Sobre Evandro Ferreira Gomes

Evandro Ferreira Gomes é fanático por futebol e torcedor do Ferroviário Atlético Clube desde os 8 anos de idade, tendo dedicado mais de 20 anos de sua vida aos trabalhos de pesquisas e entrevistas que levaram ao lançamento da 1ª edição do Almanaque do Ferrão, publicado em junho de 2013. Economista com especialização em marketing e mestrado em administração de empresas, o autor trabalha como consultor empresarial e professor universitário nos cursos de marketing, publicidade e jornalismo, além de atuar em gestão de projetos de comunicação, marketing e relacionamento em ambientes esportivos com experiência no Brasil e na Inglaterra. Foi diretor de marketing, diretor de futebol e vice-presidente do Ferroviário Atlético Clube entre 2008 e 2014, tendo atuado diretamente na edição da revista ´Expresso Coral`, criação do programa sócio-torcedor, formação e contratação de atletas, captação de patrocínios e investidores, dentre outras atividades profissionais.

RARIDADE: VERSÃO ORIGINAL DO HINO OFICIAL DO FERROVIÁRIO

Hoje seria mais um aniversário de José Cecílio do Vale, conhecido no meio artístico como Zezé do Vale. Autor do hino oficial do Ferroviário, ele nasceu na cidade de Ipu, em 22 de novembro de 1900, e faleceu em 29 de março de 1996, depois de conferir o bicampeonato estadual do Ferrão, conquistado apenas três meses antes. A versão acima é de uma contribuição histórica grandiosa. Trata-se da primeira gravação do hino coral, gravado na segunda metade dos anos 1960, na voz de Wilson Lopes, em duas versões originais, respectivamente distribuídas no lado A e no lado B, ambas como participação do próprio Zezé do Vale e seu conjunto nos instrumentos. Vale a pena a audição com muita atenção. Você vai perceber algumas mudanças nos acordes e na própria letra em relação à versão mais conhecida, gravada no início dos anos 1980, e tida muitas vezes, erroneamente, como a versão original de tão difundida. A buzina do trem e o som das rodas da locomotiva dão um charme especial à versão do hino em questão. Sem dúvida, um resgate portentoso da indústria fonográfica cearense.

POR ONDE ANDA BIBI, O AUTOR DO GOL NO JOGO DO TERREMOTO?

Bibi marca um Gol de Placa contra o Ceará e decreta a vitória coral antes do terremoto

Há exatos 40 anos, na noite de 19 de novembro de 1980, a cidade de Fortaleza foi sacudida por duas notícias que se espalharam rapidamente pela capital cearense: o Ferroviário bateu o Ceará, com um verdadeiro golaço do estiloso Bibi e, logo em seguida, um raro terremoto fez tremer a terra de José de Alencar. No dia seguinte, os noticiários jornalísticos se resumiram a esses dois fatos, seja no jornal, no rádio ou na televisão. Bibi era filho do consagrado Didi e havia sido campeão brasileiro pelo Atlético/MG, com Telê Santana, em 1971. Jogou ainda no Fortaleza antes de desembarcar na Barra do Ceará. Jogador de toque diferenciado, Bibi marcou um gol de bela feitura contra o alvinegro, o chamado “Gol de Placa”, que acabou nunca sendo fixada no Estádio Castelão. Depois do início dos anos 1980, Bibi foi embora do futebol cearense com destino a Santa Catarina e nunca mais retornou. Depois de tantos anos, será que você saberia dizer por onde anda o bom e velho Bibi?

Bibi em foto recente no Rio

Após trabalhar durante doze anos como treinador de futebol no mundo árabe, passando por países como Arábia Saudita, Catar e Emirados Árabes, o ex-jogador Bibi retornou para o Brasil há quase uma década e durante alguns anos fixou residência em São Pedro da Aldeia, que fica na famosa Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, onde atuava como taxista. Em 2019, Bibi voltou a morar na capital fluminense. Quando garoto, o jovem Adilson Pereira ganhou o apelido de Bibi do próprio pai, o Príncipe Didi, da Seleção Brasileira, o grande inventor da “folha seca”. Bibi teve pouca convivência com o famoso pai durante sua infância, já que seus pais se separaram. Quando Bibi jogava no Nacional/AM chegou a enfrentar Didi como técnico do Fluminense/RJ em um jogo do campeonato brasileiro. No Tubarão da Barra, o refinado meio campista disputou 57 jogos e marcou 8 gols entre 1980 e 1981, tendo como contemporâneo jogadores como o uruguaio Ramirez, o goleiro Ado, o craque Jacinto e o artilheiro Paulo César, entre outros. Recentemente, o ex-jogador Bibi concedeu entrevista para o jornalista Milton Neves na Rádio Bandeirantes de São Paulo. Abaixo, apresentamos o conteúdo dessa conversa para que os corais recordem ou possam conhecer o ex-jogador do Ferroviário Atlético Clube.

JOGO ENTRE HOMÔNIMOS NOS 100 ANOS DAS ESTRADAS DE FERRO

Facó: gol na Ilha do Retiro em 1970

Há exatos 50 anos, no dia 17 de novembro de 1970, o Ferroviário foi até Recife enfrentar o seu homônimo pernambucano pela primeira vez na história. Era um amistoso comemorativo alusivo ao centenário de fixação das “estradas de ferro” no território brasileiro. O jogo foi organizado pela RFFSA e aconteceu na Ilha do Retiro, estádio de propriedade do Sport/PE. Abelardo Machado apitou a partida, que terminou empatada em 2×2. Alísio e Facó marcaram para o Ferrão, enquanto Fernando Camutanga fez os dois gols da equipe de Pernambuco. Dirigido pelo treinador Alexandre Nepomuceno, o Tubarão da Barra formou nesse jogo festivo com o futebol de Aloísio Linhares, Esteves, Luiz Paes, Gomes e Eldo; Coca Cola, Edmar e Simplício (Dema); Amilton Melo, Paulo Velozo (Facó) e Alísio. O Ferroviário/PE jogou com Holanda, Paulo Alves, Luís, Clóvis e Dito; Zé Carlos e Mário; Agapito, Tico, Fernando Camutanga e Vavá. Depois desse amistoso, as duas equipes se enfrentaram mais três vezes na década de 1970, sendo dois jogos oficiais pelo campeonato brasileiro e outro amistoso. Além do Ferroviário pernambucano, o Ferrão enfrentou as seguintes equipes de origem ferroviária ao longo da história: o Ferroviário de Sobral, Ferroviário/PI, Ferroviário/MA, Ferroviário/RN e Ferroviário/RO.

JORGE VERAS E IVAN DECRETAM VITÓRIA EM CLÁSSICO DE 1982

A raridade acima mostram os gols de um Clássico das Cores disputado em 1982, exatamente num 14 de Novembro como hoje. O jogo foi válido pelo 3º turno do campeonato cearense daquele ano, selando a terceira vitória consecutiva por 2×1 em cima do Fortaleza dentro da competição. As imagens do acervo do pesquisador Zidney Marinho mostram um verdadeiro golaço do artilheiro Jorge Veras no primeiro tempo, e um gol do atacante Ivan, emprestado pelo Santa Cruz/PE, que foi decisivo para a vitória na etapa final e comemorou seu gol tal qual Pelé, com socos no ar. O experiente volante Nélson descontou para o tricolor. Treinado por Jálber Carvalho, o Tubarão da Barra formou naquele domingo de muita chuva pelo Brasil com o futebol de Hélio Show, Jorge Henrique, Goes, Artur e Luisinho; Augusto (Alberto), Edson e Betinho; Paulo César Cascavel, Ivan e Jorge Veras (Doca). Moésio Gomes escalou o time perdedor com Salvino, Alexandre, Pedro Basílio, Chagas e Clésio; Nélson (Romário), Assis Paraíba e Zé Eduardo; Geraldinho, Miltão (Beijoca) e Edmar. O Fortaleza tinha uma equipe muito experiente e terminou conquistando o título estadual no mês seguinte, após uma série de jogos decisivos contra o próprio Ferroviário, que sentiu muito um problema de contusão do craque Betinho, ele que passou a atuar nos jogos finais na base do sacrifício e longe da condição física ideal.

PRIMEIRO JOGO NO CASTELÃO NESSE SÉCULO CONTRA O MARANGUAPE

Ferroviário Atlético Clube em 2002. Em pé: Clytts Jones, Adriano Cearense, Dino, Kélson, Lopes e Zezinho. Agachados: Junior Cearense, Arildo, Guedinho, Édio, João Marcelo e Danilo

Esse foi o time que entrou em campo no Castelão, no dia 6 de julho de 2002, para enfrentar o Maranguape pelo 3º turno do campeonato cearense daquele ano. O jogo terminou 4×3 para o Tubarão da Barra e marcou o retorno do time coral ao principal estádio da capital cearense, depois de dois anos em completa reforma. Mais que isso, aquela partida foi a primeira do Ferroviário Atlético Clube no Castelão no Século XXI. O time era treinado pelo emergente Flávio Araújo e formou naquele dia com Zezinho, Arildo, Dino, Lopes e João Marcelo; Édio, Adriano Cearense, Junior Cearense e Danilo; Kélson (Marcos Roberto) e Guedinho. O Maranguape, do técnico Argeu dos Santos, perdeu com Samuel, Isaac, Robson, Leilson e Sérgio; Claudeci, Pantera, Maradona e Reginaldo França; Nozinho e Anderson (Wislei). Almeida Filho foi o árbitro do jogo. No ano seguinte, a base dessa equipe sagrou-se vice campeã estadual. João Marcelo, lateral esquerdo da formação bicampeã cearense em 1995, retornou para o time coral nessa temporada e fez boas partidas. O rápido Guedinho era o xodó da torcida e, no alto de seus 68 gols marcados com a camisa do Ferrão, é até hoje o nono maior artilheiro da nossa história. Já o atacante Kélson, ainda no início de carreira, era filho do ex-zagueiro Israel, que jogou no Ferroviário entre 1983 e 1984. Quando jogava no Brasil de Pelotas, já em 2009, Kélson estava no ônibus que sofreu um grave acidente no interior gaúcho e vitimou três membros da delegação, entre eles dois jogadores que enfrentaram o próprio Ferrão em jogos válidos pelo campeonato brasileiro de 2006. 

PRIMEIRO JOGO DO FERRÃO NO CASTELÃO FOI CONTRA O AMÉRICA

Marcos marcou no Castelão

No dia de hoje comemora-se o centenário do América, tradicional equipe cearense que há anos encontra-se largada na 3ª divisão do futebol cearense. Comemora-se também mais um aniversário do estádio Castelão, inaugurado no final de 1973. Curiosamente, a primeira partida do Ferroviário Atlético Clube naquela praça esportiva ocorreu contra o Diabo Rubro, que possuía uma bela sede social na Av. Dom Manuel. Esse jogo ocorreu no dia 13 de janeiro de 1974 e foi válido pela Taça Cidade de Fortaleza. Foi a preliminar de Ceará 0x2 Tiradentes/PI pelo campeonato brasileiro. Luís Vieira Vila Nova apitou o jogo do Ferrão, que tinha Becão como treinador. Ele que foi bastante identificado com o próprio América durante sua carreira de técnico. Naquela estreia no Castelão, o time coral formou com Marcelino, Assis, Lúcio Sabiá, Danilo Baratinha e Eldo; Simplício e Edilson Lopes; Sousa, Dudé, Oliveira e Marcos. Já o América jogou com Edilson José, Luiz, Lauro, Zem e Genilson; Alírio e Lúcio; Otávio, Italo, Ivo e Heitor (Cláudio). O jogo terminou empatado em 1×1. O atacante Marcos, cria da base coral, marcou o primeiro gol do Ferrão no Gigante da Boa Vista. Depois, Cláudio empatou para o América, que teve um jogador expulso e jogou com apenas 10 peças em campo desde os 5 minutos do 1º tempo. O Tiradentes foi o campeão da Taça Cidade de Fortaleza. O Ferrão estava prestes a viver um dos momentos mais difíceis de sua história com crises financeiras, penhoras e renúncia de dirigentes. Infelizmente, “fechar as portas” era assunto comum naquele difícil período.

NICOLAS SE CONSOLIDA COMO O MELHOR GOLEIRO DESDE JÉFFERSON

Com 1,92m de altura e 34 anos de idade, Nicolas tem se firmado como importante goleiro coral

Titular absoluto nas traves do Ferroviário Atlético Clube desde o Campeonato Brasileiro de 2019, o gaúcho Nicolas tem se consolidado como o melhor goleiro que vestiu a camisa coral desde a última passagem do arqueiro cearense Jéfferson, na já distante temporada de 2009. Portanto, dez anos depois, finalmente o clube conseguiu um titular que pudesse se firmar, disputando jogos importantes e apresentando boa performance. Em média, durante essa década de intervalo, foram praticamente dois goleiros por temporada que se revezaram na meta coral, alguns até de difícil lembrança por parte da torcida do Ferrão, a saber: Dionantan, Witalo, Tarciano, Célio, Ari, Handerson, Nilson, Caíque, Fernando Júnior, Rafael Muralha, Camilo, Alisson, Alex, Adson, Roger, Mauro, Oliveira, Léo, Bruno Colaço, Mailson, Gleibson e Remerson. Depois de defender equipes gaúchas como São Paulo/RS e Novo Hamburgo/RS, Nicolas veio para o futebol cearense em abril de 2019 e já conta com mais de 60 partidas, entre jogos oficiais e amistosos, com a camisa do Ferrão. No último sábado, contra o Manaus, na Arena da Amazônia, Nicolas foi decisivo para o Ferrão com, pelo menos, duas defesas muito difíceis, que garantiram o empate em 1×1 no placar. Mesmo com as bruscas mudanças no elenco coral de 2019 para 2020, o goleiro Nicolas foi um dos poucos jogadores que renovaram contrato e permaneceram na Barra do Ceará.

REGISTRO FOTOGRÁFICO DE UM JOGO PELA TEMPORADA DE 2013

Ferroviário Atlético Clube em 2013 – Em pé: Kleyton, Fernando Júnior, Anderson Borges, Cleylton, Giancarlo e Lima; Agachados: Everton, Leandro Sobral, Foguinho, Tinga e Ted.

Acima, belo registro do Ferroviário, vestindo uniforme preto, no segundo jogo do campeonato cearense de 2013, no PV. Foi no dia 09 de janeiro daquele ano. Depois de vencer o Crato na estreia, com um gol de Giancarlo no final do jogo, o time coral dominou as ações naquela quarta-feira à noite, mas ficou no empate em 0x0 com o Horizonte. Depois de utilizar um uniforme preto, pela primeira vez na história entre as temporadas de 2008 e 2010, a temporada de 2013 marcou o retorno daquele belo material de jogo, produzido pela Siker. Em grave dificuldade financeira, o Ferrão tinha a menor folha de pagamento dentre os dez participantes da primeira divisão cearense e a base do time era o grupo de jogadores que, três meses antes, havia sido vice campeão cearense Sub-20. Cinco jogadores dessa foto já penduraram as chuteiras: Kleyton, Fernando Júnior, Anderson Borges, Lima e Tinga. O lateral direito Everton, o zagueiro Cleylton, o meio campista Foguinho e o artilheiro Giancarlo foram os que obtiveram maior projeção, atuando em times importantes do país e até do exterior.

GOLEIRO AUGUSTO FAZIA SUA ESTREIA NO FERRÃO HÁ 60 ANOS

Estreia de Augusto em 1960

Ele veio do Náutico/PE para o Ferroviário, trazido de Recife pelo treinador Manuel dos Prazeres para a disputas do 3º turno do campeonato cearense de 1960. Estamos falando de Augusto. Há exatos 60 anos, no dia 29 de outubro, o novo arqueiro coral fazia sua estreia num amistoso contra o Ceará. O Ferrão venceu o jogo por 1×0, gol de Macaúba II. Durante o período de um ano que ficou no time da Estrada de Ferro, Augusto disputou posição com os conhecidos Dadá e Zé Alberto, chegando a ser titular durante um bom período, notadamente na temporada de 1961. Aos 30 anos de idade, Augusto Cabral de Carvalho defendeu o arco coral em 37 partidas. De olhos verdes e cabelo castanho, o arqueiro era paraibano, filho de José Justiniano Cabral de Carvalho e Eleonora Cabral de Carvalho. Tinha 1,78m de altura. Inicialmente, Augusto assinou um contrato em branco com o Ferroviário Atlético Clube, sem especificar sua remuneração mensal. Só depois que os dirigentes corais o viram em campo é que o valor acabou sendo definido a partir da qualidade demonstrada pelo goleiro no decorrer dos jogos. Em seu período no time coral, Augusto teve como companheiros nomes consagrados como Aldo, Garrincha, Damasceno e Edilson Araújo. 

INAUGURAÇÃO DA PRAÇA EM FRENTE AO ELZIR CABRAL EM 1991

As imagens acima recuperadas em vídeo são de grande raridade. Elas mostram a noite de inauguração da praça pública localizada em frente ao Estádio Elzir Cabral, no bairro da Barra do Ceará. O novo espaço foi uma obra da gestão do então prefeito Juraci Magalhães e a cerimônia teve a cobertura da TV Verdes Mares de Fortaleza. O evento aconteceu no final do mês de outubro de 1991, antes de um jogo do Ferroviário contra o Quixadá pelo campeonato cearense. O novo logradouro foi batizado de Praça Marcelo Queiroz, em homenagem ao filho do ex-presidente José Lima de Queiroz, que aparece concedendo entrevista na matéria acima. Marcelo Queiroz foi um árduo torcedor coral. Ele teve destaque como integrante da diretoria mirim campeã estadual em 1979, que correspondia a um projeto de formação e renovação de futuros dirigentes, organizado e levado à prática na gestão do ex-presidente José Rego Filho. Infelizmente, Marcelo Queiroz faleceu muito jovem e não conseguiu realizar o sonho de ser presidente do Ferroviário. Entretanto, sua presença no cotidiano coral foi eternizada com a existência de uma estátua na praça em frente ao Estádio Elzir Cabral.