JUAREZ, O ZAGUEIRO SANTISTA QUE FOI CAMPEÃO NO FERROVIÁRIO

Ex-zagueiro Juarez vestindo a camisa de treinos do Ferroviário Atlético Clube em 1988 e 1989

Ele foi um dos principais nomes do título estadual de 1988. O zagueiro Juarez, conhecido na intimidade dos familiares e amigos como Guega, ganhou o apelido de “Senegal” em seus tempos de Ferroviário. Sucesso na época da banda Reflexus, a música “Canto para o Senegal” influenciou a alcunha do defensor coral. Tendo iniciado a carreira nas categorias de base do Santos/SP, Juarez vestiu a camisa profissional de equipes como Mixto/MT, Palmeiras/SP e Coritiba. Dois anos antes de vestir o uniforme coral, foi campeão paulista com a Inter de Limeira. Na Barra do Ceará, Juarez fez 41 jogos e marcou 2 gols. O registro acima mostra o ex-zagueiro coral utilizando a camisa de treinos do Ferroviário no final dos anos 1980, trazendo a estampa da famosa marca Pepsi, patrocinadora do time coral naqueles anos. Juarez vinha de uma família composta de jogadores de futebol. Seu irmão Adilson, atacante, jogou no Santos com Pelé, e o zagueiro Osmar, também seu irmão, atuou no Palmeiras e no Sport/PE. Juarez trabalhava em Santos como mecânico numa retífica de motores quando sofreu um acidente de moto e faleceu em 21 de maio de 1997. Para sempre na história!

VITÓRIA LENDÁRIA EM CIMA DO FLUMINENSE EM 1º DE JANEIRO

Registro do jornal O Povo considerando como brilhante a vitória coral em cima do Fluminense

Exatamente no primeiro dia de 1949, o Ferroviário conseguiu uma vitória lendária em cima do Fluminense/RJ. Em mais um aniversário daquele jogo memorável, vale a pena recordar alguns detalhes que cercaram a retumbante vitória coral. O tricolor carioca excursionava pelas regiões norte e nordeste, vindo de goleadas em cima de Ceará e Fortaleza, por 5×1 e 5×0 respectivamente. Em 1º de Janeiro do novo ano, muitos torcedores foram ao PV esperando mais um massacre do Pó de Arroz, que tinha nomes consagrados nacionalmente em sua formação. Apesar da pressão do time carioca no primeiro tempo, aos 28 minutos, Manuel de Ferro abre o placar para o Ferrão. No intervalo do jogo, quando a notícia que o Ferroviário estava batendo o Fluminense se espalhou, muitas pessoas saíram de suas casas, nas redondezas do estádio, para tentar acompanhar a etapa final. Tinha gente até de pijamas! Aos 22 minutos, Zuzinha, que acabara de entrar em campo, recebeu passe primoroso e anotou o segundo gol, para delírio de quem estava no Presidente Vargas. Depois, o lendário goleiro Zé Dias se encarregou de fazer três ou quatro defesas difíceis e garantiu a vitória histórica naquele sábado. Pedro Morais Sobrinho apitou a partida. Treinado por Babá, o Ferrão jogou com Zé Dias, Nozinho e Manoelzinho; Benedito, Vicente Trajano e Arrupiado; Toinho II (Zuzinha), Manuel de Ferro, Decolher, Purunga e Pipi. Desfalcado do goleiro titular Castilho, o Fluminense perdeu com Zé Paulo, Píndaro e Hélvio; Pé de Valsa (Mário), Índio (Simões) e Bigode; Santo Cristo (109), Rubinho, Ivson, Emílio e Rodrigues. O treinador era o uruguaio Ondino Vieira. O Ferroviário ainda reclamou um pênalti não marcado pelo árbitro e Vicente Trajano foi escolhido o melhor jogador da partida. Para sempre nos anais do futebol cearense!