VITÓRIA DE 4X0 EM CIMA DO CEARÁ NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1953

Goleiro Juju, em dia de grande performance, intercepta mais um ataque alvinegro no jogo

Essa semana completou mais um aniversário de uma goleada histórica do Ferroviário em cima do Ceará. Depois de viver o esplendor da glória após uma melhor de três inesquecível contra o próprio alvinegro na decisão do Estadual de 1952, o time coral voltou a bater, de forma auspiciosa, o tradicional adversário no dia 19 de julho de 1953. Dessa vez, uma goleada de 4×0 pra ninguém botar defeito. Antoni fez dois gols, Nirtô também fez o seu e o zagueiro Paulo marcou contra suas própria redes naquela partida memorável. Apesar do placar elástico, o goleiro Juju viveu também uma tarde magistral, fazendo excelentes defesas nos momentos de pressão do Ceará. O jogo foi apitado por José Nogueira Filho e valia pelo 1º turno do campeonato cearense de 1953. Comandado por Babá, a onzena do Ferrão formou com Juju, Manoelzinho e Coimbra; Nozinho, Zé Maria e Jaime; Nirtô, Vicente Trajano, Macaco, Fernando e Antoni. O adversário perdeu com o futebol de Ivan, Paulo e Newton; Didi, Damasceno e Ramos; Pacatuba, Pipiu, Augusto, Ursulino e Liminha. Conhecido na época como ´Clássico das Multidões`, o jogo levou um excelente número de pessoas ao estádio Presidente Vargas. Apesar da expressiva vitória após os noventa minutos, a partida foi dura e os dois últimos gols do Ferroviário saíram após os 42 minutos da etapa final.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM RICARDO LIMA

Você confere acima mais uma Live do Almanaque do Ferrão realizada no Instagram, dessa vez com o ex-volante Ricardo Lima, bicampeão estadual com a camisa do Ferroviário nas temporadas de 1994 e 1995. O ex-capitão coral compartilhou suas principais memórias daquelas conquistas, falando sobre os principais jogos, os momentos mais emblemáticos, alguns de seus gols e também sobre sua passagem em outras equipes do futebol brasileiro, além de Portugal e Espanha, onde também atuou por vários anos. Foi mais um bate-papo para a posteridade da memória coral com aquele que foi uma das principais crias da nossa base na década de 1990. Aos domingos, às 21h30, no Instagram, a nossa Live recebe sempre um jogador do passado para resgatar resenhas e boas lembranças da trajetória coral em cada época. Não deixe de conferir, pois serão apenas dez episódios por temporada. Aproveite!

RICARDO LIMA, O CAPITÃO DO BI, NA LIVE DE DOMINGO NO INSTAGRAM

Ele foi um dos grandes nomes do Ferroviário Atlético Clube na década de 1990, participando ativamente como titular da equipe bicampeã estadual em 1994 e 1995. Dono de um futebol de extrema qualidade, forte marcação e excelente fundamento no passe, ganhou o mundo e passou várias temporadas no futebol espanhol. No próximo domingo, dia 19, no tradicional horário de 21h30, a Live do Almanaque do Ferrão no Instagram tem o privilégio de receber o ex-volante Ricardo Lima, que abrirá sua caixa de memórias com a torcida coral. Você não pode perder a chance de bater um papo com uma das principais crias das categorias de base do Ferrão em todos os tempos durante mais uma interação online. Antes dele, passaram pelo nosso perfil no Instagram nomes como Tiago Gasparetto, Arnaldo, Giancarlo, Ramirez, Acássio e Mazinho Loyola na primeira temporada de Lives do Almanaque do Ferrão.  

O DIA QUE O PONTA ESQUERDA DO FERRÃO TERMINOU JOGANDO NO GOL

Marco Antônio virou goleiro

Ferrão e Fortaleza faziam mais um Clássico das Cores pelo campeonato cearense de 1980, quando o árbitro Emanuel Gurgel observou o goleiro Salvino retardando o jogo, aos 42 minutos finais, e o expulsou do gramado. Como o treinador Lanzoninho já tinha efetuado as duas substituições permitidas, coube ao ponta esquerda Marco Antônio, ex-Corinthians/SP, colocar a camisa de goleiro e as luvas, ir para as traves e defender a meta coral nos minutos restantes. Esse jogo aconteceu, no PV, há exatos quarenta anos. O jogo foi 1×1. Ricardo Fogueira marcou para o Tubarão da Barra e Odilon empatou para o Fortaleza. Após a reclamação pelo expulsão do arqueiro coral, todo o banco de reservas terminou expulso. O Ferroviário sustentou o empate, apesar da pressão do Fortaleza, e faturou um ponto no hexagonal decisivo do 1º turno. Além de Corinthians e Ferrão, Marco Antônio defendeu o Londrina/PR e Atlético/GO. Depois que parou de jogar, o ex-atacante infelizmente teve envolvimento com drogas e acabou assassinado em 2 de outubro de 1994, aos 43 anos de idade, chegando a ser enterrado com indigente. Segundo o site Terceiro Tempo, do jornalista Milton Neves, foi graças à amiga Célia Maria Martins, que ele teve o corpo reconhecido posteriormente e pôde ser sepultado com dignidade no Cemitério da Vila Formosa, na zona leste de São Paulo.

VÍDEO RARO DE 1978 ENTROU NA INTERNET E REVIVE JOGO HISTÓRICO

O vídeo acima merece ser assistido várias vezes. É mais uma raridade do campeonato cearense de 1978, uma das maiores edições da centenária competição em todos os tempos, que apareceu recentemente na Internet. O aviso veio do pesquisador potiguar Zidney Marinho, que publicou a raridade em seu canal no YouTube. As imagens mostram os gols de um clássico contra o Ceará, válido pela triangular decisivo do certame. O jogo foi realizado no dia 10 de dezembro daquele ano, um domingo, e foi considerado a melhor partida do campeonato até então. O Ferrão merecia melhor sorte e no final, o 2×2 acabou sendo considerado injusto. O famoso árbitro Arnaldo César Coelho deixou de marcar um pênalti claro de Darci em cima de Luizinho. Os gols foram de Marcos e Jorge Bonga para o Tubarão da Barra, e Tiquinho, duas vezes, marcou para o Ceará. Abaixo, uma bela foto, colorida artificialmente, mostra a base coral naquele ano, praticamente a mesma onzena que atuou no jogo do vídeo em destaque.

Time base do Ferroviário em 1978 – Em pé: Gilberto, Lúcio Sabiá, Arimatéia, Jodecir, Paulo Maurício e Ricardo Fogueira; Agachados: Marcos, Jacinto, Paulo César, Doca e Babá

Treinado pelo estrategista Lucídio Pontes, o Ferrão empatou com Gilberto, Jorge Henrique, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Paulo Maurício, Doca e Jacinto (Jorge Bonga); Marcos (Luizinho), Paulo César e Babá. O Ceará de Moésio Gomes jogou com Sérgio Gomes, Júlio, Artur, Darci e Dodô; Edmar, Amilton Melo e Danilo Baratinha (Serginho); Jangada, Ivanir e Tiquinho. Repare na escala alvinegra, um meio campo de extrema qualidade, com os três atletas formados no próprio Ferroviário e,  eternamente, considerados como ídolos corais. O público no Castelão foi de 19.359 pagantes. Como já foi dito no blog anteriormente, a temporada de 1978 representa até hoje a melhor média de público da história do Ferroviário. Da equipe coral, o experiente Gilberto foi treinador de goleiros de Rogério Ceni no São Paulo/SP, a dupla de zaga Lúcio Sabiá e Arimatéia já é falecida e Paulo César mora no Equador há décadas.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM MAZINHO LOYOLA

Você confere acima mais uma Live do Almanaque do Ferrão realizada no Instagram, dessa vez com o ex-jogador e eterno ídolo coral Mazinho Loyola, revelação da Barra do Ceará e campeão cearense com a camisa do Ferroviário na temporada de 1988. Foi mais um bate-papo recheado de emoção, quando o craque coral compartilhou suas lembranças no futebol e expressou bastante um belo sentimento de gratidão em torno das pessoas que cruzaram com ele em sua trajetória no futebol, seja no próprio Ferroviário, mas também em suas passagens vitoriosas no Santa Cruz/PE, São Paulo/SP e Internacional/RS. Tivemos mais uma bela resenha para a posteridade da memória coral com aquele que foi uma das maiores revelações surgidas no celeiro de craques da Barra do Ceará. Não deixe de conferir a Live com Mazinho Loyola.

WALTER DEFENDE PÊNALTI E FERRÃO VENCE COM GOL CONTRA EM 1987

As imagens acima completam aniversário no dia de hoje. Foi no dia 12 de julho de 1987, quando Ferroviário e Ceará fizeram mais um clássico pelo campeonato daquele ano. A narração é de Ivan Bezerra na cobertura da TV Verdes Mares. O Tubarão da Barra escapou de tomar um gol no primeiro tempo, quando o centroavante Mauro Portaluppi cobrou e o goleiro Walter defendeu um pênalti. O atacante alvinegro vinha a ser o irmão mais novo do consagrado atacante, e hoje treinador, Renato Gaúcho. O Ferrão tinha uma equipe mesclada com jogadores experientes e outros egressos da base. Treinado por Erandy Montenegro, o time coral ganhou com Walter, Laércio, Arimatéia, Léo e Ramos; Zé Alberto, Edson e Mardoni (Renato); Mardônio, Narcélio (Cardosinho) e Carlos Antônio. Treinado pelo ex-zagueiro Moisés Matias, o Ceará perdeu com Washington, Reidene, Djalma, Argeu e Bezerra; Oliveira, Flávio (Douglas Neves) e Erasmo; Hílton (Victor), Mauro Portaluppi e Wanks. O gol da vitória saiu aos 30 segundos da etapa final. O Ferroviário bateu o centro e a jogada começou com o paraibano Ramos, que tocou para a progressão rápida entre o experiente Carlos Antônio e o jovem Mardônio. A bola bateu na trave e Bezerra, na ânsia de evitar a jogada, acabou marcando contra, perante um público pagante de 8.860 pessoas. Do time alvinegro, três jogadores passariam depois em campanhas de título do Ferroviário: o zagueiro Djalma, o meia Hílton e o ponta esquerda Wanks. Além deles, o zagueiro Argeu integrou o elenco coral no início do campeonato cearense de 1993.

ÁUDIO COM GOL DE LUIS SOARES NA SÉRIE D DO BRASILEIRO DE 2018

Essa semana completou dois anos da famosa decisão por pênaltis contra o Campinense/PB, que selou o acesso do Ferrão para a Série C do campeonato brasileiro. Para celebrar esse momento, o Almanaque do Ferrão eterniza agora um dos gols daquela brilhante campanha, em jogo disputado ainda na primeira fase da competição. No dia 28 de abril de 2018, o time coral recebeu o 4 de Julho do Piauí, no PV, e amargou mais um empate na competição, o segundo consecutivo naquele início de certame. No entanto, vale o registro em áudio do belo gol do atacante Luís Soares, que abriu o placar. Posteriormente, o atacante Ted, ex-jogador do próprio Ferrão, decretou o empate final. Veja a escalação coral e compare-a com o time que, pouco mais de três meses depois, sagrou-se brilhantemente campeão nacional. Ainda treinado por Maurílio Silva, o Ferrão formou com Léo, Lucas Mendes, Luís Fernando, André Lima e Marcelo Bispo (Vitinho); Mazinho, Leanderson, Janeudo (Róbson Simplício) e Esquerdinha; Luis Soares (Juninho Quixadá) e Edson Cariús. O time piauiense, treinado pelo ex-goleiro coral Jorge Pinheiro, atuou com Fábio Lima, Barata, Índio, Gilmar Bahia e Diguinho; Célio, Edinaldo (Dudu), Paulinho Mossoró (João Pedro) e Ted; Fabinho e Cleitinho (Chapinha). O baiano Reinaldo Silva de Santana apitou a partida, que teve 1.249 pagantes naquela tarde de sábado. Nesse jogo, o meia Janeudo perdeu um pênalti e o lateral direito Lucas Mendes foi expulso de campo. Abaixo, você recorda a narração de Kaio César e a participação de Dênis Medeiros na cobertura da Rádio Verdes Mares.

LIVE DO ALMANAQUE DO FERRÃO RECEBE MAZINHO LOYOLA

Ele foi um dos principais nomes do Ferroviário no final dos anos 1980. Além de participação ativa no título cearense de 1988, rendeu ao time coral uma rara e rentável negociação com o São Paulo/SP, um dos principais clubes do país na ocasião. No próximo domingo, dia 12, no tradicional horário de 21h30, a Live do Almanaque do Ferrão no Instagram vai receber o ex-atacante Mazinho Loyola, que abrirá sua caixa de memórias com a torcida coral. Além dos relatos sobre seu início de carreira no Tubarão da Barra, Mazinho vai compartilhar também suas últimas lembranças no futebol quando do enceramento da carreira no próprio time coral, em 2004, além de fatos importantes de suas passagens por times tradicionais do futebol brasileiro como Internacional/RS, Santa Cruz/PE, Corinthians/SP, entre outros. Em 2013, na escolha do Time dos Sonhos do Ferroviário, a famosa cria da Barra do Ceará figurou na onzena imaginária desejada pela galera coral. Mazinho Loyola será o sexto convidado da primeira temporada de Lives do nosso projeto. Antes dele, passaram pelo nosso perfil no Instagram nomes como Tiago Gasparetto, Arnaldo, Giancarlo, Ramirez e Acássio. Nos vemos no domingo! Pra aquecer a expectativa, reproduzimos novamente a primeira matéria de destaque que nosso convidado mereceu da TV no início de sua carreira.

VÍDEO DOS GOLS DE UMA TARDE ARRASADORA DO FERRÃO EM 1989

Mardônio: golaço

Cinco anos atrás, publicamos sobre o jogo em 1989 que o ataque coral conseguiu ser mais arrasador que a performance da Alemanha contra o Brasil, na Copa de 2014. Lembra? Na ocasião, destacamos o resgate do áudio dos cinco gols do Ferrão na cobertura da Rádio Assunção de Fortaleza, durante aquela tarde de sábado na Barra do Ceará. Hoje, 8 de julho, temos mais um aniversário daquele momento arrasador do ataque coral e do massacre alemão, coincidentemente ambos na mesma data, com a diferença de 25 anos entre os fatos. Foram quatro gols  em apenas cinco minutos contra o Quixadá. Depois de um primeiro tempo em branco, o Ferrão voltou para o segundo tempo em ritmo impulsivo e conseguiu o feito de já vencer por 4×0 aos cinco minutos da etapa final. Aos 9 minutos, mais um gol, o último da goleada de 5×1. Abaixo, resgatamos o vídeo com os gols do Ferroviário naquele jogo. A narração é de Ivan Bezerra da TV Verdes Mares. O destaque principal ficou para o centroavante Cacau, artilheiro maior do campeonato cearense daquele ano. Porém, a beleza plástica do golaço do ponta direita Mardônio também merece o devido reconhecimento no último gol coral. Deleite-se com as imagens daquela partida realizada no próprio estádio do Ferroviário Atlético Clube há mais de trinta anos.