RUY DO CEARÁ COMPLETOU 80 ANOS DE IDADE NA SEMANA PASSADA

Dr. Ruy: um dos maiores do futebol cearense

Ele é certamente um dos três maiores dirigentes da história do futebol cearense. Na semana passada, Ruy do Ceará, ex-diretor de futebol do Ferroviário Atlético Clube, completou 80 anos de vida. Infelizmente, poucos veículos de comunicação renderam-lhe homenagens. Lúcido e de uma memória invejável, Dr. Ruy participou ao vivo no último domingo de um programa esportivo da Rádio Assunção de Fortaleza, apresentado pelo radialista Paulo Santiago e que antecede à transmissão do jogo de futebol principal da rodada. Como não poderia deixar de ser, Ruy do Ceará recordou os bons momentos de sua trajetória no Ferroviário como os títulos estaduais de 1968, 1970 e 1979, bem como do seu trabalho de construção do patrimônio coral até hoje existente, além de evidenciar nomes de sua geração como Elzir Cabral, José Rego Filho e Chateaubriand Arrais. Foram cerca de 40 minutos de boas narrativas sobre o cotidiano coral de sua época. Disse ainda que costuma ir aos jogos mais importantes com os filhos e citou o clássico Ferroviário x Fortaleza como o tipo de jogo que ele gosta de estar presente. Poucas horas depois, o Ferrão fez 2×0 em cima do Fortaleza para alegria do aniversariante. Dr. Ruy é um dos nomes eternos do Ferrão.

FERRÃO DESBANCA O LEÃO E QUEBRA JEJUM DE 6 ANOS NO ESTADUAL

A vitória do Ferrão ontem em cima do Fortaleza foi simplesmente grandiosa. Teve olé, alta performance de todos os jogadores e muito empenho. Teve gol histórico – e que golaço – da cria da casa Mota, aos 36 anos de idade, o primeiro dele com a camisa do time que o lançou no futebol. “Mota: com ele não tem marmota“, gritava Anastácio de Castro, narrador da Rádio Cidade AM 860 de Fortaleza. Os melhores momentos no vídeo acima, extraídos da excelente cobertura do Esporte Interativo, mostra bem toda a emoção da vitória do Ferrão. Não vencíamos o Fortaleza em jogos pelo campeonato cearense desde 2011. A vitória merece ainda mais destaque se levarmos em consideração que foi apenas a quarta vitória coral em cima do Leão nos últimos 10 anos. Sem dúvida, um retrospecto que incomoda se puxarmos pela memória os massacres corais tão comuns nos anos 90. Tudo bem que houve uma vitória coral na Taça Fares Lopes de 2015, mas torcedor gosta mesmo é quando o jogo vale pelo campeonato cearense. É mais gostoso e em se tratando de jogo decisivo, melhor ainda, pois agora vale pela semifinal do Estadual.

Gigante atacante Mota marca contra o Fortaleza no Castelão: com ele não tem marmota

Aquele último triunfo em 2011 agora ficou definitivamente no passado. O gol da vitória do Juranílson não tem mais o peso que tinha. Agora, é de se lembrar os tentos de Tony Belém e do grande Mota. Mauro, Gustavo, Tony Belém, Erandir e Jeanderson; Jonathas, Glauber (Moisés Lucas), Mimi e Mota; Assisinho (Valdeci) e Vitinho (Maxuell) foi a nossa escalação nesse memorável jogo de número 3.575 da história coral. Aquele outro, o de número 3.354, de 20 de março de 2011, também teve seus artífices na formação que alinhou com Ari, Arlindo Maracanã, Lúcio, Rafael e Teles; Marcelo Mendes, Glaydstone, Reginaldo (Vinícius) e Piva; Juranílson (Ediglê) e Rômulo (Fábio Lima). Naquele domingo distante, o goleiro Ari defendeu até pênalti, mas Arlindo Maracanã também perdeu o seu. O de ontem, Mauro salvou com os pés na hora mais complicada. São detalhes dos nossos dois últimos Clássicos das Cores mais felizes. Sempre lembrando que tem outro no domingo que vem e a final do campeonato é algo plenamente possível para nós. Enquanto ela não chega, dá uma olhada abaixo só por curiosidade no jogo de 2011. E viva o Ferrão de hoje! Vamos em frente!

SHOPPING FAZ ANIVERSÁRIO E SURGEM AS COINCIDÊNCIAS DA VIDA

Shopping Center Iguatemi de Fortaleza em 1982

O Shopping Center Iguatemi comemora hoje seu 35º aniversário. À tarde, no Castelão, Ferroviário e Fortaleza fazem o primeiro jogo decisivo válido pelas semifinais do campeonato cearense.  Mas o que um evento tem a ver com o outro? Existe uma grande coincidência reservada para esse dia 2 de abril. Na noite de sua inauguração, naquela já longínqua sexta-feira, dia 2 de abril de 1982, o shopping mais tradicional de Fortaleza dividiu as atenções também com um Clássico das Cores. Tratava-se de um amistoso preparatório para o campeonato cearense, que estava prestes a começar. Um público de 2.630 pessoas pagou para ver a vitória do Fortaleza por 3×1, gols de Beto (2) e Geraldinho para o Tricolor do Pici, enquanto o ponta esquerda Babá descontou para o Ferrão. Eduardo Florentino foi o árbitro da partida realizada no PV.

Roberto Cearense, Meinha e Babá no Ferroviário

Treinado por Paulo Murilo Pardal, o Ferroviário perdeu o jogo no dia da inauguração do Iguatemi atuando com Giordano, Laércio, Goes, Júlio e Jorge Henrique; Augusto, Meinha e Ednardo (Jorge Bonga); Carlos Brasília, Roberto Cearense e Babá (Almir) (Ferreti). O Fortaleza, do técnico Célio de Sousa, venceu com Sérgio Monte, Alexandre, Lineu, Celso Gavião e Clésio (Sabiá); Pedro Basílio (Nélson), Viegas e Zé Eduardo (Totô); Geraldinho, Beto e Edmar (Evilásio). Oito meses depois daquele amistoso, Ferroviário e Fortaleza fizeram a grande final do campeonato cearense de 1982. O Ferrão ficou com o vice-campeonato. Tantos anos depois, temos um novo Clássico das Cores decisivo e isso por si só já merece uma comemoração. Que os rumos de 2017 possam ser diferentes, apesar das coincidências.

DISPUTA DE PÊNALTIS, EMOÇÃO VITÓRIA, SEMIFINAL E BRASILEIRO

Vale a pena ver o vídeo acima. São imagens da disputa de pênaltis entre Ferroviário e Horizonte no último domingo. A narração é de Irismar França e a reportagem é de Danilo Queiroz, ambos da Tribuna Bandnews FM de Fortaleza. Depois do empate em 1×1 no tempo normal, as cobranças de pênaltis definiram por 4×2 a passagem do Ferroviário para a semifinal do campeonato cearense e, de quebra, garantiu o time coral na Série D do campeonato brasileiro de 2018, algo que não acontecia desde a temporada de 2009. Assisinho, Maxuell, Jonathas e Vitinho converteram suas cobranças para o Tubarão da Barra. O goleiro Mauro defendeu a cobrança de Doda e depois o que se viu foi uma autêntica festa coral em pleno estádio do adversário. Foi o jogo 3.574 da trajetória coral e já faz parte de uma das nossas histórias mais bonitas e emocionantes. Com final feliz.

O CARNAVAL DAVA A DICA DE O QUE SERIA CAPAZ DE PARAR JOMBREGA

Bloco ´Cordão das Coca Colas` no carnaval de Fortaleza fazia alusão à jogador do Ferroviário

O carnaval desse ano passou, mas deixou resgatado essa foto histórica de meados dos anos 40. O aviso foi do pesquisador Ciro Câmara, jornalista cearense apaixonado por futebol e, em particular, pela pesquisa esportiva. Era o ´Cordão das Coca-Colas`, antigo bloco carnavalesco de Fortaleza onde os homens se vestiam de mulher. Um dos rapazes ou das moças, como queiram, segura um placa com a frase: “Detefon para Jombrega“. Estaria ele se referindo ao grande artilheiro cearense Jombrega? Ciro Câmara aposta que sim e é muito provável que esteja certo. Jombrega chamava-se Francisco José Róseo de Oliveira e jogou no Fortaleza, Maguary, Ferroviário e até no Corinthians/SP, segundo dados do Almanaque do Timão, de autoria de Celso Unzelte. No Ferrão, Jombrega acumulou passagens entre 1940 e 1946, disputando 38 jogos e marcando 26 gols. Conquistou 2 títulos pelo Ferroviário: o Torneio Início e a Taça General Mascarenhas, ambos na temporada de 1940. Segundo interpretações, a placa indica o que poderia parar Jombrega, um verdadeiro fenômeno dentro dos campos de Fortaleza. Talvez só mesmo o Detefon, um dos principais e mais famosos inseticidas da época, muito comum na boca do povo até a década de 80. Lembrou do Detefon? Dá uma olhada na publicidade abaixo.

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

FERRÃO TEM A CHANCE DE ACABAR COM TABUS NA ATUAL TEMPORADA

Ferroviário e Horizonte vivem semana decisiva no campeonato cearense. As duas equipes se enfrentam nos dias 12 e 26 de março em confrontos de ida e volta. O primeiro jogo será no Castelão e só uma das duas equipes passam para a semifinal do campeonato cearense de 2016. Pra seguir em frente, o Ferrão precisa fazer o que há 4 anos não consegue: vencer o Horizonte. É verdade que dois empates e vitória nos pênaltis também resolve, mas derrotar o adversário no jogo de 180 minutos credencia o time coral a buscar uma final estadual depois de 19 anos. A vaga na Série D também é um dos objetivos. Mas você é capaz de lembrar do time que derrotou o Galo do Tabuleiro pela última vez? Veja a foto abaixo. Foi no dia 6 de fevereiro de 2013: 1×0 no Domingão.

Ferroviário Atlético Clube em fevereiro de 2013 – Em pé: Fernando Júnior, Cleylton, Valdo, Henrique, Giancarlo e Lima; Agachados: Everton, Leandro Sobral, Foguinho, Ted e Tinga

Naquela oportunidade, o gol da vitória foi marcado pelo volante Leandro Sobral, que depois defendeu o próprio Horizonte, Campinense/PB e atualmente está no Altos/PI. Treinado pelo gaúcho Gilson Maciel, o Tubarão da Barra venceu com Fernando Júnior, Everton, Valdo, Cleylton e Tinga; Lima (Luisinho), Foguinho, Leandro Sobral e Henrique (Chico); Ted (Sami) e Giancarlo. O Horizonte perdeu com Jéfferson, Moisés Lucas (Jack Chan), Breno, Airton Júnior e Thalison; Válter, Albano, Erivélton e Moisés Rato (Rennan); Júnior Mineiro e Reginado Júnior (Torres). Dos quatorze jogadores utilizados pelo adversário nesse jogo, nada menos que 11 atletas haviam vestido ou vestiriam depois a camisa do Ferroviário, mais um indicativo da concepção do embrião do Horizonte dentro da própria estrutura coral ao longo do tempo, fato este já abordado em postagem anterior.

Uma outra vitória do Ferrão dentro de Horizonte aconteceu em 2009, também pelo campeonato cearense, no dia 5 de março. Triunfo por 3×2 que você pode conferir no vídeo acima. Os gols foram marcados por Wescley, duas vezes, e Menezes. Dudu e o falecido Ton Ton descontaram para o Galo do Tabuleiro. Confira a formação coral naquela noite: Jéfferson, Rodrigo, Paulo Paraíba (Guto), Menezes e Cleiton Cearense; Válter, Róbson Simplício, Diego e Vidinha (Dino); Wescley e Léo Jaime (João Neto); O Horizonte perdeu na ocasião com Fábio Lima, Andrezinho, Da Silva, Ton Ton e Tiago; Reginaldo, Tiago Costa (Preto), Júnior Cearense e Anderson (Teles); Stênio e Dudu. Desses, seis jogadores vestiram a camisa do Ferroviário em temporadas anteriores. Voltando para 2017, o desejo é que a atual geração de jogadores do Ferrão quebre o tabu de 4 anos sem vitórias contra o Horizonte e que possam se inspirar nos exemplos citados acima.