NUNCA É TARDE PARA REVERENCIAR SIMPLÍCIO, O CANHÃO DA BARRA

simplicio2

Foto recente do ex-jogador Simplício em sua residência na cidade de João Pessoa/PB

Ele foi um dos jogadores mais cultuados na história do Ferroviário. Até hoje seu nome é citado nas arquibancadas, não apenas por torcedores corais, mas também por desportistas de outras equipes que o viram em ação entre 1969 e 1974, período em que entrou em campo 181 vezes com a camisa do Ferrão. Foram 60 gols no total, o que o credencia como o 12º maior artilheiro do clube. Estamos falando de Simplício, o inesquecível ´Canhão da Barra´, graças a seus chutes fortes que chegavam a alcançar 170 km/h. Ao lado de Amilton Melo, Edmar, Paulo Velozo e Coca Cola, ele foi um dos bons nomes no título estadual de 1970, ano em que o Ferroviário montou um dos melhores times em todos os tempos do futebol alencarino.

simplício

No Ferrão em 1970

Simplício começou a se destacar no Campinense/PB, onde foi hexacampeão paraibano nos anos 60. Tinha como principal característica o posicionamento, o bom passe e a garra, condições essenciais para um grande volante. Começou a ser comparado com o craque brasileiro Rivelino – pelo bigode e em razão do chute forte – ainda na Paraíba, antes mesmo de se transferir para o Botafogo/PB, onde foi bicampeão estadual. Se transferiu para o Ferroviário aos 22 anos de idade, fazendo seu primeiro jogo pelo time coral no dia 15/11/69 num amistoso contra o América/CE, no Elzir Cabral, e já conquistando mais um título estadual pra coleção na temporada seguinte. Suas cobranças de pênaltis eram temidas pelos goleiros adversários e tinha o respeito de vários treinadores que passaram pelo Ferrão, entre eles Fernando Cônsul, Gradim e Alexandre Nepomuceno.

Ferrão 72_222

Simplício: o terceiro agachado em 1972

No campeonato cearense de 1974, Simplício mudou de time e chegou a enfrentar o Ferroviário, defendendo a camisa do Maguary. Aos 27 anos, aquela foi sua última temporada como jogador de futebol, pois retornou para Campina Grande onde anos depois concluiu o curso de Processamento de Dados na Universidade Federal. Em 2013, vibrou bastante com o título de campeão do nordeste conquistado pelo Campinense. Hoje com 67 anos de idade, reside em João Pessoa e é aposentado pela própria universidade. Mais de 40 anos depois de deixar o Ferroviário Atlético Clube, Simplício continua na memória de quem o viu em ação e estará sempre nas páginas principais da história coral, merecendo hoje o destaque do Almanaque do Ferrão.

EX-LATERAL URUGUAIO DO FERRÃO NA SÉRIE A DO BRASILEIRÃO

ramirezcontrafortaleza

Ramirez comemora o gol que deu o título do 3º turno do Campeonato Cearense 1980 ao Ferrão

O ano está prestes a terminar e pelo menos uma pessoa com ligações históricas com o Ferroviário tem algo a comemorar. Falamos do uruguaio Sérgio Ramirez, ou simplesmente o ex-lateral direito Ramirez, que defendeu grandes clubes no futebol da América do Sul, entre eles o Independiente da Argentina e o Flamengo/RJ no auge do clube carioca. No posto de coordenador técnico do Joinville, como se observa na foto abaixo, ele conseguiu recentemente o título de campeão brasileiro e vai disputar a Série A na próxima temporada.

sergioramirez-joinville-rib

De acordo com o Almanaque do Ferrão, Ramirez vestiu a camisa coral em 18 jogos e marcou um gol histórico contra o Fortaleza, aos 36 minutos do 2° tempo de uma partida que despachou o Leão do Campeonato Cearense de 1980 e deu o título de campeão do 3° turno ao Tubarão da Barra. Em contato exclusivo com o blog, o ex-atleta coral revelou guardar boas recordações do Ferroviário, da cidade e de seu prédio de três andares na Rua Marcondes Pereira, próximo à churrascaria Parque Recreio, onde gostava de passar o tempo livre acompanhado de amigos e de seu violão.

sergioramirez_rivelino_1976_glo_60

Disparada atrás de Rivelino no Maracanã

No Ferrão, onde chegou a disputar também o campeonato brasileiro de 1981, o atual coordenador técnico atuou de lateral esquerdo, zagueiro e lateral direito, sua posição original, que o levou a titular da seleção uruguaia nos anos 70. Até hoje Ramirez é lembrado pela briga monumental que envolveu o craque brasileiro Rivelino em pleno Maracanã, em 28 de abril de 1976, num Brasil x Uruguai de tirar o fôlego. No futebol cearense será sempre lembrado pelo gol que matou o Leão e no catarinense, pelo visto, como um dos mais respeitados pela torcida do Joinville, que por sinal tem as mesmas belas cores da bandeira do Ferroviário.