FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE SE DESPEDE DE MAIS UM EX-PRESIDENTE

Edilson Sampaio na comemoração do título de 1988 ao lado da família na Barra do Ceará

Faleceu no último sábado, dia 14 de outubro, o ex-presidente do Ferroviário Atlético Clube, Edilson Sampaio, conhecido no meio futebolístico e familiar como Chumbinho. Ele presidiu o Tubarão da Barra entre janeiro de 1992 e fevereiro de 1993. Muito antes de ser presidente do clube, Chumbinho colaborou com várias diretorias na condição de conselheiro coral na década de 1980. Ao se tornar presidente do Ferrão, Edilson Sampaio repetiu o feito de seu pai, Porfírio Sampaio, que durante muitos anos presidiu o Ferroviário, sendo inclusive campeão cearense nas temporadas de 1945, 1950 e 1952. Edilson Sampaio travava uma luta contra o câncer e com a notícia de seu falecimento, o Ferroviário anunciou luto oficial. No dia de seu falecimento, o presidente da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, decretou um minuto de silêncio em homenagem a Chumbinho antes do jogo Fortaleza x CSA pelo campeonato brasileiro de futebol. No baú do blog, Chumbinho aparece na foto acima em entrevista ao repórter Edvaldo Pereira, da TV Verdes Mares, durante a comemoração do título estadual do Ferroviário de 1988 ocorrida no Clube de Regatas da Barra do Ceará.

IMAGENS DA CONCENTRAÇÃO DO FERRÃO ANTES DE DECISÃO EM 1994

O vídeo acima é uma raridade. Trata-se de uma matéria da TV Verdes Mares em abril de 1994. Nela, a repórter Carla Soraya fazia a cobertura da concentração do Ferroviário na Vila Olímpica Elzir Cabral, antes de uma partida decisiva contra o Itapipoca que valia o título do 1º turno do campeonato cearense. Confira as imagens e recorde o lateral direito Caetano e o meia Eron em entrevista descontraída com o atacante Reginaldo, um dos destaques do título estadual naquela temporada, dando uma de repórter. É possível ver também imagens do lateral esquerdo Branco, do meia Basílio, do goleiro Dênis e do massagista Mudo durante a cobertura da televisão. São mais de duas décadas desde a veiculação da matéria, mas o Almanaque do Ferrão reprisa pra você. Aproveite.

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

EM AGOSTO DE 1991, ARNALDO RETORNAVA PARA O FERROVIÁRIO

O meio campista Arnaldo é até hoje um dos jogadores mais lembrados pela torcida do Ferroviário. Dono de um futebol eficiente e de uma regularidade assustadora, ele entrou em campo 82 vezes com a camisa coral. Foram 14 gols em três passagens pela Barra do Ceará, a primeira no timaço coral de 1985, a segunda no título estadual de 1988 e a terceira na fracassada temporada de 1991. Era agosto daquele ano quando Arnaldo chegou pela última vez para o clube. Já se vão 25 anos desde aquele momento, registrado no vídeo acima em matéria especial da TV Verdes Mares sobre o seu regresso. Foi apenas 1 gol naquela temporada, assinalado justamente no jogo que marcou sua reestreia, contra o Guarany de Sobral, num empate em 1×1 no Elzir Cabral. Arnaldo também é um dos maiores jogadores da história do Santo André/SP, onde carinhosamente era conhecido como Arnaldinho, e já foi destaque aqui no blog na seção `Por Onde Anda´ no início do ano passado. Nome eterno da nossa história, agora com imagens resgatadas em vídeo através do acervo do Almanaque do Ferrão.

CBF JÁ RECEBIA CRÍTICAS POR CALENDÁRIO NA TEMPORADA DE 1992

Se você acha que a situação do futebol brasileiro é um problema social recente com o desemprego em massa de centenas de equipes e milhares de jogadores, assista o vídeo acima. O problema não é tão recente assim. Conforme a matéria da TV Verdes Mares, em 1992, vários médios e pequenos clubes do país realizaram contratações para a então Série B do campeonato brasileiro, mas a data de início da competição foi diversas vezes adiada pela CBF. Foram dois meses de espera, um prejuízo para as equipes que tiveram que arcar salários e demais custos inerentes a um elenco de jogadores. Comparado aos 8 ou 9 meses que hoje muitos clubes vivenciam de inatividade por temporada, aqueles 2 meses parecem nada. Confira a situação da época na matéria com o treinador Djalma Linhares e os atletas Júnior Piripiri, Toninho Barrote e Jorge Veras, já veterano, que reclamava da falta de condições no clube por não ter chuteiras para treinar. Coisas de um passado não tão distante se comparado à falência atual da maioria dos times no Brasil.

MATÉRIA DA TV GOIANA SOBRE ESTREIA CORAL NA COPA DO BRASIL

O Almanaque do Ferrão conseguiu recuperar mais um material raro da história coral. Trata-se da reportagem da emissora afiliada da Rede Globo de Televisão em Goiânia, por ocasião da estreia do Ferroviário na Copa do Brasil, em julho de 1989, contra o Goiás. Confira acima, na cobertura do repórter César Resende, as entrevistas do goleiro Barbiroto e do treinador Vanderley Paiva, na véspera da partida realizada no estádio Serra Dourada, no dia 19. O Goiás venceu por 1×0 na capital goiana e por 3×1 no jogo de volta, dia 22, em Fortaleza, despachando o time coral logo na primeira fase da competição, que estava sendo disputada pela primeira vez no futebol brasileiro. Ainda no vídeo acima, você confere o gol do lateral direito Caetano no estádio Presidente Vargas.

Mardônio atuou nos 2 jogos

A estreia do Ferrão na Copa do Brasil foi transmitida ao vivo pela TV Verdes Mares na noite do dia 19. O radialista Tom Barros foi o responsável pela narração da partida, que contou com vários problemas técnicos de áudio e imagem durante a transmissão. Além disso, em alguns bairros de Fortaleza, faltou energia durante o primeiro tempo do jogo. O Ferrão jogou com Barbiroto, Silmar (Caetano), Arimateia, Juarez e Marcelo Veiga; Gerson, Lira e Jacinto; Mardônio (Zé Carlos Paranaense), Cacau e Edelvan. O Goiás, do famoso técnico Carlos Gainete venceu com Eduardo, Wallace Carioca, Gomes, Boni e Jorge Batata; Wallace Goiano, Fagundes e Péricles; Formiga, Wanderson e Josué. O centroavante Wanderson marcou o único gol do primeiro jogo. Por sua vez, no sábado à tarde, dia 22, nova vitória do time goiano por 3×1, dessa vez com gols de Wanderson, Niltinho e Wallace Carioca, o Ferrão formou com Barbiroto, Silmar, Arimateia, Djalma e Marcelo Veiga; Juarez, Alves e Jacinto; Mardônio (Caetano), Cacau e Edelvan. O Goiás formou com Eduardo, Wallace Carioca, Gomes, Boni e Jorge Batata; Fagundes, Péricles e Josué; Formiga (Richard), Wanderson (Niltinho) e Wallace Goiano. O público em Fortaleza foi de 2.202 pagantes. Até hoje, o Ferroviário realizou apenas 9 partidas no total pela Copa do Brasil.

PRIMEIRA ENTREVISTA DO JOGADOR MARQUINHOS CAPIVARA NA BARRA

Recuperamos o vídeo com a primeira entrevista do ex-jogador Marquinhos Capivara, contratado pelo Ferroviário para as disputas do campeonato cearense de 1993. Depois de vestir a camisa do Ceará e do Fortaleza, a nova contratação enchia a torcida coral de esperança por ser um jogador experiente, inclusive com passagem pelo futebol da Bélgica. A frustração foi grande, embora tenha marcado um gol logo em sua estreia contra o Tiradentes. Ao todo, o velho Capivara fez apenas 8 partidas com a camisa coral naquela temporada, uma delas no fatídico e histórico 9×1 imposto pelo Ceará, logo na segunda rodada do Estadual. Marquinhos Capivara jogou mais cinco anos, defendendo novamente no futebol cearense o Ceará, Guarany de Sobral, Tiradentes e Calouros do Ar.  Fixou residência em Fortaleza, onde trabalha como treinador de categorias de base.