RECORDE A GOLEADA CORAL CONTRA O ALTO SANTO PELA 2ª DIVISÃO

Foi num 25 de abril como hoje. Há apenas quatro anos, o Ferroviário estava disputando a segunda divisão do futebol cearense e enfrentou o Alto Santo pela segunda vez na história. O time coral massacrou o adversário com vários gols ainda no primeiro tempo e administrou o restante da partida. Valdeci marcou dois gols. Os outros foram de Paulista, Roney e Da Silva, cobrando pênalti. O ex-técnico Lula Pereira era o grande mentor daquele trabalho de soerguimento do Ferrão, que tinha Fernando Filho como treinador. Os dois levaram o Tubarão de Barra de volta à divisão de elite após uma competição que teve várias anormalidades. Naquela noite, em jogo arbitrado por Almeida Filho, o time coral formou com Róger, Rafael Tchuca (Lucas Caucaia), Erandir, Túlio e Bruno; Jonathas, Diego Silva, Paulista (Dejavan) e Da Silva; Roney e Valdeci (Rodrigo Piu). O adversário, treinado por Raimundinho, foi massacrado com Mauro, Berg, Edgar Pantera, Tony Belém e Teles (Gerrinho); Dida, Renato Frota (Davi), Bruno Ocara e Índio (Mateus); Emerson Catarina e Edson Cariús. Além do jovem Valdeci, o principal destaque individual do Ferroviário era o atacante Roney, artilheiro do campeonato de 2016 e que, infelizmente, sofreu uma contusão séria no final do campeonato, levando muito tempo para conseguir uma plena recuperação e resgate de sua performance. Depois, destacou-se atuando pelo River/PI e, no ano passado, conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro com a camisa do Sampaio Corrêa/MA.

DE ONDE VIERAM AS COBRAS QUE PICARAM O FERROVIÁRIO?

cobra coral - dreyfus_ib_usp_br

Talvez nem o torcedor de memória mais pródiga lembre de onde surgiram as cobras que acabaram de picar o Ferroviário na segunda divisão do campeonato cearense e que, pelo visto, continuam agindo nos bastidores da briga jurídica que virou a competição. Estamos falando de Horizonte e Alto Santo, duas equipes que foram diretamente beneficiadas pelo festival de WO´s ocorrido no certame, cujas pontuações terminaram minimamente superiores aos 43 pontos do Ferrão, conquistados com vitórias e empates verdadeiramente dentro de campo. Não reclame da sua falta de lembrança, mas as referidas cobras foram criadas dentro da própria Vila Olímpica Elzir Cabral. Lembra?

Destaque Léo Jaime no Horizonte

Voltemos a 29 de junho de 2004. Fundado apenas 3 meses antes, o Horizonte Futebol Clube se preparava para disputar pela primeira vez a terceira divisão do futebol cearense e tomava de 6×0 em um jogo amistoso contra o Ferroviário, que por sua vez iria disputar a Série C do campeonato brasileiro. No comando técnico do Horizonte estava Jorge Pinheiro, ex-goleiro coral, que havia sido treinador do próprio Ferrão no início daquela temporada. Sob as bençãos do então presidente Paulo Wágner, o Horizonte tomou emprestado vários jogadores da base coral, inclusive alguns profissionais após a desclassificação do clube no certame nacional, entre eles o zagueiro Cícero César, o atacante Stênio e o meia Júnior Cearense, pra citar apenas os mais famosos. Todo ano, o fato voltava a se repetir com uma leva de jogadores corais emprestados ao Horizonte. Foi assim que a equipe galgou o acesso da terceira para a segunda divisão já em 2005 e fez sua estreia na divisão de elite em janeiro de 2008. Foram menos de quatro anos de um progresso invejável, que contou com injeção financeira preponderante por parte da prefeitura da cidade e tecnicamente baseou-se no empréstimo de jogadores, em sua maioria do elenco do Ferroviário. Foi assim que nomes como o goleiro Jéfferson, o atacante Léo Jaime, o zagueiro Carlinhos, entre outros, subiram a equipe horizontina. No segundo semestre de 2009, com um ano de mandato ainda a cumprir, porém em rota de colisão política que ocasionou a saída coletiva de 8 diretores, o presidente Paulo Wágner renuncia ao cargo e assume a presidência de outra equipe local: o próprio Horizonte, onde permanece até hoje.

Valdemar Caracas entre o Terra e Mar coral

Lembremos também que no segundo semestre de 2007, todo elenco do Ferroviário foi emprestado para que o Terra e Mar, tradicional equipe amadora do futebol alencarino, disputasse a terceira divisão cearense. Seria uma maneira inteligente de movimentar o elenco coral, diziam na época. Até o estádio Elzir Cabral foi cedido para os treinos e jogos oficiais do Terra e Mar. Da equipe do belo bairro do Mucuripe, só as camisas. Foi na época que o Ferroviário virou Terra e Mar que aconteceu um dos fatos mais surreais da história coral. Nos festejos do centenário do fundador Valdemar Caracas, comemorados em vida e com a inauguração de um busto na sede, os jogadores do Ferrão posaram pra fotos vestidos com  a gloriosa camisa coral, entre eles o volante Guto, o meia Jack Chan e os laterais Wescley Lagoa e Teles. Em seguida, desceram as escadas e colocaram o uniforme do Terra e Mar para mais um compromisso pela terceira divisão daquele ano. Visivelmente incomodado com a situação, o ex-diretor Ruy do Ceará, um dos maiores nomes da nossa história, bradou ao microfone: “Dizem que recordar é viver duas vezes. Não é. No nosso caso, recordar é morrer de saudade“. E foi aplaudido de pé pelos presentes. Felizmente – repare na vergonha dessa afirmação – o Terra e Mar não se transformou numa cobra a nos picar. Mostrando a habilidade gerencial do comando coral, o time sucumbiu na competição com derrotas seguidas e foi precocemente eliminado em um campeonato de nível técnico que simplesmente beirou ao ridículo.

Polozzi: técnico do Ferrão/Alto Santo

O modelo de 2007 era a grande solução e foi replicado no ano seguinte, porém com uma novidade que causou frisson internamente: o acordo para apoio econômico vindo da prefeitura de uma cidade que acabara de criar uma nova equipe. Sem calendário e rebaixado para a Série D do campeonato brasileiro, fruto de um desastroso primeiro turno no Estadual de 2008, a solução veio rapidamente com a promessa financeira para todo elenco coral representar o Alto Santo Esporte Clube, uma ideia pactuada entre o então prefeito Adelmo Aquino e o presidente Paulo Wágner, que acabara de reassumir a presidência, após menos de um ano de gestão de seu sucessor Francisco Neto, que renunciara alegando problemas médicos. O treinador? Ninguém menos que Fernando Polozzi, ex-zagueiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1978 na Argentina, com o retrospecto da boa campanha no comando do Ferrão durante o segundo turno do Estadual. Mais uma vez, toda estrutura coral foi cedida como barriga de aluguel: funcionários, instalações, comissão técnica e todos os jogadores emprestados. O time do Alto Santo mandava seus jogos longe de casa, dentro do próprio estádio Elzir Cabral. Em ação pela nova equipe, o goleiro Jéfferson, o volante Alberto, o atacante Danúbio, o zagueiro Nemézio, os meias Guto e Leonardo, e uma jovem promessa coral que depois jogou em grandes clubes do país: Siloé. Oito anos depois, talvez ninguém lembre da incompetência coral, travestida de Alto Santo, que fez com que a equipe não conseguisse o acesso para a segunda divisão em mais uma edição de nível técnico horroroso, porém estava criada mais uma cobra dentro da própria Barra do Ceará.

download

… a cobra que picou o criador.

Em linhas gerais, foi assim uma parte dos fatos que fizeram com que o Ferroviário se apequenasse no cenário nordestino na última década, e que hoje seja vergonhosamente picado pelas próprias cobras que ajudou a criar. A marca ´Ferroviário´ foi esquecida repetidas vezes para dar lugar a projetos e parcerias descabidas com nomes menores como Horizonte, Terra e Mar e Alto Santo. Perdeu-se calendário e esqueceu-se de brigar por ele. Uma coisa é certa, nunca se viu um torcedor do Ferroviário no estádio torcendo pelo próprio clube travestido pelo uniforme destas equipes, porque no futebol quem ama não muda de time, simples assim.  A temporada de 2016 será decidida nos tribunais, como o blog já destacou. Ironicamente, criador e criaturas entram em conflito num jogo de interesses que, em nenhum momento da segunda divisão, foi limpo. O futuro é incerto e o destino do Ferroviário e das cobras que ajudou a criar está, lamentavelmente, nas mãos do Tribunal de Justiça Desportiva. Dele, espera-se uma única coisa: justiça. E que a Federação Cearense de Futebol se manifeste em favor da lisura da sua própria competição, porque tá feio pra todo mundo.

SEGUNDA DIVISÃO VAI SER RESOLVIDA NAS BARRAS DA JUSTIÇA

Os resultados do Ferroviário foram dentro de campo, mas a justiça deve chegar só nos tribunais

Tinha tudo pra ser uma volta à primeira divisão em grande estilo. Foram 43 pontos conquistados dentro de campo, ataque mais positivo, melhor média de público, artilheiro da competição, melhor saldo de gols e uma série de pontos positivos. Porém, em meio a uma sequência suspeita de WO´s verificados na reta final da segunda divisão, o Alto Santo saiu da quarta colocação e terminou a fase classificatória em segundo lugar, com um ponto a mais que o time coral. O Ferrão, com sua grande campanha, ficou em terceiro. O Horizonte, primeiro colocado, terminou com 3 pontos a mais que o Tubarão da Barra, exatamente a diferença de pontos conquistada também em razão de uma partida que terminou em WO, ainda no início da competição. Em meio a tantos jogos decididos fora de campo, o Ferroviário busca na justiça o seu retorno à elite cearense. Além disso, o Alto Santo colocou um jogador irregular em seu último jogo da competição, mais uma briga que vai parar nas barras judiciais. As chances corais são excelentes, porém é preciso ficar ligado nos bastidores tradicionalmente imundos do futebol cearense.

Valdeci: destaque do campeonato

Foi um campeonato duro para o Ferroviário, que se acostumou a viver em grave crise financeira como a imensa maioria dos times brasileiros. Nomes como o experiente zagueiro Erandir, o jovem defensor Túlio, o bom volante Jonathas, os meias Diego Silva e Da Silva, além dos atacantes Roney e Valdeci, fizeram uma ótima competição. Sem dúvida, o campeonato deu principalmente ao jovem Valdeci a condição de pensar em melhoras na sua carreira. A toda hora surgem notícias do interesse de outros clubes no jogador, que em julho de 2013 fez sua primeira partida pelo time profissional lançado pelo então treinador Julinho Camargo, num amistoso contra o Sindicato dos Atletas, no Elzir Cabral. O futuro do clube é incerto como o de Valdeci. Pela primeira vez, desde 2010, quando foi criada a Taça Fares Lopes como competição para o segundo semestre, o Ferroviário não participará alegando dificuldades financeiras. O fato do clube não ter pelo menos uma equipe Sub-20 para a disputa chega a ser preocupante. O foco estará nas barras da justiça e nas eleições que podem ser antecipadas. E o pensamento a todo momento na primeira divisão em 2017.

COISAS ESTRANHAS QUE MANCHAM PARA SEMPRE A SEGUNDA DIVISÃO

13241418_1037692842986989_2161397905854440652_n

Há muitos anos se fala nos bastidores do futebol cearense que a segunda divisão é um jogo de cartas marcadas. Que se escolhem os times que vão subir e a partir daí as coisas mais esquisitas começam a acontecer. Nunca duvide dessa história. Precisou o Ferroviário descer para a segunda divisão para vivenciar, na prática, as tradicionais esquisitices. Se há algo de positivo nisso, conta a favor o fato do clube, tradicional como é, atrair para o campeonato os holofotes da imprensa e da opinião pública em geral. Agora não há mais como esconder as famosas falcatruas que invariavelmente fazem essa competição terminar na justiça. Estão todos testemunhando os mais diversos tipos de aberrações que colocam o atual campeonato sob a mais alta contaminação e suspeita. Jogos decisivos decididos por WO em favor do Alto Santo, pontos igualmente concedidos por WO ao Ferroviário subtraídos sem razão plausível, dentre outras artimanhas que remontam ao século passado. É só o que se vê na Série B. O futebol cearense está de luto e com ele vem inexoravelmente o sentimento de vergonha e dor.

DSC_0711 cópia

Atletas corais: 40 pontos dentro de campo

A dor dos jogadores do Ferroviário, traduzidas em lágrimas que mais pareciam rios, após um empate em 2×2 com o líder Horizonte, que complicou a classificação coral para a primeira divisão, simbolizam o sentimento de frustração. Dentro de campo, a equipe coral conquistou 40 pontos em 19 jogos, frutos de 12 vitórias conseguidas à ferro e fogo. Nenhum ponto oriundo de artimanhas extracampo, todos conseguidos com lisura a partir de do ataque mais positivo com 57 gols marcados até a 19ª rodada. Disso o Ferroviário pode se orgulhar. O Alto Santo, o principal concorrente, que sofreu um revés de 5×0 para o Ferrão há cerca de um mês, chegou aos 41 pontos, sendo 6 deles conquistados nas últimas três rodadas a partir de canetadas da Federação Cearense de Futebol, oriundos de situações de WO em plena era do futebol profissional, no Século 21. Barbalha e Nova Russas foram os adversários que facilitaram a missão do Alto Santo. O primeiro, ao não pagar uma mísera taxa de arbitragem, teve sua derrota decretada por WO. Estranhíssimo o fato da equipe do Cariri não dispor de dinheiro para tal, mas conseguiu se deslocar sem problema algum em rodadas prévias e posteriores, com custos bem mais onerosos, para cumprir viagens fora de seus domínios. O segundo ficou barrado como mandante na porta do estádio com o Alto Santo, proibidos de entrarem porque não havia sido feito em tempo hábil a reserva da praça esportiva. Por que? Mais um WO gratuito para o concorrente à vaga para a Série A. Convenhamos, no futebol cearense o torcedor é o palhaço desse circo inteiro.

Torcida coral levou quase 3 mil torcedores ao PV

O circo de horrores não está apenas na atribuição de 6 pontos decisivos e gratuitos ao Alto Santo. Há relatos escritos de jogadores do Horizonte, que atrapalhou a vida coral na rodada passada com uma galhardia poucas vezes vista no futebol, do recebimento de uma gratificação estratosférica, a famosa mala branca, num valor nada comum inclusive entre os times da primeira divisão, com direito à representante do Alto Santo presente dentro do vestiário do Horizonte, no intervalo, dobrando a oferta inicial ao verificar que o clube perdia por 2×1 diante de quase 3 mil corais. Parece mesmo que fazer futebol com o apoio de prefeituras é tarefa fácil e interessante. Mais que isso, houve até ligação de um político famoso no estado do Ceará, com reduto na região onde se localiza a cidade de Alto Santo, para o alto escalão da Federação Cearense de Futebol. Sabe-se lá para que, mas não é difícil de imaginar. Como acreditar numa competição onde uma equipe fatura 6 valiosos pontos na reta final sem entrar em campo, enquanto pelo mesmo motivo o Ferroviário teve os 3 pontos de um WO, ainda nas rodadas iniciais, excluídos sem razão alguma pelo Tribunal de Justiça Desportiva?  Dois pesos e duas medidas? Só não vê quem não quer.

conchavo

Horizonte e Alto Santo programam a final

Os nobres leitores que acompanham esse blog, espalhados pelo mundo afora, dirão que nem tudo está perdido. Que ainda falta uma rodada e o Ferroviário pode contar com a sorte e reverter a situação. Basta ele vencer seu adversário, o indefectível Nova Russas, e o Alto Santo não vencer o Campo Grande. Futebol é uma caixinha de surpresas. Tudo pode acontecer, claro. Pois então o que estavam fazendo o presidente do Horizonte e o representante do Alto Santo trancados na sala da diretoria de competições da Federação Cearense de Futebol na tarde de ontem? Foram flagrados furtivamente discutindo detalhes para a finalíssima entre as duas equipes, que deverá ser realizada após a 20ª rodada, prevista para o feriado nacional, dia 26. Pouca vergonha é pouco para definir o encontro. Muitas outras coisas estranhas aconteceram durante o campeonato. Uma abertura de inquérito na esfera criminal seria um bom ponto de partida para mostrar ao público a verdadeira cara do futebol cearense. Ao que parece, o caminho da justiça é algo insofismável diante da artimanha de quem se acha acima do bem e do mal. Ao lado do Ferroviário Atlético Clube, como poucas vezes se viu em 83 anos de história, está a imprensa esportiva cearense, para evidenciar todos os fatos. A segunda divisão sofreu mais um viés de artimanhas extracampo, está completamente contaminada, e vai dar muito ainda o que falar nas barras dos tribunais pelo Brasil afora. O futebol cearense morreu mais um pouco no domingo passado. Conte isso para todos.

CAMISA LARANJA GANHOU AS FAIXAS DO UNIFORME TRADICIONAL

camisalaranja em itapaje 20162

Ferroviário ontem em Itapajé: camisa laranja ganhou as listras do uniforme tradicional

A temporada de 2016 certamente será lembrada como o período que o Ferroviário utilizou uma nada usual camisa laranja em seu uniforme oficial. Pouca gente percebeu, mas ontem ela mudou um pouco de padrão. Diferente o modelo adotado no início da Série B do campeonato cearense, a inovação coral ganhou as tradicionais faixas vermelha e preta herdadas do uniforme padrão do clube. Mudança apropriada, certamente. Dentro de campo, a Laranja Coral ficou no 1×1 com o Itapajé, no Estádio Vieirão. As combinações dos resultados da rodada complicaram um pouco a vida coral na competição, mas o Tubarão da Barra continua dependendo só de si para voltar à elite estadual no ano que vem. Faltam 3 jogos, todos em casa, diante de sua torcida. É hora de apoio e incentivo.

MEIO CAMPISTA DO FERRÃO MARCA O GOL 6.430 DA HISTÓRIA CORAL

Você viu o gol do meio campista Raphael? Que golaço! Ele foi marcado no último domingo, dia 10 de abril, em Juazeiro do Norte. Confira no vídeo acima com o comentário do próprio jogador. Foi o quarto gol da goleada de 5×1 contra o Campo Grande, no estádio Romeirão, em mais uma batalha da árdua missão coral de voltar à primeira divisão do campeonato cearense. Dessa vez, nada de camisa laranja. O Ferroviário atuou com seu belo e tradicional uniforme branco com duas faixas, vermelha e preta, na horizontal, confeccionados pela empresa cearense de material esportivo Nalubi. Até o momento, o time vai bem na competição, lutando sempre pelas primeiras colocações. O  gol de Raphael foi uma verdadeira pintura. Anote aí o detalhe: foi o gol de número 6.430 em toda a história coral. Além de belo, redondo, sob todos os aspectos. Digno de aplausos.

APÓS 22 ANOS: NOVA GOLEADA POR 6×0 JOGANDO FORA DE CASA

1377607_10208791718053271_8209847383768889135_n

Jogadores corais vestidos com o uniforme laranja rezam após a partida de ontem em Barbalha

E o Ferrão continua sua luta para voltar à primeira divisão do campeonato cearense. Ontem, vestindo novamente o seu terceiro uniforme na cor laranja, o Tubarão da Barra massacrou o Barbalha, fora de casa, pelo placar de 6×0. Uma vitória na casa do adversário com um resultado tão esmagador não acontecia na vida coral desde 1994, quando o Ferroviário aplicou o mesmo placar em cima do Itapipoca atuando no Estádio Perilo Teixeira, em noite que consagrou o artilheiro Batistinha com 4 gols marcados. Além dele, Acássio e Basílio também assinalaram. Ontem, no Estádio Inaldão, na região do Cariri, foi a vez de brilhar a estrela do atacante Roney, com 3 gols marcados, além do meia Diego Silva, que conseguiu a façanha de encaçapar 2 gols de falta no mesmo jogo. O atacante Maxuell, de pênalti, fechou a contabilidade do placar. Foram exatamente 1.011 jogos de diferença entre o feito de 1994 e o de 2016. Ai é Ferrão, meu filho!

FERRÃO VOLTOU A ENFRENTAR O IGUATU APÓS QUASE 20 ANOS

Veja os gols acima. Apesar da indefectível camisa laranja, é o Ferroviário em campo. Depois do uniforme dourado em 2015, o time coral voltou a inovar e estreou ontem o novo terceiro uniforme. Pelo menos esse ano, podemos chamar o Ferrão de ´Laranja Coral`. Porém, o mais importante foi a terceira vitória em quatro partidas já disputadas pela segunda divisão do campeonato cearense, um passo importante no objetivo maior que é voltar à divisão de elite local. E depois de quase 20 anos, o Tubarão da Barra reencontrou o Iguatu, que andou meio sumido, extinto, fundado novamente e retornou à prática do futebol profissional há apenas seis anos. Foi no campeonato estadual de 1997 que as duas equipes se enfrentaram pela primeira vez, no dia 9 de março, no estádio Morenão em Iguatu. Depois, um novo confronto em 26 de junho daquele ano, no PV. 0x0 no primeiro jogo e vitória coral por 3×1 na segunda partida, gols dos conhecidos Reginaldo, Santos e Dino. Ontem, os talentosos Valdeci e Roney marcaram gols e entraram para a galeria dos confrontos entre Ferrão e Iguatu, naquele que foi apenas o terceiro jogo da história entre os dois times. Uma excelente vitória, sem dúvida. E viva a Laranja Coral.

POR ONDE ANDA O ÚNICO JOGADOR QUE SE SALVOU NO FATÍDICO 2014?

994730_1223458884338181_4812296267611540241_n

Mauri em foto recente na Itália

O atacante Mauri foi seguramente o único jogador que se salvou na fatídica campanha do rebaixamento coral em 2014. Tendo sempre mostrado habilidade e velocidade nos clubes que defendeu, o ex-jogador coral hoje tenta a sorte no futebol italiano. Ele mora em Milão, uma das cidades mais bonitas da Europa. De origem italiana, Mauri aguarda a confirmação de seu passaporte europeu para poder voltar a trabalhar e ingressar em alguma equipe da Itália. Do Ferroviário, apenas algumas lembranças dos sonhos que acalentou ao chegar no clube, em julho de 2013, vindo do Rondonópolis/MT, todos eles jogados na lata do lixo com o vexame coral no ano seguinte.

Mauri tinha contrato até agosto de 2015 com o Ferroviário. Sua multa rescisória era de 450 mil Euros para transações internacionais e cerca de 1 milhão para negociações nacionais. Após o rebaixamento, foi emprestado para o também rebaixado Maranhão/MA e posteriormente para o São Benedito/CE, onde permaneceu por um ano. Com contrato em vigência, voltou ao time coral em outra vexatória campanha, na segunda divisão cearense, onde o Ferroviário terminou no 6º lugar em 2015. Desmotivado e sem perspectivas no clube que resolveu apostar dois anos antes, Mauri pediu rescisão. Hoje, aos 21 anos de idade, quer reconstruir sua carreira na Itália e lograr êxito no futebol, buscando seu sonho de infância. Foram apenas 17 jogos e 3 gols com a camisa coral, um deles o da vitória contra o Crato, fora de casa, em 2014, que recordamos abaixo, exatamente no jogo de número 3.477 da história coral registrado no Almanaque do Ferrão.

A INCRÍVEL MALDIÇÃO DOS ÍNDIOS KARATIS NA VIRADA DO MILÊNIO

ferrao_x_crateus

Um esquisito calção vermelho foi usado pelo Ferroviário no 3×3 contra o Crateús em 2012

No dia 30/12/2000, o Ferroviário fazia seu último jogo antes da virada do milênio. Foi um amistoso contra a Seleção de Crateús, fora de casa, no Estádio Juvenal Melo. O empate em 3×3 já preconizava o que seria a ridícula campanha coral no ano seguinte no campeonato cearense. Era o quarto confronto contra o selecionado local na história. Antes disso, duas vitórias em 1951 e um empate em 1981 garantiam o retrospecto de invencibilidade a favor do time coral contra o representante do Vale dos Inhamuns, uma das regiões mais secas do estado. Veio então a chegada no novo milênio e com ele a fundação do Crateús Esporte Clube, em 2001, sob a proteção do índio Karati, o desbravador e primeiro habitante daquela área geográfica, estampado orgulhosamente no escudo crateuense a partir de 2008.

IMG_55251

Entra em campo o índio da tribo Karati em 2015

Como uma maldição espiritual indígena potencializada pela incompetência de gestões corais, nunca mais o Ferroviário derrotou o novo time da cidade de Crateús. Sob a presidência do deputado estadual Vanderley Pedrosa, justamente em seu curral eleitoral nos Inhamuns, o primeiro confronto aconteceu em 14/1/2012, amistoso vencido pelo Crateús por 2×0. Onze dias depois, o primeiro jogo oficial entre ambos, válido pela 1ª divisão do futebol cearense, nova vitória crateuense por 2×1 novamente no Juvenal Melo. Em 28/3/2012, dessa vez no PV, empate em 3×3, a melhor performance coral até hoje. A partir dali, o confronto entre as duas equipes se deu no tapetão. O Crateús lançou jogadores irregulares na competição e o Ferroviário se beneficiou da incrível falha administrativa do adversário, vencendo uma batalha jurídica que terminou no STJD no Rio de Janeiro. O resultado foi o Crateús rebaixado para a Série B cearense na corte desportiva e o Ferroviário, rebaixado dentro de campo, salvo pelo gongo com o direito de permanecer na divisão de elite local por mais um tempo. Parece que aquele episódio transcendeu a lógica humana e provocou a ira e a maldição dos índios Karati.

img-20150411-wa0019_1

Ferrão, de dourado, no último dia 11

O Ferroviário foi novamente rebaixado em 2014, dessa vez sob a batuta de Edmilson Alves Júnior, que sucedeu o deputado na presidência. Nos últimos 5 dias, o Ferrão reencontrou o Crateús em mais duas partidas oficiais, agora na melancólica 2ª divisão cearense, e conseguiu o feito de perder novamente, tanto em Fortaleza como em Crateús, pelo mesmo placar de 2×1. Maldição aliada à má gestão, eis a grande questão. O fato é que o Tubarão da Barra se apequenou diante do Guerreiro do Poty, uma das simpáticas alcunhas do representante dos Inhamuns. Depois daquele primeiro 3×3 na véspera da chegada do novo milênio, nada mais parece ter sido como antes. Já se vão quase 15 anos e um doloroso tabu amarga a paciência do torcedor ao se deparar com momentos como os registrados no último sábado eternizados na tela abaixo. Até quando?