RARIDADES EM ÁUDIO DO TÍTULO DO FERROVIÁRIO EM 1988 – PARTE 1

marcelo veiga penalti2

Marcelo Veiga, de pênalti, manda um petardo e marca o gol do título do Ferroviário em 1988

07 de Setembro de 1988, uma quarta-feira, feriado, foi uma data histórica para o torcedor do Ferroviário que foi ao Castelão e presenciou uma das maiores conquistas do clube em seus 82 anos anos de existência. Aconteceu há exatos 27 anos. Para comemorar, o Almanaque do Ferrão preparou uma série de 3 postagens com áudios raros da radiofonia cearense veiculados naquele período inesquecível. Prepare-se para fortes emoções e relembre nessa primeira parte os momentos finais da partida narrados por Franco Vasconcelos, a gravação do gol do título nas vozes de Carlos Fred e Júlio Sales, bem como a opinião abalizada do comentarista Sérgio Pinheiro, entre outros.

vicente monteiro

Vicente Monteiro: baluarte da conquista

Ainda no áudio de hoje, o diretor de futebol Vicente Monteiro, um dos maiores dirigentes da história coral, se emociona em entrevista concedida à beira do gramado para o radialista Sebastião Belmino, antes do apito final do árbitro Joaquim Gregório. O Fortaleza deu muito trabalho ao Ferroviário principalmente no 1º tempo, colocou bola na trave, mas o time coral resistiu heroicamente. Na etapa final, aos 13 minutos, o lateral esquerdo Marcelo Veiga cobrou um pênalti e decretou o título de forma categórica. Ele próprio recebeu a taça de campeão na qualidade de capitão do time perante um público de 33.706 pagantes, eternizando um trabalho que contou com o esforço de 30 atletas e 5 treinadores em todo campeonato, disputado em três turnos entre 28/2/88 e 07/9/88. Aperte o ´play` no áudio abaixo e reviva todas as emoções daquele dia histórico. Volte 27 anos no tempo e resgate mais esse belo momento através do Almanaque do Ferrão. Você vai se emocionar, acredite.

REENCONTRO DE AMIGOS QUE CONQUISTARAM UM TÍTULO

1555502_757861877631300_1468204235156687922_n

Apresentador Sebastião Belmino acompanhou o reencontro da dupla Erandy e Wilkson

Wilkson e Erandy foram dois soldados do Ferroviário em 1975. Eram velhos companheiros desde os tempos de Fortaleza e, na Barra, o primeiro foi zagueiro da melhor qualidade e o segundo foi atacante dos bons. Não satisfeitos com suas posições dentro de campo, fora dele Wilkson era o preparador físico e Erandy era o treinador do time. O acúmulo de funções se tratava de um esforço para resgatar a credibilidade do time coral, um tanto quanto desmoralizada com sucessivos vexames na primeira metade da década de 70. Juntos, dentro e fora de campo, conquistaram no final daquela temporada um campeonato para o Ferrão: a Taça Bayma Kerth, uma espécie de Taça Fares Lopes da época, que foi bastante festejada pela torcida coral, afinal título é título.

Nos 10 jogos da competição disputada há quase 40 anos, Erandy atuou em todos e marcou 7 gols. Wilkson fez 1 gol nas 8 partidas que esteve em campo. Pois é, o treinador foi o artilheiro da equipe! Semana passada, Erandy esteve em Fortaleza. Deixou a bela cidade de Natal, onde reside, para ser homenageado na Arena Castelão ao lado de outros ícones do futebol cearense. Em sua passagem pela cidade, mais um reencontro com seu companheiro Wilkson para relembrar os velhos tempos. Dois nomes que deram importante contribuição ao Ferrão no momento que o clube mais precisava. Eram anos de vacas magras, porém um tempo de muito esforço, acúmulo de funções e um título que, por dever de justiça, terá sempre uma grande parcela de colaboração da dupla.

1975_bayma

Os campeões pelo Ferroviário em 1975

A foto histórica de 1975 registra Wilkson e Erandy no time coral ladeados em sua maioria por jogadores jovens egressos das categorias de base. Em pé: Carlito, Vicente, César, Wilkson, Pedrinho e Arimatéia. Agachados: Vanderley, Brígido, Erandy, Danilo Baratinha e Almir. Jogadores que entraram para história do Ferrão por terem conseguido dar a alegria de um título à torcida coral.