ARTILHEIRO PAULO CÉSAR DEFINIU CLÁSSICO CONTRA O CEARÁ EM 1980

Confira as raras imagens acima. Elas mostram um belo gol do artilheiro Paulo César contra o Ceará, após boa jogada do craque Jacinto. O vídeo acima faz parte do acervo do pesquisador Zidney Marinho e merece uma postagem aqui no blog. Nele, no programa “Gols do Fantástico“, o apresentador Fernando Vannucci mostra o principal jogo da rodada no futebol cearense. O jogo aconteceu no PV e foi válido pelo 1º turno do Campeonato Estadual de 1980. Esse lance foi o primeiro gol marcado pelo ídolo Paulo César, após uma breve passagem de oito meses pelo Santa Cruz/PE. Treinado pelo experiente Lanzoninho, o Ferrão venceu a partida com o futebol de Salvino, Jorge Luís (Doca), Celso Gavião, Lúcio Sabiá e Jorge Henrique; Jeová, Bibi e Jacinto; Serginho, Paulo César (Almir) e Marco Antônio. Por sua vez, o alvinegro do treinador gaúcho Carlos Froner perdeu com Luís Antônio, Bezerra, Antônio Carlos, Lula e Valdemir; Pedro Basílio, Jorge Luís Cocota (Ademir Pereira) e Sidnei; Ivanir (Gilson), Nei e Jorge Veras. Como se vê, o jovem Jorge Veras, que se tornaria ídolo coral a partir de 1982, dois anos antes jogava pelo Ceará. O gol da vitória saiu aos 30 minutos do 2º tempo. Ao todo, 16.375 pessoas pagaram ingresso para ver o clássico no PV, que foi comandado pelo árbitro Luís Vieira Vila Nova. O jogo foi disputado no dia 22/06/1980. Após mais alguns jogos, já em julho, o Ferrão sagrou-se campeão do 1º turno e carimbou seu passaporte para as finais da competição no final do ano.

AS CONTRATAÇÕES CORAIS NO INTERVALO DO ESTADUAL DE 1992

Resgatamos acima imagens da TV Jangadeiro e TV Verdes Mares em julho de 1992. Pouca gente lembra, mas nesse período, o então dirigente da base coral Clóvis Dias acabara de assumir a direção de futebol e contratou vários jogadores para o restante do Campeonato Cearense. Crias do Corinthians/SP, chegaram Wágner, Agnaldo e Marcelo, que acabou não ficando no elenco. Clóvis investiu ainda em quatro nomes rodados do futebol brasileiro: o volante Dudu, ex-Vasco/RJ, o lateral esquerdo João Luís, ex-Fluminense/RJ, o atacante Rodinaldo, ex-Palmeiras/SP e o goleiro Jorge Carioca, ex-Campo Grande/RJ. O experiente zagueiro Edson Oliveira, vindo do São Caetano/SP, também chegou. Dois meses depois, o famoso atacante Helinho, ponta-direita com belíssima passagem pelo Botafogo/RJ, também se apresentou na Barra do Ceará, anunciado após a desistência do Fortaleza pela sua contratação. Mesmo tendo desembarcado no Pici, Helinho acabou não ficando em razão de um problema detectado no joelho durante o exame médico. Por um desses caprichos do futebol, o jogador estreou com a camisa coral justamente contra o Fortaleza, no PV, e marcou um gol. Sob o comando do treinador Celso Gavião, estes foram os primeiros nomes trazidos pelo dirigente Clóvis Dias para o Ferroviário Atlético Clube, durante sua curta passagem pela direção de futebol no Estadual de 1992. No final de fevereiro do ano seguinte, ele saiu novamente da base coral, dessa vez para a assumir a presidência do clube, transformando-se num dos dirigentes mais vitoriosos da nossa história. Clóvis Dias mereceu um capítulo em sua homenagem no livro ´Crônicas Corais`, lançado no final do ano passado.

HOMENAGEM DO GLOBO ESPORTE AO ÍDOLO MARCELO VEIGA

Registro histórico do fotógrafo Stênio Saraiva após Marcelo Veiga marcar o gol do título em 1988

Na última postagem de 2020, vale a pena eternizar o vídeo abaixo com o encerramento do Globo Esporte no último dia 15 de dezembro. Com muita sensibilidade, o programa homenageou o ex-lateral esquerdo Marcelo Veiga, falecido no dia anterior, depois de um mês internado, lutando pela vida contra a Covid-19. A matéria trouxe imagens de arquivo da TV Verdes Mares de Fortaleza, apresentando breves resgates memoráveis de 1988, 1989, 2004, 2009 e 2019. No primeiro ano de Marcelo Veiga como jogador do Ferrão, o programa resgatou um momento lúdico do ex-lateral brincando como goleiro num treino na Vila Olímpica Elzir Cabral. Na mesma temporada, as imagens registram aquele que Marcelo Veiga considerava o gol mais bonito de sua carreira, marcado em Sobral, contra o Guarany, aos 44 minutos do segundo tempo, numa cobrança magistral de falta. Aquele gol rendeu uma grande confusão no Estádio do Junco, até hoje comentada nas arquibancadas cearenses. Essa preciosidade aparece aos 42 segundos do vídeo e é reapresentado no final da matéria. Em um ano complexo como 2020, Marcelo Veiga se foi para o plano superior, porém recebeu sempre em vida todas as homenagens e carinho da torcida do Ferroviário, além do respeito dos desportistas cearenses. O registro abaixo é uma prova disso porque ídolos seguem sempre eternos.

UM QUARTO DE SÉCULO DO BICAMPEONATO ESTADUAL 94/95

Foto do Jornal Diário do Nordeste registrando a saudação da onzena coral na grande final

Hoje completa um quarto de século que o Ferroviário conquistou de forma brilhante o bicampeonato 1994/1995. O time que ficou conhecido como a “Máquina Coral” precisou de 37 jogos no primeiro ano e 47 partidas no segundo para escrever seu nome nos anais do futebol cearense. Há cinco anos, a TV Verdes Mares produziu uma excelente matéria reunindo alguns dos principais nomes daquela conquista. Ricardo Lima, volante e capitão do bicampeonato, participou, em julho desse ano, de uma Live no Instagram do Almanaque do Ferrão, compartilhando algumas de suas lembranças, sem falar das imagens históricas veiculadas na época e recuperadas da extinta TV Manchete, com a ampla cobertura da conquista coral. Em meio a nomes como Batistinha, Reginaldo, Robério, entre outros, o craque Acássio é sempre o mais lembrado e celebrado como o grande ícone daquela geração. Ele também participou de uma Live recentemente comentando suas memórias. Em 2018, os bicampeões estaduais se reuniram com o elenco campeão brasileiro em um domingo muito emocionante. Já foram várias as menções no blog à partidas e momentos marcantes daquele período áureo do time coral, que se encerrou com a deposição do presidente Clóvis Dias, apenas dois anos depois. O torcedor coral pode celebrar a memória dos 25 anos do nosso bicampeonato, recordando as matérias já apresentadas e se deleitando com memórias ainda hoje vivas na mente de quem acompanhou a época, como as imagens abaixo, veiculadas na TV Verdes Mares na ocasião, a partir da cobertura do gol do lateral esquerdo Branco, que deu o título ao Ferrão do 3º turno do Estadual de 1995 contra o Fortaleza, credenciando a equipe coral a jogar apenas pelo empate contra o Icasa, no domingo seguinte, para garantir o inédito bicampeonato.

INAUGURAÇÃO DA PRAÇA EM FRENTE AO ELZIR CABRAL EM 1991

As imagens acima recuperadas em vídeo são de grande raridade. Elas mostram a noite de inauguração da praça pública localizada em frente ao Estádio Elzir Cabral, no bairro da Barra do Ceará. O novo espaço foi uma obra da gestão do então prefeito Juraci Magalhães e a cerimônia teve a cobertura da TV Verdes Mares de Fortaleza. O evento aconteceu no final do mês de outubro de 1991, antes de um jogo do Ferroviário contra o Quixadá pelo campeonato cearense. O novo logradouro foi batizado de Praça Marcelo Queiroz, em homenagem ao filho do ex-presidente José Lima de Queiroz, que aparece concedendo entrevista na matéria acima. Marcelo Queiroz foi um árduo torcedor coral. Ele teve destaque como integrante da diretoria mirim campeã estadual em 1979, que correspondia a um projeto de formação e renovação de futuros dirigentes, organizado e levado à prática na gestão do ex-presidente José Rego Filho. Infelizmente, Marcelo Queiroz faleceu muito jovem e não conseguiu realizar o sonho de ser presidente do Ferroviário. Entretanto, sua presença no cotidiano coral foi eternizada com a existência de uma estátua na praça em frente ao Estádio Elzir Cabral.

IMAGENS RARÍSSIMAS DA FESTA CORAL NO TÍTULO ESTADUAL DE 1988

No dia de hoje, comemora-se mais um aniversário da brilhante conquista do campeonato cearense de 1988 por parte do Ferroviário Atlético Clube. Naquele dia 7 de setembro, uma quarta-feira, o time coral bateu o Fortaleza por 1×0, gol de Marcelo Veiga, e conquistou a taça de campeão estadual depois de 9 anos. As imagens acima são raríssimas e, apesar das inconsistências no áudio e na qualidade do vídeo, conseguiram ser resgatadas pelo Almanaque do Ferrão, especialmente para ilustrar a data comemorativa de hoje. Referidas imagens mostram a festa coral ainda dentro do gramado do Castelão, a volta olímpica, entrevistas com os dirigentes Domar Pessoa e Vicente Monteiro, além de depoimentos dos jogadores Arnaldo, Alves, Arimatéia, Edson, Jacinto e Marcelo Veiga. Mostram também a festa da torcida coral na Barra do Ceará após o jogo e apresentam os comentários do saudoso Sérgio Pinheiro, falando sobre a grande conquista coral. Vale a pena ter acesso a esse material extraído de programas da TV Verdes Mares de Fortaleza, veiculados no dia seguinte à conquista do Ferrão, com a participação dos apresentadores Tony Moraes, Tony Nunes e João Inácio Júnior. Mais de três décadas depois, esse material de 12 minutos de duração consegue ainda demonstrar toda a emoção que representou aquele título para a torcida do Ferroviário naquela temporada. Aproveite e curta essa verdadeira raridade!

VITÓRIA CONTRA O CALOUROS DO AR COM DOIS GOLS DE BETO ANDRADE

O vídeo acima é mais um regaste de imagens históricas promovido pelo Almanaque do Ferrão. Encontramos uma vitória coral por 2×0 em cima do saudoso Calouros do Ar. As imagens são da TV Verdes Mares e a narração é de Aderbal Bezerra. O jogo é do campeonato cearense de 1988, ano de glórias para o Tubarão da Barra, e foi válido pelo 2º turno da competição. O ponta esquerda Beto Andrade marcou os dois tentos da partida, que teve um público de 3.036 pagantes numa quarta à noite, mais precisamente no dia 11 de maio. Treinado por Ramon Ramos, o Ferrão bateu o Calouros com o futebol de Serginho, Laércio, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Arnaldo e Denô (Alves); Mazinho Loyola, Guina e Beto Andrade (Carlos Antônio). O Tremendão da Aerolândia jogou com Malafaia, Braga Júnior, Marcelo, André e Alencar; Dendê (Marquinhos), Gildo e Maninho; Joãozinho, Frank (Márcio) e Luís Alberto. O técnico foi o ex-lateral coral Paulo Maurício. Do time adversário, o goleiro Malafaia atuou depois no Ferrão, na temporada de 1993. Na sequência do campeonato, o Ferrão teve um clássico memorável contra o Ceará, já apresentado aqui no blog. Beto Andrade foi um dos bons nomes corais naquele ano.

JOGO CONTRA O REMO EM BELÉM TERMINOU EMPATADO EM 1995

Nesse domingo, dia 16 de agosto, o Ferroviário volta a jogar contra o Remo/PA na cidade de Belém depois de 25 anos. Á última vez que isso aconteceu foi no dia 10 de março de 1995 em partida válida pela primeira fase da Copa do Brasil. Acima, resgatamos as imagens de pré-jogo no treinamento ainda na Barra do Ceará, com direito à entrevistas com o goleiro Roberval e com o lateral direito Biriba. Em seguida, os gols do jogo. As imagens foram veiculadas na TV Verdes Mares de Fortaleza. O Remo abriu 1×0 com o veterano Luis Muller, numa falha da defensiva coral, porém o meia Borges marcou um golaço, de falta, e decretou o empate no jogo. O goleiro do time paraense era o ex-coral Clemer. No jogo de volta, o Remo eliminou o Tubarão da Barra, dentro do Castelão, vencendo por 3×1 numa sexta à noite. Ao todo, até hoje os dois times se enfrentaram apenas sete vezes na história, nas temporadas de 1940, 1952, 1971, 1980 e 1995. A única vez que o time coral bateu o Remo na capital paraense foi num amistoso em 1971, placar de 2×0 com dois gols de Amilton Melo. Em 1980, pelo campeonato brasileiro da Série A, o Remo bateu o time coral por 2×1 em Belém, também no estádio Evandro Almeida, conhecido popularmente como Baenão. Amanhã, quando se enfrentarem novamente, será a primeira vez na história que o Ferroviário se apresentará no Mangueirão, principal estádio da cidade de Belém.

CLICK NO TIME QUE DEU UM VAREIO DE BOLA NO FORTALEZA EM 1988

Ferrão em 1988: Em pé: Laércio, Djalma, Serginho, Arimatéia, Toninho Barrote e Marcelo Veiga; Agachados: Mazinho Loyola, Denô, Guina, Arnaldo e Beto Andrade

O registro fotográfico acima mostra o momento em que o Ferroviário perfilou em campo para jogar contra o Fortaleza em mais um clássico do campeonato cearense de 1988. Quando a bola rolou, essa onzena deu um autêntico vareio de bola no adversário, enfiando 3×0 ainda no primeiro tempo. Na etapa final, o Fortaleza esboçou uma reação, mas o Ferrão deu novamente as cartas e marcou o quarto gol, de bela feitura, fechando o placar em 4×2. Era a estreia do centroavante Guina, campeão sul matogrossense pelo Operário nas duas temporadas anteriores, e cedido ao Tubarão da Barra, por empréstimo, pelo Palmeiras/SP. Em seu primeiro jogo, o atacante paulista deixou sua marca na meta tricolor. O meio campista Denô esbanjou futebol nessa partida, comandando com Arnaldo a distribuição das jogadas para o ataque coral. O ponta esquerda Beto Andrade foi outro destaque no jogo. Mazinho Loyola fez um belo gol, de peixinho. Mais de três décadas depois, o velho retrato disponibilizado eterniza uma das maiores apresentações corais no Castelão. Justamente por isso, vale a pena postar abaixo, mais uma vez, o vídeo com os melhores momentos daquele jogo.

WALTER DEFENDE PÊNALTI E FERRÃO VENCE COM GOL CONTRA EM 1987

As imagens acima completam aniversário no dia de hoje. Foi no dia 12 de julho de 1987, quando Ferroviário e Ceará fizeram mais um clássico pelo campeonato daquele ano. A narração é de Ivan Bezerra na cobertura da TV Verdes Mares. O Tubarão da Barra escapou de tomar um gol no primeiro tempo, quando o centroavante Mauro Portaluppi cobrou e o goleiro Walter defendeu um pênalti. O atacante alvinegro vinha a ser o irmão mais novo do consagrado atacante, e hoje treinador, Renato Gaúcho. O Ferrão tinha uma equipe mesclada com jogadores experientes e outros egressos da base. Treinado por Erandy Montenegro, o time coral ganhou com Walter, Laércio, Arimatéia, Léo e Ramos; Zé Alberto, Edson e Mardoni (Renato); Mardônio, Narcélio (Cardosinho) e Carlos Antônio. Treinado pelo ex-zagueiro Moisés Matias, o Ceará perdeu com Washington, Reidene, Djalma, Argeu e Bezerra; Oliveira, Flávio (Douglas Neves) e Erasmo; Hílton (Victor), Mauro Portaluppi e Wanks. O gol da vitória saiu aos 30 segundos da etapa final. O Ferroviário bateu o centro e a jogada começou com o paraibano Ramos, que tocou para a progressão rápida entre o experiente Carlos Antônio e o jovem Mardônio. A bola bateu na trave e Bezerra, na ânsia de evitar a jogada, acabou marcando contra, perante um público pagante de 8.860 pessoas. Do time alvinegro, três jogadores passariam depois em campanhas de título do Ferroviário: o zagueiro Djalma, o meia Hílton e o ponta esquerda Wanks. Além deles, o zagueiro Argeu integrou o elenco coral no início do campeonato cearense de 1993.