CLICK NO TIME QUE DEU UM VAREIO DE BOLA NO FORTALEZA EM 1988

Ferroviário Atlético Clube em 1988 – Em pé: Laércio, Djalma, Serginho, Arimatéia, Toninho Barrote e Marcelo Veiga; Agachados: Mazinho Loyola, Denô, Guina, Arnaldo e Beto Andrade

O registro fotográfico acima mostra o momento em que o Ferroviário perfilou em campo para jogar contra o Fortaleza em mais um clássico do campeonato cearense de 1988. Quando a bola rolou, essa onzena deu um autêntico vareio de bola no adversário, enfiando 3×0 ainda no primeiro tempo. Na etapa final, o Fortaleza esboçou uma reação, mas o Ferrão deu novamente as cartas e marcou o quarto gol, de bela feitura, fechando o placar em 4×2. Era a estreia do centroavante Guina, campeão sul matogrossense pelo Operário nas duas temporadas anteriores, e cedido ao Tubarão da Barra, por empréstimo, pelo Palmeiras/SP. Em seu primeiro jogo, o atacante paulista deixou sua marca na meta tricolor. O meio campista Denô esbanjou futebol nessa partida, comandando com Arnaldo a distribuição das jogadas para o ataque coral. O ponta esquerda Beto Andrade foi outro destaque no jogo. Mazinho Loyola fez um belo gol, de peixinho. Mais de três décadas depois, o velho retrato disponibilizado eterniza uma das maiores apresentações corais no Castelão. Justamente por isso, vale a pena postar abaixo, mais uma vez, o vídeo com os melhores momentos daquele jogo.

FOTO DO FERRÃO EM JOGO DECISIVO NO 1º TURNO DO ESTADUAL DE 1996

Ferroviário Atlético Clube na temporada de 1996 – Em pé: Celso, Dilino, Wálter, Sílvio César e Batista; Agachados: Marquinhos, Odair, Reginaldo, João Marcelo, Cantareli e Clayton

O registro fotográfico acima tem sua dose de raridade. Mostra a onzena do Ferroviário que entrou em campo para um jogo de quartas de final no 1º turno do campeonato cearense de 1996. O jogo foi contra o Ceará e aconteceu no PV. A imagem traz o time coral escalado com o goleiro Celso, que fez apenas dez partidas pelo Tubarão da Barra. Ele chegou procedente do futebol maranhense e participou como titular dos dois primeiros turnos da competição. Depois, ele foi embora e cedeu seu lugar para o bicampeão Jorge Luiz. Depois de um 0x0 no tempo normal e na prorrogação, o Ceará teve mais sorte na disputas de pênalti e venceu por 8×7. O zagueiro Dilino chutou a bola na trave em sua cobrança. O destaque da equipe era o meia Clayton, que veio para o Ferroviário como contrapartida da negociação de venda do volante Ricardo Lima para o Mogi Mirim/SP. Esse time tinha o famoso Mirandinha em seu primeiro trabalho na função de treinador, ele que começou a temporada como jogador. Ao final do certame, as duas equipes decidiram o título e o alvinegro tirou o sonhado tricampeonato do Ferroviário em mais uma decisão eletrizante no futebol cearense.

LEMBRANÇAS DO TIME QUE METEU 4×0 NO CEARÁ NO ESTADUAL DE 1947

Ferroviário Atlético Clube em 1947: Zé Dias, Decolher, Manuel de Ferro, Vicente Trajano, Caranguejo, Pipi, Benedito, Toinho II, Manoelzinho, Toinho I, Raimundinho e Baiano (treinador)

Esse belo retrato é a base do time do Ferroviário Atlético Clube que meteu 4×0 no Ceará no dia 6 de Julho de 1947, no PV. O jogo valeu pelo 1º turno do campeonato cearense daquele ano e está completando hoje mais uma aniversário daquela grande vitória. Os gols foram de Toinho I, Manoelzinho, Toinho II e Decolher. É possível identificar nomes emblemáticos da história coral, como Zé Dias, o goleiro que mais vezes defendeu a camisa coral em todos os tempos, com 197 partidas no currículo. Além dele, destaque também para a dupla de irmãos piauienses Manoelzinho e Raimundinho na mesma imagem. O primeiro é o recordista coral em número de jogos. Foram 403 partidas de Manoelzinho pelo Ferrão, enquanto Raimundinho atuou em apenas 40 jogos e depois regressou para o Piauí. O atacante Decolher, infelizmente, teve morte trágica nos anos 1950. O time era treinado por J.G. Andrade, o famoso Baiano. Essa equipe foi vice-campeã estadual de 1947 após um episódio lamentável, porém histórico, que culminou com a prisão de todos os jogadores corais na decisão contra o Fortaleza, fato que mereceu destaque em postagens anteriores aqui no blog.

REGISTRO DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 2001

Ferroviário Atlético Clube em 2001 – Em pé: Aderson, Hilton, Rogério Carioca, Alencar, Paulo Adriano e Adão; Agachados: Maradona, Zé Carlos Vampeta, Buiú, Dino e Roberto Juazeiro

Mais uma registro do Ferroviário perfilado, dessa vez o time de 2001, antes de um confronto contra o Fortaleza, no PV, em maio daquele ano. Foto diretamente do acervo do preparador físico Fábio Monte, que aparece ao lado do centroavante Adão na imagem. Outros integrantes do clube aparecem também, como o preparador de goleiros Pepe, o roupeiro Aldir, o massagista Fran, agachado, e o diretor de futebol Oliveira, todos situados à esquerda na fotografia. Do lado direito, é possível ver ainda o preparador físico Clovandi Costa. Trata-se de um registro de uma época bastante complicada para estes profissionais, que conviviam com atrasos de salários constantes, greves e falta de uma melhor estrutura para disputar as competições. A prova disso é que o Tubarão da Barra terminou o campeonato cearense de 2001 apenas na sexta colocação, com 23 pontos conquistados. Na temporada anterior, o Ferrão havia lutado contra o rebaixamento no Estadual pela primeira vez em sua história, fato este que se repetiu algumas vezes pelos próximos treze anos.

TIME JÚNIOR DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1982

Equipe de base do Ferroviário Atlético Clube na temporada de 1982 – Em pé: Benone, China, Luís Carlos, Cid, Cloude e Marquinhos; Agachados: Pedro, Juarez, Osmar, Narcélio e Wellington

O registro fotográfico acima merece o destaque nessa seção. Essa fotografia foi tirada no estádio Presidente Vargas, em 1982, num domingo pela manhã, antes do início do Torneio Início de mais um campeonato de base promovido pela Federação Cearense de Futebol, que equivalia à categoria Sub-20 de hoje em dia. Era o chamado time júnior coral, que foi campeão estadual ao final da temporada. Dessa equipe, alguns nomes figuraram entre os profissionais durante a década de 1980, alguns com mais destaque, como o atacante Narcélio, já falecido, que realizou 30 partidas na equipe principal do Ferrão. O goleiro China figurou várias vezes nos jogos como reserva imediato dos goleiros titulares, participando efetivamente de 16 jogos em campo no total. O lateral direito Benone atuou em 9 partidas, o mesmo acontecendo com o lateral esquerdo Luís Carlos, que participou de 38 jogos entre 1984 e início de 1988. O meio campista Marquinhos também atuou em 6 jogos entre os profissionais naquela década. Pedro e Osmar atuaram apenas em duas partidas, cada. Wellington participou de 8 jogos e assinalou um gol, por sua vez, Juarez entrou em um único amistoso, em 1983, entre os profissionais do Tubarão da Barra. Não há registro dos demais em jogos da equipe principal do Ferroviário Atlético Clube durante os anos 1980.

REGISTRO DA PRIMEIRA FORMAÇÃO QUE SE DESTACOU NA SÉRIE C DE 2006

Ferroviário em 2006 – Em pé: Jéfferson, Nemézio, Tales, Tiago Gasparetto, Marcelo Mendes e Marcelo Sá. Agachados: Marcos Pimentel, Glaydstone, Ernandes, Fernandinho e Cristiano

Esse é o Ferrão de 2006 no retrato! Naquela temporada, o time coral quase conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro. Foi por um triz. Depois de um período de três meses de inatividade, acontecida entre o fim do campeonato cearense e o início da Série C nacional, o Ferroviário voltava aos gramados com essa formação no primeiro amistoso preparatório para a nova competição. Era a estreia de nomes como o zagueiro Tiago Gasparetto, do famoso atacante Fernandinho e dos meias Tales e Marcelo Sá. A base dessa equipe seguiu firme no campeonato nacional e por muito pouco não subiu de divisão. O registro fotográfico foi feito antes de um amistoso contra o Ceará no estádio Presidente Vargas. O alvinegro venceu por 2×1 com gols de Luís Fernando e Léo Gago. Tales marcou para o Ferrão. A maioria desses atletas já pendurou as chuteiras. O eficiente volante Marcelo Mendes trabalha atualmente no Sampaio Corrêa. Tiago Gasparetto é instrutor de escolinhas no interior de São Paulo e o goleiro Jéfferson trabalha com esportes na prefeitura de Fortaleza. Grande time!

A GAROTADA DA BASE QUE VIROU TITULAR NO CAMPEONATO DE 1973

Ferroviário Atlético Clube em abril de 1973 – Em pé: Carlito, Marcelino, Vicente, Luciano Amorim, Cândido e Grilo – Agachados: Paulo César Feio, Luizinho, Carlinhos, Edílson Lopes e Jeová

Mais um registro fotográfico de uma onzena coral, dessa vez pelo campeonato cearense de 1973. Time treinado por Vicente Trajano com boa parte dos seus jogadores egressos das categorias de base, como o lateral direito Carlito, os zagueiros Cândido e Luciano Amorim, o lateral esquerdo Grilo, o meia Edílson Lopes e o ponta esquerda Jeová. Por sua vez, o meia Carlinhos e o perigoso atacante Paulo César Feio vieram do Madureira/RJ. O destaque do time era o atacante Luizinho, conhecido como ´peito de aço`, oriundo do Sport Belém/PA e que estava no clube desde a temporada de 1971. O goleiro Marcelino era o nome mais conhecido daquela formação. Ele vivia o auge de sua forma técnica e já acumulava vários minutos sem sofrer gols na competição, o que posteriormente lhe valeu um recorde que tem tudo para ser eterno no futebol cearense. O volante Vicente era egresso do Quixadá e mostrava-se bastante eficiente, perfazendo o total de 130 jogos com a camisa coral entre 1972 e 1976. A opção por lançar os garotos da base em pleno Estadual foi forçada pela crise econômica que assolava o mundo em 1973, complicada ainda mais pela disparada dos preços do petróleo meses depois e o consequente desabastecimento de produtos no comércio. Foi um momento muito difícil vivido em meio à ditadura militar no Brasil.

FOTO HISTÓRICA PUBLICADA NO INSTAGRAM OFICIAL DO CRAQUE ZICO

Zico sobe pra cabecear acossado pelo zagueiro Júlio e sob o olhar atento do lateral Paulo Maurício

Zico foi um dos maiores jogadores que o futebol brasileiro já produziu. Vestindo a camisa do Flamengo/RJ, ele enfrentou o Ferroviário em 3 jogos oficiais, deixando uma marca expressiva de cinco gols marcados nas redes corais. Foram dois confrontos pelo campeonato brasileiro de 1982 e, antes, um jogo pelo brasileirão de 1980. Ontem, o ídolo brasileiro publicou em sua conta oficial no Instagram a foto acima, registrada no Maracanã em janeiro de 1982. Nela, podemos observar dois jogadores corais na partida: o zagueiro Júlio e o lateral direito Paulo Maurício. Os 3 jogos do Ferrão contra o Flamengo na história já renderam algumas postagens aqui no blog. A vitória rubro-negra por 2×1, no Rio de Janeiro, em 1980, já mereceu postagem especial e o VT completo da vitória por 3×0, também no Maracanã, em 1982, já apareceu por aqui há mais de 5 anos, assim como o vídeo da vitória do Flamengo por 2×1 no Castelão, no jogo da volta de 1982. Temos também em nosso acervo o áudio dos três gols desse jogo em Fortaleza. Qualquer dia a gente publica essa raridade também. Dos atletas corais na fotografia, os dois passaram pelo Tubarão da Barra também como treinador em temporadas posteriores. Paulo Maurício trabalhou como o técnico coral em 2001 e Júlio Araújo atuou entre o fim de 2011 e o começo de 2012, ambos sem sucesso.

O BANCO DE RESERVAS NO PRIMEIRO JOGO OFICIAL NO ELZIR CABRAL

Reservas no primeiro jogo oficial na Barra do Ceará: Teninha, Fahel, Nilton, Olavo e Evilásio

Vejam que foto maravilhosa. O estádio Elzir Cabral lotado em seu primeiro jogo de campeonato cearense na história. Ela pertence ao acervo do ex-ponta esquerda Ronaldinho. O dia foi 19 de março de 1989 e o Ferrão goleou o Guarani de Juazeiro por 6×0 com 4 gols do artilheiro Cacau e 2 gols do craque Jacinto. Mais de oito mil pessoas estiveram presentes naquele domingo na inauguração do estádio coral para partidas oficiais. Na imagem do banco de reservas é possível identificar o preparador físico José Maria Paixa, o técnico Erandy Montenegro e dois dirigentes, um deles era o diretor de futebol Vicente Monteiro. Os jogadores são, da esquerda para a direita, o atacante Teninha, o goleiro Fahel, o lateral esquerdo Nilton, o meia atacante Olavo e o zagueiro Evilásio. Na época, a legislação permitia apenas duas substituições durante o jogo. Fahel e Olavo entraram no lugar de Albertino e Zé Carlos Parananense respectivamente. Depois que pendurou as luvas, Fahel passou a atuar como treinador de futebol com passagens em vários times do futebol brasileiro. Ao entrar no segundo tempo contra o Guarani, Fahel fez sua única apresentação com a camisa do Ferrão.

O FERRÃO BAILARINO QUE PERDEU UM TÍTULO EM TRÊS MINUTOS

Ferroviário na final do Estadual de 1963 – Em pé: Nélson, Ribamar, Pedrinho, Zezinho, Gavillan e Clóvis. Agachados: Macrino, Wellington, Milton Bailarino, Oliveira Bodega e Edílson Araújo

A foto acima com PV lotado foi tirado no dia 1º de dezembro de 1963. Foi na final do campeonato cearense daquele ano contra o Ceará. O Ferroviário tinha o craque Milton Bailarino e o veloz Macrino, contratados junto ao Santa Cruz/PE, além de uma série de outros bons jogadores. O goleiro Ribamar, por exemplo, chegara com grande destaque oriundo do ABC de Natal. Edílson Araújo era bom de bola e vinha a ser o irmão mais velho de Edmar, campeão invicto pelo Ferrão cinco anos depois. Esse time fez uma bela campanha no Estadual daquele ano e chegou à finalíssima contra o Ceará, que ainda não tinha perdido nenhum jogo na competição. O time coral vencia por 2×1 até os 42 minutos do segundo tempo, gols de Edílson Araújo e Milton Bailarino. A torcida erreveceana estava na expectativa do título depois de 11 anos, quando em três minutos, o Ceará fez dois gols e virou o jogo em cima do time comandado pelo técnico Dengoso. Registro histórico de um grande time que acabou não sendo campeão.