REPÓRTER TROCANDO IDEIAS COM O BICAMPEÃO CEARENSE NASA

O vídeo acima é de uma grande importância histórica. Diretamente de Juazeiro do Norte, o repórter Tony Sousa entrevista, em seu canal no YouTube, o ex-jogador coral Nasa. Vale a pena conferir as recordações do bicampeão cearense pelo Ferrão na década de 1990. Durante pouco mais de meia hora, o ex-jogador relembra a origem de seu apelido e histórias de quando chegou a ser goleiro no início de sua carreira em Pernambuco, além da chegada ao futebol cearense e sua transferência para o Ferroviário. Nasa fala ainda de sua trajetória no Vasco/RJ e no futebol japonês. Na Barra do Ceará, Nasa chegou como volante, mas fixou-se na lateral direita na temporada de 1994. No bicampeonato no ano seguinte, alternou partidas como volante e lateral. Em 2013, na eleição do Time dos Sonhos do Ferroviário, a torcida coral o apontou como o melhor lateral direito entre todos os que vestiram a camisa do Tubarão da Barra. Em três temporadas, Gesiel José de Lima entrou em campo 76 vezes e marcou 7 gols com a camisa coral. Não deixe de conferir esse belo registro histórico.

VÍDEO RARO DE 1978 ENTROU NA INTERNET E REVIVE JOGO HISTÓRICO

O vídeo acima merece ser assistido várias vezes. É mais uma raridade do campeonato cearense de 1978, uma das maiores edições da centenária competição em todos os tempos, que apareceu recentemente na Internet. O aviso veio do pesquisador potiguar Zidney Marinho, que publicou a raridade em seu canal no YouTube. As imagens mostram os gols de um clássico contra o Ceará, válido pela triangular decisivo do certame. O jogo foi realizado no dia 10 de dezembro daquele ano, um domingo, e foi considerado a melhor partida do campeonato até então. O Ferrão merecia melhor sorte e no final, o 2×2 acabou sendo considerado injusto. O famoso árbitro Arnaldo César Coelho deixou de marcar um pênalti claro de Darci em cima de Luizinho. Os gols foram de Marcos e Jorge Bonga para o Tubarão da Barra, e Tiquinho, duas vezes, marcou para o Ceará. Abaixo, uma bela foto, colorida artificialmente, mostra a base coral naquele ano, praticamente a mesma onzena que atuou no jogo do vídeo em destaque.

Time base do Ferroviário em 1978 – Em pé: Gilberto, Lúcio Sabiá, Arimatéia, Jodecir, Paulo Maurício e Ricardo Fogueira; Agachados: Marcos, Jacinto, Paulo César, Doca e Babá

Treinado pelo estrategista Lucídio Pontes, o Ferrão empatou com Gilberto, Jorge Henrique, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Paulo Maurício, Doca e Jacinto (Jorge Bonga); Marcos (Luizinho), Paulo César e Babá. O Ceará de Moésio Gomes jogou com Sérgio Gomes, Júlio, Artur, Darci e Dodô; Edmar, Amilton Melo e Danilo Baratinha (Serginho); Jangada, Ivanir e Tiquinho. Repare na escala alvinegra, um meio campo de extrema qualidade, com os três atletas formados no próprio Ferroviário e,  eternamente, considerados como ídolos corais. O público no Castelão foi de 19.359 pagantes. Como já foi dito no blog anteriormente, a temporada de 1978 representa até hoje a melhor média de público da história do Ferroviário. Da equipe coral, o experiente Gilberto foi treinador de goleiros de Rogério Ceni no São Paulo/SP, a dupla de zaga Lúcio Sabiá e Arimatéia já é falecida e Paulo César mora no Equador há décadas.

O INESQUECÍVEL FERROVIÁRIO QUE DESBANCOU CEARÁ E FORTALEZA

A ´Máquina Coral` dos anos 1990 já foi motivo de algumas postagens aqui no blog. Como dizia o saudoso Antônio Estelita Aguirre, diretor de comunicação do Ferroviário naquele período: “Antes quando o jogo era contra o Ceará ou Fortaleza, a gente ia pro estádio com medo, hoje a gente vai com pena“. A frase emblemática reproduz bem a supremacia coral absoluta no futebol cearense entre 1994 e 1995. O vídeo acima é do canal Última Divisão e faz um ótimo apanhado estatístico daquela época. Aplausos para a pesquisa, riqueza de detalhes e de informações passadas por profissionais que observam um feito ocorrido já há quase um quarto de século e, mesmo à distância, são capazes de valorizar com detalhes algo que, na maioria das vezes, passa  diariamente despercebido para a própria imprensa cearense, tão afeita apenas aos “feitos” de Ceará e Fortaleza. O bicampeonato coral representou a última vez que um “intruso” resolveu quebrar a hegemonia da dupla local na galeria dos campeões estaduais. Vale, portanto, eternizar ainda mais aquele feito em cada um dos 13 minutos do vídeo acima.