FERRÃO E TREZE/PB: TRADIÇÃO NA FINAL NA SÉRIE D DO BRASILEIRÃO

Anúncio no Diário do Nordeste convocando a torcida para o jogo da Série A do Brasileirão em 82

O adversário do Ferroviário na grande final da Série D do campeonato brasileiro de 2018 é o Treze/PB. Os dois são velhos conhecidos do futebol nordestino e já se enfrentaram 24 vezes até o momento. O Ferrão leva uma ligeira vantagem no número de vitórias em cima do time paraibano: 10 vitórias, 5 empates e 9 derrotas desde que se enfrentaram pela primeira vez num amistoso na cidade de Fortaleza em 1949. Os finalistas da Série D de 2018 gozam ainda de um grande retrospecto em suas trajetórias históricas: já se enfrentaram 14 vezes em todas as quatro divisões do futebol brasileiro, o que reforça ainda mais a rivalidade entre ambos na grande decisão desse ano. Além da tradicional competição nacional, também já se enfrentaram uma vez pelo Nordestão em 1970, seis vezes em amistosos e três vezes por torneios comemorativos nas décadas de 1950 e 1960. Sem dúvida, temos uma final de Série D de grande representatividade, que se junta a nomes históricos de atletas conhecidos que vestiram os dois tradicionais uniformes como Zé Luiz, Gilson Baiano, Eron, Hélio Show, Manuel de Ferro, Rocha, Ruivo, Ronaldinho, Getúlio, Jangada, Olímpio, Wilson, Gilmar, Hermes, Fernando Canguru, entre outros.

Jorge Veras: 4 gols em 92

Em termos de campeonato brasileiro, como não lembrar do jogo entre ambos pela Série A de 1983 quando o atacante Almir marcou duas vezes na vitória coral por 2×1 no PV em Fortaleza? Dias depois, o Treze devolveu o mesmo placar no jogo de volta realizado em Campina Grande. Um ano antes, o jornal Diário do Nordeste chegou a publicar um anúncio convocando o público para torcer ´Ferrim` no jogo entre ambos no Castelão, em campanha que envolveu também um breve comercial veiculado na TV Verdes Mares narrado por Gomes Farias exatamente a partir do texto do anúncio impresso. O Treze/PB estragou a festa e marcou 2×0 com gols de Wilson e João Paulo. Ao todo, foram 4 jogos pela Série A. Em termos de Série B, houve apenas um jogo, em 1986, na estreia de ambos no campeonato nacional, vencido pelo time paraibano em Campina Grande, que tinha como goleiro o já experiente Jorge Hipólito, velho conhecido do público cearense. Pela Série C foram 7 jogos, talvez o mais inesquecível para a torcida coral tenha sido a partida realizada em 01/04/1992, vitória coral por 5×3 com quatro gols do ídolo Jorge Veras, ele que coincidentemente também esteve presente em campo no jogo pela Série A em 1983. Diga-se de passagem, o Ferrão nunca perdeu para o Treze/PB num jogo de Série C e só na edição de 2006 foram quatro confrontos entre ambos. Na Série D, foram apenas duas partidas até hoje, sendo uma vitória para cada lado. Agora na finalíssima de 2018, teremos mais dois empolgantes jogos. Em 2019, promovidos com justiça à Série C, certeza de mais compromissos entre esses dois importantíssimos times do futebol nordestino, que acabaram de provar para todo o Brasil o gigantismo do nosso futebol. Por fim, que tal rever os gols do jogo de 1983 pela Série A em Fortaleza? É só conferir o vídeo abaixo.

JOGO MARCADO PARA UMA QUARTA-FEIRA À TARDE LEMBRA O QUE?

Luizinho: 3 gols em 1986

Ferroviário e Uniclinic jogam nessa quarta-feira, às 16 horas, no Estádio Presidente Vargas. Sem dúvida, um horário inadequado para um dia de semana útil e, por isso, o público promete ser dos menores. Porém, engana-se quem afirma que isso é algo inédito na vida do Ferroviário. Na temporada de 1986, o Ferrão enfrentou o Icasa exatamente numa quarta-feira à tarde. O jogo foi marcado para o Castelão, que estava reformando suas torres de iluminação e não dispunha de luz artificial para a partida. Apenas 207 pagantes desafiaram o horário em dia útil e a concorrência de Uruguai x Alemanha ao vivo na TV pela Copa do Mundo do México. Era o dia 4 de Junho de 1986 e o Tubarão da Barra enfiou 7×0 na sacola do time juazeirense com três gols de Denô, três de Luizinho das Arábias e um de Mardoni. Treinado por Erandy Pereira Montenegro, o time coral formou com Serginho, Alexandre, Arimatéia, Léo (Joãozinho) e Vassil; Zé Alberto, Denô e Mardoni; Edinho, Luizinho das Arábias e Lupercínio (Rogério). O Icasa, do técnico Catolé, jogou com Humberto Vara, Val, Pimenta, Paudácio e Tonho; Bilonga, Agenor e Ocilon; Reginaldo Piauí, Washington e Reginaldo Barbalha. Francisco Pereira foi o árbitro do jogo, que foi encerrado aos 35 minutos do segundo tempo por conta de um cai-cai do time do Icasa. Mais de trinta anos depois, a situação é semelhante.

UM LEÃO VESTINDO A CAMISA DO TUBARÃO DA BARRA HÁ 30 ANOS

Nilson Leão

Há quase dois anos, o Almanaque do Ferrão fez uma postagem sobre ex-jogadores corais que traziam apelidos de bichos em seus nomes futebolísticos. Era o `Parque Zoológico do Ferroviário´. Um daqueles nomes, alguns já quase esquecidos, fazia sua estreia com a camisa do Tubarão da Barra há 30 anos. Seu nome: Nilson Leão, meia-atacante. De passagem efêmera e sem nenhum destaque, ele frustrou todas as expectativas já que chegou precedido de bom cartaz oriundo do futebol amazonense, onde conseguira algum destaque defendendo o Fast/AM. Sua estreia aconteceu no dia 25 de setembro de 1986 contra o América/RN, um 0x0 pelo campeonato brasileiro, diante de um público coral de 173 pagantes que foram ao Castelão naquela noite. No dia 28, atuou na vitória coral por 3×2 diante do Sport Belém/PA no PV. Em seguida, foi ao estado do Maranhão, no dia 2 de outubro, para enfrentar o Moto Clube/MA, em partida que terminou com o placar de 1×1. Depois, Nilson Leão fez sua quarta e última partida pelo Ferrão num domingo de manhã, dia 5 de outubro, no PV, quando o time coral perdeu para o Rio Negro/AM por 1×0 e deu adeus à competição diante de 326 pessoas. Quatro jogos e nenhum gol com a camisa coral, além de públicos ínfimos prestigiando os jogos do Ferroviário naquele período, será que alguém viu Nilson Leão em ação pelo Ferrão? Se você viu, deixe seu registro aqui nos comentários.

NARRAÇÃO DOS GOLS DO FERRÃO NO 4X3 CONTRA O CEARÁ HÁ 30 ANOS

wendelanos80

Wendell: técnico coral no 4×3

O acervo do Almanaque do Ferrão resgata mais uma raridade exatamente de 30 anos atrás. Disponibilizamos abaixo o áudio dos 4 gols do time coral na vitória surpreendente em cima do Ceará, por 4×3, em 27 de julho de 1986, na reta final do campeonato cearense. Oportunidade para ouvir a narração de Vilar Marques e Júlio Sales na equipe esportiva da extinta Rádio Uirapuru de Fortaleza. De quebra, a participação sensata em um dos lances do eterno craque coral Amilton Melo, que integrou por vários anos a imprensa cearense como comentarista depois que pendurou as chuteiras. Chance também para ouvir lances maravilhosos saídos dos autores dos gols Jaiminho, Luizinho das Arábias, Denô, Edinho e ainda um desabafo de felicidade no vestiário coral por parte do famoso ex-goleiro Wendell, que veio para ser o camisa Nº 1 do Ferroviário Atlético Clube no campeonato cearense, mas acabou como treinador da equipe nos últimos jogos.

arq_147862

Experiente Edinho fez seu gol

A vitória foi totalmente surpreendente porque o Ferrão não aspirava mais chances na competição. Duas semanas depois, o Ceará sagrava-se campeão estadual com uma das maiores formações de sua história, formada por nomes como Rubens Feijão, Petróleo, Everaldo, entre outros. Foi o jogo 2.130 da história coral, que teve Leandro Serpa na arbitragem e o Ferroviário formando com o futebol de Serginho, Alexandre, Nilo, Léo e Vassil (Edson); Zé Alberto, Alex, Denô (Lupercínio) e Jaiminho; Edinho e Luizinho das Arábias. Preste atenção na escalação do Ceará: Salvino, Everaldo, Djalma, Argeu e Milton Lima (Bezerra); Serginho, Lira e Rubens Feijão; Amilton Rocha, Petróleo (Gerson Sodré) e Bebeto. Desses, Everaldo, Djalma, Argeu, Lira, Amilton Rocha e Bebeto jogaram no Ferrão em temporadas seguintes. Escute e volte 30 anos no tempo.

NOTICIÁRIO DA RÁDIO UIRAPURU ANUNCIAVA MOÉSIO GOMES EM 1986

Moésio Gomes: lenda do futebol

O Almanaque do Ferrão viaja trinta anos no túnel do tempo e vai até junho de 1986. O Ferroviário anunciava a chegada do vitorioso treinador Moésio Gomes para comandar uma equipe repleta de valores experientes, como o ponta esquerda Lupercínio, o meia Denô, o ponta direita Edinho e o centroavante Luizinho das Arábias. Resgatamos um áudio raríssimo da extinta Rádio Uirapuru AM de Fortaleza e ouvimos o noticiário coral na voz do repórter Ivan Bezerra, setorista do clube em meados dos anos 80. Repare no som a didática da cobertura, as palavras bem colocadas, os detalhes dos acontecimentos e a presença in loco na sede do clube, fatores importantes que lamentavelmente se tornaram raros nos últimos 15 anos na radiofonia cearense. Você imaginaria hoje um repórter passar em seu noticiário até a escalação do time reserva do coletivo, repleto de jogadores da categoria júnior? Tempos que não voltam mais e o nosso blog cuida de eternizar esses momentos. Curta a gravação e conheça um pouco daquela época.

jaiminho

Meia esquerda clássico: Jaiminho

Moésio Gomes, uma verdadeira lenda viva do futebol cearense, chegava para a disputa do quadrangular decisivo do 2º turno. Ele voltava ao Ferroviário depois de disputar 3 jogos como atleta coral nos anos 50 e duas passagens como técnico, em 1969 e 1981. Em meio a um time cheio de estrelas vaidosas, o trabalho não fluiu como desejava o presidente Caetano Bayma e Moésio terminou dispensado pouco mais de um mês depois de contratado, sendo substituído por Wendell, experiente goleiro do elenco coral que assumiu a função de técnico nos jogos restantes do campeonato. Repare no noticiário de Ivan Bezerra que o Ferrão buscava a contratação de um meia que acionasse os bons jogadores do ataque coral. O reforço veio logo depois e tratava-se de Jaiminho, ex-jogador do São Paulo, que chegou a marcar 3 gols nas 6 partidas que fez pelo Ferroviário, um deles na vitória consagradora contra o Ceará, por 4×3, quando Wendell já havia assumido o comando técnico. Moésio Gomes faleceu em janeiro de 1992 em Fortaleza. Ele era irmão de Mozart, ex-jogador do próprio Tubarão da Barra, apontado como o maior craque que o futebol cearense produziu em toda a história. Escute o áudio abaixo.

MAIS UM ANIVERSÁRIO DAQUELE ARTILHEIRO QUE NINGUÉM ESQUECE

Luizinho em Sobral

Bela imagem de Luizinho das Arábias no gramado encharcado do Junco na cidade de Sobral

A foto acima é uma homenagem ao aniversariante de hoje. Foi registrada no dia 2 de março de 1986, no Estádio do Junco, em Sobral, em partida disputada debaixo de muita chuva durante o campeonato cearense. Nela, o artilheiro Luizinho das Arábias figura entre zagueiros que sabiam não poder brincar em serviço diante do potencial daquele que foi um dos maiores centroavantes da história do Ferroviário. Ele já foi destaque em outras ocasiões aqui no blog, mas nunca é demais reforçar a data especial de hoje. Feliz aniversário, Luiz Alberto Duarte dos Santos, onde quer que você esteja!

GOLEIRO WENDELL FOI MAIS UM FAMOSO A DEFENDER O FERRÃO

wendell

Goleiro Wendell no Ferroviário

Quando lembram de um ex-goleiro do Ferroviário que jogou na Seleção Brasileira quase todos trazem à mente o nome de Ado em 1980. Poucos recordam que 6 anos depois, no campeonato cearense de 1986, o time coral contou com outro grande goleiro anteriormente convocado para o escrete nacional. Trata-se de Wendell Lucena Ramalho, pernambucano de nascimento, que antes de desembarcar na Barra do Ceará havia vestido as camisas do Santa Cruz/PE, Botafogo/RJ, Fluminense e Guarani/SP. Wendell ficou de abril a agosto naquela temporada, mas jogou apenas em 3 jogos como titular, sendo 1 amistoso contra o Agapito dos Santos no Elzir Cabral e 2 jogos oficiais contra Quixadá e Guarani de Juazeiro, ambos fora de casa. Experiente e em final de carreira, o goleiro acabou sendo utilizado como técnico do Ferrão após a demissão do treinador Moésio Gomes, comandando a equipe em 2 partidas, uma delas conquistando uma vitória memorável em julho daquele ano em cima do Ceará, por 4×3, exatamente o time que viria a ser campeão no mês seguinte com Everaldo, Djalma, Amilton Rocha, Rubens Feijão, Gerson Sodré, Petróleo e companhia.

imagem658

Wendell no Maracanã pelo Fluminense/RJ

As convocações de Wendell para a Seleção Brasileira aconteceram em meados da década de 70, quando vestia as camisas do Botafogo e do Fluminense. Chegou a disputar 7 partidas pela canarinha e por muito pouco não foi o titular na Copa do Mundo na Alemanha, em 1974, quando uma lesão o impossibilitou de jogar a competição. Antes de ser contratado pelo Ferroviário, o ex-goleiro estava no Vila Nova/GO. O Ferrão foi o último clube de Wendell como goleiro profissional. Depois, virou treinador de goleiros e corrigiu o curso da história chegando novamente à Seleção Brasileira e participando da Copa do Mundo, novamente na Alemanha, em 2006, na comissão técnica de Carlos Alberto Parreira. Hoje, Wendell mora em São Lourenço do Oeste, no interior de Santa Catarina. O goleiro Wendell foi um dos nomes mais famosos do futebol brasileiro a defender a camisa coral.