FALTOU UM JOGADOR NA FOTO DO TIME QUE PEGOU O CORINTHIANS/SP

Contra o Corinthians/SP – Em pé: dois membros da comissão, Aderson, Carlinhos, Cícero César e Maurício Pantera; Agachados: Pastor, Stênio, Arildo, Glaydstone, Marcelo e Júnior Cearense.

Esse foi o time que entrou em campo contra o Corinthians/SP na Copa do Brasil de 2004. Como dá pra perceber, falta um jogador na imagem. Trata-se justamente do zagueiro Cláudio, que já foi destaque aqui no blog em uma postagem de 2015. Ele dava entrevista para uma emissora de rádio na hora da foto e deixou de aparecer numa imagem histórica. Era a primeira vez que o Ferrão enfrentava o time paulista em toda a história. Na ocasião, como o jogo foi transmitido pela TV Globo para todo o Brasil, o Ferroviário recebeu o patrocínio pontual da marca de refrescos Camp. No primeiro tempo, o jogo foi de igual pra igual. O time coral poderia ter saído vencedor e chegou a colocar até bola na trave. Na etapa final, o Tubarão da Barra ficou meio atordoado após as modificações e o Corinthians aproveitou bem, eliminando o Ferrão da competição. Maurício Pantera e Júnior Cearense eram os destaques da equipe.

ADVERSÁRIO CORAL NA COPA DO BRASIL DE 2019 É O CORINTHIANS/SP

Ferroviário Atlético Clube participará pela sexta vez na história da Copa do Brasil em 2019

Saiu o resultado do sorteio na CBF e o Corinthians/SP é o primeiro adversário do Ferroviário na Copa do Brasil de 2019. As duas equipes poderão reeditar a única vez que estiveram frente a frente na história, coincidentemente pela mesma Copa do Brasil, só que na temporada de 2004. Apesar da derrota por 2×0 no antigo Castelão na ocasião, resultado que dispensou a necessidade do jogo da volta na capital paulista, a torcida do Ferroviário fez uma bela festa e compareceu em número de 9.857 presentes. Wilson e Jô marcaram para o Corinthians. Comandado pelo ex-goleiro Palmiéri, o time coral perdeu para o Timão com o futebol de Aderson, Arildo, Cícero César, Carlinhos e Marcelo; Cláudio, Glaydstone, Júnior Cearense e Pastor (Clemílson); Maurício Pantera (Rosivaldo) e Stênio (Gil Bala). O Corinthians venceu com Rubinho, Rogério, Anderson, Váldson e Vinícius (Moreno); Fabinho, Fabrício, Rincón e Gil;  Bobô (Wilson) e Jô (Pingo). O primeiro tempo do Ferroviário foi primoroso naquela oportunidade. Chances de gols não faltaram. No intervalo da partida, animados com a boa atuação e o 0x0 no placar, tinha torcedor no Castelão combinando a viagem a São Paulo para o segundo jogo. Na etapa complementar, Palmiéri mexeu mal na equipe e o ritmo caiu vertiginosamente de produção. O Corinthians se aproveitou e achou a vitória. Prepare-se para 2019 recordando os lances abaixo do jogo de 2004. Quinze anos depois, tem vingança sendo preparada?

MEIA VALDECI ALCANÇA A MARCA DE 100 JOGOS COM A CAMISA DO FERRÃO

Valdeci chega aos 100 jogos pelo Ferroviário

O fato não acontecia desde a década passada com Arildo, Cícero César, Junior Cearense, Stênio, Zezinho, Glaydstone, Marcos Aurélio, Édio e Jéfferson. Porém, por ocasião do último jogo do Ferroviário na Taça Fares Lopes, ele voltou a acontecer. O meia Valdeci, cria das bases corais, atingiu a marca de 100 jogos com a camisa do Tubarão da Barra. O feito coloca o atleta no encerramento de 2018 na 97ª posição entre os jogadores que mais vezes entraram em campo pelo time coral em toda a história, ultrapassando os números do zagueiro Léo entre 1985 e 1987 e do atacante Mano entre 1968 e 1970. A trajetória de Valdeci no time principal do Ferrão começou no dia 20/07/2013 quando foi lançado pelo treinador Julinho Camargo num amistoso contra o Sindicato dos Atletas no Elzir Cabral. A partir da Taça Fares Lopes de 2014 passou a jogar com mais frequência e atingiu grande destaque na campanha do Ferrão na Série B cearense de 2016 quando foi um dos principais jogadores do time. Em 2018, Valdeci marcou, entre 25 no total, um dos gols mais importantes de sua carreira no Ferroviário, o de empate contra o Sport/PE na Ilha do Retiro depois do time coral estar em desvantagem por 3×0 até os 30 minutos do segundo tempo. Ao final dos 90 minutos, ainda converteu um dos pênaltis na decisão  contra a equipe pernambucana que levou o Ferroviário para a terceira fase da Copa do Brasil. Que a marca de Valdeci sirva de inspiração para os demais atletas corais, jovens ou experientes, no objetivo de construírem uma carreira marcante no Ferrão.

FERRÃO GANHA A TAÇA FARES LOPES PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA

Ferroviário Atlético Clube campeão da Taça Fares Lopes de 2018: Siloé, Valdeci, Afonso, André Lima, Jean, Mazinho, Lucas Mendes, Janeudo, Edson Cariús, Gleibson e Leanderson

Exatos três meses depois de quebrar um jejum de 23 anos sem títulos com a conquista monumental e inédita da Série D do campeonato brasileiro, o Ferrão volta a fazer história em 2018 e sagra-se novamente campeão, também de maneira inédita, da Taça Fares Lopes. Em outras palavras, no dia 4 de novembro, o torcedor coral voltou a sorrir como no dia 4 de agosto! Jogando contra o Caucaia no PV e precisando vencer por dois gols de diferença, o Ferrão fez 3×1 no jogo decisivo com gols de Siloé, Edson Cariús e Kel Baiano, este marcando o gol do título aos 41 minutos do segundo tempo. Logo ele, uma espécie de predestinado coral, já que havia jogado somente 19 minutos em toda a competição e, lançado por Marcelo Vilar na finalíssima, entrou em campo aos 33 minutos do segundo tempo para assinalar o gol consagrador exatamente 8 minutos depois, selando seu nome na história coral e nos anais do futebol cearense. Vale a pena conferir os lances do jogo no vídeo abaixo e conferir os golaços do jogo.

Apitado por Avelar Rodrigo e diante de um público de 2.174 pessoas, este foi o jogo de número 3.647 da história do Ferroviário, que atuou com o futebol de Gleibson, Lucas Mendes, Afonso, André Lima (Da Silva) e Jean; Mazinho, Leanderson, Janeudo e Valdeci (Róbson Simplício); Siloé (Kel Baiano) e Edson Cariús, mais uma vez artilheiro de uma competição com a camisa coral, agora com 5 gols na Taça Fares Lopes. O Caucaia, do ex-treinador coral Washington Luiz, jogou com Rafael, Talisson, Luiz Gustavo (Cléo), Olávio e Elves; Lincoln, Diego Silva, Vanderlan e Netinho (Moré); Ciel e Thiaguinho (Tininho). Desses, o meia Cléo, os volantes Lincoln e Diego Silva, além do atacante Moré, jogaram no Ferroviário em temporadas anteriores. Mas o bom da festa da conquista de mais um título coral e da vaga assegurada para a Copa do Brasil de 2019 é a vibração e a emoção dos torcedores e dos jogadores em campo, por isso vale a pena conferir abaixo mais um vídeo da TV Artilheiro com as entrevistas durante a comemoração de mais um campeonato conquistado pelo Ferroviário Atlético Clube.

FERRÃO BUSCA CHEGAR NA FINAL DA FARES LOPES PELA PRIMEIRA VEZ

Ferroviário rumo ao título em 2018?

Atualmente o Ferroviário Atlético Clube disputa mais uma edição da Taça Fares Lopes. Essa é a sétima participação coral na competição, que foi criada em 2010 com o objetivo de oferecer mais calendário aos clubes cearenses e cujo campeão garante uma vaga na Copa do Brasil do ano seguinte. Por questões financeiras, o Ferrão não disputou as edições de 2016 e 2017. De volta em 2018, depois do título inédito de campeão brasileiro da Série D, o Tubarão da Barra está prestes a conseguir mais um feito histórico: chegar à final da Taça Fares Lopes pela primeira vez. E ontem o primeiro passo foi dado. Jogando fora de casa contra o Horizonte/CE, o time coral fez 2×0 e joga a segunda partida podendo perder até pelo mesmo placar. O zagueiro Da Silva e o lateral esquerdo Italo, ambos contratados após o campeonato brasileiro, marcaram pela primeira vez com a camisa coral naquele que registra-se agora oficialmente como o jogo de número 3.644 da história do Ferroviário. Quer conferir os melhores momentos do jogo? É só assistir o vídeo abaixo e cruzar os dedos para o Ferrão ser também campeão da Taça Fares Lopes na atual temporada, o que garantirá o clube em mais uma edição da Copa do Brasil e, de quebra, o segundo título coral em apenas três meses. Bom demais pra quem esperou quase 23 anos na fila…

TORCEDOR CORAL REÚNE CAMPEÕES NACIONAIS EM SEU BUFFET INFANTIL

Torcedor Emanuel Brasileiro prometeu e cumpriu a promessa feita ao campeão nacional Janeudo

O domingo passado foi de bastante alegria e integração para alguns dos campeões brasileiros de 2018, principalmente para os jogadores que têm filhos em idade infantil. Cumprindo uma promessa feita aos atletas nos momentos decisivos da Série D, o torcedor e empresário Emanuel Brasileiro colocou o Buffet Cata-vento, franquia nacional de sua propriedade em Fortaleza, à disposição para comemoração do aniversário dos filhos do meia Janeudo, um dos principais nomes do Ferrão na conquista nacional. O craque coral recepcionou companheiros de clube, dirigentes, parceiros corais e amigos da família numa tarde memorável para a criançada.

Jogadores corais na festa infantil

A rede de buffets de festas infantis Cata-vento é originariamente de São Paulo e está no mercado há mais de 25 anos, chegando a Fortaleza em forma de franquia no ano de 2014. A festa coral aconteceu na unidade do bairro da Parquelândia, espaço onde os brinquedos são de última geração, seguros e onde os profissionais mostram-se capacitados para animar a criançada através de brincadeiras lúdicas e envolventes. Os filhos do meia Janeudo tiveram uma festa certamente inesquecível e a participação da criançada dos jogadores do atual elenco do Ferrão serviu para unir o grupo que tenta nas próximas semanas a classificação para a semifinal da Taça Fares Lopes, competição que o time coral não disputava desde 2015 e que vale uma vaga para a Copa do Brasil da próxima temporada. Somente o campeão da competição terá direito à vaga e o Ferroviário Atlético Clube sabe mais do que ninguém da importância financeira desse campeonato, haja visto que a excelente campanha coral em 2018 foi importantíssima para o clube capitalizar os recursos aplicados para o primeiro acesso nacional da história do Tubarão da Barra e o título de campeão brasileiro da Série D.

O CRAQUE QUE O FERROVIÁRIO MANDOU PARA O ATLÉTICO MINEIRO

Amilton Melo no Galo

Amilton Melo foi um dos maiores craques que o futebol cearense já produziu. Entre alguns poucos jogadores em comum que tiveram a honra de vestir as camisas do Ferroviário e do Atlético/MG em suas carreiras, talvez seja ele a maior conexão entre as duas equipes que se enfrentam hoje pela quarta fase da Copa do Brasil. Foram 126 partidas com a camisa coral e 47 gols marcados entre 1970 e 1973. Sua história no futebol começou em 1968 quando o saudoso Telê Santana o viu atuar numa preliminar com a camisa do América/CE e levou Amilton Melo para jogar no Fluminense/RJ. Depois de dois anos na base do tricolor carioca, voltou ao futebol cearense e conseguiu o status de ídolo coral, com grandes apresentações e principalmente por conta do título estadual de 1970. Dois anos depois, novamente Telê Santana o chamou para o Atlético/MG, onde atuou em seis partidas no segundo semestre de 1972. Certa vez, voltou à cidade de Fortaleza para enfrentar o Ceará com a camisa do galo mineiro. Depois da partida, saiu pra se divertir com Romeu e Cláudio, companheiros de equipe, e sofreu um acidente de carro, quebrando a mão direita e sendo obrigado a submeter-se a uma operação plástica no rosto. Devolvido ao Ferroviário no final do empréstimo, ainda disputou a temporada de 1973 pelo Tubarão da Barra até ser negociado com o Fortaleza, onde também brilhou.

O livro escrito por Amilton Melo

Cria do futebol de salão, Amilton Melo tinha dribles curtos e rápidos. Era o antigo ponta de lança que sabia fazer gols. Foi igualmente ídolo no Ceará na segunda metade da década de 70, onde também conquistou títulos. Poucos foram os jogadores que conseguiram a idolatria nos três maiores times do futebol cearense em todos os tempos. O craque Amilton Melo foi um deles. Em 1987, lançou um livro contando suas memórias no futebol e relatou detalhes sobre sua passagem no Atlético Mineiro. Intitulado como “Amilton Melo: o craque e o futebol cearense“, seu livro era vendido nas principais bancas de revistas da famosa Praça do Ferreira, no centro da capital cearense. Hoje, trata-se de item raro em sua versão física, apesar de poder ser achado em versão digital no Mercado Livre ao preço de 50 Reais. Depois que pendurou as chuteiras, Amilton Melo militou na radiofonia cearense como comentarista, formando ao lado de Júlio Sales, Chico Rocha e Vilar Marques um quarteto que deixou muitas saudades na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza. Depois, aos 41 anos de idade, ainda tentou uma volta aos gramados com a camisa do Calouros do Ar em 1990. Amilton Melo queria se divertir jogando mais um campeonato cearense e chegou a enfrentar o Ferrão no dia 30 de setembro, um domingo com cheiro de saudade para um já quarentão barrigudo. Na noite de 6 de julho de 1997, Amilton Melo foi assassinado com vários tiros de revólver na Rua Padre Antônio Vieira, no bairro do Couto Fernandes em Fortaleza.