GOLEIRO AUGUSTO FAZIA SUA ESTREIA NO FERRÃO HÁ 60 ANOS

Estreia de Augusto em 1960

Ele veio do Náutico/PE para o Ferroviário, trazido de Recife pelo treinador Manuel dos Prazeres para a disputas do 3º turno do campeonato cearense de 1960. Estamos falando de Augusto. Há exatos 60 anos, no dia 29 de outubro, o novo arqueiro coral fazia sua estreia num amistoso contra o Ceará. O Ferrão venceu o jogo por 1×0, gol de Macaúba II. Durante o período de um ano que ficou no time da Estrada de Ferro, Augusto disputou posição com os conhecidos Dadá e Zé Alberto, chegando a ser titular durante um bom período, notadamente na temporada de 1961. Aos 30 anos de idade, Augusto Cabral de Carvalho defendeu o arco coral em 37 partidas. De olhos verdes e cabelo castanho, o arqueiro era paraibano, filho de José Justiniano Cabral de Carvalho e Eleonora Cabral de Carvalho. Tinha 1,78m de altura. Inicialmente, Augusto assinou um contrato em branco com o Ferroviário Atlético Clube, sem especificar sua remuneração mensal. Só depois que os dirigentes corais o viram em campo é que o valor acabou sendo definido a partir da qualidade demonstrada pelo goleiro no decorrer dos jogos. Em seu período no time coral, Augusto teve como companheiros nomes consagrados como Aldo, Garrincha, Damasceno e Edilson Araújo. 

ESTREIA DO FERRÃO CONTRA O MARANHÃO NO BRASILEIRO DE 1987

O Almanaque do Ferrão volta trinta anos no tempo e recorda em vídeo a estreia do Ferroviário no polêmico campeonato brasileiro de 1987, que foi estruturado pela CBF em quatro módulos com as cores da bandeira brasileira. O time coral esteve no Módulo Branco, numa chave formada com Maranhão/MA, Sampaio Correa/MA e Serrano/BA. O primeiro jogo do Ferrão na competição ocorreu exatamente num 18 de outubro como hoje, no PV, numa bela tarde de domingo. O adversário foi o Maranhão e o Tubarão da Barra venceu pelo placar de 2×0, gols de Narcélio e Zé Alberto. Valdir Elias Coelho foi o árbitro do jogo, que contou com um público pequeno de 659 pagantes.

Zé Alberto: gol

Treinado por Erandy Montenegro, o Ferrão formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Renato e Kléber; Zé Alberto, Wiltinho (Ronaldinho) e Mardoni (Adalberto); Mardônio, Narcélio e Edson. O time maranhense, comandado por Garrinchinha, perdeu com Juca Baleia, Serginho, Uberaba, Eduardo e Neto; Batista, Tica e Daniel; Válter (Davi), Bacabau e Chiquinho (Vander). O Ferroviário se classificou bem em sua chave, mas caiu na segunda fase da competição ao ser desclassificado pelo América/RN após 3 confrontos decisivos. Narcélio, autor do primeiro gol do Ferrão no Brasileiro de 1987, já faleceu há alguns anos. No banco daquela equipe, um jovem atacante aguardava oportunidade para figurar entre os titulares. Seu nome: Mazinho Loyola, que acabou sendo aproveitado com destaque nas rodadas seguintes.

RESGATE EM VÍDEO DE UMA DAS MELHORES PARTIDAS DE 1987

Ferroviário e Guarany de Sobral fizeram um dos melhores jogos do campeonato cearense de 1987. Essa foi a opinião da imprensa em geral na noite daquele 15 de julho, quando o time coral aplicou 4×2 no Presidente Vargas. O empate em 2×2 persistia até os 36 minutos da etapa final e os 3.117 pagantes pareciam conformados com o resultado. Ao atrilhar do apito final do árbitro Francisco Pereira, dois gols corais nos últimos 9 minutos selaram a vitória do time que foi superior a partida inteira. Narcélio, Mardônio, Zé Alberto e Cardosinho marcaram para o Ferrão. Osmanir, duas vezes, anotou os tentos do time sobralense. O Almanaque do Ferrão recupera o vídeo dos quatro gols do Tubarão da Barra naquela noite e faz uma viagem de exatos 28 anos no túnel do tempo. Aproveite.

zé alberto

Zé Alberto

Treinado por Erandy Pereira Montenegro, que conseguiu o feito de permanecer o ano inteiro de 1987 no cargo e dar oportunidade para vários jogadores das categorias de base, o Ferrão formou nesse dia com Wálter, Laércio, Arimatéia, Léo e Ramos; Zé Alberto, Edson e Mardoni (Renato); Mardônio, Narcélio e Carlos Antônio (Cardosinho). Nagibe Marques, técnico do Guarany, mandou a campo a seguinte onzena: Dalmir, Ailton, Frota, Cláudio e Osmanir; Toninho Barrote, Carlos e Demair; Ivan, Macedo (Renato) e Djalma. O volante Zé Alberto, ex-Central/PE, era um dos jogadores mais experientes e regulares da equipe. Remanescente da temporada anterior e dono de um futebol clássico e vistoso, ele era o capitão e batedor oficial de pênaltis do time coral. A sua categoria na hora dos penais pode ser conferida no terceiro gol exatamente no momento decisivo da partida.