ESTREIA CORAL NO ESTADUAL DE 1966 NO FERIADO DO DIA DO TRABALHO

Ferroviário no Campeonato Cearense de 1966 – Em pé: Roberto Barra-Limpa, Zé do Mário, Carlinhos, Nilton, Albano e Vadinho; Agachados: Jarbas, Mozart, Marcos, Peu e Sabará

O Ferroviário já jogou 33 vezes na data festiva do dia 1º de maio, porém isso aconteceu pela última vez na distante temporada de 2003. Já são 15 anos sem jogos no feriado do Dia do Trabalho. Porém, vamos acionar o túnel do tempo do blog e ir até a temporada de 1966, quando o Ferrão amargava 14 anos de jejum sem o título de campeão cearense. Naquele 1º de maio, o time coral fazia sua estreia no Estadual justamente enfrentando o Fortaleza, que era treinado por um César Moraes ainda em início de carreira. O Ferroviário, do treinador carioca Jair Santana, apresentava uma série de novidades, entre elas o goleiro Carlinhos, ex-Vasco/RJ, o craque cearense Mozart e um pacote de reforços oriundo do Sampaio Corrêa: os zagueiros Vadinho e Valfredo, o volante Peu e os atacantes Jarbas e Sabará. Desses, Valfredo foi o único que não participou do primeiro jogo do campeonato de 1966. Além desses nomes, o time coral ainda tinha o meia Nilton, que chegou precedido de grande cartaz vindo do Botafogo/RJ. A foto acima foi tirada exatamente no jogo do dia 1º de maio e mostra bem a base da equipe na disputa em que o Ferroviário amargou apenas um quinto lugar, a frente apenas do Nacional. Sim, a competição tinha apenas seis participantes.

Jair Santana: técnico em 1966

O jogo de estreia do Ferroviário no campeonato cearense de 1966 teve Adélson Julião como árbitro e foi realizado no Estádio Presidente Vargas diante de um público de 12.000 expectadores. Foi o jogo de número 968 da história coral que já acumula mais de 3.600 partidas em 85 anos de trajetória. O jogo contra o Fortaleza terminou 0x0 graças às defesas dos dois goleiros, que brilharam naquele feriado. Ressalte-se que o Ferrão ficou com um jogador a menos no segundo tempo porque o lateral Roberto Barra-Limpa foi expulso por jogo violento. O Tubarão da Barra alinhou com Carlinhos, Zé do Mário, Vadinho, Albano e Roberto Barra-Limpa; Peu e Nilton; Jarbas, Marcos, Mozart e Sabará. Já o Fortaleza empatou com o futebol de Pedrinho, Português, Zé Paulo, Renato e Carneiro; Luis Martins e Joãozinho; Birungueta, Facó, Croinha e Zé Augusto. O técnico Jair Santana, um ex-jogador consagrado do Fluminense/RJ, permaneceu 23 jogos à frente do comando coral naquela temporada. O campeão de 1966 também não foi o Fortaleza. Foi o América, aliás o último título estadual daquela gloriosa equipe que há décadas anda sumida do cenário esportivo cearense.

FERRÃO IGUALA HISTÓRIA E DOBRA VANTAGEM EM CIMA DO CONFIANÇA

Depois de 14 anos, o Ferrão voltou a disputar a Copa do Brasil, uma das competições mais democráticas do futebol nacional. Ao bater o Confiança/SE por 2×1 em jogo único, realizado ontem à noite no Estádio Presidente Vargas, o time coral igualou sua marca histórica de chegar à segunda fase da competição, fato ocorrido em 2004 quando o Tubarão da Barra primeiro teve que passar pelo América/RN para pegar o Corinthians/SP na sequência do campeonato. Dessa vez, o adversário da segunda fase será o Sport/PE e será uma grande oportunidade para o Ferrão fazer história e chegar à terceira fase da Copa do Brasil de forma inédita. O jogo será na Ilha do Retiro, em Recife, onde o Ferroviário não se apresenta desde 1981. O resultado de ontem em cima do Confiança ainda dobrou a vantagem coral em termos de números de vitórias contra o time sergipano. Agora, em sete confrontos na história, o Ferrão ostenta 4 vitórias (1984, 1997, 2006 e 2018) contra apenas 2 vitórias do Confiança (1984 e 1997). Ocorreu ainda um empate entre ambos na Série C de 2006. Dá pra dizer que o Confiança é freguês do Tubarão da Barra? Talvez. Por que não? Confira abaixo a excelente vitória coral de ontem com um mix das imagens da Tv Artilheiro e a narração de Antero Neto da Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Vale a pena!

RECORDE OS GOLS DE UM DOS JOGOS MAIS EMOCIONANTES DE 2006

Recentemente a imprensa cearense recordou os 10 anos da última grande campanha do Ferrão no campeonato brasileiro, quando o time coral quase conseguiu o acesso para a Série B nacional. O Almanaque do Ferrão já recordou alguns jogos daquela campanha, inclusive a histórica vitória por 7×2 em cima do Bahia/BA. Porém, um jogo emocionante, que poucos trazem à memória, completa aniversário exatamente no dia de hoje. Estamos falando da partida contra o Ipatinga/MG, campeão mineiro de 2005, realizada no Estádio Presidente Vargas, na tarde de 26 de novembro de 2006. O jogo era duro e estava empatado em 1×1 até os 38 minutos do 2º tempo, quando o atacante Fernandinho, hoje no Flamengo/RJ, cobrou uma falta da intermediária e marcou um gol importantíssimo, pois somente a vitória interessava para o Ferroviário seguir com chances na última rodada da competição. Reveja acima dos gols daquele domingo especial para o torcedor coral.

Atacante Sérgio Alves, em foto do Jornal O Povo, comemorando mais um gol na Série C de 2006

O placar final apontou 3×1 para o Ferrão, já que Sérgio Alves, que já havia assinalado o primeiro gol, marcou ainda o terceiro, num pênalti inexistente mal marcado pelo árbitro Fernando Rogério Assis. Coube ao meia Everton marcar o único gol do Ipatinga naquela tarde. Ao final da partida, os 4.666 pagantes vibraram intensamente com a possibilidade de subir para a Série B, bastando para tal uma vitória em cima do Barueri/SP, na capital paulista, o que acabou não acontecendo três dias depois. Confira a escalação coral na histórica vitória contra o Ipatinga, no PV: Jéfferson, ,Marcos Pimentel, Nemézio, Robinho (Stênio) e Júnior Cearense; Marcelo Mendes, Dedé, Tales (Claudeci) e Everton (Cristiano); Fernandinho e Sérgio Alves. A equipe mineira, que logrou acesso para a Série B ao final do certame, perdeu com Rodrigo Posso, Márcio Gabriel, André, Matheus e Anderson; Léo Oliveira, Leandro Salino (Totó), Charles e Everton (Jessé); Joãozinho e Diego Silva (Cristian). Foi por pouco, o acesso não veio, mas ficou a grande campanha.

LEMBRA DA ESCALAÇÃO CORAL QUE GOLEOU O ICASA POR 4×0 EM 2005?

Ferroviário no ano de 2005 – Em pé: William Mardoch, Raul, Cícero César, Wágner Pedreira, Zeziel e Del; Agachados: Zadda, Arildo, Glaydstone, Júnior Cearense, Stênio e Maurício Pantera

O retrato de hoje foi tirado no dia 3 de março de 2005 no estádio Presidente Vargas. Pouco tempo depois de gerada a imagem, o Ferroviário goleou o Icasa por 4×0 em jogo válido pelo 2º turno do campeonato cearense. Os gols foram de Maurício Pantera (duas vezes), Narcízio e Stênio. Trata-se de uma das poucas fotos do Ferrão com o goleiro Del como titular, ele que só atuou 6 vezes com a camisa coral. Entre 2012 e 2013, ele voltou ao clube, dessa vez como treinador de goleiros das categorias de base e profissional, trabalhando justamente ao lado de seu ex-preparador, o competente William Mardoch. Teve até olé no PV nessa noite, com show de Glaydstone e Júnior Cearense. Lembrou?

EX-GOLEIRO MARCELINO EM IMAGEM HISTÓRICA COM O PV LOTADO

Goleiro Marcelino em ação em mais um jogo do Ferrão pelo campeonato cearense de 1973

O retrato em destaque de hoje é do goleiro Marcelino, que já foi merecedor de várias outras postagens aqui no blog em razão de seu recorde praticamente imbatível de 1.295 minutos sem sofrer gols. Referida marca perdura no futebol cearense desde a temporada de 1973, ano da imagem acima. Perceba a antiga arquibancada do estádio Presidente Vargas completamente lotada, mesmo sob o sol causticante de uma tradicional tarde de domingo em Fortaleza. Marcelino defendeu o Ferrão em 170 partidas entre o final de 1969 e meados de 1976. Ele completará 70 anos de idade em janeiro do próximo ano.

MATÉRIA DA TV GOIANA SOBRE ESTREIA CORAL NA COPA DO BRASIL

O Almanaque do Ferrão conseguiu recuperar mais um material raro da história coral. Trata-se da reportagem da emissora afiliada da Rede Globo de Televisão em Goiânia, por ocasião da estreia do Ferroviário na Copa do Brasil, em julho de 1989, contra o Goiás. Confira acima, na cobertura do repórter César Resende, as entrevistas do goleiro Barbiroto e do treinador Vanderley Paiva, na véspera da partida realizada no estádio Serra Dourada, no dia 19. O Goiás venceu por 1×0 na capital goiana e por 3×1 no jogo de volta, dia 22, em Fortaleza, despachando o time coral logo na primeira fase da competição, que estava sendo disputada pela primeira vez no futebol brasileiro. Ainda no vídeo acima, você confere o gol do lateral direito Caetano no estádio Presidente Vargas.

Mardônio atuou nos 2 jogos

A estreia do Ferrão na Copa do Brasil foi transmitida ao vivo pela TV Verdes Mares na noite do dia 19. O radialista Tom Barros foi o responsável pela narração da partida, que contou com vários problemas técnicos de áudio e imagem durante a transmissão. Além disso, em alguns bairros de Fortaleza, faltou energia durante o primeiro tempo do jogo. O Ferrão jogou com Barbiroto, Silmar (Caetano), Arimateia, Juarez e Marcelo Veiga; Gerson, Lira e Jacinto; Mardônio (Zé Carlos Paranaense), Cacau e Edelvan. O Goiás, do famoso técnico Carlos Gainete venceu com Eduardo, Wallace Carioca, Gomes, Boni e Jorge Batata; Wallace Goiano, Fagundes e Péricles; Formiga, Wanderson e Josué. O centroavante Wanderson marcou o único gol do primeiro jogo. Por sua vez, no sábado à tarde, dia 22, nova vitória do time goiano por 3×1, dessa vez com gols de Wanderson, Niltinho e Wallace Carioca, o Ferrão formou com Barbiroto, Silmar, Arimateia, Djalma e Marcelo Veiga; Juarez, Alves e Jacinto; Mardônio (Caetano), Cacau e Edelvan. O Goiás formou com Eduardo, Wallace Carioca, Gomes, Boni e Jorge Batata; Fagundes, Péricles e Josué; Formiga (Richard), Wanderson (Niltinho) e Wallace Goiano. O público em Fortaleza foi de 2.202 pagantes. Até hoje, o Ferroviário realizou apenas 9 partidas no total pela Copa do Brasil.

GOLEADA HISTÓRICA EM CIMA DO CEARÁ NA TEMPORADA DE 1953

Ferroviário Atlético Clube em 19 de Julho de 1953: massacre em cima do Ceará no PV

No dia 19 de Julho de 1953, há 63 anos portanto, o Ferroviário goleava o Ceará por 4×0 em partida válida pelo 1º turno do campeonato cearense daquele ano. Com a arbitragem de José Nogueira Filho, a partida recebeu um público excelente nas dependências do antigo Presidente Vargas, ainda de arquibancadas baixas. A vitória foi algo bastante comemorado entre os jogadores e torcedores corais porque o placar de 4×0, a favor do Ferrão, só havia se repetido até então duas únicas vezes, em 1947, numa partida oficial, e em 1950, em amistoso. Só a vitória interessava para as duas equipes e o Ferroviário levou a melhor de lavada. Vencia por 2×0 até os 41 minutos finais e conseguiu ampliar o marcador no restante da partida. Uma tarde mágica, sem dúvida, na história coral.

Treinador lendário: Babá

O Ferroviário massacrou o Ceará com o futebol de Juju, Manoelzinho e Coimbra; Nozinho, Zé Maria e Jaime; Nirtô, Vicente Trajano, Macaco, Fernando e Antoni. O alvinegro passou vergonha com Ivan, Paulo e Newton; Didi, Damasceno e Ramos; Pacatuba, Pipiu, Augusto, Ursulino e Liminha. Os gols foram marcados por Antoni, duas vezes, Nirtô e um gol contra do zagueiro Paulo. Foi apenas a partida 416 de toda a história coral. O treinador era Sebastião Medeiros de Brito, o conhecido Babá, ex-defensor vitorioso do próprio Ferroviário na década de 1940 e, até hoje, o técnico recordista em número de jogos pelo time coral. Foram simplesmente 203 jogos comandando o Tubarão da Barra à beira do campo. Lendário sob todos os aspectos.