RECORDAÇÕES DE MAIS UM GRANDE CONFRONTO CONTRA O FORTALEZA

O vídeo acima é mais um resgate do Almanaque do Ferrão e corresponde ao registro de um empate em 3×3 entre Ferroviário x Fortaleza no dia 23 de outubro de 1983. Há exatos 36 anos, os dois clubes protagonizavam mais um jogo eletrizante numa tarde de domingo no antigo Castelão, algo comum em se tratando do chamado ´Clássico das Cores` naquele período. O Ferrão sofreu um gol logo no início do jogo, mas chegou a fazer 3×1 no placar ainda no primeiro tempo, porém sofreu o empate nos cinco minutos finais em dois lances infelizes do goleiro Dário. Naquela temporada, o Fortaleza contratou um grupo de jogadores que é apontado pela sua própria torcida como o maior time da história do clube até hoje. O Ferrão tinha a dupla infernal Betinho e Jorge Veras, além de uma série de jogadores eficientes que rendiam bem em suas posições. Treinado por Newton Albuquerque, que era o irmão mais velho do próprio goleiro Dário e do então iniciante árbitro Dacildo Mourão, o Ferrão empatou com o futebol de Dário, Laércio, Israel, Nilo e Fraga; Doca, Edson e Betinho (Barga); Foguinho, Jorge Veras e Paulinho Lamparina (Zé Luís). O Fortaleza, do técnico Paulo Emílio, formou com Salvino, Caetano, Pedro Basílio, Gilmar Furtado (Tadeu) e Clésio; Serginho, Wescley e Marquinho; Edson (Geraldinho), Luizinho das Arábias e Edmar. Jorge Veras marcou dois gols para o Ferrão, com Foguinho completando o placar. Pelo Fortaleza, Marquinho fez também dois gols e o outro foi do meia Wescley. Leandro Serpa foi o árbitro do jogo, que teve um público de 9.562 pagantes. Jogo que o tempo não apaga!

A VITÓRIA DO FERROVIÁRIO NO DIA QUE O HOMEM CHEGOU À LUA

O sendo de humor da Ferroada Coral recordou os cinquenta anos da chegada do homem à lua

Hoje é dia de aproveitar a arte acima da Ferroada Coral para recordar um jogo oficial do Ferroviário Atlético Clube disputado exatamente no mesmo dia em que o homem chegou à lua através da famosa missão americana Apollo 11. Naquele domingo, o compromisso coral foi contra o Guarany de Sobral e, dentre os presentes ao estádio do Junco, a imensa maioria só falava da grande novidade para a história da humanidade. A partida, que terminou ficando em segundo plano, valeu pelo 3º turno do campeonato cearense de 1969 e está completando exatamente 50 anos na presente data. Com gols de Edmar e Fernando Cônsul, o Tubarão da Barra fez 2×0 no Cacique do Vale sob o apito do árbitro Leandro Serpa. Treinado por Luis Veras, o Ferrão venceu com George, Ribeiro, Luiz Paes, Gomes e Roberto Barra-Limpa; Coca Cola (Mano), Simão e Edmar; Paraíba, Alcy e Fernando Cônsul (Léo). Já o time sobralense, treinado por Raimundo França, perdeu com o futebol de Pinto, Rodrigues, Pelado, Zé Quinto e Cabo Dulce; Dajuana, Loril e Moisés; Nagibe, Cabeção (Gilberto) e Garrinchinha (Ércio). Muita gente da torcida coral foi até a cidade de Sobral prestigiar a partida. Levaram até a bateria da escola de samba ´Ispaia a Brasa` para animar a viagem de trem até Sobral. Como bem disse a Ferroada Coral em sua arte do humor, tratou-se de uma pequena vitória para o time e uma conquista gigante para o clube. Por que não?

VINTE ANOS DO FALECIMENTO DE UM DOS MAIORES ÍDOLOS DO FERRÃO

Eterno Coca Cola: ídolo e craque do Ferroviário

Semana passada completou vinte anos do falecimento de um dos maiores ídolos da história do Ferroviário Atlético Clube. No dia 7 de junho de 1999, partia para o plano celestial o senhor Abelardo Cesário da Silva, que tinha um apelido um tanto quanto curioso na década de 1960: Coca Cola. Obviamente, o apelido era decorrente do famoso refrigerante. Coca Cola era baixinho, robusto e negro, lembrando à distância a tradicional garrafa do refrigerante. Podemos dizer jocosamente que foi o primeiro caso de naming rights do futebol cearense, por que não? O pequeno Coca Cola tinha um futebol grande demais e encantou os estádios alencarinos. Foram 324 jogos com a camisa coral e 71 gols marcados entre 1965 e 1973. Foi campeão cearense em 1968 e 1970. Na entrega de faixas do seu primeiro campeonato estadual pelo Ferrão, o Santos/SP foi o convidado e Coca Cola meteu um chapéu no Rei Pelé, fato até hoje lembrado nos estádios pelos torcedores mais antigos. No vídeo abaixo, gravado dois dias após a morte de Coca Cola, Ferroviário e Fortaleza se enfrentaram pelo campeonato cearense daquele ano e os atletas corais entraram em campo segurando uma faixa homenageando o eterno ídolo coral. O jogo foi 3×2 para o adversário, que carimbou a estreia do vitorioso César Moraes como técnico do Ferroviário Atlético Clube no certame de 1999.

FOTOGRAFIA DE 1971 REGISTROU TRÊS JOGADORES COM BREVE PASSAGEM

Ferroviário Atlético Clube em 1971 – Em pé: Esteves, Marcelino, Ivan Limeira, Hamilton Ayres, Eldo e Zé Maria Paiva; Agachados: Zezinho Fumaça, Odacir, Simplício, Amilton Melo e Alísio

A fotografia acima foi tirada no campeonato cearense de 1971 antes de um clássico contra o Ceará no PV. Nela, é possível identificar alguns atletas que tiveram curta passagem na Barra do Ceará e que só atuaram naquela temporada. Estamos falando do zagueiro Ivan Limeira, irmão do eterno e folclórico torcedor coral Zé Limeira, do atacante Zezinho Fumaça, ex-Ceará, além do atacante Odacir, que chegou com fama de goleador oriundo do Flamengo do Piauí e marcou 14 gols em 22 jogos em sua trajetória no Tubarão da Barra. A presença desses três ex-jogadores na mesma imagem, ao lado de nomes históricos como Eldo, Marcelino, Simplício e Amilton Melo, entre outros, fazem desse retrato algo simplesmente raro e digno de menção.

ARTILHEIRO CACAU INFORMA QUE SEUS GOLS ESTÃO NO YOUTUBE

Em julho do ano passado, ele mereceu uma postagem especial no Almanaque do Ferrão quando descobrimos o paradeiro do artilheiro Cacau, goleador do Ferroviário na edição do campeonato cearense há exatos trinta anos. Agora, ele avisa que seus gols caíram no YouTube e vale a pena dar uma conferida no vídeo acima. A partir do terceiro minuto da compilação, só há gols pelo Ferroviário! São memoráveis gols nas temporadas de 1989 e 1990, inclusive os quatro que ele marcou na partida que representou a inauguração do estádio Elzir Cabral para jogos oficiais, no dia 19 de março de 1989, contra o Guarani de Juazeiro. Aquele jogo é até hoje a maior lotação do estádio coral em todos os tempos, com torcedores postados até mesmo em cima dos alojamentos da base atrás do gol. Não perca tempo! Aperte o play e deleite-se com onze minutos de muitos dos 35 gols que Cacau marcou com a camisa coral.

LÉO JAIME VOLTA A MARCAR UM GOL PELO FERRÃO DEPOIS DE 10 ANOS

Em sua reestreia com a camisa do Ferroviário, o atacante Léo Jaime voltou a marcar um gol com a camisa coral depois de dez anos. Foi o segundo gol da grande vitória coral por 3×0 em cima do Santa Cruz/PE no domingo passado. A última vez que ele havia balançado as redes adversárias, defendendo o Tubarão da Barra, foi no dia 28 de março de 2009. Na ocasião, o Ferrão derrotou o Icasa por 2×0 no estádio Elzir Cabral em jogo válido pelo 2º turno do campeonato cearense. Léo Jaime anotou o segundo gol da partida depois que o atacante Wescley abriu o placar em jogada do próprio Léo Jaime pela esquerda. Depois, Léo Jaime comemorou o gol nos braços da mascote Tutuba, que também reestreou contra o Santa Cruz no Castelão. Acima, o vídeo do gol da reestreia. Abaixo, o que era até domingo o último gol do baixinho coral no Ferrão, que na última década ganhou o mundo e vestiu as camisas do Bragantino/SP, São Caetano/SP e Caxias/RS, além do Daegu FC da Coreia do Sul.

EX-GOLEIRO É HOMENAGEADO EM LANÇAMENTO DE PRODUTO OFICIAL

Ex-goleiro Marcelino é o número 1 na linha de copos colecionáveis lançada pelo marketing coral

Aos poucos, a nova direção de marketing do Ferroviário vai marcando seus gols. Depois do lançamento de um novo programa de sócios e de uma ação em rede social que captou recursos para a contratação do atacante Léo Jaime, chegou a vez do lançamento de copos colecionáveis homenageando grandes expoentes que fizeram parte do passado do clube. E o primeiro homenageado é o ex-goleiro Marcelino, que já  foi merecedor de algumas postagens aqui no blog alusivas a seu recorde particular de 1.295 minutos sem sofrer gols no arco coral na temporada de 1973. O objetivo da série  de copos “Legendários” é rememorar feitos únicos e exclusivos de cada atleta homenageado, que não tenha acontecido com nenhum outro dos mais de 2.000 jogadores que passaram pelo clube em 86 anos de glórias. Os copos serão comercializados em quantidade limitada exclusivamente na entrada dos torcedores  no estádio durante os jogos do Ferrão na Série C do campeonato brasileiro. A venda do primeiro copo ocorre no próximo domingo no jogo Ferroviário x Santa Cruz/PE. Algo  definitivamente inédito na vida do clube, que recentemente abriu sua primeira loja.

Registro do goleiro Marcelino voando para fotografia no campo do Ferroviário na década de 1970

O site oficial do Ferroviário apresentou uma matéria sobre o feito do ex-goleiro Marcelino, justificando a sua condição de Legendário. A série sem sofrer gols do arqueiro coral em 1973 começou em 18 de fevereiro daquele ano, quando o Ferrão venceu o Quixadá por 4×0 no PV e Marcelino passou seus primeiros 90 minutos sem sofrer gols. Com a promessa da direção coral em dar-lhe de presente um carro zero quilômetro em caso de quebra do recorde nacional, Marcelino viu seu sonho frustrado no dia 10 de junho daquele ano quando o atacante Ibsen marcou um gol com a camisa do Maguari e, em seguida, pediu-lhe desculpas por estragar o sonho do goleiro coral. No futebol brasileiro, trata-se da quarta melhor marca até hoje. O fato mereceu destaque inclusive na revista Placar na edição de 15/6/1973. O primeiro lugar pertence a Mazaroppi, do Vasco/RJ, com seus 1.816 minutos em 1977. Jorge Reis e Neneca, ambos já falecidos, estão também à frente da marca histórica de Marcelino. No futebol cearense, o ex-goleiro do Ferrão merecia uma estátua pelo feito. Abaixo, o Almanaque do Ferrão recorda todos os jogos que marcaram a incrível sequência de minutos do ex-goleiro Marcelino sem sofrer gols, algo nunca mais visto no futebol cearense e raramente visto no futebol mundial hoje em dia, o que torna ainda mais o recorde de Marcelinho simplesmente legendário sob todos os aspectos. Merecida homenagem!

Jogo 01 – 18/02/1973 – Ferroviário 4×0 Quixadá – PV – Campeonato Cearense
Jogo 02 – 25/02/1973 – Ferroviário 2×0 Calouros – PV – Campeonato Cearense
Jogo 03 – 11/03/1973 – Guarany 0x2 Ferroviário – Junco – Campeonato Cearense
Jogo 04 – 25/03/1973 – Ferroviário 1×0 Fortaleza – PV – Campeonato Cearense
Jogo 05 – 28/03/1973 – Ferroviário 0x0 Icasa – PV – Campeonato Cearense
Jogo 06 – 04/04/1973 – Ferroviário 4×0 Tiradentes – PV – Campeonato Cearense
Jogo 07 – 08/04/1973 – Ferroviário 0x0 Ceará – PV – Campeonato Cearense
Jogo 08 – 15/04/1973 – Ferroviário 1×0 América – PV – Campeonato Cearense
Jogo 09 – 25/04/1973 – Ferroviário 0x0 Maguari – PV – Campeonato Cearense
Jogo 10 – 06/05/1973 – Ferroviário 2×0 Ceará – PV – Campeonato Cearense
Jogo 11 – 13/05/1973 – Ferroviário 0x0 Fortaleza – PV – Campeonato Cearense
Jogo 12 – 20/05/1973 – Icasa 0x1 Ferroviário – Romeirão – Campeonato Cearense
Jogo 13 – 27/05/1973 – Ferroviário 1×0 Guarani – PV – Campeonato Cearense
Jogo 14 – 02/06/1973 – Ferroviário 2×0 Quixadá – PV – Campeonato Cearense

Aos 35 minutos do segundo tempo, no dia 10 de Junho de 1973, Marcelino sofreu o gol de Ibsen do Maguari naquele que já era o 15º jogo da série sem sofrer gols, totalizando os históricos 1.295 minutos que foram eternizados na história do lendário Marcelino. Por fim, vale sempre a pena recordar um vídeo produzido pela então direção de comunicação do clube há seis anos passados, quando uma equipe de jovens jornalistas entrevistou e produziu uma matéria com o próprio ex-goleiro coral. Assista!