O TIME DE BASE QUE CONQUISTOU O CAMPEONATO CEARENSE DE 1979

Campeonato Cearense de Juniores de 1979 – Em pé: Laércio, Gilvan, Bira, Dedé, Samuel, Ivanildo, Ariosto e o massagista Taty. Agachados: Narcélio, Haroldo, Carlos Brasília, Eduardo e Nena

Não estranhe a camisa coral na foto acima. Apesar de bastante parecida com a do rival Fortaleza, as cores são as nossas: vermelho, preto e branco. Esse modelo foi utilizado pelo time de juniores, o equivalente a atual categoria Sub-20, na conquista do campeonato cearense de 1979. Na imagem, a presença de alguns jogadores que chegaram a atuar pelo time profissional nas temporadas seguintes, como o histórico lateral direito Laércio (244 jogos), o goleiro Bira (2 jogos), o zagueiro Dedé (18 jogos), o ponta direita Haroldo (22 jogos) e o atacante Carlos Brasília (30 jogos), todos de importante contribuição à história coral. Vale o destaque para deixar registrado o modelo pouco comum no nosso uniforme e os atletas campeões pela nossa base, consagrada no futebol brasileiro como a que mais revela valores no futebol cearense.

RECORDE A PASSAGEM DO LATERAL DIREITO LAÉRCIO PELO FERROVIÁRIO

FAC Juvenil 1978

Time juvenil do Ferroviário Atlético Clube em 1978. Em pé: Luciano, Solano, Nenego, Laércio, Marinho e Dedé; Agachados: Gabriel, Sérgio Luís, Valdeci, Anchieta e Nani.

Uma rápida análise nas estatísticas do blog e curiosamente encontramos a palavra `Laércio´ como um dos nomes mais procurados no mecanismo de busca desse espaço virtual. Certamente são pessoas em busca de informações do ex-lateral direito José Laércio Santos de Oliveira, um atleta tradicional na história coral que teve a oportunidade de atuar 244 vezes no time profissional entre 1978 e 1988, razão pelo qual é merecedor de uma publicação específica sobre sua passagem pelo Tubarão da Barra. Na foto acima, no time juvenil exatamente de 1978, ano em que foi pinçado para o time principal pelo técnico Lucídio Pontes pela primeira vez, ainda com 16 anos incompletos, Laércio veste a camisa de número 4 no gramado cheio de areia do estádio coral. A foto traz ainda nomes como Luciano, Dedé, Sérgio Luís e Nani, jogadores que chegaram a atuar algumas vezes pelos profissionais em jogos oficiais ou amistosos.

Ferrão 1983_Vasco2

Laércio: o segundo em pé, da esquerda pra direita, no Ferroviário que disputou o Brasileiro de 1983

Além dos títulos estaduais na categoria de juniores em 1979 e 1982, Laércio foi campeão cearense profissional pelo Ferrão em 1979, quando foi utilizado em 2 partidas, e em 1988, com 19 atuações no campeonato daquele ano. No início da década de 80, figurou entre os titulares no time que disputava a primeira divisão do campeonato brasileiro. Em 1984, o jovem lateral chegou a ser emprestado para o Flamengo/RJ, mas retornou no ano seguinte para ser titular numa das melhores formações já montadas na história coral, o time do campeonato estadual de 1985. Após o título de 88, Laércio foi cedido ao Fortaleza numa negociação que envolveu ainda o volante e lateral esquerdo Edson em troca do lateral direito Caetano. Em dez anos de eficiente e importante participação no time profissional do Ferroviário, Laércio marcou 4 gols. Após deixar o futebol cearense, foi jogar no futebol do Piauí e conquistou mais títulos estaduais.

O GOL MAIS BONITO DO FANTÁSTICO: ILO DO FERROVIÁRIO

Domingo é dia de futebol. Bem, pelo menos isso foi o que ficou convencionado no futebol brasileiro do passado. Tudo bem que hoje tem jogo todo dia, mas o charme do futebol aos domingos ninguém tira. Domingo terminava com os ´Gols do Fantástico` e sempre havia a escolha do mais bonito da rodada em todo país na voz de Léo Batista. Em post do mês passado, falamos do golaço do atacante Ilo pelo Ferroviário, que foi escolhido o mais bonito do Fantástico, ele que era presença constante no programa com gols pelos clubes que passou. Como promessa é dívida, esta ele aí recuperado para deleite de seus fãs, familiares e curiosos de plantão.

Mais importante que a beleza plástica do lance foi a relevância do gol naquele momento, o da vitória diante do Fortaleza, adversário forte que dois meses depois sagrava-se campeão cearense. Vitória no Clássico das Cores com direito a golaço de Ilo, que estava há pouco menos de dois meses no clube. Era o dia 14/6/87. Triunfo de um Ferroviário que apostava nas bases e tinha no elenco jogadores como Laércio, Osmar, Ronaldinho, Mardônio, Renato, Narcélio, Adalberto, Kléber, entre outros, treinados pelo experiente Erandy Pereira Montenegro.

10415603_610114832433495_7133600419596019432_n

Ilo Bonfante e seu filho na cozinha de casa

Mais importante que recuperar esse tipo de informação, o Almanaque do Ferrão tem a honra de servir de elo entre as várias pessoas que, direta ou indiretamente em diferentes momentos, participaram da história coral. Após ver o post do mês passado, o filho do jogador, Ilo Bonfante Júnior, diretamente do Rio Grande do Sul, informou ao blog que seu pai morreu jovem, aos 54 anos de idade, em 10/4/2010, vítima de um câncer na garganta. Então, que seja um momento para matar as saudades do atacante Ilo em ação no gramado do Castelão porque nem o tempo separa o que pai e filho constroem através do futebol.

ÁUDIO RARO DO VESTIÁRIO CORAL APÓS CONQUISTA DE TURNO

1985

Só Deus podia tirar o título do Ferroviário em 1985, mas as arbitragens falaram mais alto

Um dos melhores times que o Ferroviário teve foi formado em 1985. A onzena principal atuava geralmente com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Alex, Denô e Arnaldo; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Foguinho. A confiança no grupo levava o presidente Caetano Bayma a repetir em suas entrevistas um bordão que marcou aquela temporada: “Só Deus tira o campeonato do Ferroviário“. O grande Pajé não contava com os erros de arbitragem na reta final. Estes sim fizeram com que aquele time não fosse campeão. Tudo, menos coisa de Deus.

O querido supervisor Chicão, falecido em fevereiro desse ano, confidenciou algumas vezes que os jogadores desse elenco gostavam de uma boa noitada regada à cerveja bem gelada. Coisas do futebol daquela época, incompatíveis com o profissionalismo de hoje. Chicão falava sempre com carinho e saudade do grupo montado por Caetano Bayma, que venceu o 2° turno do Estadual em cima do Fortaleza de forma categórica e depois foi escandalosamente prejudicado na decisão do 3° turno contra o mesmo adversário quando Luizinho das Arábias teve um gol lícito anulado. Coisa pra nunca mais esquecer.

O Almanaque do Ferrão recupera abaixo um áudio raro de 29 anos atrás. A gravação foi feita no vestiário coral logo após a conquista do 2° turno. São mais de 5 minutos de entrevistas comandadas pelo então setorista Ivan Bezerra, hoje no Diário do Nordeste, que trabalhava na Rádio Uirapuru. Recorde na sequência dos entrevistados o treinador Zé Mário, o diretor Múcio Roberto, o lateral Laércio, o ponta Cardosinho, o zagueiro Léo, o preparador físico Othon Borges, o meia Denô e o lateral Válter. Coisas que o tempo não apaga e você confere só aqui.