GOL DE RICARDO FOGUEIRA NO JÁ DISTANTE ESTADUAL DE 1978

Já faz quase 40 anos do vídeo acima, porém o Almanaque do Ferrão conseguiu recuperar mais um material raríssimo do campeonato cearense de 1978. Foi exatamente num domingo, também dia 20 de novembro como hoje. Empate entre Ferroviário e Fortaleza pelo 3º turno do Estadual daquela temporada. O Tubarão da Barra perdia por 1×0, mas conseguiu o empate no minuto final, num chute de fora da área do lateral esquerdo Ricardo Fogueira. Foi a partida 1.644 da história coral, que teve Monteiro da Silva na arbitragem. Confira a escalação do Ferrão: Gilberto, Paulo  Maurício, Júlio, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Jodecir, Jorge Bonga e Jacinto (Jorge Henrique); Marcos (Luizinho), Paulo César e Babá. O Fortaleza jogou com Lulinha, Pepeta, Chevrolet, Celso Gavião e Dudé; Joel  Maneca, Bibi (Batista) e Lucinho; Haroldo (Netinho), Geraldino Saravá e Da Costa. Foi o duelo dos treinadores Lucídio Pontes contra Moacyr Menezes. Um mês depois, o Ceará conquistaria o tetracampeonato num dos certames mais equilibrados em toda história do futebol alencarino. Destaque, mais uma vez, para a camisa com listras diagonais utilizadas pelo Ferroviário naquele período, que sempre desperta a curiosidade e os elogios de muitos torcedores que acessam o nosso blog.

A VISITA DE UM TETRACAMPEÃO MUNDIAL AO ESTÁDIO ELZIR CABRAL

ricardorocha_ferrao

Ricardo Rocha, à esquerda, com o presidente Luiz Gonzaga Neto e Mirandinha

O Almanaque do Ferrão resgata hoje a foto que marcou a visita de um tetracampeão mundial ao Estádio Elzir Cabral, o zagueiro pernambucano Ricardo Rocha. Ela foi tirada em 25 de novembro de 2010. A visita aconteceu a convite do grupo gestor que acabara de assumir o setor de futebol coral e que tinha no ex-atacante Mirandinha, famoso nacionalmente e revelado pelo próprio Ferroviário, um de seus principais articuladores. Na ocasião, especulou-se na imprensa que o ex-jogador da Seleção Brasileira poderia ser um potencial investidor do clube, que tinha Luiz Gonzaga Neto na presidência. O desfecho da parceria do Ferrão com o grupo gestor acabou não rendendo os frutos esperados em razão principalmente da constante instabilidade política que há anos impera na Barra do Ceará. Ricardo Rocha foi um dos líderes da seleção na Copa de 1994 nos Estados Unidos. Infelizmente sofreu uma contusão muscular logo no primeiro jogo contra a Rússia e acabou ficando fora do restante das partidas que levaram o selecionado brasileiro à conquista de uma Copa do Mundo depois de 24 anos.

ESTREIAS NO DIA 5 DE JANEIRO NA HISTÓRIA DO FERROVIÁRIO

Ontem foi dia 5 de janeiro e esta data faz referência à estreia do Ferroviário em quatro diferentes edições do campeonato cearense ao longo dos anos, mais precisamente nos certames de 2003, 2008, 2013 e 2014. O Almanaque do Ferrão faz agora um breve resumo histórico de cada estreia e contextualiza o impacto comparativo do resultado da partida com o desfecho final do Tubarão na competição.

Ferrao2002_02

Derrota em 2003 e vice-campeonato no final

Em 2003, o Ferroviário montou um time modesto envolto às limitações financeiras de sempre, mas que acabou ficando com o vice-campeonato por ter sido o clube que mais pontuou entre todos os participantes, com exceção evidentemente do campeão Fortaleza, que arrebatou o título arrastão conquistando dois turnos. O resultado da estreia, entretanto, não foi nada animador: derrota para o Maranguape, em pleno PV, por 1×0, num time que jogou com Zezinho, Arildo, Marcos Aurélio, Puma e Marcelo Sabiá (Andrezinho); Édio, Cícero César, Cantareli (Gil Bala) e Júnior Cearense; Danilo (Renatinho) e Guedinho. Foram estes jogadores que garantiram ao Ferroviário o direito da última participação coral na Copa do Brasil, acontecida no ano seguinte, quando a equipe ainda tinha vaga cativa na Série C do Campeonato Brasileiro.

camisapreta

Estreia também da camisa preta em 2008

Outra estreia num 5 de março ocorreu cinco anos depois, em 2008, no Elzir Cabral, 1×1 com o Itapipoca, numa partida que o time coral cometeu o deslize de inaugurar seu novo uniforme, na cor preta pela primeira vez na história, sob o sol desgastante de um sábado às 15h30. Os jogadores só aguentaram o primeiro tempo e voltaram de branco para a etapa final. O time formou com Marcelo Silva, Júnior Moura, Jaílson, Nemézio e Teles; Dedé, Stênio (Nilsinho), Mazinho e Júnior Ferreira (Guto); Danúbio (Leonardo) e Danilo Pitbull. A estreia nada convincente foi apenas um aperitivo para o que viria ao final da competição: pontuação baixa no Estadual mais importante dos últimos tempos, pois valia uma vaga para a Série C definitiva do Brasileirão, conquistada pelo Icasa, o que para o Ferroviário significou o rebaixamento sumário para jogar apenas a Série D nacional em caso de futuras classificações via campeonato cearense.

FERROVIRIO

Perfilados para o hino nacional na estreia de 2013

Em 2013, estreia com vitória em cima do Crato, por 1×0, no PV, com um gol do artilheiro Giancarlo nos acréscimos. Época de esperanças promovidas por uma diretoria renovada, uma equipe com média de 20,4 anos de idade e um projeto de gestão de futebol promissor com objetivos de médio e longo prazos, que valeram uma excelente primeira fase de competição apesar de gritantes limitações financeiras, quando por muito pouco a equipe não conquistou depois de 10 anos uma vaga para a Copa do Brasil. Ferrão com Fernando Júnior, Everton (Márcio), Cleylton, Anderson Borges (Kleyton) e Tinga; Lima, Maico Motta, Foguinho e Leandro; Luisinho (Romário) e Giancarlo.

imagesfac

Goleada com Iarley e ilusões em 2014

No ano passado, a queda, o rebaixamento para a segunda divisão cearense, apesar da impiedosa goleada na estreia, novamente contra o Crato, 7×2 no Castelão. Sem dúvida, um resultado que escamoteou uma péssima pré-temporada e a ruptura por completo de premissas básicas da gestão de futebol em relação ao que vinha sendo posto em prática na temporada anterior. Formado por Fernando Júnior, Mota, Júnior Carvalho, Regineldo e Everton; Vagno Pereira, Haron (Anderson Lourenço) e Jack Chan (Diego); Iarley (Adilton), Rafael e Igor Eloy, essa equipe deu falsas ilusões a um ótimo público presente no estádio, fechando a série de quatro estreias estaduais no dia 5 de janeiro no decorrer de oito décadas.

PRIMEIRA ENTREVISTA DE MARCELO VEIGA NO FERROVIÁRIO


O ex-lateral esquerdo Marcelo Veiga completou 50 anos de idade no último dia 7. Além de ter marcado o gol do título de 1988, o aniversariante do mês é um dos maiores ídolos da história do Ferroviário, não apenas pelo gol importante na final, mas pela garra, liderança e habilidade demonstradas em 79 partidas com a camisa coral, que o fizeram uma espécie de xodó da torcida naquele período.

O que pouca gente sabe é que por muito pouco Marcelo Veiga quase vestia a camisa do Ceará, antes de vir para o Ferroviário. O diretor de futebol alvinegro na época, Sérgio Fonteles, queria o jogador que pertencia ao Santo André/SP. O titular da posição, Agnaldo, já tinha acertado tudo com o Ferroviário, mas sofreu um acidente de moto às vésperas da viagem. A direção do clube paulista entrou em acordo com o Ferrão e enviou Marcelo Veiga para o lugar de Agnaldo. O Ceará teve que se contentar em ficar chupando o dedo.

O futebol é engraçado, pois quem não vinha acabou vindo e escreveu seu nome na história definitiva do Ferroviário. Ao dar sua primeira entrevista na televisão, logo após um amistoso contra o Barcelona da Liga do Quintino Cunha, em janeiro de 1988, quem poderia imaginar que aquele paulistano de 22 anos se tornaria tão essencial naquela memorável conquista? O Almanaque do Ferrão vai no fundo do baú e resgata esse momento da TV cearense, aproveitando para mandar os parabéns para o aniversariante Marcelo Veiga.

CAMPEÕES INVICTOS DE 68 TÊM REENCONTRO INESPERADO

20140822_235207

Quando o interfone tocou no apartamento do ex-zagueiro Luiz Paes, ele jamais esperava a visita do passado naquela tarde de quinta-feira. Era agosto desse ano, dia 21. Pelo interfone, o porteiro anunciou o visitante: “É o Cavalheiro que está aqui embaixo”. Depois de 45 anos, dois ex-companheiros corais se reencontravam de forma emocionante e totalmente inesperada. Em meio ao forte abraço, Cavalheiro exclamava repetidas vezes: “meu zagueiro, meu zagueiro”.

Depois que foi embora do Ferroviário em 69, o gaúcho Cavalheiro nunca mais havia visto os campeões invictos do ano anterior. Em 2014, resolveu passear e reencontrar um pouco do seu passado. A passagem por Fortaleza foi breve, mas o suficiente para reencontrar 5 ex-atletas da sua época, graças ao ex-lateral Barbosa, que cuidou de ligar pra um e pra outro em caráter de urgência. No dia seguinte, o reencontro numa churrascaria de Fortaleza envolveu até familiares. Em meio a troca de presentes, mais abraços e fortes emoções.

20140822_210519

Mano, Luiz Paes, Edmar, Barbosa, Cavalheiro e Raimundinho juntos depois de tanto tempo

Todos receberam o Almanaque do Ferrão com o registro da história que cada um escreveu no clube. Na foto acima, da esquerda para direita: Mano, Luiz Paes, Edmar, Barbosa, Cavalheiro e Raimundinho. O tempo foi curto demais para reunir mais ex-companheiros. No dia seguinte, Cavalheiro foi embora, levando novamente a saudade. Ficou de não demorar mais tanto tempo pra voltar e reunir um número maior de amigos da próxima vez, aqueles que escreveram uma das mais belas páginas da história do Ferroviário, o título de campeão invicto de 1968, os colegas heróis, como bem registrou Barbosa por escrito na dedicatória que Cavalheiro jamais vai esquecer.

QUEBRADO TABU DE 13 ANOS SEM VITÓRIAS NO JUNCO EM SOBRAL

estadiodojunco

Recentemente o Ferroviário quebrou um tabu de 13 anos sem vencer o Guarany na cidade de Sobral. O feito pode e deve ser comemorado, afinal foram várias partidas no período. Coube ao grupo que disputa a Taça Fares Lopes quebrar a castanha do cacique do vale dentro de seu terreiro. A vitória veio finalmente em 28/9/14. Por coincidência, a última vitória havia sido praticamente na mesma data: 29/9/01.

Assim como hoje, o time de 2001 não gozava de muito prestígio junto à torcida e atravessava problemas financeiros, mas cumpria uma campanha digna no Brasileiro da Série C sob o comando de William Braga na presidência coral, que fazia das tripas coração para manter o clube em bom nível de competitividade.

Naquela vitória no Estádio do Junco, destaque para o artilheiro Rogério Carioca, que marcou o gol do triunfo do Ferrão. Ninguém jamais poderia imaginar que demoraria tanto tempo para uma nova vitória na querida Princesa do Norte. Por longos 13 anos, o último time que havia conquistado esse feito formou com Zezinho, Roberto Carlos, Marcos Aurélio, Lopes e Naílton; Dino, Édio, César Baiano (Cipó) e Zé Carlos; Rogério Carioca e Kélson (Guedinho). O técnico era o falecido José Oliveira.

INFORMAÇÃO QUE BRINCA COM PALMEIRENSES É MENTIRA

IMG-20140925-WA00042

Ninguém duvida da capacidade da Internet de transmitir inverdades e boatos. Na era da inteligência coletiva e da famosa tendência de crowdsourcing, é bastante comum a veiculação de conteúdo que invariavelmente necessita de maior avaliação da veracidade dos fatos.

Recentemente o glorioso Palmeiras tomou de 6 do Goiás pelo Campeonato Brasileiro. Em questão de minutos, começou a circular na Web uma imagem feita exclusivamente em tom de gozação aos palmeirenses. Nela, o escudo de todos os adversários que já realizaram o feito de enfiar meia dúzia de gols no clube paulista. Entre eles, o do Ferroviário. Fake total no final das contas.

Palmeiras e Ferroviário nunca se enfrentaram na história. Apenas seis equipes paulistas jogaram contra o Tubarão da Barra: o extinto Arara, Barueri, Corinthians, Ponte Preta, São Paulo e Santos. Foram 17 jogos no total contra eles, sendo que Santos (6 jogos) e São Paulo (5 jogos) são os adversários que mais se repetiram. A mentira do Palmeiras é mais uma invenção dos gênios que manipulam o conteúdo na Internet em nome de seus interesses e, por vezes, da própria incompetência em buscar a verdade. Se você preza pela informação real, cuidado com o que circula por ai.