci) e Vitinho (Maxuell) foi a nossa escalação nesse memorável jogo de número 3.575 da história coral. Aquele outro, o de número 3.354, de 20 de março de 2011, também teve seus artífices na formação que alinhou com Ari, Arlindo Maracanã, Lúcio, Rafael e Teles; Marcelo Mendes, Glaydstone, Reginaldo (Vinícius) e Piva; Juranílson (Ediglê) e Rômulo (Fábio Lima). Naquele domingo distante, o goleiro Ari defendeu até pênalti, mas Arlindo Maracanã também perdeu o seu. O de ontem, Mauro salvou com os pés na hora mais complicada. São detalhes dos nossos dois últimos Clássicos das Cores mais felizes. Sempre lembrando que tem outro no domingo que vem e a final do campeonato é algo plenamente possível para nós. Enquanto ela não chega, dá uma olhada abaixo só por curiosidade no jogo de 2011. E viva o Ferrão de hoje! Vamos em frente!

VITÓRIA EM SOBRAL PELO ESTADUAL NÃO ACONTECIA DESDE 1997

img-20170119-wa0002

Jogadores do Ferroviário ontem no vestiário do Junco depois da vitória contra o Guarany-S

Estamos diante de mais um fato histórico na vida do Ferrão! Jogando ontem à noite pela segunda rodada do campeonato cearense, o Tubarão da Barra derrotou o Guarany de Sobral em seus próprios domínios por 2×1. A última vez que o time coral havia batido seu tradicional adversário no Estádio do Junco, pelo Estadual, foi no dia 30 de março de 1997. É verdade que houve uma vitória pelo campeonato brasileiro, em 2001, e outra pela Taça Fares Lopes, em 2014, dentro de Sobral, mas há duas décadas isso não acontecia em jogos válidos pelo campeonato cearense. É de se comemorar! À exemplo do triunfo de vinte anos atrás por 2×0, o de ontem também valeu a liderança da competição. Pra recordar, confira a escalação do último time do Ferroviário a vencer em Sobral pelo Estadual: Jorge Luiz, Biriba, Júnior Umirim, Amarildo e Marcelo; Dino, Anderson e Marquinhos; Zé Roberto (Buiú), Demétrius (Paulo Adriano) e Artur. Quer outro detalhe que merece destaque? Há relatos que parte da torcida coral deixou a cidade debaixo de pedras. Alguma semelhança com o fato, já relatado no blog, acontecido no campeonato cearense de 1988? Parece que algumas coisas nunca mudam. Em tempo: o zagueiro Amarildo e o atacante Zé Roberto marcaram em 1997. Ontem, Maxuell fez dois gols.

FERRÃO NA INAUGURAÇÃO DO ESTÁDIO MURILÃO EM MESSEJANA

Estádio Murilão, em Messejana, um dos bairros de maior densidade demográfica em Fortaleza

Messejana é hoje um dos bairros mais populares de Fortaleza. Nem sempre foi assim, é verdade, mas em 1967, exatamente num 8 de julho como hoje, o Ferroviário aumentou o número de pessoas naquela área urbana, levando um bom número de torcedores para a inauguração do conhecido estádio do bairro, denominado de Murilão, na partida contra a equipe profissional do Messejana. Coube ao atacante João Carlos marcar o primeiro gol na nova praça esportiva, com a vitória final sendo coral pelo placar de 1×0. Repare na escalação do Ferrão do treinador Ivonísio Mosca de Carvalho: Miltão (Edilson José), Veto (Sátiro), Vadinho, Gomes (Gavillan) e Roberto Barra-Limpa (Barbosa); Coca Cola e Edmar; Ivanildo (Edilson), João Carlos (Dunga), Paraíba e Géo (Peu). O Messejana alinhou com Romualdo, Figueiredo, Caboré (Zé Preguinho), Wilkson e Ricardo; Chico José e Chiquinho (Valdomiro); Leonel (Alírio), Bava (Ribeiro), César (Dedé) e Mimi (Enílson). Raimundo Damasceno foi o árbitro, naquele que representou o jogo de número 1.025 na história coral. Destaque para a presença ilustre de José Walter Cavalcante, prefeito de Fortaleza e presidente de honra do Ferroviário Atlético Clube, na inauguração. A última vez que o Ferrão se apresentou no Murilão foi em 2013, amistoso contra o Maguary, preparatório para a Taça Fares Lopes daquele ano.

SEGUNDA DIVISÃO VAI SER RESOLVIDA NAS BARRAS DA JUSTIÇA

Os resultados do Ferroviário foram dentro de campo, mas a justiça deve chegar só nos tribunais

Tinha tudo pra ser uma volta à primeira divisão em grande estilo. Foram 43 pontos conquistados dentro de campo, ataque mais positivo, melhor média de público, artilheiro da competição, melhor saldo de gols e uma série de pontos positivos. Porém, em meio a uma sequência suspeita de WO´s verificados na reta final da segunda divisão, o Alto Santo saiu da quarta colocação e terminou a fase classificatória em segundo lugar, com um ponto a mais que o time coral. O Ferrão, com sua grande campanha, ficou em terceiro. O Horizonte, primeiro colocado, terminou com 3 pontos a mais que o Tubarão da Barra, exatamente a diferença de pontos conquistada também em razão de uma partida que terminou em WO, ainda no início da competição. Em meio a tantos jogos decididos fora de campo, o Ferroviário busca na justiça o seu retorno à elite cearense. Além disso, o Alto Santo colocou um jogador irregular em seu último jogo da competição, mais uma briga que vai parar nas barras judiciais. As chances corais são excelentes, porém é preciso ficar ligado nos bastidores tradicionalmente imundos do futebol cearense.

Valdeci: destaque do campeonato

Foi um campeonato duro para o Ferroviário, que se acostumou a viver em grave crise financeira como a imensa maioria dos times brasileiros. Nomes como o experiente zagueiro Erandir, o jovem defensor Túlio, o bom volante Jonathas, os meias Diego Silva e Da Silva, além dos atacantes Roney e Valdeci, fizeram uma ótima competição. Sem dúvida, o campeonato deu principalmente ao jovem Valdeci a condição de pensar em melhoras na sua carreira. A toda hora surgem notícias do interesse de outros clubes no jogador, que em julho de 2013 fez sua primeira partida pelo time profissional lançado pelo então treinador Julinho Camargo, num amistoso contra o Sindicato dos Atletas, no Elzir Cabral. O futuro do clube é incerto como o de Valdeci. Pela primeira vez, desde 2010, quando foi criada a Taça Fares Lopes como competição para o segundo semestre, o Ferroviário não participará alegando dificuldades financeiras. O fato do clube não ter pelo menos uma equipe Sub-20 para a disputa chega a ser preocupante. O foco estará nas barras da justiça e nas eleições que podem ser antecipadas. E o pensamento a todo momento na primeira divisão em 2017.

FERROVIÁRIO ENCERRA O ANO COM 3.534 PARTIDAS EM SUA HISTÓRIA

fac-iradentes-1

Time em um dos jogos da Taça Fares Lopes 2015. Em pé: Dionantan, Rodrigo Vitor, Giancarlo, Erandir, Airton Júnior e Marcelo Alves; Agachados: Mateus, Ivonaldo, Amaral, Maxuell e Teles

À exemplo do que ocorreu no ano passado, a desclassificação do Ferroviário na Taça Fares Lopes encerrou a temporada futebolística para o time coral. Porém, diferente da edição de 2014, quando saiu aplaudido por 1.340 pagantes no PV, mesmo eliminado pelo Icasa, a sensação desse ano foi de frustração, silêncio de alguns e vaia de outros entre os apenas 490 torcedores que pagaram ingresso no mata-mata contra o Guarani-J, na semana passada. Novamente o PV foi palco de uma lamentável debacle coral, que vencia por 3×0 até os 27 minutos do 2º tempo e, inexplicavelmente, cedeu o empate. O resultado classificou o adversário.

DSC_0672 cópia

Derrota inexplicável para o Pacatuba

Repetindo 2010, 2011, 2012 e 2013, o Ferroviário caiu nas quartas de final em 2015, não conseguindo repetir a campanha de 2014 – a melhor da história – quando mesmo com um time modesto chegou à semifinal da competição que vale vaga na Copa do Brasil do ano seguinte. Nesse ano, com jogadores calejados no elenco, porém de forma física duvidosa, veio a decepção, com o Ferrão não conseguindo vencer nenhum dos adversários que disputaram a Taça Fares Lopes com seus times profissionais, derrotando apenas Ceará e Fortaleza, que entraram na competição com suas equipes Sub-20. De quebra, um revés negativo de 3×0 para o modesto Pacatuba, da terceira divisão cearense. Mais um ano para ser esquecido.

giancarlo2015

Giancarlo versão 2015

São 82 anos de existência. São 3.534 jogos alcançados nesse período. Mas também já são 20 anos sem títulos, o maior jejum do clube. Em 2015, a média de público de 559 pagantes é a segunda pior da história, à frente apenas da assustadora marca de 320 pagantes verificada no ano 2000. Repetindo estratégias de anos passados, remontando a antigas práticas dos anos 70, inclusive repetindo o velho e batido chavão ´Novo Ferrão`, implementado antigamente por tantas outras diretorias e agora retomado na era das redes sociais, nada disso parece ter tido efeito junto à torcida coral. De positivo, o retorno do atacante Giancarlo, artilheiro do campeonato cearense de 2013 e um especialista em botar a bola pra dentro, certamente candidato à ídolo caso tivesse uma sequência maior de partidas em uma onzena competitiva. O vídeo abaixo é uma matéria sobre o último jogo do Ferrão em 2015, quando Giancarlo deixou sua marca duas vezes, de cabeça, ainda no 1º tempo. Pena que veio o 2º tempo e a classificação escapou.