PONTA ESQUERDA BABÁ EM ENTREVISTA NO YOUTUBE

O vídeo acima tem 22 minutos de duração. O entrevistado em destaque jogava com a camisa 11. Campeão Cearense pelo Ferroviário em 1979, o ponta esquerda Babá esteve afastado dos holofotes esportivos durante muitos anos, mas foi recentemente homenageado com uma entrevista no canal Maestros da Bola, conduzida pelo radialista João Paulo Quintela. Cria da base do Ceará, Babá foi de graça para o Ferrão após ser dispensado do alvinegro. Na Barra do Ceará, o atacante permaneceu durante o período compreendido entre 1976 e 1981. Foram 250 jogos e 31 gols marcados com a camisa coral, o que o coloca como o 14º jogador a mais vezes defender o clube na história. No vídeo acima, o carismático e querido Babá recorda o título estadual pelo Tubarão da Barra em 1979 e o gol que marcou no jogo decisivo contra o Fortaleza, além de uma série de outros detalhes sobre sua carreira e passagem em outros clubes do futebol nordestino. Atualmente, Francisco das Chagas Martins Viana, o ponta esquerda Babá, é aposentado, mora em Fortaleza e tem 67 anos de idade.

GUAYAQUIL SE DESPEDIU DO ETERNO ÍDOLO CORAL PAULO CÉSAR

A notícia circulou somente ontem no Brasil por intermédio do Sindicato dos Atletas Profissionais do Maranhão, mas o fato aconteceu na madrugada do último dia 4 de outubro. Apesar da bravura conhecida dentro dos gramados, Paulo César, ídolo coral e artilheiro do Campeonato Cearense de 1979, perdeu o jogo da vida depois de uma dura batalha contra o câncer. A cidade de Guayaquil, no Equador, chorou a morte de um dos brasileiros de maior sucesso no futebol equatoriano em toda a história. Conhecido por lá como La Bruja, Paulo César marcou mais de 100 gols na primeira divisão daquele país, se destacando principalmente pelo Barcelona, entre outras equipes tradicionais. Os torcedores equatorianos chegaram a ser convidados a colaborar com a família do ex-atleta para custear os altos gastos financeiros do tratamento e também de seu sepultamento, sendo realizado até uma rifa de uma camisa do Barcelona, autografada pelos principais ídolos do clube. Ele tinha 70 anos de idade e havia descoberto o câncer em meados desse ano.

Paulo César foi um dos maiores artilheiros que o futebol cearense conheceu. Foram 137 partidas com a camisa do Ferrão e 88 gols marcados entre 1978 e 1981. Após deixar o time coral, o eterno goleador foi jogar no Equador e não mais residiu no Brasil. Depois de vivenciar a tragédia de repentinamente ficar viúvo da cearense Fátima Santiago, seguiu a carreira para sustentar a filha Cristiane, de apenas 2 anos de idade, vindo depois a constituir uma nova família no exterior, porém perdendo completamente o contato com os familiares que deixou em Pernambuco que, por sua vez, chegaram a achar que ele havia falecido. Através de uma matéria do Almanaque do Ferrão, sua família tomou conhecimento do paradeiro de Paulo César e conseguiu retomar o contato num momento de grande emoção para todos os envolvidos. Na qualidade de um dos maiores goleadores da história coral, Paulo César mereceu postagens especiais aqui no blog diversas vezes e, na temporada de 2019, estampou um dos copos colecionáveis da série “Legendários” durante os jogos da Série C nacional. Conforme mostra o vídeo abaixo em sua memória, Paulo César foi o jogador mais querido do Barcelona de Guayaquil nos anos 1980. Seu nome estará sempre entre os grandes jogadores no Equador e, como não poderia deixar de ser, será sempre reverenciado pela extraordinária passagem pelo Ferroviário Atlético Clube.

ÁUDIO RARO COM GOLEADA CORAL E VOZ DO GOLEADOR PAULO CÉSAR

Eis mais uma raridade em áudio para posteridade aqui no blog. Na narração de Júlio Sales, pela Rádio Verdes Mares, o Ferrão meteu 5×0 no Fortaleza e conquistou o título do 2º turno do Campeonato Cearense de 1979. Em um dos gols, o repórter de campo coloca o microfone na boca do artilheiro Paulo César e capta a voz do ídolo coral, definida pelo experiente narrador como a “voz romântica” do futebol cearense. Ainda na cobertura radiofônica, o ex-árbitro Gilberto Ferreira fala o seu bordão “bota no centro que a bola foi dentro“. É possível ouvir ainda a voz dos setoristas Luiz Antônio e Bezerra de Menezes, além do comentarista José Santana. O nome do saudoso Blanchard Girão também é citado no áudio acima. Além de Paulo César, os gols do Tubarão da Barra foram marcados pelo zagueiro Celso Gavião e pelo atacante Raulino. O ídolo Paulo César reside no Equador desde os anos 1980 e Celso Gavião, apesar de paulista, fixou residência em Fortaleza após pendurar as chuteiras. Por sua vez, o amazonense Raulino faleceu em 2010, aos 55 anos de idade, vítima de problemas cardíacos. Ao final daquela temporada, o Ferrão conquistou brilhantemente o título estadual de 1979 e tirou o sonhado pentacampeonato do Ceará. Essa postagem é dedicada a José Rego Filho e Ruy do Ceará, que comandaram aquela conquista em termos diretivos e que atualmente enfrentam problemas de saúde.

MEIO CAMPISTA DOCA EM ENTREVISTA NO VESTIÁRIO CORAL

Meio campista Doca em entrevista no vestiário coral ladeado pelo ex-presidente Chateaubriand Arrais

O registro acima aconteceu após algum jogo do Ferroviário na temporada de 1979. O meio campista Doca, famoso jogador do elenco coral na ocasião, concedia entrevista para um repórter que vestia literalmente a camisa do próprio Ferroviário. Ao lado do jogador, vê-se o dirigente Chateaubriand Arrais, que havia sido presidente entre 1975 e 1977. Doca é o terceiro jogador que mais vezes defendeu a camisa coral, totalizando 338 partidas e 17 gols marcados. Seu nome de batismo é Pedro Assis de Souza, nascido em 10 de março de 1953. Doca chegou para o Ferrão na temporada de 1978 e permaneceu até 1985, atuando em todas as posições do meio campo, notadamente como volante na maior parte dos jogos. Oriundo do Quixadá/CE, o jogador fez sua primeira partida com a camisa do Tubarão da Barra no dia 06/04/1978 contra o América/CE, no Castelão, em jogo válido pelo 1º turno da Taça Waldemar Alcântara. Sua partida de despedida ocorreu no PV, no dia 20/12/1985, contra o Fortaleza, pelo Campeonato Cearense daquele ano. Doca conquistou um título estadual pelo Ferrão, em 1979, quando atuou em 42 jogos e marcou 2 gols.

FERRÃO VOLTA A ENFRENTAR UM TIME DE RONDÔNIA APÓS 42 ANOS

Em 1979 o Ferroviário esteve em Rondônia

O Porto Velho, equipe de futebol do Estado de Rondônia, é o adversário do Ferrão na Copa do Brasil de 2021. O jogo estava marcado para a capital rondoniense, mas a CBF transferiu o mando de campo para Goiânia em razão da elevadíssima incidência de Covid-19 em Porto Velho. Este será o quarto adversário rondoniense na história coral. Em 1979, o Tubarão da Barra fez uma excursão pela região norte do país e enfrentou na sequência as seguintes equipes de Rondônia: Ypiranga/RO, Moto Clube/RO e o campeão estadual Ferroviário/RO, vencendo os três jogos por 5×1, 5×0 e 2×1, respectivamente. A jovem revelação coral Carlos Brasília, cria das categorias de base, foi o grande destaque daqueles jogos realizados no Estado vizinho à Bolívia, assinalando 6 gols nas três partidas, que renderam a Taça Imprensa para a galeria de troféus do Ferroviário. Infelizmente, na temporada de 2021, o Tubarão não viajará para Rondônia novamente. A torcida fica para que mesmo jogando em Goiás, o time coral possa fazer mais uma vítima rondoniense e passar para a segunda fase da Copa do Brasil, o que renderá uma boa premiação financeira nos cofres do clube.

Atualização: O jogo marcado para o dia 18/03/2021 acabou sendo adiado para data futura também em razão da grave situação relacionada à Covid-19 em Goiânia.

CELSO GAVIÃO E SUAS MEMÓRIAS NO FERROVIÁRIO E NO PORTO

O vídeo acima foi editado a partir de uma entrevista concedida pelo ex-zagueiro Celso Gavião à jornalista Denise Santiago. Veiculado no programa Jogo Certo da TV Diário, em 2018, o ex-atleta coral falou de algumas recordações vitoriosas no futebol, entre elas, o título estadual no Tubarão da Barra, em 1979, e o título mundial no Porto, de Portugal, em 1987. Quando perguntado sobre ter marcado o gol do título pelo Ferrão em cima do Ceará, Celso não titubeou: “foi o gol do título“. Na prática, é verdade que não foi, visto que o título só foi confirmado após uma vitória por 3×0 em cima do Fortaleza, na rodada seguinte. Porém, o gol do Gavião foi de uma importância tamanha que é comumente referido como o ´gol do título`, dado o contexto de uma vitória maiúscula, histórica e totalmente improvável em termos de prognósticos naquele momento. Referida curiosidade é, inclusive, relatava no texto intitulado “Petardo do Gavião e Milagres do Capacete“, no recém-lançado livro `Crônicas Corais´, em alusão às atuações individuais do zagueiro Celso e do goleiro Cícero Capacete naquele memorável jogo contra o alvinegro, em setembro de 1979. Fica a dica de leitura.

DIA DE COMEMORAR MAIS UM ANIVERSÁRIO DO TÍTULO DE 1979

Capa do Correio do Ceará em 1979

Em 1979, num inesquecível domingo, dia 16 de setembro, o Ferroviário bateu o Fortaleza por 3×0 e conquistou o seu sexto título estadual na história. Os gols da peleja já mereceram postagens anteriores aqui no blog, tanto na rara recuperação do vídeo, como no resgaste do áudio histórico durante a transmissão da Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Em mais um aniversário daquela conquista, quarenta e um anos depois, destacamos hoje a capa do extinto Correio do Ceará, um dos jornais mais tradicionais do estado até aquela década. Com o título “Campeão Merecidamente“, o famoso periódico estampou a foto da formação que entrou em campo naquela decisão, com o goleiro Edmundo substituindo Cícero Capacete, suspenso, e Jorge Henrique no posto do lateral esquerdo Ricardo Fogueira, expulso no jogo anterior. Em 1979, o Ceará tentava o propalado e inédito pentacampeonato, mas acabou encontrando o Ferrão no caminho e o teve como verdadeiro algoz, sobretudo no histórico confronto realizado quatro dias antes da partida decisiva contra o Fortaleza, confronto este que até hoje é lembrado nos estádios do futebol cearense. Vale lembrar que o Ferrão teve quatro treinadores naquela campanha: Pedrinho Rodrigues, 15 jogos, José Oliveira, 6 partidas, Urubatão Nunes, 23 jogos e César Moraes nos 8 últimos jogos da competição, terminando como o grande campeão. Dos 52 jogos no campeonato cearense, os atacantes Paulo César e Dedé, ambos com 46 apresentações, foram os que mais entraram em campo com a camisa coral. Os jovens Edson e Haroldo foram os que jogaram menos. Cada um entrou em campo uma única vez naquela competição. O legendário Paulo César foi o grande artilheiro do certame com 29 gols.

GOLS DE UMA GRANDE VITÓRIA DO FERROVIÁRIO EM CIMA DO CEARÁ

Artilheiro Paulo César marca o primeiro gol do jogo contra o Ceará aos 7 minutos do 1º tempo

A imagem acima é mais um gol de Paulo César no campeonato cearense de 1979. Foi marcado na goleada de 4×2 em cima do Ceará, no dia 10 de junho daquele ano. Os 19.414 pagantes testemunharam, no Castelão, uma atuação de gala do Ferrão contra o time que era o tetracampeão estadual. O treinador Urubatão Calvo Nunes promovia a estreia oficial do goleiro Cícero Capacete, do lateral Jorge Luís e do atacante Raulino, que marcou logo dois gols em seu primeiro jogo. O baixinho Babá anotou o outro tento coral no jogo. Coube a Aloísio Guerreiro e Geraldino Saravá marcarem para o alvinegro, que era treinado por Moésio Gomes. Repare na bela escalação coral naquele domingo: Cícero, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Jeová, Jacinto (Dedé) e Nilsinho (Terto); Raulino, Paulo César e Babá. O Ceará perdeu com Sérgio Gomes, Tércio, Pedro Basílio, Artur e Bezerra; Serginho e Erasmo (Jangada); Ivanir, Aloísio Guerreiro, Geraldino e Tiquinho. Aquele 4×2 deu muita moral ao Ferrão, que conquistou o 2º turno duas semanas depois. Raulino, estreante e autor de dois gols no jogo, foi também peça fundamental no título estadual daquele ano. Mês passado, completou dez anos de sua morte, na cidade de Manaus, em decorrência de problemas cardíacos. Com a narração de Gomes Farias, além da participação do ex-árbitro Gilberto Ferreira e dos setoristas Luiz Antônio e Itamar Monteiro, você confere abaixo o resgate histórico em sete minutos de áudio com os seis gols daquela memorável partida transmitida pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

FOTO RARA COM MIRANDINHA NO TIME PROFISSIONAL DO FERRÃO

Ferroviário Atlético Clube em fevereiro de 1979 – Em pé: Paulo Maurício, Edmundo, Jeová, Júlio, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Agachados: Dedé, Jacinto, Mirandinha, Nilsinho e Babá

Nesse período de isolamento social, o ex-goleiro Edmundo abriu o seu arquivo de fotos nas redes sociais. Veja a raridade acima que ele postou. Trata-se de uma foto especial no estádio Elzir Cabral. Foi tirada antes do início de um amistoso preparatório contra o Tiradentes/CE. Era o dia 17 de fevereiro de 1979 e o Tubarão da Barra venceu o jogo por 1×0, gol do ponta esquerda Babá. A foto não é nada convencional já que apresenta o famoso atacante Mirandinha, ainda garoto, atuando pela equipe profissional do Ferroviário, depois de retornar de uma transferência polêmica para a Ponte Preta/SP. Ele participou de  apenas quatro amistosos na pré-temporada para o Estadual daquele ano, porém acabou não ficando no grupo, pois retornou para o futebol paulista após acertos diretivos. A foto acima é justamente o último registro de Mirandinha no Ferroviário naquela temporada. Depois disso, ele só voltou em 1996 para encerrar a carreira de jogador e iniciar a de treinador. Treinado por Pedrinho Rodrigues, o Ferrão venceu com Edmundo, Paulo Maurício, Júlio, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Jeová, Jacinto e Nilsinho; Dedé, Mirandinha e Babá. O Tiradentes perdeu com uma formação conhecida do futebol cearense: Tarcísio Abelha, Carlito, Nilo, Cândido e Luís Augusto (Califa); Aucélio (Da Silva), Dudé e Zezinho (Marcos Décio); Vanderley, Luizinho e Lula (Messias). Oito desses nomes jogaram ou jogariam depois no time coral. Ao final do campeonato cearense, essa mesma base conquistou o título máximo de 1979.

PRESENTE DE NATAL: O GOL DE CELSO GAVIÃO CONTRA O CEARÁ EM 1979

Talvez esse seja o gol mais celebrado da história do Ferroviário. Certamente é um dos mais comentados até hoje nas arquibancadas por todos que têm na memória aquela noite de quarta-feira, dia 12 de setembro de 1979. Por 40 anos, o gol antológico de Celso Gavião pôde apenas ser imaginado por quem nunca o vira e, quando muito, recordado vagamente por cerca de 30 mil pessoas que estavam no Castelão ou por quem conseguiu conferir as imagens, no dia seguinte, no programa Globo Esporte na televisão. Depois daqueles dias em 1979, nunca mais esse lance foi destacado. Um incêndio nos arquivos da TV Verdes Mares, no início dos anos 1980, aniquilou grande parte do acervo da década anterior e a fita de vídeo com o gol de Celso Gavião virou pó. O jogo que até hoje é também lembrado pelas defesas milagrosas do goleiro Cícero, nunca saiu da memória dos torcedores que acompanharam aquela vitória improvável, tamanha a superioridade técnica do Ceará. Acima, a raridade da imagem do gol antológico de Celso Gavião vem ainda recheada com a briga, logo nos primeiros minutos da contenda, que tirou o ponta direita Jangada e o lateral esquerdo Ricardo Fogueira do resto da partida, expulsos pelo árbitro Leandro Serpa, além da imagem sempre simpática do saudoso locutor Luciano do Valle, apresentador do Globo Esporte naquele período. Quer saber como esse vídeo foi resgatado pelo blog? Trata-se de uma longa história para ocupar agora esse espaço, fruto também de um longo tempo de investidas interestaduais, a maioria sempre fracassada, porém uma delas culminou com a sorte de encontrarmos ocasionalmente um jornalista, funcionário da Globo e – a maior das coincidências – filho de uma ex-goleador do Ferroviário, que gentilmente se propôs a pesquisar os arquivos do Globo Esporte em busca dessa raridade. Agora, no dia de Natal, eis o nosso presente para um geração apaixonada de corais que pode finalmente relembrar aquele gol memorável de Celso Gavião. Feliz Natal!