GOLAÇO DE REGINALDO FRANÇA CONTRA O RIVER AOS 49 MINUTOS

Matéria de jornal sobre a grande vitória do Ferroviário no Campeonato Brasileiro de 2002

Lembra do golaço do Reginaldo França contra o River/PI aos 49 minutos do segundo tempo? Apelidado pelo treinador Danilo Augusto como “Gol de Deus“, o lance, acontecido há exatos 18 anos, foi de uma beleza plástica indescritível. O jogo valia pelas oitavas de final da Série C do Campeonato Brasileiro de 2002. Depois de perder o primeiro confronto por 3×2 em Teresina, o Ferroviário precisava vencer por dois gols de diferença para obter a classificação. O time coral vencia por 1×0, gol de Danilo, e a decisão da vaga ia para os pênaltis, quando o árbitro Alberto Batista Carvalho anunciou cinco minutos de acréscimos. Praticamente no último lance da partida, realizada no PV diante de 2.624 pagantes, o Tubarão da Barra teve um escanteio a seu favor, cobrado por Arildo. Na sequência do lance, o ex-coral Jorge Luiz rebateu a bola pra fora da área e ela caiu nos pés de Reginaldo França, que marcou o tento da classificação. Após o golaço, os torcedores corais foram ao delírio e o jogo logo acabou. Naquele domingo, o time coral formou com Ivanoé, Aírton (Arildo), Marcos Aurélio (Cícero César), Puma e Helinho; Édio, Ricardo Baiano, Danilo e Reginaldo França; Serrinha (Gil Bala) e Guedinho. O time piauiense jogou com Jorge Luiz, Niel, Rauli, Venício e Buiú (Matoso); Jó, Garrinchinha, Esquerdinha (Rondineli) e Lira; Wágner e Mairan (Joniel). Na continuidade da competição, o Ferroviário enfrentou o Nacional de Manaus e foi eliminado nas quartas de final. Abaixo, o próprio Reginaldo França recorda aquele golaço sensacional em áudio especialmente gravado para o Almanaque do Ferrão, falando do lance propriamente dito e das curiosas orientações que recebeu do treinador e do diretor Emanuel Brasileiro na borda do campo antes do lance decisivo.

FERRÃO E PAYSANDU SE ENFRENTAM PELA QUARTA VEZ NA HISTÓRIA

Holanda: goleiro contra o Paysandu em 1971

Os famosos Tubarão da Barra e Papão da Curuzu jogam nesse domingo, em Fortaleza, pela Série C do campeonato brasileiro de 2020. Os dois têm muita história em suas respectivas praças, porém poucas vezes se enfrentaram no decorrer dos anos, ainda assim, somente em pelejas amistosas, em 1946, 1955 e a última em razão de uma excursão coral à Região Norte do país, na já distante temporada de 1971. Nesse terceiro encontro entre ambos, o Ferroviário se apresentava com a fama de fabulosa equipe, o `Timão` como era chamado na qualidade de campeão cearense do ano anterior, conquista esta sacramentada apenas cinco meses antes. Depois de disputar o chamado Torneio Amazonense, em Manaus, contra Rio Negro/AM, Rodoviário/AM e Nacional/AM, a delegação coral desceu até Belém e bateu o Remo/PA por 2×0 em seu primeiro amistoso na capital paraense. Na sequência, jogou contra o Paysandu. O amistoso foi disputado no estádio do Remo e terminou empatado em 1×1. O ponta esquerda Alísio marcou para o Ferrão e Benê empatou, aos 42 minutos finais, para o Papão da Curuzu. Estamos falando do dia 5 de Fevereiro de 1971. Treinado por Alexandre Nepomuceno, o time coral jogou com Holanda, Wellington, Esteves, Gomes e Eldo; Zé Maria Paiva (Simplício) e Coca Cola; Simão, Amilton Melo, Odacir (Facó) e Alísio (Nei). A equipe paraense formou com Arlindo, Paulo Tavares, Osmani, João Tavares e Carlinhos; Beto e Alfredinho; Edilson Freitas (Vila), Jorge Costa (Mário), Benê e Antônio Maria. Dessa formação, Paulo Tavares e Jorge Costa jogariam ainda no Ferroviário naquela década. Dois dias depois desse amistoso, Remo e Paysandu juntaram seus melhores jogadores num combinado, uma espécie de selecionado paraense, para finalmente tentar bater o Ferrão. Não conseguiram. Tentativa em vão, pois foi registrado mais um empate, dessa vez por 2×2, e assim encerrava-se a excelente performance coral no Norte do país.

VÍDEO DA PRIMEIRA VITÓRIA CONTRA O TREZE EM CAMPINA GRANDE

Resgatamos mais um vídeo raro em nossos arquivos, motivados pela vitória do Ferroviário em cima do Treze/PB, dentro de Campina Grande, no último domingo. A vitória por 3×0 frente ao Galo da Borborema foi apenas a segunda na história verificada dentro da bela cidade paraibana. A primeira ocorreu no já distante ano de 1992, no domingo de páscoa, dia 19 de abril, e as imagens acima apresentam os melhores momentos daquele jogo, válido também pela Série C do campeonato brasileiro. A disputa ocorreu no estádio Presidente Vargas e o Ferrão era treinado pelo ex-zagueiro Djalma Linhares, que utilizou a seguinte formação: Joel, Caetano, Evilásio, Hermes e Roberto; Ednardo, Júnior Piripiri e Gilson; Cantareli (Jó), Jorge Veras (Aloísio) e Arnaldo. Treinado por Zé Lima, o Treze jogou com Luciano, Airton, Lima, John e Humberto; Porto, Warison e Beto; Betinho, Tobi e Washington. O público foi de apenas 771 pagantes e o árbitro potiguar Charles Elliot, mal colocado, marcou um pênalti inexistente para o Ferroviário, convertido pelo ídolo Jorge Veras. O lateral direito Caetano marcou o gol da virada coral, após pela assistência do meia Júnior Piripiri. Warison fez o gol do Treze. Favor não confundir na escalação o ponta esquerda Arnaldo, ex-Tiradentes/PI, com o meia Arnaldo que foi campeão cearense pelo Ferroviário em 1988. Naquela temporada de 1992, pela primeira vez na história, o Ferroviário fez o artilheiro maior de uma competição nacional. Jorge Veras foi o artilheiro da Série C com 9 jogos, fato este só repetido por Edson Cariús, que marcou 11 gols na Série D de 2018 e ainda sagrou-se campeão brasileiro pelo Ferrão.

FERRÃO QUEBRA MAIS UM TABU DISPUTANDO A SÉRIE C DESSE ANO

A Série C do campeonato brasileiro desse ano continua rendendo frutos para o Ferrão. Depois de quebrar um tabu de 65 anos contra o Botafogo/PB na primeira rodada, mais um time paraibano sofreu nas mãos do Tubarão da Barra dentro do campeonato e outro tabu foi quebrado. No jogo de ontem, depois de 28 anos, o time coral voltou a bater o Treze/PB dentro de Campina Grande. A última vez que isso tinha acontecido havia sido em 19 de abril de 1992, também pela Série C da mesma competição nacional, quando o Ferroviário fez 2×1, com gols de Jorge Veras e Caetano, o que era também até ontem, a única vez que o Ferrão havia batido o Galo da Borborema dentro de seus domínios em toda a história. Mesmo quando o Ferrão sagrou-se campeão brasileiro da Série D, justamente contra o Treze em Campina Grande, o placar final não havia sido favorável ao time coral. No jogo de ontem à noite, o Ferrão fez um implacável 3×0, tentos de Willian Lira, Diego Lorenzi e Wesley, quebrando o tabu e marcando a segunda vitória coral contra o Treze dentro de Campina Grande, num total de 13 jogos. Vale a pena conferir abaixo os gols do time coral na edição da TV Artilheiro, com narração de Irismar França, pela rádio Joven Pan News de Fortaleza.

ESTREIA, RETORNO DE CAMISA E QUEBRA DE TABU DE 65 ANOS

E depois de um atraso de três meses por conta da pandemia mundial de Coronavírus, que continua a ameaçar fortemente a população nacional, a Série C do campeonato brasileiro de 2020 finalmente começou. O Ferrão bateu o Botafogo/PB por 2×0, gols de Lucas Hulk e Wellington Rato, na Arena Castelão. Além da estreia coral na competição, dois outros fatores merecem grande destaque no dia de hoje: o retorno modernizado de um design de camisa utilizado pelo Ferrão no final dos anos 1960 e a quebra de um grande tabu sem vitórias contra o adversário paraibano. Curioso pra saber os detalhes dessas duas curiosidades? Pois saiba que depois de utilizar com bastante ênfase esse padrão de uniforme entre 1967 e 1972, referido modelo ensaiou um retorno, sem nenhuma repercussão positiva, no final de 1998, sendo a ideia logo abandonada após a confecção de um modelo um tanto quanto descaracterizado em relação aos padrões originais. E sim, a última vez – e única – que o time coral tinha derrotado o Botafogo/PB havia sido no dia 19 de novembro de 1959, por 5×1, em jogo amistoso no PV. Portanto, ontem foi quebrado um tabu de longos 65 anos na história, além de ser a primeira vitória em cima do Belo numa partida oficial! Parabéns Ferrão!

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM TIAGO GASPARETTO

No último domingo, dia 7, o perfil oficial do Almanaque do Ferrão no Instagram inaugurou o episódio de estreia da nossa primeira temporada de Lives, apresentadas naquela rede social. O ex-zagueiro Tiago Gasparetto, titular absoluto no inesquecível time que disputou a Série C do Brasileiro de 2006, brindou o público com uma série de boas recordações daquele período e falou também sobre sua carreira no futebol, encerrada no ano passado. Acima, você confere o vídeo disponibilizado da resenha com o ex-atleta coral, agora eternizado aqui no blog e que também está disponível no IGTV do nosso perfil no próprio Instagram. Aproveite e recorde esse grande zagueiro.

VITÓRIA DE VIRADA EM CIMA DO TREZE/PB NO BRASILEIRÃO DE 2006

Doze anos antes de decidirem um título nacional, Ferroviário e Treze/PB fizeram um jogo tenso pelo campeonato brasileiro de 2006. O vídeo acima recorda a vitória coral por 2×1, de virada, conquistada no Presidente Vargas, em Fortaleza. Os gols foram de Everton e Stênio para o Ferrão, enquanto Alisson marcou para o time paraibano. Apesar de não ter conquistado o acesso, aquela formação coral é considerada uma das melhores em todos os tempos. A vitória, conquistada na base da garra, selou a classificação coral para a segunda fase da competição. O jogo teve confusões dentro de campo. Os jogadores Nemézio, Fernandinho e Cristiano sofreram sangramentos durante os noventa minutos. Treinado por Arnaldo Lira, o Tubarão da Barra venceu com Jéfferson, Marcos Pimentel, Nemézio, Tiago Gasparetto e Guarilha; Horácio (Marcelo Mendes), Glaydstone, Claudeci (Róbson) e Everton; Stênio (Fernandinho) e Cristiano. O Treze jogou com Érico, Leandro Carlos, Alisson, Kiko e Marcos Paulo; Raminho, Viola (Calmon), Rogério Costa (Renatinho) e Leandro Diniz; Moisés e Paulinho Macaíba (Lenílson). O treinador era Celso Teixeira. O jogo foi disputado numa quarta-feira à noite, dia 2 de agosto de 2006, com um público de 1.344 pagantes. O árbitro foi Suélson Medeiros da Federação do Rio Grande do Norte. Com a vitória, o time coral passou para a segunda fase e pegaria Confiança/SE, Porto/PE e Vitória/BA, passando depois para a terceira fase e indo até o octagonal final da competição.

ALMANAQUE DO FERRÃO TEM ESTREIA DE NOVA ATRAÇÃO

Ex-zagueiro Tiago Gasparetto em nossa Live

Domingo à noite é sempre um momento habitual para resenhas futebolísticas. Pensando nisso, o Almanaque do Ferrão inaugura uma nova plataforma de conteúdo, que vai complementar as postagens tradicionais aqui do blog e também os dados da versão impressa de nossa publicação. Dando continuidade à expansão de conteúdo transmídia, anunciada desde que foi criado o nosso perfil oficial no Instagram, essa mesma rede social receberá a mais recente novidade do projeto: uma Live com ex-jogadores importantes, narrando suas histórias e batendo um papo a partir de suas resenhas. Será a primeira temporada desse novo modelo e nomes importantes prometem destacar essa iniciativa. Para começar, no dia 7 de junho, às 21h30m, vamos receber o zagueiro Tiago Gasparetto, que se destacou em sua passagem no campeonato brasileiro de 2006, quando o Ferrão quase conseguiu o acesso nacional para a Série B do ano seguinte. Apesar de ser uma equipe que não conquistou seu objetivo principal, trata-se de uma formação que a torcida do Ferroviário sempre lembra positivamente em nossa história. Então, não perca! Vai ser bacana no domingo!

REGISTRO DA PRIMEIRA FORMAÇÃO QUE SE DESTACOU NA SÉRIE C DE 2006

Ferroviário em 2006 – Em pé: Jéfferson, Nemézio, Tales, Tiago Gasparetto, Marcelo Mendes e Marcelo Sá. Agachados: Marcos Pimentel, Glaydstone, Ernandes, Fernandinho e Cristiano

Esse é o Ferrão de 2006 no retrato! Naquela temporada, o time coral quase conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro. Foi por um triz. Depois de um período de três meses de inatividade, acontecida entre o fim do campeonato cearense e o início da Série C nacional, o Ferroviário voltava aos gramados com essa formação no primeiro amistoso preparatório para a nova competição. Era a estreia de nomes como o zagueiro Tiago Gasparetto, do famoso atacante Fernandinho e dos meias Tales e Marcelo Sá. A base dessa equipe seguiu firme no campeonato nacional e por muito pouco não subiu de divisão. O registro fotográfico foi feito antes de um amistoso contra o Ceará no estádio Presidente Vargas. O alvinegro venceu por 2×1 com gols de Luís Fernando e Léo Gago. Tales marcou para o Ferrão. A maioria desses atletas já pendurou as chuteiras. O eficiente volante Marcelo Mendes trabalha atualmente no Sampaio Corrêa. Tiago Gasparetto é instrutor de escolinhas no interior de São Paulo e o goleiro Jéfferson trabalha com esportes na prefeitura de Fortaleza. Grande time!

VITÓRIA FORA DE CASA CONTRA O AMÉRICA/RN NO BRASILEIRO DE 1988

Hoje é dia de recuperar as imagens raras da TV Cabugi de Natal e recordar uma grande vitória do Ferrão fora de casa. Foi no dia 30 de outubro de 1988. O campeão cearense foi ao Rio Grande do Norte para enfrentar o campeão potiguar e se deu bem, fazendo 3×2 no placar. Numa tarde infeliz do goleiro Sérgio Maria, o Tubarão da Barra se aproveitou e venceu o jogo com gols de Silmar, Cícero Ramalho e Arnaldo. Era a estreia de Erandy Montenegro como técnico da equipe coral. Do outro lado, Ferdinando Teixeira era o comandante do América. O jogo foi disputado no antigo estádio Castelão de Natal, que depois passou-se a chamar Machadão e hoje é onde se localiza a Arena das Dunas. O Ferroviário teve em sua formação algumas novidades em relação à equipe que foi campeã estadual cerca de cinquenta dias antes: Zé Luís, Silmar, Arimatéia, Kléber e Osmanir; Toninho Barrote, Alves, Arnaldo e Jacinto (Lane); Teninha (Edson) e Cícero Ramalho. Na defesa, o carioca Zé Luís veio do Fortaleza, Kléber era da base e Osmanir estava no Tiradentes/CE. Do meio pra frente, as novidades eram Lane e Teninha, egressos das categorias de basel, além de Cícero Ramalho, que fora artilheiro do campeonato cearense com a camisa do Quixadá. O América de Natal jogou com Sérgio Maria, Adailton (Gito), Edson, Belchior e Soares; Baltazar, Dedé de Dora (Luizinho) e Valério; Baíca, Oliveira e Elmo Casquinha. Os gols do adversário foram de Oliveira e Belchior. Wilson da Conceição Araújo foi o árbitro do jogo.