NELSINHO BAPTISTA NUNCA CONSEGUIU DERROTAR O FERRÃO

O experiente treinador Nelsinho Baptista talvez tenha que carregar por muito tempo uma curiosidade nada agradável em seu currículo no futebol. Ele nunca conseguiu vencer o Ferroviário nas vezes em que enfrentou o Tubarão da Barra, seja como jogador ou como técnico. As trajetórias de Nelsinho e do Ferroviário se cruzaram por duas vezes apenas, mas certamente o jogo da última quinta-feira será eternamente o mais lembrado. Nelsinho Baptista, que foi campeão da própria Copa do Brasil com o Sport/PE em 2008, viu seu time sucumbir à persistência coral na Ilha do Retiro justamente no ano em que voltou a comandar o rubro-negro pernambucano. Mas você  lembra quando o atual treinador do Sport cruzou o caminho do Ferrão pela primeira vez? É preciso voltar quase 40 anos no tempo para recordar um jogo da época em que ele era lateral do Santos/SP e fazia parte do time consagrado como os famosos ´Meninos da Vila`, uma geração de grandes jogadores formados na Vila Belmiro.

Nelsinho é o primeiro à esquerda, em pé, no Santos dos Meninos da Vila que jogou no PV

É preciso lembrar também que depois dos famosos embates contra o Santos de Pelé em 1967 e 1968, o Ferroviário só voltou a enfrentar o alvinegro praiano no campeonato brasileiro de 1980. Foi no dia 28 de Fevereiro daquele ano, no PV, e o poderoso Santos dos Meninos da Vila, finalista do campeonato paulista daquela temporada, esbarrou em 1×1 com o Tubarão da Barra. Foi o jogo 1.739 da nossa história e Nelsinho Baptista era o lateral direito do Santos naquela oportunidade. Confira a escalação do time paulista, treinado pelo lendário Pepe, que havia justamente participado dos confrontos com o Ferrão na década de 60 como ponta esquerda: Marola, Nelsinho, Joãozinho, Neto e Paulinho (Washington); Gilberto Costa, Rubens Feijão e Pita; Nilton Batata, Aloísio Guerreiro (Claudinho) e João Paulo. O Ferrão do técnico Aristóbulo Mesquita empatou com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá (Doca), Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Artur, Bibi e Jacinto; Ari (Carlos Brasília), Almir e Nilsinho. Naquele dia, 11.869 pagantes foram ao PV prestigiar um grande jogo em que Rubens Feijão marcou para o Santos e Almir empatou 3 minutos depois para o Ferrão.

Foto do Ferrão em 1980: a maioria desses jogadores enfrentaram o Santos com Nelsinho Baptista

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

VOLTE ATÉ 1980 E ESCUTE OS GOLS DE FERROVIÁRIO 5×1 TIRADENTES

montenegro e lanzoninho

Montenegro e Lanzoninho em 1980

O Almanaque do Ferrão liga hoje a máquina do tempo e volta até 1980, mais precisamente no domingo, dia 31 de julho. Ferroviário e Tiradentes jogavam, no PV, pela largada do 2º turno do campeonato cearense. Motivado pela conquista recente do 1º turno, o Ferrão atropelou o Tigre com gols de Nilsinho, Jacinto, Celso Gavião, Marco Antônio e Paulo César. William descontou para o adversário. O time coral tinha o empresário Antônio Carlos Montenegro na presidência e era treinado pelo experiente Lanzoninho. Foi o jogo 1.770 da história coral, que teve um público de 2.138 pagantes e arbitragem de Monteiro da Silva. O Ferrão formou com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá (Nilo), Celso Gavião e Jorge Henrique; Jeová, Nilsinho (Doca) e Jacinto; Osni, Paulo César e Marco Antônio. O Tiradentes jogou com Gilmar, Milton, Totô, Júlio e Perivaldo (Adão); Aucélio, Da Silva e Vanderley; Eci (Chico Alves), Dedé e William. O artilheiro Paulo César não balançava a rede adversária há 6 partidas. No quinto tento do Ferrão, de pênalti, o batedor oficial Celso Gavião deu a bola para o goleador coral fazer as pazes com o gol e a torcida foi ao delírio. Aperte o botão abaixo e escute quase 7 minutos com a narração dos gols na Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

GOLEIRO CORAL EM 1980 É O ANIVERSARIANTE DA SEMANA

1980_39222ado

Ado orienta a barreira do Ferrão num clássico contra o Ceará no campeonato estadual de 1980

A dica veio do internauta Charles Garrido, figura frequente no blog e nos comentários da nossa página no Facebook. Hoje é dia de homenagear o aniversariante da semana! O Brasil inteiro falou sobre os 70 anos do ex-goleiro Ado, campeão do mundo com a seleção brasileira na Copa de 1970, ex-arqueiro do Corinthians/SP e do Ferroviário no campeonato cearense de 1980. Ado já mereceu inclusive postagem especial por aqui em abril do ano passado. É ele o destaque da seção ´Retratos` dessa semana.

FOTO RARA DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1980

Ferrão 1980

Ferroviário no Campeonato Cearense de 1980 – Em pé: Salvino, Jorge Luís, Zé Maria, Celso Gavião, Nilo e Jorge Henrique; Agachados: Osni, Sousa, Paulo César, Nilsinho e Marco Antônio

Publicamos hoje uma foto rara do Ferroviário tirada em 28 de setembro de 1980. Eis o time coral perfilado antes de mais uma vitória pelo campeonato cearense, contra o Calouros do Ar, no PV, pelo placar de 4×0, com gols do ponta direita Osni (duas vezes), Nilsinho e do artilheiro Paulo César. No banco de reservas, o Ferrão contava com curitibano Lanzoninho como técnico. Destaque para o volante Zé Maria, ex-jogador do Guarani de Campinas e do Santa Cruz/PE, poucas vezes lembrado com ex-atleta coral. O goleiro Salvino não nada nada bem de saúde, Sousa mora no interior de São Paulo e Marco Antônio morreu assassinado em 2/10/1994. Nunca se soube quem o matou.

EX-JOGADOR PROCURAVA FOTOS DE SUA PASSAGEM PELO FERRÃO EM 80

sousa meia

Sousa tenta a cabeçada no meio da zaga do Fortaleza no dia 5/10/1980 no Castelão

O tempo faz com que determinados jogadores passem pelo clube e acabem caindo no esquecimento, porém dificilmente o atleta esquecerá a sua passagem por um time de futebol. É caso do meio campista Sousa, titular no Ferroviário que foi vice-campeão cearense em 1980 sob o comando do treinador paranaense Lanzoninho. Foram apenas 14 partidas com a camisa coral entre setembro e dezembro daquele ano. Através do Almanaque do Ferrão, o atleta entrou em contato recentemente em busca de fotos da sua curta passagem pelo clube. Revirando o acervo do nosso baú, ele aparece no click acima no ´Clássico das Cores` do dia 5 de outubro que terminou no 0x0.

sousameia2

Sousa em 1980

José Aparecido de Souza jogou grande parte da sua carreira profissional no futebol de São Paulo. Chegou a jogar na Coréia defendendo a Seleção Paulista. Oriundo do XV de Jaú quando chegou para o Ferroviário, teve uma outra participação no futebol nordestino atuando pelo Sergipe/SE entre 83 e 84. Quando regressou ao futebol de São Paulo, brilhou com a camisa do Bragantino e levou sua equipe à divisão de elite paulista em 1988, culminando com o memorável título estadual do Massa-Bruta dois anos depois sob o comando de Vanderley Luxemburgo. Sousa certamente nunca esqueceu o único gol que marcou pelo Ferroviário, na noite do dia 29 de outubro, no Castelão, uma goleada de 4×0 em cima do Guarany de Sobral. São coisas que o tempo não apaga da memória do ex-jogador e o clube tem a obrigação de lembrar de quem ajudou a escrever sua história.

CAMPEÃO NA SELEÇÃO, NUNCA NO TIMÃO E QUASE NO FERRÃO

1980_39222

Foto histórica do goleiro Ado defendendo o arco do Ferroviário em 1980 contra o Ceará

Eduardo Roberto Stinghen era o reserva imediado de Félix na Seleção Brasileira tricampeã do mundo em 1970 no México. Numa época onde apelidos no futebol faziam a diferença na identificação dos jogadores, adotou a alcunha de Ado e ficou famoso no futebol nacional defendendo as cores do Corinthians/SP exatamente na época que o time paulista amargava um jejum histórico de títulos. Depois de jogar no América/RJ, Atlético/MG, Portuguesa/SP e Santos/SP, chegou para o Ferroviário em 1980 aos 34 anos de idade. Por descaso com a história e em razão de sua curta passagem, muitos esquecem que o experiente goleiro foi muito bem no arco coral nos jogos que participou.

ado1

Goleiro Ado

A trajetória de Ado no Ferroviário começou a ser escrita com a sua entrada, no segundo tempo, em três partidas substituindo o goleiro Salvino contra o Tiradentes, Quixadá e Guarani-J. Em 19/11/80 veio a chance de entrar como titular contra o Ceará e ele não decepcionou. Pelo contrário, fez pelo menos 3 defesas sensacionais que garantiram a vitória coral por 1×0, uma delas numa cabeçada fulminante do jogador Nei que ele mandou para escanteio e outra na cobrança magistral de falta de Zé Eduardo que Ado voou e espalmou. Voltou a brilhar e pegar tudo na grande final uma semana depois, novamente contra o Ceará. Só não pegou um chute forte do lateral João Carlos, aos 11 minutos do 2º tempo, que fez escapar das mãos de Ado e do Tubarão o então inédito título de bicampeão diante de 41.434 pagantes. Foram apenas 5 jogos com a camisa coral, mas o suficiente para marcar a passagem de um nome nacional pelo Ferrão.

A única imagem em vídeo do goleiro Ado defendendo as cores corais é exatamente o gol do título do Ceará. Foi o único chute que ele não conseguiu defender enquanto goleiro do Ferroviário. O Almanaque do Ferrão resgata abaixo esse momento da história do clube.