PRESENTE ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO: VIDA E OBRA DE VALDEMAR CARACAS

Hoje é aniversário do Ferroviário Atlético Clube. São 84 anos desde sua fundação por parte dos operários da antiga Rede de Viação Cearense, a famosa RVC. O Almanaque do Ferrão presenteia a torcida coral com um documentário inédito sobre o fundador do clube, o inesquecível Valdemar Caracas, falecido em 2013. O material de 29 minutos foi produzido um ano após a sua morte pela jornalista Dayanne Feitosa e agora chega à Internet através do nosso blog. Caracas e Ferroviário, duas lindas histórias que se confundem com a história do próprio estado do Ceará. O documentário intitulado “Nos trilhos da história: vida e obra de Valdemar Cabral Caracas” conta com o depoimento de nomes como o amigo Antônio Carlos, o ex-cronista esportivo Cid Carvalho, o ex-presidente José Rego Filho e também deste blogueiro. Assista abaixo e feliz aniversário!

DE ONDE VIERAM AS COBRAS QUE PICARAM O FERROVIÁRIO?

cobra coral - dreyfus_ib_usp_br

Talvez nem o torcedor de memória mais pródiga lembre de onde surgiram as cobras que acabaram de picar o Ferroviário na segunda divisão do campeonato cearense e que, pelo visto, continuam agindo nos bastidores da briga jurídica que virou a competição. Estamos falando de Horizonte e Alto Santo, duas equipes que foram diretamente beneficiadas pelo festival de WO´s ocorrido no certame, cujas pontuações terminaram minimamente superiores aos 43 pontos do Ferrão, conquistados com vitórias e empates verdadeiramente dentro de campo. Não reclame da sua falta de lembrança, mas as referidas cobras foram criadas dentro da própria Vila Olímpica Elzir Cabral. Lembra?

Destaque Léo Jaime no Horizonte

Voltemos a 29 de junho de 2004. Fundado apenas 3 meses antes, o Horizonte Futebol Clube se preparava para disputar pela primeira vez a terceira divisão do futebol cearense e tomava de 6×0 em um jogo amistoso contra o Ferroviário, que por sua vez iria disputar a Série C do campeonato brasileiro. No comando técnico do Horizonte estava Jorge Pinheiro, ex-goleiro coral, que havia sido treinador do próprio Ferrão no início daquela temporada. Sob as bençãos do então presidente Paulo Wágner, o Horizonte tomou emprestado vários jogadores da base coral, inclusive alguns profissionais após a desclassificação do clube no certame nacional, entre eles o zagueiro Cícero César, o atacante Stênio e o meia Júnior Cearense, pra citar apenas os mais famosos. Todo ano, o fato voltava a se repetir com uma leva de jogadores corais emprestados ao Horizonte. Foi assim que a equipe galgou o acesso da terceira para a segunda divisão já em 2005 e fez sua estreia na divisão de elite em janeiro de 2008. Foram menos de quatro anos de um progresso invejável, que contou com injeção financeira preponderante por parte da prefeitura da cidade e tecnicamente baseou-se no empréstimo de jogadores, em sua maioria do elenco do Ferroviário. Foi assim que nomes como o goleiro Jéfferson, o atacante Léo Jaime, o zagueiro Carlinhos, entre outros, subiram a equipe horizontina. No segundo semestre de 2009, com um ano de mandato ainda a cumprir, porém em rota de colisão política que ocasionou a saída coletiva de 8 diretores, o presidente Paulo Wágner renuncia ao cargo e assume a presidência de outra equipe local: o próprio Horizonte, onde permanece até hoje.

Valdemar Caracas entre o Terra e Mar coral

Lembremos também que no segundo semestre de 2007, todo elenco do Ferroviário foi emprestado para que o Terra e Mar, tradicional equipe amadora do futebol alencarino, disputasse a terceira divisão cearense. Seria uma maneira inteligente de movimentar o elenco coral, diziam na época. Até o estádio Elzir Cabral foi cedido para os treinos e jogos oficiais do Terra e Mar. Da equipe do belo bairro do Mucuripe, só as camisas. Foi na época que o Ferroviário virou Terra e Mar que aconteceu um dos fatos mais surreais da história coral. Nos festejos do centenário do fundador Valdemar Caracas, comemorados em vida e com a inauguração de um busto na sede, os jogadores do Ferrão posaram pra fotos vestidos com  a gloriosa camisa coral, entre eles o volante Guto, o meia Jack Chan e os laterais Wescley Lagoa e Teles. Em seguida, desceram as escadas e colocaram o uniforme do Terra e Mar para mais um compromisso pela terceira divisão daquele ano. Visivelmente incomodado com a situação, o ex-diretor Ruy do Ceará, um dos maiores nomes da nossa história, bradou ao microfone: “Dizem que recordar é viver duas vezes. Não é. No nosso caso, recordar é morrer de saudade“. E foi aplaudido de pé pelos presentes. Felizmente – repare na vergonha dessa afirmação – o Terra e Mar não se transformou numa cobra a nos picar. Mostrando a habilidade gerencial do comando coral, o time sucumbiu na competição com derrotas seguidas e foi precocemente eliminado em um campeonato de nível técnico que simplesmente beirou ao ridículo.

Polozzi: técnico do Ferrão/Alto Santo

O modelo de 2007 era a grande solução e foi replicado no ano seguinte, porém com uma novidade que causou frisson internamente: o acordo para apoio econômico vindo da prefeitura de uma cidade que acabara de criar uma nova equipe. Sem calendário e rebaixado para a Série D do campeonato brasileiro, fruto de um desastroso primeiro turno no Estadual de 2008, a solução veio rapidamente com a promessa financeira para todo elenco coral representar o Alto Santo Esporte Clube, uma ideia pactuada entre o então prefeito Adelmo Aquino e o presidente Paulo Wágner, que acabara de reassumir a presidência, após menos de um ano de gestão de seu sucessor Francisco Neto, que renunciara alegando problemas médicos. O treinador? Ninguém menos que Fernando Polozzi, ex-zagueiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1978 na Argentina, com o retrospecto da boa campanha no comando do Ferrão durante o segundo turno do Estadual. Mais uma vez, toda estrutura coral foi cedida como barriga de aluguel: funcionários, instalações, comissão técnica e todos os jogadores emprestados. O time do Alto Santo mandava seus jogos longe de casa, dentro do próprio estádio Elzir Cabral. Em ação pela nova equipe, o goleiro Jéfferson, o volante Alberto, o atacante Danúbio, o zagueiro Nemézio, os meias Guto e Leonardo, e uma jovem promessa coral que depois jogou em grandes clubes do país: Siloé. Oito anos depois, talvez ninguém lembre da incompetência coral, travestida de Alto Santo, que fez com que a equipe não conseguisse o acesso para a segunda divisão em mais uma edição de nível técnico horroroso, porém estava criada mais uma cobra dentro da própria Barra do Ceará.

download

… a cobra que picou o criador.

Em linhas gerais, foi assim uma parte dos fatos que fizeram com que o Ferroviário se apequenasse no cenário nordestino na última década, e que hoje seja vergonhosamente picado pelas próprias cobras que ajudou a criar. A marca ´Ferroviário´ foi esquecida repetidas vezes para dar lugar a projetos e parcerias descabidas com nomes menores como Horizonte, Terra e Mar e Alto Santo. Perdeu-se calendário e esqueceu-se de brigar por ele. Uma coisa é certa, nunca se viu um torcedor do Ferroviário no estádio torcendo pelo próprio clube travestido pelo uniforme destas equipes, porque no futebol quem ama não muda de time, simples assim.  A temporada de 2016 será decidida nos tribunais, como o blog já destacou. Ironicamente, criador e criaturas entram em conflito num jogo de interesses que, em nenhum momento da segunda divisão, foi limpo. O futuro é incerto e o destino do Ferroviário e das cobras que ajudou a criar está, lamentavelmente, nas mãos do Tribunal de Justiça Desportiva. Dele, espera-se uma única coisa: justiça. E que a Federação Cearense de Futebol se manifeste em favor da lisura da sua própria competição, porque tá feio pra todo mundo.

LANÇADO DOCUMENTÁRIO SOBRE ASCENSÃO E QUEDA DO FERROVIÁRIO

12744489_1078939318835019_7733652895897134357_n

Gustavo Linhares (de azul) e a banca que atribuiu nota máxima ao documentário sobre o Ferrão

O rol de produções audiovisuais sobre o futebol cearense está definitivamente mais rico. Depois de bons vídeos destacando os rivais Ceará e Fortaleza, agora é o Ferroviário que acaba de ganhar um belo e interessante documentário. A produção partiu do jovem Gustavo Linhares, que utilizou sua obra como trabalho de conclusão do curso de Jornalismo na Universidade Federal do Ceará, sob a orientação do Prof. Dr. Ricardo Jorge. Aprovado com nota máxima, o material intitulado “Descarrilhou… Ferroviário Atlético Clube: da Locomotiva de Glórias à 2ª Divisão do Campeonato Cearense” aborda os principais fatos da história coral desde sua fundação, focando principalmente os acontecimentos que levaram à perda de prestígio coral desde o bicampeonato 94/95 e a saída do presidente Clóvis Dias, culminando com a realização de campanhas pífias, crises políticas, seguidas lutas contra o descenso nos últimos 20 anos e o inevitável rebaixamento estadual em 2014. Em meio a uma elogiável narrativa, o documentário cobre in loco as partidas do Ferrão na segunda divisão estadual de 2015 com imagens dos vestiários, cobertura da campanha e da paixão dos torcedores que não abandonaram o time durante a competição, não obstante uma das mais vexatórias campanhas do clube em todos os tempos, quando terminou de forma vergonhosa na 6ª colocação.

12657246_1072493499479601_2666700232830615745_o

Documentário ficou pronto na semana passada

A obra de Gustavo Linhares tem o mérito de abordar e ouvir nomes importantes na caminhada do Ferroviário durante os 63 minutos do documentário. Através de imagens de arquivo, personalidades como o já falecido Valdemar CaracasIarley, Zé Limeira e Clóvis Dias, dentre outros, interagem de forma majestosa com a narrativa da história coral, dialogando ainda com depoimentos gravados junto ao eterno ídolo Pacoti, o historiador Airton de Farias, o ex-governador Lúcio Alcântara, dirigentes, ex-jogadores, torcedores e atletas do elenco de 2015, além de membros da crônica esportiva cearense, que expõem suas idéias sobre o declínio do Ferroviário nas últimas décadas, intercalando com memoráveis imagens de craques do passado e vídeos de jogos históricos do clube, entre eles o golaço do lateral direito Paulo Maurício, de falta, contra o Flamengo/RJ de Zico, em 1982, no Castelão. Apesar do tema doloroso, a abordagem sobre o rebaixamento coral teve o mérito de levantar com isenção as várias nuances técnicas e políticas que cercaram aquele episódio, além de evidenciar as agruras, dificuldades de gestão, limitações financeiras, bem como a persistente falta de estrutura identificada durante a tentativa de retorno à 1ª divisão no ano passado. A versão em DVD do documentário traz ainda um material extra que destaca histórias curiosas, a origem do termo Tubarão da Barra e uma bela lembrança e homenagem à torcedora Dona Filó, falecida em 1963, que dá nome à rua onde foi erguido o estádio do Ferroviário.

clovis dias

Imagem de Clóvis Dias no documentário

A primeira exibição de “Descarrilhou… Ferroviário Atlético Clube: da Locomotiva de Glórias à 2ª Divisão do Campeonato Cearense” ocorreu na semana passada, na própria Universidade Federal do Ceará. Em março, o produtor espera organizar uma nova exibição do vídeo para os curiosos em algum dos auditórios do curso de Jornalismo na UFC. Por enquanto, não existe previsão da chegada do material no YouTube, já que Gustavo Linhares pretende inscrever sua preciosa obra em festivais audiovisuais pelo Brasil afora e estes exigem o ineditismo da película em mídias de exibição pública. Fica a sugestão do Almanaque do Ferrão.

PRIMEIRO TÍTULO ESTADUAL DO FERRÃO COMPLETA 70 ANOS

ferrao_45222

Foto do Ferroviário campeão estadual em fevereiro/1946: Valdemar Caracas, Caranguejo, Babá, Alderi, Benedito, Chinês e Dandoca. Agachados: Olívio, Aracati, Charutinho, Almeida e Pipi.

O título foi o de campeão cearense de 1945, mas a conquista veio em 1946, exatamente num 17 de fevereiro como hoje. Há 70 anos, o Ferroviário Atlético Clube conquistava seu primeiro campeonato estadual e grafava seu nome na galeria dos grandes times do futebol alencarino. Sob o comando do próprio fundador Valdemar Caracas, que exercia na ocasião a função de treinador da equipe, o legítimo representante da classe ferroviária do estado do Ceará batia, de virada, o poderoso Maguari por 3×1, com gols de Pipi, Toinho II e Charutinho, conquistando um resultado histórico e enchendo de alegria uma grande legião de torcedores que acompanhava a agremiação coral. O jogo foi disputado num acanhado estádio Presidente Vargas e teve o lendário árbitro Rolinha no apito.

foto 04322

Os jornais da cidade de Fortaleza estampavam: Ferroviário campeão cearense de 1945

A competição teve apenas 9 jogos para o Ferroviário, um deles vencido por WO contra o Fortaleza. Nas outras 8 partidas disputadas em campo, o Almanaque do Ferrão registrou a seguinte participação de cada atleta: Zé Dias (7 jogos), Gumercindo (1), Caranguejo (8), Benedito (8), João Bombeiro (5), Chinês (8), Dandoca (8), Toinho II (8), Aracati (8), Charutinho (8), Duó (4), Almeida (4), Pipi (8) e Osvaldo (3). Na foto mais famosa do título, nota-se a ausência do goleiro titular Zé Dias e também de seu reserva imediado Gumercindo. Quem aparece é o jovem Alderi, que apesar de não ter participado de nenhuma partida oficial no certame, fixou-se como titular por um período logo após a conquista. O defensor Babá e o atacante Olívio também saíram na foto com o troféu, mesmo sem terem disputado jogos oficiais no campeonato. Na final contra o Maguari, no jogo de número 194 de toda a trajetória coral, o Ferrão formou com Zé Dias, Caranguejo e Benedito; Dandoca, Chinês e Osvaldo; Toinho II, Aracati, Charutinho, Almeida e Pipi. O Maguari jogou com Rai, Valdemar e Popó; Roberto, Otávio e Stênio; Gerson, Dudu, Jombrega, Henrique e Deefeito. Partida histórica para sempre ser lembrada!

PROGRAMA OFICIAL DE RÁDIO DO FERRÃO COMPLETA 150 EDIÇÕES

radio ferrão 2015

Equipe atual da Rádio Ferrão em meio aos gestores da parceira Buy Soccer e novos jogadores

O programa radiofônico de maior longevidade na história do Ferroviário chegou a 150 edições nessa semana. Denominado de Rádio Ferrão, o semanário coral atualmente vai ao ar às segundas-feiras, de 21h às 22h30, pela Ceará Rádio Clube 1200 AM de Fortaleza, e tem contado com a sempre competente apresentação do radialista Saulo Tavares, desde a primeira edição do programa em outubro de 2007. Sua fase de maior longevidade durou até fevereiro de 2010, retornando ao ar no final de 2013 e indo até meados do ano seguinte. Voltou à programação da emissora em outubro de 2015 para deleite dos torcedores corais. Na semana passada, os gestores da empresa paulista Buy Soccer participaram ao vivo e anunciaram novidades para o setor de futebol do Ferrão, uma delas o retorno do goleiro Camilo para as disputas da segunda divisão cearense.

Rádio Ferrão_Zé Rego_2

Ex-presidente José Rego Filho ao vivo no programa apresentado em 19 de outubro de 2008

Ao longo do tempo, várias personalidades importantes passaram pela Rádio Ferrão como dirigentes, ex-presidentes, ex-diretores, ex-atletas e novos jogadores recém contratados para o Ferroviário Atlético Clube. Nomes como José Rego Filho, Ruy do Ceará, Ribamar Soares, Carlos Mesquita, Facó, Marcelino, Gilmar Silva, Fernando Polozzi, Joel Cornelli, Marcelo Silva, Oliveira Canindé, Armando Desessards, Edmar, Robério, Mirandinha, CavalheiroWilson, Clébson, Jéfferson, Tiago Gasparetto, Aldemir, Renato Rocha, Evaldo Lima, Valdemar Caracas, entre outros, abrilhantaram o programa coral com informações e novidades importantes acerca do cotidiano do clube.

Radio Ferrao_37_1

Rádio Ferrão com o ex-jogador Mirandinha no antigo estúdio da emissora em julho de 2008

Tradicionalmente, a Rádio Ferrão tem mantido as principais seções que consolidaram a estrutura original do programa, tais como a realização de perguntas que valem prêmios para os ouvintes, sorteios, recordação de jogos antigos através da vinheta ´Túnel do Tempo´, entre outras atrações. Chegando agora ao expressivo número de 150 edições levadas ao ar, o que mais o torcedor do Ferroviário deseja é que outras 150 se sucedam no futuro sempre com a mesma qualidade e interação. Vida longa à Rádio Ferrão!

radio Ferrão_Joel Cornelli 006

Treinador Joel Cornelli numa das últimas edições da primeira fase em fevereiro de 2010

PERSONAGENS DA GRANDE FINAL E SUAS MEMÓRIAS DO BICAMPEONATO

Ainda na comemoração dos 20 anos do bicampeonato 94/95, a TVDN divulgou ontem uma matéria envolvendo personagens corais presentes no dia da grande final contra o Icasa. Confira acima o brilhante trabalho dos jornalistas Irailton Menezes e Ivan Bezerra, que ousaram em sincronizar passado e presente de uma forma muito emocionante. Entre os participantes estão o veloz atacante Reginaldo, o artilheiro Robério e o lateral esquerdo João Marcelo, que retornaram ao Estádio Presidente Vargas para recordar suas lembranças da memorável tarde de 10 de dezembro de 1995, um dia que a cidade de Fortaleza parou para admirar a alegria contagiante dos torcedores corais pelas ruas.

Ferrão 1995 Bi

Em pé: Nasa, Jorge Luis, Batista, João Marcelo, Santos, Alencar, Ricardo Lima e Roberval; Agachados: Hilton, Piti, Robério, Biriba, Acássio, Paulo Adriano, Branco e Reginaldo.

Além dos três jogadores homenageados no vídeo, o Almanaque do Ferrão reforça também a importância de todo o elenco. Foram 32 jogadores que vestiram pelo menos uma vez a camisa coral naquela brilhante campanha. Para sempre lembrados e reverenciados na história coral: os goleiros Jorge Luiz, Roberval e Miguel; os laterais Biriba, Nasa, Alex, Branco e Márcio Sales; os zagueiros Batista, Santos, Aldo e Alencar; os volantes Paulo Adriano, Ricardo Lima, Vágner e Neném; os meias Acássio, Borges, Basílio, Esquerdinha, Hilton e Melo; e os atacantes Piti, Toninho, Chico Pita, Somar, Wilson, Magno e Sandro. E Dá-lhe Peixe, como costumava-se gritar naquela época.

IMAGENS DO BICAMPEONATO CORAL DA EXTINTA TV MANCHETE

As imagens acima são raras e perfeitas. Dizem muito mais que palavras e evidenciam a total plenitude do bicampeonato do Ferroviário conquistado há exatos 20 anos. Retiradas dos arquivos da sucursal cearense da extinta TV Manchete, elas são capazes de emocionar e resgatar figuras importantíssimas da história coral. Assista e mate a saudade de jogadores como Acássio, Esquerdinha e Robério, do vitorioso técnico Ramon Ramos, do também vitorioso diretor de futebol Douglas Albuquerque – campeão pelo Ferrão em sua época de atleta e também como dirigente – de figuras carismáticas e imortais como Valdemar Caracas e Zé Limeira, e do inesquecível presidente Clóvis Dias, um paranaense que deu ao clube algo que nenhum cearense conseguiu: o título inédito de bicampeão estadual, fazendo-o grande, como sempre foi, em seus quase cinco anos de mandato, naquele que foi o período mais alvissareiro da gloriosa história coral.