ADVERSÁRIO CORAL NA COPA DO BRASIL DE 2019 É O CORINTHIANS/SP

Ferroviário Atlético Clube participará pela sexta vez na história da Copa do Brasil em 2019

Saiu o resultado do sorteio na CBF e o Corinthians/SP é o primeiro adversário do Ferroviário na Copa do Brasil de 2019. As duas equipes poderão reeditar a única vez que estiveram frente a frente na história, coincidentemente pela mesma Copa do Brasil, só que na temporada de 2004. Apesar da derrota por 2×0 no antigo Castelão na ocasião, resultado que dispensou a necessidade do jogo da volta na capital paulista, a torcida do Ferroviário fez uma bela festa e compareceu em número de 9.857 presentes. Wilson e Jô marcaram para o Corinthians. Comandado pelo ex-goleiro Palmiéri, o time coral perdeu para o Timão com o futebol de Aderson, Arildo, Cícero César, Carlinhos e Marcelo; Cláudio, Glaydstone, Júnior Cearense e Pastor (Clemílson); Maurício Pantera (Rosivaldo) e Stênio (Gil Bala). O Corinthians venceu com Rubinho, Rogério, Anderson, Váldson e Vinícius (Moreno); Fabinho, Fabrício, Rincón e Gil;  Bobô (Wilson) e Jô (Pingo). O primeiro tempo do Ferroviário foi primoroso naquela oportunidade. Chances de gols não faltaram. No intervalo da partida, animados com a boa atuação e o 0x0 no placar, tinha torcedor no Castelão combinando a viagem a São Paulo para o segundo jogo. Na etapa complementar, Palmiéri mexeu mal na equipe e o ritmo caiu vertiginosamente de produção. O Corinthians se aproveitou e achou a vitória. Prepare-se para 2019 recordando os lances abaixo do jogo de 2004. Quinze anos depois, tem vingança sendo preparada?

GOL DE BETINHO QUEBRAVA A INVENCIBILIDADE DO FORTALEZA

Quem conhece a história do futebol cearense já ouviu falar do timaço que o Fortaleza montou para o campeonato cearense de 1983. Aquele elenco é considerado até hoje um dos mais fortes em toda a história do futebol alencarino e a equipe tricolor teve poucas derrotas no certame, que começou no mês de abril. Há exatos 35 anos, somente no mês de novembro, o Fortaleza perdia seu primeiro clássico no Estadual justamente para o Ferroviário, que um mês depois acabou ficando com o vice-campeonato. Depois de revirar nossos arquivos, achamos em vídeo o gol do craque Betinho que garantiu a vitória para o Ferrão por 1×0, que naquela tarde formou com o futebol de Dário, Laércio, Israel, Nilo e Fraga (Luisinho); Doca, Edson e Betinho; Foguinho, Jorge Veras e Paulinho Lamparina (Paulo César Cascavel). O treinador coral era Newton Albuquerque. O Fortaleza, do técnico Paulo Emílio, perdeu com Salvino, Caetano, Pedro Basílio, Tadeu e Clésio; Serginho, Wescley e Marquinho; Edson (Geraldinho), Luizinho das Arábias e Edmar (Hamilton). Desses, Caetano, Clésio e Luizinho das Arábias jogaram depois no Ferroviário. Era o jogo 1.985 da história coral, realizado no Castelão e que contou com um público de 9.971 pagantes. Joaquim Gregório foi o árbitro naquela tarde. Além da vitória, de quebra, o Ferroviário ganhou uma bela taça em homenagem ao aniversário de 10 anos do estádio Castelão.

FERRÃO GANHA A TAÇA FARES LOPES PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA

Ferroviário Atlético Clube campeão da Taça Fares Lopes de 2018: Siloé, Valdeci, Afonso, André Lima, Jean, Mazinho, Lucas Mendes, Janeudo, Edson Cariús, Gleibson e Leanderson

Exatos três meses depois de quebrar um jejum de 23 anos sem títulos com a conquista monumental e inédita da Série D do campeonato brasileiro, o Ferrão volta a fazer história em 2018 e sagra-se novamente campeão, também de maneira inédita, da Taça Fares Lopes. Em outras palavras, no dia 4 de novembro, o torcedor coral voltou a sorrir como no dia 4 de agosto! Jogando contra o Caucaia no PV e precisando vencer por dois gols de diferença, o Ferrão fez 3×1 no jogo decisivo com gols de Siloé, Edson Cariús e Kel Baiano, este marcando o gol do título aos 41 minutos do segundo tempo. Logo ele, uma espécie de predestinado coral, já que havia jogado somente 19 minutos em toda a competição e, lançado por Marcelo Vilar na finalíssima, entrou em campo aos 33 minutos do segundo tempo para assinalar o gol consagrador exatamente 8 minutos depois, selando seu nome na história coral e nos anais do futebol cearense. Vale a pena conferir os lances do jogo no vídeo abaixo e conferir os golaços do jogo.

Apitado por Avelar Rodrigo e diante de um público de 2.174 pessoas, este foi o jogo de número 3.647 da história do Ferroviário, que atuou com o futebol de Gleibson, Lucas Mendes, Afonso, André Lima (Da Silva) e Jean; Mazinho, Leanderson, Janeudo e Valdeci (Róbson Simplício); Siloé (Kel Baiano) e Edson Cariús, mais uma vez artilheiro de uma competição com a camisa coral, agora com 5 gols na Taça Fares Lopes. O Caucaia, do ex-treinador coral Washington Luiz, jogou com Rafael, Talisson, Luiz Gustavo (Cléo), Olávio e Elves; Lincoln, Diego Silva, Vanderlan e Netinho (Moré); Ciel e Thiaguinho (Tininho). Desses, o meia Cléo, os volantes Lincoln e Diego Silva, além do atacante Moré, jogaram no Ferroviário em temporadas anteriores. Mas o bom da festa da conquista de mais um título coral e da vaga assegurada para a Copa do Brasil de 2019 é a vibração e a emoção dos torcedores e dos jogadores em campo, por isso vale a pena conferir abaixo mais um vídeo da TV Artilheiro com as entrevistas durante a comemoração de mais um campeonato conquistado pelo Ferroviário Atlético Clube.

EM NOVEMBRO DE 1993, O FERRÃO EMPATAVA COM O CORINTHIANS/RN

Há 25 anos, o Ferroviário disputava a Série C do campeonato brasileiro e recebia o Corinthians de Caicó em seus domínios. No primeiro confronto entre ambos, empate em 0x0 no estádio Marizão no Rio Grande do Norte. No jogo da volta, no PV, outro empate em 1×1 no mês de novembro de 1993. O blog recuperou os melhores momentos em vídeo do jogo em Fortaleza e apresenta acima para o torcedor coral. O meia Basílio perdeu um pênalti no primeiro tempo. No segundo tempo, outro pênalti, dessa vez batido e convertido pelo artilheiro Batistinha. Infelizmente, o Corinthians/RN empatou no finalzinho daquela que foi a partida de número 2.504 da história coral. Treinado pelo falecido José Oliveira, ex-atacante coral da década de 1970, o Ferrão empatou com Guanair, Itamar, Airton, Santos e Johnson; Nasa, Cantareli e Basílio; Batistinha, Gaúcho (Silas) e Claudemir (Zelito). O time potiguar, do técnico Francisco Bezerra, jogou com Sérgio Maria, Baeca, Jailson, Erivan e Sabiá; Erivando, Concone (Nêgo) e Silvinho (Paulo Peixe); Lato, Oliveira e Neira. Um público de 1.083 pagantes foi ao jogo, que teve a arbitragem do piauiense Emílio Porto. Ferrão e Corinthians de Caicó só voltaram a se enfrentar uma única vez depois dessa partida. Foi em 2001, novamente no estádio Marizão, em amistoso que também terminou empatado em 0x0.

PRIMEIRA PARTIDA FINAL DA SÉRIE D PODE SER CONSIDERADA HISTÓRICA

Confira o vídeo acima com os melhores momentos do primeiro jogo entre Ferroviário e Treze na finalíssima da Série D do campeonato brasileiro de 2018. A partida ocorreu ontem à noite na Arena Castelão e já pode ser considerada histórica pelo caráter decisivo, além da retumbante vitória coral por 3×0 com gols de Janeudo, Edson Cariús e Róbson Simplício. Houve transmissão para todo o Brasil através do canal Esporte Interativo. Foi o jogo 3.628 da história coral, que colocou o Tubarão da Barra com grandes chances de conquistar pela primeira vez em mais de oito décadas um título de caráter nacional. Além disso, uma chance única e especial de gritar ´é campeão´ depois de 23 anos, podendo quebrar o maior jejum de títulos da trajetória do Ferrão. Treinado por Marcelo Vilar, o Ferroviário venceu com o futebol de Gleibson, Lucas Mendes, Erandir, Afonso e Sávio; Mazinho, Leanderson (Róbson Simplício), Janeudo e Esquerdinha (Jean); Luis Soares (Gleidson) e Edson Cariús. O time paraibano, do técnico Flávio Araújo, que já treinou o Ferroviário em 2002, perdeu com Mauro, Talisson, Italo, Nilson Júnior e Silva; Coppetti, Dedé, Marcelinho Paraíba (Rayllan) e Ceará; Leílson (Patrick) e Leandro Love (Zé Carlos). Dessa formação, os jogadores Mauro, Dedé e Leílson já vestiram a camisa do Ferroviário em temporadas anteriores.

DOIS JOGOS ELETRIZANTES COM 8 GOLS ENTRE FERRÃO E TREZE/PB

Base coral que jogou contra o Treze/PB em 1956

Ferroviário e Treze/PB sempre fizeram jogos duros entre si. Na imensa maioria das vezes, um vencia o outro pela diferença de um ou dois gols e placares como 1×0, 2×0 e 2×1 se tornaram comum entre ambos. Entretanto, duas únicas vezes o Tubarão da Barra e o Galo da Borborema fizeram jogos com oito gols na partida, o número máximo já atingido em campo pelos dois adversários. A primeira vez ocorreu em 25/03/1956 em Fortaleza. O jogo foi válido pela Taça Paulo Sarasate, um quadrangular que reunia ainda Fortaleza e Ceará, que ficou com o título. A partida entre Ferroviário e Treze foi disputada debaixo de forte chuva, o que afastou bastante o público daquele que foi apenas o jogo de número 513 da história coral. Com 3 gols de Fernando e um de Zé de Melo para o Ferroviário, e Marinho, Josias e dois gols de Mário II marcando para o time paraibano, o placar de 4×4 evidenciou dois times com muita vontade de ganhar. Treinado por Babá, o Ferrão alinhou com Zé Dias (Adir), Lolô e Antônio Limeiro; Manoelzinho (Rui Leite), Macaúba e Eudócio; Kitt, Zé de Melo, Pacoti (Macaco) e Fernando. Já o Treze jogou com Harry Carrey (Cícero), Geliz e Urai; Marinho, Filgueiras e Milton (Lamparina); Mário II, Mário I, Josias, Ruivo e Renê (Pitota). Depois desse jogo de oito gols, somente 36 anos depois tivemos um Ferroviário x Treze repetindo o número de tentos nos 90 minutos.

Júnior Piripiri: 1 gol

Em 01/04/1992, Ferrão e Treze estavam na Série C do campeonato brasileiro na mesma chave de CRB/AL, Auto Esporte/PB e Vitória de Santo Antão/PE. Naquela noite contra o time paraibano, novamente no PV, o time coral aplicou 5×3 no Galo da Borborema com 4 tentos de Jorge Veras e um de Júnior Piripiri. John, Dário e Tobi marcaram para o Treze. A partida foi a de número 2.423 da nossa história e contou com um público diminuto de apenas 483 pagantes. O jogo foi duro e o placar chegou a ficar 2×1, 3×2 e 4×3 para o time coral, que só marcou seu quinto gol no apagar das luzes. Treinado por Djalma Linhares, ex-zagueiro coral no título cearense de 1988, o Ferrão venceu com Joel, Caetano, Aldo, Evilásio e Paulo Adriano; Fernando, Gilson (Jó) e Júnior Piripiri; Cantareli, Aloísio e Jorge Veras. O Treze, do técnico Zé Lima, perdeu com Ednaldo, Porto, Lima (Aírton), Railson e Lelo; Dário, Warison e John; Betinho, Tobi e Beto (Humberto). Vasculhamos os arquivos do Almanaque do Ferrão e achamos o vídeo com os cinco gols do time coral naquele 5×3 de 1992. Vale a pena você se deliciar com os gols e principalmente com a agilidade do ídolo eterno Jorge Veras na hora de mandar a bola para o fundo do gol adversário. É só conferir abaixo.

RECORDE UM FERRÃO X TREZE DISPUTADO NA SÉRIE D DE 2009

Modelo do uniforme coral utilizado em 2009

Nas duas únicas vezes que se enfrentaram pela Série D do Brasileiro, Ferrão e Treze fizeram valer o mando de campo e cada um venceu seu jogo dentro de casa. Foi em 2009, quando o Galo da Borborema fez 1×0 no Estádio Amigão, gol de Gauchinho, mas perdeu o jogo da volta por 2×0, disputado no Estádio Domingão em Horizonte, com gols do lateral direito Ivan e do atacante Juninho Quixadá, o mesmo que ajudou bastante o Tubarão da Barra a conseguir o acesso em 2018 ao retornar para o clube depois de sete temporadas no futebol da Bulgária. Esse jogo foi o de número 3.288 da história coral. Ferrão e Treze estavam na mesma chave acompanhados de Alecrim/RN e Flamengo/PI. Treinado por Gilmar Santos, o Ferrão formou naquela tarde com o futebol de Jéfferson, Ivan (Stênio), Lúcio, Cícero César e Marcelo; Válter, Eliélton, Júnior Cearense (Clemílson) e Diego (Diogo Oliveira); Juninho Quixadá e Wescley.

Sabe quem era o técnico do Treze nesse jogo? Era exatamente o nosso atual comandante Marcelo Vilar, que naquela oportunidade mandou à campo Ricardo, Deleu, Júnior, André Lima e Cleidson (Camilo); Daniel, Wanderson, Da Silva e Everton (Rosembrick); Gilberto (Edson Dí) e Gauchinho. Repare o nome do zagueiro André Lima na formação paraibana, ele que disputa atualmente a Série D com a camisa do Ferrão. O atacante Wescley ainda perdeu um pênalti para o Ferroviário, que passou de fase no grupo e foi desclassificado na etapa seguinte da competição pelo Sergipe/SE. Vale a pena recordar abaixo os melhores momentos daquele jogo em 2009. A matéria da TV Jangadeiro se equivoca ao dizer que o primeiro gol do jogo foi do meia Diego, mas apresenta ainda o interessante comentário de Alan Neto, que destaca dois detalhes importantes: a grande apresentação de Juninho Quixadá e a belíssima camisa coral do Ferroviário utilizada naquele dia e aposentada na atual temporada de 2018.