FOTO HISTÓRICA DO FERRÃO NO LINDOLFO MONTEIRO EM 1989

Ferrão em 1989 – Em pé: Giordano (Preparador de Goleiros), Silmar, Toninho Barrote, Marcelo Veiga, Osvaldo, Evilásio e Arimatéia; Agachados: Mardônio, Alves, Cacau, Jacinto e Paulinho

O retrato de hoje veio diretamente de Teresina e foi um presente para o blog de um dos maiores pesquisadores do futebol piauiense. Quem é do ramo já ouviu falar de Severino Filho, o Buim, autor de livros sobre as memórias futebolísticas daquele estado. Por quase trinta anos, ele guardou a fotografia acima, tirada no Estádio Lindolfo Monteiro, antes de uma partida tumultuada, cheia de paralisações, falta de energia e pancadaria entre o Ferroviário e o River/PI pelo campeonato brasileiro. Era 14 de outubro de 1989 e jogadores como Silmar, Marcelo Veiga, Arimatéia e Alves faziam uma de suas últimas partidas com a camisa coral, já que não permaneceram para a temporada seguinte. Silmar foi para o Tiradentes/CE, Marcelo Veiga para o Santos/SP, Arimatéia para o ABC/RN e Alves foi para o Fortaleza. Os quatro foram campeões pelo Ferrão em 1988.

TREINADOR MARCELO VEIGA É CAMPEÃO BRASILEIRO MAIS UMA VEZ

12227675_10205360440549902_774201551537117811_n

Marcelo Veiga, que já foi lateral esquerdo e técnico do Ferrão, é campeão brasileiro novamente

Há três semanas, uma postagem aqui no Almanaque do Ferrão preconizou que a final da Série D do campeonato brasileiro poderia envolver dois treinadores que já passaram pelo Tubarão da Barra. Dito e feito. Depois de dois confrontos acirrados, Botafogo/SP e River/PI fizeram na noite de ontem, em Teresina, o último jogo da disputa. Depois de vencer em Ribeirão Preto, na semana passada, por 3×2, o time paulista segurou o empate em 0x0 e garantiu a conquista, o segundo título nacional na carreira de técnico de Marcelo Veiga, que já havia conquistado a Série C, em 2007, à frente do Bragantino/SP.

O jogo foi transmitido ao vivo pelo canal Esporte Interativo e os antigos confrontos de Marcelo Veiga e Flávio Araújo, em 1988, quando um era lateral do Ferroviário e o outro volante do Ceará, destacados em nosso blog foram citados na cobertura da televisão. Outro fato curioso que o Almanaque do Ferrão não deixa passar despercebido é que em 14/10/89, Marcelo Veiga jogou em Teresina pelo Ferroviário contra o próprio Ríver/PI e perdeu o jogo por 2×0. Ontem, 26 anos e 1 mês depois, retornou à capital piauiense e a colocou definitivamente a cidade como um lugar de boas lembranças em sua carreira. Eleito o melhor lateral esquerdo da história do Ferroviário em recente enquete promovida pelo clube, Marcelo Veiga defendeu o time coral entre 1988 e 1989, saindo para o Santos/SP ao final do contrato, onde atuou por várias temporadas. No ano passado, resgatamos uma matéria raríssima com a primeira entrevista de Marcelo Veiga logo quando chegou a Barra do Ceará. Em homenagem ao mais novo campeão brasileiro da atualidade, ela está sendo novamente reproduzida abaixo. Parabéns, campeão!

EX-TREINADORES CORAIS FAZEM SUCESSO NA SÉRIE D NACIONAL

amapariver

Ríver: as mesmas cores do Ferroviário

Dois ex-treinadores do Ferroviário começaram a semana de um maneira bem sucedida. No último final de semana, eles conquistaram o acesso para a Série C brasileira comandando Ríver/PI e Botafogo/SP. Estamos falando de Flávio Araújo e Marcelo Veiga respectivamente. E não é a primeira vez que ambos conseguem tal feito em âmbito nacional. O primeiro já conseguiu subir de divisão com América/RN, Sampaio Corrêa/MA e Icasa/CE, enquanto que o segundo já foi até campeão brasileiro da Série C no comando do Bragantino/SP. Curiosamente, seus clubes atuais possuem as mesmas cores do Ferroviário. Mas você é capaz de lembrar da passagem deles pelo Ferrão?

marcelo_veiga

Marcelo Veiga: ex-jogador e ex-técnico coral

ídolo do Ferroviário como jogador na década de 80, Marcelo Veiga chegou para ser treinador no campeonato brasileiro de 2004. Foram 15 jogos entre junho e setembro daquele ano. O Ferroviário chegou na última rodada precisando de um empate contra o Parnaíba/PI, fora de casa, para passar para a 2ª fase da Série C, mas perdeu o jogo por 1×0 numa cobrança de falta e deu adeus à competição. Neófita e incompetente no futebol, a direção coral na época não renovou com Marcelo Veiga para a temporada seguinte, preferindo apostar no técnico local Alencar Mota para o campeonato cearense. Marcelo seguiu para o Bragantino com a promessa de fazer um trabalho de longo prazo e, três anos depois, na Série C de 2007, sagrava-se campeão brasileiro como técnico. Depois de dirigir equipes como Guarani de Campinas, Portuguesa/SP, Remo/PA e São Caetano/SP, esse ano ele começou um trabalho no Botafogo de Ribeirão Preto que culminou com mais um acesso nacional no currículo de Marcelo Veiga.

675a4fdf80f8e0f0ed34e8c093382527

Flávio Araújo foi treinador do Ferrão em 2002

Por sua vez, Flávio Araújo não chegou a jogar no Ferroviário como jogador profissional, mas passou pelas equipes infantis corais na década de 70. Foi volante do Ceará nos anos seguintes e começou a treinar o Icasa quando pendurou as chuteiras. Depois de treinar a dupla Fortaleza e Ceará, chegou para dirigir o Ferrão em 2002, entre março e agosto. Fez um bom trabalho e ajeitou a equipe coral no meio do campeonato cearense, porém sem chance de brigar por título em razão da limitação técnica do elenco. Foram ao todo 35 partidas no comando do Tubarão da Barra. Hoje, Flávio é um treinador requisitado no futebol nordestino e o acesso com o Ríver/PI é apenas mais um em sua carreira, ele que também já foi campeão brasileiro, na Série D, quando dirigia o Sampaio Corrêa em 2012.

Botafogo-de-SP-consegue-acesso-para-a-Série-C

Botafogo: as mesmas cores do Ferroviário

Um dos dois ex-corais pode conquistar mais um título brasileiro na atual temporada. Seus times têm como adversários o Ypiranga/RS e o Remo/PA. Se passarem, podem se enfrentar numa grande final e comemorarem o grande momento vivido na atualidade. Voltando no tempo como atletas, em 1988, Flávio Araújo e Marcelo Veiga se enfrentaram dentro de campo apenas 3 vezes. O ex-lateral coral nunca perdeu para o ex-volante alvinegro, sendo 1 vitória e 2 empates naquela já distante temporada. Detalhes que só o Almanaque do Ferrão é capaz de lembrar.

A NOITE QUE O FERRÃO FECHOU O CAIXÃO DO PRESIDENTE ADVERSÁRIO

gDTxH5H

Justino Oliveira Filho teve que entrar no caixão

O futebol e seus casos pitorescos, aquele tipo de assunto que você conta e ninguém acredita. Pois saibam que o Ferroviário já fechou o caixão do Sr. Justino Oliveira Filho na noite de 4 de outubro de 2002, portanto há exatos 13 anos. Ele era o presidente do Tocantins Esporte Clube, time do interior maranhense que cruzou com o Ferrão na 2ª fase do campeonato brasileiro da Série C daquela temporada. No jogo de ida realizado no Estádio Bine Sabbag, na cidade de Santa Inês, o confiante dirigente apostou que entraria dentro de um caixão caso seu time perdesse dentro de casa. O atacante Guedinho fez 2 gols e o time coral venceu por 2×1. Como promessa é dívida, não se sabe de onde surgiu um caixão no estádio e Justino Filho cumpriu o prometido para delírio de apenas 80 pessoas que pagaram para ver o jogo. Dizem as más línguas que Justino era proprietário de uma funerária e usou o fato para promover sua marca. Sabe-se lá.

guedinho e danilo 2002

Guedinho e Danilo

Estamos falando do jogo 3.007 da história do Ferroviário. Após o confronto e a vergonha gerada para o presidente, o técnico Estevão Leão foi dispensado e o próprio Justino Oliveira Filho dirigiu a equipe maranhense no jogo de volta, ocasião em que o Tocantins/MA tomou de 7×0 no PV. Sob o comando de Danilo Augusto, o Ferrão atuou no confronto macabro de Santa Inês com Ivanoé, Aírton, Marcos Aurélio, Puma e Helinho; Édio, Ricardo Baiano, Adriano Cearense (Ivanildo) e Danilo (Reginaldo França); Serrinha (Nissinho) e Guedinho. Por sua vez, o adversário formou com Leandro, Orlando, Ricardo, Carlinhos e Nogueira; Washington, André, Wágner e Marquinhos; Alan e Cléber. Depois dos maranhenses, o Ferroviário ainda passou pelo Ríver/PI na terceira fase da competição, mas caiu nas quartas de final para o Nacional/AM. Aquela Série C rendeu um sabor amargo de desclassificação quando tudo levava a crer que o time coral tinha potencial para conseguir o acesso. Rendeu também várias histórias, entre elas a da hilária noite que o Tubarão da Barra fechou o caixão do presidente adversário.

VITÓRIA DO FERRÃO EM CIMA DO RIVER/PI DENTRO DE TERESINA

O Almanaque do Ferrão resgata mais um jogo do time coral contra o River do Piauí. O vídeo acima mostra os melhores momentos da excelente vitória do Tubarão da Barra, fora de casa, em setembro de 1996, jogando no Estádio Lindolfo Monteiro em Teresina. O único gol do jogo foi marcado pelo baiano Esquerdinha, que fazia naquele ano sua última temporada na Barra do Ceará. A partida foi válida pela Série C do Campeonato Brasileiro e teve a arbitragem de Marcelo Bispo Nunes. O Ferroviário permaneceu na terceira divisão nacional até 2008, ano em que foi rebaixado para a Série D.

Treinado por Danilo Augusto, tradicional jogador do Ferrão na década de 70, o time coral venceu com Jorge Luiz, Biriba, Batista, Alencar e Garcia (Chiquinho); Paulo Adriano, Cleuber, Wálter e Basílio; Cantareli (Paulinho Paiakan) e Esquerdinha. O River perdeu com Guará, Laércio, Silva, Gladstone e Osmarildo (Preto); Pinto, Rondineli, Zezé e Bertinho; Pereira e Mairan. O técnico adversário era o conhecido Gringo. Os goleiros Jorge Luiz e Guará são irmãos e se enfrentaram diversas vezes em suas carreiras. Guará inclusive foi goleiro do próprio Ferroviário em 1991, antes da chegada de Jorge Luiz, o segundo camisa de Nº 1 que mais vezes defendeu a metal coral na história.

IMAGENS DE FERRÃO X RIVER/PI PELO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1989

O futebol é cíclico. Depois de anos esquecido nacionalmente e envolto à problemas políticos no Piauí, o tradicional River encerrou recentemente sua participação na Copa do Nordeste, um dos campeonatos mais rentáveis atualmente no futebol brasileiro. Por sua vez, o Ferroviário Atlético Clube pena na segunda divisão cearense e já amarga 20 anos sem títulos. O Almanaque do Ferrão resgata hoje as imagens de um confronto entre ambos, no dia 13/9/1989, quando o Tubarão da Barra marcou 3×0 em jogo válido pelo campeonato brasileiro da Série B daquele ano, mesma divisão que estavam Ceará e Fortaleza em âmbito nacional.

Foi o jogo de número 2.302 da história coral. Treinado pelo competente Lucídio Pontes, o Ferrão jogou com Osvaldo, Silmar, Arimatéia, Evilásio e Marcelo Veiga; Eudes, Alves e Dias Pereira; Mardônio, Luizinho e Paulinho. Essa partida marcou a estreia, com gol, do atacante Luizinho, um catarinense envolvido na negociação do meio campista Lira com o Avaí/SC. Marcelo Veiga e Mardônio marcaram os outros gols naquela noite. O River perdeu com China, Valdinar, Léo, Zezé e Didi; Luis Eduardo, Miolinho (Robson) e Paulinho Piauí; Hélio Rocha, Zé Augusto e Cacá. Deles, China e Léo já haviam defendido a camisa coral, e Paulinho Piauí chegaria para o Ferroviário dois anos depois. Direto do baú de imagens do Almanaque do Ferrão.