A LEMBRANÇA DE GIORDANO DO GOLEIRO DA SELEÇÃO BRASILEIRA

Goleiro Valdir Peres, do São Paulo, foi titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982

No final do mês passado, o Brasil perdeu o ex-goleiro Valdir Peres, titular do São Paulo/SP e da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982. Como arqueiro do tricolor paulista naquela temporada, Valdir Peres enfrentou o Ferroviário em duas oportunidades no intervalo de dez dias. A primeira em 28/01/1982, no Morumbi, e a segunda em 07/02/1982, no Castelão. Quatro meses depois, o falecido goleiro estreava na Copa da Espanha com a camisa da Canarinho contra a União Soviética. Por outro lado, os confrontos contra o São Paulo parecem ainda vivos na memória do goleiro reserva do Ferrão na ocasião. O cearense Giordano, que chegou ao clube em 1976, amargava a reserva do titular Barbiroto, emprestado pelo próprio São Paulo ao Ferroviário para as disputas daquele campeonato brasileiro. Em meio aos jogos contra o tricolor paulista, Giordano conheceu Valdir Peres e um fato o marcou por toda vida.

Giordano no Ferrão

Semana passada, Giordano encontrou ocasionalmente Charles Garrido, um dos torcedores corais que mais prestigia este blog com mensagens e comentários na página do Almanaque do Ferrão no Facebook. Conversando sobre o falecimento do ex-goleiro do São Paulo, Giordano confidenciou no referido encontro: “até hoje tenho guardado um uniforme completo de goleiro que o Valdir Peres gentilmente me presenteou naquela oportunidade“. Ao enfrentar um time financeiramente inferior, onde naturalmente as condições de trabalho são muito mais difíceis, Valdir Peres teve a delicadeza de ajudar um companheiro de profissão e, mais que isso, de posição. O fato nunca saiu da cabeça de Giordano, que permaneceu no clube até a temporada seguinte. Ao todo, foram 135 partidas com a camisa do Ferrão. Em 1984, sagrou-se campeão maranhense pelo Sampaio Corrêa/MA. Em 1988, já aposentado dos gramados, foi o treinador de goleiros do próprio Tubarão da Barra no título cearense daquele ano. Tantos anos depois, o Ferrão continua nas melhores lembranças de Giordano em conversa com amigos corais.

FERRÃO TEM A CHANCE DE ACABAR COM TABUS NA ATUAL TEMPORADA

Ferroviário e Horizonte vivem semana decisiva no campeonato cearense. As duas equipes se enfrentam nos dias 12 e 26 de março em confrontos de ida e volta. O primeiro jogo será no Castelão e só uma das duas equipes passam para a semifinal do campeonato cearense de 2016. Pra seguir em frente, o Ferrão precisa fazer o que há 4 anos não consegue: vencer o Horizonte. É verdade que dois empates e vitória nos pênaltis também resolve, mas derrotar o adversário no jogo de 180 minutos credencia o time coral a buscar uma final estadual depois de 19 anos. A vaga na Série D também é um dos objetivos. Mas você é capaz de lembrar do time que derrotou o Galo do Tabuleiro pela última vez? Veja a foto abaixo. Foi no dia 6 de fevereiro de 2013: 1×0 no Domingão.

Ferroviário Atlético Clube em fevereiro de 2013 – Em pé: Fernando Júnior, Cleylton, Valdo, Henrique, Giancarlo e Lima; Agachados: Everton, Leandro Sobral, Foguinho, Ted e Tinga

Naquela oportunidade, o gol da vitória foi marcado pelo volante Leandro Sobral, que depois defendeu o próprio Horizonte, Campinense/PB e atualmente está no Altos/PI. Treinado pelo gaúcho Gilson Maciel, o Tubarão da Barra venceu com Fernando Júnior, Everton, Valdo, Cleylton e Tinga; Lima (Luisinho), Foguinho, Leandro Sobral e Henrique (Chico); Ted (Sami) e Giancarlo. O Horizonte perdeu com Jéfferson, Moisés Lucas (Jack Chan), Breno, Airton Júnior e Thalison; Válter, Albano, Erivélton e Moisés Rato (Rennan); Júnior Mineiro e Reginado Júnior (Torres). Dos quatorze jogadores utilizados pelo adversário nesse jogo, nada menos que 11 atletas haviam vestido ou vestiriam depois a camisa do Ferroviário, mais um indicativo da concepção do embrião do Horizonte dentro da própria estrutura coral ao longo do tempo, fato este já abordado em postagem anterior.

Uma outra vitória do Ferrão dentro de Horizonte aconteceu em 2009, também pelo campeonato cearense, no dia 5 de março. Triunfo por 3×2 que você pode conferir no vídeo acima. Os gols foram marcados por Wescley, duas vezes, e Menezes. Dudu e o falecido Ton Ton descontaram para o Galo do Tabuleiro. Confira a formação coral naquela noite: Jéfferson, Rodrigo, Paulo Paraíba (Guto), Menezes e Cleiton Cearense; Válter, Róbson Simplício, Diego e Vidinha (Dino); Wescley e Léo Jaime (João Neto); O Horizonte perdeu na ocasião com Fábio Lima, Andrezinho, Da Silva, Ton Ton e Tiago; Reginaldo, Tiago Costa (Preto), Júnior Cearense e Anderson (Teles); Stênio e Dudu. Desses, seis jogadores vestiram a camisa do Ferroviário em temporadas anteriores. Voltando para 2017, o desejo é que a atual geração de jogadores do Ferrão quebre o tabu de 4 anos sem vitórias contra o Horizonte e que possam se inspirar nos exemplos citados acima.

ENCONTRO DE GOLEIROS ANTES DE PARTIDA PELA COPA DO BRASIL

Goleiros para sempre e um capitão

A foto ao lado é de março de 1995 e mostra 3 ótimos goleiros que vestiram a camisa do Ferroviário. Foi tirada no Castelão, antes de uma partida do time coral contra o Remo/PA pela Copa do Brasil. De camisa listrada, o goleiro Roberval, bicampeão estadual 94-95 pelo Ferrão. De branco, seu treinador de goleiros na época, Edmundo Silveira, ex-arqueiro do próprio Ferroviário entre 1978 e 1982, que disputou 19 partidas no título cearense de 79, quando chegou a ser titular durante a competição e teve a felicidade de jogar a finalíssima contra o Fortaleza em razão do terceiro cartão amarelo do titular Cícero Capacete. A seu lado, o grande goleiro Clemer, que vestia a camisa do Remo na época e que, apenas dois anos antes, defendera o Tubarão da Barra vindo do futebol maranhense. Depois de jogar na equipe paraense, Clemer se destacou nacionalmente como goleiro do Goiás/GO, Portuguesa/SP, Flamengo/RJ e Internacional/RS, onde foi campeão mundial. Perceba a altura de Edmundo Silveira diante de Roberval e Clemer, certamente bem acima da média para os padrões dos arqueiros que atuavam na década de 70. De quebra, o capitão Paulo Adriano, o último jogador até hoje a levantar uma taça para o Ferroviário, exatamente no final daquela temporada.

FERROVIÁRIO VOLTA A JOGAR NO CASTELÃO DEPOIS DE 3 ANOS

A boa nova chegou em meados de dezembro. O Alto Santo desistiu da competição e o Ferroviário, terceiro colocado na Série B cearense, está de volta à primeira divisão. A estreia coral acontece no próximo domingo, dia 15, contra o Fortaleza. Será a reedição do ´Clássico das Cores` em seu palco mais glamouroso: o Castelão. Você é capaz de lembrar a última vez que o Ferrão atuou naquele estádio? Foi no dia 21 de janeiro de 2014, contra o Itapipoca, numa partida que terminou 0x0 e afundou ainda mais o time coral rumo ao rebaixamento naquela temporada. Recorde a escalação do Tubarão da Barra: Fernando Júnior, Charles, Regineldo e Júnior Carvalho; Mota, Vagno Pereira, Everton, Iarley e Sami (Diego); Elson Obina e Rafael (Leílson). O Itapipoca jogou com Alberto, Joãozinho, Cosmo (Renan), Alisson e Betinho; Tião Baiano, Mimi, Jorge Luis (Abel Marinho)(Serginho) e Juninho Maranhense; Felipe Espada e Nilsinho. César Magalhães foi o árbitro naquela noite, diante de um público de apenas 281 pagantes. O meia Mimi, que defendia o adversário em 2014, atualmente é jogador do Ferroviário. Confira o vídeo abaixo com os melhores momentos da nossa última vez no Castelão.

VITÓRIA, TAÇA, MINISTROS, LAMBADA E TUDO MAIS NO ESTÁDIO CASTELÃO

Recentemente, o estádio Castelão completou 43 anos de inauguração, porém isso pouco foi falado na mídia cearense. Em homenagem ao principal estádio de Fortaleza, batizado de Arena Castelão após grande reforma para a Copa do Mundo no Brasil, o Almanaque do Ferrão recupera acima as imagens de uma vitória coral que lhe valeu uma taça alusiva ao aniversário de 17 anos daquele equipamento esportivo. Aconteceu no dia 11 de novembro de 1990 e o adversário foi o Ceará pelo campeonato cearense do ano seguinte, que começou adiantado ainda em 1990, em razão da falta de calendário nacional para as equipes locais. Os gols do Ferrão foram de Gilmar Furtado, Ademir Patrício e Magno. Era a época da lambada como febre nacional e o centroavante coral arriscou uns passos com o lateral direito Jaime após a marcação do terceiro gol do Tubarão da Barra.

Zélia Cardoso de Mello e Bernardo Cabral: o que essa foto tem a ver com os gols do Ferroviário?

O jogo teve a arbitragem de Dacildo Mourão, que expulsou o meio campista Lira após falta em Toninho Barrote. Apenas 5.495 pagantes prestigiaram a partida no Castelão naquela tarde de domingo. Confira a escalação ofensiva do Ferroviário sob o comando do técnico Humberto Maia: Robinson, Jaime, Valdecy, Gilmar Furtado e Soares (Evilásio); Toninho Barrote, Cantareli e Basílio; Magno, Ademir Patrício (Jacinto) e Jorge Veras. O Ceará, do treinador Walmir Louruz, perdeu com Sérgio Monte, Caetano, Aírton, Oliveira Canindé e Paulo César; Carlos Alberto Borges, Gilmar Paggoto (Gerson Sodré) e Lira; Aloísio (Dadinho), Hélio e Claudemir. Aloísio foi o autor do gol alvinegro logo no início da partida. A vitória coral foi de virada e os três gols do Ferrão saíram ainda no primeiro tempo. Ao final do vídeo, assista entrevistas ainda no gramado com o jogadores Cantareli, Jorge Veras, Magno e Gilmar Furtado, que recebeu a taça como capitão. Na entrevista de Magno após o jogo, o polêmico atacante dedicou seu gol ao casal ´Bernardo Cabral e Zélia Cardoso de Mello`, ambos ministros do então governo do presidente Collor, que viviam um caso amoroso apesar dele ser casado, fato amplamente explorado pela imprensa na ocasião. Anos depois, ela tornou-se a esposa do saudoso simpatizante coral e consagrado humorista Chico Anysio. Tempo de um futebol nada politicamente correto.

A NOITE MÁGICA DAS DEFESAS MILAGROSAS DE CÍCERO CAPACETE

Cicero Capacete em 12/09/1979: uma das maiores atuações de um goleiro no futebol cearense

Todo torcedor do Ferroviário já ouviu falar da noite histórica que um ex-goleiro coral pegou até pensamento no Castelão e garantiu a vitória do Tubarão da Barra, por 1×0, em cima do Ceará. Foi em 12 de setembro de 1979. Portanto, aquele jogo memorável acaba de completar mais um aniversário. Foi exatamente aquela vitória mágica que abriu as portas para o Tubarão da Barra conquistar mais um título estadual, apenas quatro dias depois, ao vencer por 3×0 o Fortaleza, seu conhecido freguês na temporada. Mas por que foi uma vitória mágica? Porque foi algo totalmente improvável em razão do rolo compressor que era o time alvinegro em busca de um inédito pentacampeonato. Diante de 30.801 expectadores, Jangada e Ricardo Fogueira foram expulsos logo no início do jogo. Aos 29 minutos, gol de Celso Gavião para o Ferrão. A partir daí, o Ceará impôs um massacre dentro de campo e o time coral heroicamente suportou a pressão. Vitória épica com a consagração de vários heróis na nossa história, principalmente o goleiro Cícero.

O troféu do Grande Lance Antarctica até hoje guardado pelo ex-goleiro Cícero em sua residência

Antes do grande jogo contra o Ceará, espalhou-se um boato de que Cícero estaria “na gaveta” de dirigentes alvinegros. A diretoria coral entrou em parafuso. A leviandade se espalhou rapidamente como todas as mazelas que circundam o sub-mundo do futebol cearense. Houve quem sugerisse a exclusão do goleiro da meta coral. Cícero Capacete foi a campo e deu a resposta com defesas consagradoras e milagrosas. As bolas que ele não defendeu ou iam pra fora ou batiam na trave. Numa delas, a bola chocou-se no travessão e voltou para os braços do goleiro coral. No lance mais sensacional da partida, Cícero defendeu uma cabeçada à queima roupa do atacante Ivanir, o que lhe valeu o famoso troféu com o pinguim do ´Grande Lance Antarctica`, uma das principais honrarias patrocinadas pelas famosa cervejaria destinadas aos jogadores de futebol nas décadas de 70 e 80. Cícero Capacete guarda até hoje seu troféu em sua residência em Fortaleza.

Manchete do Caderno 2 do Jornal O Povo documentando os detalhes de uma vitória histórica

Quem esteve presente no Castelão naquela noite de quarta-feira lembra da intensa alegria e comemoração dos jogadores corais com o apito final do árbitro Leandro Serpa. Quase que por encanto, o título cearense – que não vinha desde 1970 – estava quase nas mãos do Ferroviário. Num dos momentos mais marcantes, Cícero Capacete agradece a Deus caminhando de joelhos de uma área a outra do gramado, tendo lado a lado a companhia do lateral esquerdo Ricardo Fogueira, também de joelhos, e de vários outros curiosos que acompanhavam aquela cena histórica. A vitória histórica do Ferrão veio do futebol de Cícero Capacete, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Celso Gavião, Jeová (Doca) e Terto; Raulino (Dedé), Paulo César e Babá. O Ceará foi derrotado com Dalmir, Tércio, Pedro Basílio, Darci (Geraldino Saravá) e Bezerra (Beto); Edmar, Artur e Aloísio Guerreiro; Jangada, Ivanir e Tiquinho. A importância desse jogo na história coral é tamanha que muitas vezes o gol de Celso Gavião é usualmente citado como o ´gol do título` de 1979. Na verdade, não foi. Mas é como se fosse por razões óbvias. Aconteceu no jogo 1.709 da história coral. Improvável, eterno, mágico e para sempre lembrado.

ATACANTE ALZIR DEFENDEU O FERRÃO POR 1 ANO NA DÉCADA DE 70

alzir no castelao

Atacante Alzir em ação contra seu ex-clube no Castelão pelo campeonato cearense de 1976

Alzir foi um atacante que defendeu o Ferroviário entre outubro de 1976 e outubro de 1977. A foto acima mostra o jogador em ação com a camisa coral, num Castelão inacabado, de arquibancadas ainda baixas atrás das traves, justamente contra o clube que o projetou para o futebol cearense. Era o Clássico das Cores disputado em sua plenitude. Alzir Lopes Maciel é seu nome completo, atuou 28 jogos e marcou 11 gols pelo Tubarão da Barra. Pelo campeonato cearense de 77, jogou 3 vezes contra o Fortaleza no Castelão, sendo uma vitória, um empate e uma derrota. Jogou depois no América e no Calouros.