REGISTRO DO CARRO DE BOMBEIROS NA CARREATA DO TÍTULO DE 1988

Imagem dos Arquivos Ferroviários Camocim Ribeiro com jogadores corais no carro dos bombeiros

O registro fotográfico acima foi tirado na manhã do dia 18 de setembro de 1988. Naquele domingo pela manhã, o Ferroviário Atlético Clube comemorou o título de campeão cearense daquele ano numa carreata pelas ruas da cidade. Boa parte do elenco coral subiu no carro do Corpo de Bombeiros e desfilou com o troféu pela capital cearense. Na imagem acima, é possível identificar o terceiro goleiro Júnior Lemos, segurando a taça e o polivalente Edson, sentado. Atrás, o goleiro reserva Osvaldo aparece de perfil. Posteriormente, outros jogadores subiram no carro, entre eles os ídolos Arnaldo, Mazinho Loyola e Marcelo Veiga. A comemoração coral durou o domingo inteiro, com direito a festa no Clube de Regatas da Barra do Ceará, ao meio-dia, e terminou com um amistoso de entrega de faixas, contra o Ceará, à tarde, no Estádio Presidente Vargas. O Tubarão da Barra bateu o alvinegro por 2×1, com gols de Wiltinho e Beto Andrade para o time coral, descontando Basílio para o Ceará. Dos atletas titulares no jogo decisivo contra o Fortaleza, os zagueiros Arimateia e Juarez, o goleiro Robinson e os meias Alves e Jacinto não atuaram no jogo festivo.

FOTO RARÍSSIMA: O JUVENIL DO FERRÃO NA TEMPORADA DE 1977

Equipe Sub-15 do Ferroviário A. C. durante as disputas do Campeonato Cearense de 1977 – Em pé: Laércio, Helder, Gilvan, Dedé, Sales e Maurício. Agachados: Gabriel, Assis, Osmar, Nena e Bosco

A fotografia acima é de 1977 e merece demais a postagem. Eis a equipe juvenil do Ferroviário nas disputas do Campeonato Cearense da categoria, o que seria hoje equivalente ao Sub-15. Nela, podemos ver o lateral direito Laércio com apenas 13 anos de idade. Ele foi o jogador mais jovem a vestir a camisa da equipe principal do Tubarão da Barra. O grande fato ocorreu em julho de 1978, quando Laércio, com apenas 14 anos, 5 meses e 3 dias de idade, entrou num amistoso contra o Calouros do Ar, no PV, lançado pelo treinador Lucídio Pontes, em substituição ao lateral Ayala. Menos de um mês depois, Laércio já disputava uma partida oficial pelo time profissional, dessa vez contra o Guarany de Sobral, também no PV, entrando no lugar do lateral direito Jorge Henrique. O protagonismo do atleta, justamente no ano do nascimento da primeira bebê de proveta no mundo, levou o narrador Júlio Sales a apelidá-lo de “provetinha” ou “bebê de proveta” na verve das narrações esportivas. Laércio passou 10 anos figurando nas escalações corais, totalizando 244 jogos e 4 gols marcados pelo Ferrão. Em 1984, ele foi emprestado ao Flamengo/RJ e retornou no ano seguinte para figurar numa das melhores equipes que o Ferroviário já formou em todos os tempos. No início de 1989, após sagrar-se campeão cearense no ano anterior, Laércio foi envolvido numa troca com o lateral direito Caetano e foi jogar no Fortaleza. A negociação envolveu também a ida do lateral esquerdo Edson para o Pici. Da equipe Sub-15 de 1977, o zagueiro Dedé, o lateral esquerdo Maurício, o atacante Bosco e o meia Osmar figuraram também em alguns jogos da equipe principal no decorrer das temporadas. Dedé foi o que acabou tendo mais oportunidades no início dos anos 1980.

REGISTRO DE UM FERRÃO QUE FAZIA A ESTREIA DO GOLEIRO UBIRAJARA

Ferroviário em jogo contra o Ceará no dia 16 de Maio de 1976 – Em pé: Pogito, Ubirajara, Arimatéia, Lúcio Sabiá, Pinto e Grilo; Agachados: Santos, Fernando Canguru, Lula, Danilo e Oliveira

A fotografia acima foi tirada no Castelão, antes de um clássico contra o Ceará pelo Campeonato Cearense de 1976. Era a estreia do goleiro Ubirajara, falecido no ano passado de Covid. Com a bagagem de uma boa passagem pelo América de Natal, o novo goleiro coral ficou menos tempo que o esperado em campo, pois se contundiu e teve que ser substituído pelo reserva Beto. O lateral esquerdo Grilo também saiu contundido e Ivanildo entrou em seu lugar. O treinador dessa equipe era o consagrado Vavá, que brilhou com a camisa da Seleção Brasileira enquanto jogador. O Ceará venceu o jogo por 1×0, gol de Marcos. Na equipe coral, nomes que passaram pouco tempo no elenco como o atacante Santos, ex-São Cristovão/RJ, e o também atacante Fernando Canguru, paraibano indicado pelo eterno ídolo Simplício, que o conhecia do Treze/PB. O zagueiro Pogito, que também atuava como lateral direito, chegou naquela temporada emprestado pelo Fluminense/RJ. O centroavante Lula era um dos destaques da equipe e terminara o Estadual do ano anterior como artilheiro da competição com 8 gols. Ex-atleta do Calouros do Ar, Lula chegou para o Ferrão em janeiro de 1974, quando o diretor Dirceu Pupe foi contratá-lo na cidade de Mossoró.

FOTO RARA COM ALEXANDRE PAVÃO E EDINHO NA FORMAÇÃO CORAL

Foto do Ferroviário antes de uma partida contra o Limoeiro pelo Campeonato Cearense de 2004

A fotografia acima traz dois jogadores que só atuaram uma única vez com a camisa do Ferroviário. Nesse dia, em 28 de fevereiro de 2004, o time coral fazia a estreia do goleiro Alexandre Pavão e do zagueiro Edinho. Ambos tiveram atuação desastrosa e só realizaram esse jogo pelo Ferrão, que foi goleado pelo Limoeiro por 4×1 no PV. Acima, perfilados em pé, da esquerda para a direita temos os seguintes jogadores: Anderson, Edinho, Alexandre Pavão, Junior Cearense e Damião. Por sua vez, agachados, vemos Marcelo, Édio, Andrezinho, Glaydstone, Stênio e Maurício Pantera. O treinador dessa equipe era o ex-goleiro Jorge Pinheiro, que vestiu a camisa do próprio Ferroviário nos anos 1990. O pernambucano Maurício Pantera acabou sendo o artilheiro do Campeonato Cearense daquele ano com 12 gols, apesar de ter ficado fora dos jogos por um mês, em razão de uma atrapalhada e mal sucedida transferência para o futebol russo. Atualmente, Maurício Pantera reside em Recife, atua como porteiro em condomínios residenciais e é torcedor do Santa Cruz/PE.

ROBERTO CEARENSE MARCAVA EM CIMA DE MARCELINO HÁ 40 ANOS

Atacante Roberto Cearense cabeceia e marca mais um gol do Ferroviário em jogo do Estadual de 1981

O registro fotográfico acima completou quarenta anos. Foi o primeiro gol do centroavante Roberto Cearense contra o América/CE, no PV, num domingo de manhã. O tento foi assinalado em cima do histórico goleiro Marcelino, que estava em final de carreira. O Ferrão venceu o jogo por 3×1 e Roberto Cearense teve a oportunidade ainda de marcar o gol mais bonito do “Fantástico”, fato este já destacado aqui no blog em 2016. Treinado por Moésio Gomes, o Tubarão da Barra jogou com o futebol de Salvino, Paulo Maurício, Paulo César Piauí, Nilo (Darci Munique) e Roner; Augusto, Meinha e Sima; Jangada (Paulo César Cascavel), Roberto Cearense e Babá. Comandado por Alberto Damasceno, sentado no banco como treinador da equipe, o antigo Diabo Rubro da Dom Manuel perdeu com um time cheio de veteranos: Marcelino, Cafifa, Artur, Júlio e Rebelde; Chiquinho (Maurício), Pinto e Mano; Brito, Jorge Costa e Vento (Artur II). Menção honrosa para o meio campo piauiense do Ferrão: Augusto, Meinha e Sima, este último autor do outro gol coral na partida. Abaixo, aos 35 segundos do vídeo, você confere o gol do Ferrão que resultou no retrato acima.

O FERROVIÁRIO QUE ENFRENTOU O REI PELÉ PELA PRIMEIRA VEZ

Confira o retrato acima. Em pé: goleiro Pedrinho, Gomes, Luiz Paes, Veto, Carlindo, Edmar e o também goleiro Miltão. Agachados estão Marcos do Boi, Ademir, Facó, Coca Cola e Alísio. O registro aconteceu no dia 5 de novembro de 1967, quando o time coral empatou em 0x0 com um time misto que reunia atletas de Ceará e Fortaleza. O objetivo era preparar a equipe que dois dias depois enfrentaria o Santos de Pelé. Era comum as equipes cearenses se reforçarem quando encaravam times importantes do futebol brasileiro. Foi por isso que Pedrinho, Carlindo e Marcos do Boi aparecem com a camisa coral nessa fotografia de 1967. O primeiro, pernambucano nascido em Olinda, foi cedido pelo Fortaleza e os outros dois pelo Ceará. O amistoso no PV contra o time da Vila Belmiro terminou 5×0. Pelé anotou um gol. O time que começou o jogo foi exatamente a onzena da foto, com o goleiro Miltão de titular. No decorrer da partida, o técnico Ivonísio Mosca de Carvalho processou algumas alterações e a equipe coral formou com o futebol de Miltão (Pedrinho), Veto (Vadinho), Luiz Paes, Gomes e Carlindo (Barbosa); Coca Cola e Edmar; Ademir, Marcos do Boi (Peu), Facó (Paraíba) e Alísio (Piçarra). No ano seguinte, os dois times se enfrentaram novamente e, dessa vez, a zaga coral conseguiu parar o Rei Pelé num jogo histórico. Dessa equipe, Ademir e Coca Cola chegaram a jogar em Portugal. O primeiro, atacante pernambucano de Recife, construiu uma longa carreira de onze temporadas em terras lusitanas e conquistou a cidadania portuguesa. Ambos já são falecidos.

O FERROVIÁRIO DAS VACAS MAGRAS NA REINAUGURAÇÃO DO JUNCO

Ferroviário em setembro de 1999 na reinauguração do estádio em Sobral – Em pé: Luiz Carlos, Daniel, Tico, Júnior, Carlos Antônio e Miguel. Agachados: Miro, Guedinho, Paulo Rubens, Assis e Luciano

Talvez os jogadores acima sejam desconhecidos da grande maioria da torcida coral. É o time do Ferroviário Atlético Clube em setembro de 1999, formado basicamente por jogadores cearenses egressos de equipes menores, reforçado por algumas crias da base. Essa formação atuou na reinauguração do Estádio do Junco, em Sobral, num amistoso contra o Ceará, vencido pela equipe alvinegra por 2×0. Era uma época de vacas magras marcada pela renúncia do presidente Carlos Mesquita e a chegada de um novo grupo de dirigentes, capitaneados por Carlos Alberto Mota, que terminou eleito presidente três meses depois. Essa equipe disputou o Torneio da Movimentação e perdeu a final para o Tiradentes/CE. No ano seguinte, a vida coral se complicou ainda mais com vários meses de salários atrasados, entra e sai de atletas, ameaça de rebaixamento e até um lamentável episódio de suicídio do diretor de futebol do clube. Na imagem acima, o goleiro Miguel esteve presente no elenco da equipe bicampeã estadual em 1994 e 1995. Talvez ele seja o nome mais conhecido da torcida coral na imagem, ao lado de Guedinho, que virou uma espécie de xodó dos torcedores até a temporada de 2003 e, ironicamente, numas das fases mais tenebrosas da nossa história, conseguiu o feito de assinalar 68 gols e marcar seu nome como o nono maior artilheiro da trajetória do clube. Repare também na camisa dos jogadores. O velho retrato mostra a gloriosa camisa do Ferroviário estampando dois números de telefones. Era o Tele-Ferrão, uma campanha em parceria com a Teleceará, antiga companhia telefônica do estado, que disponibilizava números para o torcedor colaborar com doações voluntárias a partir de módicos 3 Reais por cada ligação.

TIME JÚNIOR DO FERROVIÁRIO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1986

Base do Ferroviário Atlético Clube em 1986 – Em pé: Nilton, Edilson, Roberto Santos, Kico, Eudes, Fernandes e Nani; Agachados: Mudo (massagista), Nilsinho, Lane, Cícero Junior e Antônio Marcos

Eis mais uma bela foto de jogadores que tomaram parte das categorias de base do Ferrão. O registro fotográfico acima é de 1986 e apresenta alguns nomes que chegaram a atuar na equipe profissional nas temporadas seguintes. Vestindo um uniforme confeccionado pela Craque Sports, essa onzena coral tem no arco o goleiro Edilson, titular do time principal em boa parte dos jogos do Torneio Otávio Pinto Guimarães, que foi realizado naquele ano e teve a participação de equipes como Fortaleza, Botafogo/PB e América/RN. Tecnicamente falando, os dois principais destaques dessa equipe eram o meia Lane e o atacante Cícero Junior. Embora considerado craque na verdadeira acepção da palavra, o primeiro teve apenas 8 oportunidades no time profissional. Por sua vez, o jovem Cícero Júnior esteve em campo em 12 partidas e mostrava muita qualidade com a perna canhota. Ele era filho do ex-zagueiro Cícero, famoso jogador do futebol cearense, que defendeu o próprio Ferroviário no início dos anos 1960. Na imagem, nota-se também o lateral esquerdo Nílton, que chegou a figurar em escalações do time profissional em 27 oportunidades entre 1986 e 1991. Além dos três jogadores citados, nomes como Roberto Santos, Kico e Eudes figuraram entre os campeões juniores no ano seguinte, numa formação emblemática que tinha o futuro ídolo Mazinho Loyola apenas em início de carreira. Destaque também para o local do jogo: o velho Castelão, simplesmente a melhor praça esportiva do Estado, numa época onde as categorias de base jogavam o ano inteiro e se apresentavam nas preliminares das equipes profissionais, algo absurdamente e lamentavelmente impensável para os padrões modernos do futebol de hoje em dia.

FOTOGRAFIA COM DUPLA DE ZAGA QUE POUCAS VEZES JOGOU JUNTA

Ferrão em 21/06/1992 contra o Tiradentes no PV – Em pé: Caetano, Paulo Adriano, Fernando Silva, Hermes, Joel e Jaime; Agachados: Cantareli, Idevaldo, Junior Piripiri, Marquinhos e Jorge Veras

Na imagem acima, pelo menos três jogadores são raramente encontrados em fotografias antigas do Ferroviário: o meia Marquinhos e a dupla de zaga Fernando Silva e Hermes. Eles fizeram parte do elenco coral no Campeonato Cearense de 1992. O primeiro chegou contratado junto ao Taubaté/SP e fez apenas 6 jogos pelo Ferrão. Por sua vez, o zagueiro Fernando Silva era um promissor atleta do Santa Cruz/PE, que o emprestou para o Tubarão da Barra. Ele fez 20 jogos e marcou 1 gol pelo Ferroviário. Na foto em questão, um jogo contra o Tiradentes pelo Estadual, vencido pelo Tigre por 2×0, o baiano da cidade de Tucano formou dupla de zaga com o experiente zagueiro Hermes. Aos 33 anos de idade, Hermes chegou depois de acumular belas passagens por clubes nordestinos, entre eles o Treze/PB. Essa dupla só esteve junta em 5 partidas do Ferrão. Uma semana depois da foto em destaque, os dois formaram a zaga coral pela última vez, numa derrota vexatória para Ceará, por 6×1, no PV. Hermes rescindiu e foi embora, deixando 11 jogos nas estatísticas corais. Fernando Silva continuou no elenco. Depois, ele teve relativo sucesso em sua trajetória, pois posteriormente permaneceu quase 10 anos atuando no futebol português. Ainda na fotografia, cabe destacar a presença do experiente atacante Idevaldo, que teve boa passagem no América/MG nos anos 1980. Destaque também para os conhecidos laterais Jaime e Caetano, improvisado na esquerda, e ainda o meia Júnior Piripiri e o ídolo Jorge Veras, além da dupla Cantareli e Paulo Adriano, que conseguiram títulos com a camisa coral pouco tempo depois. Por sua vez, o goleiro Joel, ex-Icasa, foi outro que deixou o clube após a debacle para o alvinegro na rodada seguinte do Estadual de 1992.

REGISTRO DE UMA FORMAÇÃO DO FERRÃO NO ESTADUAL DE 1985

Ferroviário Atlético Clube no Estádio Romeirão em 1985 – Em pé: Laércio, Arimatéia, Walter, Nélson, Joãozinho e Léo; Agachados: Arnaldo, Nildo, Alex, Luizinho das Arábias e Adílton

O registro fotográfico acima foi feito no Estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte, antes de um jogo válido pelo Campeonato Cearense de 1985, contra o Guarani. O Tubarão da Barra apresentava algumas caras recentemente contratadas para a competição, como o zagueiro Léo e o atacante Nildo, ambos oriundos do Remo/PA. Na defesa daquele jogo, o zagueiro manauara Joãozinho acabou jogando improvisado na lateral esquerda, já que o titular Clésio estava contundido. Ele tinha boa reputação em suas passagens pelo Fast/AM e pelo Nacional/AM em temporadas anteriores. O meio campista Alex, ex-Náutico/PE, era o pulmão da equipe. Infelizmente, terminou se contundido seriamente no joelho e precisou ser operado. O craque Adílton, já em final de carreira, era o toque de classe daquela onzena, que tinha na frente o artilheiro do campeonato, o implacável e ídolo histórico Luizinho das Arábias. No meio campo, o Ferrão contava ainda com o talento de Arnaldo, que fazia apenas a sua segunda apresentação oficial com a camisa coral. No banco desse time, os pontas Cardosinho e Foguinho. Ambos acabaram entrando no segundo tempo. O jovem Nildo, centroavante de origem, anos depois jogou muito bem com a camisa do Grêmio/RN e, na temporada de 1994, atuou pelo Ceará, ano em que o Ferroviário foi campeão cearense. Após o Estadual de 1985, o serelepe Arnaldo deixou o clube, mas voltou para ser campeão em 1988. O time do Ferroviário de 1985 era excelente e competitivo. Esse time terminou não sendo campeão, graças a erros decisivos da arbitragem cearense em jogos cruciais da competição contra Ceará e Fortaleza. Alguma novidade?