A LEMBRANÇA DE GIORDANO DO GOLEIRO DA SELEÇÃO BRASILEIRA

Goleiro Valdir Peres, do São Paulo, foi titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982

No final do mês passado, o Brasil perdeu o ex-goleiro Valdir Peres, titular do São Paulo/SP e da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982. Como arqueiro do tricolor paulista naquela temporada, Valdir Peres enfrentou o Ferroviário em duas oportunidades no intervalo de dez dias. A primeira em 28/01/1982, no Morumbi, e a segunda em 07/02/1982, no Castelão. Quatro meses depois, o falecido goleiro estreava na Copa da Espanha com a camisa da Canarinho contra a União Soviética. Por outro lado, os confrontos contra o São Paulo parecem ainda vivos na memória do goleiro reserva do Ferrão na ocasião. O cearense Giordano, que chegou ao clube em 1976, amargava a reserva do titular Barbiroto, emprestado pelo próprio São Paulo ao Ferroviário para as disputas daquele campeonato brasileiro. Em meio aos jogos contra o tricolor paulista, Giordano conheceu Valdir Peres e um fato o marcou por toda vida.

Giordano no Ferrão

Semana passada, Giordano encontrou ocasionalmente Charles Garrido, um dos torcedores corais que mais prestigia este blog com mensagens e comentários na página do Almanaque do Ferrão no Facebook. Conversando sobre o falecimento do ex-goleiro do São Paulo, Giordano confidenciou no referido encontro: “até hoje tenho guardado um uniforme completo de goleiro que o Valdir Peres gentilmente me presenteou naquela oportunidade“. Ao enfrentar um time financeiramente inferior, onde naturalmente as condições de trabalho são muito mais difíceis, Valdir Peres teve a delicadeza de ajudar um companheiro de profissão e, mais que isso, de posição. O fato nunca saiu da cabeça de Giordano, que permaneceu no clube até a temporada seguinte. Ao todo, foram 135 partidas com a camisa do Ferrão. Em 1984, sagrou-se campeão maranhense pelo Sampaio Corrêa/MA. Em 1988, já aposentado dos gramados, foi o treinador de goleiros do próprio Tubarão da Barra no título cearense daquele ano. Tantos anos depois, o Ferrão continua nas melhores lembranças de Giordano em conversa com amigos corais.

QUE VENHAM A COPA DO NORDESTE, A COPA DO BRASIL E O BRASILEIRO

Garantia de competições importantes em 2018

Aparentemente a temporada de 2017 acabou em pleno mês de maio para o Ferroviário. Exatamente como no ano passado. E como em vários outros anos também. A participação coral na Taça Fares Lopes desse ano é incerta e até desnecessária sob a ótica da busca por resultados esportivos que valham realmente a pena. A diferença é que antes o torcedor olhava pro futuro e não via perspectivas de um calendário diferente no ano seguinte. Agora, sabemos que além do campeonato cearense da 1ª divisão, em 2018, teremos Copa do Brasil, Série D do campeonato brasileiro e até a Copa do Nordeste, que o Ferrão não disputa desde 1999. É bom não esquecer que o Ferrão foi um dos articulares para o surgimento desta competição nos anos 90. Depois, em meio à perda de prestígio político e enfraquecimento esportivo ano após ano, nunca mais dela participou, nem quando eram distribuídos convites para as principais equipes da região.

Jogadores atuaram de forma heroica em 2017

O que mudou? É importante saber exatamente como tudo isso foi conquistado, principalmente quando não se pode afirmar que tudo isso foi fruto de um planejamento construído em bases sólidas. Não foi. Sabe-se que o Ferroviário sequer sabia que disputaria a 1ª divisão cearense em 2017. Cerca de 3 semanas antes do início dos jogos, entre os feriados do fim de ano, surgiu a boa nova e começou a correria para colocar um time em campo. A exiguidade de tempo nos deu um time que mais empatava do que ganhava, que marcava poucos gols, que a articulação ofensiva do meio campo era quase inexistente em vários jogos, etc. Tudo compreensível. Certamente foi a garra e a disposição dos jogadores dentro de campo, unidos de forma familiar até fora dele, além de uma arregimentação heroica de dirigentes e conselheiros que também fizeram a diferença. Nada como a união nos bastidores corais. Sabemos muito bem o que pode acontecer de catastrófico quando ela não existe. O fato é que o Ferroviário agora pode ter um futuro promissor se souber realmente conceber o tão sonhado planejamento construído em bases sólidas, desde a formatação do elenco, da manutenção dos principais jogadores da atual temporada, do uso correto e honesto dos recursos financeiros garantidos para o ano que vem, entre várias outras coisas. O futuro a Deus pertence. Mas como dizia o antigo slogan do primeiro projeto Sócio Torcedor do Ferrão há quase dez anos, o futuro não é mais como costumava ser. Agora parece que sim.

FERROVIÁRIO É FINALISTA DO ESTADUAL DEPOIS DE 19 ANOS

Ferrão volta a uma final depois de 19 anos

Em mais um confronto histórico contra um tradicional adversário, o Ferrão segurou o empate em 0x0 contra o Fortaleza ontem à noite e está garantido na final do campeonato cearense de 2017. Comemore, torcedor coral! Além de finalistas, estaremos no ano que vem de volta à Copa do Brasil, ao campeonato brasileiro da Série D e à Copa do Nordeste. Sem dúvida alguma, um momento mágico para o clube no ano de seu aniversário de 85 anos. O jogo novamente teve requintes de sofrimento, heroísmo e emoção. Mais uma vez, o Ferrão atuou apenas com 10 jogadores durante boa parte do jogo já que Moisés Lucas foi expulso aos 18 minutos do 2º tempo. Foi bonito e inesquecível. O clube enfrentou o Fortaleza em quatro partidas durante a competição e não perdeu nenhuma. Se alguém duvidava da grandeza do Ferroviário, agora não há mais dúvidas: o Ferroviário é gigante, pois só os gigantes se mantém vivos depois de tantas adversidades ao longo das últimas duas décadas. Confira abaixo os melhores momentos de ontem através do Esporte Interativo.

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

VITÓRIA EM SOBRAL PELO ESTADUAL NÃO ACONTECIA DESDE 1997

img-20170119-wa0002

Jogadores do Ferroviário ontem no vestiário do Junco depois da vitória contra o Guarany-S

Estamos diante de mais um fato histórico na vida do Ferrão! Jogando ontem à noite pela segunda rodada do campeonato cearense, o Tubarão da Barra derrotou o Guarany de Sobral em seus próprios domínios por 2×1. A última vez que o time coral havia batido seu tradicional adversário no Estádio do Junco, pelo Estadual, foi no dia 30 de março de 1997. É verdade que houve uma vitória pelo campeonato brasileiro, em 2001, e outra pela Taça Fares Lopes, em 2014, dentro de Sobral, mas há duas décadas isso não acontecia em jogos válidos pelo campeonato cearense. É de se comemorar! À exemplo do triunfo de vinte anos atrás por 2×0, o de ontem também valeu a liderança da competição. Pra recordar, confira a escalação do último time do Ferroviário a vencer em Sobral pelo Estadual: Jorge Luiz, Biriba, Júnior Umirim, Amarildo e Marcelo; Dino, Anderson e Marquinhos; Zé Roberto (Buiú), Demétrius (Paulo Adriano) e Artur. Quer outro detalhe que merece destaque? Há relatos que parte da torcida coral deixou a cidade debaixo de pedras. Alguma semelhança com o fato, já relatado no blog, acontecido no campeonato cearense de 1988? Parece que algumas coisas nunca mudam. Em tempo: o zagueiro Amarildo e o atacante Zé Roberto marcaram em 1997. Ontem, Maxuell fez dois gols.

EMPATE NA ESTREIA E RETORNO BOMBÁSTICO DE UMA CRIA CORAL

ferrao-2017-15jan

Ferroviário Atlético Clube na estreia em 2017 contra o Fortaleza – Em pé: Raul Muller, Túlio, Erandir, Mimi, Gustavo e Mauro; Agachados: Valdeci, Vitinho, Jeanderson, Maxuell e Jonathas.

Eis o Ferroviário que entrou em campo acima pela vez de número 3.562 em sua história. O retorno coral à Série A do campeonato cearense não poderia ser melhor: um bom número de torcedores no Castelão, uma apresentação de igual pra igual contra o Fortaleza e uma série de boas expectativas a partir de então. O placar de 2×2 foi injusto para o Tubarão da Barra, que poderia ter marcado o terceiro gol em, pelo menos, três chances claras de gol antes do final do jogo. Sob o comando do técnico Marcelo Vilar, confira a escalação do Ferrão contra o Leão: Mauro, Gustavo, Erandir, Túlio e Jeanderson; Jonathas, Mimi (Glauber), Valdeci (Adilton) e Raul Muller (Carlos Alberto); Vitinho e Maxuell. Dos que atuaram, a dupla Erandir e Túlio, o volante Jonathas, além de Valdeci e do artilheiro Maxuell, que marcou dois gols no ´Clássico das Cores`, são remanescentes da equipe que disputou a segunda divisão local na temporada passada.

Atacante Mota está de volta ao Ferrão

Porém, outra boa nova foi anunciada pela direção coral no dia seguinte ao empate contra o Fortaleza: o retorno, depois de 20 anos, do atacante Mota. Foi exatamente na temporada de 1997, ainda prestes a completar 17 anos de idade, que ele atuava nas equipes de base do Ferroviário. Naquela mesma temporada, participou de uma única partida pelo time profissional em toda a história, lançado pelo treinador Luiz Carlos Cruz na vitória por 2×0 em cima do Potiguar de Mossoró, no Estádio Nogueirão, no Rio Grande do Norte, pelo campeonato brasileiro. Depois de brilhar no futebol brasileiro, onde foi campeão nacional pelo Cruzeiro/MG em 2003, Mota está de volta para encerrar a carreira onde tudo começou. O jogador espera estar apto fisicamente para atuar ainda na segunda quinzena desse mês. Seu último clube foi o Bragantino/SP, na já distante temporada de 2014, quando atuou 17 vezes e marcou 2 gols. Mota está atualmente com 36 anos de idade, exatamente a idade que o artilheiro Sérgio Alves tinha quando chegou para defender o Ferroviário na temporada de 2006. Esperamos que Mota possa reeditar os gols marcados por Sérgio Alves e aumentar seu número de jogos nas estatísticas corais.

FOTO RARA DO FERRÃO NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1991

3mar1991

Ferroviário no Elzir Cabral em 1991 – Em pé: Jaime, Celso Gavião, Nílton, Valdecy, Guará e Toninho Barrote; Agachados: Magno, Basílio, Cacau, Ademir Patrício e Arnaldo.

A foto acima não é nada comum. Voltemos até 1991. Repare no patrocínio verde em cima das listras corais. Era da tradicional loja varejista ´A Esmeralda`, de propriedade do ex-presidente Moacir Pereira Lima. Nela, vê-se o vitorioso zagueiro Celso Gavião já no final de sua carreira, além dos experientes jogadores Valdecy, ex-Guarany de Sobral, e Ademir Patrício, ex-Ceará. Perceba também o goleiro piauiense Guará, irmão do também goleiro Jorge Luiz, bicampeão no Ferrão em 1995. Também do Piauí, mais precisamente do Tiradentes/PI, o ponta esquerda Arnaldo. Favor não confundir com o paulista Arnaldo, campeão em 1988 e que também chegou a jogar na temporada de 1991. O registro foi feito no Elzir Cabral, antes de um jogo contra o Parnaíba/PI pelo Campeonato Brasileiro.