VITÓRIA CONTRA O CAMPINENSE COM GOL LINDO DE JANEUDO

Há exatos dois anos, o Ferroviário ganhava do Campinense/PB por 3×2 e se credenciava para seu primeiro acesso em nível nacional, fato este concretizado, nos pênaltis, no jogo de volta em Campina Grande. Os tentos do Ferrão foram do artilheiro Edson Cariús, do craque Juninho Quixadá e um verdadeiro golaço do meia Janeudo, que fazia aniversário justamente naquele domingo. Você recorda a escalação coral naquele jogo? O treinador Marcelo Vilar escalou o time coral com o futebol de Gleibson, Lucas Mendes, Luis Fernando, André Lima e Sávio; Mazinho, Leanderson, Janeudo e Esquerdinha (Valdeci); Edson Cariús (Vitinho) e Juninho Quixadá (Dudu). Treinado por Ruy Scarpino, ex-goleiro da Portuguesa/SP, o time paraibano jogou com Jeferson, Douglas (Marcelinho), William Goiano, Rafael Jensen e Zeca; Jorginho, Felipe Macena (Beto), Gustavo Henrique e Thiago Potiguar (Marcinho); Denilson e Danilo Bala. Os gols da raposa campineira foram dos dois atacantes, Denilson e Danilo Bala. Dessa equipe, os volantes Jorginho e Felipe Macena se encontra hoje no elenco do Ferroviário. Vale a pena recordar abaixo o vídeo com os cinco gols da partida, na narração sensacional de Dênis Medeiros, da Rádio Verdes Mares de Fortaleza, além das imagens da TV Artilheiro. Reviva o domingo à noite de uma vitória histórica.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM RAMIREZ

O vídeo acima é uma posteridade para o futebol sul-americano, brasileiro e para o futebol cearense, em particular. São memórias de quarenta anos atrás, trazidas à tona diretamente do IGTV no Instagram em mais uma Live do Almanaque do Ferrão. Hoje, o bate papo ocorreu com o uruguaio Ramirez, famoso ex-lateral direito do Huracan de Montevideo, Seleção Uruguaia, Flamengo/RJ, Sport/PE, Campo Grande/RJ e que teve uma passagem marcante no Ferroviário entre o final de 1980 e começo de 1981. Foi o nosso quarto episódio da temporada 2020 de Lives, apresentadas no perfil oficial do blog no Instagram. Acima, você confere o vídeo disponibilizado da resenha com o ex-atleta coral, agora eternizado aqui no blog. Aproveite e recorde as boas histórias e lembranças desse grande jogador que passou pelo Ferrão. Aos domingos, às 21h30, no Instagram, a nossa Live recebe sempre um jogador do passado para resgatar resenhas e boas lembranças da trajetória coral em cada época. Não deixe de conferir.

URUGUAIO RAMIREZ É ATRAÇÃO NA LIVE DO ALMANAQUE DO FERRÃO

Ramirez vai recordar sua passagem no Ferrão

Há quarenta anos, ele passou pelo Ferroviário. Disputou 18 partidas de campeonato cearense e brasileiro com a camisa coral, marcou um gol importantíssimo contra o Fortaleza, que valeu a conquista de um turno para o Tubarão da Barra. No próximo domingo, dia 28, no horário já tradicional das 21h30, na Live do Almanaque do Ferrão no Instagram, chegou a vez da gente recordar as histórias do lateral direito Ramirez. Nascido na pequena Treinta y Treis, no interior do Uruguai, o ex-jogador teve 36 participações pela famosa celeste olímpica, a seleção uruguaia de futebol. No futebol brasileiro, atuou também no Flamengo/RJ e no Sport/PE, antes de chegar para o Ferrão, aos 29 anos de idade. Além de falar de sua carreira no futebol, o ex-jogador coral vai recordar pessoas, fatos e feitos, saídos da memória, quarenta anos depois.  Imperdível! Abaixo, publicamos a matéria jornalística que anunciou a sua chegada na Barra do Ceará, ladeado pelos novos jogadores Clodivaldo, Sousa e também pelo famoso goleiro Ado.

Matéria na imprensa cearense anunciando a chegada de Ramirez e Ado para o Ferrão em 1980

POR ONDE ANDA O NOSSO GRANDE ARTILHEIRO DO MARACANÃ?

o barbudo Almir, nosso goleador no Maracanã

As torcidas que ele encantou o chamavam de Almir Beleza, Almir Explosão ou, simplesmente, Diabo Louro. Era exatamente essa última alcunha, que a torcida coral gostava de se referir nos estádios a Almir, um carioca nascido na bela Petrópolis, artilheiro nato, que começou a carreira no Fluminense/RJ, jogando ao lado do craque Rivelino. Ele é até hoje o único jogador coral que assinalou gols no Maracanã, que nessa semana comemora seu aniversário de 70 anos. Depois de deixar o clube do Rio de Janeiro, Almir se destacou pelo Santa Cruz/PE e pelo CSA de Alagoas, até chegar no Ferroviário para disputar o campeonato brasileiro de 1980, quando marcou o primeiro gol da história do Tubarão da Barra no Maracanã, justamente na primeira vez que a equipe coral se apresentava no maior estádio do mundo. Jogando naquela noite contra o Flamengo de Zico, o Ferrão perdeu por 2×1, mas Almir assinalou um belo gol, depois de um passe de letra do craque Bibi. Após a competição, o vínculo do jogador se encerrou e ele seguiu sua carreira em Alagoas, dessa vez no CRB, retornando para a Barra do Ceará em 1982, e permanecendo até a temporada seguinte. No Ferroviário, além de dois vice-campeonatos estaduais, o Diabo Louro atingiu 91 jogos em campo e assinalou 30 gols. Você saberia dizer por onde anda Almir?

Nosso grande Almir, hoje com seu filho Samir

Depois que parou de rodar no futebol, passando ainda por Nacional de Manaus e ASA de Arapiraca, Almir Vieira Chagas voltou a morar em Petrópolis e conseguiu, no ano passado, oficializar sua aposentadoria junto à Previdência Social. O ex-goleador trabalhou, durante muitos anos,  como motorista de ônibus, atuando em várias companhias de transporte rodoviário. Trabalhou também como motorista na área de logística de produtos de confecção, onde cruzava o estado do Rio de Janeiro em suas atividades cotidianas. Hoje em dia, Almir mora sozinho em Petrópolis. O ex-atleta coral tem seis filhos, o mais novo, o jovem Samir, que aparece na foto acima. Em setembro desse ano, ele vai completar 64 anos de idade. Em março de 1983, jogando contra o Botafogo/RJ, novamente no Maracanã, Almir marcou outro gol com a camisa coral. O gol em 1980 e esse de 1983, o colocam na condição de único jogador do Ferroviário Atlético Clube, até hoje, a balançar as redes do tradicional estádio carioca. Naquele jogo, Almir terminou expulso de campo, juntamente com o craque Betinho. Abaixo, para homenagear nosso eterno artilheiro, publicamos o áudio com os gols do jogo contra o Botafogo, na narração da tradicional Rádio Globo do Rio de Janeiro, quando o Ferrão saiu na frente do placar e sofreu a virada, mesmo jogando bem no Maracanã, diante de 26.935 pagantes e com dois jogadores a menos.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM TIAGO GASPARETTO

No último domingo, dia 7, o perfil oficial do Almanaque do Ferrão no Instagram inaugurou o episódio de estreia da nossa primeira temporada de Lives, apresentadas naquela rede social. O ex-zagueiro Tiago Gasparetto, titular absoluto no inesquecível time que disputou a Série C do Brasileiro de 2006, brindou o público com uma série de boas recordações daquele período e falou também sobre sua carreira no futebol, encerrada no ano passado. Acima, você confere o vídeo disponibilizado da resenha com o ex-atleta coral, agora eternizado aqui no blog e que também está disponível no IGTV do nosso perfil no próprio Instagram. Aproveite e recorde esse grande zagueiro.

VITÓRIA DE VIRADA EM CIMA DO TREZE/PB NO BRASILEIRÃO DE 2006

Doze anos antes de decidirem um título nacional, Ferroviário e Treze/PB fizeram um jogo tenso pelo campeonato brasileiro de 2006. O vídeo acima recorda a vitória coral por 2×1, de virada, conquistada no Presidente Vargas, em Fortaleza. Os gols foram de Everton e Stênio para o Ferrão, enquanto Alisson marcou para o time paraibano. Apesar de não ter conquistado o acesso, aquela formação coral é considerada uma das melhores em todos os tempos. A vitória, conquistada na base da garra, selou a classificação coral para a segunda fase da competição. O jogo teve confusões dentro de campo. Os jogadores Nemézio, Fernandinho e Cristiano sofreram sangramentos durante os noventa minutos. Treinado por Arnaldo Lira, o Tubarão da Barra venceu com Jéfferson, Marcos Pimentel, Nemézio, Tiago Gasparetto e Guarilha; Horácio (Marcelo Mendes), Glaydstone, Claudeci (Róbson) e Everton; Stênio (Fernandinho) e Cristiano. O Treze jogou com Érico, Leandro Carlos, Alisson, Kiko e Marcos Paulo; Raminho, Viola (Calmon), Rogério Costa (Renatinho) e Leandro Diniz; Moisés e Paulinho Macaíba (Lenílson). O treinador era Celso Teixeira. O jogo foi disputado numa quarta-feira à noite, dia 2 de agosto de 2006, com um público de 1.344 pagantes. O árbitro foi Suélson Medeiros da Federação do Rio Grande do Norte. Com a vitória, o time coral passou para a segunda fase e pegaria Confiança/SE, Porto/PE e Vitória/BA, passando depois para a terceira fase e indo até o octagonal final da competição.

ALMANAQUE DO FERRÃO TEM ESTREIA DE NOVA ATRAÇÃO

Ex-zagueiro Tiago Gasparetto em nossa Live

Domingo à noite é sempre um momento habitual para resenhas futebolísticas. Pensando nisso, o Almanaque do Ferrão inaugura uma nova plataforma de conteúdo, que vai complementar as postagens tradicionais aqui do blog e também os dados da versão impressa de nossa publicação. Dando continuidade à expansão de conteúdo transmídia, anunciada desde que foi criado o nosso perfil oficial no Instagram, essa mesma rede social receberá a mais recente novidade do projeto: uma Live com ex-jogadores importantes, narrando suas histórias e batendo um papo a partir de suas resenhas. Será a primeira temporada desse novo modelo e nomes importantes prometem destacar essa iniciativa. Para começar, no dia 7 de junho, às 21h30m, vamos receber o zagueiro Tiago Gasparetto, que se destacou em sua passagem no campeonato brasileiro de 2006, quando o Ferrão quase conseguiu o acesso nacional para a Série B do ano seguinte. Apesar de ser uma equipe que não conquistou seu objetivo principal, trata-se de uma formação que a torcida do Ferroviário sempre lembra positivamente em nossa história. Então, não perca! Vai ser bacana no domingo!

REGISTRO DA PRIMEIRA FORMAÇÃO QUE SE DESTACOU NA SÉRIE C DE 2006

Ferroviário em 2006 – Em pé: Jéfferson, Nemézio, Tales, Tiago Gasparetto, Marcelo Mendes e Marcelo Sá. Agachados: Marcos Pimentel, Glaydstone, Ernandes, Fernandinho e Cristiano

Esse é o Ferrão de 2006 no retrato! Naquela temporada, o time coral quase conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro. Foi por um triz. Depois de um período de três meses de inatividade, acontecida entre o fim do campeonato cearense e o início da Série C nacional, o Ferroviário voltava aos gramados com essa formação no primeiro amistoso preparatório para a nova competição. Era a estreia de nomes como o zagueiro Tiago Gasparetto, do famoso atacante Fernandinho e dos meias Tales e Marcelo Sá. A base dessa equipe seguiu firme no campeonato nacional e por muito pouco não subiu de divisão. O registro fotográfico foi feito antes de um amistoso contra o Ceará no estádio Presidente Vargas. O alvinegro venceu por 2×1 com gols de Luís Fernando e Léo Gago. Tales marcou para o Ferrão. A maioria desses atletas já pendurou as chuteiras. O eficiente volante Marcelo Mendes trabalha atualmente no Sampaio Corrêa. Tiago Gasparetto é instrutor de escolinhas no interior de São Paulo e o goleiro Jéfferson trabalha com esportes na prefeitura de Fortaleza. Grande time!

VITÓRIA FORA DE CASA CONTRA O AMÉRICA/RN NO BRASILEIRO DE 1988

Hoje é dia de recuperar as imagens raras da TV Cabugi de Natal e recordar uma grande vitória do Ferrão fora de casa. Foi no dia 30 de outubro de 1988. O campeão cearense foi ao Rio Grande do Norte para enfrentar o campeão potiguar e se deu bem, fazendo 3×2 no placar. Numa tarde infeliz do goleiro Sérgio Maria, o Tubarão da Barra se aproveitou e venceu o jogo com gols de Silmar, Cícero Ramalho e Arnaldo. Era a estreia de Erandy Montenegro como técnico da equipe coral. Do outro lado, Ferdinando Teixeira era o comandante do América. O jogo foi disputado no antigo estádio Castelão de Natal, que depois passou-se a chamar Machadão e hoje é onde se localiza a Arena das Dunas. O Ferroviário teve em sua formação algumas novidades em relação à equipe que foi campeã estadual cerca de cinquenta dias antes: Zé Luís, Silmar, Arimatéia, Kléber e Osmanir; Toninho Barrote, Alves, Arnaldo e Jacinto (Lane); Teninha (Edson) e Cícero Ramalho. Na defesa, o carioca Zé Luís veio do Fortaleza, Kléber era da base e Osmanir estava no Tiradentes/CE. Do meio pra frente, as novidades eram Lane e Teninha, egressos das categorias de basel, além de Cícero Ramalho, que fora artilheiro do campeonato cearense com a camisa do Quixadá. O América de Natal jogou com Sérgio Maria, Adailton (Gito), Edson, Belchior e Soares; Baltazar, Dedé de Dora (Luizinho) e Valério; Baíca, Oliveira e Elmo Casquinha. Os gols do adversário foram de Oliveira e Belchior. Wilson da Conceição Araújo foi o árbitro do jogo.

EMPATE COM O ATLÉTICO MINEIRO NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1981

Recuperamos acima do vídeo dos gols do primeiro jogo na história entre Ferroviário e Atlético/MG. Ele foi realizado no dia 25 de janeiro de 1981 e foi válido pelo campeonato brasileiro daquele ano. A equipe mineira havia sido a vice-campeã no ano anterior e tinha o desfalque de nomes como o goleiro João Leite, o zagueiro Luisinho e o consagrado atacante Reinaldo. Por sua vez, o Tubarão da Barra contava com o ímpeto de Roberto Cearense, um jovem destaque no ataque coral revelado naquele certame. A sorte não sorriu para o Ferroviário. Apesar de apresentar um melhor padrão de jogo, o Ferrão fez 1×0 com o craque Jacinto, mas sofreu o empate na etapa final com um gol contra do lateral direito Jorge Luís, que atuou naquela tarde como zagueiro improvisado. O time coral ainda perdeu um pênalti no segundo tempo. Jangada chutou a bola no travessão do goleiro Celso. O lance gerou descontentamento no técnico Lucídio Pontes porque o volante potiguar Baltazar era o cobrador oficial da equipe.

Num lance de infelicidade, a bola bate no lateral Jorge Luís e vai morrer dentro do gol do Ferrão

Naquele domingo, o Ferroviário atuou com o futebol de Salvino, Ramirez (Zé Carlos), Lúcio Sabiá, Jorge Luís e Jorge Henrique; Baltazar, Jeová e Jacinto (Doca); Jangada, Roberto Cearense e Marco Antônio. Por sua vez, o Atlético Mineiro, treinado por Procópio Cardoso, jogou com Celso, Orlando, Osmar, Silvestre e Jorge Valença; Heleno, Renato e Palhinha; Pedrinho, Fernando Roberto e Chico Spina. O jogo teve o carioca José Roberto Wright na arbitragem e contou com a presença de 3.479 pagantes. Além do Atlético/MG, o Tubarão da Barra tinha os seguintes adversários no Grupo C do campeonato brasileiro: Campinense/PB, Sport/PE, Fluminense/RJ, América/RN, São Paulo/SP, CSA/AL, Mixto/MT e River/PI. Apesar de times fortes e tradicionais disputando vagas na mesma chave, ao final da primeira fase, o Ferrão galgou a sua classificação para a segunda fase da competição.