MATÉRIAS DA TV SOBRE A VOLTA DO GOLEIRO ROBINSON AO FERROVIÁRIO

Ari Bezerra, esse novo goleiro do Ferroviário veio da Seleção da Dinamarca?”, perguntou no ar o comentarista Chico Rocha na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza na tarde do dia 26/6/1988. Era a estreia de Robinson, que usava um uniforme preto com mangas vermelhas, contrastando com seus cabelos nórdicos. A vitória de 1×0 em cima do América, no PV, era apenas o início de uma trajetória que o consagrou em dois momentos como um dos mais destacados goleiros da história coral. Foram 15 partidas em 1988 e suas grandes defesas ajudaram o Ferrão a conquistar o campeonato cearense daquele ano, despertando o interesse do Vitória/BA que o levou após a competição. Dois anos depois, em agosto de 1990, Robinson voltou a Barra do Ceará com fama de ídolo para a disputa antecipada do Estadual de 91 e foi vice-campeão do 1º turno, perdendo a final para o Fortaleza. Foram mais 20 partidas com a camisa coral naquela época. O Almanaque do Ferrão resgata abaixo duas matérias de televisão que enfocavam o retorno de Robinson ao Ferroviário em 1990. Viaje no tempo!

EX-JOGADOR PROCURAVA FOTOS DE SUA PASSAGEM PELO FERRÃO EM 80

sousa meia

Sousa tenta a cabeçada no meio da zaga do Fortaleza no dia 5/10/1980 no Castelão

O tempo faz com que determinados jogadores passem pelo clube e acabem caindo no esquecimento, porém dificilmente o atleta esquecerá a sua passagem por um time de futebol. É caso do meio campista Sousa, titular no Ferroviário que foi vice-campeão cearense em 1980 sob o comando do treinador paranaense Lanzoninho. Foram apenas 14 partidas com a camisa coral entre setembro e dezembro daquele ano. Através do Almanaque do Ferrão, o atleta entrou em contato recentemente em busca de fotos da sua curta passagem pelo clube. Revirando o acervo do nosso baú, ele aparece no click acima no ´Clássico das Cores` do dia 5 de outubro que terminou no 0x0.

sousameia2

Sousa em 1980

José Aparecido de Souza jogou grande parte da sua carreira profissional no futebol de São Paulo. Chegou a jogar na Coréia defendendo a Seleção Paulista. Oriundo do XV de Jaú quando chegou para o Ferroviário, teve uma outra participação no futebol nordestino atuando pelo Sergipe/SE entre 83 e 84. Quando regressou ao futebol de São Paulo, brilhou com a camisa do Bragantino e levou sua equipe à divisão de elite paulista em 1988, culminando com o memorável título estadual do Massa-Bruta dois anos depois sob o comando de Vanderley Luxemburgo. Sousa certamente nunca esqueceu o único gol que marcou pelo Ferroviário, na noite do dia 29 de outubro, no Castelão, uma goleada de 4×0 em cima do Guarany de Sobral. São coisas que o tempo não apaga da memória do ex-jogador e o clube tem a obrigação de lembrar de quem ajudou a escrever sua história.

ESCUTE OS GOLS DE UMA VITÓRIA CONTRA O TIRADENTES EM 1988

alves22

Alves: gol espírita

O penúltimo jogo do Ferroviário no campeonato cearense de 1988 foi tenso e sofrido. O Tiradentes tinha um ótimo time e havia sido páreo duro para todas as equipes da competição, chegando inclusive a vencer o 2º turno em cima do próprio Tubarão da Barra. O voltante Alves marcou um ´gol espírita`, mas Nélson, ex-jogador do próprio Ferroviário, empatou para o Tiradentes. No segundo tempo, a revelação do campeonato Mazinho Loyola chutou forte da entrada da área e decretou a importante vitória coral por 2×1. Uma semana depois, o título de campeão cearense estava nas mãos do Ferroviário depois de outra vitória, dessa vez em cima do Fortaleza.

amilton melo

Amilton Melo

O Almanaque do Ferrão recuperou o áudio dos gols do Tubarão contra o Tiradentes. Era o jogo de número 2.249 da história coral, no dia 31/8/1988. A narração é da então equipe esportiva da Rádio Uirapuru AM de Fortaleza, que tinha Vilar Marques no comando do 1º tempo e Júlio Sales no 2º tempo das partidas importantes. No gol da vitória, é possível perceber ao fundo a empolgação dos comentaristas da emissora, primeiro no grito entusiasmado de “goooooool” de Amilton Melo, lendário ex-jogador do Ferrão, e depois no grito do excelente Chico Rocha. O jogo teve arbitragem de Hilton Alcântara e 3.484 pessoas pagaram ingresso no Castelão naquela quarta-feira à noite. O Ferrão do técnico Lucídio Pontes venceu com Robinson, Silmar, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Alves, Arnaldo e Jacinto; Mazinho Loyola e Beto Andrade (Edson). O Tigre jogou com Salvino, Alexandre, Batista, William e Osmanir (Perivaldo); Nélson, Modali (Jarbas) e Adilton; Valdir, Marquinhos e Lupercínio.

EX-MEIA CORAL MARCA GOL NA ARENA KHIMKI EM MOSCOU

O campeonato russo é transmitido pela ESPN Brasil. Quem levantou cedo no último domingo assistiu o empate de 1×1 entre Krasnodar e CSKA, na Arena Khimki, em Moscou. O gol de empate do Krasnodar veio dos pés de um brasileiro que faz sucesso na Rússia. Trata-se de Francisco Wanderson Carmo Carneiro, o meia Wanderson, que disputou 22 partidas pelo Ferroviário entre 2005 e 2006. Quem lembra? Veja o vídeo acima com imagens recentes do jogador e consulte sua memória.

wandersonnoFAC

Wanderson no time titular em 31/7/2005

A primeira partida oficial de Wanderson pelo Ferrão foi no dia 31/7/2005, contra o Serrano/PE, pela Série C do campeonato brasileiro. Ele chegou a marcar um dos gols da goleada coral por 5×2. Tido como uma das gratas promessas para despontar no campeonato cearense de 2006, o jogador foi surpreendentemente emprestado para o Sub-20 do Fortaleza a fim de disputar a Taça São Paulo de Futebol Júnior, retornando para o time profissional do Ferroviário apenas no meio do Estadual, fazendo apenas 12 partidas na competição. Foram ao todo 4 gols em sua passagem com a camisa do Tubarão da Barra. Ao final da participação coral, o jogador foi negociado em definitivo com o Fortaleza numa transação pouco divulgada na ocasião.

Polozzitapipoca

Polozzi queria a volta de Wanderson para o Ferrão

Em 2007, Wanderson estava emprestado pelo Fortaleza ao River/PI e brilhou sob o comando do técnico Fernando Polozzi, ex-zagueiro da Seleção Brasileira na Copa de 1978. Quando Polozzi treinou o Ferroviário na temporada de 2008, sugeriu a volta do jogador para o Ferroviário já que o Fortaleza estava disposto a emprestá-lo. Ouviu de um diretor coral a seguinte justificativa para a recusa: “não, o Wanderson tem problemas na vista. Quando o jogo é a noite, ele não enxerga direito“. Polozzi retrucou desanimado: “Pois lá no Piaui, comigo, ele enxergava muito bem“. E ficou nisso mesmo. Wanderson continuou no Fortaleza, trilhou depois sua trajetória de sucesso e já há algumas temporadas brilha na Rússia. Quer vê-lo em ação nos gramados europeus? É só ligar a televisão.

VITÓRIA DO FERRÃO EM CIMA DO RIVER/PI DENTRO DE TERESINA

O Almanaque do Ferrão resgata mais um jogo do time coral contra o River do Piauí. O vídeo acima mostra os melhores momentos da excelente vitória do Tubarão da Barra, fora de casa, em setembro de 1996, jogando no Estádio Lindolfo Monteiro em Teresina. O único gol do jogo foi marcado pelo baiano Esquerdinha, que fazia naquele ano sua última temporada na Barra do Ceará. A partida foi válida pela Série C do Campeonato Brasileiro e teve a arbitragem de Marcelo Bispo Nunes. O Ferroviário permaneceu na terceira divisão nacional até 2008, ano em que foi rebaixado para a Série D.

Treinado por Danilo Augusto, tradicional jogador do Ferrão na década de 70, o time coral venceu com Jorge Luiz, Biriba, Batista, Alencar e Garcia (Chiquinho); Paulo Adriano, Cleuber, Wálter e Basílio; Cantareli (Paulinho Paiakan) e Esquerdinha. O River perdeu com Guará, Laércio, Silva, Gladstone e Osmarildo (Preto); Pinto, Rondineli, Zezé e Bertinho; Pereira e Mairan. O técnico adversário era o conhecido Gringo. Os goleiros Jorge Luiz e Guará são irmãos e se enfrentaram diversas vezes em suas carreiras. Guará inclusive foi goleiro do próprio Ferroviário em 1991, antes da chegada de Jorge Luiz, o segundo camisa de Nº 1 que mais vezes defendeu a metal coral na história.

A INCRÍVEL MALDIÇÃO DOS ÍNDIOS KARATIS NA VIRADA DO MILÊNIO

ferrao_x_crateus

Um esquisito calção vermelho foi usado pelo Ferroviário no 3×3 contra o Crateús em 2012

No dia 30/12/2000, o Ferroviário fazia seu último jogo antes da virada do milênio. Foi um amistoso contra a Seleção de Crateús, fora de casa, no Estádio Juvenal Melo. O empate em 3×3 já preconizava o que seria a ridícula campanha coral no ano seguinte no campeonato cearense. Era o quarto confronto contra o selecionado local na história. Antes disso, duas vitórias em 1951 e um empate em 1981 garantiam o retrospecto de invencibilidade a favor do time coral contra o representante do Vale dos Inhamuns, uma das regiões mais secas do estado. Veio então a chegada no novo milênio e com ele a fundação do Crateús Esporte Clube, em 2001, sob a proteção do índio Karati, o desbravador e primeiro habitante daquela área geográfica, estampado orgulhosamente no escudo crateuense a partir de 2008.

IMG_55251

Entra em campo o índio da tribo Karati em 2015

Como uma maldição espiritual indígena potencializada pela incompetência de gestões corais, nunca mais o Ferroviário derrotou o novo time da cidade de Crateús. Sob a presidência do deputado estadual Vanderley Pedrosa, justamente em seu curral eleitoral nos Inhamuns, o primeiro confronto aconteceu em 14/1/2012, amistoso vencido pelo Crateús por 2×0. Onze dias depois, o primeiro jogo oficial entre ambos, válido pela 1ª divisão do futebol cearense, nova vitória crateuense por 2×1 novamente no Juvenal Melo. Em 28/3/2012, dessa vez no PV, empate em 3×3, a melhor performance coral até hoje. A partir dali, o confronto entre as duas equipes se deu no tapetão. O Crateús lançou jogadores irregulares na competição e o Ferroviário se beneficiou da incrível falha administrativa do adversário, vencendo uma batalha jurídica que terminou no STJD no Rio de Janeiro. O resultado foi o Crateús rebaixado para a Série B cearense na corte desportiva e o Ferroviário, rebaixado dentro de campo, salvo pelo gongo com o direito de permanecer na divisão de elite local por mais um tempo. Parece que aquele episódio transcendeu a lógica humana e provocou a ira e a maldição dos índios Karati.

img-20150411-wa0019_1

Ferrão, de dourado, no último dia 11

O Ferroviário foi novamente rebaixado em 2014, dessa vez sob a batuta de Edmilson Alves Júnior, que sucedeu o deputado na presidência. Nos últimos 5 dias, o Ferrão reencontrou o Crateús em mais duas partidas oficiais, agora na melancólica 2ª divisão cearense, e conseguiu o feito de perder novamente, tanto em Fortaleza como em Crateús, pelo mesmo placar de 2×1. Maldição aliada à má gestão, eis a grande questão. O fato é que o Tubarão da Barra se apequenou diante do Guerreiro do Poty, uma das simpáticas alcunhas do representante dos Inhamuns. Depois daquele primeiro 3×3 na véspera da chegada do novo milênio, nada mais parece ter sido como antes. Já se vão quase 15 anos e um doloroso tabu amarga a paciência do torcedor ao se deparar com momentos como os registrados no último sábado eternizados na tela abaixo. Até quando?

REPRESENTANTES LEGÍTIMOS DA COMPLICADA DÉCADA DE 1960

Ferrão 1965

Uma das formações utilizadas pelo Ferrão em 1965: Albano, Adir, Gavillan, Toinho, Marcelo e Vicente Jabuti; Agachados: Raimundo Pipiu, Durand, Moacir, Nílton e Expedito Chibata

Entre 1953 e 1967, o Ferroviário Atlético Clube não conquistou nenhuma das edições do campeonato cearense. Várias foram os times formados e inúmeras foram as tentativas de alcançar o posto máximo do futebol local. Todas em vão. Bons jogadores passaram pelo Ferrão no período, alguns com retrospecto de terem jogado em grandes equipes do futebol nordestino, como o goleiro Ribamar, ex-ídolo do ABC de Natal, e os atacantes Macrino e Milton Bailarino, ambos ex-Santa Cruz/PE, que defenderam as cores corais no auge daquele jejum de títulos. Em 1966, o papo era ser campeão a qualquer custo e foi contratado o famoso pacote maranhense do Sampaio Corrêa formado por Jarbas, Peu, Sabará, Vadinho e Valfredo, além de outros atletas experientes que representaram um alto investimento para os padrões do clube. Nada dava certo.

O Almanaque do Ferrão resgata hoje uma fotografia histórica de uma das formações que vivenciou aqueles tempos difíceis de ausência de conquistas importantes. É o time de 1965, que entrou em campo no PV, no dia 13 de junho, e foi derrotado para o Ceará por 2×1. Detalhe para a camisa coral, toda branca, sem as tradicionais listras horizontais. Entre alguns nomes consagrados no futebol cearense como Expedito Chibata, ex-Ceará, e Toinho, ex-Usina Ceará, dois grandes destaques naquela temporada vieram diretamente do Botafogo/RJ: o volante Nilton e o meia Moacir davam um maior toque de qualidade ao time coral. Recorde acima aquele time de meados da década de 1960 que muito tentou, mas não conseguiu entrar para a galeria histórica de campeões pelo Ferrão.