PRIMEIRO ÍDOLO DO FERROVIÁRIO SERÁ LEMBRADO EM MEMORIAL

Craque Zuza em foto de 1940

No próximo mês, o Ferroviário Atlético Clube vai inaugurar o seu memorial no complexo interno do Estádio Elzir Cabral e nomes que foram importantes na trajetória de 85 anos do Tubarão da Barra serão lembrados entre fotografias, troféus e diversos outros itens que comporão o acervo do memorial. A iniciativa deve-se notadamente ao árduo trabalho de Airton Oliveira, atual diretor de patrimônio do Ferrão, que cuida da casa coral como se estivesse cuidando de seu próprio lar. Será uma ótima oportunidade para os visitantes conhecerem nomes cruciais para a consolidação da grandeza do Ferrão, entre eles a imagem do meio campista Zuza, craque de bola, revelado como o primeiro ídolo do Ferroviário e tão poucas vezes lembrado na história coral. O Almanaque do Ferrão resgatou a imagem de Zuza e, entre outros itens do nosso material, a sua fotografia estará exposta num dos painéis de imagens do futuro memorial. Você já ouviu falar de Zuza? Seu nome verdadeiro era José Ferreira Filho e foi contratado em 1939 junto ao Great Western de Pernambuco. Permaneceu no Ferroviário até 1941, atuando em 56 partidas e marcando 24 gols. Foi campeão com a camisa coral do Torneio Início de 1940 e da Taça General Mascarenhas no mesmo ano. Zuza foi um dos primeiros jogadores profissionais a serem contratados pelo futebol cearense, evidenciando a primazia coral de ter sido o grande responsável pela inicialização do profissionalismo na terra de José de Alencar. Que não se perca pelo nome na memória do futebol alencarino: Zuza.

POR ONDE ANDA O LATERAL DIREITO CAMPEÃO CEARENSE DE 1979?

jorge luis no castelão

Registro em 1979: Jorge Luís cobra o lateral observado à distância pelo goleiro Edmundo

Foram 106 partidas com a camisa do Ferroviário. Além do título de campeão cearense em 1979, ele estava também na conquista da Taça Imprensa de Rondônia, no final da mesma temporada, em excursão coral à região norte do país. Estamos falando do pernambucano Jorge Luis, lateral direito, oriundo do homônimo Ferroviário de Recife, tradicional agremiação nordestina, já extinta, que um dia denominou-se Great Western e mandou Zuza, Chinês e Popó, na década de 1930, para o time coral. Ele estreou oficialmente na lateral direita numa tarde gloriosa para o Tubarão da Barra, em 10/6/1979. Foi uma vitória por 4×2 em cima do Ceará, em jogo válido pelo quadrangular decisivo do 2º turno do campeonato cearense, turno este conquistado pelo Ferrão, duas semanas depois, após uma goleada espetacular de 5×0 contra o Fortaleza.

Jorge Luís na temporada de 1979

Jorge Luis ficou no Ferroviário até a temporada de 1981. Com a camisa coral, viveu os embates mais emblemáticos daquele período em partidas válidas pelo campeonato brasileiro contra o Flamengo/RJ no Maracanã, o Sport/PE na Ilha do Retiro e o São Paulo/SP no Morumbi. Atuava também como lateral esquerdo e, por vezes, foi improvisado como zagueiro. Foi nessa posição, aliás, que talvez tenha feito a apresentação mais memorável em sua passagem pelo Ferrão, no jogo do terremoto, quando o time coral bateu o Ceará por 1×0, numa noite inesquecível do campeonato cearense de 1980. Ao deixar a Barra do Ceará, Jorge Luis defendeu outros clubes no futebol nordestino como o ABC/RN, Central/PE, Ceará e Treze/PB, onde encerrou sua carreira como atleta. Depois que deixou o Ferroviário em 1981, Jorge Luis só voltou a visitar o clube em janeiro de 2014 e, recentemente, em abril desse ano, esteve lá novamente com sua família para apresentá-los ao local onde viveu dias de luta e de glórias inesquecíveis.

Jorge Luis recentemente com a netinha

Atualmente Jorge Luis mora em Recife. É funcionário da METROREC, a companhia urbana que gerencia as linhas férreas da capital pernambucana. Está com 62 anos de idade, é casado, tem duas filhas e uma linda netinha. O respeito e a saudade do Ferroviário Atlético Clube permanecem no coração e na mente do ex-lateral direito coral. A paixão pela profissão e pelo clube que tão bem o acolheu em 1979 foi passada também para sua família, que através de uma de suas filhas procurou o Almanaque do Ferrão com o intuito de colher mais detalhes e curiosidades sobre a passagem vitoriosa do pai pelo futebol cearense. É certo que o sentimento de gratidão da família pelas recordações vividas no Ferroviário e, em particular, preservadas aqui no blog, serão sempre inferiores em importância ao que o clube eternamente deve aos campeões cearenses de 1979 e, claro, especialmente ao ex-lateral Jorge Luis, que figura ainda como o 89º jogador que mais vezes vestiu a gloriosa camisa do Ferrão. É sempre muito bom destacar que, depois de tantos anos, este ex-atleta nunca perdeu a essência das verdadeiras raízes corais.