TORCEDOR CORAL REÚNE CAMPEÕES NACIONAIS EM SEU BUFFET INFANTIL

Torcedor Emanuel Brasileiro prometeu e cumpriu a promessa feita ao campeão nacional Janeudo

O domingo passado foi de bastante alegria e integração para alguns dos campeões brasileiros de 2018, principalmente para os jogadores que têm filhos em idade infantil. Cumprindo uma promessa feita aos atletas nos momentos decisivos da Série D, o torcedor e empresário Emanuel Brasileiro colocou o Buffet Cata-vento, franquia nacional de sua propriedade em Fortaleza, à disposição para comemoração do aniversário dos filhos do meia Janeudo, um dos principais nomes do Ferrão na conquista nacional. O craque coral recepcionou companheiros de clube, dirigentes, parceiros corais e amigos da família numa tarde memorável para a criançada.

Jogadores corais na festa infantil

A rede de buffets de festas infantis Cata-vento é originariamente de São Paulo e está no mercado há mais de 25 anos, chegando a Fortaleza em forma de franquia no ano de 2014. A festa coral aconteceu na unidade do bairro da Parquelândia, espaço onde os brinquedos são de última geração, seguros e onde os profissionais mostram-se capacitados para animar a criançada através de brincadeiras lúdicas e envolventes. Os filhos do meia Janeudo tiveram uma festa certamente inesquecível e a participação da criançada dos jogadores do atual elenco do Ferrão serviu para unir o grupo que tenta nas próximas semanas a classificação para a semifinal da Taça Fares Lopes, competição que o time coral não disputava desde 2015 e que vale uma vaga para a Copa do Brasil da próxima temporada. Somente o campeão da competição terá direito à vaga e o Ferroviário Atlético Clube sabe mais do que ninguém da importância financeira desse campeonato, haja visto que a excelente campanha coral em 2018 foi importantíssima para o clube capitalizar os recursos aplicados para o primeiro acesso nacional da história do Tubarão da Barra e o título de campeão brasileiro da Série D.

O CRAQUE QUE O FERROVIÁRIO MANDOU PARA O ATLÉTICO MINEIRO

Amilton Melo no Galo

Amilton Melo foi um dos maiores craques que o futebol cearense já produziu. Entre alguns poucos jogadores em comum que tiveram a honra de vestir as camisas do Ferroviário e do Atlético/MG em suas carreiras, talvez seja ele a maior conexão entre as duas equipes que se enfrentam hoje pela quarta fase da Copa do Brasil. Foram 126 partidas com a camisa coral e 47 gols marcados entre 1970 e 1973. Sua história no futebol começou em 1968 quando o saudoso Telê Santana o viu atuar numa preliminar com a camisa do América/CE e levou Amilton Melo para jogar no Fluminense/RJ. Depois de dois anos na base do tricolor carioca, voltou ao futebol cearense e conseguiu o status de ídolo coral, com grandes apresentações e principalmente por conta do título estadual de 1970. Dois anos depois, novamente Telê Santana o chamou para o Atlético/MG, onde atuou em seis partidas no segundo semestre de 1972. Certa vez, voltou à cidade de Fortaleza para enfrentar o Ceará com a camisa do galo mineiro. Depois da partida, saiu pra se divertir com Romeu e Cláudio, companheiros de equipe, e sofreu um acidente de carro, quebrando a mão direita e sendo obrigado a submeter-se a uma operação plástica no rosto. Devolvido ao Ferroviário no final do empréstimo, ainda disputou a temporada de 1973 pelo Tubarão da Barra até ser negociado com o Fortaleza, onde também brilhou.

O livro escrito por Amilton Melo

Cria do futebol de salão, Amilton Melo tinha dribles curtos e rápidos. Era o antigo ponta de lança que sabia fazer gols. Foi igualmente ídolo no Ceará na segunda metade da década de 70, onde também conquistou títulos. Poucos foram os jogadores que conseguiram a idolatria nos três maiores times do futebol cearense em todos os tempos. O craque Amilton Melo foi um deles. Em 1987, lançou um livro contando suas memórias no futebol e relatou detalhes sobre sua passagem no Atlético Mineiro. Intitulado como “Amilton Melo: o craque e o futebol cearense“, seu livro era vendido nas principais bancas de revistas da famosa Praça do Ferreira, no centro da capital cearense. Hoje, trata-se de item raro em sua versão física, apesar de poder ser achado em versão digital no Mercado Livre ao preço de 50 Reais. Depois que pendurou as chuteiras, Amilton Melo militou na radiofonia cearense como comentarista, formando ao lado de Júlio Sales, Chico Rocha e Vilar Marques um quarteto que deixou muitas saudades na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza. Depois, aos 41 anos de idade, ainda tentou uma volta aos gramados com a camisa do Calouros do Ar em 1990. Amilton Melo queria se divertir jogando mais um campeonato cearense e chegou a enfrentar o Ferrão no dia 30 de setembro, um domingo com cheiro de saudade para um já quarentão barrigudo. Na noite de 6 de julho de 1997, Amilton Melo foi assassinado com vários tiros de revólver na Rua Padre Antônio Vieira, no bairro do Couto Fernandes em Fortaleza.

FERRÃO X ATLÉTICO/MG VOLTAM A SE ENFRENTAR DEPOIS DE 37 ANOS

Com um gol contra do lateral Jorge Luís, o Atlético Mineiro chegou ao empate no jogo de 1981

Saiu o novo adversário do Ferroviário na quarta fase da Copa do Brasil e ele é uma das equipes mais tradicionais do futebol brasileiro! Através de sorteio na manhã de hoje na sede da CBF, ficou definido o Atlético/MG como próximo embate coral. Depois de Confiança/SE, Sport/PE e Vila Nova/GO, chegou a hora do Ferrão enfrentar um dos considerados gigantes do futebol brasileiro! O novo confronto não é inédito, porém é raro já que Atlético Mineiro e Ferroviário só se enfrentaram uma única vez até hoje em toda a história. Foi no dia 25 de Janeiro de 1981 em jogo válido pela primeira fase do campeonato brasileiro daquela temporada. Naquela oportunidade, por muito pouco o Ferrão não saiu vencedor diante da forte equipe mineira, que contava com um grande elenco. O jogo ficou no 1×1, mas o time coral ainda perdeu um pênalti por intermédio do ponta direita Jangada, desferido no travessão. A perda da penalidade máxima cometida por Orlando em cima do experiente Marco Antônio deu muito o que falar depois da partida porque o cobrador oficial era o volante Baltazar e Jangada pegou a bola pra bater, o que gerou muita insatisfação por parte do técnico Lucídio Pontes.

Jangada carimba o travessão do goleiro do Atlético Mineiro e o jogo fica no 1×1 no Castelão

Foi o jogo 1.805 da trajetória do Ferrão, que formou naquele domingo com o futebol de Salvino, Ramirez (Zé Carlos), Lúcio Sabiá, Jorge Luís e Jorge Henrique; Baltazar, Jacinto (Doca) e Jeová; Jangada, Roberto Cearense e Marco Antônio. Treinado por Procópio Cardoso, o Atlético/MG jogou com Celso, Orlando, Osmar Guarnelli, Silvestre e Jorge Valença; Heleno, Renato e Palhinha; Pedrinho, Fernando Roberto e Chico Spina. O time mineiro jogou desfalcado de quatro importantes jogadores na ocasião: o goleiro João Leite, o zagueiro Luizinho, o meio campista Toninho Cerezo e o atacante Reinaldo, todos eles serviam a seleção brasileira que disputava o Mundialito no Uruguai. O árbitro desse jogo foi o famoso José Roberto Wright, que chegou a apitar  quatro jogos na Copa do Mundo da Itália nove anos depois. Os gols foram de Jacinto no primeiro tempo e Jorge Luís (contra) na etapa final para o Atlético. Um público de 3.479 pagantes foi ao Castelão naquela tarde de 1981. Agora, trinta e sete anos depois, as duas equipes voltam a se enfrentar em mais duas partidas, uma em Fortaleza e outra em Belo Horizonte. Será que o Ferrão segue adiante?

PARTICIPAÇÃO MAIS QUE HISTÓRICA DO FERRÃO NA COPA DO BRASIL

A participação do Ferrão na Copa do Brasil de 2018 já era considerada histórica desde quando o time coral passou pelo Sport/PE no episódio que ficará sempre conhecido como o ´Milagre da Ilha` dada as circunstâncias da partida. O Tubarão da Barra perdia por 3×0 e conseguiu o empate nos últimos 15 minutos de jogo, levando a decisão para os pênaltis e conquistando a vaga para a terceira fase da competição. Exatamente um mês depois, o Ferroviário avançou mais ainda na Copa do Brasil e venceu o Vila Nova/GO por 1×0 dentro do Serra Dourada em Goiânia, depois de uma pressão gigantesca do time da casa, apoiado por mais de 30 mil pessoas no estádio. O vídeo acima mostra os melhores momentos da partida, que diante da campanha épica coral pode perfeitamente ser chamada de ´Batalha do Serra Dourada`. Por que não?

Janeudo: dois gols nos jogos contra o Vila Nova

Coube ao meia Janeudo o papel de protagonista do feito coral naquele que foi o jogo de número 6.005 da história do clube. Ele, que já havia marcado no empate em 1×1 no primeiro jogo entre Ferrão e Vila Nova/GO no PV, voltou a repetir a dose e marcou o gol da vitória no Serra Dourada em cobrança de falta. O Ferrão segue adiante na Copa do Brasil, competição anualmente realizada pelo CBF desde o final da década de 80, mas que teve a participação coral apenas nas edições de 1989, 1995, 1996, 2004 e 2018. Apenas em 2004, o Tubarão da Barra havia conseguido chegar na segunda fase. Na atual temporada, o clube já garantiu a sua presença na quarta fase e espera seguir fazendo história, o que tem garantido uma ótima projeção nacional nos noticiários de TV pelo Brasil afora e um faturamento milionário nunca antes verificado nos 85 anos de história coral. Dá-lhe Ferrão!

ADVERSÁRIO INÉDITO PARA O JOGO 3.600 DA HISTÓRIA DO FERROVIÁRIO

Ferroviário alcança essa marca na noite de hoje em confronto inédito contra o Vila Nova de Goiás

O Ferroviário Atlético Clube entra em campo hoje à noite para fazer novamente história! Depois de quase 85 anos depois de fundado, o time coral fará a partida de número 3.600 em toda sua existência e com um adversário mais que especial já que pela primeira vez em todas as décadas já vividas, o Ferrão enfrenta o Vila Nova/GO. Além do ineditismo do adversário, o confronto traz outro detalhe inédito no caminho do Tubarão da Barra: o jogo é válido pela terceira fase da Copa do Brasil. É a primeira vez que o clube coral alcança esse estágio da competição. O primeiro jogo é Fortaleza e a partida de volta acontecerá no dia 15 de março em Goiânia, cidade na qual o Ferrão já atuou em duas oportunidades: 1989 e 1996, ambas pela Copa do Brasil, só que contra o Goiás/GO, adversário tradicional do Vila Nova no futebol goiano.

NELSINHO BAPTISTA NUNCA CONSEGUIU DERROTAR O FERRÃO

O experiente treinador Nelsinho Baptista talvez tenha que carregar por muito tempo uma curiosidade nada agradável em seu currículo no futebol. Ele nunca conseguiu vencer o Ferroviário nas vezes em que enfrentou o Tubarão da Barra, seja como jogador ou como técnico. As trajetórias de Nelsinho e do Ferroviário se cruzaram por duas vezes apenas, mas certamente o jogo da última quinta-feira será eternamente o mais lembrado. Nelsinho Baptista, que foi campeão da própria Copa do Brasil com o Sport/PE em 2008, viu seu time sucumbir à persistência coral na Ilha do Retiro justamente no ano em que voltou a comandar o rubro-negro pernambucano. Mas você  lembra quando o atual treinador do Sport cruzou o caminho do Ferrão pela primeira vez? É preciso voltar quase 40 anos no tempo para recordar um jogo da época em que ele era lateral do Santos/SP e fazia parte do time consagrado como os famosos ´Meninos da Vila`, uma geração de grandes jogadores formados na Vila Belmiro.

Nelsinho é o primeiro à esquerda, em pé, no Santos dos Meninos da Vila que jogou no PV

É preciso lembrar também que depois dos famosos embates contra o Santos de Pelé em 1967 e 1968, o Ferroviário só voltou a enfrentar o alvinegro praiano no campeonato brasileiro de 1980. Foi no dia 28 de Fevereiro daquele ano, no PV, e o poderoso Santos dos Meninos da Vila, finalista do campeonato paulista daquela temporada, esbarrou em 1×1 com o Tubarão da Barra. Foi o jogo 1.739 da nossa história e Nelsinho Baptista era o lateral direito do Santos naquela oportunidade. Confira a escalação do time paulista, treinado pelo lendário Pepe, que havia justamente participado dos confrontos com o Ferrão na década de 60 como ponta esquerda: Marola, Nelsinho, Joãozinho, Neto e Paulinho (Washington); Gilberto Costa, Rubens Feijão e Pita; Nilton Batata, Aloísio Guerreiro (Claudinho) e João Paulo. O Ferrão do técnico Aristóbulo Mesquita empatou com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá (Doca), Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Artur, Bibi e Jacinto; Ari (Carlos Brasília), Almir e Nilsinho. Naquele dia, 11.869 pagantes foram ao PV prestigiar um grande jogo em que Rubens Feijão marcou para o Santos e Almir empatou 3 minutos depois para o Ferrão.

Foto do Ferrão em 1980: a maioria desses jogadores enfrentaram o Santos com Nelsinho Baptista

SPORT 3X3 FERRÃO: UM JOGO ÉPICO PARA SER ETERNAMENTE LEMBRADO

O Ferrão viveu na noite de ontem um momento épico que será lembrado daqui a cem anos. Pela primeira vez na história, o time coral passou para a terceira fase da Copa do Brasil e o feito aconteceu de uma forma simplesmente emocionante. Jogando na Ilha do Retiro, em Recife, estádio de propriedade do adversário Sport/PE, enfrentando um time justamente da Série A nacional e com um orçamento infinitamente superior ao do Tubarão da Barra, a classificação teve requintes de extrema emoção e repercutiu em todos os noticiários do país. Sem dúvida, um feito histórico, épico e inesquecível sob todos os aspectos porque o Ferrão perdia por 3×0 até os 30 minutos do 2º tempo e. empatou o jogo em 11 minutos, levando a partida para os pênaltis. Venceu por 4×3 nas penalidades e passou de forma inédita para a terceira fase da competição. O vídeo abaixo vale a pena ser assistido. Foi a edição local do Globo Esporte de hoje na TV Verdes Mares de Fortaleza, inclusive com direito à vídeo enviado pelo consagrado ex-jogador Jardel parabenizando o feito do time que o revelou para o futebol mundial.

Estamos falando do jogo 3.596 da trajetória de 85 anos do Ferroviário Atlético Clube. O recém contratado Mazinho marcou duas vezes e Valdeci empatou a partida, que teve transmissão para todo o pais pela Fox Sports, emissora que detém os direitos de transmissão da Copa do Brasil. Hoje, os jornais cearenses amanheceram estampando o grande feito coral em manchetes de capa. Além disso, todos os programas esportivos pelo território brasileiro comentaram a vitória de Davi em cima de Golias, metáfora usada pelo ex-atacante Sérgio Alves em seu comentário diário na TV Jangadeiro de Fortaleza, onde partida do programa ´Futebolês` com uma equipe de primeira linha. Em síntese, o dia 15/02/2018 será para sempre lembrado como um dos jogos mais épicos da história coral. Vale a pena inclusive rever o gol de empate do Ferrão com a narração de Kaio Cézar da Rádio Verdes Mares de Fortaleza diante do que parecia improvável. Podemos dizer que ontem presenciamos o ´Milagre da Ilha`?