IMAGEM RARA DO FERROVIÁRIO COM O LATERAL DIREITO IVAN LOPES

Ferroviário Atlético Clube em 1977 – Em pé: Giordano, Arimatéia, Joel Maneca, Lúcio Sabiá, Ivan Lopes e Grilo. Agachados: Vanderley, Oliveira, Oliveira Piauí, Danilo Baratinha e Babá

O retrato é um registro histórico do dia 17 de Julho de 1977. Antes de jogar a partida de número 1.566 de sua jornada, o Ferroviário posou no gramado do Castelão. Nesse dia, o adversário foi o Ceará, que acabou levando a melhor ao quebrar uma invencibilidade de 12 partidas do time coral no campeonato cearense. Trata-se de uma imagem até certo ponto rara, já que não é muito comum encontrar fotografias do Ferrão trazendo o lateral direito Ivan Lopes, que só disputou aquela temporada pelo Tubarão da Barra, totalizando apenas 17 jogos na história com a camisa coral. Ivan era um jogador rodado no futebol nordestino, teve boas passagens na Paraíba e foi titular do Tiradentes/PI em momentos históricos da equipe piauense no campeonato brasileiro daquela década. O treinador desse time era o também experiente Pedrinho Rodrigues, um dos responsáveis por lançar no time principal um nome que se consagraria como astro no Brasil e na Inglaterra: o atacante Mirandinha. Da onzena da foto, o atacante Oliveira Piauí faleceu em 1981. O outro Oliveira chegou a ser treinador e supervisor do Ferrão em várias oportunidades na década de 1980. Danilo foi treinador do Tiradentes/CE no campeonato cearense desse ano.

APRESENTAÇÃO HISTÓRICA DE UM TÉCNICO MUNDIALMENTE FAMOSO

1976_0522

Registro dos torcedores na arquibancada do SESI e Vavá cumprimentando o goleiro Marcelino

Você lembra do Edvaldo Izídio Neto? Infelizmente seu nome é poucas vezes reverenciado no futebol cearense. Ele foi treinador do Ferroviário no campeonato estadual de 1976. Estamos falando exatamente de Vavá, bicampeão mundial pela seleção brasileira nas copas de 1958 e 1962. Há exatos 40 anos, era ele o técnico coral a comandar jogadores como o goleiro Marcelino, o zagueiro Pogito, o meia Danilo Baratinha e o atacante Lula, entre outros. Talvez seja o treinador mais famoso que já passou pela Barra do Ceará em todos os tempos. Sua apresentação ocorreu debaixo de foguetório diante de centenas de pessoas no campo do SESI, instalação que fica até hoje ao lado do estádio Elzir Cabral. Foram apenas 13 partidas no comando técnico coral, mas o suficiente para entrar na história. Em 21 de março daquele ano, Vavá dirigiu o Ferrão na vitória por 1×0 contra o Calouros do Ar, pela 2ª fase do 1ª turno do estadual, gol de Oliveira. Pouco mais de um mês depois, após sofrer uma goleada por 6×0 para o Ceará, perdeu o emprego. O famoso ´Leão da Copa` seguiu sua carreira e fez parte da comissão técnica de Telê Santana na lendária participação do Brasil na Copa de 1982, na Espanha. Vavá morreu em 19/01/2002, vítima de infarto e foi sepultado no Rio de Janeiro.

EM 01 DE SETEMBRO DE 1973 COMEÇAVAM OS ANOS DE CHUMBO

ditadura-3

Anos de chumbo também para o Ferroviário

Engana-se quem acredita que o calendário do futebol é um problema dos dias atuais. Muitos clubes amargaram situação semelhante nos tempos da ditadura. O Ferroviário, em particular, chegou à beira do precipício em termos financeiros pela falta de jogos oficiais em boa parte dos anos 70. E foi exatamente num 1º de setembro como hoje, há 42 anos atrás, que o time coral estreou na Taça Santos Dumont, uma espécie de Taça Fares Lopes da época, que reunia todos os times cearenses sem competições oficiais promovidas pela antiga CBD, com exceção de Ceará, que havia conquistado a vaga dentro de campo como campeão do ano anterior, e o Fortaleza, este indicado pelo coronelismo estadual em consonância com o regime militar dentro da vergonhosa linha de ação eternizada pelo histórico mote: “onde a Arena vai mal, mais um no Nacional“. E foi o Maguari, no jogo de número 1.367 da vida coral, que enfrentou o Ferrão num Elzir Cabral inacabado, diante de um público diminuto que pagou para ver o gol da vitória de 1×0 marcado por Simplício. Largada com o pé direito na nova competição.

simplicio

Simplício: gol solitário na estreia

Treinado por Vicente Trajano, lendário ex-jogador coral, o Ferroviário atuou naquela tarde com Marcelino, Carlito (César), Lúcio Sabiá, Luciano Amorim e Eldo; Vicente e Simplício; Brígido (Alfredo), Oliveira, Dim e Marcos. Era basicamente um time formado por jovens da base. Do outro lado, o experiente Astrogildo Nery mandou à campo o Maguari com Ademir, Berico, Paulo Afonso, Assis e Neto; Rubens e Zé Maria Oliveira (Bosco); Chico Alves, Piçarra, Ibsen e Nilsinho. Depois vieram como adversários Quixadá, América, Calouros, Guarany de Sobral, Tiradentes, Icasa e Guarani de Juazeiro, este o campeão da competição. Talvez nem eles próprios lembrem, dada a pouca cobertura da mídia cearense na época, ocupada demais com a participação da dupla Ceará-Fortaleza no Brasileiro. Eram os anos de chumbo para o país e também para a grande maioria dos times nacionais, alijados de competições oficiais graças ao calendário excludente da CBD, nada muito diferente da situação vivida no futebol nacional nos últimos 10 anos na “nova” lógica da CBF. Como se fez no passado, já passa da hora de mudar o panorama do calendário, pois não faltam times agonizando prestes a fecharem as portas.

O GOL MAIS BONITO DO FANTÁSTICO: JORGE VERAS DO FERROVIÁRIO

Em outubro do ano passado, o Almanaque do Ferrão recordou o gol do centroavante Ilo, em 1987, escolhido o mais bonito da rodada pelo programa Fantástico. A postagem repercutiu no sul do país e o próprio filho do ex-jogador coral, falecido em 2010, entrou em contato com o blog, o que valeu outra matéria apresentando aquele lance memorável. Hoje é a vez de resgatar um outro gol histórico escolhido por aquele famoso semanário da televisão brasileira. Vamos até 24 de Julho de 1983, quando Ferroviário e América jogaram no Castelão e o belo tento da vitória coral veio dos pés do artilheiro e ídolo Jorge Veras, que fazia com o meia Betinho uma dupla infernal no campeonato cearense.

ferrao83

Jorge Veras é o 5º agachado no elenco de 1983

O Ferrão era comandado pelo treinador Lula, ex-atacante do Internacional/RS e do Fluminense/RJ. Naquela tarde de domingo, ele escalou o time com o futebol de Giordano, Laércio, Paulo Alves, Nilo e Luisinho; Doca, Carioca e Barga (Paulinho Lamparina); Chicão (Narcélio), Paulo César Cascavel e Jorge Veras. Antes desse jogo, o América havia quebrado uma invencibilidade de 18 jogos do timaço que o Fortaleza montou na temporada de 1983. Treinado pelo ex-jogador, supervisor e treinador coral José Oliveira, o time rubro endureceu o jogo com Tarcísio Abelha, Tuca, Carlão, Darci e Canhoto; Faquim (Pinto), Joel Maneca e Marinho Macapá; Jadir (Carlinhos), Narcélio e Escurinho.

b0aaeabd451b4e5637bf3336c157315c

No Grêmio/RS

No início da temporada seguinte, depois de disputar o campeonato brasileiro da 1ª divisão com o Ferrão, Jorge Veras foi negociado com o Criciúma/SC e em 1985 já era titular do Grêmio/RS, onde sempre se destacou com gols importantes nos clássicos contra o Internacional/RS. O ex-artilheiro jogou ainda em São Paulo e Pernambuco, voltando ao Tubarão da Barra no período 90-92 e teve o mesmo destaque. Ao todo foram 155 jogos e 65 gols marcados com a camisa coral. Sem dúvida, um ídolo eterno na história do Ferroviário, escolhido como um dos atacantes na campanha ´Time dos Sonhos` promovida há 2 anos no site oficial do clube.