JOGO MARCADO PARA UMA QUARTA-FEIRA À TARDE LEMBRA O QUE?

Luizinho: 3 gols em 1986

Ferroviário e Uniclinic jogam nessa quarta-feira, às 16 horas, no Estádio Presidente Vargas. Sem dúvida, um horário inadequado para um dia de semana útil e, por isso, o público promete ser dos menores. Porém, engana-se quem afirma que isso é algo inédito na vida do Ferroviário. Na temporada de 1986, o Ferrão enfrentou o Icasa exatamente numa quarta-feira à tarde. O jogo foi marcado para o Castelão, que estava reformando suas torres de iluminação e não dispunha de luz artificial para a partida. Apenas 207 pagantes desafiaram o horário em dia útil e a concorrência de Uruguai x Alemanha ao vivo na TV pela Copa do Mundo do México. Era o dia 4 de Junho de 1986 e o Tubarão da Barra enfiou 7×0 na sacola do time juazeirense com três gols de Denô, três de Luizinho das Arábias e um de Mardoni. Treinado por Erandy Pereira Montenegro, o time coral formou com Serginho, Alexandre, Arimatéia, Léo (Joãozinho) e Vassil; Zé Alberto, Denô e Mardoni; Edinho, Luizinho das Arábias e Lupercínio (Rogério). O Icasa, do técnico Catolé, jogou com Humberto Vara, Val, Pimenta, Paudácio e Tonho; Bilonga, Agenor e Ocilon; Reginaldo Piauí, Washington e Reginaldo Barbalha. Francisco Pereira foi o árbitro do jogo, que foi encerrado aos 35 minutos do segundo tempo por conta de um cai-cai do time do Icasa. Mais de trinta anos depois, a situação é semelhante.

PRIMEIRO GOL DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 2018

Eis o primeiro gol do Ferroviário em 2018. Ele surgiu ontem na largada do Campeonato Cearense desse ano e foi de pênalti. O meia Janeudo, ex-jogador do Botafogo/PB e do Campinense/PB, assinalou o único gol coral na partida, que terminou empatada em 1×1 com o Iguatu. O jogo aconteceu no Estádio Morenão e foi o de número 3.585 na história do Tubarão da Barra. Entre amistosos e jogos oficiais, foi apenas a 11ª vez que o Ferrão atuou em Iguatu desde 1957. A última vez havia sido em 30/04/2016 em confronto válido pela segunda divisão do Estadual. Até hoje, a única equipe iguatuense a ganhar do Ferroviário foi o Coiguatu, campeão da liga local em 1982, que derrotou duas vezes o time coral em amistosos comemorativos naquela temporada.

VÍDEO RESGATA OS MELHORES MOMENTOS DA TEMPORADA DE 2017

A temporada futebolística para o Ferroviário em 2017 durou apenas de janeiro ao começo de maio, porém garantiu um incremento para o calendário da próxima temporada em termos de meses de atividade da equipe profissional e de diversidade de competições a serem disputadas. O vídeo acima foi produzido pela direção de marketing coral e faz um ótimo balanço da trajetória do clube no campeonato cearense, única competição disputada pelo Tubarão da Barra nesse ano prestes a terminar. Recorde 2017 e prepare-se para um 2018 recheado de competições espalhadas ao longo da temporada: Campeonato Cearense, Copa do Nordeste, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro Série D e Taça Fares Lopes. Feliz 2018 para todos os corais!

ANIVERSÁRIO DE 60 ANOS DO NASCIMENTO DE UM ARTILHEIRO

Imagem em alusão aos 60 anos de Luizinho das Arábias retirada da página do atleta no Facebook

Se vivo fosse, o artilheiro Luizinho das Arábias estaria completando hoje 60 anos de idade. Com 75 jogos disputados com a camisa coral e 54 gols marcados, ele foi verdadeiramente um ídolo para uma geração inteira de torcedores do Ferrão que acompanhou o Tubarão da Barra em meados dos anos 80. O grande goleador morreu jovem, em maio de 1989, quando atuava no futebol do Pará. No futebol cearense, marcou o gol da vitória do Ferrão contra o Tiradentes em jogo do campeonato cearense de 1985, exatamente no dia de seu aniversário. Luizinho já foi tema de diversas postagens aqui no blog e vale a pena clicar na hashtag com seu nome embaixo dessa postagem para recuperar todas as matérias antigas, inclusive com áudios e imagens de seus gols e entrevistas durante o período que esteve no Ferrão, como o vídeo abaixo, gravado no dia que retornou para mais uma temporada em 1988.

CANAL NO YOUTUBE PRODUZ VÍDEO SOBRE O RESSURGIMENTO DO FERRÃO

Todos na expectativa para o ano que vem? Em 2018, o Ferroviário disputa o Campeonato Cearense, a Copa do Brasil, a Copa do Nordeste e a Série D do Campeonato Brasileiro! São todas competições que o Ferrão já disputou em sua trajetória de quase 85 anos, mas há muito tempo não estava inserido entre os participantes. Além disso, será a primeira vez na história que o clube tem as quatro competições disputadas concomitantemente na mesma temporada. Sem falar da Taça Fares Lopes, competição estadual a ser disputada no segundo semestre e que o clube, pela sua tradição e importância, tem obrigação de se articular para estar presente. Esse “ressurgimento” coral rendeu até um vídeo de quase 15 minutos no canal do YouTube chamado Mais Cinco Minutos. Se você ainda não viu o material acima, aproveite porque ele resgata como tudo isso aconteceu e, afinal, 2018 já está batendo na porta e todo mundo vai poder ver o Ferrão nos estádios e na TV novamente!

POR ONDE ANDA O ZAGUEIRO ADRIANO FORMADO NA BASE CORAL?

Ex-zagueiro Adriano, que defendeu o Ferrão entre 1991 e 1993, é técnico do Santa Cruz de Recife

Foram 28 jogos com a camisa do time profissional do Ferroviário entre 1991 e 1993. Formado nas categorias de base do próprio clube, ele era titular absoluto no jovem time coral que conquistou a maior façanha entre todas as equipes cearenses na disputa de uma competição nacional de base nos anos 1990. Chegou a ser chamado pra Seleção Brasileira principal no início de sua carreira e atuou também no futebol espanhol por várias temporadas. Estamos falando do zagueiro Adriano. Você sabe por onde ele anda? Pois saiba que ele está mais em evidência do que você imagina. Recentemente, sob o nome profissional de Adriano Teixeira, ele acabou sendo efetivado como treinador do Santa Cruz de Recife nas disputas da Série B do campeonato brasileiro de futebol.

Zagueiro Adriano, ao lado do goleiro Banana, firmou-se no Ferroviário na temporada de 1991

Adriano foi lançado no time principal do Ferrão, pela primeira vez, através do treinador Djalma Linhares. Profundo conhecedor da posição e campeão pelo Ferrão na temporada de 1988, Djalma confiou no jovem Adriano e o lançou como titular no dia 14/04/1991. O Tubarão da Barra fazia sua última partida pelo campeonato nacional daquele ano e atuava nesse dia contra o Parnaíba/PI, vencendo por 4×1, mesmo jogando nos domínios do adversário. Uma semana antes, Adriano acabara de completar 18 anos de idade. Dois meses depois, ele substituiu o zagueiro Aldo num clássico contra o Fortaleza e estreava no campeonato cearense em grande estilo com uma vitória por 3×0. Dali em diante, foram vários jogos como titular até a temporada de 1993, quando foi negociado com o Sport/PE.

Adriano no Santa Cruz de Recife

Além do Sport/PE, Adriano vestiu as camisas do Fluminense/RJ, Vasco/RJ e do próprio Santa Cruz/PE já no final de sua carreira. Na Espanha, defendeu o Celta de Vigo, o Compostela e o Leonesa. Em termos de conquista de títulos, foi  campeão pernambucano em 1994 e 1996, além da Copa do Nordeste, também em 1994, todos pelo Sport de Recife. No ano de 1995, defendendo a Seleção Brasileira Sub-20, Adriano conquistou o Torneio Internacional de Toulon. Após pendurar as chuteiras,o ex-zagueiro do Tubarão da Barra retornou ao Santa Cruz/PE, que o acolheu como auxiliar técnico e o promoveu recentemente, aos 44 anos de idade, ao posto de treinador de sua equipe profissional. Da geração de ótimos atletas formados pelo treinador Edmundo Silveira, entre eles o goleador Mário Jardel, Adriano foi mais uma cria coral que ganhou o mundo em sua carreira profissional e tem o respeito do torcedor do Ferroviário Atlético Clube.

QUE VENHAM A COPA DO NORDESTE, A COPA DO BRASIL E O BRASILEIRO

Garantia de competições importantes em 2018

Aparentemente a temporada de 2017 acabou em pleno mês de maio para o Ferroviário. Exatamente como no ano passado. E como em vários outros anos também. A participação coral na Taça Fares Lopes desse ano é incerta e até desnecessária sob a ótica da busca por resultados esportivos que valham realmente a pena. A diferença é que antes o torcedor olhava pro futuro e não via perspectivas de um calendário diferente no ano seguinte. Agora, sabemos que além do campeonato cearense da 1ª divisão, em 2018, teremos Copa do Brasil, Série D do campeonato brasileiro e até a Copa do Nordeste, que o Ferrão não disputa desde 1999. É bom não esquecer que o Ferrão foi um dos articulares para o surgimento desta competição nos anos 90. Depois, em meio à perda de prestígio político e enfraquecimento esportivo ano após ano, nunca mais dela participou, nem quando eram distribuídos convites para as principais equipes da região.

Jogadores atuaram de forma heroica em 2017

O que mudou? É importante saber exatamente como tudo isso foi conquistado, principalmente quando não se pode afirmar que tudo isso foi fruto de um planejamento construído em bases sólidas. Não foi. Sabe-se que o Ferroviário sequer sabia que disputaria a 1ª divisão cearense em 2017. Cerca de 3 semanas antes do início dos jogos, entre os feriados do fim de ano, surgiu a boa nova e começou a correria para colocar um time em campo. A exiguidade de tempo nos deu um time que mais empatava do que ganhava, que marcava poucos gols, que a articulação ofensiva do meio campo era quase inexistente em vários jogos, etc. Tudo compreensível. Certamente foi a garra e a disposição dos jogadores dentro de campo, unidos de forma familiar até fora dele, além de uma arregimentação heroica de dirigentes e conselheiros que também fizeram a diferença. Nada como a união nos bastidores corais. Sabemos muito bem o que pode acontecer de catastrófico quando ela não existe. O fato é que o Ferroviário agora pode ter um futuro promissor se souber realmente conceber o tão sonhado planejamento construído em bases sólidas, desde a formatação do elenco, da manutenção dos principais jogadores da atual temporada, do uso correto e honesto dos recursos financeiros garantidos para o ano que vem, entre várias outras coisas. O futuro a Deus pertence. Mas como dizia o antigo slogan do primeiro projeto Sócio Torcedor do Ferrão há quase dez anos, o futuro não é mais como costumava ser. Agora parece que sim.