A PASSAGEM DO EXPERIENTE GOLEIRO GILBERTO PELO FERRÃO

Favor não confundir com o goleiro homônimo que jogou no Ferrão em 1978. A foto acima é do pernambucano Gilberto, também goleiro, que disputou 10 partidas com a camisa coral na temporada do ano 2000. Gilberto viveu sua grande fase no futebol no início dos anos 1990 com a camisa do Sport/PE, o que lhe valeu uma rentável negociação para defender as cores do São Paulo/SP. Defendeu ainda o Santos/SP e o América/MG, entre outras equipes, antes de desembarcar no Ceará no final da mesma década. No início da temporada 2000 foi anunciado pelo Fortaleza como novo reforço e chegou a vestir o uniforme do clube durante um dia de treino no Pici. Acabou não assinando contrato, pois cogitou receber uma melhor proposta vinda do Paysandu/PA, que acabou não se concretizando. O Fortaleza não gostou do comportamento do atleta e desistiu do acerto. Gilberto foi oferecido ao Ferroviário pelo ex-arqueiro Banana, que atuava na ocasião como seu representante. Insatisfeito com a performance dos jovens Zenga e Wágner nos primeiros jogos do Campeonato Cearense, o experiente Gilberto foi contratado e fez sua estreia pelo Tubarão da Barra, no dia 9 de fevereiro de 2000, contra o Crato, no Elzir Cabral. Foram apenas dois meses no clube, durante um período bastante conturbado da história coral, que acabou combinando com uma série de outros problemas de relacionamento vividos pelo arqueiro na Barra do Ceará. Na sequência de sua carreira, conseguiu viver novamente um bom momento no Náutico/PE. Pendurou as luvas e virou treinador de goleiros com atuação recorrente em times do próprio futebol pernambucano.

AS CONTRATAÇÕES CORAIS NO INTERVALO DO ESTADUAL DE 1992

Resgatamos acima imagens da TV Jangadeiro e TV Verdes Mares em julho de 1992. Pouca gente lembra, mas nesse período, o então dirigente da base coral Clóvis Dias acabara de assumir a direção de futebol e contratou vários jogadores para o restante do Campeonato Cearense. Crias do Corinthians/SP, chegaram Wágner, Agnaldo e Marcelo, que acabou não ficando no elenco. Clóvis investiu ainda em quatro nomes rodados do futebol brasileiro: o volante Dudu, ex-Vasco/RJ, o lateral esquerdo João Luís, ex-Fluminense/RJ, o atacante Rodinaldo, ex-Palmeiras/SP e o goleiro Jorge Carioca, ex-Campo Grande/RJ. O experiente zagueiro Edson Oliveira, vindo do São Caetano/SP, também chegou. Dois meses depois, o famoso atacante Helinho, ponta-direita com belíssima passagem pelo Botafogo/RJ, também se apresentou na Barra do Ceará, anunciado após a desistência do Fortaleza pela sua contratação. Mesmo tendo desembarcado no Pici, Helinho acabou não ficando em razão de um problema detectado no joelho durante o exame médico. Por um desses caprichos do futebol, o jogador estreou com a camisa coral justamente contra o Fortaleza, no PV, e marcou um gol. Sob o comando do treinador Celso Gavião, estes foram os primeiros nomes trazidos pelo dirigente Clóvis Dias para o Ferroviário Atlético Clube, durante sua curta passagem pela direção de futebol no Estadual de 1992. No final de fevereiro do ano seguinte, ele saiu novamente da base coral, dessa vez para a assumir a presidência do clube, transformando-se num dos dirigentes mais vitoriosos da nossa história. Clóvis Dias mereceu um capítulo em sua homenagem no livro ´Crônicas Corais`, lançado no final do ano passado.