TORCIDA APLAUDIU MARCELINO APÓS O GOL DE IBSEN DO MAGUARI

Trecho da coluna Confidencial, do jornalista Alan Neto, um dia depois do recorde do goleiro Marcelino

Ibsen havia sido companheiro de Marcelino no próprio Ferroviário entre 1969 e 1971. Dois anos depois, defendendo a camisa do Maguari, coube ao ex-companheiro decretar o fim do sonho do goleiro coral, que perseguia o recorde até então existente: 1.604 minutos do goleiro Jorge Reis. Marcelino conhecia bem Jorge Reis, pois foram companheiros de clube na Portuguesa/RJ. Se antes disputavam a camisa de Nº 1 da tradicional equipe carioca, naquele período de 1973 estavam disputando as páginas da história. Faltaram 310 minutos para Marcelino ultrapassá-lo em seu feito, ou seja, mais três partidas sem tomar gols e alguns minutos do quarto jogo na sequência da competição. Ibsen se aproveitou de um momento de desatenção do arqueiro, fez o gol e foi pedir desculpas ao ex-companheiro, algo inusitado no futebol. A torcida do Ferroviário Atlético Clube, de pé, aplaudiu seu goleiro, conforme ilustra acima o trecho da coluna Confidencial, do jornalista Alan Neto, no jornal O Povo do dia seguinte. O público pagante foi da ordem de 3.397 pessoas naquela tarde memorável no PV, verdadeiras testemunhas oculares da história. Há 50 anos.

LEMBRETE: Participe da CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO até o dia 09/07/23 e garanta o seu exemplar da 2ª EDIÇÃO DO ALMANAQUE DO FERRÃO no seguinte endereço: apoia.se/almanaquedoferrao

MARCELINO E OS 15 JOGOS QUE SELARAM O RECORDE HISTÓRICO

Marcelino entrou em campo 15 vezes até sofrer o gol que decretou seu recorde histórico em 1973

A longa série sem sofrer gols de Marcelino durou quase 15 jogos e começou no dia 18 de fevereiro de 1973, quando o Ferrão venceu o Quixadá por 4×0, no PV, e o arqueiro selou seus primeiros 90 minutos sem sofrer gols. Uma semana antes, o ex-coral Facó, vestindo a camisa do Maguari, havia marcado um tento em cima do goleiro do Ferrão, exatamente no último minuto do jogo que marcou a rodada inaugural do Campeonato Cearense. Com o passar das rodadas e a promessa da direção coral em dar-lhe um Fusca 0 Km em caso de quebra do recorde nacional, Marcelino viu seu sonho frustrado, novamente contra o Maguari, quando o atacante Ibsen marcou um gol e em seguida, pediu desculpas por estragar o sonho do goleiro coral. Foram quase 4 meses sem ir buscar a bola no fundo das redes em partidas que envolveram 4 clássicos contra Ceará e Fortaleza, além de jogos em Sobral e Juazeiro do Norte. Aos 35 minutos do 1º tempo, no dia 10 de Junho de 1973, Marcelino sofreu um gol de Ibsen, novamente contra o Maguari, naquele que já era o 15º jogo da série sem sofrer gols, totalizando os históricos 1.295 minutos que foram eternizados na trajetória do lendário goleiro. No Brasil, o feito de Marcelino é a quarta melhor marca até os dias de hoje e o fato mereceu destaque na revista Placar na edição de 15/6/1973. No futebol cearense, nenhum outro sequer chegou perto de bater seu recorde e já se vão 50 anos desde então. Eis a trajetória de Marcelino rumo ao glorioso feito:

Jogo 01 – 18/02/1973 – Ferroviário 4×0 Quixadá – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 02 – 25/02/1973 – Ferroviário 2×0 Calouros – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 03 – 11/03/1973 – Guarany 0x2 Ferroviário – Junco – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 04 – 25/03/1973 – Ferroviário 1×0 Fortaleza – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 05 – 28/03/1973 – Ferroviário 0x0 Icasa – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 06 – 04/04/1973 – Ferroviário 4×0 Tiradentes – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 07 – 08/04/1973 – Ferroviário 0x0 Ceará – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 08 – 15/04/1973 – Ferroviário 1×0 América – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 09 – 25/04/1973 – Ferroviário 0x0 Maguari – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 10 – 06/05/1973 – Ferroviário 2×0 Ceará – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 11 – 13/05/1973 – Ferroviário 0x0 Fortaleza – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 12 – 20/05/1973 – Icasa 0x1 Ferroviário – Romeirão – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 13 – 27/05/1973 – Ferroviário 1×0 Guarani – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 14 – 02/06/1973 – Ferroviário 2×0 Quixadá – PV – Camp. Cearense – 90 min
Jogo 15 – 10/06/1973 – Ferroviário 1×2 Maguari – PV – Camp. Cearense – 35 min

LEMBRETE: Participe da CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO até o dia 09/07/23 e garanta o seu exemplar da 2ª EDIÇÃO DO ALMANAQUE DO FERRÃO no seguinte endereço: apoia.se/almanaquedoferrao

FOTOGRAFIA ANTES DO JOGO QUE CRAVOU O RECORDE DE MARCELINO

Ferroviário Atlético Clube na tarde do dia 10 de Junho de 1973 – Em pé: Celso, Marcelino, Vicente, Ivan Silva, Cândido e Grilo; Agachados: Zé Dias, Luizinho, Amilton Melo, Simplício e Jeová.

A fotografia acima é raríssima e foi tirada cerca de 40 minutos antes de acontecer um fato histórico no futebol cearense. Utilizando uma camisa listrada com padrão um tanto quanto diferenciado, o Ferroviário entrou em campo no PV contra o Maguari e o goleiro Marcelino seguia para sua 15ª partida sem sofrer gols no Campeonato Cearense de 1973. Aos 35 minutos do 1º tempo, o ex-coral Ibsen marcou o primeiro gol do jogo e derrubou a invencibilidade de nosso arqueiro. Exatamente nessa semana, completamos 50 anos desse fato e até hoje, nenhum outro goleiro conseguiu derrubar a marca estabelecida de 1.295 minutos no futebol cearense. Em âmbito nacional, o feito de Marcelino persiste sendo a quarta melhor marca no Brasil e vasto material em vídeo e áudio já foi destacado aqui no blog nos últimos anos. O cinquentenário do feito de Marcelino tem recebido várias homenagens no meio desportivo, na Câmara Municipal de Fortaleza e até na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. O Ferroviário também reservou sua homenagem ao ex-goleiro exatamente para a semana de aniversário do grande recorde e o Almanaque do Ferrão preparou uma série de postagens para eternizar em detalhes o grande feito de Marcelino. De hoje até o dia 10 de Junho, data exata dos 50 anos do recorde, prepare-se para amplo conteúdo por aqui sobre esse assunto que muito orgulha o clube e o torcedor coral.

LEMBRETE: Participe da CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO até o dia 09/07/23 e garanta o seu exemplar da 2ª EDIÇÃO DO ALMANAQUE DO FERRÃO no seguinte endereço: apoia.se/almanaquedoferrao

PRESENTE E PASSADO JUNTOS: DOUGLAS E MARCELINO EM EVENTO

Melhor goleiro de 2023 com o goleiro recordista de 1973: Douglas e Marcelino juntos em evento

Douglas e Marcelino juntos. Isso mesmo, a união de goleiros do Ferroviário Atlético Clube com cinco décadas de distância em termos de geração ocorreu ontem à noite no salão de eventos do Shopping Benfica. O evento organizado pelo radialista Hilton Oliveira Junior chegou a sua oitava edição e premiou os melhores do Campeonato Cearense de 2023, encerrado na semana passada. Douglas foi escolhido o ´Melhor Goleiro` da competição. Nos bastidores, o atual arqueiro coral conheceu Marcelino, que também estava sendo homenageado na qualidade de ´Ídolo do Passado` em alusão a seu extraordinário recorde histórico de 1.295 minutos sem sofrer gols, que completa 50 anos na atual temporada. Por algumas horas, 1973 e 2023 caminharam lado a lado na noite memorável de ontem. Falando ao microfone, Marcelino mandou o recado para Douglas: “Eu quero que você quebre o meu recorde” em meio aos aplausos de mais de uma centena de presentes. E viva o Ferrão!

RECORDISTA MARCELINO FOI DESTAQUE NO CANAL DO FERRÃO

Em 2023, o recorde histórico do ex-goleiro Marcelino completa meio século. Referida marca já mereceu diversas postagens aqui no Almanaque do Ferrão, desde o recente absurdo equívoco proporcionado pela revista Placar, até entrevistas passadas de Marcelino na Internet ou no rádio. Dessa vez, ele foi destaque no Canal do Ferrão e prestou uma boa entrevista para o comunicador Wladimir Lenine. Acima, o leitor do blog pode conferir o espontâneo bate-papo com o ex-goleiro ocorrido na semana passada. Marcelino é uma lenda viva da história coral e deve merecer todas as homenagens possíveis, não apenas do Ferrão, mas também do futebol cearense.

REVISTA PLACAR ESQUECE O RECORDE HISTÓRICO DE MARCELINO

Suplemento Especial da Revista Placar encartado na edição de número 170 de 15 de Junho de 1973

Semana passada, a revista Placar atualizou a planilha com os maiores recordes dos goleiros com mais minutos em campo sem sofrer gols em toda a história do futebol brasileiro. De imediato, a publicação pegou o blog de surpresa com a exclusão do recorde do ex-goleiro Marcelino, que detém até hoje a maior marca da história do futebol cearense, com 1.295 minutos alcançados no Campeonato Cearense de 1973. Na ocasião, Marcelino tentava quebrar o feito do goleiro Jorge Reis, que curiosamente foi mantido no ranking atualizado da Placar. A façanha do ex-goleiro do Ferroviário foi amplamente divulgada nos periódicos da época, inclusive na própria revista Placar, no encarte intitulado “Suplemento Especial“, em sua edição de número 170, de 15/06/1973, com texto do jornalista Marcos Nunes, que trabalhava como correspondente da revista em Fortaleza. A matéria, inclusive, afirma a minutagem de forma equivocada, citando 1.395 minutos, quando na verdade foram cem minutos a menos. O feito de Marcelino completará meio século de existência em 2023.

Matéria da revista Placar, com texto de Marcos Nunes, falando sobre a longa minutagem de Marcelino

Acima, a matéria sobre a derrota do Ferroviário no jogo contra o Maguari que eternizou a marca de 1.295 minutos de Marcelino. Caso o goleiro coral quebrasse a marca de Jorge Reis, ele receberia um carro Fusca como premiação da diretoria do Tubarão da Barra. Faltaram 309 minutos para tal. Esperamos que a revista Placar corrija seu lamentável equívoco e atualize seu ranking histórico com a inclusão do feito do ex-goleiro do Ferroviário. Por dever de justiça e exatidão histórica, a incrível façanha de Marcelino é até hoje a quarta maior marca da história do futebol brasileiro e não pode ser negligenciada por equívocos jornalísticos de qualquer espécie. Assim, as referidas marcas emblemáticas obedecem corretamente a sequência abaixo.

1º Lugar – Mazaropi – 1.816 minutos – Vasco da Gama/RJ – 1978
2º Lugar – Neneca – 1.636 minutos – Náutico/PE – 1974
3º Lugar – Jorge Reis – 1.604 minutos – Rio Branco/ES – 1971
4º Lugar – Marcelino – 1.295 minutos – Ferroviário/CE – 1973
5º Lugar – Zetti – 1.238 minutos – Palmeiras/SP – 1987
6º Lugar – Jairo – 1.132 minutos – Corinthians/SP – 1978
7º Lugar – Emerson – 1.108 minutos – Paysandu/PA – 2016
8° Lugar – Alex Alves – 1.079 minutos – São Bernardo/SP – 2022 (*)
9º Lugar – Altevir – 1.066 minutos – Athletico/PR – 1977
10º Lugar – Eli – 1.060 minutos – São Bernardo/SP – 1982

(*) Alex Alves continua jogando pelo São Bernardo/SP na Série D de 2022 e pode aumentar sua marca em busca das cinco melhores colocações. Eis um fato a ser amplamente observado. Esperamos que após a performance de Alex Alves, a revista Placar atualize novamente seu ranking e não esqueça de incluir a performance do ex-goleiro Marcelino.

EX-GOLEIRO MARCELINO CONTA SUAS LEMBRANÇAS NO RÁDIO

Vale a pena conferir o material acima. Ele foi gravado originalmente durante uma entrevista no programa “Futebolistas“, que vai ao ar pela Rádio Assunção AM 620, aos domingos, de 10h às 12h. O registro traz depoimentos importantes do ex-goleiro Marcelino, intercalados por fotos e imagens do acervo do ex-atleta coral. Durante 27 minutos, o detentor de um recorde histórico no futebol cearense – 1.295 minutos sem sofrer gols no Estadual de 1973 – recorda nomes e momentos importantes de sua carreira, relatando com riqueza de detalhes fatos importantes sobre sua proeza alcançada há quase cinco décadas. Marcelino abre a conversa falando com carinho do ex-dirigente Ruy do Ceará e, em seguida, discorre sobre detalhes que vão desde sua vinda para o Ferroviário, no final da temporada de 1969, o título cearense no ano seguinte, passando por momentos auspiciosos em sua carreira como o dia em que enfrentou o Real Madrid em pleno Santiago Bernabéu, além de sua vitoriosa passagem pelo futebol maranhense no final da década de 1970. Quase dez anos depois de figurar no Time dos Sonhos do Ferrão e gravar um vídeo produzido pelo próprio clube, Marcelino abre suas memórias nessa conversa de rádio e, como não poderia deixar de ser, o Almanaque do Ferrão agora eterniza esse momento. Aproveite!

VÍDEO COM LENDAS DA HISTÓRIA CORAL: ZÉ DIAS E MACAÚBA

O vídeo acima é de um valor histórico inestimável. Ele foi gravado décadas atrás e pertence ao acervo do pesquisador Aderbal Nogueira, que encontrou e filmou depoimentos de ex-jogadores do Ferroviário ligados à história do desenvolvimento da ´Estrada de Ferro` no estado do Ceará. Depois de editar um conteúdo especial sobre o ex-defensor Manoelzinho, recordista coral em número de jogos, o pesquisador divulgou no YouTube um novo material em vídeo, trazendo o depoimento do ex-goleiro Zé Dias e do ex-defensor Macaúba, dois grandiosos nomes da história coral que atuaram entre as décadas de 1940 e 1960, ambos já falecidos. Zé Dias é até hoje o goleiro que mais vezes defendeu o Ferroviário. Foram 197 partidas e 9 títulos conquistados entre 1944 e 1957. Por sua vez, Macaúba participou de 275 jogos entre 1950 e 1961, marcando 3 gols e conquistando 10 títulos pelo Ferrão. Vale a pena conferir o vídeo e recordar as lembranças futebolísticas desses antigos atletas, que além de defenderem as cores corais nos gramados cearenses, ainda dividiam o tempo com suas atividades profissionais rotineiras na Rede de Viação Cearense, a saudosa RVC. 

ADEUS AO RECORDISTA QUE MAIS VEZES ENTROU NOS GRAMADOS

Manoelzinho: grande recordista

Manoelzinho se foi. O jogador que mais vezes entrou em campo com a camisa do Ferroviário Atlético Clube faleceu ontem, em Fortaleza, aos 92 anos de idade. O piauiense Manoel David Machado teve uma vida longeva e foi homenageado algumas vezes, tanto em sua carreira profissional exercida na ´Estrada de Ferro`, como também como jogador de defesa histórico do Tubarão da Barra, entre os anos de 1946 e 1962. Foram 407 jogos com a camisa coral, 10 gols marcados e, nada mais nada menos, que 12 títulos conquistados pelo Ferrão, a saber: campeão do Torneio Início de 1949, campeão da Taça Heitor Ribeiro em 1949, campeão cearense de 1950, campeão do Quadrangular Interestadual em 1951, campeão do Quadrangular Estadual em 1952, campeão do Torneio Municipal em 1952, campeão da Taça Castelo Branco em 1952, campeão cearense de 1952, campeão do Pentagonal de Fortaleza em 1955, campeão do Pentagonal Estadual de 1955, campeão da Copa Fortaleza-Maranguape em 1958 e campeão do Torneio Moisés Pimentel em 1960. Em 2019, Manoelzinho foi homenageado na coleção de copos ´Legendários` e compareceu a um jogo do Ferroviário contra o Imperatriz/MA, no PV, palco de suas atuações no passado. Recentemente, o livro ´Crônicas Corais` foi lançado, trazendo uma crônica intitulada “Ao mestre, com carinho“, escrita em homenagem ao recordista coral. Abaixo, um registro histórico: uma compilação do documentarista Aderbal Nogueira, gravado na primeira década dos anos 2000, quando o ex-jogador recordou momentos de sua vida. Descanse em paz, Manoelzinho.

EDSON CARIÚS ULTRAPASSOU MARCA DE LUIZINHO DAS ARÁBIAS

Edson Cariús comemorando um de seus 47 gols pelo Ferrão no click do fotógrafo Pedro Chaves

Depois de 63 jogos com a camisa do Ferroviário, o atacante Edson Cariús deixou o clube e foi jogar pelo CRB de Alagoas na Série B do campeonato brasileiro. No entanto, antes de arrumar as malas, pouca gente percebeu que o goleador coral havia conquistado mais uma marca histórica em sua passagem pela Barra do Ceará. Não bastasse ter sido campeão brasileiro e, ao mesmo tempo, artilheiro de uma divisão nacional com a camisa coral, algo absolutamente inédito na história do clube, Edson Cariús ultrapassou a histórica média de gols do também ídolo Luizinho das Arábias, alcançada nas três passagens do grande artilheiro do passado nas temporadas de 1985, 1986 e 1988, até então a maior da história coral com 0,72 gols por jogo. Cariús assinalou 47 gols em  uma única passagem que durou pouco mais de um ano, o que lhe garante uma média de 0,75 gols por partida. Sem dúvida, trata-se da quebra de um recorde histórico que durava mais de trinta anos e que consolida definitivamente Edson Cariús no rol dos maiores goleadores que já vestiram a camisa do Ferrão.