UM NOVATO E DOIS VELHOS CONHECIDOS NA COPA DO NORDESTE

O Globo/RN é o novato entre os tradicionais

O Ferrão conheceu ontem seus adversários de chave na fase inicial da Copa do Nordeste. O time coral está no Grupo B e enfrentará ABC/RN, Vitória/BA e Globo/RN. Deles, apenas a emergente equipe potiguar do Globo nunca enfrentou o Tubarão da Barra em anos anteriores. ABC e Vitória, por outro lado, são velhos conhecidos. O Ferrão enfrentou a equipe baiana pela primeira vez em 1953 e, na temporada de 2006, foram quatro memoráveis confrontos pela Série C do campeonato brasileiro, sendo duas vitórias para cada time naquela ocasião. Por sua vez, o ABC de Natal tem sido um recorrente adversário na história coral, seja em jogos amistosos, torneios comemorativos, campeonatos nacionais e até mesmo em quatro edições da Copa do Nordeste, em 1968, 1970, 1997 e 1999. Por coincidência, ABC e Vitória também foram adversários do Ferroviário na mesma chave da Copa Ecohouse, competição promovida pelo Alecrim/RN durante o segundo semestre de 2013. A próxima edição da Copa do Nordeste começa em fevereiro de 2018 e terá a cobertura televisiva do Esporte Interativo.

DEZ ANOS DE UMA VITÓRIA DE VIRADA NOS MINUTOS FINAIS

Era um 17 de agosto como hoje, só que há 10 anos. O Ferrão fazia ótima campanha na Série C nacional de 2006 e vencia o Porto de Caruaru, no PV, numa virada emocionante. O time pernambucano marcou primeiro com o jogador Arlindo e vencia por 1×0 até os 41 minutos do segundo tempo. O Tubarão da Barra fez pressão e arrancou a virada na base da garra com gols do lateral esquerdo Guarilha e do volante Marcelo Mendes, dois jogadores não muito afeitos a marcar gols. Confira no vídeo acima disponibilizado na época na Internet. Foi o jogo 3.165 da nossa história, válido pela segunda fase da terceira divisão brasileira, que teve Paulo Jorge Rodrigues como árbitro e 2.000 corais no estádio.

Marcelo Mendes: autor do gol da vitória

O jogo contra a equipe pernambucana marcou a aguardada estreia do atacante Sérgio Alves com a camisa coral. Goleador e veterano, ele entrou no segundo tempo no posto do meia Ernandes, que atuou como lateral. Treinado por Arnaldo Lira, o Ferroviário Atlético Clube jogou com Jéfferson, Marcos Pimentel, Tiago Gasparetto, Nemézio e Ernandes (Sérgio Alves); Horácio (Tales), Marcelo Mendes, Glaydstone e Diego; Stênio e Fernandinho (Guarilha). O Porto/PE perdeu com Marquinhos, Suéliton, Rodolfo, Romero e Arlindo; Anderson, Sérgio, Cléberson (Márcio) e Cleiton (Stanley); Joelson (Laelson) e Fábio Silva. A chave coral na segunda fase da Série C de 2006 tinha ainda Vitória/BA e Confiança/SE. O Ferrão conseguiu a classificação para a terceira fase e, posteriormente, chegou ao octogonal decisivo da competição, quase logrando um tão sonhado acesso para a Série B nacional.

125 GOLS ASSINALADOS NUMA MESMA FOTOGRAFIA ANTIGA

1 005_2

Nasa, Batistinha e Acássio antes de mais uma partida do Ferroviário no Estádio Elzir Cabral

O retrato de hoje equivale a 125 gols do Ferroviário marcados nos anos 90. Em foto histórica no Elzir Cabral, reveja três jogadores corais que marcaram época: o lateral direito/volante Nasa (76 jogos e 7 gols), o atacante Batistinha (80 jogos e 44 gols) e o meio campista Acássio (132 jogos e 74 gols). Um pernambucano, um piauiense e um bom baiano respectivamente. Depois de passarem pelo Ferrão, Acássio e Nasa atuaram pelo Vasco/RJ. Batistinha, cria do Flamengo/PI, jogou ainda em times tradicionais do futebol brasileiro como Vitória/BA, ABC/RN, Remo/PA e Santa Cruz/PE. Nomes eternos!

MATÉRIAS DA TV SOBRE A VOLTA DO GOLEIRO ROBINSON AO FERROVIÁRIO

Ari Bezerra, esse novo goleiro do Ferroviário veio da Seleção da Dinamarca?”, perguntou no ar o comentarista Chico Rocha na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza na tarde do dia 26/6/1988. Era a estreia de Robinson, que usava um uniforme preto com mangas vermelhas, contrastando com seus cabelos nórdicos. A vitória de 1×0 em cima do América, no PV, era apenas o início de uma trajetória que o consagrou em dois momentos como um dos mais destacados goleiros da história coral. Foram 15 partidas em 1988 e suas grandes defesas ajudaram o Ferrão a conquistar o campeonato cearense daquele ano, despertando o interesse do Vitória/BA que o levou após a competição. Dois anos depois, em agosto de 1990, Robinson voltou a Barra do Ceará com fama de ídolo para a disputa antecipada do Estadual de 91 e foi vice-campeão do 1º turno, perdendo a final para o Fortaleza. Foram mais 20 partidas com a camisa coral naquela época. O Almanaque do Ferrão resgata abaixo duas matérias de televisão que enfocavam o retorno de Robinson ao Ferroviário em 1990. Viaje no tempo!