POR ONDE ANDA O LATERAL DIREITO CAMPEÃO CEARENSE DE 1979?

jorge luis no castelão

Registro em 1979: Jorge Luís cobra o lateral observado à distância pelo goleiro Edmundo

Foram 106 partidas com a camisa do Ferroviário. Além do título de campeão cearense em 1979, ele estava também na conquista da Taça Imprensa de Rondônia, no final da mesma temporada, em excursão coral à região norte do país. Estamos falando do pernambucano Jorge Luis, lateral direito, oriundo do homônimo Ferroviário de Recife, tradicional agremiação nordestina, já extinta, que um dia denominou-se Great Western e mandou Zuza, Chinês e Popó, na década de 1930, para o time coral. Ele estreou oficialmente na lateral direita numa tarde gloriosa para o Tubarão da Barra, em 10/6/1979. Foi uma vitória por 4×2 em cima do Ceará, em jogo válido pelo quadrangular decisivo do 2º turno do campeonato cearense, turno este conquistado pelo Ferrão, duas semanas depois, após uma goleada espetacular de 5×0 contra o Fortaleza.

Jorge Luís na temporada de 1979

Jorge Luis ficou no Ferroviário até a temporada de 1981. Com a camisa coral, viveu os embates mais emblemáticos daquele período em partidas válidas pelo campeonato brasileiro contra o Flamengo/RJ no Maracanã, o Sport/PE na Ilha do Retiro e o São Paulo/SP no Morumbi. Atuava também como lateral esquerdo e, por vezes, foi improvisado como zagueiro. Foi nessa posição, aliás, que talvez tenha feito a apresentação mais memorável em sua passagem pelo Ferrão, no jogo do terremoto, quando o time coral bateu o Ceará por 1×0, numa noite inesquecível do campeonato cearense de 1980. Ao deixar a Barra do Ceará, Jorge Luis defendeu outros clubes no futebol nordestino como o ABC/RN, Central/PE, Ceará e Treze/PB, onde encerrou sua carreira como atleta. Depois que deixou o Ferroviário em 1981, Jorge Luis só voltou a visitar o clube em janeiro de 2014 e, recentemente, em abril desse ano, esteve lá novamente com sua família para apresentá-los ao local onde viveu dias de luta e de glórias inesquecíveis.

Jorge Luis recentemente com a netinha

Atualmente Jorge Luis mora em Recife. É funcionário da METROREC, a companhia urbana que gerencia as linhas férreas da capital pernambucana. Está com 62 anos de idade, é casado, tem duas filhas e uma linda netinha. O respeito e a saudade do Ferroviário Atlético Clube permanecem no coração e na mente do ex-lateral direito coral. A paixão pela profissão e pelo clube que tão bem o acolheu em 1979 foi passada também para sua família, que através de uma de suas filhas procurou o Almanaque do Ferrão com o intuito de colher mais detalhes e curiosidades sobre a passagem vitoriosa do pai pelo futebol cearense. É certo que o sentimento de gratidão da família pelas recordações vividas no Ferroviário e, em particular, preservadas aqui no blog, serão sempre inferiores em importância ao que o clube eternamente deve aos campeões cearenses de 1979 e, claro, especialmente ao ex-lateral Jorge Luis, que figura ainda como o 89º jogador que mais vezes vestiu a gloriosa camisa do Ferrão. É sempre muito bom destacar que, depois de tantos anos, este ex-atleta nunca perdeu a essência das verdadeiras raízes corais.

DAQUELES NOMES QUE SERÃO SEMPRE ETERNOS: CÉSAR MORAES

cesar moraes

Treinador César Moraes em 1979

Foi-se o Guri. Faleceu na última quinta-feira, dia 24 de setembro, um dos treinadores mais carismáticos e vitoriosos da história do Ferroviário Atlético Clube. O futebol cearense deu adeus a César Moraes, escolhido em campanha recente como o técnico do time dos sonhos coral. Ele vinha afastado há vários anos do cenário esportivo em razão da Doença de Alzheimer, que o levou aos 83 anos de idade. Foram 90 jogos na direção do Tubarão da Barra em 7 passagens verificadas nos anos de 1972, 1976, 1979, 1988, 1994, 1997 e 1999. Os títulos estaduais de 79 e 94 escreveram definitivamente o nome de César Moraes na galeria dos inesquecíveis do time coral. Além disso, dirigiu o clube em 5 partidas na campanha vitoriosa do título cearense de 88. Antes de se tornar treinador, foi um meia esquerda diferenciado e defendeu o Ceará, Vitória/BA, Novo Hamburgo/RS, Pelotas/RS, Noroeste/SP, América/RJ e Portuguesa/RJ. No dia de sua partida, o site do Ferrão prestou uma última homenagem ao lendário treinador, que também conquistou títulos cearenses pelo Fortaleza.

cesar moraes 2

César Moraes no Ferroviário em 1997

A primeira partida do Guri como técnico coral foi no dia 21/6/1972, contra o Calouros do Ar, num empate em 1×1 pelo campeonato cearense. A última ocorreu em 4/7/1999, contra o Fortaleza, que venceu o jogo por 3×2. Ao todo, foram 46 vitórias, 23 empates e 21 derrotas na história. Quando conquistou seu primeiro título estadual pelo Ferrão, César Moraes assumiu a equipe a menos de 40 dias da grande final. Logo em seguida, outro titulo foi conquistado num quadrangular realizado, na cidade de Porto Velho, com times de Rondônia. As conquistas de 79 abriram portas em sua carreira e nos anos seguintes também foi campeão trabalhando no futebol paraense. Em 88, o treinador era o sonho de consumo da direção coral e foi contratado na reta final do 2º turno, porém a perda do título para o Tiradentes foi determinante para sua saída. Seis anos depois, César Moraes voltou a Barra do Ceará no último trimestre do campeonato cearense e comandou uma verdadeira máquina de jogar futebol, imprimindo um esquema ousado no 4-3-3 quando a maioria dos times brasileiros atuava no 4-4-2, marcando uma época de glórias na história coral.

César Moraes foi um técnico vitorioso. Simpático e afável, era um sujeito de boa conversa que falava a linguagem boleira dos jogadores em razão de sua ampla experiência no futebol. Foi o tipo de profissional que deixa saudade, daquelas figuras raras de um futebol antigo que não existe mais. Como homenagem final, o Almanaque do Ferrão resgata abaixo uma entrevista do treinador concedida à extinta TV Manchete, minutos após a conquista do título de 1994, o último grande momento de sua brilhante carreira. São necessários apenas 38 segundos para mostrar um pouco do carisma de César Moraes e eterniza-lo como uma verdadeira lenda. Descanse em paz, Guri.