DIVULGADA A CAPA DO NOVO LIVRO INTITULADO “CRÔNICAS CORAIS”

Divulgada a capa do novo livro sobre o Ferrão

Crônicas Corais” é o nome do novo livro envolvendo o universo do Ferroviário Atlético Clube, a ser lançado em dezembro de 2020. No início dessa semana, a Editora Primeiro Lugar divulgou a capa da nova obra literária, que trará importantes fatos e feitos históricos do time coral, narrados em forma de textos de fácil e agradável leitura. Do mesmo autor do Almanaque do Ferrão, a nova publicação reunirá uma compilação de 20 crônicas, sendo onze delas totalmente inéditas e outras nove anteriormente publicadas na seção ´Crônica Coral` dentro da extinta Expresso Coral, revista que circulou como instrumento oficial do clube entre 2008 e 2010. Referido material do passado sofreu uma atualização e foi reescrito para os tempos atuais, formando com os textos inéditos uma obra que, segundo o parecer do editor Rafael Morais, vai reunir crônicas bem escritas, carregadas de emoção e de resgate histórico. A tiragem do novo livro será limitada e a Editora Primeiro Lugar se encarregará da pré-venda em seu próprio site, prevista para o final de outubro e com distribuição garantida para torcedores e leitores de todo o país. O evento de lançamento oficial acontecerá no mês de dezembro na cidade de Fortaleza.

CONTO COM A HISTÓRIA DO FERROVIÁRIO COMO PANO DE FUNDO

Livro com conto que tem a história do Ferroviário como pano de fundo à venda na Amazon

Está disponível na plataforma da Amazon, uma nova obra literária que tem o Ferroviário como pano de fundo. Trata-se de um conto, intitulado “Aí é Ferrim, meu filho“, do escritor cearense Ricardo Figueroa, que garante no próprio subtítulo da publicação, uma história de família, superstição e amor ao futebol. O conto narra a história de uma família coral, composta inicialmente dos pais e de três irmãos. À medida que os anos passam, os membros dessa família testemunham o acontecimento da própria história do Ferroviário, e uma intrigante percepção, entre eles, é verificada: o time coral só é campeão, quando os três filhos estão reunidos. Aos poucos, as mudanças da vida transformam a vida dessa família e o Ferroviário encara um longo jejum de títulos. Posteriormente, com os dois irmãos já falecidos, o filho vivo escreve uma carta para o seu próprio filho, recordando a trajetória da família e desejando que o Ferroviário seja novamente campeão. Esse é o mote do conto coral escrito por Ricardo Figueroa, que é membro do coletivo literário Trupe da Escrita e atua há alguns anos no cenário cultural regional e nacional. Coube ao atual diretor de marketing do Ferroviário, Chateaubriand Arrais Filho, escrever o prefácio da obra à venda na Amazon, que recomendamos à leitura nos diversos leitores digitais.

RETRATO HISTÓRICO DE QUANDO O FUTEBOL ANDAVA DE TREM

Jogadores elegantemente uniformizados após viagem de trem para o interior do Ceará em 1957

´Quando o Futebol Andava de Trem` é o nome do livro escrito há quase duas décadas por Ernani Buchmann, ex-presidente do Paraná Clube. Nele, o autor percorre todos os estados brasileiros mostrando a força do movimento da classe ferroviária na formação de vários times de futebol. Cria da Rede de Viação Cearense em 1933, o Ferroviário costumava viajar de trem para seus compromissos no interior e até em outros estados. Na foto acima de 1957, ano da criação da histórica Rede Ferroviária Federal (RFFSA), é possível observar nomes lendários da vitoriosa caminhada coral nos anos 1950 como os zagueiros Nozinho e Manoelzinho, o meia Aldo, um dos maiores craques cearenses em todos os tempos, o lendário centroavante Pacoti e o atacante Macaco, o maior goleador da história do Tubarão da Barra até os dias de hoje. Na imagem, vê-se os jogadores elegantemente uniformizados em mais uma viagem de trem para uma apresentação amistosa em alguma localidade do interior cearense. Belo retrato coral!

ENTREVISTA NA TV SOBRE O LANÇAMENTO DO ALMANAQUE

Evento de lançamento do Almanaque do Ferrão no Náutico Atlético Cearense em 2013

Foi no dia 25 de Junho de 2013. A versão impressa do Almanaque do Ferrão foi lançada no salão nobre do Náutico Atlético Cearense diante de um bom número de torcedores, desportistas, jornalistas e ex-jogadores corais, como Mazinho Loyola, Pacoti e Facó. Passado esse período, alguns poucos exemplares ainda existem disponíveis da tiragem única de 2.000 exemplares. Em alusão ao aniversário do livro, recorde nos vídeos abaixo a reprise da participação de Evandro Ferreira Gomes, autor da obra, no programa de televisão ´Trem Bala`, veiculado pela TV O Povo poucas horas antes do evento, explicando o processo de pesquisa e falando sobre várias curiosidades da história coral.

ARTILHEIRO IMPLACÁVEL DO FERRÃO VAI VIRAR TEMA DE LIVRO EM BREVE

pacotifac

Pacoti em 1958

Pacoti, o artilheiro implacável do Ferroviário na década de 1950, vai virar tema de livro em breve. A iniciativa é do escritor cearense Saraiva Júnior, que há alguns anos vem trabalhando arduamente nas pesquisas e entrevistas para a obra. Francisco Nunes Rodrigues é o nome de batismo de Pacoti, que nasceu na cidade de Quixadá e se consagrou no futebol cearense vestindo a camisa do Ferrão, depois ganhou o mundo e brilhou no Sport/PE, Vasco/RJ e até no exterior, no Sporting de Lisboa, quando teve a honra de ser o primeiro cearense a disputar a famosa Liga dos Campeões da Europa, a Champions League, na temporada 1961/62, quando seu clube foi eliminado em 2 jogos contra o Partizan, da Iugoslávia, na fase pré-eliminatória da competição. Atualmente, Pacoti tem 82 anos de idade e reside no bucólico bairro da Praia de Iracema, em Fortaleza.

FORTALEZA, CE, 16-12-2014: Lançamento da Calçada da Fama, no espaço cultural da Arena Castelão. (Foto: Edimar Soares/O POVO)

Pacoti na Calçada da Fama da Arena Castelão

Pacoti teve duas passagens no Ferroviário, a primeira de 1955 a 1958 e a outra no final de sua carreira, entre 1966-1967, totalizando 78 jogos e 51 gols marcados com a camisa coral. Em 2013, seu nome foi escolhido na campanha ´Time dos Sonhos` e entrou definitivamente para a galeria dos maiores jogadores da história coral. No final do ano passado, Pacoti foi homenageado na Arena Castelão com seus pés eternizados na ´Calçada da Fama` daquela praça esportiva. A obra sobre o velho ´Pacote`, como é carinhosamente chamado pelos amigos mais próximos, será a segunda incursão literária do escritor Saraiva Júnior no futebol cearense, a primeira foi o livro sobre a carreira do craque Mozart, que foi companheiro de do próprio Pacoti no Ferroviário no ano de 1966.

LIVRO NARRA A TRAJETÓRIA DE EX-TREINADOR DO FERRÃO

pintado2

Não dá pra reclamar da produção literária sobre futebol nos últimos anos. Muita coisa boa tem sido lançada em âmbito nacional a exemplo do que ocorre há décadas na Europa. E o futebol cearense não poderia ficar de fora. Foi lançado no mês passado, pela Premius Editora, o livro “Pintado – escalada de um campeão”, do querido amigo Adhemar Nunes Freire Filho, ninguém menos que o próprio filho do biografado.

Pintado foi um dos goleiros mais famosos no futebol cearense em todos os tempos, conquistando seu primeiro titulo em 1931 como arqueiro do Ceará. Depois de jogar muito tempo no futebol carioca, retornou para o estado sem no entanto vestir a camisa do Ferroviário enquanto jogador. Seu vínculo com o time coral só veio quando Pintado pendurou as luvas e trabalhou como treinador em 1959 e 1961.

20141022_210519

Agradecimento especial ao autor do livro pelo exemplar autografado

Foram apenas 13 partidas ao todo nas duas vezes que passou pelo Ferroviário, mas o suficiente para Pintado fazer parte da história coral, contratado que foi por Gontram Pinho e Porfírio Sampaio, respectivos presidentes em cada uma das passagens do ex-técnico no Ferrão. Época de vacas magras como muitas vezes aconteceu na gloriosa história do time coral, porém época de boas histórias como as memórias narradas pelo autor na biografia de seu pai. Vale a pena conferir.