GOLAÇO DE REGINALDO FRANÇA CONTRA O RIVER AOS 49 MINUTOS

Matéria de jornal sobre a grande vitória do Ferroviário no Campeonato Brasileiro de 2002

Lembra do golaço do Reginaldo França contra o River/PI aos 49 minutos do segundo tempo? Apelidado pelo treinador Danilo Augusto como “Gol de Deus“, o lance, acontecido há exatos 18 anos, foi de uma beleza plástica indescritível. O jogo valia pelas oitavas de final da Série C do Campeonato Brasileiro de 2002. Depois de perder o primeiro confronto por 3×2 em Teresina, o Ferroviário precisava vencer por dois gols de diferença para obter a classificação. O time coral vencia por 1×0, gol de Danilo, e a decisão da vaga ia para os pênaltis, quando o árbitro Alberto Batista Carvalho anunciou cinco minutos de acréscimos. Praticamente no último lance da partida, realizada no PV diante de 2.624 pagantes, o Tubarão da Barra teve um escanteio a seu favor, cobrado por Arildo. Na sequência do lance, o ex-coral Jorge Luiz rebateu a bola pra fora da área e ela caiu nos pés de Reginaldo França, que marcou o tento da classificação. Após o golaço, os torcedores corais foram ao delírio e o jogo logo acabou. Naquele domingo, o time coral formou com Ivanoé, Aírton (Arildo), Marcos Aurélio (Cícero César), Puma e Helinho; Édio, Ricardo Baiano, Danilo e Reginaldo França; Serrinha (Gil Bala) e Guedinho. O time piauiense jogou com Jorge Luiz, Niel, Rauli, Venício e Buiú (Matoso); Jó, Garrinchinha, Esquerdinha (Rondineli) e Lira; Wágner e Mairan (Joniel). Na continuidade da competição, o Ferroviário enfrentou o Nacional de Manaus e foi eliminado nas quartas de final. Abaixo, o próprio Reginaldo França recorda aquele golaço sensacional em áudio especialmente gravado para o Almanaque do Ferrão, falando do lance propriamente dito e das curiosas orientações que recebeu do treinador e do diretor Emanuel Brasileiro na borda do campo antes do lance decisivo.

RECORDE UM AMISTOSO HISTÓRICO CONTRA O SANTA CRUZ DE RECIFE

Luizinho marcou um gol no amistoso

Já que Ferroviário e Santa Cruz/PE se enfrentam nesse domingo, vamos brincar com a curiosidade e recordar um amistoso histórico entre as duas equipes, realizado no dia 27 de maio de 1972. Com a fama de tetracampeão pernambucano, o Santa Cruz viajou até Fortaleza para enfrentar o Tubarão da Barra. Perdeu a peleja por 3×2, no PV, com Amilton Melo, Zé Maria Paiva e Luizinho, o Peito de Aço, marcando para o Ferrão. Betinho e Luciano marcaram para a cobra coral de Recife. O potiguar Nacor Arouche apitou o jogo. Repare na sólida escala cearense do treinador Alexandre Nepomuceno: Jurandir, Daniel, Valdez, Gomes e Carlos Alberto; Simplício e Luciano Amorim; Luizinho, Amilton Melo, Jorge Mendes (Oliveira) e Zé Maria Paiva. O Santa Cruz perdeu com uma formação de grandes e famosos jogadores nordestinos: Detinho, Zinho, Sapatão, Rivaldo e Cabral; Erb e Luciano; Betinho, Bita (Zito), Ramon e Zé Maria (Beto). Dessa formação, o meia Luciano era irmão do nosso ex-goleador Paulo Velozo, conhecido à época como a maravilha negra da Barra do Ceará. Luciano chegou a ser campeão paulista pelo Corinthians cinco anos depois. Betinho e Ramon brilharam com a camisa do Ferrão na década seguinte. Os dois também atuaram na função de treinador posteriormente. Luizinho veio do Sport de Belém do Pará. Zé Maria Paiva também foi preparador físico e técnico do Ferrão em várias oportunidades nos anos 1980 e 1990. Nomes históricos do Tubarão da Barra!

FERROVIÁRIO NO PRIMEIRO JOGO NOTURNO DO FUTEBOL CEARENSE

Zuza deu as cartas em campo

Foi num 28 de setembro como hoje, só que no século passado, na já longínqua temporada de 1939. O futebol cearense havia testemunhado um jogo noturno com a utilização de velas, porém nunca havia sido realizada uma partida com a utilização de refletores acesos com energia elétrica. E foi o Ferroviário justamente um dos protagonistas dessa iniciativa, enfrentando a tradicional equipe do Estrela do Mar, ainda no Campo do Prado, que recebia 40 refletores e passava a hospedar jogos noturnos. Foi uma quinta-feira histórica e o planeta começava a viver os primeiros dias e os horrores da II Guerra Mundial. Dentro de campo, o craque pernambucano Zuza dava as cartas aos comandados do técnico Manoel Rabelo. Quando o árbitro Humberto Ellery encerrou o amistoso, o Ferrão venceu por 2×1 com dois gols do atacante Abreu. Assis descontou para o adversário. Naquele amistoso histórico, o time coral formou com Dias, Baiano e Popó; Lourival, Miro e João; Pepê, Camocim, Zuza, Abreu e Chinês. O Estrela do Mar jogou com Zé Augusto, Camilo e Brandão; Nieps, Damasceno e Chico Eduardo; Assis, Ciro, Marcos, Vitalzinho e Mário Negrin. O campeonato cearense de 1939 só foi finalizado no início do ano seguinte. O Ferroviário foi eliminado pelo Ceará em janeiro de 1940 e terminou a competição na quinta colocação.

GOL DE CARDOSINHO EM COBRANÇA DE FALTA CONTRA O AMÉRICA

No dia 23 de setembro de 1984, o Ferroviário bateu o América/CE por 1×0 em jogo válido pelo 2º turno do Campeonato Cearense. O gol foi marcado pelo atacante Cardosinho no segundo tempo da partida. A cobrança de falta do ex-jogador maranhense merece o devido destaque no aniversário de 36 anos daquela vitória, razão pela qual postamos acima o vídeo com o gol de belíssima feitura em cima do famoso goleiro Tarcísio Abelha. Treinado por José Oliveira, o Tubarão da Barra formou naquela partida com o futebol de Carlinhos Baiano, Tuca, Russo, Nilo e Edson; Doca, Wilson e Paulinho Lamparina; Júnior Xavier (Cardosinho), Orlando e Ramon (Escurinho). O treinador Arrupiado escalou o América com uma formação de jogadores rodados e experientes no futebol cearense: Tarcísio, Benone, Artur, Darci e Jair; Pinto, Ednardo e Magela; Luciano, Ivan e Evaldo. O jogo foi apitado por Gustavo Adolfo Maia, que depois virou analista de arbitragem, trabalhando em diversas rádios de Fortaleza. Um público de 1.472 pagantes foi ao PV. Em 2016, Cardosinho morava na França e o fato foi destacado em postagem aqui no blog. Atualmente, ele mora no Maranhão.

LUISINHO E BETINHO DECISIVOS NUM CLÁSSICO DAS CORES EM 1982

Luisinho e Betinho foram duas ótimas contratações para o campeonato cearense de 1982. Os dois vieram do futebol pernambucano, mais precisamente do América e do Sport, respectivamente. O primeiro era um eficiente lateral esquerdo, já o segundo foi um meio campista de mão cheia, craque na verdadeira acepção da palavra. Experientes, ambos contribuíram bastante dentro de campo naquele ano e também na temporada seguinte. No vídeo acima, vemos os gols desses dois jogadores  contra o Fortaleza, num 19 de setembro como hoje, que terminou com a vitória coral por 2×1 no Castelão. No gol da vitória, Betinho acertou uma cabeçada certeira e decretou o resultado. Treinado pelo experiente Jálber Carvalho, o Tubarão da Barra formou com Hélio Show, Jorge Henrique, Artur, Goes e Luisinho; Doca, Meinha, Cacau e Betinho; Getúlio (Paulo César Cascavel) e Evaldo (Nilo). O adversário, treinado por Moésio Gomes, perdeu com Sérgio Monte, Roner, Lineu, Chagas e Clésio; Assis Paraíba, Romário (Miltão) e Zé Eduardo; Geraldinho, Adilton e Edmar (Viegas). Hoje em dia, o inesquecível ídolo Betinho mora em Recife e enfrenta problemas de saúde. Por sua vez, Luisinho trabalhou nas categorias de base do Ferrão há pouco mais de dez anos. São dois nomes pernambucanos para sempre na história do Ferroviário Atlético Clube.

IMAGENS RARÍSSIMAS DA FESTA CORAL NO TÍTULO ESTADUAL DE 1988

No dia de hoje, comemora-se mais um aniversário da brilhante conquista do campeonato cearense de 1988 por parte do Ferroviário Atlético Clube. Naquele dia 7 de setembro, uma quarta-feira, o time coral bateu o Fortaleza por 1×0, gol de Marcelo Veiga, e conquistou a taça de campeão estadual depois de 9 anos. As imagens acima são raríssimas e, apesar das inconsistências no áudio e na qualidade do vídeo, conseguiram ser resgatadas pelo Almanaque do Ferrão, especialmente para ilustrar a data comemorativa de hoje. Referidas imagens mostram a festa coral ainda dentro do gramado do Castelão, a volta olímpica, entrevistas com os dirigentes Domar Pessoa e Vicente Monteiro, além de depoimentos dos jogadores Arnaldo, Alves, Arimatéia, Edson, Jacinto e Marcelo Veiga. Mostram também a festa da torcida coral na Barra do Ceará após o jogo e apresentam os comentários do saudoso Sérgio Pinheiro, falando sobre a grande conquista coral. Vale a pena ter acesso a esse material extraído de programas da TV Verdes Mares de Fortaleza, veiculados no dia seguinte à conquista do Ferrão, com a participação dos apresentadores Tony Moraes, Tony Nunes e João Inácio Júnior. Mais de três décadas depois, esse material de 12 minutos de duração consegue ainda demonstrar toda a emoção que representou aquele título para a torcida do Ferroviário naquela temporada. Aproveite e curta essa verdadeira raridade!

QUARENTA ANOS DE UM EMPATE COM O CEARÁ COM BELO GOL DE JACINTO

O vídeo acima é mais um resgate histórico do blog. São imagens raríssimas de quarenta anos atrás, mais precisamente do dia 31 de agosto de 1980, com os gols de um clássico entre Ferroviário e Ceará que terminou empatado em 1×1. Um detalhe histórico marcou a caminhada coral nessa partida: foi a primeira vez que o Ferroviário atuou no Castelão depois da reforma que concluiu o anel superior das arquibancadas do estádio, inaugurado para a visita do Papa João Paulo II à capital cearense. Jacinto marcou para o time coral e Ivanir empatou para o alvinegro. O jogo foi válido pelo 2º turno do campeonato cearense e recebeu um público de 21.386 pagantes. Treinado pelo experiente Lanzoninho, o Ferrão jogou com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Jorge Henrique; Doca, Bibi e Jacinto (Jeová); Osni (Almir), Paulo César e Marco Antônio. O Ceará empatou com Luís Antônio, João Carlos, Pedro Basílio, Lula e Bezerra; Nicássio (Gilson), Ademir Pereira e Zé Eduardo (Sidnei); Getúlio, Ivanir e Jorge Luís Cocota. A partida teve o ex-jogador coral Luís Vieira Vila Nova na arbitragem e movimentou a cidade dada a boa fase das duas equipes. Saudoso tempo da marcação de cal no gramado e das redes amarelas nas traves do Castelão.

VÍDEO DA PRIMEIRA VITÓRIA CONTRA O TREZE EM CAMPINA GRANDE

Resgatamos mais um vídeo raro em nossos arquivos, motivados pela vitória do Ferroviário em cima do Treze/PB, dentro de Campina Grande, no último domingo. A vitória por 3×0 frente ao Galo da Borborema foi apenas a segunda na história verificada dentro da bela cidade paraibana. A primeira ocorreu no já distante ano de 1992, no domingo de páscoa, dia 19 de abril, e as imagens acima apresentam os melhores momentos daquele jogo, válido também pela Série C do campeonato brasileiro. A disputa ocorreu no estádio Presidente Vargas e o Ferrão era treinado pelo ex-zagueiro Djalma Linhares, que utilizou a seguinte formação: Joel, Caetano, Evilásio, Hermes e Roberto; Ednardo, Júnior Piripiri e Gilson; Cantareli (Jó), Jorge Veras (Aloísio) e Arnaldo. Treinado por Zé Lima, o Treze jogou com Luciano, Airton, Lima, John e Humberto; Porto, Warison e Beto; Betinho, Tobi e Washington. O público foi de apenas 771 pagantes e o árbitro potiguar Charles Elliot, mal colocado, marcou um pênalti inexistente para o Ferroviário, convertido pelo ídolo Jorge Veras. O lateral direito Caetano marcou o gol da virada coral, após pela assistência do meia Júnior Piripiri. Warison fez o gol do Treze. Favor não confundir na escalação o ponta esquerda Arnaldo, ex-Tiradentes/PI, com o meia Arnaldo que foi campeão cearense pelo Ferroviário em 1988. Naquela temporada de 1992, pela primeira vez na história, o Ferroviário fez o artilheiro maior de uma competição nacional. Jorge Veras foi o artilheiro da Série C com 9 jogos, fato este só repetido por Edson Cariús, que marcou 11 gols na Série D de 2018 e ainda sagrou-se campeão brasileiro pelo Ferrão.

FERRÃO QUEBRA MAIS UM TABU DISPUTANDO A SÉRIE C DESSE ANO

A Série C do campeonato brasileiro desse ano continua rendendo frutos para o Ferrão. Depois de quebrar um tabu de 65 anos contra o Botafogo/PB na primeira rodada, mais um time paraibano sofreu nas mãos do Tubarão da Barra dentro do campeonato e outro tabu foi quebrado. No jogo de ontem, depois de 28 anos, o time coral voltou a bater o Treze/PB dentro de Campina Grande. A última vez que isso tinha acontecido havia sido em 19 de abril de 1992, também pela Série C da mesma competição nacional, quando o Ferroviário fez 2×1, com gols de Jorge Veras e Caetano, o que era também até ontem, a única vez que o Ferrão havia batido o Galo da Borborema dentro de seus domínios em toda a história. Mesmo quando o Ferrão sagrou-se campeão brasileiro da Série D, justamente contra o Treze em Campina Grande, o placar final não havia sido favorável ao time coral. No jogo de ontem à noite, o Ferrão fez um implacável 3×0, tentos de Willian Lira, Diego Lorenzi e Wesley, quebrando o tabu e marcando a segunda vitória coral contra o Treze dentro de Campina Grande, num total de 13 jogos. Vale a pena conferir abaixo os gols do time coral na edição da TV Artilheiro, com narração de Irismar França, pela rádio Joven Pan News de Fortaleza.

VITÓRIA CONTRA O CALOUROS DO AR COM DOIS GOLS DE BETO ANDRADE

O vídeo acima é mais um regaste de imagens históricas promovido pelo Almanaque do Ferrão. Encontramos uma vitória coral por 2×0 em cima do saudoso Calouros do Ar. As imagens são da TV Verdes Mares e a narração é de Aderbal Bezerra. O jogo é do campeonato cearense de 1988, ano de glórias para o Tubarão da Barra, e foi válido pelo 2º turno da competição. O ponta esquerda Beto Andrade marcou os dois tentos da partida, que teve um público de 3.036 pagantes numa quarta à noite, mais precisamente no dia 11 de maio. Treinado por Ramon Ramos, o Ferrão bateu o Calouros com o futebol de Serginho, Laércio, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Arnaldo e Denô (Alves); Mazinho Loyola, Guina e Beto Andrade (Carlos Antônio). O Tremendão da Aerolândia jogou com Malafaia, Braga Júnior, Marcelo, André e Alencar; Dendê (Marquinhos), Gildo e Maninho; Joãozinho, Frank (Márcio) e Luís Alberto. O técnico foi o ex-lateral coral Paulo Maurício. Do time adversário, o goleiro Malafaia atuou depois no Ferrão, na temporada de 1993. Na sequência do campeonato, o Ferrão teve um clássico memorável contra o Ceará, já apresentado aqui no blog. Beto Andrade foi um dos bons nomes corais naquele ano.