DINAMITE JOGOU 2 VEZES E NUNCA MARCOU GOL CONTRA O FERRÃO

Ídolo Dinamite enfrentou o Ferrão em duas partidas, mas não marcou gols em cima do Ferrão

O futebol brasileiro perdeu no início dessa semana um de seus maiores goleadores. Depois de uma árdua batalha contra o câncer, Roberto Dinamite, eterno ídolo do Vasco da Gama, partiu para o plano superior. Durante grande parte dos anos 1970 e 1980, Roberto dividiu com Zico, do Flamengo/RJ, o protagonismo entre os grandes craques do país. Diferente de seu amigo e antigo rival nos gramados, Dinamite enfrentou o Ferroviário Atlético Clube em apenas duas oportunidades, ambas na mesma temporada. O Vasco/RJ levou a melhor nos dois jogos, mas o camisa 10 vascaíno não marcou gols em cima do Ferrão. Referidas partidas já tiveram o vídeo de seus gols publicados aqui no blog. A primeira foi um jogo bastante polêmico, em janeiro de 1983, no Castelão e a segunda, exatamente no jogo da volta em São Januário, pouco mais de um mês depois, a equipe carioca venceu sem muita dificuldade. As fichas técnicas das duas partidas também foram devidamente publicadas nas respectivas postagens. Vale a pena revê-las. Que Roberto Dinamite descanse em paz!

VÍDEO RARO COM GOLS DE PARTIDA DECISIVA NO ESTADUAL DE 1985

O vídeo acima é mais uma raridade para o torcedor coral. Trata-se dos gols da grande vitória do Ferrão em cima do Fortaleza no primeiro jogo da decisão do 2º turno do Campeonato Cearense de 1985. Realizado exatamente num 8 de dezembro como hoje, o Tubarão fez 3×1 no placar com dois tentos do artilheiro Luizinho das Arábias e um gol do zagueiro Arimatéia. O time coral venceu naquele domingo com o futebol de Serginho, Vassil, Arimatéia, Nilo (Zé Luís) e Válter; Nélson, Doca (Foguinho), Arnaldo e Denô; Cardosinho e Luizinho das Arábias. Zé Mário era o técnico do Ferrão. Treinado pelo lendário Pepe, o Fortaleza perdeu com Salvino, João Carlos, Gilmar Furtado, Cláudio Marques e Agnaldo; Tadeu, Ribamar e Tangerina; Gilson, Maciel (Amilton Rocha) e Adílson Heleno. Dois dias depois, numa terça-feira à noite, as duas equipes jogaram novamente e o Ferroviário garantiu o título do turno com um empate em 0x0, em partida cujo áudio extraído da transmissão de emissoras de rádio já mereceu especial destaque aqui no blog. Em razão de imbróglios jurídicos que terminaram no STJD, a decisão do 2º turno ficou suspensa por alguns meses e acabou ocorrendo na exata semana da decisão do 3º turno, coincidentemente entre as mesmas equipes. Como o Ferrão já tinha faturado um turno e o Ceará havia vencido o 1º turno, o extra-campo pesou a favor do Fortaleza e nos dois novos jogos decisivos realizados na quinta-feira, dia 12, e no domingo, dia 15, a arbitragem deu um jeito de dar o 3º Turno ao Tricolor do Pici e colocá-lo no triangular final. A armação atuou no dia 12, quando um gol legítimo de Luizinho das Arábias foi inexplicavelmente anulado e deixou o placar novamente no 0x0, enquanto que no dia 15, um pênalti inexistente foi marcado para Adilson Heleno fazer 1×0 para o Fortaleza, que acabou campeão estadual no triangular decisivo. Aquele ano de 1985 ficou conhecido como o Campeonato Cearense mais escandalosamente roubado em todos os tempos!

RECORDE O BORDÃO: “SOBROU PRO JOÃO É BOLA NO CORDÃO”

Caiu mais um vídeo raro do Ferroviário no YouTube. Ele foi gravado originalmente em 1989 e mostra uma vitória do Ferrão em cima do Ceará por 2×1. O artilheiro Cacau marcou o primeiro gol do time coral e o tento da vitória saiu dos pés do centroavante Joãozinho Paulista, famoso ex-jogador de grandes times do futebol brasileiro, contratado naquela temporada como um grande reforço para o Tubarão da Barra. Aquela era apenas a segunda partida de Joãozinho Paulista no Ferrão e ele comemorou seu gol de forma inusitada. Após a vitória, ele falou às emissoras de rádio: “Sobrou pro João é bola no cordão”, que acabou virando bordão para o narrador Ivan Bezerra, da TV Verdes Mares, na narração dos outros gols que o centroavante marcou na competição. Treinador por Erandy Montenegro, o Tubarão venceu com Albertino, Caetano, Arimatéia, Juarez e Marcelo Veiga; Evilásio, Alves e Jacinto (Luís Carlos Gaúcho); Cacau, Joãozinho Paulista (Silmar) e Paulinho. Comandado por Lula Pereira, o alvinegro perdeu com Washington, Mário, Belterra, Edson Barros e Paulo César; Beto Cruz (Magno), Gerson Sodré e Carlos Alberto Borges; Márcio, Celso Mendes e Santos. O jogo aconteceu no dia 9 de Abril de 1989 no Castelão.

FOTO DO GOL DE JORGE VERAS CONTRA O FORTALEZA EM 1982

ídolo Jorge Veras chuta e vence o goleiro Salvino em jogo decisivo do Campeonato Cearense de 1982

O gol do registro fotográfico acima já mereceu postagem aqui no blog com a recuperação histórica da imagem em vídeo do referido lance. Corria o dia 5 de dezembro de 1982 e o Fortaleza precisava só de um empate para ser campeão estadual naquele domingo. Na etapa final, o atacante Jorge Veras aproveitou um vacilo do atacante Edmar e roubou-lhe a bola, avançando para marcar o gol da grande vitória coral no Castelão. O adversário ainda perdeu um pênalti na partida. O resultado forçou a realização de uma “melhor de quatro pontos” para apontar o grande campeão da temporada. A bela imagem acima foi devidamente publicada no dia seguinte nos jornais da capital cearense que estamparam o triunfo coral.

EMPATE NA ESTREIA DO TÉCNICO CAIÇARA NO ESTADUAL DE 1985

O vídeo acima resgata os gols de um grande clássico do Campeonato Cearense de 1985. Ferroviário e Ceará se enfrentaram num sábado, dia 22 de junho. O jogo marcou a estreia do experiente treinador Caiçara no comando técnico coral. O presidente Caetano Bayma investiu pesado e montou uma das melhores equipes do Ferrão na história. Naquela fase inicial da competição, as apostas recaíam em cima do talento do craque Adílton, que marcou o gol do Tubarão da Barra, de cabeça, após cruzamento de Carlos Antônio. O zagueiro Argeu marcou primeiro para o alvinegro. Os goleiros Wálter e Osvaldo foram considerados os melhores em campo com grandes defesas. O Ferrão formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Zé Luís e Joãozinho; Nélson (Marquinhos), Alex e Adílton; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). Treinado por Zé Mário, o Ceará jogou com Osvaldo, Antunes, Djalma, Argeu e Bezerra; Alves, Lira e Assis Paraíba (Josué); Katinha, Neném (Flávio) e Amauri. Dessa equipe, Osvaldo, Djalma, Argeu, Alves e Lira jogariam no Ferrão em temporadas posteriores. Por sua vez, o volante Flávio Araújo foi técnico do Ferroviário em 2002. Nessa partida em junho de 1985, apenas 3.543 pessoas pagaram ingresso para assistir ao clássico, que foi arbitrado por Joaquim Gregório. No decorrer da competição, o Tubarão da Barra se reforçou ainda mais com contratações como o zagueiro Léo, o lateral Vassil, os meias Arnaldo, Denô e Wander, além do centroavante Nildo, que depois se destacou no cenário nacional jogando pelo Grêmio/RS. O treinador Caiçara comandou o Ferrão em 26 partidas e terminou a competição dirigindo o Ceará.

Treinador Francisco Barbosa Gomes, conhecido como Caiçara, foi treinador do Ferroviário em 1985

JOGO DA QUEBRA DO TABU CONTRA O FORTALEZA NO ESTADUAL DE 2007

Depois da última postagem sobre o lateral direito Lionn, chegaram alguns pedidos para destacar a quebra do tabu contra o Fortaleza, ocorrida no Campeonato Cearense de 2007. O Tubarão da Barra não vencia o Tricolor do Pici desde o dia 27 de Junho de 1999 e ainda não havia derrotado o velho rival no Século XXI. Com um time cheio de garotos da base, formados na geração de atletas preparada pelo treinador Jorge Veras, o Ferrão quebrou o tabu no dia 1º de abril de 2007, jogando no Castelão. Naquele domingo, o Ferroviário venceu a partida com o futebol de Cássio, Lionn, Jaílson, Nemézio e Leonardo; Dedé, Guto, Róbson e Everton (Jarbson); Danúbio (Carlinhos) e Valmir (Léo Jaime). O técnico era Daniel Frasson. Treinado por Paulo Bonamigo, o Fortaleza perdeu o jogo com Tiago Cardoso, Bileu (Léo Gago), César, Santiago e Guto; Válter, Cocito (Cleverson), Jean (Igor) e Rogerinho; Rinaldo e Adriano Chuva. Confira os gols acima, principalmente o golaço do jovem Leonardo, que era originariamente meia esquerda, mas atuou improvisado na lateral. Danúbio e Valmir marcaram os outros gols, enquanto Cleverson descontou para o Fortaleza. A gurizada coral só entrou em campo contra o Fortaleza porque, na véspera, a diretoria dispensou 13 jogadores do elenco profissional. Foram quase 8 anos sem derrotar o Fortaleza, mais precisamente 2.830 dias, mas a vitória veio nos pés de um time que era praticamente todo Sub-20 e em cima da equipe que, pouco tempo depois, sagrou-se campeã cearense de 2007. Daquela formação que quebrou o tabu, os jogadores que tiveram maior destaque no futebol foram Lionn, Léo Jaime e Everton, que posteriormente foi campeão brasileiro vestindo as camisas do Fluminense/RJ e do Cruzeiro/MG.

REGISTRO DE UM FERRÃO QUE FAZIA A ESTREIA DO GOLEIRO UBIRAJARA

Ferroviário em jogo contra o Ceará no dia 16 de Maio de 1976 – Em pé: Pogito, Ubirajara, Arimatéia, Lúcio Sabiá, Pinto e Grilo; Agachados: Santos, Fernando Canguru, Lula, Danilo e Oliveira

A fotografia acima foi tirada no Castelão, antes de um clássico contra o Ceará pelo Campeonato Cearense de 1976. Era a estreia do goleiro Ubirajara, falecido no ano passado de Covid. Com a bagagem de uma boa passagem pelo América de Natal, o novo goleiro coral ficou menos tempo que o esperado em campo, pois se contundiu e teve que ser substituído pelo reserva Beto. O lateral esquerdo Grilo também saiu contundido e Ivanildo entrou em seu lugar. O treinador dessa equipe era o consagrado Vavá, que brilhou com a camisa da Seleção Brasileira enquanto jogador. O Ceará venceu o jogo por 1×0, gol de Marcos. Na equipe coral, nomes que passaram pouco tempo no elenco como o atacante Santos, ex-São Cristovão/RJ, e o também atacante Fernando Canguru, paraibano indicado pelo eterno ídolo Simplício, que o conhecia do Treze/PB. O zagueiro Pogito, que também atuava como lateral direito, chegou naquela temporada emprestado pelo Fluminense/RJ. O centroavante Lula era um dos destaques da equipe e terminara o Estadual do ano anterior como artilheiro da competição com 8 gols. Ex-atleta do Calouros do Ar, Lula chegou para o Ferrão em janeiro de 1974, quando o diretor Dirceu Pupe foi contratá-lo na cidade de Mossoró.

DERROTA PARA O SÃO PAULO/SP NO ÚLTIMO MINUTO HÁ 40 ANOS

O vídeo acima é uma raridade de 40 anos atrás. O Ferrão recebia a forte equipe do São Paulo/SP em mais um jogo do Campeonato Brasileiro de 1982. O jogo entre as duas equipes levou 18.126 pagantes ao Castelão. Essa partida foi justamente a última vez que os dois se enfrentaram na história. O Tubarão da Barra fez 1×0 com o meia Vicente Cruz, no apagar das luzes do 1º tempo. Na etapa final, o Tricolor do Morumbi impôs seu ritmo com vários jogadores da Seleção Brasileira e conseguiu a virada com o centroavante Serginho, de pênalti, e um gol de falta no último minuto da partida, cobrada pelo lateral direito Getúlio. Treinado por José Oliveira, o Ferroviário atuou com Barbiroto, Paulo Maurício, Góes, Zé Carlos e Jorge Henrique; Augusto, Meinha e Vicente Cruz; Paulo César Cascavel (Carlos Brasília), Roberto Cearense e Almir (Doca). O São Paulo, do treinador Formiga, venceu com Valdir Peres, Getúlio, Oscar, Dario Pereira e Marinho Chagas; Almir, Everton e Renato; Paulo César (Heriberto), Serginho e Mário Sérgio. Após o jogo, muitas reclamações por parte da torcida coral contra o árbitro baiano Anivaldo Seixas Magalhães, pela marcação do pênalti que resultou no primeiro gol da equipe paulista. A narração de Léo Batista no programa ´Gols do Fantástico` aponta erroneamente o gol para Meinha, mas ele foi marcado por Vicente Cruz, um experiente meia oriundo do Aliança/SP. No time coral, o goleiro Barbiroto pertencia ao próprio São Paulo/SP e estava emprestado.

RECORDANDO UM GOL DE IDEVALDO CONTRA O FORTALEZA NO CASTELÃO

Dia de recordar um gol do centroavante Idevaldo, experiente jogador que defendeu o Ferroviário no Campeonato Cearense de 1992. Com ótima passagem pelo América/MG, ele chegou na Barra do Ceará como grande esperança de gols. No vídeo acima, Idevaldo marcou o gol da vitória do Ferrão em cima do Fortaleza, no Castelão. O jogo foi realizado no dia 23 de agosto daquele ano e foi válido pelo 2º turno da competição. O placar poderia ter sido mais dilatado, mas o ídolo Jorge Veras perdeu um pênalti na partida. Treinado por Celso Gavião, o Tubarão da Barra jogou com Jorge Carioca, Jaime, Aldo, Edson Oliveira e João Luís; Wágner, Erivando e Gilson (Adriano); Cantareli (Edu), Idevaldo e Jorge Veras. O adversário perdeu com Claudecir, Adriano, Argeu, Eduardo e Vágner; Alberto, China (Fernando) e Maradona (Mendonça); Eliézer, Nando e Osmar. Joaquim Gregório foi o árbitro do jogo, que teve um público de apenas 4.829 pagantes. Idevaldo defendeu o Ferrão em 21 jogos e marcou 11 gols. Na formação coral, destaque para a presença do jovem zagueiro Adriano, que chegou à Seleção Brasileira e defendeu grandes clubes do Brasil. Aquela temporada terminou de forma melancólica para o futebol cearense com quatro equipes sendo declaradas campeãs. Felizmente, dentro desse prisma, o Ferroviário fez uma campanha verdadeiramente medíocre naquele ano, que o impediu de participar desse desfecho vergonhoso com a divisão de título do campeonato estadual.

VÍDEO COM OS GOLS DE UM EMPATE COM O CEARÁ NO ESTADUAL DE 1980

Eis mais um vídeo de um jogo do passado eternizado aqui no Almanaque do Ferrão. Trata-se de um empate do Ferroviário contra o Ceará, justamente num dia 21 de setembro como hoje, em partida válida pelo 2º turno do Campeonato Cearense de 1980. O alvinegro já havia conquistado o turno e o jogo foi mero cumprimento de tabela, levando ao Castelão um público diminuto de apenas 6.040 pagantes. Perceba as redes amarelas utilizadas nas traves do Castelão no início dos anos 1980. Os gols do Ferrão foram marcados por Serginho e Osni, ambos oriundos do futebol carioca, mais precisamente do Flamengo e do Fluminense, respectivamente. O Ceará marcou com Ademir e Bezerra, de pênalti, assinalado nos acréscimos da partida após uma lambança da defensiva coral quando o Ferroviário tinha apenas nove jogadores em campo, já que Osni e Clodivaldo foram expulsos pelos árbitro Luís Vieira Vila Nova. Treinado pelo experiente Lanzoninho, o Tubarão da Barra empatou com o futebol de Salvino, Nonato Ayres, Jorge Luís, Celso Gavião e Luís Augusto; Zé Maria, Nilsinho (Jeová) e Jacinto (Clodivaldo); Osni, Serginho e Babá. Por sua vez, o Ceará jogou com Luís Antônio, João Carlos (Valdemir), Lula, Antônio Carlos e Bezerra; Nicássio, Ademir e Zé Eduardo; Ivanir, Gilson (Nei) e Jorge Luís Cocota. Ceará e Ferroviário se enfrentaram outras vezes naquela edição do Estadual com jogos memoráveis, como o famoso Jogo do Terremoto e a própria final do campeonato, que acabou ficando nas mãos do alvinegro com um gol na prorrogação.