POR ONDE ANDA O XERIFÃO ARIMATÉIA CAMPEÃO EM 1988 ?

Ex-zagueiro Arimatéia esteve ontem em Fortaleza com a delegação do Guarani de Juazeiro

Foram 214 partidas com a camisa do Ferroviário. O zagueiro Arimatéia marcou época no time coral entre 1985 e 1989. Oriundo do Icasa/CE, favor não confundir com o seu homônimo, cria da base coral e já falecido, que atuou na década de 70. Estamos falando de José de Arimatéia da Silva, zagueiro titular que participou de 35 jogos no memorável título estadual de 1988. Você sabe por onde ele anda? Arimatéia mora em Juazeiro do Norte e vem atuando na função de preparador físico desde que pendurou as chuteiras. Trabalhou por um bom tempo no Icasa e depois de um 2016 parado para tratamento de saúde, ingressou no Guarani de Juazeiro, que faz boa campanha no Estadual desse ano. Há alguns anos, quando do falecimento de seu homônimo dos anos 70, Arimatéia disse que muita gente ficou assustada: “pensaram que tivesse sido eu e todo mundo me ligou preocupado, mas graças da Deus não era a minha vez“, disse em tom de brincadeira.

Uma das formações do Ferroviário no ano de 1988 – Em pé: Silmar, Serginho, Marcelo Veiga, Djalma, Alves e Arimatéia; Agachados: Arnaldo, Mazinho Loyola, Guina, Denô e Carlos Antônio

O Ferroviário está nas mais bonitas lembranças do ´xerifão` Arimatéia e de sua família. Foi certamente o time que ele mais se identificou durante sua trajetória no futebol, que envolveu ainda passagens pelo Fortaleza  e ABC de Natal. Em contato com o Almanaque do Ferrão, o ex-zagueiro coral recordou as boas campanhas principalmente das temporadas de 1985 e 1988, quando atuou ao lado de nomes como Arnaldo, Luizinho das Arábias, Vander, Denô, Vassil, Carlos Antônio, Marcelo Veiga e Cardosinho. Em mais de 200 partidas pelo Ferrão, engana-se quem pensa que Djalma e Juarez, companheiros inseparáveis no título de 88, estão na formação de zaga ideal para Arimatéia. “Foram dois excepcionais jogadores, mas o meu parceiro na zaga que me identifiquei bastante e joguei por mais tempo junto foi o paraense Léo, que veio do Remo/PA. A gente se entendia muito bem e formamos a dupla titular entre 85 e 87“, lembrou ele.

Além de ex-companheiros, Arimatéia puxou pela lembrança nomes de diretores e colaboradores do Ferroviário em seu período. Ficou surpreso quando soube do falecimento do ex-presidente Carlos Alberto Mota e falou com especial atenção sobre Caetano Bayma e Vicente Monteiro. O ex-defensor coral traz vivo na memória a lembrança de um gol muito importante que marcou em março de 89, no jogo decisivo do Torneio Ciro Gomes, contra o Ceará, exatamente no último minuto do jogo, forçando uma decisão por pênaltis que garantiu o título daquela competição para o Tubarão da Barra. De presente pra ele, o nosso blog reprisa acima aquele belo gol em mais um momento festivo para o Ferroviário vivido pelo zagueirão que marcou época no time coral.

ENCONTRO DE GOLEIROS ANTES DE PARTIDA PELA COPA DO BRASIL

Goleiros para sempre e um capitão

A foto ao lado é de março de 1995 e mostra 3 ótimos goleiros que vestiram a camisa do Ferroviário. Foi tirada no Castelão, antes de uma partida do time coral contra o Remo/PA pela Copa do Brasil. De camisa listrada, o goleiro Roberval, bicampeão estadual 94-95 pelo Ferrão. De branco, seu treinador de goleiros na época, Edmundo Silveira, ex-arqueiro do próprio Ferroviário entre 1978 e 1982, que disputou 19 partidas no título cearense de 79, quando chegou a ser titular durante a competição e teve a felicidade de jogar a finalíssima contra o Fortaleza em razão do terceiro cartão amarelo do titular Cícero Capacete. A seu lado, o grande goleiro Clemer, que vestia a camisa do Remo na época e que, apenas dois anos antes, defendera o Tubarão da Barra vindo do futebol maranhense. Depois de jogar na equipe paraense, Clemer se destacou nacionalmente como goleiro do Goiás/GO, Portuguesa/SP, Flamengo/RJ e Internacional/RS, onde foi campeão mundial. Perceba a altura de Edmundo Silveira diante de Roberval e Clemer, certamente bem acima da média para os padrões dos arqueiros que atuavam na década de 70. De quebra, o capitão Paulo Adriano, o último jogador até hoje a levantar uma taça para o Ferroviário, exatamente no final daquela temporada.

MEIA QUE PASSOU PELA BARRA É O NOVO REFORÇO DO REMO/PA

flamelremo

Promoção do Remo anunciando o novo reforço

Lembra do meia Flamel? Ele é considerado um dos jogadores mais talentosos que o futebol paraense produziu até hoje. Experiente, passou pelo Ferrão na reta final do campeonato cearense de 2013 e retornou ao clube para disputar a temporada seguinte, quando pouco jogou, perseguido por seguidas contusões que começaram logo no segundo jogo da competição. Depois de se destacar novamente no Águia de Marabá, ele é o novo reforço do Remo/PA para a Série C do campeonato brasileiro. A carreira de Flamel ganhou notoriedade nacional quando ele se destacou, há 10 anos, no campeonato nacional defendendo a Tuna Luso/PA. A fama de ´craque do norte´ o levou ao Flamengo/RJ, onde pouco jogou. Esteve no Icasa/CE e depois retornou ao Pará. Na Barra, Flamel, cujo nome verdadeiro é Arlisson Sousa Cardoso, conseguiu estar presente em apenas 10 partidas e marcou um gol, na Arena Castelão, contra o Icasa, justamente seu ex-clube no estado. Boa sorte para o ex-coral, agora novamente defendendo uma potência do futebol nacional.

125 GOLS ASSINALADOS NUMA MESMA FOTOGRAFIA ANTIGA

1 005_2

Nasa, Batistinha e Acássio antes de mais uma partida do Ferroviário no Estádio Elzir Cabral

O retrato de hoje equivale a 125 gols do Ferroviário marcados nos anos 90. Em foto histórica no Elzir Cabral, reveja três jogadores corais que marcaram época: o lateral direito/volante Nasa (76 jogos e 7 gols), o atacante Batistinha (80 jogos e 44 gols) e o meio campista Acássio (132 jogos e 74 gols). Um pernambucano, um piauiense e um bom baiano respectivamente. Depois de passarem pelo Ferrão, Acássio e Nasa atuaram pelo Vasco/RJ. Batistinha, cria do Flamengo/PI, jogou ainda em times tradicionais do futebol brasileiro como Vitória/BA, ABC/RN, Remo/PA e Santa Cruz/PE. Nomes eternos!

COLETÂNEA DE GOLS DO CRAQUE DE UMA GERAÇÃO INESQUECÍVEL

Faltam poucos dias para o aniversário de 20 anos do bicampeonato do Ferroviário conquistado em 1995, ano do FerroBiário, como costumava dizer o saudoso Antônio Estelita Aguirre, diretor de comunicação durante aquele auspicioso período. Sem dúvida alguma, o maior craque daquele time inesquecível foi o meia-atacante baiano Acássio, o símbolo maior da genialidade de uma geração que marcou época no futebol cearense. Foram 74 gols marcados com a camisa coral, o que o coloca como o 7º maior goleador da história do clube. Hoje é dia de prestar homenagem ao ex-jogador e conferir no vídeo acima 20 minutos de brilhantismo com os gols do eterno ídolo, figura certa na seleção coral de todos os tempos escolhida em campanha promocional há quase três anos.

expressoacassio

Entrevista na Expresso Coral

Acássio de Oliveira Seixas nasceu em Feira de Santana, interior baiano, em 1967. Ele jogava pelo tradicional Fluminense de sua cidade natal quando foi indicado para o Ferroviário, em 1993, pelo pai do treinador Lula Pereira, que o conhecia do futebol da boa terra. Se notabilizou no futebol cearense pela genialidade apresentada em dribles curtos, rápidos, em pequenos espaços do gramado, pelas arrancadas em direção à área adversária e pelos muitos gols decisivos que marcou em clássicos. Dentro da área, Acássio era frio e impiedoso, tornou-se rapidamente o xodó de uma torcida há tempos carente de grandes ídolos. Foram 132 jogos ao todo envergando a camisa do time que o acolheu no futebol cearense. Seu brilhantismo o levou a vestir a camisa do Vasco da Gama/RJ em temporadas seguintes. Encerrou a carreira atuando pelo Remo/PA. De todos os clubes que defendeu, o Ferrão é o que Acássio guarda as melhores recordações, muitas delas estampadas numa sensacional entrevista de duas páginas na edição de número 6, em abril de 2009, da extinta Expresso Coral, a revista oficial do Ferroviário naquele período. Aproveite bem o vídeo, pois gols assim hoje são coisa rara de se ver. E jogadores como Acássio são coisa rara de existir.

EX-TREINADORES CORAIS FAZEM SUCESSO NA SÉRIE D NACIONAL

amapariver

Ríver: as mesmas cores do Ferroviário

Dois ex-treinadores do Ferroviário começaram a semana de um maneira bem sucedida. No último final de semana, eles conquistaram o acesso para a Série C brasileira comandando Ríver/PI e Botafogo/SP. Estamos falando de Flávio Araújo e Marcelo Veiga respectivamente. E não é a primeira vez que ambos conseguem tal feito em âmbito nacional. O primeiro já conseguiu subir de divisão com América/RN, Sampaio Corrêa/MA e Icasa/CE, enquanto que o segundo já foi até campeão brasileiro da Série C no comando do Bragantino/SP. Curiosamente, seus clubes atuais possuem as mesmas cores do Ferroviário. Mas você é capaz de lembrar da passagem deles pelo Ferrão?

marcelo_veiga

Marcelo Veiga: ex-jogador e ex-técnico coral

ídolo do Ferroviário como jogador na década de 80, Marcelo Veiga chegou para ser treinador no campeonato brasileiro de 2004. Foram 15 jogos entre junho e setembro daquele ano. O Ferroviário chegou na última rodada precisando de um empate contra o Parnaíba/PI, fora de casa, para passar para a 2ª fase da Série C, mas perdeu o jogo por 1×0 numa cobrança de falta e deu adeus à competição. Neófita e incompetente no futebol, a direção coral na época não renovou com Marcelo Veiga para a temporada seguinte, preferindo apostar no técnico local Alencar Mota para o campeonato cearense. Marcelo seguiu para o Bragantino com a promessa de fazer um trabalho de longo prazo e, três anos depois, na Série C de 2007, sagrava-se campeão brasileiro como técnico. Depois de dirigir equipes como Guarani de Campinas, Portuguesa/SP, Remo/PA e São Caetano/SP, esse ano ele começou um trabalho no Botafogo de Ribeirão Preto que culminou com mais um acesso nacional no currículo de Marcelo Veiga.

675a4fdf80f8e0f0ed34e8c093382527

Flávio Araújo foi treinador do Ferrão em 2002

Por sua vez, Flávio Araújo não chegou a jogar no Ferroviário como jogador profissional, mas passou pelas equipes infantis corais na década de 70. Foi volante do Ceará nos anos seguintes e começou a treinar o Icasa quando pendurou as chuteiras. Depois de treinar a dupla Fortaleza e Ceará, chegou para dirigir o Ferrão em 2002, entre março e agosto. Fez um bom trabalho e ajeitou a equipe coral no meio do campeonato cearense, porém sem chance de brigar por título em razão da limitação técnica do elenco. Foram ao todo 35 partidas no comando do Tubarão da Barra. Hoje, Flávio é um treinador requisitado no futebol nordestino e o acesso com o Ríver/PI é apenas mais um em sua carreira, ele que também já foi campeão brasileiro, na Série D, quando dirigia o Sampaio Corrêa em 2012.

Botafogo-de-SP-consegue-acesso-para-a-Série-C

Botafogo: as mesmas cores do Ferroviário

Um dos dois ex-corais pode conquistar mais um título brasileiro na atual temporada. Seus times têm como adversários o Ypiranga/RS e o Remo/PA. Se passarem, podem se enfrentar numa grande final e comemorarem o grande momento vivido na atualidade. Voltando no tempo como atletas, em 1988, Flávio Araújo e Marcelo Veiga se enfrentaram dentro de campo apenas 3 vezes. O ex-lateral coral nunca perdeu para o ex-volante alvinegro, sendo 1 vitória e 2 empates naquela já distante temporada. Detalhes que só o Almanaque do Ferrão é capaz de lembrar.

PRIMEIRA ENTREVISTA DO GOLEIRO CLEMER APÓS VITÓRIA CORAL

A maioria das pessoas só conheceu o goleiro Clemer quando ele foi vice-campeão brasileiro com a Portuguesa/SP em 1996 ou depois que chegou ao Flamengo/RJ no ano seguinte, onde foi sempre titular, saindo apenas para brilhar com a camisa do Internacional/RS por várias temporadas e conquistar o título mundial interclubes em 2006. O Almanaque do Ferrão recupera hoje o vídeo com a primeira entrevista do ex-arqueiro coral em sua passagem pelo Tubarão da Barra. Corria o ano de 1993 e Clemer permaneceu como titular absoluto em 23 partidas no total. A entrevista foi concedida no vestiário do Castelão no dia de sua estreia, logo após uma vitória em cima do Fortaleza em partida do campeonato cearense. Ainda no vídeo, é possível rever também o volante Ronaldo Salviano, um dos principais nomes do time coral na temporada. Vale lembrar que Clemer veio para o Ferroviário oriundo do Maranhão Atlético Clube e, na época de sua contratação, houve um membro da imprensa cearense que ironizou a chegada do atleta anunciando-o da seguinte forma: “Ferrim contrata goleiro com nome de bolacha“. O nome de Clemer foi escolhido por seu pai numa homenagem a outro goleiro, o lendário Ray Clemence, que fez história no Liverpool e na seleção inglesa. Logo após o campeonato, Clemer foi parar no Remo/PA e depois no Goiás/GO, duas escalas importantes em sua trajetória de sucesso. Para vergonha eterna do cronista que o ironizou.