O FERRÃO DE DOIS AMISTOSOS HISTÓRICOS CONTRA O SÃO PAULO

Ferroviário em janeiro de 1958 – Em pé: Antônio Limoeiro, Jaime, Nozinho, Manoelzinho, Macaúba e Eudócio; Agachados: Durval Cunha (Treinador), Macaco, Pacoti, Doca, Kitt e Zé de Melo

Em janeiro de 1958, o futebol cearense aguardava ansiosamente a excursão do São Paulo/SP por terras alencarinas. No dia 19 daquele mês, o tricolor paulista entrou em campo, no PV, para enfrentar o Ferroviário. A fotografia acima registra a equipe coral que começou a partida, diante de uma multidão presente nas arquibancadas do velho estádio. O ídolo Pacoti atuava pelo Sport/PE e foi cedido por empréstimo somente para esse grande confronto. A mesma coisa ocorreu com o atacante Doca, cedido pelo Usina Ceará. Treinado por Durval Cunha, o Ferroviário tinha nomes como o goleiro Jaime, ex-Botafogo/BA, os famosos Macaúba e Macaco, além do excelente Kitt. O time coral perdia por 2×1 e alcançou o empate no último minuto do jogo através de Pacoti. O craque Zé de Melo havia marcado o primeiro gol. Amaury e Gino assinalaram para a equipe paulista, treinada pelo húngaro Bela Gutman, e que formou com Paulo, De Sordi (Clélio) e Mauro; Sarará, Vitor e Ribeiro; Rubino, Amaury, Gino, Canhoteiro e Maurinho (Celso). O gol de empate no final do jogo motivou o São Paulo a pedir uma revanche e ela aconteceu quatro dias depois mediante grande expectativa na cidade. A nova partida reservaria momentos de violência, agressões, prisão e muito confusão no PV, mas isso é assunto para uma futura postagem.

DERROTA PARA O SÃO PAULO/SP NO ÚLTIMO MINUTO HÁ 40 ANOS

O vídeo acima é uma raridade de 40 anos atrás. O Ferrão recebia a forte equipe do São Paulo/SP em mais um jogo do Campeonato Brasileiro de 1982. O jogo entre as duas equipes levou 18.126 pagantes ao Castelão. Essa partida foi justamente a última vez que os dois se enfrentaram na história. O Tubarão da Barra fez 1×0 com o meia Vicente Cruz, no apagar das luzes do 1º tempo. Na etapa final, o Tricolor do Morumbi impôs seu ritmo com vários jogadores da Seleção Brasileira e conseguiu a virada com o centroavante Serginho, de pênalti, e um gol de falta no último minuto da partida, cobrada pelo lateral direito Getúlio. Treinado por José Oliveira, o Ferroviário atuou com Barbiroto, Paulo Maurício, Góes, Zé Carlos e Jorge Henrique; Augusto, Meinha e Vicente Cruz; Paulo César Cascavel (Carlos Brasília), Roberto Cearense e Almir (Doca). O São Paulo, do treinador Formiga, venceu com Valdir Peres, Getúlio, Oscar, Dario Pereira e Marinho Chagas; Almir, Everton e Renato; Paulo César (Heriberto), Serginho e Mário Sérgio. Após o jogo, muitas reclamações por parte da torcida coral contra o árbitro baiano Anivaldo Seixas Magalhães, pela marcação do pênalti que resultou no primeiro gol da equipe paulista. A narração de Léo Batista no programa ´Gols do Fantástico` aponta erroneamente o gol para Meinha, mas ele foi marcado por Vicente Cruz, um experiente meia oriundo do Aliança/SP. No time coral, o goleiro Barbiroto pertencia ao próprio São Paulo/SP e estava emprestado.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM MAZINHO LOYOLA

Você confere acima mais uma Live do Almanaque do Ferrão realizada no Instagram, dessa vez com o ex-jogador e eterno ídolo coral Mazinho Loyola, revelação da Barra do Ceará e campeão cearense com a camisa do Ferroviário na temporada de 1988. Foi mais um bate-papo recheado de emoção, quando o craque coral compartilhou suas lembranças no futebol e expressou bastante um belo sentimento de gratidão em torno das pessoas que cruzaram com ele em sua trajetória no futebol, seja no próprio Ferroviário, mas também em suas passagens vitoriosas no Santa Cruz/PE, São Paulo/SP e Internacional/RS. Tivemos mais uma bela resenha para a posteridade da memória coral com aquele que foi uma das maiores revelações surgidas no celeiro de craques da Barra do Ceará. Não deixe de conferir a Live com Mazinho Loyola.

LIVE DO ALMANAQUE DO FERRÃO RECEBE MAZINHO LOYOLA

Ele foi um dos principais nomes do Ferroviário no final dos anos 1980. Além de participação ativa no título cearense de 1988, rendeu ao time coral uma rara e rentável negociação com o São Paulo/SP, um dos principais clubes do país na ocasião. No próximo domingo, dia 12, no tradicional horário de 21h30, a Live do Almanaque do Ferrão no Instagram vai receber o ex-atacante Mazinho Loyola, que abrirá sua caixa de memórias com a torcida coral. Além dos relatos sobre seu início de carreira no Tubarão da Barra, Mazinho vai compartilhar também suas últimas lembranças no futebol quando do enceramento da carreira no próprio time coral, em 2004, além de fatos importantes de suas passagens por times tradicionais do futebol brasileiro como Internacional/RS, Santa Cruz/PE, Corinthians/SP, entre outros. Em 2013, na escolha do Time dos Sonhos do Ferroviário, a famosa cria da Barra do Ceará figurou na onzena imaginária desejada pela galera coral. Mazinho Loyola será o sexto convidado da primeira temporada de Lives do nosso projeto. Antes dele, passaram pelo nosso perfil no Instagram nomes como Tiago Gasparetto, Arnaldo, Giancarlo, Ramirez e Acássio. Nos vemos no domingo! Pra aquecer a expectativa, reproduzimos novamente a primeira matéria de destaque que nosso convidado mereceu da TV no início de sua carreira.

O ESCUDO DE 1940 QUE DESPERTA CURIOSIDADES, DÚVIDAS E PAIXÕES

Uniforme e escudo diferentes do Ferroviário Atlético Clube no campeonato cearense de 1940

Essa foto circulou as redes sociais nos últimos dias por conta da notícia de que o Ferroviário registrou oficialmente sua marca, além do atual escudo e também esse antigo brasão. Apesar de algumas publicações trazerem no passado essa mesma imagem se referindo ao elenco de 1941, o registro se trata verdadeiramente dos jogadores que defenderam o Ferroviário no campeonato cearense de 1940. Portanto, foi no Estadual daquele ano que o clube utilizou o escudo com uma roda de ferro e barras de trilho, simbolizando uma asa. Referido escudo foi utilizado de forma semelhante por outros times de origem ferroviária naquela década, não representando nenhum tipo de criação exclusiva do Ferroviário para aquela temporada. Ele é, inclusive, muito parecido com o símbolo interno presente no escudo do Moto Clube/MA, fundado três anos antes. A imagem da camisa com esse símbolo é nítida e, entre os jogadores, é fácil perceber o craque Zuza, ex-Great Western/PE, que ficou no Ferroviário até o encerramento do campeonato cearense de 1940, que se deu somente no início de 1941. Especificamente em 1941, ele disputou o certame local pelo Ceará. O artilheiro Jombrega é outro que não ficou no time coral para o Estadual daquele ano. Aliás, 1941 é exatamente o ano em que Valdemar Caracas mandou buscar os uniformes do São Paulo/SP diretamente da capital paulista e inaugurou a identidade visual que o Ferroviário mantém até hoje nas cores, no escudo e também muitas vezes no uniforme ao longo dos anos. Essa referência completará 80 anos em 2021 e desperta até hoje curiosidades, dúvidas e paixões. Há quem defenda radicalizar e criar um estilo próprio. Tem que ter muita coragem pra romper com a tradição de oito décadas de uma homenagem proposital promovida pelo principal fundador do clube.

REGISTRO DE UM TRIO POUCO LEMBRADO USANDO CAMISA ATÍPICA

Jodecir, Vanderlei e Bassi em 1977 com um modelo de camisa não muito usual para o Ferroviário

O retrato acima é de 1977, ano em que o Ferroviário possuía em seu elenco o volante Jodecir, o atacante Vanderlei e o zagueiro Valdir Bassi. Jodecir era jogador do América/CE quando chegou para o time coral, um ano antes dessa imagem. Por sua vez, Vanderlei atuava como ponta direita e era cria das categorias de base do Ferrão. Já o zagueiro Bassi estava no clube por empréstimo, uma vez que pertencia ao São Paulo/SP. Na única temporada que defendeu as nossas cores, ele fez 30 jogos com a camisa coral. Vanderlei permaneceu entre 1974 e 1978, fazendo 142 partidas e marcando 33 gols pelo Tubarão da Barra. Jodecir atuou 133 vezes e marcou 3 gols entre 1976 e 1979, ano em que sagrou-se campeão estadual pelo Ferrão, participando exatamente de 19 partidas durante aquela vitoriosa campanha. Além de recordar esses três ex-jogadores, vale observar a camisa coral com a faixa preta acima da vermelha, algo não muito comum em se tratando dos uniformes corais ao longo das décadas.

REGISTRO FOTOGRÁFICO DO GOLEIRO BARBIROTO NA TEMPORADA DE 1989

Goleiro Barbiroto do Ferrão e Marquinhos Capivara, atacante do Ceará, em registro de 1989

Registro fotográfico de 30 anos atrás, época em que o Ferroviário disputou a Copa do Brasil pela primeira vez na história. Seu adversário foi o Goiás/GO e o arqueiro coral naquela competição foi o paulista Barbiroto, que enfrentou justamente a equipe a qual havia defendido na temporada de 1978. Na imagem de 1989, o já veterano goleiro do Ferrão aparece com o atacante Marquinhos Capivara do Ceará, um velho conhecido do futebol paulista. Era a terceira passagem de Barbiroto pelo Ferroviário. A primeira foi rápida, no início de 1981, quando somente treinou e rapidamente deixou o grupo. Novamente emprestado pelo São Paulo/SP, a segunda foi em 1982 e marcou a titularidade com grandes atuações no arco coral nas disputas da Taça de Ouro, competição equivalente à atual Série A do campeonato brasileiro, quando enfrentamos os principais times do país, como o Flamengo/RJ em jogo que já mostramos o vídeo na íntegra aqui no blog. Barbiroto faz 60 anos de idade em setembro desse ano.

UM LATERAL E UM ATACANTE EM FOTO QUE A HISTÓRIA NÃO APAGA

Atacante Mazinho Loyola e lateral esquerdo Marcelo Veiga: juntos no Ferrão em 1988 e 2004

Os dois foram campeões pelo Ferroviário em 1988. O da esquerda fez 11 gols e o da direita balançou a rede adversária 7 vezes no campeonato cearense daquele ano, sendo o último simplesmente o gol do título. Mazinho Loyola e Marcelo Veiga em retrato na época da pochete, como se vê. O primeiro saiu do Ferrão para o São Paulo/SP. O segundo foi para o Santos/SP. Mazinho jogou 55 partidas pelo time coral. Marcelo Veiga atuou em 79 jogos. Em 2004, estiveram novamente juntos na Barra do Ceará. Marcelo Veiga foi técnico de Mazinho Loyola que logo depois pendurou as chuteiras. Aquela Série C do Brasileiro de 2004 reuniu os dois novamente no Ferrão depois de longos 16 anos. Além da imagem acima, vale a pena ver as entrevistas no final do vídeo abaixo. Mazinho e Marcelo, então jovens. Hoje com histórias pra contar.

A LEMBRANÇA DE GIORDANO DO GOLEIRO DA SELEÇÃO BRASILEIRA

Goleiro Valdir Peres, do São Paulo, foi titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982

No final do mês passado, o Brasil perdeu o ex-goleiro Valdir Peres, titular do São Paulo/SP e da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982. Como arqueiro do tricolor paulista naquela temporada, Valdir Peres enfrentou o Ferroviário em duas oportunidades no intervalo de dez dias. A primeira em 28/01/1982, no Morumbi, e a segunda em 07/02/1982, no Castelão. Quatro meses depois, o falecido goleiro estreava na Copa da Espanha com a camisa da Canarinho contra a União Soviética. Por outro lado, os confrontos contra o São Paulo parecem ainda vivos na memória do goleiro reserva do Ferrão na ocasião. O cearense Giordano, que chegou ao clube em 1976, amargava a reserva do titular Barbiroto, emprestado pelo próprio São Paulo ao Ferroviário para as disputas daquele campeonato brasileiro. Em meio aos jogos contra o tricolor paulista, Giordano conheceu Valdir Peres e um fato o marcou por toda vida.

Giordano no Ferrão

Semana passada, Giordano encontrou ocasionalmente Charles Garrido, um dos torcedores corais que mais prestigia este blog com mensagens e comentários na página do Almanaque do Ferrão no Facebook. Conversando sobre o falecimento do ex-goleiro do São Paulo, Giordano confidenciou no referido encontro: “até hoje tenho guardado um uniforme completo de goleiro que o Valdir Peres gentilmente me presenteou naquela oportunidade“. Ao enfrentar um time financeiramente inferior, onde naturalmente as condições de trabalho são muito mais difíceis, Valdir Peres teve a delicadeza de ajudar um companheiro de profissão e, mais que isso, de posição. O fato nunca saiu da cabeça de Giordano, que permaneceu no clube até a temporada seguinte. Ao todo, foram 135 partidas com a camisa do Ferrão. Em 1984, sagrou-se campeão maranhense pelo Sampaio Corrêa/MA. Em 1988, já aposentado dos gramados, foi o treinador de goleiros do próprio Tubarão da Barra no título cearense daquele ano. Tantos anos depois, o Ferrão continua nas melhores lembranças de Giordano em conversa com amigos corais.

FERROVIÁRIO PODE VOLTAR A TER FORNECEDORA DE RESPEITO EM 2016

Ferrão 1984_x2

Ferroviário em 1984: último ano da francesa Le Coq Sportif no vistoso material esportivo do clube

O Almanaque do Ferrão apurou que o Ferroviário pode fechar a qualquer momento com uma fornecedora de material esportivo de grande respeitabilidade no mercado. As negociações estão adiantadas e o clube pode voltar a ter uma parceira de alto nível, à exemplo do que ocorreu no passado quando chegou a ter a francesa Le Coq Sportif, entre 1982 e 1984, e as brasileiras Penalty, em 1997 e 1998, e Finta, de 2009 a 2010. Parece realmente que o clube abandonará as soluções caseiras e partirá para algo mais empolgante. A mudança de rumo se justifica na contratação de uma empresa paulista de marketing esportivo, a MP Sport, que chega ao clube com uma visão mais profissional em relação à práticas recentes, como em 2015, quando o Ferrão apresentou um dos uniformes mais extravagantes – para não usar o adjetivo ridículo – de sua história.

19972

Ferroviário em 1997: primeiro ano da conhecida Penalty no belo material esportivo do clube

Respeitando a famosa estratégia do sigilo nas negociações empresariais, o blog opta por não anunciar a marca que negocia atualmente com o Ferroviário, muito embora o nome já tenha vazado em algumas redes sociais. Marca em camisa não ganha jogo, mas não deixa de ser um bom começo para o início de uma nova gestão. O torcedor gosta de bons produtos e, nesse aspecto, a torcida coral tem se mostrado carente de opções interessantes ao longo dos anos. De repente, em termos de material esportivo, o clube pode retornar ao patamar de uma Le Coq Sportif, que enquanto vestiu o Ferrão, fornecia também material para o São Paulo/SP e para as seleções da França e da Argentina, ou a tradicional Penalty, parceira histórica de praticamente todos os times importantes do Brasil, além da própria Finta, que vestiu clubes de respeito no futebol brasileiro, entre eles o Botafogo/RJ no inesquecível título nacional no ano de 1995. Marca é marca, e algumas delas não se compra em bodega. Quem sabe, mais uma em breve na Barra do Ceará.

Ferrão 2009 _01fev20092

Ferroviário em 2009: primeiro ano da simpática Finta no material esportivo do clube