GLAYDSTONE RUMO À MARCA DE 200 JOGOS COM A CAMISA DO FERRÃO?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Glaydstone no Ferroviário em 2006

Ele foi um dos principais jogadores do Ferroviário entre 2003 e 2007. Na brilhante campanha coral na Série C nacional de 2006, o baixinho Glaydstone era o cérebro de um time que tinha ótimos jogadores e por muito pouco não conseguiu o acesso. Naquela mesma temporada, foi contemplado com uma placa alusiva à marca de 100 jogos em defesa do Ferrão. Voltou entre 2010 e 2011 sem muito destaque. No sábado passado, aos 37 anos, reestreou pelo clube contra o Crato em jogo válido pela segunda divisão cearense e completou sua partida de número 180. Será que Glaydstone alcançará a marca de 200 jogos? Apenas 28 jogadores na história conseguiram esse feito. O tempo dirá.

FERROVIÁRIO FEZ HOJE O JOGO DE NÚMERO 3.500 EM SUA HISTÓRIA

images

Quando entrou em campo nesse domingo na cidade de Nova Russas, interior do Ceará, o Ferroviário fez o jogo de número 3.500 em sua história. O jogo valeu pela quinta rodada do campeonato cearense da segunda divisão e foi realizado no estádio Mouraozão. Foi a segunda partida coral naquela localidade contra o time do Nova Russas. A primeira foi numa partida amistosa em janeiro de 2012. O Almanaque do Ferrão recorda abaixo uma relação de jogos emblemáticos intercalados por 5 centenas de adversários ao longo da história coral:

Jogo 0001: 13/05/1934 – Ferroviário x Vai ou Racha – Amistoso – Passeio Público
Jogo 0500: 03/12/1955 – Ferroviário 0x6 Usina Ceará – Cearense – PV
Jogo 1000: 02/02/1967 – Ferroviário 1×0 Calouros – Taça Fortaleza – PV
Jogo 1500: 06/06/1976 – Ferroviário 0x1 Icasa – Cearense – Romeirão
Jogo 2000: 12/02/1984 – Ferroviário 0x3 ABC/RN – Brasileiro – Castelão
Jogo 2500: 31/10/1993 – Ferroviário 2×3 América/RN – Brasileiro – PV
Jogo 3000: 27/08/2002 – Ferroviário 2×0 Sel. Caucaia – Amistoso – Raimundo Rôla
Jogo 3500: 22/03/2015 – Ferroviário 4×2 Nova Russas – Cearense – Mouraozão

FERRÃO USOU CAMISA DOURADA PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA

FB_IMG_1425253535858

Ferroviário utilizou pela primeira vez na história uma camisa diferente das cores tradicionais

Depois de sete anos, o Ferroviário inovou no padrão de seu uniforme de jogo. Ontem, por ocasião da estreia coral na Série B do campeonato cearense, o Tubarão da Barra entrou em campo com uma camisa dourada. A última vez que algo semelhante ocorreu foi em janeiro de 2008, quando o comando da época lançou o terceiro uniforme na cor preta, padrão utilizado até o ano de 2010 e, posteriormente, resgatado na temporada de 2013.

IMG-20150301-WA0012

Ontem no Instagram

O novo modelo coral causou opiniões controversas logo que foi anunciado momentos antes do jogo através de uma rede social. É certo que boa parte das críticas vieram apenas após a derrota na estreia para o Tiradentes, fruto da paixão que invariavelmente cerca a opinião dos torcedores. Curiosamente, antes do resultado negativo, as opiniões nas redes sociais mostravam ampla supremacia em favor da aceitação do novo modelo. Houve quem reclamasse dos cinco patrocinadores estampados na nova camisa, como se fosse possível algum time no mundo sobreviver sem esse tipo de captação de investimento publicitário. Diz o ditado que quem muito ouve no futebol, nada faz. Filtrar as críticas construtivas é sempre a melhor alternativa.

parasite

Camisa preta era a grande novidade de 2008

Assim como o padrão dourado, o modelo preto em 2008 também gerou críticas, posteriormente suplantadas com a beleza estética do time em campo, principalmente nos jogos noturnos. No futebol moderno, o terceiro padrão de camisas permite a busca pela inovação e, quase sempre, haverá barreiras de aceitação. Foi assim em todas as equipes que adotaram essa estratégia. No caso específico do Ferrão, a polêmica da ´nova camisa` é apenas mais uma prova que o clube possui dificuldades históricas em conciliar o velho e o novo, o tradicional e o moderno, e por consequência o certo e o errado, uma questão de maturidade que o futebol exige como prerrogativa para o progresso. Aprovadas ou reprovadas, as camisas douradas entraram ontem para a história. E como bem disse João Ubaldo Ribeiro, o segredo da verdade é o seguinte: não existem fatos, só existem histórias.