MARCELO VEIGA, GUILHERME MATTIS E LÉO JAIME TÊM ACESSO NACIONAL

Marcelo Veiga, Guilherme Mattis e Léo Jaime aparecem na foto comemorativa do Bragantino

Três nomes com ótimas passagens pelo Ferroviário conquistaram o acesso para a Série B do campeonato brasileiro com o Bragantino/SP no último final de semana. O zagueiro Guilherme Mattis, que chegou junto com o atacante Bruno Moraes para defender o time coral em 2012, além do atacante Léo Jaime, cria da base do Ferrão e que se destacou no profissional na temporada de 2009, estiveram ontem dentro de campo no empate em 1×1 com o Náutico/PE em Recife. No comando técnico do Bragantino estava Marcelo Veiga, um dos maiores ídolos da história coral, que já havia sentido o gosto de um acesso nacional como treinador com o próprio Bragantino em 2007 e com o Botafogo/SP em 2015. Parabéns aos ex-corais! Vale destacar que no próximo mês, comemora-se os 30 anos da conquista do campeonato cearense do Ferrão na temporada de 1988, que teve justamente o então lateral esquerdo Marcelo Veiga como capitão e autor do gol do título. Pra comemorar esse aniversário, o blog vai disponibilizar em áudio uma antiga entrevista, porém inédita, com Marcelo Veiga, que recordará vários detalhes daquele memorável momento acontecido três décadas atras.

RAMON É O ÚNICO TREINADOR CAMPEÃO NO FERRÃO AINDA VIVO

Ramon Ramos atuou em grandes clubes e marcou 18 gols em 27 partidas como atacante do Ferrão

O Ferroviário foi campeão estadual em nove oportunidades: 1945, 1950, 1952, 1968, 1970, 1979, 1988, 1994 e 1995. Disso, todos sabem. O que pouca gente percebeu é que seis dos sete treinadores até hoje campeões estaduais pelo Ferrão já partiram dessa vida. Com o falecimento, em maio passado, do ex-técnico Alexandre Nepomuceno, comandante no título de 1970, o pernambucano Ramon Ramos é o único sobrevivente coral entre os treinadores que venceram o campeonato cearense pelo clube. Além de Alexandre Nepomuceno, já foram pro andar de cima os seguintes nomes: Valdemar Caracas (1945), Babá (1950 e 1952), Ivonísio Mosca de Carvalho (1968), César Moraes (1979 e 1994) e Lucídio Pontes (1988). Ramon Ramos mora em Recife e já mereceu postagem especial aqui no blog. Ex-jogador em grandes clubes do futebol brasileiro e do próprio Ferroviário em 1984, Ramon começou a carreira de técnico no próprio Tubarão da Barra, comandando a equipe coral em 87 partidas no total dentro das temporadas de 1988, 1995 e 1996. Ano que vem, o Ferroviário estará na vitrine da Copa do Nordeste, uma das competições mais respeitadas do futebol brasileiro hoje em dia e ocasião melhor não há para homenagear o único treinador campeão cearense pelo Ferrão ainda vivo. Nada mais adequado e justo para um nordestino que foi artilheiro e simplesmente um vitorioso treinador no tão decantado bicampeonato do Ferrão para sempre lembrado. Fica a dica!

TREINADOR CORAL NO ESTADUAL DE 1970 FALECEU ONTEM EM FORTALEZA

Alexandre Nepomuceno faleceu em Fortaleza

Morreu ontem o ex-treinador coral Alexandre Nepomuceno. Natural da cidade de Aracati, ele tinha 82 anos de idade e foi enterrado em Fortaleza no dia de hoje. Profundamente identificado com o Ceará, clube em que atuou como jogador durante toda a carreira, Alexandre recebeu várias homenagens do futebol cearense como um todo. Como não poderia deixar de ser, o Almanaque do Ferrão presta uma justa lembrança aquele que foi o comandante técnico no inesquecível título estadual de 1970. Ex-técnico do Calouros do Ar, Alexandre Nepomuceno chegou para comandar o time coral em maio de 1970, durante o 2º turno do campeonato cearense. Levou o Ferrão ao título estadual em outubro daquela temporada. Permaneceu até maio do ano seguinte e retornou para a Barra do Ceará no campeonato cearense de 1972 numa passagem que durou aproximadamente dois meses. Ao todo foram 65 partidas como treinador do Ferroviário, sendo 35 vitórias, 20 empates e apenas 10 derrotas. Descanse em paz.

GOLEADA HISTÓRICA EM CIMA DO CEARÁ NA TEMPORADA DE 1953

Ferroviário Atlético Clube em 19 de Julho de 1953: massacre em cima do Ceará no PV

No dia 19 de Julho de 1953, há 63 anos portanto, o Ferroviário goleava o Ceará por 4×0 em partida válida pelo 1º turno do campeonato cearense daquele ano. Com a arbitragem de José Nogueira Filho, a partida recebeu um público excelente nas dependências do antigo Presidente Vargas, ainda de arquibancadas baixas. A vitória foi algo bastante comemorado entre os jogadores e torcedores corais porque o placar de 4×0, a favor do Ferrão, só havia se repetido até então duas únicas vezes, em 1947, numa partida oficial, e em 1950, em amistoso. Só a vitória interessava para as duas equipes e o Ferroviário levou a melhor de lavada. Vencia por 2×0 até os 41 minutos finais e conseguiu ampliar o marcador no restante da partida. Uma tarde mágica, sem dúvida, na história coral.

Treinador lendário: Babá

O Ferroviário massacrou o Ceará com o futebol de Juju, Manoelzinho e Coimbra; Nozinho, Zé Maria e Jaime; Nirtô, Vicente Trajano, Macaco, Fernando e Antoni. O alvinegro passou vergonha com Ivan, Paulo e Newton; Didi, Damasceno e Ramos; Pacatuba, Pipiu, Augusto, Ursulino e Liminha. Os gols foram marcados por Antoni, duas vezes, Nirtô e um gol contra do zagueiro Paulo. Foi apenas a partida 416 de toda a história coral. O treinador era Sebastião Medeiros de Brito, o conhecido Babá, ex-defensor vitorioso do próprio Ferroviário na década de 1940 e, até hoje, o técnico recordista em número de jogos pelo time coral. Foram simplesmente 203 jogos comandando o Tubarão da Barra à beira do campo. Lendário sob todos os aspectos.

TREINADOR NO BICAMPEONATO FOI TAMBÉM ARTILHEIRO NO FERRÃO

A última vez que o Ferroviário conquistou um campeonato cearense foi em 1995. Mês que vem, o maior jejum de títulos da história coral completa 20 anos. O treinador naquela inesquecível conquista era o pernambucano Ramon Ramos, um ex-atacante que vestiu a camisa de clubes importantes do futebol brasileiro. Pouca gente lembra que onze anos antes, aos 34 anos de idade, Ramon disputou o campeonato cearense de 1984 como jogador do Ferrão, onde comprovou seu faro de artilheiro marcando 18 gols em 27 partidas. O vídeo acima é um documentário sobre o ex-atleta e ex-treinador coral, no qual Ramon cita o Tubarão da Barra como o penúltimo clube em sua carreira e o primeiro trabalho como comandante técnico, iniciando a função como auxiliar de Caiçara, em 1985, no próprio Ferroviário. Se você quer saber um pouco mais sobre a trajetória no futebol daquele que entrou pra história como o treinador do bicampeonato coral, essa é uma excelente oportunidade. Vale a pena conferir porque o material é excelente.

LUIZ CARLOS CRUZ COMO TÉCNICO DO FERRÃO NA TV MANCHETE

Ele escreveu seu nome na galeria de bons treinadores do futebol cearense. Muito antes de passar por Ceará e Fortaleza, o catarinense Luiz Carlos Cruz treinou o Ferroviário durante dois meses na temporada de 1997. Jovem para a profissão, com apenas 32 anos de idade, trabalhava na base do Guarani de Campinas. Foi uma indicação do também treinador Lula Pereira, que o conhecia do futebol de Santa Catarina. Segundo os dados do Almanaque do Ferrão, Cruz teve uma passagem que durou 16 jogos e conseguiu um aproveitamento de 50% de vitórias. Caracterizou-se na Barra por ter dado oportunidade no time principal ao atacante Mota, com 17 anos incompletos, numa partida contra o Potiguar de Mossoró pelo campeonato brasileiro.

No final de 2013, o nome do já experiente Luiz Carlos Cruz foi novamente cogitado para retornar a Barra do Ceará depois de 16 anos, mas a direção do clube preferiu o treinador Washington Luiz, que conquistara a Taça Fares Lopes pela modesta equipe do Barbalha. Voltando 18 anos no tempo, você pode conferir acima a apresentação do ex-técnico coral no ´Programa do Belmino`, que era veiculado diariamente na extinta TV Manchete no horário do almoço. Retorne imediatamente para a auspiciosa década de 90 na vida do Ferrão e desfrute dessa curiosidade.

ÁUDIO RARO DO VESTIÁRIO CORAL APÓS CONQUISTA DE TURNO

1985

Só Deus podia tirar o título do Ferroviário em 1985, mas as arbitragens falaram mais alto

Um dos melhores times que o Ferroviário teve foi formado em 1985. A onzena principal atuava geralmente com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Alex, Denô e Arnaldo; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Foguinho. A confiança no grupo levava o presidente Caetano Bayma a repetir em suas entrevistas um bordão que marcou aquela temporada: “Só Deus tira o campeonato do Ferroviário“. O grande Pajé não contava com os erros de arbitragem na reta final. Estes sim fizeram com que aquele time não fosse campeão. Tudo, menos coisa de Deus.

O querido supervisor Chicão, falecido em fevereiro desse ano, confidenciou algumas vezes que os jogadores desse elenco gostavam de uma boa noitada regada à cerveja bem gelada. Coisas do futebol daquela época, incompatíveis com o profissionalismo de hoje. Chicão falava sempre com carinho e saudade do grupo montado por Caetano Bayma, que venceu o 2° turno do Estadual em cima do Fortaleza de forma categórica e depois foi escandalosamente prejudicado na decisão do 3° turno contra o mesmo adversário quando Luizinho das Arábias teve um gol lícito anulado. Coisa pra nunca mais esquecer.

O Almanaque do Ferrão recupera abaixo um áudio raro de 29 anos atrás. A gravação foi feita no vestiário coral logo após a conquista do 2° turno. São mais de 5 minutos de entrevistas comandadas pelo então setorista Ivan Bezerra, hoje no Diário do Nordeste, que trabalhava na Rádio Uirapuru. Recorde na sequência dos entrevistados o treinador Zé Mário, o diretor Múcio Roberto, o lateral Laércio, o ponta Cardosinho, o zagueiro Léo, o preparador físico Othon Borges, o meia Denô e o lateral Válter. Coisas que o tempo não apaga e você confere só aqui.