O TIME DE BASE QUE CONQUISTOU O CAMPEONATO CEARENSE DE 1979

Campeonato Cearense de Juniores de 1979 – Em pé: Laércio, Gilvan, Bira, Dedé, Samuel, Ivanildo, Ariosto e o massagista Taty. Agachados: Narcélio, Haroldo, Carlos Brasília, Eduardo e Nena

Não estranhe a camisa coral na foto acima. Apesar de bastante parecida com a do rival Fortaleza, as cores são as nossas: vermelho, preto e branco. Esse modelo foi utilizado pelo time de juniores, o equivalente a atual categoria Sub-20, na conquista do campeonato cearense de 1979. Na imagem, a presença de alguns jogadores que chegaram a atuar pelo time profissional nas temporadas seguintes, como o histórico lateral direito Laércio (244 jogos), o goleiro Bira (2 jogos), o zagueiro Dedé (18 jogos), o ponta direita Haroldo (22 jogos) e o atacante Carlos Brasília (30 jogos), todos de importante contribuição à história coral. Vale o destaque para deixar registrado o modelo pouco comum no nosso uniforme e os atletas campeões pela nossa base, consagrada no futebol brasileiro como a que mais revela valores no futebol cearense.

RECORDE UM FERRÃO X TREZE DISPUTADO NA SÉRIE D DE 2009

Modelo do uniforme coral utilizado em 2009

Nas duas únicas vezes que se enfrentaram pela Série D do Brasileiro, Ferrão e Treze fizeram valer o mando de campo e cada um venceu seu jogo dentro de casa. Foi em 2009, quando o Galo da Borborema fez 1×0 no Estádio Amigão, gol de Gauchinho, mas perdeu o jogo da volta por 2×0, disputado no Estádio Domingão em Horizonte, com gols do lateral direito Ivan e do atacante Juninho Quixadá, o mesmo que ajudou bastante o Tubarão da Barra a conseguir o acesso em 2018 ao retornar para o clube depois de sete temporadas no futebol da Bulgária. Esse jogo foi o de número 3.288 da história coral. Ferrão e Treze estavam na mesma chave acompanhados de Alecrim/RN e Flamengo/PI. Treinado por Gilmar Santos, o Ferrão formou naquela tarde com o futebol de Jéfferson, Ivan (Stênio), Lúcio, Cícero César e Marcelo; Válter, Eliélton, Júnior Cearense (Clemílson) e Diego (Diogo Oliveira); Juninho Quixadá e Wescley.

Sabe quem era o técnico do Treze nesse jogo? Era exatamente o nosso atual comandante Marcelo Vilar, que naquela oportunidade mandou à campo Ricardo, Deleu, Júnior, André Lima e Cleidson (Camilo); Daniel, Wanderson, Da Silva e Everton (Rosembrick); Gilberto (Edson Dí) e Gauchinho. Repare o nome do zagueiro André Lima na formação paraibana, ele que disputa atualmente a Série D com a camisa do Ferrão. O atacante Wescley ainda perdeu um pênalti para o Ferroviário, que passou de fase no grupo e foi desclassificado na etapa seguinte da competição pelo Sergipe/SE. Vale a pena recordar abaixo os melhores momentos daquele jogo em 2009. A matéria da TV Jangadeiro se equivoca ao dizer que o primeiro gol do jogo foi do meia Diego, mas apresenta ainda o interessante comentário de Alan Neto, que destaca dois detalhes importantes: a grande apresentação de Juninho Quixadá e a belíssima camisa coral do Ferroviário utilizada naquele dia e aposentada na atual temporada de 2018.

CAMISA COM LISTRAS NA DIAGONAL VOLTAM A SER USADAS APÓS 37 ANOS

Zagueiro Afonso e a camisa de 2018

Depois de apresentar um modelo dourado e outro laranja na época da segunda divisão cearense, o Ferrão voltou a inovar em relação a seu uniforme de jogo. Dessa vez, a novidade não está relacionada com a terceira camisa, mas sim com a primeira. Depois de 37 anos, o Tubarão da Barra volta a utilizar o padrão branco com listras corais na diagonal. Diferente do modelo utilizado pela última vez na temporada de 1981, a camisa atual simplifica, moderniza e apresenta apenas uma listra vermelha e outra preta na diagonal. Pra variar, houve quem gostou, mas também quem odiou, porém ninguém pode negar a óbvia referência histórica da nova camisa coral.

Ponta Paulinho em 1981

A camisa com listras diagonais foi utilizada muitas vezes no Campeonato Cearense de 1978, conforme já mostrado aqui no Almanaque do Ferrão através do resgate inédito do vídeo de um gol do ex-lateral Ricardo Fogueira, contra o Fortaleza, além da postagem sobre o deputados estaduais eleitos naquele ano. Depois, esse modelo passou a ser utilizado algumas vezes nas temporadas seguintes, revezando com o padrão  branco de listras horizontais e com o uniforme coral de listras verticais. Em 1981, o Ferroviário disputou suas últimas partidas com a camisa de listras diagonais, numa época em que o clube contava com nomes como o goleiro Procópio, o zagueiro Darci Munique, o craque piauiense Sima, o centroavante Roberto Cearense e o ponta esquerda Paulinho, ex-Cruzeiro/MG, cedido ao Ferrão como parte da negociação da compra do cearense Jacinto por parte do time mineiro. Portanto, ao inovar em 2018 com uma adaptação nova para aquele modelo antigo, o Ferroviário faz uma conexão histórica com seu próprio passado.

CAMISA DA ÉPOCA DA FINTA APARECE EM VÍDEO PROMOCIONAL NA WEB

Veja o vídeo acima. É um promocional da nova fase do canal 3Loucados no YouTube, de iniciativa dos jornalistas paulistas Paulo Vinícius Coelho, Marcelo Duarte e Celso Unzelte, que durante muitos anos apresentaram o programa ´Loucos por Futebol` na ESPN Brasil. O canal na Internet segue a mesma filosofia. Repare na primeira camisa exposta nos cabides. Reparou? Agora, assista abaixo ao segundo vídeo promocional do 3Loucados.

É a camisa do Ferroviário Atlético Clube em primeiro plano nos vídeos promocionais do canal! Trata-se do modelo confeccionado pela Finta, em 2009. Sem dúvida, uma grande deferência ao time coral por parte dos 3Loucados, lembrando que coube ao próprio Celso Unzelte escrever o prefácio da versão impressa do Almanaque do Ferrão, em 2013.

VIAGEM NO TEMPO REVISITANDO DOIS UNIFORMES DO FERROVIÁRIO

Repare na foto abaixo tirada no dia 07 de setembro de 1977. Sob a gestão do presidente Chateaubriand Arrais, o Ferroviário inovava em seu padrão de uniforme e jogava com camisas com três listras verticais, sendo duas pretas e uma vermelha. Foi num empate que marcou a estreia do ex-craque coral Amilton Melo com a camisa do Ceará e era a primeira vez que o Castelão recebia uma partida de portões abertos. Talvez seja esteticamente uma das mais belas fotografias do clube com os jogadores perfilados. Analise depois outra foto com a reprodução do mesmo padrão de camisas.

Ferrão 1977_Castelão

Ferrão entrou em campo naquela tarde de 1977 para um jogo contra o Ceará com Vander, Bassi, Júlio, Joel Maneca, Arimatéia e Grilo; Vanderley, Kalu, Oliveira Piauí, Danilo e Paulo César Feio

Quatorze anos depois, em 20 de outubro de 1991, o presidente Múcio Roberto repetiu o modelo da camisa coral invertendo apenas as cores das listras, sendo duas vermelhas e uma preta. Mais uma vez o Ceará foi o adversário coral e o jogo também foi empate, graças ao goleiro Banana que defendeu um pênalti de Cláudio Adão. Esse padrão de camisa foi utilizado pouquíssimas vezes durante o campeonato cearense daquele ano.

Ferrão91_122

De novo contra o Ceará no Castelão, o Ferrão posou em 1991 com Aldo, Elmo Casquinha, Toninho Barrote, Valdemir, Adriano e Banana; Paulo Adriano, Arnaldo, Tinda, Paulinho e Cantareli