POR ONDE ANDA O ZAGUEIRO ADRIANO FORMADO NA BASE CORAL?

Ex-zagueiro Adriano, que defendeu o Ferrão entre 1991 e 1993, é técnico do Santa Cruz de Recife

Foram 28 jogos com a camisa do time profissional do Ferroviário entre 1991 e 1993. Formado nas categorias de base do próprio clube, ele era titular absoluto no jovem time coral que conquistou a maior façanha entre todas as equipes cearenses na disputa de uma competição nacional de base nos anos 1990. Chegou a ser chamado pra Seleção Brasileira principal no início de sua carreira e atuou também no futebol espanhol por várias temporadas. Estamos falando do zagueiro Adriano. Você sabe por onde ele anda? Pois saiba que ele está mais em evidência do que você imagina. Recentemente, sob o nome profissional de Adriano Teixeira, ele acabou sendo efetivado como treinador do Santa Cruz de Recife nas disputas da Série B do campeonato brasileiro de futebol.

Zagueiro Adriano, ao lado do goleiro Banana, firmou-se no Ferroviário na temporada de 1991

Adriano foi lançado no time principal do Ferrão, pela primeira vez, através do treinador Djalma Linhares. Profundo conhecedor da posição e campeão pelo Ferrão na temporada de 1988, Djalma confiou no jovem Adriano e o lançou como titular no dia 14/04/1991. O Tubarão da Barra fazia sua última partida pelo campeonato nacional daquele ano e atuava nesse dia contra o Parnaíba/PI, vencendo por 4×1, mesmo jogando nos domínios do adversário. Uma semana antes, Adriano acabara de completar 18 anos de idade. Dois meses depois, ele substituiu o zagueiro Aldo num clássico contra o Fortaleza e estreava no campeonato cearense em grande estilo com uma vitória por 3×0. Dali em diante, foram vários jogos como titular até a temporada de 1993, quando foi negociado com o Sport/PE.

Adriano no Santa Cruz de Recife

Além do Sport/PE, Adriano vestiu as camisas do Fluminense/RJ, Vasco/RJ e do próprio Santa Cruz/PE já no final de sua carreira. Na Espanha, defendeu o Celta de Vigo, o Compostela e o Leonesa. Em termos de conquista de títulos, foi  campeão pernambucano em 1994 e 1996, além da Copa do Nordeste, também em 1994, todos pelo Sport de Recife. No ano de 1995, defendendo a Seleção Brasileira Sub-20, Adriano conquistou o Torneio Internacional de Toulon. Após pendurar as chuteiras,o ex-zagueiro do Tubarão da Barra retornou ao Santa Cruz/PE, que o acolheu como auxiliar técnico e o promoveu recentemente, aos 44 anos de idade, ao posto de treinador de sua equipe profissional. Da geração de ótimos atletas formados pelo treinador Edmundo Silveira, entre eles o goleador Mário Jardel, Adriano foi mais uma cria coral que ganhou o mundo em sua carreira profissional e tem o respeito do torcedor do Ferroviário Atlético Clube.

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

125 GOLS ASSINALADOS NUMA MESMA FOTOGRAFIA ANTIGA

1 005_2

Nasa, Batistinha e Acássio antes de mais uma partida do Ferroviário no Estádio Elzir Cabral

O retrato de hoje equivale a 125 gols do Ferroviário marcados nos anos 90. Em foto histórica no Elzir Cabral, reveja três jogadores corais que marcaram época: o lateral direito/volante Nasa (76 jogos e 7 gols), o atacante Batistinha (80 jogos e 44 gols) e o meio campista Acássio (132 jogos e 74 gols). Um pernambucano, um piauiense e um bom baiano respectivamente. Depois de passarem pelo Ferrão, Acássio e Nasa atuaram pelo Vasco/RJ. Batistinha, cria do Flamengo/PI, jogou ainda em times tradicionais do futebol brasileiro como Vitória/BA, ABC/RN, Remo/PA e Santa Cruz/PE. Nomes eternos!

O DIA QUE O MAIOR ÍDOLO DO CEARÁ VESTIU A CAMISA DO FERROVIÁRIO

gildofernandes

Gildo na década de 60

O lendário Gildo Fernandes de Oliveira morreu na manhã de hoje. Ele é o maior ídolo da história do Ceará. Em suas redes sociais, o Ferroviário prestou oficialmente suas condolências, não apenas pelo fato de Gildo ter sido um dos principais nomes do futebol cearense em todos os tempos, mas também por ele ter vestido a camisa do Ferrão em sua carreira profissional. Foi apenas uma vez, no dia 31 de janeiro de 1962, no PV, num amistoso contra o famoso esquadrão do Vasco da Gama. Ele e o zagueiro Alexandre, outro ídolo alvinegro, foram cedidos pelo Ceará especialmente para reforçar o time coral no embate contra os cariocas. E Gildo, no auge de sua forma física, deixou sua marca de goleador também com a camisa do Ferroviário, assinalando o único gol coral na derrota por 3×1. Saulzinho, três vezes, marcou para o Vasco/RJ. Naquele jogo histórico, o único de Gildo com a camisa coral, o Ferrão formou com Zé Alberto, Jurandir e Alexandre; Gilberto (Luis Carlos), Damasceno e Eudócio; Kitt (Valdir), Wellington, Gildo, Lucena e Garrincha. O Vasco atuou com Ita, Belini e Barbosinha; Dario, Nivaldo e Coronel; Joãozinho, Saulzinho, Viladôniga, Lorico e Sabará. Está lá na página 108 do Almanaque do Ferrão, exatamente no jogo de número 787 da história coral, eterno Gildo Fernandes de Oliveira, 1 partida e 1 gol marcado pelo Ferroviário Atlético Clube.

ESTREIA DE JORGE HIPÓLITO MARCOU 25 DE NOVEMBRO DE 1972

jorgehipolito

Jorge Hipólito

Esse é Jorge Hipólito, 1,90m, alto para os padrões da época, goleiro formado no Vasco/RJ e que brilhou no campeonato cearense de 1972 pelo Calouros do Ar. No final daquele ano, num 25 de novembro como hoje, ele fazia sua estreia com a camisa do Ferroviário contra o Quixadá, em amistoso no Elzir Cabral. Seria um dos reforços para a temporada seguinte, mas a negociação falhou e o arqueiro não permaneceu. Pouco menos de um ano depois, acabara de ser dispensado do Ceará e voltou a defender o Ferrão em outro amistoso, dessa vez contra um time amador chamado Coritiba. Novamente, não ficou. Vestiu ainda a camisa do Maguary, Guarany-S, Fortaleza e América/CE. Em 1986, já veterano, selou seu nome com um dos melhores do nordeste conquistando a Série B nacional com o Treze/PB. Morreu em março de 2014, aos 64 anos, vítima de câncer nos ossos. Você sabia?

COLETÂNEA DE GOLS DO CRAQUE DE UMA GERAÇÃO INESQUECÍVEL

Faltam poucos dias para o aniversário de 20 anos do bicampeonato do Ferroviário conquistado em 1995, ano do FerroBiário, como costumava dizer o saudoso Antônio Estelita Aguirre, diretor de comunicação durante aquele auspicioso período. Sem dúvida alguma, o maior craque daquele time inesquecível foi o meia-atacante baiano Acássio, o símbolo maior da genialidade de uma geração que marcou época no futebol cearense. Foram 74 gols marcados com a camisa coral, o que o coloca como o 7º maior goleador da história do clube. Hoje é dia de prestar homenagem ao ex-jogador e conferir no vídeo acima 20 minutos de brilhantismo com os gols do eterno ídolo, figura certa na seleção coral de todos os tempos escolhida em campanha promocional há quase três anos.

expressoacassio

Entrevista na Expresso Coral

Acássio de Oliveira Seixas nasceu em Feira de Santana, interior baiano, em 1967. Ele jogava pelo tradicional Fluminense de sua cidade natal quando foi indicado para o Ferroviário, em 1993, pelo pai do treinador Lula Pereira, que o conhecia do futebol da boa terra. Se notabilizou no futebol cearense pela genialidade apresentada em dribles curtos, rápidos, em pequenos espaços do gramado, pelas arrancadas em direção à área adversária e pelos muitos gols decisivos que marcou em clássicos. Dentro da área, Acássio era frio e impiedoso, tornou-se rapidamente o xodó de uma torcida há tempos carente de grandes ídolos. Foram 132 jogos ao todo envergando a camisa do time que o acolheu no futebol cearense. Seu brilhantismo o levou a vestir a camisa do Vasco da Gama/RJ em temporadas seguintes. Encerrou a carreira atuando pelo Remo/PA. De todos os clubes que defendeu, o Ferrão é o que Acássio guarda as melhores recordações, muitas delas estampadas numa sensacional entrevista de duas páginas na edição de número 6, em abril de 2009, da extinta Expresso Coral, a revista oficial do Ferroviário naquele período. Aproveite bem o vídeo, pois gols assim hoje são coisa rara de se ver. E jogadores como Acássio são coisa rara de existir.

GOLEIRO CAMPEÃO INVICTO EM 1968 COMEMORA HOJE 70 ANOS DE IDADE

10403046_573562022789775_5345247318632235294_n

Ex-goleiro coral Cavalheiro, o aniversariante do dia, em foto recente tirada no Rio Grande do Sul

Hoje é dia de dar os parabéns ao ex-goleiro gaúcho Cavalheiro, campeão cearense invicto pelo Ferroviário Atlético Clube no ano de 1968. Ele completa hoje 70 anos de idade e seu nome está para sempre registrado na galeria de inesquecíveis do time coral. Ele conquistou o título estadual aos 23 anos de idade, depois de atuar por Internacional/RS e Vasco/RJ. Sua passagem no futebol carioca rendeu a indicação para o Tubarão da Barra por intermédio do diretor Joseoly Moreira e o crivo do eterno ídolo Pacoti, seu companheiro na equipe carioca. Foram 35 jogos no total no arco coral. Cavalheiro largou o futebol ainda jovem e preferiu terminar a faculdade de Direito para seguir a carreira de advogado, inicialmente em Minas Gerais e depois no Rio Grande do Sul.

cavalheirogoleiro

Cavalheiro no Ferrão

Cavalheiro deixou o Tubarão da Barra em maio de 1969 e nunca mais dele se ouviu falar. Em 2008, nas comemorações dos 40 anos do título invicto de 68, o programa Rádio Ferrão localizou o ex-goleiro no sul do país e o colocou ao vivo no ar, resgatando memórias daquela sensacional conquista num bate-papo emocionante que envolveu também o ex-volante Edmar. Foram décadas longe de Fortaleza. Em 2014, ele voltou à capital cearense e reencontrou alguns companheiros do passado. O retorno à cidade parece ter tocado o coração do ex-arqueiro e ele organizou uma nova viagem, acontecida recentemente no mês passado, onde teve a oportunidade de se reunir novamente com seus contemporâneos de Ferroviário. Irmão de Homero Cavalheiro, ex-treinador do Sub-20 da Seleção Brasileira nos anos 80, o goleiro campeão cearense invicto de 1968 tem um filho chamado Henrique que resolveu seguir a carreira do pai e que milita atualmente em equipes do futebol gaúcho. Em síntese, não é sempre que se chega a sete décadas de vida, razão pela qual esse 14 de outubro merece ser comemorado em sua plenitude.