SPORT 3X3 FERRÃO: UM JOGO ÉPICO PARA SER ETERNAMENTE LEMBRADO

O Ferrão viveu na noite de ontem um momento épico que será lembrado daqui a cem anos. Pela primeira vez na história, o time coral passou para a terceira fase da Copa do Brasil e o feito aconteceu de uma forma simplesmente emocionante. Jogando na Ilha do Retiro, em Recife, estádio de propriedade do adversário Sport/PE, enfrentando um time justamente da Série A nacional e com um orçamento infinitamente superior ao do Tubarão da Barra, a classificação teve requintes de extrema emoção e repercutiu em todos os noticiários do país. Sem dúvida, um feito histórico, épico e inesquecível sob todos os aspectos porque o Ferrão perdia por 3×0 até os 30 minutos do 2º tempo e. empatou o jogo em 11 minutos, levando a partida para os pênaltis. Venceu por 4×3 nas penalidades e passou de forma inédita para a terceira fase da competição. O vídeo abaixo vale a pena ser assistido. Foi a edição local do Globo Esporte de hoje na TV Verdes Mares de Fortaleza, inclusive com direito à vídeo enviado pelo consagrado ex-jogador Jardel parabenizando o feito do time que o revelou para o futebol mundial.

Estamos falando do jogo 3.596 da trajetória de 85 anos do Ferroviário Atlético Clube. O recém contratado Mazinho marcou duas vezes e Valdeci empatou a partida, que teve transmissão para todo o pais pela Fox Sports, emissora que detém os direitos de transmissão da Copa do Brasil. Hoje, os jornais cearenses amanheceram estampando o grande feito coral em manchetes de capa. Além disso, todos os programas esportivos pelo território brasileiro comentaram a vitória de Davi em cima de Golias, metáfora usada pelo ex-atacante Sérgio Alves em seu comentário diário na TV Jangadeiro de Fortaleza, onde partida do programa ´Futebolês` com uma equipe de primeira linha. Em síntese, o dia 15/02/2018 será para sempre lembrado como um dos jogos mais épicos da história coral. Vale a pena inclusive rever o gol de empate do Ferrão com a narração de Kaio Cézar da Rádio Verdes Mares de Fortaleza diante do que parecia improvável. Podemos dizer que ontem presenciamos o ´Milagre da Ilha`?

FERRÃO IGUALA HISTÓRIA E DOBRA VANTAGEM EM CIMA DO CONFIANÇA

Depois de 14 anos, o Ferrão voltou a disputar a Copa do Brasil, uma das competições mais democráticas do futebol nacional. Ao bater o Confiança/SE por 2×1 em jogo único, realizado ontem à noite no Estádio Presidente Vargas, o time coral igualou sua marca histórica de chegar à segunda fase da competição, fato ocorrido em 2004 quando o Tubarão da Barra primeiro teve que passar pelo América/RN para pegar o Corinthians/SP na sequência do campeonato. Dessa vez, o adversário da segunda fase será o Sport/PE e será uma grande oportunidade para o Ferrão fazer história e chegar à terceira fase da Copa do Brasil de forma inédita. O jogo será na Ilha do Retiro, em Recife, onde o Ferroviário não se apresenta desde 1981. O resultado de ontem em cima do Confiança ainda dobrou a vantagem coral em termos de números de vitórias contra o time sergipano. Agora, em sete confrontos na história, o Ferrão ostenta 4 vitórias (1984, 1997, 2006 e 2018) contra apenas 2 vitórias do Confiança (1984 e 1997). Ocorreu ainda um empate entre ambos na Série C de 2006. Dá pra dizer que o Confiança é freguês do Tubarão da Barra? Talvez. Por que não? Confira abaixo a excelente vitória coral de ontem com um mix das imagens da Tv Artilheiro e a narração de Antero Neto da Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Vale a pena!

VOCÊ SABE POR ONDE ANDA O CRAQUE PARANAENSE DENÔ?

Ex-craque Denô, com seus cabelos brancos, ensina uma nova geração de jogadores numa escolinha

Ele entrou em campo 63 vezes com a camisa do Ferroviário e era um craque na verdadeira acepção da palavra. Marcou 23 gols no total e está na lista dos campeões estaduais de 1988, assinalando inclusive 4 gols no campeonato cearense, durante os seis meses que permaneceu na Barra do Ceará naquela temporada. Estamos falando de Lindenor Barbosa de Araújo, o Denô, ex-jogador paranaense, nascido em Curitiba, que despontou no futebol pernambucano e vestiu camisas importantes do futebol brasileiro. Ele mora em Recife desde que pendurou as chuteiras. Aos 56 anos de idade, Denô tem uma escolinha de futebol na capital pernambucana, enveredou pela carreira de empresário de atletas e ainda bate uma bolinha entre seus veteranos amigos do futebol.

Craque Denô com a meninada coral

Denô surgiu no Sport/PE no final da década de 70. Em 1982, a categoria do jogador chamou a atenção do Internacional/RS e ele foi negociado numa transação que foi comentada em todos os noticiários esportivos do país. Sem reeditar o mesmo brilho em Porto Alegre, acabou retornando para Pernambuco em 1984, onde defendeu o Náutico/PE. Em outubro de 1985, Denô foi contratado em definitivo pelo Ferroviário, numa negociação que abalou as estruturas do futebol cearense em razão da enorme qualidade técnica do jogador. A dupla Caetano Bayma e Vicente Monteiro adquiriu o passe do atleta pela quantia de 200 mil cruzeiros e Denô fez sua estreia pelo Ferrão na noite de 31 de outubro, contra o Fortaleza, no PV. Três dias depois, num domingo à tarde, já deixava sua marca, assinalando seu primeiro gol com a camisa coral contra o Calouros do Ar. Denô encaixou como uma luva no grande time comandado pelo experiente treinador Caiçara. Ele permaneceu para a temporada de 1986, foi emprestado para o Fortaleza no segundo semestre daquele ano para as disputas do campeonato brasileiro, esteve no ASA/AL no ano seguinte e retornou para o Ferrão no início de 1988, de onde saiu no final de junho para defender o Bragança de Portugal. Foram vários anos atuando no futebol português por sete equipes diferentes, com uma passagem ainda pelo futebol chinês em meados dos anos 90, antes de encerrar definitivamente a carreira na temporada europeia de 1999/2000.

Denô em foto recente no Recife

Recentemente, o ex-jogador do Ferroviário Atlético Clube esteve na Arena Pernambuco para uma partida com amigos de Recife e ex-atletas. Apesar de ter parado profissionalmente, o futebol continua no sangue de Denô. O ex-craque coral tem um filho que joga futebol na Europa e segue os passos do pai. Para matar a saudade da passagem de Denô pelo futebol cearense, o Almanaque do Ferrão vasculhou os arquivos e encontrou um áudio raro da temporada de 1985 em que o ex-jogador é entrevistado pelo repórter Bosco Farias, da Rádio Verdes Mares de Fortaleza, em dezembro daquele ano, antes de uma partida do campeonato cearense. Na ocasião, a torcida coral gritava o nome do jogador, fato este destacado na própria entrevista que você pode ouvir abaixo. A titulo de curiosidade, o áudio abaixo chegou a ser veiculado, há alguns anos, no programa Rádio Ferrão, onde o locutor Saulo Tavares desafiava os torcedores corais a responderem, por telefone, o quadro ´De quem é essa voz?`. Aproveite o áudio raro e volte mais de 30 anos no tempo para recordar a voz e conferir um depoimento de Denô antes de entrar em campo com a gloriosa camisa coral.

AQUELA VINHETA MUSICADA QUE ANUNCIAVA A ESCALAÇÃO CORAL

Em tempos onde o futebol profissional do Ferroviário anda infelizmente desativado, esperando a próxima temporada, é sempre doloroso para o torcedor coral ficar privado de ver seu time em campo em mais um domingo. Já são quase quatro meses longe dos gramados. O jeito é recorrer ao arquivo do Almanaque do Ferrão e refrescar a memória de dias que o tempo não apaga. Escute o áudio acima. Trata-se de Gomes Farias, um dos maiores nomes da história da radiofonia cearense, anunciando a escalação do Ferrão antes de uma partida pelo campeonato cearense de 1985. A Rádio Verdes Mares tinha uma vinheta especialmente preparada para a situação. Quem tem mais de 40 anos certamente vai lembrar da musiquinha. O time entraria em campo com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nelson, Arnaldo e Denô; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Foguinho. Foi uma das melhores formações da história coral. Ouça e volte no tempo.

VOLTE ATÉ 1980 E ESCUTE OS GOLS DE FERROVIÁRIO 5×1 TIRADENTES

montenegro e lanzoninho

Montenegro e Lanzoninho em 1980

O Almanaque do Ferrão liga hoje a máquina do tempo e volta até 1980, mais precisamente no domingo, dia 31 de julho. Ferroviário e Tiradentes jogavam, no PV, pela largada do 2º turno do campeonato cearense. Motivado pela conquista recente do 1º turno, o Ferrão atropelou o Tigre com gols de Nilsinho, Jacinto, Celso Gavião, Marco Antônio e Paulo César. William descontou para o adversário. O time coral tinha o empresário Antônio Carlos Montenegro na presidência e era treinado pelo experiente Lanzoninho. Foi o jogo 1.770 da história coral, que teve um público de 2.138 pagantes e arbitragem de Monteiro da Silva. O Ferrão formou com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá (Nilo), Celso Gavião e Jorge Henrique; Jeová, Nilsinho (Doca) e Jacinto; Osni, Paulo César e Marco Antônio. O Tiradentes jogou com Gilmar, Milton, Totô, Júlio e Perivaldo (Adão); Aucélio, Da Silva e Vanderley; Eci (Chico Alves), Dedé e William. O artilheiro Paulo César não balançava a rede adversária há 6 partidas. No quinto tento do Ferrão, de pênalti, o batedor oficial Celso Gavião deu a bola para o goleador coral fazer as pazes com o gol e a torcida foi ao delírio. Aperte o botão abaixo e escute quase 7 minutos com a narração dos gols na Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

NARRAÇÃO DOS GOLS DO JOGO FERROVIÁRIO 2×0 FORTALEZA EM 1985

Cardosinho marcou um gol olímpico e Luizinho das Arábias chegava ao seu 13º gol no campeonato cearense de 1985. Foi na tarde do dia 22 de setembro, no Castelão, e o Ferroviário embalava na competição ao vencer o Fortaleza por 2×0. Os gols saíram no segundo tempo e foi uma vitória bastante comemorada. Quase 30 anos depois, o Almanaque do Ferrão resgata a narração dos dois gols em áudio na voz de Gomes Farias pela Rádio Verdes Mares AM de Fortaleza. Treinado por Caiçara, o Ferrão venceu com Serginho, Laércio, Arimatéia (Zé Luís), Léo e Vassil; Alex, Arnaldo e Vander (Doca); Cardosinho, Luizinho das Arábias e Carlos Antônio. O Fortaleza do treinador Pepe, ex-companheiro de Pelé no Santos, jogou com Salvino, João Carlos, Marcelo, Perivaldo e Caetano; Ribamar (Tangerina), Jacinto (Esquerdinha) e Buíque; Gilson, Batista e Adilson Heleno. Aperte o play e entre no túnel do tempo parar recordar aquela vitória em 1985.